You are on page 1of 15

Protensão Impacto Ltda.

Autor: Joaquim Antônio Caracas Nogueira – Engenheiro Civil – CREA CE 6148-D
Endereço: Rua Mário Guedes, 340 – Salinas – Fortaleza – Ceará. CEP: 60.811-012
E-mail: impactoprotende@secrel.com.br
Telefone/fax: (85) 3273 7676

Plasterit – Uso na Construção Civil

Fortaleza, outubro de 2007.

Os sistemas de fôrmas têm uma grande participação no custo. 50 da ABCP (1981). pois. para que se justaponha o melhor possível. é preciso que as tábuas seja bem alinhas. até que o mesmo adquira suficiente resistência”. Segundo o BOLETIM TÉCNICO No. as fôrmas para concreto armado devem satisfazer aos seguintes requisitos de ordem geral: a) Serem executadas rigorosamente de acordo com as dimensões indicadas no projeto e ter a resistência necessária para não se deformarem sensivelmente sob a ação dos esforços que vão suportar. Introdução Em uma estrutura de concreto os elementos básicos para sua confecção são: aço. A partir desses três insumos são compostas quase que todas as edificações do nosso país e uma grande parte das edificações do mundo. Novas tecnologias têm sido desenvolvidas para aperfeiçoamento dos sistemas de fôrmas e o uso do plástico como elemento de fôrma tem sido uma delas. Para esse fim. a geometria estipulada no projeto. e . concreto e fôrmas. devem ter a sobre-elevação necessária para compensar a deformação inevitável sob a ação das cargas. isto é. do peso das armaduras e das cargas acidentais.Plasterit – Uso na construção civil 1. b) Serem praticamente estanques. Nas peças de grande vão. condição esta de grande importância para que não haja perda de cimento arrastado pela água. os sistemas de fôrmas podem ser definidos como conjuntos de componentes que servem para moldar o concreto e sustentá-lo até que este adquira resistência suficiente. Dessa maneira a busca por alternativas para a redução dos custos de fôrmas tem sido atualmente uma meta de estudo por parte dos engenheiros e pesquisadores da área. Confirmar as eficiências econômicas e ambientais do plástico como fôrma para as estruturas de concreto é o principal objetivo desse trabalho. peso e pressão do concreto fresco. por si só. Já MORIKAWA (2003) diz que “a fôrma tem o objetivo de dar ao concreto armado. representam cerca da metade dos custos das estruturas. Segundo SOUZA (1997) apud MORIKAWA (2003). em sua etapa construtiva.

etc. As fôrmas hoje podem facilmente significar mais de 40% do custo da estrutura de concreto. Seu uso é de grande importância e quase indispensável devido à complexidade das estruturas que dispomos atualmente. caixas de areia ou outros dispositivos apropriados.39% de um edifício convencional. Deverá merecer cuidado particular a ligação das tábuas que formem ângulos (arestas de vigas e de pilares. A busca por materiais alternativos na construção visando substituir a madeira tem sido constante. Levando-se em conta que a estrutura significa. juntas de vigas com lajes. Dessa maneira o seu estudo e a busca por melhorias têm se intensificado e alcançado parâmetros antes inimagináveis. prático e de acordo com práticas ambientais. e) Serem feitas com madeira aparelhada. a madeira ainda se afirma como o elemento primordial na modelagem das estruturas de concreto. Em todo Brasil. então a fôrma representa 10. nos casos em que o concreto deva constituir superfície aparente definitiva. . d) Serem projetadas e executadas de modo que permitam o maior número de utilizações das mesmas peças. sem choques.95% do total da obra.as fendas que apareçam sejam tomadas cuidadosamente com papel ou pano. Buscaram-se então soluções alternativas para o desenvolvimento de fôrmas que pudessem moldar elementos mais complexos como pilares. mantendo a qualidade do tradicional compensado de madeira. a madeira ainda causa grandes gastos econômicos e conseqüências negativas para o meio ambiente.). As fôrmas até então eram constituídas basicamente de tábuas e madeiras compensadas. uma vez que apesar de ser elemento indispensável. porém sendo mais econômico. em média. c) Serem construídas de forma que permitam a retirada dos seus diversos elementos com relativa facilidade e. vigas e lajes. Para esse fim o seu escoramento deve apoiar-se sobre cunhas. principalmente. 27.

