You are on page 1of 8

10/01/2016

:: Fibromialgia ::

Pontos de Vista
COMPREENDENDO A “DOR PSÍQUICA” DOS PORTADORES DE
FIBROMIALGIA
Maeda, Ana Maria Canzonieri 
Psicóloga - mestranda 
Fernandez, Maria Isela Garcia 
Psicóloga 
Feldman, Daniel 
Professor adjunto. Chefe da Disciplina de Reumatologia do Departamento de Medicina da
Universidade Federal de São Paulo. 
Introdução
A sua visão se tornará clara apenas quando você puder olhar dentro do seu coração. Quem olha para
fora, sonha; quem olha para dentro, desperta. 
Jung 
Este trabalho retrata o atendimento psicológico a um grupo de portadores de fibromialgia, por meio do
modelo “coping”, junto à disciplina de reumatologia na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).
Temos que “coping” pode ser considerado um modelo que desenvolve a capacidade de enfrentamento
(confronto; autocontrole; suporte social; aceitação da responsabilidade; resolução de problemas e
reavaliação positiva). 
A fibromialgia pode ser definida como uma síndrome dolorosa crônica, onde a dor é o sintoma mais
importante. O indivíduo apresenta múltiplos pontos dolorosos que são extremamente sensíveis ao
toque, chamados “tender points”. 

Figura 1: Tender Points 
Há relatos de casos onde a síndrome inicia-se após infecção viral ou bacteriana, um acidente,
problemas emocionais que envolvam perdas ou conflitos, levando-se a pensar em uma provável falha de
adaptação ou incapacidade de elaborar respostas adequadas aos estímulos internos e/ou externos.
Acredita-se também, que possa estar relacionada a traços de personalidade herdados, como o
http://www.fibromialgia.com.br/novosite/index.php?modulo=pacientes_pvista&id_mat=9

1/8

ele apresenta dificuldades para enxergar seu sofrimento. Estes sintomas podem apresentar-se isoladamente ou em conjunto.  2. social e profissional de forma saudável. Possibilitar a compreensão da doença. 1990). perda de memória. A manutenção da dor parece estar ligada diretamente ao suprimento das necessidades do indivíduo.  Sabe-se que distúrbios mentais e/ou emocionais podem estar presentes nos portadores de fibromialgia.  A dor entra para a chamada “zona de conforto”.  Objetivos Específicos  1. irritabilidade. convertendo assim.  Métodos  Este é um trabalho de campo. independentemente de outras patologias ou abordagens terapêuticas que pudessem estar associadasqua. depressão e ansiedade. diminuindo conseqüentemente o stress gerado pela limitação de vida dada pela doença. onde.  3. Desenvolver a capacidade de enfrentamento demonstrando a possibilidade do indivíduo reconhecer e usar suas potencialidades no contexto pessoal. Fornecer instrumentos para possibilitar a reorganização física e psíquica frente ao quadro de dor. incluindo alterações do humor.php?modulo=pacientes_pvista&id_mat=9 2/8 .  Objetivos Gerais  O enfoque deste trabalho é atender e decodificar o sofrimento do indivíduo contribuindo com o desenvolvimento da qualidade de vida pessoal e profissional. Orientar quanto à busca da qualidade de vida.  Figura 2: Relação estresse e fibromialgia  Pode-se pensar que a fibromialgia represente uma sensação alterada de dor.  4. Pela insuportabilidade psíquica do conflito vivenciado. por mais que o estado seja ruim. a dor emocional em um sofrimento físico.  1. o indivíduo deixa de querer entrar em contato com a causa do problema. inicialmente são tratados como depressivos. resultante das alterações sofridas por um indivíduo suscetível.  Devido a este conjunto de informações foi desenvolvido um projeto piloto para atendimento psicológico em grupo de portadores de fibromialgia.10/01/2016 :: Fibromialgia :: perfeccionismo ou a rigidez na manifestação do comportamento. por isso aliadas à dificuldade da confirmação diagnóstica. que foca o atendimento psicológico em grupo. muitos dos indivíduos. dificuldade de concentração.fibromialgia. pautado http://www. proveniente de diversos agentes estressores. 2004).com. com intervenção. existe um benefício secundário que mantém o indivíduo no estado de dor (PAIVA. (FELDMAN.br/novosite/index. causando a “dor” como a manifestação do conflito vivido internamente. Conscientizar o indivíduo de suas potencialidades e limites.

