MATÉRIA DE HOJE

:

REDES

E

INTERNET

Professor Fenelon Portilho
INFORMÁTICA PARA CONCURSOS
CONCURSO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL

1

REDES DE COMPUTADORES
QUANDO CONECTAMOS 2 OU MAIS COMPUTADORES ENTRE SI E TEMOS PELO MENOS UM SERVIÇO COMPARTILHADO, DIZEMOS QUE TEMOS UMA REDE DE COMPUTADORES

2

1

REDES
Rede de Computadores: Estrutura física e lógica que permite que diversos computadores se interliguem, trocando informações entre si. Essa troca de informações se dá na forma de compartilhamento, que, na verdade, significa que o recurso (impressora, arquivos, pastas, discos, etc.) que pertence a um computador poderá ser usado por todos os demais. Pacote (ou Quadro, ou Datagrama) é uma pequena unidade de informação que é transmitida pela rede. Qualquer mensagem (e-mail, páginas, arquivos) que é transmitida pela rede é enviada, na verdade, dividida em pequenos pedaços, chamados pacotes.
3

ENDEREÇO MAC
O endereço MAC (do inglês Media Access Control) é o endereço físico da estação, ou melhor, da interface de rede. É um endereço de 48 bits, representado em hexadecimal. O protocolo é responsável pelo controle de acesso de cada estação de rede Exemplo: 00:00:5E:00:01:03 Os três primeiros octetos são destinados à identificação do fabricante, os 3 posteriores contêm dados da placa. É um endereço universal, em tese não existem, em todo o mundo, duas placas com o mesmo endereço. Em máquinas com Windows XP, Windows 2000 ou Windows 98 instalados pode-se verificar o endereço MAC da placa ou interface de rede através do comando ipconfig com o parâmetro /all
4

PLACA DE REDE

2

REDES - CLASSIFICAÇÃO
• As redes se classificam por: • • • • • 1) ABRANGÊNCIA 2) TOPOLOGIA 3) ARQUITETURA OU PADRÃO 4) ADMINISTRAÇÃO 5) PROTOCOLOS ENVOLVIDOS
5

ABRANGÊNCIA
• • • • • • • • LAN (Rede Local): Rede pequena, liga vários computadores dentro de um espaço geográfico pequeno, normalmente um único prédio. MAN (Rede Metropolitana): Rede média. Estende-se por uma área metropolitana (cidade). WAN (Rede extensa – Rede Geograficamente distribuída): Não tem limite de extensão geográfica. É raro, mas podemos encontrar também o termo PAN (de Personal Área Network). Personal Area Network ou Rede de Área Pessoal é uma rede de computadores pessoais, formadas por nós (dispositivos conectados à rede) muito próximos ao usuário (geralmente em metros). Estes dispositivos podem ser pertencentes ao usuário ou não. Como exemplo podemos imaginar um computador portátil conectando-se a um outro e este a uma impressora. Outro termo também raro é o SAN (de Storage Area Network). SAN ou Storage Area Network, é uma rede cujo objetivo é a interconexão de unidades de armazenagem e dispositivos de backup, baseada na tecnologia óptica Fibre Channel que permite transferências de 1.000 Mega bits por segundo a distâncias de várias centenas de metros.
6

3

TIPOS DE COMUNICAÇÃO
Uma grande parte dos protocolos foi desenvolvida para estabelecer comunicação entre pontos. Essa comunicação pode ser dividida entre 3 tipos distintos: Simplex: Comunicação apenas em um sentido, ou seja, ligação entre dois dispositivos em que apenas um é sempre emissor e o outro é sempre receptor. Um exemplo seria o controle remoto (ele envia, a TV recebe - SEMPRE) Half Duplex: Comunicação nos dois sentidos, mas apenas um falando por vez. Um exemplo: o interfone ou o rádio amador. Um fala, o outro escuta, quando o outro começa a falar, o sistema transforma o primeiro em receptor apenas. Full Duplex: Comunicação nos dois sentidos simultaneamente. Como falar no telefone, em que os dois podem falar ao mesmo tempo... a transmissão pode não ser completada (não daria para entender se dois estivessem falando ao mesmo tempo).

7

AS LIGAÇÕES
• Um computador(nó) pode ligar-se a outro através de cabo coaxial blindado ou não, par trançado blindado ou não, fibra ótica ou mesmo por luz infravermelho, além de ondas de rádio o que recebe o nome de Wlan, Wireless lan ou ainda Wi-Fi.

8

4

O PADRÃO ETHERNET
• Inventado pela XEROX é o mais utilizado no mundo. • Os padrões ditam a maneira como os computadores se comportam em uma rede.

