UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS
COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

HS969-A – DEBATES CONTEMPORÂNEOS EM ANTROPOLOGIA SOCIAL
PROF. CHRISTIANO KEY TAMBASCIA
1º SEMESTRE/2016
PROGRAMA
O objetivo no curso é tratar, teórica e metodologicamente, de alguns eixos temáticos que
são centrais na produção antropológica pós-Segunda Guerra. Centrada na discussão
realizada sobre os modelos de análise hoje considerados clássicos, concomitante à
institucionalização da disciplina no período colonial e sua crítica posterior, a bibliografia
permitirá avançar no debate sobre como foi feita a reflexão sobre questões fundantes em
antropologia, à luz de indagações contemporâneas. Estrutura e agência; etnografia e
história; poder e conhecimento, são alguns dos debates que serão analisados através da
leitura de obras que buscam deslocar e problematizar alguns pressupostos, em novos
contextos de pesquisa, redescobrindo antigas inquietações com novas perspectivas e
experiências, que tomam a própria antropologia e seus entornos como foco de estudo –
mesmo que para reabilitar as riquezas heurísticas que a constituíram.

AVALIAÇÃO
É requisito a leitura dos textos selecionados para a bibliografia de base, uma vez que as
aulas serão desenvolvidas com o debate constante entre docente e estudantes. A avaliação
consistirá da participação integral em sala de aula, apresentação de um seminário e de um
trabalho final, versando sobre questões e temas tratados ao longo do semestre. O trabalho
deverá ter de 15 a 20 páginas e deverá ser entregue ao final do curso.

BIBLIOGRAFIA
ALMEIDA, Mauro. “A etnografia em tempos de guerra: contextos temporais e nacionais
do objeto da antropologia”. Antropologias, Histórias, Experiências. In: PEIXOTO,
Fernanda Arêas; PONTES, Heloísa; SCHWARCZ, Lilia (orgs.). Belo Horizonte: Editora
da Universidade Federal de Minas Gerais, 2004.
APPADURAI, Arjun. “Introdução: Mercadorias e a Política de Valor”. In: A Vida Social
das Coisas: As Mercadorias sob uma Perspectiva Cultural. APPADURAI, Arjun (ed.)
Niterói: Eduff, 2009.
ARAÚJO, Ricardo A. Benzaquen de; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “Romeu e
Julieta e a Origem do Estado”. In: Arte e Sociedade: ensaios de sociologia da arte.
VELHO, Gilberto (org.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1977.

1

In: A New History of Anthropology. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. KUPER. Nova Luz sobre a Antropologia. John. Cambridge. Science of Science and Reflexivity. Novos Estudos CEBRAP.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO BOURDIEU. 1988. Stephen. “Visual Anthropology”. The Art of Anthropology: Essays and Diagrams. Johannes. GOLDE.). NEY.). ERRINGTON. In: _______. Los Angeles. “Studies in an Indian Town”. DO. 2013. Karina. 1980. Clifford. Liisa H. Vietnamese Supernaturalism: Views from the southern region. Cora. “The Touch of the Real”. London: The University of Chicago Press. Jean. Janet. COMAROFF. Alfred. Los Angeles. CERWONKA. n. Pierre. Los Angeles: University of California Press. 1991. GRIMSHAW. “A presença do autor e a pós-modernidade em antropologia”. 2004. “Ensinando antropólogos a desenhar: uma experiência didática e de pesquisa”. O Tempo e o Outro: como a Antropologia Estabelece seu Objeto. 1999. Berkeley. Peggy (ed). Missing Persons: A Critique of Personhood in the Social Sciences. Berkeley. Improvising Theory: Process and Temporality in Ethnographic Fieldwork. 2014. Thien. 2009. Petrópolis: Editora Vozes. JAMES. CALDEIRA. In: Picturing a Colonial Past: The African Photographs of Isaac Shapera. 2006. 2 . COMAROFF. Jean. 2003. London: The University of Chicago Press.). 2006. Twisted Histories. 1986. DU BOIS. “Introduction: The Portraits of an Ethnographer as a Young Man”. Incest and Influence: The Private Life of Bourgeois England. Anna. KUKLICK. MALKKI. HANNERZ. (ed. COMAROFF. In: The Fate of “Culture”: Geertz and Beyond. GELL. Allaine. Altered Contexts: Representing the Chambri in the World System. Deborah (eds. 21. MA. DOUGLAS. Steven. New York: Russell Sage Foundation. John. GEWERTZ. Chicago. Sherry B. Adam. KUSCHNIR. Chicago. London. Teresa. New York: Columbia University Press. COMAROFF. CARSTEN. Cambridge: Cambridge University Press. 2. Deborah. 1998. Ulf. 3. Frederick. “A situação atual”. 2007. GREENBLATT. vol. After Kinship. Cadernos de Antropologia e Arte. Cambridge: Cambridge University Press. 2001. Berkeley. London: University of California Press. New York: Routledge. Oxford. Henrika (ed. FABIAN. 2008. London: Cambridge University Press. 2007. Oxford: Blackwell Publishing. Cambridge: Polity Press. New York: Berg. ORTNER. London: Harvard University Press. Exploring the City: Inquiries Toward an Urban Anthropology. In: Women in the Field. Mary. n. GEERTZ.

