TRANSCRIÇÃO ANACÁSSIA- aula FISIOLOGIA DO NEURÔNIO

PARTE MARÍLIA:
Concentrações intra e extra celular: alguns íons vão estar em maior quantidade dentro,
outros vão estar em maior quantidade fora. Quando a gente fala de potencial de ação,
dois íons são mais importantes: íons de sódio e potássio. Eles não estão distribuídos
uniformemente dentro e fora da célula. Dentro da célula há muito POTÁSSIO e fora da
célula tem muito SÓDIO. Isso contribui com o potencial de ação.
Toda célula vai ter potencial de ação? NÃO. Toda célula tem potencial de
MEMBRANA( diferença de carga dentro e fora da célula.
Temos íons
positivos( cátions) e negativos (ânions); a junção destes que estão fora e dentro da
célula vão determinar o potencial de membrana. Toda célula, portanto, tem potencial
de membrana, mas só as células excitáveis podem gerar potenciar de ação.
O que é potencial de ação?? Nada mais do que a inversão da polaridade. O normal é
o interior da célula ser sempre negativo e o exterior sempre positivo. Mas, durante o
potencial de ação, por um breve período de tempo, a célula vai ter uma inversão desse
potencial. Ou seja, o interior fica, então, positivo, e o exterior, que antes era positivo,
fica negativo. A esse evento chamados de DESPOLARIZAÇÃO. Ele é seguido por
outro evento chamado de REPOLARIZAÇÃO, que é quando tudo volta ao normal.
Para que as células excitáveis conseguem fazer isso? Tem um objetivo de servir como
uma corrente elétrica, porque a membrana plasmática é formada de lipídeos, que é um
péssimo condutor de eletricidade. Quando temos a despolarização, é como se nós
tivéssemos um íon caminhando por cima da membrana. Bom lembrar que ocorre
despolarização seguido de repolarização. Como o exterior da membrana é sempre
positivo, durante um breve momento teremos uma carga negativa percorrendo ele.
Quais as células do nosso copo que fazem isso? Neurônios e músculos( células)—são
chamadas de células excitáveis, ou seja, capazes de gerar e propagar potenciais de
ação.
No interior possui grande quantidade de potássio e pouca no exterior da célula. O
oposto acontece com o sódio. O valor de potencial elétrico varia de acordo c o tipo de
membrana. Logo, diferentes tipos celulares vão ter diferentes potenciais de
membrana. Por exemplo, o potencial de membrana do neurônio é – 70 mV, já no
músculo é -90 mV.
Por que é mais negativo no interior??presença de ânions proteicos na face interna.
Temos proteínas que podem atravessar no interior da membrana e proteínas que
podem ficar em um dos lados da membrana. As voltadas para o citosol, no caso da
maioria das nossas células, geralmente carregam íons negativos-, que são chamadas
de proteínas aniônicas, ou seja, colaboram com a negatividade do interior da célula.
Mas só elas não são é suficiente para que o interior da célula seja negativo. Além
delas, temos a permeabilidade da membrana ao potássio: a membrana da célula tem
canais de K que frequentemente estão abertos, e na difusão, o soluto vai do mais para
o menos concentrado, como temos grande quantidade de K dentro da célula, se tem
canais de K aberto, ele vai escapar. Como o K pode colaborar com a negatividade?

