You are on page 1of 63

Diretoria de Ciências da Saúde

Curso de Graduação em Psicologia

Psicofarmacologia
Agonistas e Antagonistas SNC

Profª Vania Vianna

O desenho abaixo apresenta um esquema visual sobre a
neurotransmissão rápida e lenta entre os neurônios

Atuação das drogas no SNC

Existem duas formas de atuação das drogas no SNC: 
AGONISTAS 
ANTAGONISTAS

Atuação das drogas no SNC

AGONISTAS
• São substâncias/drogas que possuem
afinidade/capacidade de se ligar de forma
específica e reversível aos receptores,
desencadeando uma série de eventos.

Atuação das drogas no SNC
ANTAGONISTAS
• São substâncias que bloqueiam as ações das
drogas agonistas, através de interferência de
seu mecanismo de ação. Neste tipo, antagonista
não exerce ação contrária à da droga agonista.
Normalmente as duas drogas possuem
estruturas químicas semelhantes, atuam no
mesmo receptor.

Princípios de Farmacocinética

Farmacocinética
Estuda como o organismo processa a droga,
compreendendo seu movimento dentro do corpo: 

Absorção 
Metabolização 
Excreção

Princípios de Farmacocinética

Farmacodinâmica
Estuda os efeitos da droga sobre o organismo
(mecanismos de ação), principalmente o cérebro.

A Farmacopéia de Deus
Alguns neurotransmissores naturais podem ser
similares às drogas que utilizamos. Por exemplo, sabe-se
que o cérebro fabrica sua própria morfina (isto é, a
beta-endorfina) e sua própria maconha (isto é, a
anandamida). O cérebro pode até mesmo fabricar seus
próprios antidepressivos, seus próprios ansiolíticos e
seus próprios alucinógenos. As substâncias químicas
(drogas) com freqüência simulam os neurotransmissores
naturais.

Os neurotransmissores cerebrais mais
importantes são:
Aminas
Acetilcolina (Ach)
Dopamina (DA)
Noradrenalina (NA)
Serotonina (5-HT)

Os neurotransmissores cerebrais mais
importantes são:

Aminoácidos
Ácido gama-aminobutírico (GABA)
Ácido glutâmico (glutamato)

Dopamina – DA
Produção da DA
A DA é produzida nos neurônios dopaminérgicos a
partir da
Tirosina

dopa

dopamina

Destruição da DA
As principais enzimas destrutivas da DA são
monoamina oxidase (MAO) e a catecol-O-metil
transferase (COMT).

• Intracelular – MAO (Monoamina oxidase)
• Extracelular – COMT (catecol-O-metil transferase)

Quatro vias Dopaminérgicas essenciais

a)
b)
c)
d)

Nigro estriatal
Mesolímbica
Mesocortical
Tuberoinfundibular

Via Nigro estriatal (se projeta da substância negra
aos gânglios da base) é parte do sistema nervoso
extrapiramidal e desempenha papel-chave na
regulação dos movimentos. Quando a DA está
deficiente, pode provocar tremor, rigidez e acatisia
(incapacidade de se manter quieto) e bradicinesia
(dificuldade de se iniciar o movimento), isto está
presente no parkinsonismo. Quando a DA está em
excesso, pode ocasionar movimentos hipercinéticos
como tiques e discinesias (movimentos involuntários).

Via nigroestriatal

11-4

EPSs

Stahl S M, Essential Psychopharmacology
(2000)

Via Mesolímbica (se projeta da ATV – área
tegmental ventral do mesencéfalo para o núcleo
accumbens). Essa via faz parte do sistema límbico do
cérebro que se acredita estar envolvida em muitos
comportamentos, como sensações prazerosas, a
poderosa euforia das drogas de abuso (via do
reforço ou do prazer), bem como os delírios e
alucinações da psicose (sintomas positivos da
esquizofrenia).