Para o Psicodrama. pois percebe o homem em seus aspectos bio-psico-socio-espiritual.php?modulo=pacientes_pvista&id_mat=9 3/8 . de transformação e evolução humana. ele elabora a partir daí a sexta necessidade básica que se baseia em transcender. Psicodrama é uma técnica desenvolvida por Moreno que pode ser usada em psicoterapia (psicodrama terapêutico) e em situações não psicoterápicas (psicodrama aplicado) e constitui-se de um corpo teórico e prático. em resignificar a vida. concebidos normalmente ao homem. além da realidade e do espaço-tempo. devido a 5 desistências. rompendo com os modelos aprendidos e se libertando das “conservas culturais” (aquilo que ficou cristalizado porque foi tido como certo e deve ser assim reproduzido). levando o indivíduo a uma reorganização de si mesmo no aqui-agora. Para Jung apud (Fadiman.  O trabalho foi orientado por duas psicólogas. (Almendro.br/novosite/index.  A espontaneidade é tida como a capacidade do ser humano agir de forma adequada e inovadora frente às “novas” e as “velhas” situações.  O período de realização do projeto foi de março a dezembro de 2003. 1994). ao final do trabalho chegaram 37 pessoas. como técnica para desenvolver a capacidade de enfrentamento e nas teorias da Hierarquia das Necessidades. social.  Psicologia Transpessoal: o termo transpessoal é dado por Maslow por meio de seus estudos sobre as necessidades básicas dos indivíduos. auto-estima. UNIFESP.aplicação de testes psicológicos projetivos – wartegg e figura humana (escolha da pesquisadora.10/01/2016 :: Fibromialgia :: no modelo “coping” desenvolvido por Lazarus.  De acordo com estes conceitos foi realizado o planejamento de sessões para o atendimento de um grupo de portadores de fibromialgia a partir dos encaminhamentos médicos do ambulatório de reumatologia do Hospital São Paulo da Escola Paulista de Medicina.fibromialgia. Participaram do grupo 42 indivíduos. Amplia a consciência. é uma metanecessidade.com.  A ruptura de padrões gera a evolução e o ponto desencadeador da mudança é a espontaneidade. segurança.  Maslow desenvolveu a teoria da hierarquia das necessidades onde considera que o indivíduo possui necessidades básicas a serem satisfeitas (fisiológica. estando o mesmo interligado a uma rede social e cósmica. em re-embasar os limites habituais e em colocar-se a serviço dos demais. a Necessidade do “Ser”. pela revivência de papéis e do desenvolvimento da espontaneidade. está fundamentada em um indeterminismo atômico e na relação quântica.  A Psicologia Transpessoal pode ser definida como a promoção da extensão experencial do indivíduo. 1993).  O interesse da psicologia transpessoal está focado no estado do “ser”. na auto-realização e nas expressões das metanecessidades individuais. que leva à compreensão do homem espiritual e um eixo horizontal. ego é o centro da consciência. 1993). com reuniões de duas horas. A verticalidade e a horizontalidade se inter-relacionam e são percebidas como uma relação que ultrapassa a barreira do Ego. Pode-se dizer que este nível é a motivação da essência da vida. 2000). buscando dar qualidade em sua vida. Envolve um eixo vertical. promovendo o aparecimento dos potenciais de busca/cura interior. que leva a situar o homem dentro de uma relação social. no Psicodrama e na Psicologia Transpessoal como abordagens para auxiliarem na caracterização e na mudança de comportamento do indivíduo frente ao estado de doença. desenvolvendo-se da seguinte forma:  . o processo de transformação se dá frente ao ato de espontaneidade que o indivíduo consegue quando está consigo mesmo. que mobiliza uma ação mental e corporal. http://www. perfazendo um total de 27 encontros. auto-realização) a fim de desenvolver-se de forma saudável na vida (Maslow. grupais e da espécie. da humanidade. após ter concluído a proposição da quinta necessidade: a de autorealização. percebendo-se na relação EU-OUTROS (MORENO. Concebe a intuição e a espiritualidade em sua práxis.

