Direito Administrativo

O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais.

Sumário
1. Agentes Públicos ........................................................................................................ 2
1.1

Agentes Políticos ............................................................................................... 3

1.2

Agentes particulares colaboradores ................................................................. 4

1.2.1 Requisitados de serviço .................................................................................. 4
1.2.2 Voluntários ..................................................................................................... 4
1.2.3 Concessionários e permissionários de serviços públicos ............................... 4
1.2.4. Delegados de função ou ofício público ......................................................... 5
1.2.5 Particulares que praticam atos oficiais .......................................................... 5
1.3

Servidores Públicos ........................................................................................... 5

1.3.1. Classificações dos servidores públicos .......................................................... 6
1.3.1.1. Servidores públicos civis e militares ...................................................... 6
1.3.1.2 Servidores comuns e servidores especiais ............................................. 8
1.3.1.3 Servidores Públicos Estatutários vs. Servidores Públicos Trabalhistas
(empregados públicos) vs. Servidores Públicos Temporários ........................................ 8
1.3.1.3.1 Critérios de diferenciação ................................................................ 9
1.3.2 Categorias de Servidores Públicos ................................................................. 9
1.3.2.1 Servidores Públicos Estatutários ............................................................ 9
1.3.2.2. Servidores Públicos Trabalhistas ou Empregados Públicos ................. 10
1.3.2.2.1.1. A EC 19 e a Volta do Regime Jurídico Único ............................... 13
1.3.2.3 Servidores Temporários ........................................................................ 14
1.3.3 Conceitos Modernos .................................................................................... 17
1.3.4 Regime Constitucional do Servidor Público Estatutário .............................. 18
2. Concurso Público ...................................................................................................... 19
2.1 Concurso Público e Direito Subjetivo à Nomeação ............................................ 20
2.2 Súmulas Importantes .......................................................................................... 22

1
www.cursoenfase.com.br

Direito Administrativo
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais.

Dicas de Estudo
A professora Isabela recomenda aos alunos os quatro pilares do estudo para a
Magistratura Federal e MPF:
 Lei seca, que deve ser estudada junto com a doutrina, sendo o campo de onde
vem muitas questões dos concursos;
 Súmulas, em especial decorar as súmulas vinculantes, bem como as súmulas
editadas após a Constituição da República de 1988, quais sejam: as posteriores à súmula 622
do STF. Quanto às do STJ, as editadas recentemente, assim como aquelas editadas próximo à
prova do candidato.
 Jurisprudência – estudar os informativos do ano presente e do ano anterior ao
em que se estuda. Dar especial atenção no fato de que o STF também publica alguns
julgados ainda em curso, como os em que se pediu vista.
 Doutrina – Em regra, em uma primeira fase de concurso tão só há incidência
de doutrina básica, para evitar a anulação da questão, bem como se evitam questões
controversas.
Recomendam-se, ainda, os livros específicos para concursos, ao invés de doutrina
clássica.
Por fim, aconselha-se a resolução de provas ao menos uma vez por mês. Após, a
correção da prova e identificação dos pontos fracos. Indica-se também o site
www.questoesdeconcurso.com.br.
Quanto à organização dos estudos: programação de metas possíveis e alternância de
matérias.

1. Agentes Públicos
Tema muito cobrado em provas, merece muita atenção do candidato.
Agente Público é todo aquele que exerce função pública, ainda que
temporariamente ou sem remuneração.
Trata-se de definição ampla, havendo duas características que tangem à importância
de se saber o conceito de agente público:
a) Saber quem pode ser autoridade coatora em mandado de segurança.
Art. 2º da Lei 12.016

2
www.cursoenfase.com.br

Deputados Federais e Vereadores). pela relevância da função exercida. nomeação. Exemplos: Chefia do Executivo (Presidente da República. Deputados Estaduais. contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo. Frise-se que agente público é um gênero que comporta várias espécies diferentes entre si. Governadores. respectivamente). Há divergência quanto à inclusão do Ministério Público e da Magistratura na categoria “agentes políticos”. nos termos do artigo 2º da Lei 8. para os efeitos desta lei. Alguns entendem que. ainda que transitoriamente ou sem remuneração.429/92: Art. todo aquele que exerce. mandato. representam ou constituem a vontade do Estado. Outros entendem que.cursoenfase. 3 www. Considerar-se-á federal a autoridade coatora se as consequências de ordem patrimonial do ato contra o qual se requer o mandado houverem de ser suportadas pela União ou entidade por ela controlada. os Ministros e Secretários Estaduais e Municipais.br . isto é. por eleição.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala.com. Em regra. seus respectivos vices. designação. aqueles que desenham os destinos fundamentais do Estado. não seriam agentes políticos. Trabalhar-se-á com a classificação trazida pelo professor José dos Santos Carvalho Filho: Agentes Políticos Agentes Públicos Agentes Particulares Colaboradores Servidores Públicos 1. 2° Reputa-se agente público. assim como todos os membros do Poder Legislativo (Senadores. o exercício de suas funções é transitório (mandato) e a sua investidura se dá por meio de eleição. Prefeitos. pelo fato de sua investidura não ser por eleição (e sim por concurso público) e a função não ser transitória. e seus auxiliares imediatos. cargo. exercendo a chefia ou a direção dos Poderes. b) Saber quem pode ser responsabilizado por atos de improbidade administrativa.1 Agentes Políticos São todos aqueles que manifestam. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. seriam agentes políticos. emprego ou função nas entidades mencionadas no artigo anterior.