9

ADMINISTRAÇÃO
Servidor 1 Micro 3

Micro 1

DOMÍNIO

Micro 1

Micro 2

GRUPO
Micro 4

Micro 3 Micro 2
10

5

A INFORMÁTICA NO DPF

11

A INFORMÁTICA NO DPF - CONTINUAÇÃO

12

6

A INFORMÁTICA NO DPF - CONTINUAÇÃO

13

A INFORMÁTICA NO DPF - CONTINUAÇÃO

14

7

PROTOCOLOS
• Protocolos são ferramentas que são ativadas de acordo com o serviço que está sendo executado na rede no momento. • A família de protocolos mais utilizada no mundo hoje é TCP/IP, onde a parte TCP representa o transporte e o IP representa o endereço.
15

ENDEREÇOS IP DE REDE
• Cada computador possui um ENDEREÇO que é único em uma rede. • Cada computador possui um NOME que também só pode ser único em uma rede
10.31.4.8 TRANSPORTE

CONTABILIDADE 10.31.4.12 RH 10.31.4.5 PAGAMENTO
16

10.31.4.100

8

ENTENDENDO O ENDEREÇO IP V4

• 10.31.4.5

São possíveis 4 x 109 endereços Cerca de 4 bilhões

OCTETOS – VARIAM DE 0 A 255 IPV6:
3ffe:6a88:85a3:08d3:1319:8a2e:0370:7344 São possíveis 3,8 x 1038 endereços
17

DHCP
• O protocolo ou serviço DHCP é utilizado para atribuir endereços IPs automaticamente para cada novo computador conectado à rede, evitandose assim que o gerente de redes tenha que atribuí-los manualmente. • Alguns equipamentos, no entanto, devem ter seus endereços fixos.
18

9

DNS
• O protocolo ou serviço DNS serve para RESOLVER NOMES, ou seja, converte endereços IPs em NOMES AMIGÁVEIS e vice-versa. É muito mais fácil memorizar um nome do que uma seqüência de 4 números.

19

ROTEADORES
• Conectam 2 LANs, transformando-as em 1 WAN

LAN 2 LAN 1 Roteador

Backbone

Roteador Possuem rotas Programáveis e podem ser estáticos ou dinâmicos Podem ser chamados de gatewais

20

10

TIPOS DE PROVEDORES
Provedor de Backbone Backbone é um malha (estrutura) de comunicação, composta por vários enlaces de alta velocidade. Provedor de Backbone é uma entidade mantenedora de redes de longa distância, de âmbito multiregional ou nacional, que oferece conectividade a essa rede através de vários pontos de presença. Existem os nacionais e os internacionais. • • • • Backbone Backbone Backbone Backbone da RNP (Rede Nacional de Pesquisa) da EMBRATEL. da TELEMAR da DIVEO DO BRASIL
21

TIPOS DE PROVEDORES
b) Provedores de Acesso (ISP)
Tem como objetivo prover o acesso aos usuários à Internet. O provedor de acesso é aquele que se conecta a um provedor de Backbone através de uma linha de boa qualidade.

c) Provedores de Informações (News) (News
Tem como objetivo principal disponibilizar informações na rede. O serviço de Informações é composto por in-formações agrupadas por categorias. Essas informações podem ser gratuitas ou cobradas, seja através de um valor mensal ou simplesmente forçando o usuário a assinar determinado provedor para se ter acesso às infor-mações. Principais finalidades: - Vender ou estimular vendas; - Informar melhor o cliente; -Prestar serviços gratuitos de forma a atrair patrocinadores; Provedores de Informações: • UOL (Universo On-Line) • Yahoo • Terra.

22

11

• Uma vez que a maioria das redes estão ligadas aos Backbones, formando uma grande união de redes, utilizando a camadas de protocolos TCP/IP, temos • Em concursos não é correto afirmar que é uma grande rede. Na verdade ela é uma reunião de redes.

23

O que é É uma ampla malha mundial que consiste na interligação de várias redes de computadores espalhadas por todo o mundo. De onde surgiu a A Internet surgiu ao longo dos anos 60 com objetivo e finalidade militar, desenvolvida pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Eram projetos que visavam o desenvolvimento de uma Rede de Computadores para comunicação entre os principais centros militares. Quem controla a A Internet não é controlada por ninguém, não existe nenhuma pessoa, entidade ou organização que a controla diretamente. Por ser um conjunto de redes independentes, ela não tem dono.
24

12

INTRANET
• É uma rede limitada a uma organização, que imita a • Quando eu tenho na Intranet serviços que eu encontraria também na , desde que somente para usuários autorizados, pertencentes àquela organização, então eu tenho uma Intranet. • Esses serviços podem ser: E-mail, Webmail, Downloads, etc. • A Intranet não tem que ter acesso à necessariamente.
25

EXTRANET
Provedor de acesso

INTRANET INTERNET

EXTRANET

• Quando alguém acessa uma Intranet, fora dos limites da organização, possuindo permissão para tal através de programas especiais, através da , então temos uma Extranet. • Algumas vezes são acessos denominados VPN