afetividade. favorecendo a compreensão particular de cada indivíduo na relação com o grupo.  O Teste de Wartegg é um teste projetivo que representa as seguintes áreas: ego. A aplicação pode ser individual ou coletiva. A realização das dinâmicas obedecia aos seguintes critérios:  http://www.  O Teste da Figura Humana é um teste projetivo que pode ser aplicado em indivíduos de ambos os sexos. desde que os sujeitos não possuam limitações físicas para desenhar (FREITAS.  O modelo coping serve para designar um processo de enfrentamento ao estresse. isto serve como um direcionamento para o planejamento das dinâmicas de grupo. denominada campo. 1990). fantasias inconscientes. seria a forma que o indivíduo usa para estabelecer uma relação de enfrentamento (LIPP.  3.  O atendimento em grupo dos indivíduos visava o levantamento de dados para o mapeamento da população e a realização de dinâmicas que possibilitariam a reeducação postural de vida. sensualidade.avaliação primária – avaliação por parte do indivíduo do que significa aquele evento para ele: dano/perda.php?modulo=pacientes_pvista&id_mat=9 4/8 . desde que os sujeitos não possuam limitações físicas para desenhar (CAMPOS. qualidade de vida. desafio.orientações teóricas sobre stress.dinâmicas de grupo – baseado no Psicodrama e na Psicologia Transpessoal.  Cada sessão trazia um tópico novo e interligado as necessidades dos indivíduos e do grupo. sem limite de idade ou grau de escolaridade.br/novosite/index.  . O desenho é elaborado livremente em cada um dos oito quadrados com lápis preto nº 2.  .  4.avaliação secundária – julgamento relativo ao que pode ser feito.  2.reavaliação – avaliação modificada baseada em novas informações advindas do ambiente e/ou levantadas pelo próprio indivíduo. O desenho de uma figura humana é elaborado livremente em folha de papel A4. porém visando a proposta de reorganização de valores e reeducação postural física e emocional. O significado de coping é o esforço cognitivo e comportamental que o indivíduo despende para administrar as exigências impostas por uma agente estressor. que representa a expressão da percepção e da vivência internalizada do indivíduo evidenciando traços da personalidade.  A coleta de dados pessoais. com lápis preto nº 2. comportamento e estabelecimento de relações.  Estudos de Lazarus e Folkman trazem que o estresse psicológico é uma relação particular entre a pessoa e o ambiente que é avaliado por ela como onerando ou excedendo seus recursos e colocando em risco o seu bem-estar (Limongi-França.fibromialgia.explicação e autorização para realização dos testes.questionário de avaliação pessoal inicial e final – coleta de dados e estória clínica.  Modelo Coping  1. A aplicação pode ser individual ou coletiva. sob os cuidados de um profissional psicólogo). 2002). criatividade. é circundado por um quadro formando uma moldura negra.  . ameaça. que representa a expressão da percepção do indivíduo frente ao estímulo dado e informa qual a vivência internalizada nas áreas específicas.  . O desenho elaborado tende a demonstrar o mecanismo do comportamento do indivíduo frente aos estímulos sofridos. Pode ser aplicado em indivíduos de ambos os sexos. emoções.10/01/2016 :: Fibromialgia :: podendo realizar-se outro tipo de teste.com. o mapeamento das necessidades e os testes fornecem uma visão genérica sobre o indivíduo. sem limite de idade ou grau de escolaridade. conduta social. que demarca o espaço e possibilita a concentração no estímulo.preenchimento do mapa de atividades que serve para coleta de dados sobre a rotina de vida e de necessidades – baseado na Hierarquia das Necessidades. 1993). vontade. 2003). crescimento/desenvolvimento. evidenciando traços da personalidade.enfrentamento – propostas e ações de mudança.  .

