You are on page 1of 7

Comunicação e Cultura

Educação Comunicação e Multimédia


Cláudia Fantasia

Origem e Natureza da especificidade comunicacional nos


seres humanos

(* Ver o processo de hominização e filme “Odisseia da espécie”)

Filme “A odisseia humana”

[1] Origem (orrorin)

 A nossa origem vem dos macacos, nomeadamente, dos macacos da selva, porque estes
sobreviveram enquanto os da savana foram extintos.
 Com a escassez de alimento, torna-se necessário descer das árvores para encontrar alimento
e consequentemente sobreviver. Começam a apoiar-se nos membros posteriores e tentam
se movimentar na posição bípede. Surge o orrorin (pré-humano).
 Se sobreviverem para se reproduzir, a espécie contínua, originando um homem ou quase
homem.
 As descobertas são passadas de geração em geração.
 A marcha permite evolução da mão, por estar livre, o que leva ao aumento da destreza
manual.

[2] Australopitecos

 Face às condições ambientais e escassez de alimento, há 3 hipóteses a considerar: adaptar-


se, mudar-se ou extinguir-se.
 Lucy, única sobrevivente do clã, estava grávida e sozinha. Precisava de comida para
sobreviver. Avista um grupo (Anamasis) e para sobreviver, tenta integrar-se nele. Contudo,
têm comportamentos e linguagem diferentes e para ser aceite utiliza a submissão. O outro
grupo alimentava-se de forma diferente, comia carne, enquanto ela comia somente fruta e
vegetais. O outro grupo utilizava técnicas para comer carne, ferramentas que ela
desconhecia do grupo onde estava antes. Ela cansa-se a andar, enquanto eles não. Apesar
destas diferenças, ela conseguiu protecção de um membro do grupo. Certa altura, devido à

Pág 1 / 7
Comunicação e Cultura
Educação Comunicação e Multimédia
Cláudia Fantasia
escassez de alimento, torna-se necessário atravessar a água, mas Lucy não
consegue, porque tem os membros inferiores mais curtos e o peso da barriga (gravidez) traz
cansaço. Acaba por se afogar e os outros deixam-na lá na água e seguem o caminho.

[3] Homo Habilis

 Interroga-se sobre os mistérios da vida


Ex: Se a pedra corta a mão, corta também outras coisas.
 A pedra tornou-se essencial para tornar a comida acessível quando a pele do animal é
rígida e dura para se rasgar com os dentes (ex: corpo de um crocodilo)
 É criado utensílio para cortar e preparar os alimentos, alimentam-se melhor,
essencialmente maior quantidade de proteínas e consequentemente maior
desenvolvimento intelectual.
 As grandes descobertas e invenções tornam-se acessíveis a todos e aperfeiçoam-se com
imitação.
 É criado o utensílio para matar animais: flecha e lança. Eles deixam de ter medo de
enfrentar animais e confiam no poder da lança.
 Para se abrigarem no solo dos perigos, criam um abrigo com pedras e ramos.
 Começam a diferenciar as pedras por odor, se cortam ou se esmagam…
 Deixam África tropical e conquistam novos lugares do mundo.

[4] Ergáster

 É maior e consome mais energia.


 A continuidade de um grupo depende de cada um: protegem-se uns aos outros nos perigos,
o que leva à criação de laços e afecto entre eles e sentimento de integração e pertença a um
grupo.
 A morte de outro elemento do grupo fica na memória, ele sofre e toma consciência que não
voltará, que a vida é frágil e começa a chorar.

[5] Homo Erectus

 Utiliza armas para caçar e encontrar alimento todo o ano.


 A caça altera as actividades e o corpo.
 Surge as especificações de tarefas.
 Mais audazes, protegem-se e previnem-se dos perigos.
 Sofisticação de utensílios exige mão-de-obra qualificada e o ensino é fundamental – surgem
as primeiras escolas.
 Os códigos entre mulher e homem mudam.
 Utilizam a sedução para a cópula.
 A ausência de pêlos deixa mais à vista os genitais.

Pág 2 / 7
Comunicação e Cultura
Educação Comunicação e Multimédia
Cláudia Fantasia
 Fogo era visto como grande animal, surgiu de um relâmpago.
 Descobriu-se que se podia manter o fogo na lança e que servia para cozinhar. A comida
cozinhada não fazia tão mal como a crua. Utilizaram-no também para se defenderem dos
animais perigosos, para se aquecerem e para terem luz à noite.

[6] Neanderthal

 Adapta-se à neve e ao frio: cria vestuário feito com pele de animal para se proteger do frio e
abriga-se nas grutas e cavernas.
 Vai para a Europa.
 Surgem as intrigas para tomar papel do chefe do clã (o filho aproveita-se da caça com o pai
para o matar e ficar com o seu poder)
 O chefe tem um determinado vestuário e esse vestuário passa de chefe para chefe.
 Novo chefe rouba a mulher, as roupas e o poder do antigo chefe (pai).
 Estão todos contra as atitudes e comportamento do novo chefe.

[7] Homo Sapiens

 Desconhece-se o local de origem.