26

13

REDE PRIVADA VIRTUAL - VPN
• A idéia de utilizar uma rede pública como a I nternet em vez de linhas privativas para implementar redes corporativas é denominada de Virtual Private Network (VPN) ou Rede Privada Virtual. As VPNs são túneis de criptografia entre pontos autorizados, criados através da Internet ou outras redes públicas e/ ou privadas para transferência de informações, de modo seguro, entre redes corporativas ou usuários remotos. • A segurança é a primeira e mais importante função da VPN. Uma vez que dados privados serão transmitidos pela I nternet, que é um meio de transmissão inseguro, eles devem ser protegidos de forma a não permitir que sejam modificados ou interceptados. •Uma das grandes vantagens decorrentes do uso das VPNs é a redução de custos com comunicações corporativas, pois elimina a necessidade de links dedicados de longa distância que podem ser substituídos pela Internet. As LANs podem, através de links dedicados ou discados, conectar-se a algum provedor de acesso local e interligar-se a outras LANs, possibilitando o fluxo de dados através da Internet. Esta solução pode ser bastante interessante sob o ponto de vista econômico, sobretudo nos casos em que enlaces internacionais ou nacionais de longa distância estão envolvidos. 27

VISUALIZANDO EXTRANET E VPN

28

14

MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO
- Linha Telefônica – acesso discado (dial up) ou ADSL (VELOX – TELEMAR, SPEED- Telefônica e outras) Transmissão feita pela rede telefônica, através de pares de cabos metálicos. - Via Rádio – (Transmissão sem fio – Wireless) Transmissão é feita por rádio freqüência através de ondas eletromagnéticas. - Via Cabo – (Internet em Cabo – Cable modem) Transmissão é feita via cabo coaxial e cabos de fibra ótica. - Via Satélite – (Transmissão sem fio – Wireless) Transmissão é feita através de ondas eletromagnéticas. A grande vantagem é o sinal de satélite poder ser levado a qualquer parte do mundo. A desvantagem é o custo elevado.
29

COMO OS USUÁRIOS SE CONECTAM

USUÁRIO

• A conexão pode ser DIAL-UP (discada), ADSL, CABO, Radio-freqüência, wireless através de hotspots, satélite, etc

30

15

REQUISITOS PARA ACESSO À

– Acesso Dial UP

Configuração mínima: Computador 486, com 8/16MB de RAM, disco rígido em torno de 300 MB, placa de vídeo com capacidade para 256 cores e modem de 14400 bps.

Linha Telefônica: É necessária para conexão à Internet. Preferível uma linha digital Modem interno ou externo – (Hardware necessário para acesso à Internet) Dispositivo que faz a Modulação/Demodulação de dados. Provedor de Acesso a I nternet: Empresa ou entidade que gerencia um sistema de acesso à Internet, fornecendo aos usuários meio de conexão com a Internet.

31

COMO AS CORPORAÇÕES ACESSAM
BACKBONE LP = Linha privada ou dedicada ou LD ou linha dedicada ou AD (Acesso dedicado) INTRANET

MODEM (Assíncrono)

ROTEADOR (Estático ou dinâmico)

HUB OU SWITCH
32

16

ACESSO DEDICADO (LP – LINHAS PRIVATIVAS)
Essas linhas são conectadas fim a fim, não precisam de número telefônico e também não passam pela Central Telefônica. Vantagens: - Melhor qualidade das linhas de transmissão - Altas taxas de transmissão. -Conexão permanente 24 horas por dia. Desvantagens: - Custo elevado. - Paga um valor mensal, mesmo se não usar

33

MEUIP PONTO COM PONTO BR

34

17

DESCOBRINDO O ENDEREÇO IP

Clique duplo no ícone: Conexão Internet

35

RASTREANDO IP COM IPGEO

36

18

OS ARQUIVOS DE LOG
• Quando fazemos logon em uma rede ou na é fundamental que fiquem gravados todos os dados do tipo: • Quem logou? (Usuário – user name) • Hora de logon e logoff • Onde navegou? Esses arquivos devem ficar armazenados por tempo suficiente e com backup de arquivos de log para que possam ser periciados se necessário.
37

38

19

O REGISTRO.BR

39

PESQUISANDO NO REGISTRO.BR

40

20

PESQUISA PELO IP

41

RESULTADO DA BUSCA

42

21

QUEM MAIS ESTÁ NA
HACKERS (Especialista)
INTRANET DO CEAJUFE

CRACKERS (Invasão do mal) LAMMERS (Aprendiz) PHREAKERS (Pirata de telefonia)

BACKBONE

PROVEDOR DE ACESSO USUÁRIO INTRANET DO TRE TELEFONIA PÚBLICA INTRANET DO DPF INTRANET DO DPF

USUÁRIO

43
TV A CABO

QUEM E POR QUE ATACAR?
Quem ataca a rede/sistema são agentes maliciosos, muitas vezes conhecidos como crackers (hackers não são agentes maliciosos, tentam ajudar a encontrar possíveis falhas).

Principais motivos são: notoriedade, auto-estima, vingança e o dinheiro.