as placas se encaixam no sistema e posteriormente as caixas reutilizáveis são locadas em cima do Plasterit. • Não exige mão-de-obra especializada. seria concluída em apenas 20 minutos utilizando somente dois auxiliares. além de ser mais prático.Plasterit é uma placa plástica com as dimensões de 61 x 61 cm. são peças pesadas que dificultam o transporte e a trabalhabilidade dos operários. Abaixo algumas características que impulsionaram o seu uso: • Baixo custo. o Plasterit pode ser utilizado para assoalhar lajes nervuradas. ele não requer mão-de-obra especializada. . Um dos grandes problemas dos compensados é o seu alto custo e a necessidade de uma mão-de-obra especializada para montar as peças da maneira necessária. A sua grande versatilidade também é um ponto a favor. Outro fator importante é a questão da durabilidade. O Plasterit vem sendo utilizado em lajes de Fortaleza e de vários outros estados do Brasil com um excelente nível de aceitação. Dessa maneira os entulhos e desperdícios gerados em obra seriam facilmente eliminados. Além disso. • Permite inúmeras utilizações. Enquanto o compensado de madeira sofre graves danos durante a desfôrma (danos esses que levam à perda do compensado). • Material leve e prático devido as suas dimensões. Além de ser utilizado para lajes maciças. e devido as suas dimensões. se torna um molde extremamente leve e fácil de trabalhar. Com o cimbramento montado. laje essa que se fosse feita utilizando o Plasterit. onde sua parte superior é completamente lisa e sua parte inferior nervurada para garantir maior resistência à flexão. Para se ter uma idéia dois carpinteiros levariam cerca de onze horas para produzir uma laje utilizando o compensado de madeira. • Elevados índices de produção. não acumulando entulhos. Como o Plasterit é um molde de encaixe. o Plasterit tem uma durabilidade bastante superior.

métodos construtivos adotados e filosofias de trabalho empregadas. novas tecnologias foram introduzidas. A madeira na construção é um fator indispensável e que é usado abundantemente em todas as estruturas do nosso país. mas essas são uma pequena minoria. Ainda há obras com longarinas e estroncas de madeira. ocorreram ao longo desses anos. Muitas mudanças simples. No quesito cimbramento. uma vez que é incontestável as vantagens do cimbramento metálico nos aspectos econômicos e ambientais.2. “no preparo das fôrmas. redução dos custos e podemos dizer. que foi e continua sendo a matéria prima principal utilizada na confecção dos moldes para concretagem”. desenvolvimento tecnológico do concreto etc. O plástico ganhou um espaço significativo com o surgimento das caixas reutilizáveis para a laje nervurada. a madeira ainda causa grandes gastos econômicos e conseqüências negativas para o meio ambiente. adoção de novas alternativas para alvenarias. . como a introdução do concreto protendido nas estruturas residenciais. Os moldes em si deram um grande avanço na busca por novas alternativas. sendo esse o ponto decisivo para a disseminação desse material. Devido às exigências do mercado por melhorias da qualidade das obras. Chapas metálicas têm sido utilizadas para elaboração de elementos mais simples e com necessidade de baixo acabamento como os blocos de fundação. Memorial Descritivo Ao longo dos vinte últimos anos a construção civil vem passando por significativas mudanças nos seus processos. A busca por materiais alternativos na construção visando substituir a madeira tem sido constante. Segundo MORIKAWA (2003). uma vez que apesar de ser elemento indispensável. busca pela tão procurada industrialização da construção. porém eficazes. as peças metálicas conseguiram ganhar o seu espaço e hoje são elementos indiscutíveis na sustentação das fôrmas. é generalizado o emprego da madeira.

o estudo por alternativas para a substituição do compensado de madeira. Foi então que no início de 2007 surgiu o Plasterit (Figura 2-1). o Plasterit pode ser utilizado para assoalhar lajes nervuradas. mantendo a qualidade do tradicional compensado de madeira. as placas se encaixam no sistema e posteriormente as caixas reutilizáveis são locadas em cima do Plasterit (Figura 2-2).Buscaram-se então soluções alternativas para o desenvolvimento de fôrmas que pudessem moldar elementos mais complexos como pilares. Figura 2-1 – Plasterit (Fonte: autor) A sua grande versatilidade é um ponto a favor. Visto que a mesma empresa trabalha com fôrmas para lajes nervuradas e dominava relativamente bem o conhecimento dos processos de produção dessas caixas. desenvolvido com o mesmo material utilizado nas fôrmas para lajes nervuradas (Polietileno de Alta Densidade). Além de ser utilizado para lajes maciças. começou em Fortaleza. buscou-se utilizar esse mesmo plástico. para elaborar um molde plano que pudesse ser utilizado para a confecção de lajes maciças. o polietileno. por exemplo. vigas e pilares. vigas e lajes. porém sendo mais econômico e prático. Com o cimbramento montado. No final de 2006 e início de 2007. .

