You are on page 1of 3

No dia 19 de junho de 2015, o GT-4 ou ALPHA SIX CONSULTORIA foi a visita

na empresa Nextel. Chegamos na empresa quinze minutos antes do
marcado, no seu prédio na Cidade Nova. Tivemos que apresentar nossas
carteiras de identidade pra serem feitos crachás para que pudéssemos entrar
no prédio. Chegando lá fomos para uma sala isolada, conversar com o
primeiro engenheiro, Pedro Porcena, que tem 25 anos de formado, pela
Universidade de Mongi das Cruzes em Engenharia Elétrica com foco em
Telecomunicações e fez pós-graduação na Universidade Estácio de Sá.
Também tem diplomas da Universidade Lins e da Universidade Moura
Lacerda. Está na Nextel há 8 anos e também trabalhou na Telemig por 5
anos. Aqui está um depoimento prévio a entrevista sobre a sua carreira, o
ramo de telecomunicações em geral e a empresa em que trabalha
atualmente.
"Naquela época, nós começavamos engenharia, os dois primeiros anos
básicos e depois no terceiro você fazia a opção (não sei se é assim ainda
hoje). Cada classe tinha 100 alunos e todo mundo ali fazia tudo: fundamentos
da matemática, cálculo I, ... Hoje você pesquisa e já vai pra telecomunicações
sabendo o que é. Eu tenho algumas engenharias, não é só elétrica, não é só
telecomunicações e segurança no trabalho, tem outras que eu fiz, mas
telecomunicações é a que eu mais gosto. Estou há 25 anos como engenheiro
de telecomunicações. (...) Eu tinha um professor que falava assim: você pode
ser um lixeiro, mas tem que ser o melhor lixeiro. Porque pode chegar a ser
gerente até ser dono de uma empresa. Não adianta você ganhar 100 mil por
mês e chegar em casa e não estar satisfeito. Telecomunicações no Brasil tem
um histórico bonito. Eu me formei em engenharia elétrica e migrei pra
telecomunicações. Meu primeiro emprego, como engenheiro, de carteira
assinada, foi em telecomunicações. Na minha época de estágio eu fui
funcionário público, trabalhei na área de saúde, fiz estágio em seis empresas,
fiz mais de seis anos de estágio. Passei pela rede ferroviária, por uma fábrica
de biscoito, passei por empresa mecânica, por empresa de construção de
transformador, passei por várias empresas. No Brasil, o mercado de
telecomunicações era um mercado fechado, tanto de equipamentos quanto
de empresas. As empresas no Brasil, como somos 26 estados e um distrito
federal, tínhamos 27 empresas estaduais e uma federal. O sistema era
analógico, década de 80. Não se investia nessa área. Tinha conexão
interestadual e internacional tinha um cabo maritimo que ia do Brasil até os
Estados Unidos e de lá distribuia pros países. Era caro, então era uma área
pouco incentivada. A partir dos anos 90 começamos a implantar o sistema
digital, já pensando-se em colocar coisas mais modernas. O telefone era de
tal valor que as pessoas compravam 2 ou 3 telefones e alugavam. De 90 a 94
foi só preparando os estados e satélite pra receber o celular. Quando eu
entrei em 90 em telecom, ninguém queria a vaga. A partir do celular,
começou a faltar profissional, é uma tecnologia que necessita de muita mão

As primeiras sete torres de Belo Horizonte fui eu que implantei.de obra. A inadinplência da Nextel é a menor que tem. Hoje faço a manutenção da Nextel no Sudeste. porque geralmente nosso cliente é taxista. Eu fui pra Nokia. mas é o suficiente. fiquei sete meses e pedi demissão e fui embora. ela é uma operadora pequena. É um cliente que não muda. A Nextel chegou a um ponto. Entrevistamos o engenheiro Pedro Hermeto. implantações. tecnologia sempre inovando. Todo mundo que trabalha dentro de uma telecom é especializado. A pessoa que compra a Nextel. no meu ponto de vista. tudo é da Nextel. De 1994 pra cá o crescimento foi exponencial. (eu já era funcionário em 2010) que ela entrou numa moda de terceirizar. não queria fazer engenharia e botou a Nokia aqui dentro. um CPF dele. a que tem o melhor atendimento para o cliente. equipamento e infraestrutura. é a melhor. mas continuou depois. na qualidade. A Nextel com pouco cliente tem um volume grande de retorno. Hoje em dia uma pessoa sem comunicação não é nada. formado em janeiro de 2000 pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em Engenharia Química e trabalhou . Por quê? Porque ela foca no cliente. encontrando com os outros dois engenheiros na sala de conferências. O presidente naquela época queria vender. A Nextel tem uma lucratividade maior do que a da Tim. só dando uma estagnada em 2001. máximo 5%. tinha briga por profissional. Você tem que ter cada parte da operação de implantação a engenharia. O sinal quebrou por causa disso. Nos dados da Anatel é a melhor empresa do Brasil. tem um ou outro terceirizado. por dois anos. O salário não é o ideal. mas é a melhor empresa do Brasil atualmente. tem o melhor sinal de internet. ele quer manter o número dele. não é tão vulnerável quanto a construção civil. A engenharia de Telecom hoje. É uma área definitiva." Depois fizemos outros crachás para entrar no escritório da Nextel. que a Claro. Porque o nosso cliente gasta com a Nextel mais do que um cliente das outras. Eu lido mais com a parte externa da engenharia. não na central. fui o primeiro funcionário a ser chamado. Quem usa Nextel usa também pra ganhar dinheiro. É a empresa que tem menos reclamações. em termos de conhecimento. virou um registro. De 1994 a 2000. Ela terceirizou toda a engenharia. não é aquela pessoa que vai comprar e ser um pai de santo (só recebe) ou ficar só jogando. nós temos cinco milhões de usuários. de aplicação. trabalhadores adoram aquele número. Atores. de 300 e poucos funcionários ficaram 20. De dois anos pra cá estamos tentando reverter a situação. Se você ver hoje a Nextel é a empresa que mais vende celular. profissional liberal. do que a da Vivo. nos sites. Na Rede Globo nós temos cinco mil clientes. mas em compensação é uma empresa que consegue ser enxuta mas tudo voltou pra ela hoje. assim como setenta em Salvador. Em 2012 a Nextel me chamou de volta. em 2010. não vou falar que somos as mil maravilhas não. Isso que a Nextel quebrou um pouco.

e o engenheiro Harlan Ferreira formado há 2 anos pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro em Engenharia Elétrica com foco em Telecomunicações.por 6 anos na Intelig e está por 9 anos na Nextel. desde o começo trabalhando com telecomunicações. . ou seja.