Via mesolimbica

10-8

Stahl S M, Essential Psychopharmacology
(2000)

13-1

Stahl S M, Essential Psychopharmacology
(2000)

Superatividade mesolimbica =
sintomas positivos das psicoses
10-9

Stahl S M, Essential Psychopharmacology
(2000)

Via Mesocortical (também se projeta da ATV do
mesencéfalo), mas envia seus axônios para o córtex
límbico, onde podem desempenhar um papel na
mediação dos sintomas negativo e cognitivos da
esquizofrenia (embotamento afetivo, isolamento
social, indiferença, apatia)

Via Mesocortical

10-10

Stahl S M, Essential Psychopharmacology
(2000)

Deficiência
primária de DA

D2
Receptor
bloqueado

Deficiência
secundária de
DA

Aumento dos
sintomas
negativos

Via mesocortical
10-11

Stahl S M, Essential Psychopharmacology
(2000)

Via Tuberoinfundibular (se projeta do hipotálamo
para a glândula pituitária anterior), está
relacionada aos hormônios

Noradrenalina – NA
Produção da NA
A NA é produzida nos neurônios noradrenérgicos
a partir do AA precursor tirosina (Tir).
Tirosina

dopa

dopamina

NA

Destruição da NA
As principais enzimas destrutivas da NA são
monoamina oxidase (MAO) e a catecol-O-metil
transferase (COMT).

Intracelular – MAO (Monoamina oxidase)
Extracelular – COMT (catecol-O-metil transferase)

Vias Noradrenérgicas

a
a

c

b

a)
b)
c)
d)

Córtex Frontal
Córtex Límbico
Cerebelo
Tronco Encefálico

d

Vias Noradrenérgicas
A maioria dos corpos celulares dos neurônios
noradrenérgicos no cérebro localiza-se no tronco
cerebral, na região denominada locus coeruleus.
Principal função do locus coeruleus é determinar se
a atenção esta dirigida ao ambiente externo ou aos
sistemas internos do corpo. Assim pode-se reagir a
uma ameaça advinda do ambiente ou a sinais como a
dor advinda do corpo.

Principais ações da NA

Frontal 1

Depressão

beta 1 receptor

524

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Frontal 2

Atenção

alpha 2 receptor

525

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Límbico

Nível de
energia

526

Agitação

Emoções

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Cerebelo

527

Tremores

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Tronco encefálico

528

Pressão sanguinea

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Coração

529

Taquicardia

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Acetilcolina - ACh
Produção da Ach
A Ach é produzida nos neurônios colinérgicos a
partir de dois precursores, colina e acetilcoenzima
A (AcCoA).
Destruição da Ach
A Ach é destruída por uma enzima chamada
acetilcolinesterase (AchE).
Intracelular e Extracelular – AChE
(Acetilcolinesterase).

Intracelular e Extracelular – AChE
(Acetilcolinesterase).

Vias Colinérgicas

Suspeita-se que o distúrbio da memória de curto prazo na doença de Alzheimer se deva
à degeneração desses neurônios colinérgicos em particular.

O núcleo basal de Meynert, localizado no prosencéfalo
basal, é o principal local onde se situam os corpos celulares
colinérgicos dos axônios que se projetam para o hipocampo e
amigdala, bem como através do neocórtex.

Vias colinérgicas partem do Núcleo Basal de
Meynert ao: 
Hipocampo 
Amígadala 
Córtex frontal 
Neocórtex

Receptores Ach
Existem diversos receptores de Ach, dos
quais os subtipos mais importantes são os
nicotínicos e os muscarínicos. Talvez seja o
receptor muscarínico o mais importante que medeia
as funções da memória na transmissão colinérgica
em locais do córtex. Os receptores nicotínicos
estão relacionados com a parte neuromuscular mais
periférica (psicomotricidade).

Serotonina – 5-HT (5-hidroxitriptamina)
Produção da 5-HT
A 5-HT é produzida a partir do AA precursor
triptofano (Trip).

Degradação da 5-HT
A 5-HT é destruída pela enzima monoamina
oxidase (MAO).