1.2 Voluntários Colaboram com o Estado por livre e espontânea vontade (sponte propria).Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala.2 Agentes particulares colaboradores Há autores que tratam como “agentes particulares em colaboração com o Poder Público”. Ressalte-se. São aqueles que colaboram com o Estado. aqueles que prestam serviço militar obrigatório. assim. 1. enquanto Hely Lopes Meirelles os classificava como “agentes honoríficos”. Pelo mesmo motivo.2. pois exercem a vontade do Estado. ainda. Em razão do entendimento do STF.com. exercendo função pública (munus público) em determinado momento. pela similitude de funções. independentemente de vontade. que eles não têm vinculação permanente com o Estado. estes colaboram em função dessa requisição. 1. jurados no Tribunal do Júri.1 Requisitados de serviço Particulares que são convocados para o exercício de determinadas funções.2. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. Exemplo: Mesários. parte da doutrina destaca que. Exemplo: dirigentes de órgãos de classe.br . Subdividem-se em: 1. Assim.2. O STF adotou o entendimento de Hely Lopes Meirelles e se posicionou no sentido de que Magistrados e membros do Ministério Público também são agentes políticos. sem perder a qualidade de particular. Ministros e Conselheiros dos Tribunais de Contas também seriam agentes políticos. como agentes políticos os agentes diplomáticos. 4 www. outra parte da doutrina inclui.3 Concessionários e permissionários de serviços públicos Para parte da doutrina também são agentes públicos.cursoenfase.

ainda. no artigo 236 da CRFB. esses praticam atos oficiais. podendo ou não ser remunerados. servidores públicos seriam uma categoria dentro da conceito mais amplo.3 Servidores Públicos Em uma acepção ampla.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. pois. Os serviços notariais e de registro são exercidos em caráter privado. Art. sendo os servidores estatutários. 5 www. Exemplo: leiloeiros e titulares de cartório. Quando remunerados. as atividades podem ser praticadas tanto pelo Poder Público quanto pelo particular. Regulamenta-se esse serviço na Lei 8.935/94 e. acepção essa adotada pelo professor José dos Santos Carvalho Filho. o TJ.Lei regulará as atividades. Em uma acepção mais restrita. ainda que particulares. nunca o serão pelo Estado. Quando praticados pelo particular. e definirá a fiscalização de seus atos pelo Poder Judiciário.com. Atentar. por mais de seis meses. § 2º . 1. Delegados de função ou ofício público Também chamados de delegatários. para o que a prova pede. 236. designa todo aquele que trabalha no Estado. Os serviços notariais e de registro são exercidos em caráter privado. § 3º .4. exercem função por delegação.br . § 1º .5 Particulares que praticam atos oficiais Nos casos de serviço público de ensino e de saúde.O ingresso na atividade notarial e de registro depende de concurso público de provas e títulos. não se permitindo que qualquer serventia fique vaga. disciplinará a responsabilidade civil e criminal dos notários. sem abertura de concurso de provimento ou de remoção.2.2. pois são passíveis de controle por mandado de segurança. 1. dos oficiais de registro e de seus prepostos. por delegação do Poder Público. seja na Administração Direta ou Indireta. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais.Lei federal estabelecerá normas gerais para fixação de emolumentos relativos aos atos praticados pelos serviços notariais e de registro. submetem-se a concurso público e à fiscalização do Poder Judiciário estadual. 1. em um regime jurídico próprio. mas sim pelos particulares. estando previsto.cursoenfase.

são militares dos Estados. pois há servidores que não exercem atividades administrativas. e do art.3. § 1º Aplicam-se aos militares dos Estados. c) Existência de uma relação jurídica de trabalho. 142. inciso X. o vínculo é definitivo. exerce cargo. 142. 42 Os membros das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares. e dos agentes particulares colaboradores. quem. . § 9º. Art. Frise-se que existem outras denominações para o termo servidores públicos: . Como conceito. quais sejam: a) Profissionalidade. portanto. do art.com. Diferenciam-se. do Distrito Federal e dos Territórios. Classificações dos servidores públicos 1. pelo que as situações em que esse vínculo é temporário são excepcionais.Funcionários públicos: se referia à categoria dos servidores públicos estatutários. ainda que transitoriamente ou sem remuneração. . Equipara-se a funcionário público estrangeiro quem exerce cargo.br . três características. dos agentes políticos.Funcionário público estrangeiro a que se refere o artigo 337-D do Código Penal: só se aplica para fins penais. assim. 14. Servidores públicos civis e militares As regras sobre os militares se encontram nos artigos 42 e 142 da Constituição da República. emprego ou função pública em entidades estatais ou em representações diplomáticas de país estrangeiro. b) Definitividade: como regra. as disposições do art. Considera-se funcionário público estrangeiro. Extraem-se do conceito acima.1.cursoenfase. além do que vier a ser fixado em lei. § 8º.1. Art. 1. § 3º.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. instituições organizadas com base na hierarquia e disciplina. 6 www. 40. sendo as patentes dos oficiais conferidas pelos respectivos governadores.3. §§ 2º e 3º. para os efeitos penais. pois possuem relação permanente. emprego ou função em empresas controladas. servidores públicos são aqueles que se vinculam ao Estado em uma relação permanente de trabalho e recebem a corresponde remuneração. 337-D. do Distrito Federal e dos Territórios.1. Parágrafo único. pelo Poder Público de país estrangeiro ou em organizações públicas internacionais. mas essa expressão foi banida pela Constituição da República. diretamente ou indiretamente. cabendo a lei estadual específica dispor sobre as matérias do art. pois esses sequer se vinculam ao Estado.Agentes administrativos: nomenclatura inadequada. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais.

