You are on page 1of 3

Márcio André Lopes Cavalcante

DIREITO CONSTITUCIONAL
É constitucional a Lei que veda que ocupantes da carreira policial exerçam advocacia
A Lei que veda o exercício da atividade de advocacia por aqueles que desempenham, direta ou
indiretamente, atividade policial, não afronta o princípio da isonomia.
STF. Plenário. ADI 3541/DF, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 12/2/2014.

DIREITO PROCESSUAL CIVIL
Competência para julgar causa que interessa a todos os membros da magistratura
O art. 102, I, ‘n’, da CF/88 determina que a ação em que todos os membros da magistratura
sejam direta ou indiretamente interessados é de competência originária do STF.
Vale ressaltar, no entanto, que a causa não será da competência originária do STF se a matéria
discutida, além de ser do interesse de todos os membros da magistratura, for também do
interesse de outras carreiras de servidores públicos.
Além disso, para incidir o dispositivo, o texto constitucional preconiza que a matéria discutida
deverá interessar a todos os membros da magistratura e não apenas a parte dela.
STF. 2ª Turma. AO 1840 AgR/PR, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgado em 11/2/2014.

É possível recurso extraordinário contra decisão do STJ que homologa sentença estrangeira,
desde que haja afronta a CF/88
É possível o controle das decisões homologatórias de sentenças estrangeiras proferidas pelo
STJ mediante recurso extraordinário. No entanto, é necessário rigor no exame da alegação de
afronta à Constituição nessas hipóteses (art. 102, II, “a”, da CF/88), sob pena de criação de
nova instância revisional.
STF. Plenário. RE 598770/República Italiana, Rel. orig. Min. Marco Aurélio, Red. p/ o acórdão Min.
Roberto Barroso, julgado em 12/2/2014.

Informativo XXX-STF – Esquematizado por Márcio André Lopes Cavalcante | 1

DIREITO PENAL
5 anos após o cumprimento ou extinção da pena, a condenação pretérita poderá ser utilizada
como maus antecedentes?
Importante!!!
A existência de condenação anterior, ocorrida em prazo superior a 5 anos, contado da extinção
da pena, poderá ser considerada como maus antecedentes?
1ª corrente: SIM. Posição pacífica do STJ.
2ª corrente: NÃO. Últimos julgado do STF.
STF. 1ª Turma. HC 119200/PR, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 11/2/2014.
STJ. 6ª Turma. HC 240.022/SP, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 11/03/2014.

As agravantes (tirante a reincidência) não se aplicam aos crimes culposos
As circunstâncias agravantes genéricas não se aplicam aos crimes culposos, com exceção da
reincidência.
STF. 1ª Turma. HC 120165/RS, rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 11/2/2014.

DIREITO PROCESSUAL PENAL
A regra geral é de que haja o desmembramento dos processos quando houver corréus sem
prerrogativa de foro no STF
Importante!!!
O desmembramento de inquéritos ou de ações penais de competência do STF deve ser regra
geral, admitida exceção nos casos em que os fatos relevantes estejam de tal forma
relacionados que o julgamento em separado possa causar prejuízo relevante à prestação
jurisdicional.
STF. Plenário. Inq 3515 AgR/SP, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 13/2/2014.

Não cabem embargos infringentes no STF para discutir o quantum da pena aplicada
A divergência estabelecida na fixação da dosimetria da pena não enseja o cabimento de
embargos infringentes no STF.
STF. Plenário. AP 470 EI-décimos quartos-AgR/MG, Rel. Min. Joaquim Barbosa, julgado em 13/2/2014.

Informativo XXX-STF – Esquematizado por Márcio André Lopes Cavalcante | 2

DIREITO TRIBUTÁRIO
Se a lei de conversão aumentou a alíquota prevista na MP, a regra da anterioridade nonagesimal
será contada a partir da publicação da lei
Nos casos em que a majoração de alíquota tenha sido estabelecida somente na lei de
conversão, o termo inicial da contagem é a data da conversão da medida provisória em lei.
STF. Plenário. RE 568503/RS, rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 12/2/2014.

Imunidade do art. 195, § 7º da CF/88 é regulamentada por lei ordinária e abrange o PIS
Importante!!!
As entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei
(entidades filantrópicas) gozam de imunidade tributária com relação à contribuição para o PIS.
A lei necessária para regulamentar o referido § 7º é uma lei ordinária.
STF. Plenário. RE 636941/RS, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 13/2/2014

Selo para controle de recolhimento de IPI não pode ser cobrado do contribuinte
É incompatível com a CF/88 o art. 3º do Decreto-Lei 1.437/75, que autorizava que o Fisco
exigisse do contribuinte o ressarcimento pelo custo dos selos do IPI.
Assim, o selo para controle de recolhimento de IPI não pode ser cobrado do contribuinte, sob
pena de violação ao princípio da legalidade tributária (art. 150, I, da CF/88).
STF. Plenário. RE 662113/PR, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 12/2/2014.

Informativo XXX-STF – Esquematizado por Márcio André Lopes Cavalcante | 3