De acordo com pesquisa elaborada pelo Computer Security Institute, mais de 70% dos ataques partem de usuários legítimos de sistemas de informação, o que motiva corporações a investir largamente em controles de segurança para seus ambientes corporativos (intranet). 44

22

SEGURANÇA INDIVIDUAL E CORPORATIVA
HACKERS CRACKERS LAMMERS PHREAKERS

MODEM

ROTEADOR
ROTEADOR

DMZ

PROGRAMA FIREWALL ANTIVÍRUS ATUALIZAÇÕES BACKUPS

OPCIONAL

EQUIPAMENTO FIREWALL + IDS = IPS CORPORAÇÃO ANTIVÍRUS ATUALIZAÇÕES BACKUPS PROGRAMA FIREWALL

USUÁRIO

45

OS CONCEITOS DE PROTEÇÃO, SEGURANÇA E CONFIANÇA
• • • • • • • • • • • • • • • • CONFIABILIDADE É a característica de qualquer componente de computador funcionar consistentemente de acordo com suas especificações; DISPONIBILIDADE É a garantia do acesso às informações em qualquer ocasião, ou seja, o sistema que fornece as informações estará sempre disponível; INTEGRIDADE É o atributo que garante que as informações estão em completa concordância com a intenção dos criadores das informações. Garantia de que não houve inserções, retiradas ou alterações de dados; AUTENTICIDADE É a característica de garantir quem é o autor/origem de um determinado dado ou mensagem recebida e enviada. PRIVACIDADE É a certeza que suas mensagens e dados serão vistos apenas por quem você deseja que sejam vistos. CONFIDENCIABILIDADE Refere-se a restrições ao acesso e disseminação das informações, garantindo que os dados não serão acessados por pessoal não autorizado. IRRETRATABILIDADE Impossibilidade de negar a autoria em relação a uma transação anteriormente feita AUDITABILIDADE Capacidade de responder às questões do tipo quem, o quê, quando e onde foi realizada alguma ação.

46

23

COMO GARANTIR OS PRINCÍPIOS DE PROTEÇÃO, SEGURANÇA E CONFIANÇA

• • • • • • • • • • •

IDS – INTRUSION DETECTION SYSTEM; FIREWALL; IPS = FIREWAL + IDS; ATUALIZAÇÕES DO SISTEMA OPERACIONAL; ATUALIZAÇÕES DE ANTIVÍRUS; ATUALIZAÇÕES DE FIREWALL; CERTIFICAÇÃO DIGITAL; VPN;CRIPTOGRAFIA;CERTIFICADOS DIGITAIS BACKUP; POLÍTICA DE SENHAS TREINAMENTO DE USUÁRIOS E ADMINISTRADORES SOBRE POLÍTICAS DE SEGURANÇA.
47

CRIPTOGRAFIA

O conjunto de regras que determina as transformações do texto claro é chamado de algoritmo (uma seqüência de operações) e o parâmetro que determina as condições da transformação é chamado de chave. Para o usuário da criptografia, é fundamental ter a chave que iniciará o processo de cifração, ou seja, é necessário alimentar seu equipamento com a informação que iniciará o processo de criptografia do texto claro. Existem dois tipos de criptografia: simétrica e assimétrica 48

24

CRIPTOGRAFIA DE CHAVE SIMÉTRICA
A=EMISSOR Mensagem (M): Olá, B! Aqui está sua mensagem Confidencial: Blá blá blá...
AS CHAVES QUE CODIFICAM E DECODIFICAM SÃO IGUAIS E SÃO PRIVADAS Chaves são números Usados por algoritmos (programas de criptografia)

B=RECEPTOR Mensagem Cifrada (C): X!#$%&*&)*()*))_)_)(( Asdasop()*(& HKJK*(a *)(JJ(_: (H^&%FDD

Mensagem Cifrada (C): X!#$%&*&)*()*))_)_)(( Asdasop()*(& HKJK*(a *)(JJ(_: (H^&%FDD

Mensagem (M): Olá, B! Aqui está sua mensagem Confidencial: Blá blá blá...

49

CRIPTOGRAFIA ASSIMÉTRICA
A criptografia assimétrica baseia-se em algoritmos que utilizam duas chaves diferentes, relacionadas matematicamente através de um algoritmo, de forma que o texto cifrado pela chave1 do par somente poderá ser decifrado pela chave do mesmo par. As duas chaves envolvidas na criptografia assimétrica são denominadas chave pública e chave privada. A chave pública pode ser obtida pelo público em geral, enquanto que a chave privada somente deve ser de conhecimento de seu titular. Da mesma forma que no sistema de criptografia simétrica, a segurança da comunicação depende da garantia de segredo da chave privada, que só deve ser de conhecimento do de seu titular. O emissor processa seu documento com a chave pública do receptor, que é conhecida. O texto cifrado somente poderá ser decifrado pelo receptor previsto, uma vez que somente ele tem a chave privada relacionada à chave pública que orientou a criptografia do documento emitido. Desta forma, fica atendido o requisito de confidencialidade da informação.
50

25

CRIPTOGRAFIA ASSIMÉTRICA = PÚBLICA
A = JOSÉ Mensagem (M): Olá, B! Aqui está sua mensagem Confidencial: Blá blá blá...
CHAVE PÚBLICA DE MARIA CHAVE PRIVADA DE JOSÉ

AS CHAVES QUE CODIFICAM E DECODIFICAM SÃO DIFERENTES MAS FORMAM UM PAR RELACIONADO POR ALGORITMO

B = MARIA Mensagem Cifrada (C): X!#$%&*&)*()*))_)_)(( Asdasop()*(& HKJK*(a *)(JJ(_: (H^&%FDD
CHAVE PRIVADA DE MARIA

CHAVE PÚBLICA DE JOSÉ

Mensagem (M):
UMA CHAVE DE 128 BITS INDICA QUE ELA POSSUI 2 ELEVADO A 128 POSSIBILIDADES DE COMBINAÇÕES DIFERENTES

Mensagem Cifrada (C): X!#$%&*&)*()*))_)_)(( Asdasop()*(& HKJK*(a *)(JJ(_: (H^&%FDD

Olá, B! Aqui está sua mensagem Confidencial: 51 Blá blá blá...