não eletiva. os direitos. emprego ou função pública civil temporária. no art. em tempo de paz. IV . de 19. os deveres. XII. nos termos da lei. sendo depois de dois anos de afastamento. aplicando-se-lhes. alínea "c".Lei complementar estabelecerá as normas gerais a serem adotadas na organização. e no art. juntamente com os demais membros. de acordo com a lei. bem como.12. com prerrogativas.2003) X .br . Art. XIII. organizadas com base na hierarquia e na disciplina. § 2º Aos pensionistas dos militares dos Estados. direitos e deveres a elas inerentes. enquanto permanecer nessa situação. VII . Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais.cursoenfase. são conferidas pelo Presidente da República e asseguradas em plenitude aos oficiais da ativa. a estabilidade e outras condições de transferência do militar para a inatividade. contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva.o militar. são instituições nacionais permanentes e regulares. as seguintes disposições: I . ou de tribunal especial. inciso XVI. inciso XVI. os limites de idade. VI . As Forças Armadas. ressalvada a hipótese prevista no art. II .aplica-se aos militares o disposto no art. ficará agregado ao respectivo quadro e somente poderá. o uso dos uniformes das Forças Armadas. ressalvada a hipótese prevista no art. na forma da lei e com prevalência da atividade militar. por sentença transitada em julgado. de 1998) VIII .ao militar são proibidas a sindicalização e a greve. 37. IX .o militar em atividade que tomar posse em cargo ou emprego público civil permanente.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala.o oficial só perderá o posto e a patente se for julgado indigno do oficialato ou com ele incompatível. 37. do Distrito Federal e dos Territórios aplica-se o que for fixado em lei específica do respectivo ente estatal. 37.o militar da ativa que. ainda que da administração indireta.as patentes. incisos XI. da reserva ou reformados. XVII. à garantia dos poderes constitucionais e. não pode estar filiado a partidos políticos.Não caberá "habeas-corpus" em relação a punições disciplinares militares.a lei disporá sobre o ingresso nas Forças Armadas. § 2º .com. contínuos ou não. inciso XVI. será transferido para a reserva. alínea "c". XVIII. 37. III . (Incluído pela Emenda Constitucional nº 18. enquanto em serviço ativo. V . sendo-lhes privativos os títulos e postos militares e. tomar posse em cargo.(Revogado pela Emenda Constitucional nº 41. da lei e da ordem. 142. por decisão de tribunal militar de caráter permanente. transferido para a reserva. constituídas pela Marinha. ser promovido por antiguidade. além das que vierem a ser fixadas em lei. e destinam-se à defesa da Pátria. por iniciativa de qualquer destes. alínea "c". XIV e XV. XIX e XXV. 7º. em tempo de guerra. sob a autoridade suprema do Presidente da República. § 3º Os membros das Forças Armadas são denominados militares. § 1º . nos termos da lei. será submetido ao julgamento previsto no inciso anterior. 7 www. no preparo e no emprego das Forças Armadas. pelo Exército e pela Aeronáutica.o oficial condenado na justiça comum ou militar a pena privativa de liberdade superior a dois anos. incisos VIII.

Falar-se-ia então em: servidores públicos estatutários. Servidores Públicos Trabalhistas (empregados públicos) vs.br . boa parte da doutrina ainda entende que os militares são servidores públicos. só se aplicando a esses as normas dos servidores públicos se houver disposição expressa. entende que a partir da Emenda Constitucional 18/98 os militares não seriam mais servidores públicos. mesmo após mudança de texto na CRFB. A Constituição contempla regras específicas que compõem seu regime jurídico.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. Para uma corrente. servidores públicos seriam tão só servidores públicos estatuários. E. na qual se destaca a professora Maria Sylvia Di Pietro. a remuneração. quais sejam. pois essa Emenda aboliu a expressão “servidores militares”.com. hierarquia e disciplina. Servidores especiais: são os que desempenham funções de especial relevância. 1. Frise-se que os militares têm regime próprio e são organizados de acordo com dois princípios. para alguns autores que adotam uma acepção restrita do conceito. inclusive aquelas cumpridas por força de compromissos internacionais e de guerra.1. para os que não enquadram os magistrados e membros do Ministério Público como agentes políticos. os servidores trabalhistas e os servidores temporários. Exemplo de servidores especiais: defensores públicos e advogados públicos.2 Servidores comuns e servidores especiais Levar-se-á em conta a natureza das funções e o regime jurídico que rege a relação dos servidores com o Estado.cursoenfase.3 Servidores Públicos Estatutários vs. em uma categoria autônoma.3. estes seriam servidores públicos especiais. Uma questão importante é a inclusão dos militares como servidores públicos. Servidores comuns: são os que exercem funções administrativas em geral e desempenham atividades de apoio ao Estado. Diante disso. 8 www. que trazem restrições específicas. sujeitam-se a um regime jurídico diferenciado. consideradas as peculiaridades de suas atividades. a sindicalização e a filiação partidária. que será sempre estatutário. Servidores Públicos Temporários Como já visto.1. proibindose a greve. 1. mais protetivo. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. Inobstante a doutrina de Di Pietro. as prerrogativas e outras situações especiais dos militares.3. e. o que gera controvérsia na doutrina.

que estão estabelecidos na Constituição da República. Tem-se então a seguinte forma de visualização:  Concepção ampla de servidores públicos: .1 Critérios de diferenciação a) Natureza do vínculo: estatutários são vinculados ao Estado por lei.3. em seu artigo 39.com.Agentes Políticos. 9 www. abrangendo as três categorias: estatutário. 1. §3º. Nesse sentido. se leciona que não há direito adquirido à manutenção do regime jurídico. há alguns limites para a alteração da lei.3. b) Natureza das funções.  Já em uma concepção restrita: . que estende aos servidores públicos alguns direitos dos trabalhadores. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais.Servidores temporários.2 Categorias de Servidores Públicos 1.cursoenfase. trabalhistas e temporários.1.Servidores Públicos em sentido estrito.Agentes políticos. Todavia. 1. portanto. . pois este se altera toda vez que se altera a lei. .Servidores trabalhistas . maneira pela qual tão só com a alteração da lei é que serão alteradas as condições de trabalho desses servidores.3.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala.br . enquanto os trabalhistas são vinculados por contrato. onde estarão previstos os direitos e deveres desses servidores.Agentes colaboradores. que se consiste em uma alteração unilateral. .Servidores Públicos.3. .Agentes particulares colaboradores. .1 Servidores Públicos Estatutários São os servidores cuja relação de trabalho será disciplinada por diplomas legais específicos (estatutos).2.