Figura 2-3 . processo que exigia maior mão-de-obra. a montagem do Plasterit se torna muito prático. limitando-se com as longarinas principais (Figura 2-5). visto que após o cimbramento estar posicionado. visto que anteriormente era necessária a colocação de tábuas entre as longarinas principais para apoiar as caixas. Na sua utilização como fôrma para laje maciça.Laje maciça utilizando o Plasterit (Fonte: Rennand Aguiar Melo) . as placas são simplesmente apoiadas nas longarinas secundárias. Dessa maneira a fôrma se torna pronta para receber a ferragem e o concreto.Figura 2-2 – Colocação das caixas reutilizáveis sobre o Plasterit (Fonte: autor) O ganho de produção dessa maneira é superior.

Um dos grandes problemas dos compensados é o seu alto custo e a necessidade de uma mão-de-obra especializada para montar as peças da maneira necessária. se torna um molde extremamente leve e fácil de trabalhar. são peças pesadas que dificultam o transporte e a trabalhabilidade dos operários. seria concluída em apenas 20 minutos utilizando somente dois auxiliares. Figura 2-4 . Como o Plasterit é um molde de encaixe. .O baixo peso do Plasterit em detalhe (Fonte: autor) Segundo estudo feito in loco. se fosse feita utilizando o Plasterit. o que dois carpinteiros levariam cerca de onze horas para produzir utilizando o compensado de madeira. ele não requer mão-de-obra especializada. Além disso. e devido as suas dimensões.

Figura 2-5 – Seqüência que mostra a praticidade no encaixe do Plasterit no cimbramento (Fonte: autor) Outro fator importante é a questão da durabilidade. o Plasterit tem uma durabilidade bastante superior. Figura 2-6 .Desfôrma de uma laje maciça utilizando Plasterit (Fonte: autor) . além de ser mais prático (Figura 2-6). Dessa maneira os entulhos e desperdícios gerados em obra seriam facilmente eliminados. Enquanto o compensado de madeira sofre graves danos durante a desfôrma (danos esses que levam à perda do compensado).

como por exemplo. Nesse caso todos os materiais. Em uma estrutura com esse nível de planejamento. já que os sistemas modulados caracterizam-se pela grande praticidade e pela não necessidade da mão-de-obra especializada. Veja que os entulhos são gerados devido a perca e desperdício de material. são reutilizáveis e de grande .Evidente que o uso do Plasterit não culmina no fim da madeira em uma estrutura de concreto. gerando uma estrutura mais enxuta. como são feitos à base de plástico. arremates em pilares e vigas. Nesses casos a combinação do Plasterit com o compensado de madeira deve ser utilizada como é mostrado na figura a seguir. como se fosse uma linha de produção. Seria um sistema dimensionado de forma a manter uma modulação de 61x61cm.Acabamento no encontro da laje com o pilar utilizando compensado (Fonte: autor) Um grande passo para diminuir esses pequenos acabamentos é a execução de um projeto totalmente modulado em função do Plasterit. Figura 2-7 . detalhes de fachadas etc. Espera-se uma significativa redução nos custos da estrutura do prédio e um conseqüente aumento na produtividade. Todos os materiais envolvidos na montagem da laje teriam as mesmas dimensões. Dessa forma os desperdícios de material e de tempo de execução seriam minimizados. uma vez que vários acabamentos são necessários ser executados. os materiais são explorados ao máximo reduzindo a quantidade de entulhos.

A cada laje que era executada. Deixando de lado um pouco a questão financeira. que é proveniente de corte de milhares de árvores.durabilidade. toda essa matéria-prima. Figura 2-8. será queimada. há um enorme problema ambiental na produção de fôrmas de madeira. uma grande quantidade de madeira sem utilidade era descartada. uma vez que. além do que suas quantidades serão previstas para que não se tenha nem excesso nem sobra.Entulhos decorrentes da utilização da madeira como fôrmas (Fonte: Rennand Aguiar Melo) . sem que seja dado um melhor destino final. provavelmente. Na figura abaixo é mostrado o entulho de uma obra de um edifício residencial.