comportamento e estabelecimento de relações) eram ministrados de acordo com as necessidades dos indivíduos.fibromialgia. a trabalhar e a controlar a dor. relaxamento e meditação  f. relaxamento e meditação) e as orientações específicas (stress. pois inicialmente no grupo haviam pessoas mais deprimidas que choravam.exercícios de respiração. em 22. etc. visando a percepção do Eu. ocorreu a mudança de comportamento. no INSS.preenchimento de questionário de avaliação pessoal final . Refere-se a parte de avaliação primária do modelo coping. social.  CLIENTES RESPOSTA OBSERVAÇÕES 22 mudança de comportamento 14 pessoas voltaram a estudar e trabalhar 8 resistência a mudança de comportamento 7 oscilação de comportamento 5 desistência 1 atropelamento. 1 com dificuldade de horário.  . de respiração.exercícios de percepção corporal  e. Refere-se a parte de avaliação primária do modelo coping. meio e fim em cada sessão.dinâmicas de percepção do Tu  c. emoções. dos quais. Analisando-se os resultados percebemos que ocorreram 5 desistências. TOTAL = 42  http://www. estas motivadas por: um atropelamento.br/novosite/index.  Análise de Resultados  O quadro abaixo traz informações sobre a disposição dos indivíduos ao longo do projeto. passando a lidar melhor com a dor e buscando atitudes que o levassem a ter qualidade de vida.como o indivíduo percebia seu estado de saúde e de doença. Refere-se a parte de avaliação primária. de auto-realização. de segurança.dinâmicas de percepção do Eu  b. autorização e aplicação dos testes psicológicos.  Mantém resistência a mudança de comportamento 8 indivíduos e os 7 restantes oscilam entre períodos de melhoria e recaídas. muitas queixas de dor. qualidade de vida. secundária e de reavaliação do modelo coping. de auto-estima.  .10/01/2016 :: Fibromialgia :: a. do tratamento.  . um com dificuldade de horário. reconheceram suas potencialidades e limites. no trabalho na família. Os exercícios (corporal.realização das dinâmicas que obedeciam a uma seqüência com começo.exercícios imaginativos de enfrentamento  Seqüência de atendimento:  .com. da vida. do Tu e do Eu-Outros.preenchimento do mapa de atividades como o indivíduo percebia suas necessidades fisiológicas.  Concluíram o trabalho 37 indivíduos. 14 voltaram a estudar. eles apresentaram melhora em relação a si mesmos e ao meio.explicação.dinâmicas de percepção do EU-Outros  d. como ele avaliava o seu comportamento atual e quais são as propostas de ação futura.preenchimento de questionário de avaliação pessoal inicial – como o indivíduo percebia seu estado de saúde e de doença. de familiares.php?modulo=pacientes_pvista&id_mat=9 5/8 . três não se adaptaram ao estilo de atendimento.  . Refere-se a parte de avaliação primária do modelo coping. Desta parcela de 22 indivíduos. 3 não se adaptaram ao estilo de atendimento. sendo que estas culminam com situações problemas vivenciadas no atendimento médico. Refere-se a parte de enfrentamento.