o que será visto em outra aula. aos servidores: a) Salário mínimo nacionalmente unificado. o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho de política de administração e remuneração de pessoal. XXII e XXX. após estágio probatório.cursoenfase. XV. nos termos da lei. XIII. b) Duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais. não ocupam cargos como os estatutários. e) Remuneração do serviço extraordinário superior. VII. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. podendo a lei estabelecer requisitos diferenciados de admissão quando a natureza do cargo o exigir. independentemente de quem seja seu empregador. VIII.2.2. a Lei 8.3.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. mas sim empregos públicos. em cinquenta por cento à do normal. mediante incentivos específicos. IX.br . que não consta no artigo 39. 7º. no mínimo. XVI.com. Entre os abaixo listados. Difere dos 10 www. Sua vinculação com o Estado é contratual. XIX. bem como aqueles que estão sujeitos a estatuto especial (exemplo dos Advogados da União. A Constituição Federal estende aos servidores públicos certos direitos dos trabalhadores previstos no artigo 7º de seu texto. XVIII. Sua principal vantagem é a aquisição da estabilidade. há a aplicação do princípio da unicidade normativa. Questão cuja resposta é a letra “d”. c) Proteção do mercado de trabalho da mulher. pela própria Lei Maior. independentemente do ente federativo que os empregue. na forma da lei. Servidores Públicos Trabalhistas ou Empregados Públicos Também chamados de empregados públicos. XII. IV.112/90. uma garantia de permanência no serviço público. d) Adicional de remuneração para as atividades penosas. XX. assinale direito que NÃO FOI ESTENDIDO. sujeitos à Lei Complementar 73/93). há a categoria que está sujeita a estatuto geral. XVII. Demonstra-se a importância da leitura do artigo 39. integrado por servidores designados pelos respectivos Poderes. os Estados. §3º pela constante incidência em provas. Art. Retomando o assunto. para servidores federais. vide recente questão de concurso público: TRF2 – 2014 – Juiz Federal Substituto. A União. regida pela CLT. § 3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o disposto no art. 39. que significa que sempre se aplica a CLT. Diante disso. §3º da Constituição da República. insalubres ou perigosas. 1.

haverá sujeição ao teto constitucional. visto que o empregador é o Estado: a) obrigatoriedade de concurso público. §1º. conforme definidos em lei. porque cada ente federativo terá sua lei específica. Frise-se que só quem pode legislar sobre a situação dos empregados públicos é a União. § 1º .com. trabalhistas e tributários. c) se a sociedade empresária receber capital para custeio. da Constituição da República. espacial e do trabalho. emprego ou função em entidade paraestatal. b) vedação a determinadas acumulações de cargos públicos.a sujeição ao regime jurídico próprio das empresas privadas. d) empregados públicos podem administrativa. inciso I. da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias que explorem atividade econômica de produção ou comercialização de bens ou de prestação de serviços. 22. 11 www. estatutários. quem. comerciais. aeronáutico. II da Constituição da República. 173. conforme artigo 173. para os efeitos penais. eleitoral. Com efeito.Considera-se funcionário público.Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo. o regime de emprego público foi delineado para ser o sistema de contratação das pessoas jurídicas de direito privado da Administração Pública (empresas públicas e sociedades de economia mista). 327 . que possui especificidades que o distinguem do emprego comum. a exploração direta de atividade econômica pelo Estado só será permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo. agrário. segundo § 1º do artigo 327 do Código Penal. Art. inclusive quanto aos direitos e obrigações civis. marítimo. comercial. ser responsabilizados por improbidade e) crimes por eles praticados serão tidos como crimes praticados por funcionários públicos. Ressalvados os casos previstos nesta Constituição. dispondo sobre: II . emprego ou função pública. Compete privativamente à União legislar sobre: I . exerce cargo. Art.429/92. para estes. e quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pública. processual.direito civil.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. § 1º A lei estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. Art. Trata-se de um regime essencialmente privado. segundo Lei 8. embora transitoriamente ou sem remuneração. há pluralidade normativa. conforme artigo 22. pois. penal.cursoenfase.br .