 Desloca-se segundo as estações do ano para obter alimento.
 Fazem instrumentos de música (de sopro) e há uma convicção de que a dança antes da caça,
os Deuses lhes beneficiará.

Encontro entre 2 grupos diferentes (Neanderthal e Sapiens):


 Ambos enterram os seus mortos
 Não se podem reproduzir entre eles, porque são geneticamente muito diferentes.
 Andarão lado a lado no mundo, mas é o Sapiens que prospera.

O desaparecimento dos Neanderthal não está bem explicado, talvez seja por baixa de natalidade,
doença, no entanto, uma coisa era certa, estava menos adaptado que os Sapiens.

Os Cro-Magnum marcam a cultura nas paredes e nasce a arte.

Hoje somos Sapiens Sapiens, aquele que conhece e que raciocina.

Pág 3 / 7
Comunicação e Cultura
Educação Comunicação e Multimédia
Cláudia Fantasia
Interpretação do filme:

 Importância: mostra como a espécie surge; como a espécie evolui; como o sistema de
comunicação se complexifica; o quanto a evolução da mão, nomeadamente do polegar, é
importante para a evolução do cérebro; a marcha bípede modifica a posição da cabeça que
permite um salto na sua inteligência, começa a olhar para a frente.
 O filme está relacionado com a disciplina porque mostra a origem da comunicação humana e
origem da cultura humana.
 Como é que a linguagem evoluiu? 1º foram uns zurros, depois os sons foram-se articulando…

 Lutas entre rivais para disputarem uma série de coisas

 Os instrumentos são os nossos prolongamentos (ex: os cadernos são o prolongamento da


nossa memória, os óculos da nossa visão, carro da locomoção, computadores da memória e
raciocínio lógico, …)

 Compreender a evolução da cultura e comunicação através da linguagem.


 Através da linguagem de dupla articulação o Homo Sapiens Sapiens desenvolve
conhecimento abstracto (pensamento abstracto).
 Existe formas de articulação nos outros seres vivos, mas não existe linguagem de dupla
articulação, só nos seres humanos.

Exemplos em que a Capacidade abstracta tem utilidade:


 Temos percepção do tamanho dos animais ao longe e ao perto
 Consciência da morte, dificuldade em aceitar a finitude da vida

 Importância do processo da humanização para o estudante de ECM:


- Indica como uma espécie se destaca, constrói cultura e sociedade diferenciadas ao nível do
planeta (diversidade da sociedade e da cultura)
- Não podemos dissociar a comunicação da cultura nem da sociedade, temos que ir às
origens para conhecer o presente.

Para chegarmos ao Homo Sapiens, pressupõe organização superior da linguagem, da sociedade e da


cultura.

Australopiteco Um desastre ecológico (período de seca) leva à fuga dos animais da floresta
tropical para a savana. Há uma elevada densidade populacional na savana, logo há
= macacos do sul, maior risco dos animais morrerem, em confrontos com predadores.
porque viveram no
Uma espécie que é predominantemente quadrúpede torna-se bípede lentamente,
hemisfério sul
mais lenta que o predador e que a presa _ o australopiteco.

Notas: 1º sinal de comunicação – espreitam na posição bípede para intersectarem a


Austral =sul Pitecto presa e escaparem do predador e comunicavam entre eles , o que leva à
= macaco
reorganização social, aparecimento do bipedismo e utilização de uma nova

Pág 4 / 7
Comunicação e Cultura
Educação Comunicação e Multimédia
Cláudia Fantasia

linguagem. É o princípio de uma nova linguagem motivada pela sobrevivência na


savana.

Ao libertarmos os membros anteriores da marcha, a pouco e pouco foi-se


destacando a oponibilidade do polegar, o que se tornou útil e essencial no
manuseamento dos instrumentos.
Pau e pedra são o prolongamento do punho quer na defesa quer no ataque de
outros animais.

Segundo os autores, havia 2 espécies de australopitecos: robustus e gracilis.


Descendemos dos últimos, pois eram os mais ágeis e graciosos e conseguiam se
defender melhor porque ainda trepavam as árvores.

Homo Erectus Transforma já um pouco a natureza, ao contrário do chimpanzé.

= Homem erecto Observa que a “pedra corta a mão” e conclui que corta a carne, rasga a pele,
arranja vestuário, …

Com o bipedismo, a visão tem outro horizonte: consegue ver ao longe e caçar a
alta distância lançando a pedra não lascada.

A quantidade de roedores na savana diminui e o Homem começa a caçar animais


de maior porte. Ingere assim mais proteínas que conduz à complexificação do
cérebro e readaptação dos maxilares. O crânio aumenta de tamanho para dar
lugar a um cérebro cada vez maior que o permite pensar melhor.

Descoberta do fogo (criado por um relâmpago) trouxe bastantes benefícios. Por


acidente, deixou que o fogo cozinhasse a carne. A carne cozida é mais fácil de
mastigar, a digestão é melhor e o maxilar e a dentição mudam e come-se mais.

Homo Faber Transforma ligeiramente a natureza.

