You are on page 1of 6

CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA SEMESTRE Mar.xx a Jul.

xx

MECÂNICA DE MATERIAIS I Teste

P Problema 1
A Fig.1 representa um esquema de um trem de aterragem
de um avião. O tirante AB faz um ângulo de 50º com AC. Os
cavilhões que passam em A e B trabalham ao corte duplo e o
cavilhão que passa por C ao corte simples. O avião produz na
aterragem uma reacção R=20 kN. Neste contexto calcule:
a)-A tensão no troço oco do tirante AB;
b)-Os diâmetros dos cavilhões, sabendo que τadm= 56 MPa;
c)-A tensão normal e a tangencial na secção oblíqua s,s´que
faz um ângulo de 30º com o plano longitudinal do tirante.

P Problema 2
A barra AB da Fig.2 é considerada indeformável.
As colunas CD e EH são de secção circular de 20
e 30 mm respectivamente, de E=200 GPa e
coeficiente de dilatação 12.10-6/ºc. Determine:
a)- A deslocação do ponto A;
b)-A tensão em cada coluna;
O aumento da temperatura a que se deve
aquecer cada coluna para manter a barra AB
horizontal.

P Problema 3
Na fig.3 representa-se um prisma sujeito a um estado plano de
tensão. Aplicam-se esforços no prisma que originam as tensões
normais de 500MPa e de 800MPa. Sabendo que ν=0,34 e E=
120 GPa, calcule:
a)-As dimensões finais do prisma;
b)-A variação de volume do prisma;
c)-Qual o valor da tensão na direcção b para que a dimensão c
se mantenha inalterável.
Dados: a= 50 mm; b= 300 mm; c=20 mm

P Problema 4
V ista lateral b Construiu-se um amortecedor (Fig.4), colando o varão
F= 1 0 k N
40 a a 20 20 (a) a um tubo (b) e a um cilindro oco de borracha
(G=400Mpa), que por sua vez está ligado a uma placa
10 0 que é fixa, através de 3 parafusos (τadm= 82,5 Mpa) de
parafuso s
C or te A B aço sobre outra placa. Aplica-se o esforço F=10kN.
Calcule:
F= 1 0 k N a)-O deslocamento do varão;
b)- Os diâmetros dos Parafusos.

V ista superio r A Fig.4 B

T1RV-Mat1-08.doc
Casimiro Pinto
RESOLUÇÃO
P Problema 1

FAB
VC 1)-Condições da estática

50º ∑F Y =0 ↑+↓−

A ∑F X = 0 + → ←−
HC
∑M F =0
to
C C

R=20 kN 20cm 40cm


20 + FAB sen 50+ VC = 0
FAB cos 50+ HC =0
60.20 + 40.FAB sen 50 = 0

20 + FAB sen 50+ VC = 0 ------------------------ 20 -39,162 sen 50+ VC = 0


FAB cos 50+ HC =0 ------------------------ --------------------------
60.20 + 40(FAB sen 50) = 0 FAB = - 39,162 kN
-------------------------------

VC = 39,162 sen50-20 VC = 9,9998 kN ------------------------ ------------------------


------------------------ ------------------------ -39,162 cos 50+ HC =0 HC =25,1728 kN
------------------------ ------------------------ ------------------------ ------------------------

a)-A tensão no tirante AB


F AB
σaço = FAB = − 39162
=-71,23Mpa
Atir π (40 2 − 30 2 )
4

F AB

b)-Os diâmetros dos cavilhões, sabendo que τadm= 56 MPa

Cavilhão que passa em A Cavilhão que passa em B Cavilhão que passa em C


FAB Cálculo da reacção em C
FAB
τA = τB =
π .d 2 π .d 2 RC= VC2 + H C2
2 2
4 4
RC= 9,9998 2 + 25,1728 2
39162 39162
56.106 = 56.106 = RC= 27,0863 kN
π .d 2 π .d 2
2 2 RC 27086,3
4 4 τB = 56.106 =
d=0,0210998 m π .d 2 π .d 2
d=0,0210998 m
d=21,1mm d=21,1mm 4 4
d=0,024816 m
d=24,82mm

T1RV-Mat1-08.doc
Casimiro Pinto
c)-A tensão normal e a tangencial na secção oblíqua s,s´que faz um ângulo de 30º com o plano longitudinal do tirante.

σn = σ. cos2α σn = 71,23. cos260 σn = 17,8075 σn = 17,8 MPa


σ 71,23 τ = 30,843 τ = 30,8 MPa
τ = sen 2α τ = sen 120
2 2

P Problema 2
A barra AB da Fig.2 é considerada indeformável.
As colunas EH e CD são de secção circular de 30
e 20 mm respectivamente, de E=200 GPa e
coeficiente de dilatação 12.10-6/ºc. Determine:
a)- A deslocação do ponto A;
b)-A tensão em cada coluna;
c)-O aumento da temperatura a que se deve
aquecer cada coluna para manter a barra AB
horizontal.