II .MÉRITO Ementa: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS – ECT. assegurando-se. STF . I . fiscalização. Precedentes. visa a resguardar o empregado de uma possível quebra do postulado da impessoalidade por parte do agente estatal investido do poder de demitir. salvo aqueles admitidos em período anterior ao advento da EC nº 19/1998.com. devendo ser regido por regime de cargo público. 12 www. assim. que tais princípios. Atualmente. aos princípios da impessoalidade e isonomia. em repercussão geral. bastando a motivação do ato de dispensa. a regência normativa se encontra na Lei 9.cursoenfase. afastou a possibilidade de dispensa imotivada de empregados públicos que prestem serviços a sociedades de economia mista e empresas públicas. restringida. sua aplicação ao âmbito federal. b) Os empregados públicos não têm a estabilidade prevista no artigo 41 da Constituição da República. porém. A seguir. NECESSIDADE DE MOTIVAÇÃO DA DISPENSA.Em atenção. mas o ato deve indicar por escrito as razões que motivaram o desligamento. as conclusões do STF no julgamento desse Recurso Extraordinário: a) Não é legítimo dispensar empregado público que preste serviço público a empresa pública ou sociedade de economia mista mediante ato imotivado.Os empregados públicos não fazem jus à estabilidade prevista no art.) e mais próximas às finalidades precípuas do Estado não poderiam ser regidas por regime de emprego público. c) Não é necessária a instauração de processo administrativo disciplinar prévio para dispensa desses empregados públicos.Recurso extraordinário parcialmente provido para afastar a aplicação. DEMISSÃO IMOTIVADA DE SEUS EMPREGADOS. do art. diplomacia etc. IMPOSSIBILIDADE. Contudo. que só é estendida aos servidores públicos estatutários. IV . eis que esse é menos protetivo. 41 da CF. exigindo-se. III – A motivação do ato de dispensa. no entanto. Frise-se que o regime de emprego público é menos protetivo que o estatutário. assim.br . a dispensa do empregado de empresas públicas e sociedades de economia mista que prestam serviços públicos deve ser motivada. até pode ser que o empregado público seja dispensado.RE 589998 / PI – PIAUÍ REPERCUSSÃO GERAL . Uma parte da doutrina entende que carreiras que envolvam atividades exclusivas do Estado (polícia. a motivação para legitimar a rescisão unilateral do contrato de trabalho.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. sejam também respeitados por ocasião da dispensa. recentemente.962/00. o STF. 41 da CF. entretanto. RE PARCIALEMENTE PROVIDO. observados no momento daquela admissão. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. que regem a admissão por concurso público. ao caso. Assim.

br . o STF concedeu medida cautelar suspendendo tal alteração. trazido pelo parágrafo segundo de modo indevido. sob o fundamento de inconstitucionalidade formal. ocorrida com a EC 19. volta a vigorar o caput. em 2007. pois a redação do parágrafo segundo do artigo em comento foi alçado ao caput. estatutário ou celetista. 39. a volta do regime jurídico único significa a volta para o regime estatutário. para aplicação na Administração Pública direta e para pessoas jurídicas de direito público da Administração Pública indireta. os Estados. assim sendo. O quórum de alteração do caput do art. de cargo público. Com o deferimento da medida cautelar. Seguindo essa regra. Frise-se que os efeitos dessa decisão são prospectivos. CRFB. quando foi editada. É preciso observar.2. pois da edição da EC 19 até o ato do deferimento da cautelar coexistiram múltiplos regimes jurídicos. ou seja. 13 www. 39. Destaca-se.3. Foi ajuizada a ADI n. autarquias e fundações públicas de direito público. A União.cursoenfase. então. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. A EC 19 e a Volta do Regime Jurídico Único A nossa CRFB. 39. então. preferencialmente foi adotado o regime estatutário. 2135 contra a EC 19 e.1. a coexistência de múltiplos regimes. Para a corrente majoritária.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. o Distrito Federal e os Municípios instituirão.2. regime jurídico único e planos de carreira para os servidores da administração pública direta. integrando por servidores designados pelos respectivos Poderes. a volta do regime jurídico único significa a volta para um regime ordinário de contratação. exigiu a adoção de regime jurídico único de cada uma das suas unidades políticas. Ressalta-se que a disposição possui conteúdo específico.1. os Estados. assim. ou seja. anteriormente modificado pela EC 19. Com a reforma administrativa.com. o momento em que o sujeito ingressou no serviço público. O novo caput. não foi obtido no Congresso Nacional. 1. O regime celetista foi adotado apenas por alguns municípios. das autarquias e das fundações públicas. A União. no âmbito de sua competência. por consequência. a redação originária: Art. De acordo com a corrente minoritária. ou seja. Redação após a EC 19: Art. ex nunc. Possibilitou-se. é considerado formalmente inconstitucional. alterou-se o dispositivo constitucional que previa o regime jurídico único. o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho de política de administração e remuneração de pessoal.

Assim. O contratado temporário exerce função pública. na forma prevista em lei.br . No âmbito da União. É preciso que essa lei seja lida.com. não se submete à regra do concurso público. prescindindo de concurso público. será feito mediante processo seletivo simplificado sujeito a ampla divulgação. 3 da Lei n. com relação aos contratados temporários em âmbito federal. 1. CRFB: Art. ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação ou exoneração. conforme estabelecido na destacada lei.2. autarquias e fundações públicas. CRFB. inclusive através do Diário Oficial da União. Apesar disso. Atente-se.3 Servidores Temporários Trata-se de um agrupamento excepcional e temporário dentro da Administração Pública. 37. l e m do inciso VI e do inciso VIII do caput do art. mas não ocupa cargo ou emprego público. e. Cada ente terá sua própria lei estabelecendo as situações que justifiquem a contratação temporária.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. II – a investidura em cargo público ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos. As hipóteses que permitem a contratação de servidores temporários constam do art. Desse modo. Essa previsão consta do art. excepcionando a regra da definitividade. de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego. pois sua incidência em provas é comum. 37. nos casos do professor visitante referido nos incisos IV e V e nos casos das alíneas a.3. ademais. IX. Observe-se que a dificuldade da corrente majoritária se dá em razão do fato de que notadamente nos níveis estadual e federal há funções totalmente incompatíveis com o regime celetista.cursoenfase. prevista no art. O processo seletivo simplificado não será realizado nas hipóteses de calamidade pública ou emergência ambiental.745 de 1993: Art. g. se concretiza o princípio da isonomia. Não existe lei nacional nesse sentido. Art. 3º O recrutamento do pessoal a ser contratado. d. 37. 8. 37. Essa lei regulamenta o art. IX. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 14 www. II. 8. IX – a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público.745 de 1993. pois o processo seletivo simplificado não se confunde com concurso público. de emergência ambiental e de emergências em saúde pública prescindirá de processo seletivo. § 1o A contratação para atender às necessidades decorrentes de calamidade pública. aplica-se a Lei n. 37. § 2o A contratação de pessoal. nos termos desta Lei. há a necessidade de processo seletivo simplificado.