Porque ele é um íons positivo. Se a célula perde carga positiva, ela fica com o interior
mais negativo. A última e PRINCIPAL causa do interior da célula ser negativo é a
bomba de Na e K. Como ela funciona? Expulsa 3 íons Na+ e cola p dentro 2 íons K+
com gasto de ATP. OU seja, sempre temos déficit de cargas positivas dentro da célula
porque sempre vai sobrar uma carga positiva fora e faltar uma carga positiva dentro.
Raciocínio: o interior da célula é negativo, não porque ele esta cheio de ânions, ele é
negativo porque o lado de fora tem mais cargas positivas do que o lado de dentro,
fazendo que o lado de dentro, EM RELAÇÃO ao lado de dentro seja mais negativo.
Função do potencial de membrana- desempenha papel fundamental na transmissão
de sinais neurais na contração muscular e em muitas outras funções.
Consequência da bomba de Na+ e K+ : Isso mantem a concentração externa maior
de Na e interna maior de k, além de criar um potencial negativo em seu interior
porque retira 3 íons positivos p o interior e repõe apenas 2 íons positivos para o
interior, gerando um déficit de cargas positivas no interior da célula.
OBS: só tem potencial de ação se a célula tiver potencial de membrana! Lembrando
que o potencial de ação só existe em células excitáveis.
OBS 2: Potencial de membrana também pode ser chamado de potencial de repouso!
Membrana polarizada=potencial de membrana= membrana que esta com interior
negativo e exterior positivo. Ou seja, a célula não foi excitada.
Potencial de ação= quando o sinal é transmitido ao longo de uma fibra nervosa. No
repouso, a célula é negativa em seu interior; o potencial é a inversão da polaridade da
membrana. Após um estímulo, a célula se torna bruscamente positiva em seu interior e
depois retorna ao seu estado de repouso negativo. É o estimulo que vai ocasionar a
abertura dos primeiros canais significativos para o potencial de ação, que são os
canais de SÓDIO. Ou seja, para que o potencial de ação se inicie, deve haver abertura
dos canais de sódio. O estimulo tem que ser capaz de abrir uma quantidade suficiente
de canais de Na+ para iniciar o potencial de ação
Qualquer estímulo vai causar um potencial de ação? NÃO! Para isso ele deve
ultrapassar um limiar( número mínimo de canais de Na que tem que conseguir abrir
para começar o potencial de ação).
Os canais iônicos têm 3 estados : repouso, aberto e fechado. O canal de repouso é
facilmente aberto; o fechado não abre facilmente.
O estímulo varia de célula para célula. EX. dor- qualquer coisa faz sentir dor? Não!!
Depende da INTENSIDADE do estímulo.
Qualquer toque faz você sentir dor? Não. Qual a diferença então? O estímulo, a
intensidade do estimulo. Se um estimulo é forte o suficiente para abrir uma serie de
canais de sódio e iniciar um potencial de ação, ai eu vou ter um potencial de ação. O
potencial é um evento conhecido como tudo ou nada ( se o estimulo for forte o
suficientetem, se não for não tem.) As celulas que sofrem potencial de ação são
apenas os músculos e celulas nervosas. Celulas excitaveis são aquelas que
conseguem se excitar e gerar e conduzir um potencial de ação. O potencial de ação é

de natureza eletrica e se inicia no ponto em que a celula é estimulada e se estende
por toda a celula podendo propagar-se para as celulas vizinhas. Potencial de ação é a
maneira pela qual a informação trafega pelo sn e no sn recebe o nome de impulso
nervoso. Quando o potencial de ação esta trafegando pelo axonio do neuronio nos
temos um impulso nervoso. Quais as fases do potencial de ação?nos temos o
estimulo, que vai depender de qual é a celula (diferentes estimulos), e se eles forem
forte o suficiente para atingir o limiar nós vamos ter despolarização (inversão da
polaridade- o interior que era negativo fica positivo e o exterior fica negativo) e logo
depois temos a repolarização (a celula volta ao normal- interior negativo e exterior
positivo)
Despolarização: é a fase em que o inteiror da celula fica positivo devido a entrada de
sodio. ´também chamado de potencial de inversão. É bidirecional( se propaga tanto
para o corpo celular quando para as extemidades. Isso quer dizer que todo potencial
de ação ocorre no sentido dos dendritos para as terminações axonais (sempre); o
estimulo se estende da mesma maneira tanto para um lado da celula como para o
outro.

O estimulo vai abrir canal de sodio (sodio que esta em grande quantidade fora vai
entrar) então a celula que esta com o interior negativo(repouso) ao abrir canalde sodio
para a entrada desse íon(cátion) positivo a carga negativa da membrana interna fica
positiva e ai teremos a inversão da polaridade.
*no caso, o interior fica mais positivo que o exterior, ou seja ... É como se o exterior
ficasse negativo. (mas é só uma questão de concentração)
Esse sódio vai entrar por difusão facilitada (atraves de canal)