ASSINATURA DIGITAL
A = REMETENTE
Mensagem (M): Olá, B! Aqui está sua mensagem Blá blá blá... +
HASH GERADO POR CHAVE PÚBLICA EM ALGORITMOS COMPLEXOS = resumo A S S I N A T U R A

B = DESTINATÁRIO DESTINATÁ
Mensagem (M): Olá, B! Aqui está sua mensagem Blá blá blá

Assinatura digital = HASH CRIPTOGRAF ADO

+
CHAVE PRIVADA DO REMETENTE

HASH GERADO POR CHAVE PÚBLICA EM ALGORITMOS COMPLEXOS

CHAVE PÚBLICA DO REMETENTE PARA VERIFICAR O HASH

Mensagem (M): Olá, B! Aqui está sua mensagem Blá blá blá

A S S I N A T U R A

resumo 2

=?

resumo 1
52

SE = ENTÃO OK

26

CERTIFICADO DIGITAL
A = REMETENTE
Mensagem (M): Olá, B! Aqui está sua mensagem Blá blá blá... +
HASH GERADO POR ALGORITMO DA CA COM DADOS DO REMETENTE E SUA CHAVE PÚBLICA C E R T I F I C A D O

B = DESTINATÁRIO DESTINATÁ
Mensagem (M): Olá, B! Aqui está sua mensagem Blá blá blá

Assinatura digital = HASH CRIPTOGRAFADO

+
CHAVE PRIVADA DO REMETENTE FORNECIDO POR CA

HASH GERADO POR CHAVE DA CA CHAVE PÚBLICA DA CA PARA VERIFICAR O HASH

Olá, B! Aqui está sua mensagem Blá blá blá... + CERFIFICADO DIGITAL

resumo 2

=?

resumo 1
53

CAPTCHA
CAPTCHA é um acrônimo para "Completely Automated Public Turing test to tell Computers and Humans Apart" (teste de Turing público completamente automatizado para diferenciar entre computadores e humanos) desenvolvido pela universidade do Carnegie-Mellon. Um CAPTCHA envolve um computador (um servidor) que pede que um usuário termine um teste. Como os computadores são incapazes de resolver o CAPTCHA, todo usuário que incorpora uma solução correta é presumidamente humano. Um tipo comum de CAPTCHA requer que o usuário identifique as letras de uma imagem distorcida, às vezes com a adição de uma seqüência obscurecida das letras ou dos dígitos que apareça na tela. CAPTCHAs são utilizados para impedir que softwares automatizados executem ações que degradam a qualidade do serviço de um sistema dado, fazendo requisições automáticas através de programas, sobrecarregando a máquina. Normalmente são rebuscados para se evitar que programas reconhecedores de caracteres efetuem a leitura.

54

27

Proteger-se de quê? O SPAM
Spam é o termo usado para referir-se aos e-mails não solicitados, que geralmente são enviados para um grande número de pessoas. Quando o conteúdo é exclusivamente comercial, esse tipo de mensagem é chamada de UCE (do inglês Unsolicited Commercial E-mail). O que são spam zombies? Spam zombies são computadores de usuários finais que foram comprometidos por códigos maliciosos em geral, como worms, bots, vírus e cavalos de tróia. Estes códigos maliciosos, uma vez instalados, permitem que spammers utilizem a máquina para o envio de spam, sem o conhecimento do usuário. Enquanto utilizam máquinas comprometidas para executar suas atividades, dificultam a identificação da origem do spam e dos autores também. Os spam zombies são muito explorados pelos spammers, por proporcionar o anonimato que tanto os protege. Spam é o nome de uma variedade de carne de porco em lata, da empresa norteamericana Hormel Food. O termo virou sinônimo de incômodo em 1970, em um dos episódios do grupo humorístico inglês Monty Python, no qual um grupo de vikings repetia incansavelmente a palavra "spam", importunando todos que estavam no bar. Quando55 a Internet surgiu, o termo spam virou sinônimo de mensagens indesejadas.

PROTEGER-SE DE QUÊ? MALWARE E ATAQUES PESSOAIS
• FALHAS INTERNAS Problemas de segurança com pessoal não autorizado ou com imperícia, imprudência ou negligência de funcionários da própria empresa. É o conjunto de técnicas usadas por invasores para convencer as pessoas a instalar programas maliciosos, divulgar informações confidencias etc. É o caso do PHISHING SCAN por exemplo. Neste tipo de ataque o Engenheiro Social não precisará ter contato direto com o alvo. Irá disparar um SPAM para várias caixas postais e esperar que alguém acredite nas promessas feitas no texto do e-mail fraudulento. tipo scam, diferente do phishing, é oferecido um serviço ao usuário, que paga pelo serviço mas nunca o recebe.