SIPAM.112. 2º Considera-se necessidade temporária de excepcional interesse público: I . em razão de trazer as hipóteses de necessidade temporária de excepcional interesse público. 2 dessa lei também é relevante.admissão de professor substituto e professor visitante. no âmbito de projetos de cooperação com prazo determinado. de comunicação e de revisão de processos de trabalho. j) técnicas especializadas de tecnologia da informação. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. poderá ser efetivada em vista de notória capacidade técnica ou científica do profissional. 2o desta Lei serão feitas mediante processo seletivo simplificado. desde que haja.assistência a emergências em saúde pública. § 3o As contratações de pessoal no caso das alíneas h e i do inciso VI do art. III . vegetal ou humana. para atendimento de situações emergenciais ligadas ao comércio internacional de produtos de origem animal ou vegetal ou de iminente risco à saúde animal. em seu desempenho. V .IBGE. c) (Revogada pela Lei nº 10. b) de identificação e demarcação territorial.admissão de professor e pesquisador visitante estrangeiro. i) técnicas especializadas necessárias à implantação de órgãos ou entidades ou de novas atribuições definidas para organizações existentes ou as decorrentes de aumento transitório no volume de trabalho que não possam ser atendidas mediante a aplicação do art. O art. l) didático-pedagógicas em escolas de governo.CEPESC. relacionadas à defesa agropecuária. e) de pesquisa e desenvolvimento de produtos destinados à segurança de sistemas de informações. g) desenvolvidas no âmbito dos projetos do Sistema de Vigilância da Amazônia . 2o desta Lei. de 2003) d) finalísticas do Hospital das Forças Armadas.SIVAM e do Sistema de Proteção da Amazônia . II . f) de vigilância e inspeção. subordinação do contratado ao órgão ou entidade pública.cursoenfase. de 11 de dezembro de 1990. e 15 www.assistência a situações de calamidade pública.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. VI . IV . não alcançadas pela alínea i e que não se caracterizem como atividades permanentes do órgão ou entidade.atividades: a) especiais nas organizações das Forças Armadas para atender à área industrial ou a encargos temporários de obras e serviços de engenharia.667.realização de recenseamentos e outras pesquisas de natureza estatística efetuadas pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . h) técnicas especializadas. Art. implementados mediante acordos internacionais. mediante análise do curriculum vitae. 74 da Lei no 8. sob responsabilidade do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento para a Segurança das Comunicações .br . observados os critérios e condições estabelecidos pelo Poder Executivo. no âmbito do Ministério da Agricultura e do Abastecimento.com.

Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. a jurisprudência não admite que a lei que trata da matéria traga hipóteses muito amplas para a contratação temporária. na hipótese de declaração. 37. ainda que em situação de urgência e de temporariedade. VIII . e não permanente. XI . O contratado. 16 www. Observação: é inconstitucional lei que institua hipóteses abrangentes e genéricas de contratações temporárias sem concurso público e tampouco especifique a contigência fática que evidencie a situação de emergência. podem ser prorrogados. m) de assistência à saúde para comunidades indígenas.a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. da existência de emergência ambiental na região específica. em todos os casos. A existência de meios ordinários (convocação de aprovados em concurso público. IX. X . Orçamento e Gestão. de qualquer modo.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. sob pena de eventual vulgarização. por exemplo). respeitados os limites e as condições fixados em ato conjunto dos Ministros de Estado do Planejamento. obstaria a contratação temporária. pesquisador ou tecnólogo ocupante de cargo efetivo. Devem ser atendidas as seguintes condições: (i) previsão legal dos cargos. pesquisador e tecnólogo substitutos para suprir a falta de professor. (ii) tempo determinado. e VII . Os contratos. que dependerão da situação concreta.admissão de professor. por parte da Administração.combate a emergências ambientais. pelo Ministro de Estado do Meio Ambiente.cursoenfase. e IX . Essa lei também traz prazos máximos de contratação. da Saúde e da Educação. A contratação será sempre por prazo determinado. para atender aos ditames do interesse público. para projeto de pesquisa com prazo determinado.admissão de professor para suprir demandas excepcionais decorrentes de programas e projetos de aperfeiçoamento de médicos na área de Atenção Básica em saúde em regiões prioritárias para o Sistema Único de Saúde (SUS). poderá desempenhar funções de caráter permanente.admissão de pesquisador. a contratação só poderá ocorrer em situações especialmente gravosas. IX . CRFB. Quanto ao excepcional interesse público. já que a Constituição Federal exige excepcional interesse público. nacional ou estrangeiro. em instituição destinada à pesquisa. e (iv) interesse público excepcional. Assim. mediante integração ensinoserviço. Orçamento e Gestão e da Educação. deve ser interpretado restritivamente.admissão de professor para suprir demandas decorrentes da expansão das instituições federais de ensino.br . decorrente de licença para exercer atividade empresarial relativa à inovação. O art. pois a Constituição Federal não proíbe isso. (iii) necessidade temporária de interesse público.com. respeitados os limites e as condições fixados em ato conjunto dos Ministérios do Planejamento.

