You are on page 1of 7

FTT- FACULDADE DE TECNOLOGIA TERMOMECANICA

PF – PROCESSO DE FABRICAÇÃO

Projeto
Caracterização Mecânica de Material
Ensaio de Dureza

Professor: FABIO RUBIO
Data:

/

/

Turma
Integrantes
Deborah Okuno
Filipe Batista
Gabriel
Madureira
Laís Paixão
Raphael Brito

Grupo

5434664
5437080
5434650
5437072
5177998

...........4 4.......................................... INTRODUÇÃO....................6 2 ..................... SEGUNDO AS NORMAS............................ COMPARAÇÃO ENTRE O PROCEDIMENTO DA AULA E O DA NORMA...................................3 3..5 5....................3 2.................................. DESCRIÇÃO DO ENSAIO DE DUREZA EM CHAPAS FINAS................ APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS EM AULA..Índice 1................................................6 6.......... REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS........................ DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO DO ENSAIO REALIZADO EM AULA.........................

permitindo o ensaio em metais duros e macios. Essa précarga garante maior precisão no ensaio.350. mede-se a profundidade ou o tamanho da impressão relacionando a um número. W. porque são simples e baratos. Descrição do ensaio de dureza em chapas finas. há várias técnicas sendo que nestas técnicas um pequeno penetrador é forçado contra uma superfície do material a ser testado. dependendo. e a carga principal de 60. no qual neste a pré-carga é de 3 kgf e a carga principal pode ser de 15. 3. 30 ou 45 kgf. O índice de dureza é determinado pela diferença na profundidade de penetração da aplicação de uma pré-carga seguida pela carga principal. Introdução A dureza consiste numa medida da resistência de um material a uma deformação plástica localizada. Os ensaios de dureza são realizados frequentemente. 6. a pré-carga será de 10 kgf.588 . 100 ou 150 kgf. Enquanto naquele. A combinação de diversos penetradores e cargas formam diferentes escalas.T.175. Os penetradores consistem em bolas de aço esféricas com diâmetro de 1. O valor da dureza é acompanhado pelo símbolo HR e as especificações acima citadas.1. segundo as normas Os ensaios de Rockwell são os mais utilizados para medir dureza devido à sua simplicidade. Existem dois tipos de ensaio: O Rockwell e o Rockwell superficial. 2. representadas pelo número da carga principal associado a uma das letras N.70 milímetros e um penetrador cônico de diamante usado para metais mais duros. dependendo do penetrador. índice de dureza. Os valores da dureza são relativos. não destrutivos (o corpo de prova não é fraturado e nem deformado drasticamente) e permitem determinar outras propriedades do material. X ou Y. Assim. representadas por uma letra no alfabeto. maior e mais profunda será a impressão e menor será o índice. do tipo de técnica utilizada. A partir desse resultado. quanto mais macio for o material. Para determinar a dureza. 3 . assim. 12.

gira-se. aplicando uma carga de 15. A alavanca é abaixada. O grau de dureza é avaliado por um mostrador acoplado à máquina do ensaio de acordo com uma escala vermelha. aplicando uma pré-carga de 10 kgf.O ensaio de dureza utilizado em chapas finas é o Rockwell superficial. 4 .588 mm de diâmetro. atingindo sozinha uma posição de equilíbrio. (Máquina para medição de dureza de Rockwell). novamente. Depois. com um penetrador esférico de aço de 1. libera-se a alavanca. no qual se aplica a pré-carga de 3 kgf.625 kgf. até o ponteiro menor encontrar o ponto vermelho (o ponteiro maior deve estar no zero da escala vermelha). Após girá-la. Descrição do procedimento do ensaio realizado em aula O ensaio foi realizado em uma máquina de ensaio de dureza Rockwell. medindo-se a profundidade da perfuração. é feita a leitura da dureza PMR 2202 pelo mostrador analógico do equipamento utilizando a escala vermelha. assegurando o contato entre a chapa e o penetrador e depois aplica-se a carga principal de15 kgf. puxando-a para a esquerda. em seguida gira-se a base até o material encostar no penetrador. Então. Inicialmente coloca-se uma chapa embaixo do penetrador. Foram realizados no total seis ensaios e em cada ensaio foi perfurado um ponto diferente da chapa. 3.

Mostrador Analógico 4.625kgf. Comparação entre o procedimento da aula e o da norma O ensaio de dureza realizado foi baseado no Rockwell Superficial. Conforme pudemos observar não houve outras alterações significativas no ensaio de dureza Rockwell Superficial. 5 . já que a máquina do laboratório não era capaz de aplicar uma carga tão pequena. Uma das adaptações foi que o valor da pré-carga no ensaio superficial deveria ser de 3kgf enquanto o que realizamos foi de 10kgf. no entanto foram feitas algumas adaptações de acordo com a máquina do laboratório. 625kgf. Outra adaptação foi a da carga principal a qual segundo o ensaio superficial é de 15kgf e no ensaio realizado foi de 15. isso porque a máquina não possuía uma carga menor do que 15. por isso denominaremos neste relatório como dureza PMR2202.

Editora Edgard Blucher Ltda. E 18-89a. Standard Test Methods for Rockwell Hardness and Rockwell Superficial Hardness of Metallic Materials. 6. Sérgio Augusto de. Ensaios Mecânicos em materiais metálicos.1989. Estados Unidos da América. nos seis ensaios foram:  94 PMR2202  95 PMR2202  93 PMR2202  93 PMR2202  92 PMR2202  91 PMR2202 Fazendo a media dos resultados percebemos que o desvio foi aceitável. 2000 [2]Souza. Standard Test Methods for Vickers Hardness of Metallic Materials. [5]AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS (ASTM). São Paulo. 6 . Ciência e Engenharia dos materiais: uma introdução. E 10-84. Standard Test Methods for Brinell Hardness of Metallic Materials. Estados Unidos da América. Brasil. William D. pois a media será de 93 com um desvio de no máximo 3. São Paulo. Brasil.5. Referências Bibliográficas [1]Callister. Apresentação dos Resultados obtidos em aula Os resultados obtidos.. segundo a escala vermelha (B). 1974 [3]AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS (ASTM).1989. E 92-82. Editora LTC.1987. [4]AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS (ASTM). Estados Unidos da América.

7 .