Então: qual o papel do estimulo? Abrir canal de sodio. Quando abrir o canal de sodio,
o estimulo vai ser bidirecional. O fato de o estimulo ter sido iniciado em um canal
especifico, vai servir de estimulo para os canais vizinhos tambem abrirem
(bidirecionalmente) de forma que o potencial de ação se propaga por toda a menbrana
da celula.
No mesmo local que aconteceu a despolarização vai começar a repolarização. O
mesmo estimulo que abriu o canal de sódio, vai ser o mesmo estimulo que vai
estimular a abertura do canal de potássio( realizando a repolarização). O potássio esta
em grande quantidade dentro da celula, e é um íon positivo, ao abrir o canal de
potassio ele vai sai da celula deixando-a menos positiva( ou seja, negativa).
#entrou sodio= despolarização
#saiu potássio= repolarização
O canal de potassio é retardatario... Embora ele seja estimulado ao mesmo tempo que
o canal de sódio, ele só vai abrir um pouco depois. Essa diferença de tempo é
importante porque se os canais abrissem ao mesmo tempo um anularia o outro e o
impulso não se propagaria.
Periodo refratario é um tempo em que a celula esta se recuperando, ele envolve tanto
a repolarização quando o retorno da concentração normal. A concentração da
celula(após o estimulo- entrou sodio e saiu potassio) não está normalizada e ai entra a
ação da bomba de sodio e potássio para trazer potássio para dentro da celula e
colocar sódio fora (bizu: k dentro, na “rua”-fora) para que a celula consiga inicair um
novo potencial de ação.
#a bomba de na/k não altera polarização, apenas concentração!!!
Esse periodo pode ser dividio em absoluto e relativo; o absoluto é aquele em que não
existe estimulo que faça a celula polarizar e o relativo é aquele em que se o estimulo
for muito forte pode polarizar a celula novamente.
No canal auditivo o estimulo vai deslocar o liquido da rampa vestibular e dentro exite
um órgão com celulas ciliadas em que estão acoplados os canais de sódio. Quando a
onda passa, o cilio inclina e abre o canal desencadeando a informação. Então na
audição o estimulo vai ser a onda sonora.
O estimulo na visão são os fotons que vão mudar a conformação de rodopsina
levando a uma cascata de reação quimica que gera o impulso.
Potencial de inversão é sinonimo de despolarização.
Na menbrana polarizada temos sodio em grande quantidade fora e potassio em
grande quantidade dentro; na despolarização a entrada do sodio deixa o interior
positivo; na repolarização o potássio sai deixando a celula negativa devido a perda de
carga positiva do interior celular para o exterior.
A despolarização é seguida de repolarização e depois ocorre a bomba de sodio e
potassio para a volta da concentração normal.

Quando a celula esta despolarizada (muito postiviva dentro) impede a entrada de mais
carga positiva (mais sodio) devido a alta concentração de potassio e ai ele começa a
sair da celula ( canal de potassio), tornando a celula negativa dentro (como no
repouso) = repolarização. O tempo para polarização e repolarização é milessimos de
segundo.
As sinapses ocorrem entre neuronio-neuronio; neuronio-musculo e neuronio-glandula;
o impulso chega atraves do neuronio na glandula e ela não tem a capacidade de
propagar esse impulso (ela apenas executa a informação); logo, as celulas
glandulares não são excitaveis pois não conseguem transmitir o impulso.
Existem dois tipos de canais ionicos, os canais dependentes de ligantes e os
dependentes de voltagem. Na celula temos os dois canais; os canais dependentes de
ligante são sempre responsaveis pelo inicio do estimulo, porque o estimulo geralmente
acontece graças a um neurotransmissor. Então...