Exemplo2: exercício da função pública antes da posse. qual seja a regularidade na investidura dos agentes. somente serão eficazes internamente. 328 . pois há relação pautada em contrato administrativo.Se do fato o agente aufere vantagem: Pena . Enquanto há boa-fé no caso dos agentes de fato. por sua vez. Usurpadores de função pública: o exercício da função pública ocorre sem a regular investidura. bem como cometimento do crime previsto no art. do Código Penal: Usurpação de função pública Art. têm-se os agentes putativos.detenção. perante a própria Administração Pública. e multa. 1. Agentes de fato: o exercício da função pública sem investidura regular pode decorrer de duas situações: estado de necessidade ou erro. os estatutários também são julgados na Justiça Comum.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. Parágrafo único . federal ou estadual. contudo. Há. federal ou estadual. a competência para julgar contratados temporários é da Justiça Comum. determinado transeunte começa a organizar o trânsito para evitar acidentes. de dois a cinco anos. 328. duas categorias: quando o exercício se dá por estado de necessidade. ou seja.3.com.reclusão. O STF entende que o contratado temporário está sujeito a regime jurídico administrativo especial. segundo a doutrina.Usurpar o exercício de função pública: Pena . se 17 www. perante os administrados. há desempenho de atividade pública (pressuposto objetivo satisfeito). e multa. em razão da aplicação da teoria da aparência.br .cursoenfase. Exemplo1: situação em que. de três meses a dois anos. então. Os agentes de fato necessários. pois estes estão de boa-fé. e sim violência ou fraude. sem que seja satisfeito um pressuposto subjetivo.3 Conceitos Modernos Nos dois casos seguintes. quebrado o semáforo. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. Frise-se que somente os servidores celetistas são julgados pela Justiça do Trabalho e. aqui há má-fé. Assim sendo. a depender do caso concreto. praticam atos eficazes interna e externamente. têm-se os agentes necessários. Os atos praticados. por consequência. praticam atos eficazes externamente. mas não há o erro (agentes putativos) ou estado de necessidade (agentes necessários). Os agentes de fato putativos. Entende-se que em virtude da excepcionalidade da situação e do interesse público a que se dirigiu o agente há idoneidade para suprir os requisitos de direito daquele determinado ato. ou seja. quando o exercício se dá por erro.

CRFB: I . há o ato administrativo anulável. 198.com. ou seja. com direção única em cada esfera de governo. na forma prevista em lei. conforme art. com nomeação e exoneração ad nutum. CRFB: Art. importante novamente frisar o inciso II do mesmo dispositivo legal: Art. empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei. de acordo com a vontade livre da autoridade nomeante. organizado de acordo com as seguintes diretrizes: I . 37. 198. 1. forem convalidados. na forma da lei. de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego. Note-se que não existe mais concurso apenas de títulos. Agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. Contratações temporárias. que eram chamados cargos em confiança (nomenclatura não mais utilizada). Exceções: (i) (ii) (iii) (iv) (v) Agentes políticos. que exercerão mandato eletivo. 37. ministros e conselheiros dos tribunais de contas.4 Regime Constitucional do Servidor Público Estatutário Inicialmente.descentralização. II – a investidura em cargo público ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos. No mesmo sentido. I. então. quando há excepcional interesse público. Situações previstas na Constituição Federal: ministro do STF. As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único. 18 www. Os concursos de provas e títulos são para cargos ou empregos de maior complexidade. Então. para os que aceitam tal conceituação.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala.cursoenfase.br . Cargos em comissão. regra do quinto constitucional. no último caso. destaca-se o art. Em regra. ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação ou exoneração. Os atos de usurpadores de função pública são ineficazes. a acessibilidade a cargos e empregos públicos se dá através de concurso público. entre outras situações.os cargos. assim como aos estrangeiros.3.

Para que seja aplicado. os requisitos devem ser compatíveis com a natureza das funções a serem desempenhadas. Para haver prorrogação.cursoenfase. responsabilidades e posto. ainda.Candidato a Cargo Público Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a habilitação de candidato a cargo público.com. III .Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. também é preciso que haja a possibilidade de interposição de recurso pelo candidato que não foi aprovado. bem como constar da lei da respectiva carreira. um lugar no qual a pessoa está inserida na Administração Pública. Frise-se. 2. sem prejuízo dos serviços assistenciais. 19 www.participação da comunidade. Além da previsão legal.br . há necessidade de previsão no edital dessa possibilidade. recebe gratificação. que a prorrogação é ato discricionário do administrador. Quanto ao exame psicotécnico. é preciso que na feitura do exame psicotécnico. lugar no quadro da Administração Pública. que não se confunde com concurso público. Por fim. Quem ocupa função de confiança. Nesse sentido. O prazo de validade do concurso será de até dois anos. Note-se que na função de confiança não existe um posto. é preciso que haja previsão legal específica. chefia e assessoramento. sejam adotados critérios objetivos de avaliação. sob pena de restringir por demasiado quem pretende participar do concurso. a função de confiança só pode ser atribuída a quem já ocupe determinado cargo. moralidade e legalidade. ou seja. e não tão somente remuneração. Os requisitos são apenas os necessários para o desempenho para aquela função específica a ser desempenhada. ou seja. Concurso Público Relaciona-se diretamente à isonomia. podendo ser prorrogado uma só vez e por igual período. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. Assim. os requisitos não podem estar previstos apenas no edital. tem-se que só é estabelecido em alguns concursos. O cargo público pode ser definido como o conjunto de atribuições. Desse modo.atendimento integral. STF: Exame Psicotécnico . O concurso seleciona os mais aptos ao desempenho da função. A lei que regulamenta esta última hipótese impõe a submissão a processo seletivo. é o conjunto de atribuições e responsabilidades. conforme súmula 686. A função de confiança. II . ademais. O cargo em comissão é equivalente a tal conceituação. com prioridade para as atividades preventivas. impessoalidade. Observação: a semelhança entre os cargos em comissão e as funções de confiança é no sentido de que ambos se voltam apenas às funções de direção.