= Homem que faz, Com a descoberta da pedra lascada, vai surgir a possibilidade de afiar a vara-pau
que transforma a transformando-a em lança que vai servir para caçar a presa e com a utilização da
natureza
pedra lascada não só pode cortar o animal como arranjar as peles que servirão de
revestimento.

Descobre a utilidade do veneno (bagas com seiva venenosa) na caça e utiliza-o na


ponta das flechas. O predador passa a ser fonte de alimentação.

Dá-se a organização das sociedades numa forma mais complexa: a mulher fica em
casa para cuidar dos filhos e durante a gravidez, porque não pode ir para a caça;
os filhos ficam assim mais protegidos e dá-se maior crescimento da população.

Devido à complexidade das relações na sociedade, a linguagem torna-se


extremamente desenvolvida.

Pág 5 / 7
Comunicação e Cultura
Educação Comunicação e Multimédia
Cláudia Fantasia

Homo Habilis Aperfeiçoa a maneira de escapar do predador e de apanhar a presa, a linguagem


complexifica-se, a sociedade complexifica-se e vai aparecendo a linguagem de
= Homem dupla articulação.
habilidoso
Aperfeiçoa o utensílio: azaguia (pau comprido com veneno na ponta), sob o efeito
anestésico do veneno, o predador torna-se menos perigoso; inventa o arco e a
flecha, que vai mais longe e serve-se dele para se defender e alcançar ao longe
animais que com o veneno atordoa a presa.
Aprofunda-se a dieta alimentar ao introduzir-se a carne na alimentação, mais
proteínas fazem-no robusto e complexificam o cérebro.

Homo
Economicus Predispõe-se de 3 utensílios: lança, pedra lascada e seta.
Desenvolve a economia: surge os caçadores recolectores; utilizam os instrumentos
= Homem que se de forma organizada para sobreviverem e utilizam as tarefas produtivas de forma
organiza e faz a organizada.
economia
Há divisão social das tarefas, e a primeira divisão é entre homens e mulheres. (Ex:
as mulheres ficam no abrigo e eles vão caçar, elas recolectam o alimento dos
terrenos e eles ficam ausentes dias para caçar).

Caçadores recolectores começam a domesticar os animais, pelo que a proteína


passa a fazer parte da alimentação com menos esforço.
Começam também a domesticar as plantas para a sua alimentação e surge a
agricultura.
Isto tudo leva à mudança do nomadismo para a sedentarização.
São criadas reservas alimentares e o Homem descobre quais são as espécies que
melhor se domesticam: cabras, ovelhas e ovinos.
(plantam alimentos que estavam dispersos e guardam o excedente que permite
fonte de alimentação estável para todo o ano)

Com a sedentarização passam da idade da pedra para a idade do ferro.


Criam machados de ferro, bons utensílios para a agricultura para semearem
plantas.

Homo Sapiens “Só sei que nada sei” de Platão significa que o Homem tem muito que aprender e
Sapiens que quanto mais sabe, aprende que tem muito mais coisas a aprender.

= Homem sapiental O Homem é um sonhador, sonha acordado e a dormir. O sonho transporta-o para
sapiental = Homem o passado quando vai às memórias e para o futuro quando deseja algo.
que sabe que sabe

Desconhecimento das causas de fenómenos naturais leva à crença de forças


ocultas e surge assim a religião: para explicar os fenómenos que desconhecemos.
Dá-se a primeira manifestação da religião: culto dos mortos. Acreditava-se que as
sepulturas falavam e davam comida e bens aos seus mortos para ajudá-los nessa
caminhada da transição da vida.

Pág 6 / 7
Comunicação e Cultura
Educação Comunicação e Multimédia
Cláudia Fantasia

A linguagem humana

 Linguagem arcaica  linguagem de hoje


 enriquecimento da articulação de sons e de palavras

 A linguagem dos seres humanos distingue-se dos outros seres. Ao contrário dos outros seres
temos vários tipos de linguagem que se caracterizam pela sua complexidade, como a:
gestual, oral e escrita.
 A linguagem humana é uma linguagem de dupla articulação.

 A primeira articulação deu-se entre fonemas (unidades mínimas de som) que originou
monemas (unidades mínimas de sentido) e a segunda articulação deu-se entre monemas que
originou frases.

 Fonemas = unidades mínimas de som que correspondem a sílabas, unidade mínima na


gramática.
 Monemas = conjugações de fonemas que correspondem a palavras, unidades mínimas de
sentido.
 Um fonema pode corresponder a um monema (ex: pé, pá, mó…).

 Todas as consoantes associadas a um vogal obtemos um fonema.


 Associando vários fonemas de forma diferenciada, obtemos várias palavras, podendo assim
criar variadíssimas mensagens, frases.

 Antes de se inventar a escrita, a linguagem humana já estava formada.

 Linguagem de dupla articulação permite um número infinito de unidades máximas de


sentido, exclusivo do Homem.

 1ª articulação: fonemas  monemas


 2ª articulação: monemas  frases

Significante Significado
Ex: O significante é a realidade, Ex: O significado é a palavra que
o objecto que vemos sob o Em traduz o objecto.
qual o ser humano português:
representa-o sob diversas mesa;
línguas. Em Inglês:
Table.

Pág 7 / 7