• ENGENHARIA SOCIAL -

• SCAM - Fraudes que buscam estritamente ganhos financeiros. Nas fraudes do • SPYWARE – Programas instalados no computador que enviam informações do
usuário para alguém na . Neste grupo temos também os KEYLOGERS (registra tudo que é digitado) e TROJAN HORSE (trojan ou cavalo de troia).

56

28

KEYLOGGERS, SCREENLOGGERS E “CHUPA CABRAS”

• Gravam tudo o que é digitado no teclado • 2 tipos: software e hardware

57

CONTINUAÇÃO
SYN FLOODING - É a geração de um grande número de requisições de
conexões (pacotes SYN) enviadas a um sistema, de tal maneira que o servidor não é capaz de responder a todas estas requisições. A pilha de memória sofre um overflow (estouro da capacidade), e as requisições de conexões de usuários legítimos acabam sendo desprezadas, ocasionando negação de serviços. A identificação do invasor é difícil de ser detectada, pois os ataques são realizados forjando o endereço IP de origem, com endereços IP's de hosts que não estão online. Esse ataque pode ser DoS (Denial of Service) partindo de uma máquina ou DDos (DoS distribuído partindo de diversas máquinas)

PORTSCAN OU PORT SCAN - Tem o papel de percorrer todas
as portas de um endereço ip especificado, a fim de identificar qual daemon está pronto para receber solicitação de serviços.

EXPLOIT - Exploit em inglês pode significar ‘explorar’ ou ‘façanha’.
Programa que permite explorar falha de segurança de um sistema para ter acesso não autorizado. É um código capaz de explorar uma falha em um software. Em segurança de dados, denomina-se ‘exploit’ um programa capaz de se aproveitar de um bug (leia sobre bug na seção DICAS) em algum outro software para 58 conseguir acesso ao sistema ‘bugado’.

29

CONTINUAÇÃO
BRUTE FORCE OU FORÇA BRUTA É a utilização de programas para a quebra de senhas. O programa de força bruta vai alterando as combinações até achar a correta. Esse processo pode demorar de minutos até dias.

SPOOFING - É uma tentativa de obter acesso a um sistema usando uma
identidade falsa. Isso pode ser feito com o uso de credenciais de usuário roubadas ou de um endereço IP falso ou até mesmo com permissão de pessoas que emprestam suas senhas a terceiros.

TROJAN HORSE OU TROJAN OU CAVALO DE TRÓIA - É um programa que oculta o seu objetivo sob uma camuflagem de
outro programa útil ou inofensivo. É um programa que diz que faz uma coisa (que pode fazer ou não) mas também faz outra, sendo que essa segunda ação pode danificar seriamente o computador ou abrir as portas do computador para que outros invadam a máquina.

Dialer (discador) - É um tipo de malware que usa números 900 para que parte
do valor monetário do número discado vá para o criador do código malicioso.
59

CONTINUAÇÃO
ADWARE - Do inglês Ad (anúncio) + ware (utensílio). Programa que vem
oculto a um outro, baixado da Internet, sem que o usuário tenha conhecimento. Uma vez instalado, sempre que o computador estiver conectado à rede, passa a exibir anúncios interativos e muitas vezes pornográficos.

PING DA MORTE - Consiste em enviar um pacote IP (protocolo de InterRedes) inválido (maior que 65536 bytes) para o computador destino, que, no caso, não compreenderá como deve montar o referido pacote na chegada... Esse ataque causa vários problemas, como desligamento do servidor afetado, erro nas respostas do servidor, mensagens estranhas, etc.

HIJACK – Quando um malware muda a página inicial de um navegador,
chamamos de hijack.

60

30

VÍRUS DE COMPUTADOR
• São pequenos pedaços de programas que se copiam sozinhos e se agregam (infectam) outros arquivos quando são executados DIFERENÇAS ENTRE VÍRUS E PROGRAMAS MALICIOSOS: VÍRUS REPLICAM (REPRODUZEM) SÃO PEDAÇOS DE INSTRUÇÕES QUE NECESSITAM DE ARQUIVOS PARA SE AGREGAR. ALTO PODER DE CONTAMINAÇÃO PODEM BURLAR ANTI-VÍRUS PREOCUPAÇÃO COM AUTO-PRESERVAÇÃO
61

• • • • • •

TIPOS DE VÍRUS
• • • • 1-Vírus de programa: Infectam arquivos de programa. Esses arquivos normalmente têm extensões como .COM, .EXE, .VBS, .PIF, SCR; 2-Vírus de Boot: Infectam o setor de Boot de um disco rígido ou disquete - ou seja, o registro de inicialização em disquetes e discos rígidos. Os vírus de boot se copiam para esta parte do disco e são ativados quando o usuário tenta iniciar o sistema operacional a partir do disco infectado. 3-Vírus de Macro: Infectam os arquivos dos programas Microsoft Office (Word, Excel, PowerPoint e Access). Esses vírus são normalmente criados com a linguagem de programação VBA (Visual Basic para Aplicações) e afetam apenas os programas que usam essa linguagem (o Office, por exemplo); 4-Vírus Stealth: Este tipo de vírus é programado para se esconder e enganar o antí-vírus durante uma varredura deste programa. 5-Vírus Polimórficos: Vírus que “mudam de forma”. A cada nova infecção, esses vírus geram uma nova seqüência de bytes em seu código, para que o Antivírus se “confunda” na hora de executar a varredura e “não reconheça” o invasor. Worms Worm é um tipo de malware que usa a rede para se espalhar. Worms são muito famosos por causarem um grande número de computadores infectados em pouco tempo, usando anexos de e-mail e forjando e-mails aparentemente legítimos. Outros worms usam a rede local para serem instalados em diferentes computadores. Exemplos: MyDoom, Blaster, ILoveYou. 62