3. Se antes as escolhas e montagens dos escoramentos e fôrmas eram feitas em caráter aleatório. As fôrmas plásticas para estruturas de concreto vêm para quebrar esse paradigma. a utilização com sucesso das caixas reutilizáveis abriu uma nova alternativa no setor de fôrmas. visto que o custo desse serviço em uma obra tem uma dimensão bastante significativa. Com isso as estruturas tornaram-se mais produtivas devido seus grandes vãos que reduziram a quantidade de vigas e pilares em uma obra. do sistema estrutural da obra a ser executada. hoje há um detalhado planejamento de custos e produções para a escolha do sistema de fôrma e. inclusive. Com isso esperasse que. em total concordância com boas práticas ambientais. Outro passo foi o desenvolvimento das lajes nervuradas. Impulsionado pelo uso das lajes nervuradas. A troca do cimbramento de madeira por estruturas metálicas garantiu o primeiro passo para a diminuição desses custos. Muitas evoluções foram feitas ao longo de 30 anos otimizando assim os sistemas já vigentes e criando-se alternativas para novos modelos. Atualmente o Plasterit vem sendo uma solução eficiente para lajes maciças ou nervuradas servindo de apoio para a montagem da laje. gerando economia de fôrmas e concreto. Em nosso país há uma crença que economia e ambientalismo crescem de forma antagônica. Conclusão Atualmente. não só no setor das fôrmas. mas sim em todos os setores da construção civil e porque não da engenharia possam refletir sobre essas idéias que foram passadas. . que antes era desconhecida no Brasil: a utilização do plástico como matéria-prima para a elaboração de moldes a ser utilizado em estruturas de concreto. alta qualidade e acima de tudo. Foi mostrado um sistema de fôrmas de baixo custo. a aplicação das fôrmas ganhou uma grande importância no cenário da construção civil.

. procurou-se nesse trabalho mostrar as aplicações dos principais sistemas de fôrmas com moldes plásticos utilizados atualmente nas estruturas de concreto.Finalizando.

PDF > Acesso em: 15 de junho de 2007. Boletim Técnico n° 50 (Reimpressão). Impacto Protensão (2006).br/textos%20t%C3%A9cnicos/estrutura/Texto%20Paulo%20 Assahi.com.com. 2007. 1981. CATÁLOGO Riopol EI-60070 . Rennand de Aguiar Melo. São Paulo. Disponível em: < www. 2005 CARVALHO. Fôrmas e escoramento para edifícios: critérios para dimensionamento e escolha do sistema. São Paulo. São Paulo.. NILTON. São Paulo. Fortaleza. Fortaleza. Pini. JASSON R. . ABCP. Engenharia Civil . ASSAHI. NAZAR. Cálculo e detalhamento de estruturas usuais de concreto armado: segundo a NBR 6118:2003. F. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND Guia melhores práticas da comunidade da construção. PAULO NOBUYOSHI.4.usp. 2004 CATÁLOGO Fôrmas Plásticas. 2004.riopol. Referências PROJETO DE GRADUAÇÃO.br/publique/media/DADOS-P-EI-60070. SH Fôrmas (2004) São Paulo. Pini.br/pdf/formas. EdUFSCar. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND Fôrmas de madeira para concreto armado em edifícios comuns. São Paulo.astra-sa.pdf> CATÁLOGO Execução de fôrmas e Escoramento para Estruturas de Concreto. CE. CÁTALOGO Norma de projeto e montagem de fôrmas para estrutura de concreto armado. São Paulo. Encol (1990). Sistema de fôrma para estrutura de concreto.Polietileno de Alta Densidade.pdf> Acesso em: 24 de junho de 2007 CATÁLOGO Sistema de Cimbramento Metálico. Astra (2007) São Paulo. Disponível em: <http://pcc2435. Impacto Protensão (2006).UFC – 2007. ROBERTO C. Riopol (2007) Disponível em: <http://www. CATÁLOGO Caixas Reutilizáveis para Laje Nervurada.pcc. CE. FILHO.

MAURO SATOSHI Materiais alternativos utilizados em fôrmas para concreto armado. Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual de Campinas. . Livros Técnicos e Científicos Editora S. Campinas.MORIKAWA. 1987.A. PFEIL. W.. 2003. Cimbramentos Rio de Janeiro.