You are on page 1of 5

Controle Motor

O controle motor pode ser voluntário ou involuntário. Porém, há uma classificação
intermediária entre esses movimentos: o controle automático. As diferenças estão
fundamentalmente na região hierárquica superior de controle.
Movimento Voluntário
O movimento voluntário executa um comando de forma consciente e controlável.
Para isso, o movimento precisa ser organizado inicialmente ao nível de córtex
sensório-motor. O córtex motor, mais especificamente, organiza o comando do
movimento e envia este comando para um nível central inferior, numa sequência
bem definida: córtex pré-motor, controle motor, gânglios da base, tronco encefálico,
medula, músculo e cerebelo. O cerebelo faz um ajuste fino e informa ao córtex prémotor para corrigir o movimento. o potencial de ação chega ao músculo via
motoneurônio, iniciando a contração. O evento da contração muscular antecede o
movimento, ou seja, antes do movimento propriamente dito começar, já há ativação
muscular, realizado pelo encurtamento dos sarcômeros. Há uma necessidade de
geração de tensão suficiente para movimentar carga ou vencer resistência.

Aqueles gestos que já estão aprendidos e são amplamente treinados, executados e
repetidos como caminhar, escrever, falar, não tem mais a necessidade de
pensamento preciso e estudado, pois eles já são realizados de forma automática.
Para movimentos novos e para gestos que não são habitualmente repetidos, a
organização motora é totalmente voluntária, necessariamente.
Movimento Involuntário

ou seja. mantendo sua função sensorial. há ativação motora gama por via reflexa. O OTG é uma estrutura de terminação nervosa livre. que ativa a circuitária nervosa. encapsulada. causando a contração do tecido muscular estirado. mantendo-a como um sensor ativo em qualquer estado de comprimento muscular. As extremidades do fuso muscular são inervadas pelo motoneurônio gama. sem mediação por interneurônios. reflexo miotático inverso e reflexo de retirada. a conexão entre as raízes sensitiva e motora se faz diretamente no interior do H medular. São movimentos reflexos. Quando há encurtamento muscular mesmo na ausência de contração ativa.O movimento involuntário. não necessita de controle cortical. A fibra fusomotora serve para modular o comprimento da fibra intrafusal. localizada na junção músculo-tendinosa e que está em série em relação ao tecido muscular. que estão em paralelo às fibras extrafusais. por exemplo. O fuso é formado por células musculares bastante diferenciadas que não possuem sarcômeros na região central. devido ao encurtamento passivo por aproximação de origem e inserção musculares. ou seja. O reflexo miotático inverso baseia-se na ativação do Órgão Tendinoso de Golgi. O reflexo miotático baseia-se nas informações fornecidas pelo órgão sensorial denominado fuso muscular. O reflexo miotático é exigido em situações de recepção (amortecimento) de projéteis. pois ocorre ao nível medular. diferente dos outros. quando a força de impacto causada pelo contato do objeto gera o estiramento muscular. De acordo com sua disposição . apenas as extremidades são contráteis. divididos em três tipos: reflexo miotático. O reflexo miotático é o único reflexo monossináptico humano. enquanto as fibras musculares extrafusais ou regulares são inervadas pelo motoneurônio alfa. a fim de evitar a deformação das fibras intrafusais. que é um sensor responsivo à contração muscular.