Uma relação de sinapse que eu vou explicar daqui a pouco, então os
dependentes de ligante veem uma substância química, que liga neles e eles
abrem, certo? Ou então, a substância liga e ativa o segundo mensageiro que
abre ele, certo? Em ambos os casos depende de uma substância química. Já
os dependentes de voltagem, não, por exemplo, ao longo do axônio eu não
tenho um canal dependente de ligante, eu tenho dependente de voltagem. Por
que? A própria operação do potencial faz com que os próximos canais vão
abrir, ok? Aqui, esse canal aqui foi dependente de ligante, aqui na superfície do
corpo celular a gente tem muito canal dependente de voltagem e dependente
de ligante, mas aqui vai ter o de voltagem. O potencial de ação, se ele
conseguir realmente ser formado, ele vai ser estímulo que vai fazer com que
outro canais de sódio vizinhos sejam abertos, porque esses canais vão sentir a
variação de voltagem, o interior era negativo e agora ficou positivo, então isso é
um sinal para que esse canal abra, entendeu? Então esses são os canais
dependentes de voltagem, gente! No nosso sistema nervoso, na maioria das
vezes a gente vai ter os dois, mas que serão ativados em situações diferentes,
tá? Então a gente não vai ter só dependente de ligante e só dependente de
voltagem, entendeu gente, vai depender da situação!
Eu já falei para vocês que quando o impulso tá trafegando pela célula, ele não
pode conduzir o segundo impulso até que a célula seja repolarizada e
recuperada, na verdade, né? Tem que repolarizar e recuperar ela. O potencial
de ação do neurônio, na verdade, vai ter duas fases: a despolarização e a
repolarização. Despolarização: determinada pela entrada íons Sódio;
Repolarização: saída de íons Potássio. Simples assim, certo? E aqui, gente, o
impulso nervoso trafegando através da fibra. É como se fosse uma onda
negativa passando pela superfície da fibra e o corpo não tem capacidade de
conduzir eletricidade, então essa é a maneira de conduzir eletricidade, através
do potencial de ação que é uma impressão de potencial com despolarização
seguido de uma repolarização. Como uma onda na superfície da fibra, beleza?

Transmissão do impulso nervoso: transmissão de íons pela membrana
plasmática, né, que vai gerar o potencial de ação e isso só vai ser possível,
como eu já falei, graças a concentração de íons sódio e potássio. A gente vai
ter canais de sódio e potássio, mas a gente só vai ter esses? NÃO. Vocês vão
ver que existem os canais de Cálcio, que vão ser aqueles que vão ajudar na
liberação de vesículas, que vão ajudar nas sinapses. Nós vamos ter eles em
três situações: 1ª situação: canais em repouso, que é quando ele é facilmente
aberto, um estímulo que não precisa ser muito intenso, consegue promover a
abertura desse canal. Então para que o potencial de ação aconteça os canais
têm que estar em repouso. Nós vamos ter o canal aberto, óbvio, que vai estar
passando os íons e o canal fechado acontece logo depois de uma (?). Por
exemplo, teve a despolarização, fechou o canal de sódio, esse canal vai estar
fechado, não é qualquer estímulo que vai abrir ele, quando ele estiver assim
não é qualquer estímulo que vai abrir. Aí, depois de um tempo, ele vai sair
desse estágio fechado para um estágio de repouso, onde aí sim, ele vai poder
ser aberto novamente. Então, esses são os estágios que os canais podem
estar. Como eu falei pra vocês, vamos ter os canais dependentes de voltagem
e os canais dependentes de ligantes. Canais dependentes de ligante: com
portas de ativação e inativação controlados pela variação do potencial de
membrana, aquilo que eu falei pra vocês, normalmente o potencial é negativo,
mas aí eu tiro o estímulo de despolarização que fez com o interior ficasse
negativo, e isso é o suficiente para que os canais vizinhos, aqueles que não
são dependentes de ligantes, vão se abrindo ao longo da fibra, certo? Então a
própria despolarização serve como um sinal que provoca a abertura de alguns
canais, ok?
Já os dependentes de ligantes são com portas controladas por hormônios,
neurotransmissores, segundos mensageiros; esses aqui nós vamos ter a
abertura se uma substância química entrar nele. No músculo n[os temos canais
dependentes de acetilcolina, esses canais de sódio só vão abrir se essa
substância ligar neles. Então, esses são dependentes de ligantes. E aí, como
eu já falei pra vocês, células excitáveis são neurônios, são células capazes de
gerar transmissão de impulsos ao longo de suas fibras. Ou seja, transmitem e
geram impulsos. Fases do potencial de ação, isso aqui gente eu vou mostrar p
vocês, que vai gerar um gráfico. Inclusive, vocês vão se deparar com esses
gráficos ao longo da vida de vocês. Primeiro nós vamos ter o potencial de
repouso, que pode ser chamado de potencial de membrana, mas aí nós vamos
ter estímulos que vai gerar o potencial de membrana , abertura dos canais de
sódio e entrada, e depois repolarização, onde vamos ter o fechamento dos
canais de sódio e abertura dos canais de potássio, permitindo agora o efluxo e
saída do potássio e aí vai ter o retorno do potencial de repouso.
Esse novo gráfico é do potencial de ação, ele sobre e desce, primeiro temos a
fase de repouso , gente, e por que tá subindo? Porque a gente tem positivo e
negativo. Durante a despolarização, o interior da célula não vai ficar positivo?