Todos relatam uma situação marcante. E. Porém levando-se em consideração que os cinco indivíduos tiveram suas saídas em épocas diferentes e portanto.  Esta pesquisa também nos demonstra que há necessidade de um olhar psicológico sobre o aparecimento e a manutenção da dor. as culpas e obrigações.45% entre os 37 indivíduos que chegaram até o final do processo. não participaram de todas as atividades para considerarmos que participaram do processo para avaliarmos mudança de comportamento. As pessoas que apresentaram dificuldades na mudança de comportamento são indivíduos com pensamentos e atitudes mais rígidas. conflito e perdas.  Percebeu-se que no questionário final que houve mudança de comportamento no grupo em relação ao enfrentamento da dor. O quanto e o como eles são atendidos pelos médicos e familiares.  Observou-se que todos os indivíduos possuem uma estória de vida marcada por sofrimento.  http://www.  Fonte: Dados de pesquisa.45% no cumprimento dos objetivos propostos.4%.  Conclusão  Pode-se dizer frente aos dados obtidos.  Considerando-se o grupo de 22 indivíduos que tiveram mudança de comportamento. podemos verificar uma porcentagem de 59. em suas necessidades interferia diretamente em sua resposta de melhora física e psíquica.10/01/2016 :: Fibromialgia :: Quadro 1: Expressão do resultado obtido ao final do projeto de atendimento psicológico ao grupo de fibromiálgicos. além de dificuldades de relacionamento e de posicionamento na vida desde a infância.com. Eles possuem uma situação de perda ou conflito a qual não souberam enfrentar.9% do total de 42 indivíduos.  A dor era supervalorizada prejudicando impedindo uma vida normal o que favorecia o aparecimento e manutenção do quadro depressivo. os 22 que tiveram mudança de comportamento representam 52.br/novosite/index. que a resposta do grupo piloto foi significativa. em até cinco anos antes do aparecimento da doença. do total dos 37 indivíduos que chegaram ao final. pois atingiu um índice de 59. das dificuldades vividas e dos relacionamentos estabelecidos.  Percentualmente o número de desistências representa 11. são intransigentes em suas opiniões e com muita dificuldade de se perceberem nas situações de conflito. culpabilizavam o outro por suas limitações e dificuldades. levando-se em consideração apenas os indivíduos que passaram por todo o processo e chegaram ao final de todas as sessões.fibromialgia.php?modulo=pacientes_pvista&id_mat=9 6/8 . temos que 63.63% puderam voltar a estudar e a trabalhar. a fim de se compreender o indivíduo possibilitando a reeducação para a vida saudável. Sempre assumindo para si.  Percebeu-se que no questionário inicial estes indivíduos não conseguiam por si só avaliarem as suas dificuldades e os fatores geradores de estresse. geradora de estresse.

In: MOREIRA. 1994.unifesp. Julio & colaboradores. São Paulo: Atlas. L. O conceito de qualidade de vida fica prejudicado. São Paulo: Summus.  DIAS DA SILVA. Barcelona: Kairós. et alii. 1992. www. E.  CASTILHO. principalmente na compreensão da resistência dos indivíduos frente às situações que lhe geram estresse e lhes causam “dor” física e emocional. Porto Alegre: Artemed. Teorias da personalidade. J. A . www. cap 24. pois a dor é valorizada em excesso e a não aceitação ou compreensão desta dor lhes favorece o quadro depressivo.  FADIMAN. M. In: MOREIRA. FRAGER. R.  FELDMAN. Psicodinâmica do trabalho. M. pois se percebeu que estes indivíduos não conseguem por si só avaliarem as suas dificuldades e os fatores geradores de estresse.  Cremos que no grupo piloto a reorganização de valores e a mudança de comportamento foram devido à conscientização. 1992. Rio de Janeiro: Qualymark. A dinâmica do trabalho de grupo.. C. Godelieve. possibilitando o reconhecimento e enfrentamento de agentes estressores podendo assim. Reumatologia – diagnóstico e tratamento. C. M. Achiles.  Acreditamos que o atendimento de psicologia tem muito a contribuir para as pesquisas sobre a “dor”.br/novosite/index.com. L. Daniel. Caio & CARVALHO.altavista 21/2/2004.  DE MELLO FILHO. Fibromialgia. São Paulo: Best Seller.  BERTONI. formar um conceito sobre o que desejavam para si enquanto qualidade de vida.  DENYS-STRUYF. (tese de doutorado). 2001. Caio & CARVALHO. 1983. a fim de reorganizarem suas vidas. Petrópolis: Vozes..fibromialgia. A P.  DEJOURS. Medicina física e reabilitação.scf. Introdução à psicologia.  DAVIDOFF. Fibromialgia: dores musculares. M. Psicologia y psicoterapia transpersonal. 1998  CRUZ FILHO.  FELDMAN. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo.pnl-uptime. 2 ª ed. 21/02/2004.. O quanto e o como eles são atendidos em suas necessidades pela equipe de saúde e pelos familiares pode ser um fator estressante.br 21/2/2004  CAMPOS. 1990.med. O teste do desenho – como instrumento de diagnóstico da personalidade.  Bibliografia  ALMEIDA. 1986. 1994. Áurea. São Paulo: Harbra. A P. RJ: Medsi. L.php?modulo=pacientes_pvista&id_mat=9 7/8 . Doenças inflamatórias musculares. Percebe-se que há necessidade de um atendimento focado no indivíduo para auxiliar aqueles que não conseguem se expressar no grupo. Manuel.GOLDEMBERG. Cadeias musculares articulares.br.D. Psicossomática hoje.. D.10/01/2016 :: Fibromialgia :: Avaliou-se que a presença de resistência faz parte do processo de adoecimento. Elisabete. São Paulo: Mc Graw-Hill.  http://www.  Percebemos que o sofrimento psíquico afeta diretamente a resposta de melhora. www. Vírus de Epstein-Barr e síndrome de fibromialgia.  ALMENDRO. 2001. Reumatologia – diagnóstico e tratamento. 1992. 1990. S. Quem ama não adoece. Rio de Janeiro: Medsi. cap 42. Daniel. 20ª ed. 2 ª ed.