Nesse viés.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. vencido o prazo previsto. desde que ainda não tenha começado a fluir o prazo da prorrogação. que o candidato aprovado em concurso público tem direito subjetivo à nomeação. significa que não é qualquer fato que retira de alguém o direito subjetivo à nomeação. o STF deixou clara a existência de exceções ao entendimento ora predominante. havia. Prazo de Validade do Concurso .1 Concurso Público e Direito Subjetivo à Nomeação O Supremo entende. No mesmo sentido. mesmo que tenha havido a prorrogação. No RE 598099.Direito à Nomeação . A necessidade. sob pena de se existir direito adquirido do candidato. o candidato deixa de ter direito subjetivo à nomeação.cursoenfase. se a situação congregar essas características.Observância da Classificação Dentro do prazo de validade do concurso. ademais. salvo. conforme orientação do STF. quando o cargo for preenchido sem observância da classificação. A gravidade. STF (ser preterido dentro da ordem de classificação). Assim. contudo. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. desde que se façam presentes as seguintes características: superveniência. Esses entendimentos valem hoje exclusivamente para os aprovados fora do número de vagas. como regra geral. por sua vez. 2. a pessoa aprovada fora do número de vagas não tem direito subjetivo à nomeação. Quanto ao posicionamento já superado. desde que dentro do prazo do concurso previsto no 20 www. à época. duas exceções que ensejavam o direito subjetivo do candidato: a primeira prevista na súmula 15. o fato que ensejou a não nomeação deve ser extraordinário (imprevisível) à época da publicação do edital. o candidato aprovado tem o direito à nomeação. Outrossim. denotando a necessidade da convocação. Assim. mas mera expectativa de direito. como a contratação de servidores temporários. está-se diante de faculdade da Administração. o STF entendia que o candidato aprovado dentro do número de vagas tinha mera expectativa de direito. imprevisibilidade. crise econômica. gravidade e necessidade. calamidade pública etc. desde que aprovado dentro do número de vagas. ela pode ser revogada. nem mesmo se surgirem novas vagas. quando prevista tal hipótese no próprio edital. O fato precisa ser grave e hábil a gerar prejuízo considerável ao Estado caso efetue a nomeação (guerra. O fato que deu ensejo a não nomeação precisa ser posterior à publicação do edital pela Administração Pública (superveniência). Ressalta-se que. a segunda referente à constituição de vínculos precários.com.). quanto a chamar ou não o candidato em referência (discricionariedade para nomeação. não mais se admite a prorrogação do concurso. diz respeito a não possibilidade de solução menos gravosa do que a não nomeação. no último caso. Anteriormente.br .

destaca-se o art. da Lei n. IV . IV.br . que determina o percentual máximo de vinte por cento para a reserva de vagas. CRFB: Art.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala. Frise-se que o prazo para impetrar mandado de segurança só começa quando do término da validade do concurso. estabelece o percentual mínimo de cinco por cento para os concursos federais.a quitação com as obrigações militares e eleitorais. aqui. em havendo concurso superveniente. conforme previsão do art. é necessário convocar com prioridade os candidatos aprovados no concurso público anterior. O Decreto 3. IV – durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação.cursoenfase. decidiu que não se aplica a teoria da perda de uma chance ao candidato reprovado em exame psicotécnico. pois não há se falar em chances reais e sérias. 8. CRFB: Art.a idade mínima de dezoito anos. As atribuições precisam ser compatíveis com as deficiências que um sujeito possui. O limite da reserva em âmbito federal está regulamentado pelo art. edital). referente à teoria da perda da chance ao candidato a concurso público.293 de 1999. VIII.aptidão física e mental. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 37.o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo.112. 21 www. V . Desse modo. II .911. Quanto ao ponto.a nacionalidade brasileira.220. 37. Outro tema de relevância diz respeito à reserva de vagas aos portadores de necessidade especial. O Resp 1. 37. por sua vez. Art. aquele aprovado em concurso público de provas ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre os novos concursados. 5. O STJ. 37. § 2o Às pessoas portadoras de deficiência é assegurado o direito de se inscrever em concurso público para provimento de cargo cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são portadoras.o gozo dos direitos políticos. parágrafo segundo. III . VIII – a lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios de sua admissão. para tais pessoas serão reservadas até 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas no concurso. § 1o As atribuições do cargo podem justificar a exigência de outros requisitos estabelecidos em lei.RS traz tema importante. 5o São requisitos básicos para investidura em cargo público: I . VI .com.

2 Súmulas Importantes Súmula 683. 7º. DA CONSTITUIÇÃO. Súmula 685. Súmula 266.com. STF: O LIMITE DE IDADE PARA A INSCRIÇÃO EM CONCURSO PÚBLICO SÓ SE LEGITIMA EM FACE DO ART. SEM PRÉVIA APROVAÇÃO EM CONCURSO PÚBLICO DESTINADO AO SEU PROVIMENTO. QUANDO POSSA SER JUSTIFICADO PELA NATUREZA DAS ATRIBUIÇÕES DO CARGO A SER PREENCHIDO.Exigência O diploma ou habilitação legal para o exercício do cargo deve ser exigido na posse e não na inscrição para o concurso público.br .Posse em Cargo Público . STF: SÓ POR LEI SE PODE SUJEITAR A EXAME PSICOTÉCNICO A HABILITAÇÃO DE CANDIDATO A CARGO PÚBLICO. XXX. STF: É INCONSTITUCIONAL O VETO NÃO MOTIVADO À PARTICIPAÇÃO DE CANDIDATO A CONCURSO PÚBLICO. Recomenda-se a complementação do estudo em livros doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. STF: É INCONSTITUCIONAL TODA MODALIDADE DE PROVIMENTO QUE PROPICIE AO SERVIDOR INVESTIR-SE. Súmula 684.cursoenfase.Diploma ou Habilitação Legal para o Exercício . Súmula 686. 22 www. STJ: Concurso Público . 2. EM CARGO QUE NÃO INTEGRA A CARREIRA NA QUAL ANTERIORMENTE INVESTIDO.Direito Administrativo O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula ministrada pelo professor em sala.