Cálculo do comprimento das colunas


1,5 EH EH=1,2m 1,5 CD CD=0,75m
= =
2,5 2 2,5 1,25

1)-Condições da estática
RE VB
A 0,5m E 0,75m C
RC
1,25m B ∑F Y =0 ↑+↓−

HB ∑F X = 0 + → ←−
F=100 kN
∑M F =0
to
B

RE + RC + VB = 100 (1)
HB =0 (2)
− 100(2,5) + 2.RE + 1,25RC = 0 (3)
Sistema Hiperestático
2)-Condições da deformação

E δE δC
A 0,5m 0,75m C 1,25m B = ⇒ δE =1,6δC
2 1,25
δC
δE C’
RE .1,2 R .0,75
= 1,6 C
π .30 2
π .20 2
E’ 200. 200.
A’ 4 4
RE.1,2.20 = 1,6.RC.0,75.302
2

RE = 2,25 RC (4) Substituindo em (3) temos

− 250 + 2. 2,25RC + 1,25RC = 0 Substituindo em (4) temos


− 250 + 4,5.RC + 1,25RC = 0 RE = 2,25 .43,478
− 250 + 5,75.RC= 0 RE = 97,826 kN
RC= 43,478 kN

T1RV-Mat1-08.doc
Casimiro Pinto
a)- A deslocação do ponto A;
E δA δE δA= 1,25 δE
A 0,5m 0,75m C 1,25m B =
2,5 2 R .L
δC δA= 1,25 E E
δA δE C’
E. AE
97826.1,2
E’ δA= 1,25
A’ π .0,030 2
200.10 9..
4
δA=0,001037966 m
δA=1,038 mm

b)-A tensão em cada coluna

σEH = RE = 978262 =138,4 Mpa σCD = RC = 434782 =138,4 Mpa


AE π .30 AC π .20
4 4

c)-O aumento da temperatura a que se deve aquecer cada coluna para manter a barra AB horizontal

R E .L E 97826.1,2 0,0000144. ΔT ⎯0,00083037=0


LEH. α. ΔT -⎯ =0 1,2. 0,000012. ΔT -⎯ =0
9 π .0,030
2
E. AE
200.10 ..
4 ΔT =57,66 º

P Problema 3
a)-Cálculo das dimensões finais do prisma
a.1)-Das condições do contorno do prisma tiramos:
y
εx ≠ 0 σx= 800 MPa
εy ≠ 0 σy=-500 MPa
εz ≠ 0 σz = 0
x
z

As dimensões finais serão calculadas por:


af = a + a.εy
bf = b + b.εx
cf = c + c.εz

a.2)- Cálculo das deformações específicas

σx νσy νσz 800.106 0 , 34 .( − 500 . 10 6 ) 0


εx = + − − εx = + − −
E E E 120.109 120 . 10 9 120.109
ν σx σy ν σz 0,34.800.10 6 (−500.10 )
6
0
εy = − + − εy = − + 9 −
E E E 120.10 9
120.10 120.10 9
T1RV-Mat1-08.doc
Casimiro Pinto
ν σx νσ y σz 0,34.800.10 6 0,34 .( −500 .10 6 ) 0
εz = − − + εz = − − +
E E E 120.109 120 .10 9 120.109

800 0,34.500 εx = +0,0066667 +0,0014167 εx = 0,0080834


εx 3 + = +
120.10 120.103 εy = − 0,0022667-0,0041667 εy = − 0,0064334
0,34.800 500 εz = − 0,0022667 +0,0014167 εz = − 0,00085
εy = − -
120.103 120.103
0,34.800 0,34.500
εz = − +
120.103 120.103

af = a + a.εy af = 50 + 50.(− 0,0064334) af = 49,67833 mm af = 49,68 mm


bf = 300 + 300. 0,0080834 bf = 302,42502 mm bf = 302,43 mm
bf = b + b.εx
cf = 20 + 20.(− 0,00085) cf = 19,983 mm cf = 19,98 mm
cf = c + c.εz

b) Variação de volume do prisma


e = ε x +ε y +ε y

δV δV = V.((εx+εy+εz) δV = 300.50.20(0,0080834−0,0064334−0,00085) δV =240 mm3


=e
V
Logo a variação no prisma foi de + 240 mm3

c) Qual o valor de σx para que a dimensão c se mantenha inalterável.

Para que a dimensão C não sofra qualquer alteração terá que o εz =0, ou seja:

ν σx νσ y σz
0 = − − +
E E E
0,34.σ x 0,34.500
0= − + 0=− 0,34.σx + 0,34.500 σx = 500 MPa
120.103 120.103
P Problema 4
Vista lateral b Construiu-se um amortecedor (Fig.4), colando o
40 a a 20 20
F=10 kN varão (a) a um tubo (b) e a um cilindro oco de
borracha (G=400Mpa), que por sua vez está ligado
100
a uma placa que é fixa, através de 3 parafusos

parafusos
(τadm= 82,5 Mpa) de aço sobre outra placa. Aplica-
b
se o esforço F=10kN. Calcule:
F=10 kN
a)-O deslocamento do varão.
40 a a 20 20 b)- Os diâmetros dos Parafusos
Fig.4
100
Vista superior

a)-O deslocamento do varão.

T1RV-Mat1-08.doc
Casimiro Pinto
δ Pela lei de Por outro lado A=área lateral da borracha que
Hooke temos F envolve o varão
τ=
τ=G.γ A A=2πR.L
10 G=400.10 6
A=2π10.100
γ
γ=? A= 6283 mm2
20 τ=
10000
100 6283
τ=1,6 MPa
1,6.106=400.106.γ δ δ δ = 0,04 mm
tgγ= tgγ ≈ γ 0,004 =
γ=0,004 rad 10 10

b)- Os diâmetros dos Parafusos


τadm = 82,5 Mpa
Fc
τadm = c/ Fc = Força de corte = 10 kN = 10000 N
Ac
π ×d2
Ac = Área de corte = 3x
4

10000 10000.4
82,5 = d= d = 7,17 mm
3×π × d 2 82,5.3.π
4

T1RV-Mat1-08.doc
Casimiro Pinto