Os OTGs são designados como sensores de força. dentro da medula espinhal. provocando a queda do braço do indivíduo derrotado. que se conecta ao motoneurônio do músculo extensor (impedindo a contração ou causando relaxamento). ou seja. ele também sofre tração. ocorre uma sinapse com interneurônio excitatório. . ele é insensível a variações no comprimento muscular. O impulso segue em direção à medula. se o músculo alonga. os músculos agonistas relaxam e os antagonistas contraem. no caso. ele sofre tração. estruturas responsáveis por informar ao SNC a magnitude do estado contrátil do músculo em cujo tendão está inserido. o OTG não é capaz de informar a respeito da variação de comprimento muscular. Nesse caso. que desencadeia potenciais de ação nas terminações livres (terminais nervosos de fibras do tipo C. gerando contração dos extensores e relaxamento dos flexores. O estímulo que causa a ativação do OTG é a tensão transmitida ao osso pelo encurtamento dos sarcômeros. se o músculo encurta. o potencial de ação cruza a linha média medular através de uma fibra que parte da raiz sensorial e realiza o processo inverso do outro lado. e uma sinapse com interneurônio inibitório. penetrando no H medular através da região dorsal. O estímulo para o reflexo de retirada é nocioceptivo (agressão). amielínicas). Simultaneamente.anatômica. quando certo grau de tensão muscular é atingido. Exemplos para esse tipo de reflexo pode ser o da queda de braço. que estimula o motoneurônio do músculo flexor (causando contração do segmento agredido).

Da mesma forma que o gesto motor é estruturado e automatizado. e o centro de comando de controle motor migra do córtex sensório-motor para o tronco cerebral. cuja determinação precisa é bastante difícil. falar. são de fato peculiares a cada indivíduo. ou seja. toda a sequência de ativação neuromuscular tantas vezes repetida a ponto de se tornar próxima ao definitivo. sem a necessidade consciente de manutenção do gesto. é chamada engrama. possibilitando ao . ainda há a possibilidade de correções em graus variados. no entanto. em função da lesão de determinada região do córtex motor. Muito embora seja bastante difícil modificar padrões motores estabelecidos. mastigar. Com isto.Movimento Automático À medida que o treinamento motor transcorre. que é um estágio intermediário entre os movimentos voluntários e involuntários. O córtex sensório-motor continua sendo fundamental para dar início ao movimento que. a escrita e a fala. e o padrão motor memorizado é definido ao nível neuromuscular a ponto de ser extremamente difícil a sua alteração ou correção. entre outras. a regência do movimento passa para a responsabilidade do tronco cerebral. Os tecidos periféricos nessa situação em relação à área atingida podem assumir o controle dos movimentos anteriormente organizados pela área agora necrosada. assim que ele é iniciado. é voluntário. o movimento passa a ser automatizado. as características individuais. entre outras. Num dado momento do desenvolvimento. escrever. Este padrão motor definido. de forma que se realizam ações como dirigir. bem como erros eventuais. atividades como a marcha. afinal. Em outras palavras. o exercício funcional continuado faz com que a via seja simplificada. forma-se um padrão de movimento. Situações patológicas como o AVC podem fazer com que o indivíduo perca o padrão motor adquirido. também o são.

englobando o erro não corrigido a tempo. indivíduos com maior experiência motora ou repertório. por sua vez. Se as correções forem adiadas por muito tempo. necessitando de estímulos de outra natureza. o tempo gasto nesta alteração tende a ser infinitamente maior do que o tempo empregado na aprendizagem. Caso pretenda-se modificar um engrama em condições fisiológicas. tais ações não são aprendidas através de exercícios pura e simplesmente técnicos. O trabalho de correção posterior. do ponto-de-vista prático. o período investido em fundamentação técnica é imprescindível para a estruturação do padrão correto. há a substituição do padrão anteriormente armazenado. o engrama pode vir a formar-se. Existem inúmeras situações que requerem engramas acessórios. apresentam uma capacidade de improvisação infinitamente superior a indivíduos restritos às ações cotidianas. Assim. Diante deste quadro. é muito mais difícil e penoso do que a correção imediata. em tempo hábil. Na dinâmica da formação do engrama. onde o indivíduo reaprende a execução de gestos motores. normalmente associados à bagagem de movimentos que o indivíduo traz desde o início da sua formação.indivíduo afetado o reaprendizado dos gestos inicialmente estruturados. em princípio. Este fato decorre da capacidade de transferência da vivência motora entre várias situações. Por exemplo: um atleta do handebol pode ter. . quando o engrama foi assumido. muito mais facilidade em adaptar-se aos gestos do vôlei.