Petrópolis: Vozes. www.  KELEMAN.10/01/2016 :: Fibromialgia :: FREITAS.fibromialgia. 2002. 21/2/2004. São Paulo: Casa do Psicólogo. Max. Abraham Harold. Eduardo S.  MONTEIRO.  LIPP.br. Anatomia emocional. Jogos Dramáticos. 1988.  LAZARUS.  WEIL. 21/02/2004. 2000. 21/2/2004.revbrasreumatologia. A vida afetiva dos grupos. ed. www.São Paulo: Atlas. Agrupamento de pacientes com fibromialgia baseado em limiar de dor e fatores psicológicos. Campinas: Editora Psy. Fibromialgia como síndrome de dor neuropática. 1993. 1993.org.. 1998.. Ana Cristina & RODRIGUES.  MACHADO. Psicoterapia de Grupo e Psicodrama. A A Psicoterapia personalista. 3a. http://www. Marilda.com. R. São Paulo: Atheneu. Stress e trabalho. 2ª ed. Manuel.  OSÓRIO. ​ M aslow no gerenciamento. Síndrome da fibromialgia. N. 1982. 2003. Qualidade de vida no trabalho. Grupoterapia hoje. Stanley. L. A M. Pierre & TOMPAKOW.  PAIVA.br. 3ª ed. C.  _________________________. ed. São Paulo: Agora. L. J.  MARTINEZ-LAVIN. Fibromilgia como síndrome de dor neuropática.scot.php?modulo=pacientes_pvista&id_mat=9 8/8 . L. Petrópolis: Vozes.  PAGES. O corpo e seus símbolos.  LELOUP. cap XII.  MORENO. 44a. São Paulo: Casa do psicólogo.com. O corpo fala. www. Avelino Luiz. 4 ª ed.br/novosite/index.br. www. 21/2/2004  MASLOW. 1999. F. Jean-Yves. Roland.  LIMONGI-FRANÇA. São Paulo: Atlas.  ROST. J. São Paulo: Summus. Rio de Janeiro: Qualitymark. 1977. Petrópolis: Vozes. Porto Alegre: Artes Médicas. Ângelo. Mecanismos neuropsicofisiológicos do stress: teorias e aplicação clínica. Neuroanatomia funcional.com.  LIMONGI-FRANÇA. R. 1989. Ana Cristina. 1994.com. Guia de aplicação e avaliação do teste de Wartegg. 2003.br.revbrasreumatologia. 1992. Minas Gerais: Interlivros. E.fibromialgia.