Então o gráfico vai subindo até acontecer a repolarização e vai voltar para
negativo. Ô professora e por que nesse gráfico aqui alí em cima tá passando
e em baixo tá passando? Isso aqui, gente, chama-se hiperpolarização. E isso
acontece pela saída de íons cálcio ou entrada de íons cloro. Os íons cloro são
íons negativos. E pra que serve isso? Isso é fundamental para quando a gente
tem a liberação de neurotransmissores inibitórios. Esses neurotransmissores
ficam tentando bloquear o potencial de ação, então eu vou mostrar pra vocês
que a gente vai ter uma soma de potenciais ocorrendo e a soma desses
potenciais vai determinar se vai ter ou não o potencial de ação do neurônio,
então vários neurônios vão fazer sinapse com esse neurônio. Alguns vão fazer
sinapses excitatórias e outros inibitórias, como o GABA, por exemplo
(inibitório). E aí ele pega, ao invés de abrir o canal de sódio, ele abre o canal de
potássio para que a célula fique bem negativa e aí, eu não consigo ter o
potencial de ação. Por exemplo, teve duas excitatórias e uma inibitória aí vai ter
potencial de ação, mas se for o contrário não tem. A hiperpolarização pode ser
feita pela saída excessiva de Potássio e também pode ser feita entrada de
cloro. Pergunta inaudível de olho ( Duda fez)- rsrs- Resposta: Essa questão de
olho é totalmente diferente porque o olho durante o escuro tem uma constante
despolarização, a luz vai impedir a despolarização, por isso que eu comecei a
dar o exemplo e lembrei que é totalmente diferente,o olho a gente tem que
pensar tudo ao contrário porque é tudo diferente. O olho vai ser excitado, a
gente vai ter uma hiperpolarização. Pergunta: Ô PROF, O VÉRTICE VAI SER O
"TUDO OU NADA"? Resposta: Não, o vértice vai ser o limiar, é porque esse
limiar está um pouco alto, é para ser mais baixinho. Se ultrapassar isso aqui,
vai ter despolarização, se não, não vai ter.
O potencial de ação que se gera numa área estimulada propaga-se a área
vizinha conduzindo sua despolarização, geralmente por causa de canais
dependentes de voltagem, ocorre uma sucessão de despolarização e e
repolarização, como eu falei pra vocês, que vai constituir o impulso nervoso.
Aqui está despolarizando mas alí está repolarizando, de forma que nunca a
célula fique toda despolarizada. Pergunta: Õ pró, na hora que tá passando o
impulso, a força de difusão vai ser maior que a força da bomba de sódio e
potássio? Resposta: Não, a bomba de sódio e potássio vai funcionar depois,
nesse caso ela não está agindo em nada, depois que a despolarização
acontece aí a bomba de sódio e potássio volta. Mas na verdade, tudo está
acontecendo muito rápido. Porque o nosso cérebro tem que ser capaz de
responder muitas informações em um curto espaço de tempo. Aqui falando do
neuroônio para vocês entenderem o impulso saltatório que acontece nos
nódulos de Ranvier,num neurônio mielinizado. Nós vamos ter o corpo celular e
o axônio que no neurônio mielinizado, vai ser revestido da bainha de mielina
que serve para vedar a membrana.
PARTE BELLE:

PARTE MINA:
SINAPSE:




É a condução de impulso pela excitação de neurônios, pode ser química
através de neurotransmissores, e elétrica que são muito raras. A elétrica não
tem a fenda sináptica, possui canais e são abertos e permitem a passagem de
ions de uma célula pra outra. A sinapse química, com liberações de vesículas
com neurotransmissores que vão se ligar a receptores na membrana do
neurônio pós sináptico. O potencial de ação vem e é ele que vai fazer com que
haja a liberação de vesículas e essas vesículas vão conter neurotransmissores
que vão se ligar aos neurônios pós-sinapticos e vão provocar o potencial de
ação nele. O potencial vai vir, e ele os neurotransmissores, ao chegar no
neurônio pos sináptico, provocam o potencial de ação nele. E despolarização
abrindo os canais de sódio com transmissão do impulso nervoso.
As sinapses podem ocorrer em diferentes regiões: axonio-dendrítica (mais
comum) entre axônios e dendritos; axo- axônio, entre dois axônios (não são
muito comuns); dendo-dentríticas, entre os dendritos; e as axo-somáticas,
diretamente no corpo celular (somo).
Sequência de sinapses: a repetição das mesmas sinapses vai ser a memória.
O processamento do pensamento com comparação. Por que é péssimo
quando vai estudar os assuntos separados? Porque, diferente de vocês, não
vai conseguir fazer as conexões.
Nosso cérebro funciona com associação, pois por exemplo, quando você pega
uma informação que já tem e usa pra construir uma nova, é mais fácil, porque
o cérebro só precisa adicionar novas conexões, é o pensamento associativo
Podemos ter sinapses excitatórias e inibitórias. Nas sinapses excitatórias vai
ser liberado um neurotransmissor excitatório que provoca um potencial de
ação. Na sinapses inibitória: o NT provoca uma hiperpolarização.
O que vai determinar se as sinapses vão provocar um potencial de ação? A
soma. Se a excitatória for maior que inibitória, teremos potencial de ação. Se a
inibitória for maior que a excitatória, não teremos.
Nós temos receptores que são ionotrópicos, que são quando as substancias
químicas diretamente é ativa por ele e os metabotropicos, que aquele que o
segundo mensageiro vai abrir o canal. O primeiro é mais rápido, o segundo é
mais demorado, porque o mensageiro tem que ir pra abrir o canal
Podemos ter um potencial de ação pós sináptico excitatório e inibitório.
Podemos ter um potencial de ação pós sináptico excitatório e inibitório.
Podemos ter um potencial de ação pós sináptico excitatório e inibitório.
Potencial de ação pós sinaptico excitatório vai causar polarização pela entrada
de cátions, já o inibitório vai causar hiperpolarização com entrada de ânions ou
saída excessiva de cátions, entrada de cloro ou saída excessiva de potássio
O POTENCIAL EXCITATORIO OU INIBITORIOS SÃO LIBERADOS APENAS
NOS DENTRITOS AO CORPO CELULAR, SE PROPAGAM EM DIREÇÃO A
ZONA DE GATILHO DO POTENCIAL DE AÇÃO. Se a soma dos potenciais
sinápticos for excitatória, teremos potencial de ação. Se o potencial de ação
excitatório atingir o limiar, teremos potencial de ação. Se o potencial de ação
for maior que o limiar, teremos mais de um potencial de ação sucessivos.


Um corpo celular possui várias sinapses. Também pode acontecer de não ter
potencial de ação nenhum, quando o inibitório for maior que o excitatório, ele
vai anular.
O mecanismo de combinação ou integração e sinais elétricos na membrana
sinaptica chama-se somação. Ou vários neurônios fazendo sinapse, gerando
potencial de ação. Pode ter inibição com dois inibitorios e um excitatório, aí
não vai ter potencial de ação.
INIBIÇÃO PÓS SINAPTICA: neurônio excitatório estaria ativo e o neurônio
inibitório esta inativo, há potencial de ação. Se o excitatório e o inibitorio
estarão ativados e se anulam e não há potencial de ação ao longo do axônio.
INIBIÇÃO PRÉ-SINAPTICA: antes dele fazer sinapse, tem um que inibe ele.
Um neurônio nunca esta sozinho, mas está conectado com muitos outros, as
células nervosas são capazes de interpretar sistemas sensoriais ou produzir
comandos motores.
Circuitos neuronais: são redes de neurônios funcionalmente relacionadas.