• •

• • • • • • •

31

INDÍCIOS DE MENSAGENS SUSPEITAS E DE PHISHING SCAM

• 1- Apresentação descuidada • 2- Link destino não confiável • 3- Informação improvável • 4- Impessoalidade • 5- Remetente suspeito:
63

FAMÍLIAS DE PROTOCOLOS
• ORIENTADOS A CONEXÃO – Garantem a entrega da informação (pacotes ou datagramas) • NÃO ORIENTADOS A CONEXÃO – Não garantem a entrega da informação

64

32

PROTOCOLOS MAIS UTILIZADOS DO TCP/IP
Páginas – HTTP

E-mail – SMTP+POP

Webmail – HTTP + IMAP

Downloads - FTP

Vídeo - UDP

65

VISUALIZAÇÃO DE PÁGINAS NA WEB (HTTP)

Não confundir o protocolo HTTP com a linguagem HTML

66

33

O PROTOCOLO SSL (HTTPS = Privacidade + integridade)

67

COMO AS MENSAGENS TRAFEGAM (SMTP+POP)
SMTP SMTP

BACKBONE

Provedor BOL

Provedor IG
SMTP

QUANDO AS MENSAGENS NÃO SÃO SOLICITADAS E ENVIADAS A VÁRIAS PESSOAS SÃO CHAMADAS DE SPAM

POP

José – jose@bol.com.br Maria – maria@ig.com.br
68

34

O WEBMAIL (HTTP + IMAP)

69

FAZENDO DOWNLOADS (FTP)

70

35

ASSISTINDO VÍDEOS (UDP)

71

Internet Relay Chat (IRC) É um protocolo de comunicação bastante utilizado na Internet. Ele é utilizado basicamente como bate-papo (chat) e troca de arquivos, permitindo a conversa em grupo ou privada, sendo o antecessor aos programas de mensagens instantâneas. Por exemplo: MSN – Windows messenger, ICQ etc. Para utilizar este protocolo, é necessário, primeiro, ter um cliente de IRC, que é um programa que se comunica com um servidor de uma rede de IRC. No Windows, o mais famoso é o mIRC. VÍDEO CONFERÊNCIA Tecnologia que permite ao usuário ver, ouvir e fazer perguntas ao interlocutor. 72

36

VoIP • • Oque é VoIP? Voip é um sistema de telefonia realizado pela para qualquer telefone fixo ou celular do mundo. Para usar é necessário possuir uma Banda Larga. Utilizando a tecnologia VOIP (Voice over Protocol ou Voz Sobre IP) é possível fazer ligações com um custo muito baixo, se comparado com operadoras convencionais. O ATA (Adaptador de Telefone Analógico) é um equipamento utilizado para conectar um ou mais aparelhos telefônicos comuns a uma rede VOIP. Com ele, você não precisa que seu computador permaneça ligado quando quiser fazer ou receber uma chamada via VOIP. Basta que ele esteja ligado e conectado a Não confunda o ATA aqui definido como um equipamento com o barramento ATA = IDE, substituído pelo SATA

Programa VoIP instalado no Computador

73

RESUMO DE ALGUNS SERVIÇOS DISPONÍVEIS NA 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. VISUALIZAÇÃO DE PÁGINAS OU WWW; Chat; FÓRUM DE DISCUSSÃO; LISTAS DE DISCUSSÃO; DOWNLOADS & UPLOADS; VoIP; TELNET; GOPHER; E-COMMERCE; E-BUSINESS; E-MAIL; E-LEARNING; WEBMAIL; VÍDEO CONFERÊNCIA;

74

37

As Ferramentas de busca
Em concursos podemos encontrar a expressão “motores de busca” ou spyders ou ainda robots para fazer referência a programas que varrem a net diuturnamente para criar um catálogo de sites. É o caso do Google, por exemplo. Podemos encontrar também a expressão “serviços de diretório” que é um sistema de busca feito através de um banco de dados cadastrado por pessoas e não por software. A grande vantagem é o melhor controle do que é cadastrado. Encontramos, ainda o termo “Whois” que é um diretório de endereços eletrônicos 75 de pessoas e computadores, na Internet, contendo informações relativas.