Paul. SCHUMAKER. Antropologia da Razão: ensaios de Paul Rabinow. and local practice. 2014. 2008. DRESCH. 1993. OKELY. GRIMSHAW. 2004. 2002. 1992. Wendy. ORTNER. Judith. Joanna. David M. 1992. KUPER. Transcribed. OLIVEIRA Filho. Mana. 419466. vol. Ensaios em Antropologia Histórica. João Pacheco de. Paul. Women of Value. In: _______. In: Conceptualising Society. Joan W. Projeto História.). 2. 16. In: Anthropologists in a Wider World: Essays on Field Research. “Fazendo etnologia com os caboclos do Quirino: Curt Nimuendaju e a história ticuna”. Sherry B. Involution. Austin: University of Texas Press. The Slain God: Anthropologists & the Christian Faith. New York. “A Invisibilidade da Experiência”. Oxford: Berghahn Books. “Indians and Cowboys: Two Field Experiences”. RAVETZ. “Representações são Fatos Sociais”. Adam (ed). “Women in the Field in the Twentieth Century: Revolution. 2008. Durham. WEINER. Los Angeles. Edited. In: Visualizing Anthropology. Henrika (ed. London: Duke University Press. “Parts and Wholes: Refiguring Relationships in a Postplural World”. TISHKOV. ideologies. HANN. JAMES. Thimothy. Lyn. 1998. 2011. Berkeley. Devolution?”. Schneider as told to Richard Handler. 3 . David (eds. Portland: Intellect. “The Filmed Return of the Natives – to a Colonizing Territory of Terror”. 1995. SAHLINS. London: University of California Press. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. In: Socialism: Ideals. Men of Renown: new perspectives in Trobriand exchange. SCOTT. Schneider on Schneider: The conversion of the Jews and other anthropological stories / David M. Annette B. OVERING. “Teoria na antropologia desde os anos 60”. Chechnya: Life in a War-Torn Society. Oxford: Oxford University Press. PARKIN. Marilyn. Oxford: Blackwell Publishing. 2000. RABINOW. Rio de Janeiro: Relume Dumará. Valery.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2005. Amanda (eds.). Marshall.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO LARSEN. KUKLICK. Metáforas Históricas e Realidades Míticas: Estrutura nos Primórdios do Reino das Ilhas Sandwich. Peter. London: New York: Routledge. and with an Introduction by Richard Handler. Anna. In: A New History of Anthropology. n.). Bristol. STRATHERN. n. London: Routledge. In: ________. 1976. 1999. Chris (ed. “The anarchy and collectivism of the ‘primitive other’: Marx and Sahlins in the Amazon”. SCHNEIDER. RIVIÈRE. 17.