Intracelular – MAO (Monoamina oxidase)

Vias Serotoninérgicas

a

b
c

d
e

O quartel general dos corpos celulares dos neurônios serotoninérgicos localiza-se na região do
tronco cerebral denominada núcleo da rafe.

Principais ações da 5-HT a partir do
núcleo da rafe

Cortex Frontal

5-52

Humor

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Glânglios da Base

5-53

Acatisia/
Agitação

TOC

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Límbico

5-54

Ansiedade e Pânico

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Hipotálamo

5-55

Apetite/bulimia

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Tronco Cerebral (centro do
sono)

5-56

Insônia

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Medula espinhal

5-57

Disfunção Sexual

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

Centro cerebral do
vômito

5-58

Náusea e vômito

Stahl S M, Essential
Psychopharmacology (2000)

GABA (ácido gama-aminobutírico)
Produção do GABA
O GABA é sintetizado a partir do AA
precursor glutamato.

Destruição do GABA
A ação do GABA é interrompida por sua
destruição enzimática por intermédio do GABAtransaminase (GABA T).

Intracelular – GABA T

Receptores do GABA
O neurotransmissor dos neurônios GABAérgicos
é o GABA. Os receptores do GABA também regulam
a neurotransmissão GABAérgica.
Há dois subtipos conhecidos de receptores nesse
sistema, GABA A e GABA B. Esse complexo de
receptores é hipoteticamente responsável, em
parte, pela mediação de amplo espectro de
atividades do SNC como convulsões, efeitos de
drogas anticonvulsivantes e efeitos
comportamentais do álcool, além dos conhecidos
efeitos ansiolíticos, hipnóticos-sedativos e
relaxantes musculares dos benzodiazepínicos.

GABA A – são os guardiões do canal de cloro. Eles
são alostericamente - alteração na estrutura
terciária ou quaternária de uma enzima - modulados
(outro local, atua indiretamente) por um conjunto de
receptores vizinhos, inclusive o bem conhecido
receptor de BZD (benzodiazepínicos).

GABA B – não é alostericamente modulado pelos
BZD, porém, liga-se seletivamente ao relaxante
muscular (bacoflen). Sua função fisiológica não é
bem conhecida ainda, mas não parece estar
intimamente associada aos transtornos de
ansiedade ou aos ansiolíticos.

Glutamato (ácido glutâmico)

O glutamato é um aminoácido (AA)
neurotransmissor. Sua utilização predominante não
é como neurotransmissor, mas como aminoácido de
síntese protéica.

Produção do glutamato (glu)
O glutamato é sintetizado a partir da
glutamina

Remoção do glutamato (glu)
As ações do glutamato são interrompidas não
por

ação

enzimática,

neurotransmissores,

mas

como
por

em

outros

recaptação

por

intermédio de duas bombas de transporte. A
primeira

é

um

sináptico

e

a

transportador
segunda

bomba

localizada na célula da glia vizinha.

glutamato
de

pré-

transporte

Transportador de glutamato – (bomba de transporte,
neurônio pré-sináptico e célula da glia).

Receptores de glutamato
Existem vários tipos de receptores de glu,
incluindo 3 que são ligados a canais iônicos e um
metabotrópico
• NMDA – N-metil-d-aspartato
• AMPA – ácido alfa-amino-3-hidroxi-5-metilisoxazolpropiônico
• Kainato
• Metabotrópico (ligado a proteína G)

Neurotransmissão excessiva – Isso pode ocorrer
durante a produção de vários sintomas mediados
pelo cérebro, incluindo ataques de pânico.

Poderia ocorrer também durante mania, sintomas
positivos de psicose, convulsões e outros sintomas
patológicos mediados por neurônios.

A liberação extra de glutamato causa ocupação
adicional dos receptores pós-sinápticos de
glutamato, abrindo mais canais de cálcio e
permitindo que mais cálcio penetre no dendrito.
Embora esse grau de neurotransmissão excessiva
possa estar associado a sintomas psiquiátricos, na
verdade não danifica o neurônio.