ORGANIZAÇAO DA
Vamos analisar a URL abaixo

EM DOMÍNIOS

https://sinarm.dpf.gov.br/sinarm/sinarm.htm
PROTOCOLOS SUBDOMÍNIO INSTITUIÇÃO, EMPRESA TIPO, ATIVIDADE PAÍS PASTA ARQUIVO
76

38

ALGUNS TIPOS DE DOMÍNIOS
Sufixo .org .com .gov .ind .edu .mil Utilização Entidades não governamentais sem fins lucrativos Entidades Comerciais Entidades Governamentais Entidades Industriais Instituições Educacionais Órgãos das forças armadas
77

A

ou NGI-Next Generation

78

39

Objetivos da

Pesquisadores da Universidade de Tóquio anunciaram recentemente um novo recorde de velocidade na transmissão de dados na Internet2. No dia 30 de dezembro de 2006, os cientistas conseguiram atingir uma taxa de 7,67 Gbps (Gigabits por segundo). No dia seguinte, registraram a marca de 9,08 Gbps, graças a algumas modificações feitas nos protocolos de comunicação (incluindo o IPv6). No recorde recém-anunciado, os pesquisadores conseguiram realizar uma transmissão de dados na já mencionada velocidade de 9,08 Gpbs fazendo as informações saírem de Tóquio e chegarem em Chicago (EUA), Seattle (EUA) e Amsterdã (Holanda), o que significa que os dados percorreram mais de 30 mil quilômetros.
79

OS SMYLES OU EMOTICONS
Forma de comunicação paralingüística, um emoticon (em alguns casos chamado smiley) é uma seqüência de caracteres tipográficos, tais como: :), ou ^-^ e :-); ou, também, uma imagem (usualmente, pequena), que traduzem ou querem transmitir o estado psicológico, emotivo, de quem os emprega, por meio de ícones ilustrativos de uma expressão facial. Exemplos: (i.e. sorrindo, estou alegre); (estou triste, chorando), etc. Normalmente é usado por MSN (Microsoft Network) ou pelo ICQ e outros meios de mensagens rápidas. O Nome "emoticon" deriva da contração do inglês emotion+icon.

80

40

O

EXPLORER (Navegador – Browser)

MIE = 85.45 % Mozilla Firefox = 11.51 % Apple Safari = 1.75 % Netscape Navigator = 0.26 % Opera = 0.77 %

81

O MENU DE ATALHO NO IE

82

41

OS BOTÕES MAIS USADOS

VÁRIA DE ACORDO COM PROGRAMAS INSTALADOS

HISTÓRICO FAVORITOS PESQUISAR

INICIAL OU HOME ATUALIZAR

PARAR AVANÇAR

83
VOLTAR

O MENU ARQUIVO

84

42

CONFIGURANDO PÁGINA

85

IMPORTANDO E EXPORTANDO 86

43

TRABALHANDO OFF-LINE

87

LOCALIZANDO TERMOS NA PÁGINA ABERTA

88

44

O MENU EXIBIR

89

EXIBINDO O CÓDIGO FONTE

90

45

O MENU FAVORITOS

91

ADICIONANDO AOS FAVORITOS

92

46

MENU FERRAMENTAS

93

OPÇÕES DE INTERN.- GUIA GERAL

94

47

OPÇÕES DE INTERN.- GUIA SEGURANÇA

95

OPÇÕES DE INTERN.- GUIA PRIVACIDADE

96

48

OPÇÕES DE INTERN.- GUIA CONTEÚDO

97

ATIVANDO O SUPERVISOR DE CONTEÚDO

98

49

OPÇÕES DE INTERN.- GUIA CONEXÕES

99

OPÇÕES DE INTERN.- GUIA PROGRAMAS

100

50

OPÇÕES DE INTERN.- GUIA AVANÇADAS

101

102

51

MENU DE ATALHO NAS MENSAGENS

103

IMPORTANDO E EXPORTANDO

104

52

AS IDENTIDADES

105

O MENU EDITAR

106

53

O MENU EXIBIR

107

O MENU FERRAMENTAS

108

54

O CATÁLOGO DE ENDEREÇOS

109

APLICANDO REGRAS DE MENSAGENS

110

55

ADICIONANDO CONTAS
FERRAMENTAS – CONTAS – GUIA EMAIL - ADICIONAR....

111

AS OPÇÕES

112

56

AS OPÇÕES

113

ENVIANDO MENSAGEM NO OE

114

57

O MENU ARQUIVO EM EDIÇÃO DE MENSAGEM

115

O MENU EDITAR EM EDIÇÃO DE MENSAGEM

116

58

O BOTÃO EXIBIR NA EDIÇÃO DE MENSAGENS

117

O MENU INSERIR NA EDIÇÃO DE MENSAGEM

118

59

O MENU FORMATAR NA EDIÇÃO DE MENSAGENS

119

O MENU FERRAMENTAS NA EDIÇÃO DE MENSAGENS

120

60

O MENU MENSAGEM NA EDIÇÃO DE MENSAGEM

121

Ícone criado na área de notificação quando o programa estiver ativo

122

61

OUTROS COMUNICADORES INSTANTÂNEOS

123

AS COMUNIDADES VIRTUAIS

124

62

SECOND LIFE

125

Um jogo? Uma possibilidade comercial?

126

63

This document was created with Win2PDF available at http://www.win2pdf.com. The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only. This page will not be added after purchasing Win2PDF.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful