You are on page 1of 33

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS


Pólo de Viseu

Curso de Especialização em Comunicação Educacional


e Gestão da Informação.

Educação Ética e Deontologia Profissional

Proposta de Código Deontológico


a Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Formador: Formando:
Prof. Doutor António Rafael Amaro Agostinho Neves da Silva

Viseu 2005
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

Índice

1. INTRODUÇÃO....................................................................................................4

2. ENQUADRAMENTO ..........................................................................................5

3. PROBLEMA........................................................................................................6

4. PROPOSTA ........................................................................................................7

4.1 PREAMBULO (COMPROMISSO PEDAGÓGICO) .................................................................... 7

4.2 DEVERES PARA COM OS ALUNOS .................................................................................................. 8


4.2.1 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem do
desenvolvimento integral destes:........................................................................................................ 8
4.2.2 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem da............................. 8
relação pedagógica: ................................................................................................................................ 8
4.1.1 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem do............................. 9
saber: .......................................................................................................................................................... 9
4.1.2 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem da............................. 9
isenção: ...................................................................................................................................................... 9

4.3 DEVERES RECÍPROCOS DOS DOCENTES................................................................................... 10


4.3.1 Constituem deveres dos docentes nas suas relações recíprocas: ................................ 10
4.4.1 Constituem deveres do docente para com os outros intervenientes da
comunidade educativa: ........................................................................................................................ 11

4.5 DEVERES PARA COM A SOCIEDADE ............................................................................................ 12

5. METODOLOGIA ...............................................................................................13

6. QUESTIONÁRIO E TRATAMENTO DOS DADOS ..........................................14


6.1 Amostra .................................................................................................................................................. 14

6.2 Compromisso pedagógico ................................................................................................................ 15

6.3 Deveres para com os alunos............................................................................................................. 16

6.3 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem do desenvolvimento


integral destes:............................................................................................................................................ 16

6.4 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem da relação


pedagógica:.................................................................................................................................................. 17

6.5 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem do saber: .......................... 19

6.6 CONSTITUEM DEVERES DO DOCENTE PARA COM OS ALUNOS NA ORDEM DA


ISENÇÃO ....................................................................................................................................................... 21
6.6.1 Exercer a avaliação pedagógica com a máxima isenção. Assim,................................... 21
6.6.2 Isenção............................................................................................................................................ 22
6.6.3 Evitar as situações de conflito de interesse, nomeadamente: ........................................ 22

__________________________________________________________________ 2
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6.7 DEVERES RECÍPROCOS DOS DOCENTES................................................................................... 23

6.7 Constituem deveres dos docentes nas suas relações recíprocas: ........................................ 23

6.8 DEVERES DO DOCENTE PARA COM OUTROS INTERVENIENTES DA


COMUNIDADE EDUCATIVA...................................................................................................................... 24

6.9 DEVERES PARA COM A SOCIEDADE ............................................................................................ 25

6.9 Deveres para com a sociedade......................................................................................................... 25

7. FAÇA UMA APRECIAÇÃO GLOBAL DO CÓDIGO DEONTOLÓGICO


APRESENTADO, ESCOLHENDO UMA DAS OPÇÕES SEGUINTES:...............26
7.1 Considerava útil e desejável a existência de um Código Deontológico semelhante
para os docentes portugueses? ............................................................................................................. 26

8. CONCLUSÃO ...................................................................................................27

9. BIBLIOGRAFIA ................................................................................................28

9.1 LEGISLAÇÃO......................................................................................................................................... 28

9.2 INTERNET............................................................................................................................................... 28

9.3 ANEXOS.................................................................................................................................................. 28
9.3.1 Questionário .................................................................................................................................. 28

__________________________________________________________________ 3
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

1. INTRODUÇÃO

Nos dias actuais o pensamento ético moderno está sendo abordado com
muita frequência, e para que um ser humano se socialize melhor ele precisa ter
uma conduta baseada no respeito com a sociedade.
A exigência Ética fundamental hoje consiste em recuperar a possibilidade de
reconstruir relacionamentos de comunhão de pessoas e comunidades. Ética
não se compadece com relacionamentos baseados no amiguismo e compadrio
que asfixiam o bem-estar de qualquer sociedade, regendo-se por valores
imorais sem qualquer respeito pelos outros.
Ética hoje, significa bem-estar social, e com o desenvolvimento de geração
após geração, os hábitos, costumes, enfim o modo de viver das pessoas altera-
se mudando também os conceitos e o novo paradigma que se faz da Ética.
Ética moderna de hoje, é um conceito muito mais abrangente do que uma
simples atitude de um individuo, passando a definir-se como uma atitude
colectiva de uma civilização cada vez mais desenvolvida intelectualmente,
desenvolve-se também o seu poder de culto e a exigência torna-se cada vez
mais constante em qualquer área que possa afectar o bem estar social.
A administração pública e nomeadamente os professores terão um papel
importante ao assumirem compromissos através de um Código Deontológico
para e na regulação do bem-estar social.

__________________________________________________________________ 4
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

2. ENQUADRAMENTO

Tem sido amplamente discutida a possibilidade de um possível código


deontológico para a classe docente. Os argumentos contra e a favor do código
têm sido analisados e discutidos por várias instituições ligadas a esta classe,
mas tem sido difícil chegar a um consenso, já que esta classe continua a reger-
se por regras e procedimentos próprios. Dos argumentos a favor temos a IE1 e
segundo declaração deste organismo sobre ética profissional
“Educação pública de qualidade, uma pedra fundamental numa sociedade
democrática, tem como tarefa fornecer igualdade de oportunidades educacionais para
todas as crianças e jovens. É também essencial ao bem-estar da sociedade através
de sua contribuição ao desenvolvimento económico, social e cultural. Professores e
pessoal da educação têm a responsabilidade de incrementar a confiança no público
em geral no nível de atendimento que se pode esperar de todos que trabalham nesta
tarefa importante”.
Diz ainda,” O exercício de juízo responsável está no coração desta actividade
profissional. As acções de professores e pessoal da educação atenciosos,
competentes e comprometidos em ajudar cada estudante atingir seu potencial é um
factor crítico na provisão de educação de qualidade”
Surge aqui a questão de como o conseguir numa sociedade em constante
mutação e numa profissão que demora a encontrar sua identidade?
Por fim, a própria IE diz que a profissão docente só teria a beneficiar com uma
discussão sobre os valores centrais da profissão. Partindo daqui, uma nova
consciência a respeito de normas e ética que poderiam contribuir para um
aumento da satisfação profissional entre os professores, realçando seu status e
auto estima, aumentando assim o respeito da sociedade para com estes
profissionais.

1
Adoptado pelo 3º Congresso da Internacional da Educação, em Jontiem,Tailândia, de 25 a 29 de Julho
de 2001.

__________________________________________________________________ 5
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

3. PROBLEMA

Partido do princípio que um código deontológico para a profissão docente seria


o reconhecimento de um estatuto comparável a outras profissões intelectuais
que se regem por códigos deontológicos?

E partindo daqui, uma nova consciência a respeito de normas e ética que


poderiam contribuir para um aumento da satisfação profissional entre os
professores, realçando seu status e auto estima, aumentando assim o respeito
da sociedade para com estes profissionais?

Vai ser elaborado um conjunto de regras e princípios que servirão de base a


um possível código deontológico da profissão docente.

Nasce daqui outro problema, que regras e que princípios serão os mais
adequados para um possível compromisso da classe docente?

Parte-se de uma proposta de trabalho de Pedro D’Orey da Cunha2, que foi


analisada ponto por ponto e que depois de terem sidas feitas as respectivas
rectificações, foi transformada em questionário e entregue para responder à
classe docente.

Nos itens que não concordassem os professores deviam justificar.

2
O presente Código Deontológico resulta de uma proposta do trabalho de Pedro D’Orey da Cunha, «Para
uma Deontologia da Profissão Docente II», Brotéria, Vol. 140, 1995, p. 150-153.

__________________________________________________________________ 6
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

4. PROPOSTA
A presente proposta de Código Deontológico tem como objectivo principal
contribuir para um debate exclusivamente entre docentes, no âmbito do Curso
de Especialização em Comunicação Educacional e Gestão da Informação,
realizado no Centro Regional das Beiras da Universidade Católica Portuguesa,
no ano de 2005.

4.1 PREAMBULO (COMPROMISSO PEDAGÓGICO)

O docente deve, no exercício da profissão, considerar-se ao serviço da


educação e, como tal, promover a educação integral de todas as pessoas ao
seu alcance com a máxima isenção, e prestar a assistência educativa aos seus
alunos, garantindo a igualdade de oportunidades.

Tal compromisso pode especificar-se em deveres para com:


- Os alunos;
- Os colegas;
- Outros intervenientes da comunidade educativa;
- A sociedade

__________________________________________________________________ 7
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

4.2 DEVERES PARA COM OS ALUNOS


4.2.1 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem do
desenvolvimento integral destes:
- Promover o desenvolvimento intelectual, afectivo, ético, estético,
psicomotor e social dos alunos com todo o respeito pelas suas capacidades,
interesses e valores;
- Estimular a autonomia dos alunos, desenvolvendo o seu espírito crítico e
a sua liberdade de expressão, bem como a de formulação ordenada de
opiniões e a estruturação de comportamentos;
- Estimular o sentido de responsabilidade dos alunos, confiando-lhes
tarefas progressivamente mais exigentes, promovendo o respeito mútuo e
proporcionando actividades de cooperação e serviço;
- Dar testemunho de dedicação aos alunos e de empenho pela busca da
verdade e do bem;
- Promover, individual e corporativamente, o desenvolvimento de
condições adequadas de trabalho, segurança e higiene para si e para os
alunos;
- Desempenhar as funções de docente necessárias às aprendizagens dos
alunos, apesar de eventuais situações desfavoráveis, cumpridas que estejam
as condições mínimas de trabalho, segurança e higiene.

4.2.2 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem da


relação pedagógica:
- Promover uma relação pedagógica com todos os seus alunos na
situação de educação/ensino de modo que estes se sintam animados e
confiantes;
- Manter uma relação pedagógica com os alunos na escola, mesmo fora
das situações de educação/ensino, apoiando, avisando, corrigindo quando tal
for apropriado;
- Utilizar a relação pedagógica somente para bem do aluno, evitando toda
a humilhação, dependência e violência;

__________________________________________________________________ 8
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

- Nunca divulgar factos sobre os alunos, só conhecidos no âmbito da


relação pedagógica, a não ser na situação profissional de consulta e avaliação,
quando tal for estritamente necessário;
- Nunca divulgar factos confidenciais sobre os alunos a não ser com a sua
autorização explícita ou implícita.
4.1.1 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem do
saber:
- Adquirir as competências científicas e pedagógicas necessárias para o
exercício da docência;
- Actualizar-se continuamente para manter as suas competências;
- Aceitar apenas as tarefas de docência para as quais seja competente;
- Propor deixar as tarefas directas de ensinar ou educar quando sente que
já não tem forças nem capacidade para se manter actualizado e para prestar a
assistência devida aos alunos.

4.1.2 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem da


isenção:
- Exercer a avaliação pedagógica com a máxima isenção. Assim,
a) nunca avaliar negativamente (reter) por vingança ou despeito;
b) nunca avaliar negativamente (reter) para manter o lugar;
c) nunca avaliar positivamente (transitar) por favoritismo;
d) nunca avaliar positivamente (transitar) por interesse;
e) nunca se recusar a fazer a avaliação por interesses pessoais.

- Desempenhar a acção educativa para com todos os alunos com a


máxima isenção, independentemente da raça, do sexo, da religião, da empatia
e das necessidades específicas dos alunos;
- Evitar as situações de conflito de interesse, nomeadamente:
a) a avaliação de alunos pertencentes à própria família;
b) a prestação de explicações remuneradas aos próprios alunos.

__________________________________________________________________ 9
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

4.3 DEVERES RECÍPROCOS DOS DOCENTES

4.3.1 Constituem deveres dos docentes nas suas relações recíprocas:


- Proceder com a maior correcção e civismo, abstendo-se de qualquer
ataque pessoal ou alusão deprimente;
- Não se pronunciar publicamente diante dos alunos sobre posições
pedagógicas tomadas por um colega, a não ser na presença deste ou com o
seu acordo;
- Assegurar e cooperar na realização de actividades educativas e de
acompanhamento dos alunos, destinadas a suprir a ausência imprevista e de
curta duração de um ou mais docentes;
- Partilhar com os colegas informações científicas e pedagógicas que
possam ajudar a resolver problemas ou a solucionar conflitos, se tal for
desejado pelos mesmos colegas.

__________________________________________________________________ 10
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

4.4 DEVERES DO DOCENTE PARA COM OUTROS INTERVENIENTES DA


COMUNIDADE EDUCATIVA

4.4.1 Constituem deveres do docente para com os outros intervenientes


da comunidade educativa:
- Colaborar com todos os intervenientes no processo educativo favorecendo
a criação e o desenvolvimento de relações de respeito mútuo, em especial
entre os docentes, alunos, encarregados de educação, pessoal não docente,
autarcas e legítimos representantes dos interesses económicos e culturais;
- Participar na organização e assegurar a realização das actividades
educativas;
- Cooperar com os restantes intervenientes no processo educativo na
detecção da existência de casos de crianças e jovens com necessidades
educativas especiais;
- Gerir o processo de ensino-aprendizagem, no âmbito dos programas
definidos;
- Enriquecer e partilhar os recursos educativos, bem como utilizar novos
meios de ensino que lhe sejam propostos, numa perspectiva de abertura à
inovação e de reforço da qualidade de ensino;
- Co-responsabilizar-se pela preservação e uso adequado das instalações e
equipamento e propor medidas de melhoramento e renovação.

__________________________________________________________________ 11
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

4.5 DEVERES PARA COM A SOCIEDADE

- Constitui dever do docente para com a sociedade, pugnar pelas


condições que favoreçam a generalização a todos, e com qualidade, dos mais
altos níveis de educação possíveis.

__________________________________________________________________ 12
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

5. METODOLOGIA

Feito o questionário, vai ser entregue a 6 professores, servindo como amostra


de uma população escolar docente e depois será tratado de acordo com as
respostas dadas.

A não concordância de qualquer item pedia-se que fosse justificado.

Far-se-á uma análise a cada grupo de respostas e dar-se-á o parecer de


acordo com as respostas em cada grupo.

No final haverá a conclusão do tratamento de dados.

__________________________________________________________________ 13
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6. QUESTIONÁRIO E TRATAMENTO DOS DADOS


6.1 Amostra

Esta amostra abrange os professores de vários grupos disciplinares e de


três ciclos. 1º Ciclo, 2º Ciclo e 3º Ciclo.
Tem uma abrangência de idades que vai desde os (-25 até aos 35-50.)
Todos os professores são profissionalizados no total de 6
Dos 6 professores 3 são do sexo feminino e 3 do sexo masculino
O tempo de serviço está compreendido nas faixas de 0 a 9, 10 a 20 e mais de
vinte anos de serviço.

Grupos Idades Tempo Serviço Sexo


Ed. Visual -25 0-9 F
Português/Inglês 35-50 10-20 M
Matemática/Ciências 35-50 10-20 F
História 35-50 10-20 F
1º Ciclo 25-35 0-9 M
EVT 35-50 + 20 M

__________________________________________________________________ 14
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6.2 Compromisso pedagógico

Concordo 4

Concordo em Parte 1

Não Concordo -

No compromisso pedagógico 4 concordam, 1 concorda em parte e 1


outro não respondeu.
Este compromisso revela o interesse da grande maioria da classe docente num
compromisso para promover a educação integral de todas as pessoas ao seu
alcance e com a máxima isenção, respeitando e colaborando com a sociedade
e outros intervenientes no processo educativo.

__________________________________________________________________ 15
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6.3 Deveres para com os alunos


6.3 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem do desenvolvimento integral
C CP NC
destes:
6.3.1. Promover o desenvolvimento intelectual, afectivo, ético, estético e psicomotor dos alunos com 6
todo o respeito pelas suas capacidades, interesses e valores;
2.3.2. Estimular a autonomia dos alunos, desenvolvendo o seu espírito crítico, a sua liberdade de 6
expressão e de formulação ordenada de opiniões;
6.3.3. Estimular o sentido de responsabilidade dos alunos, confiando-lhes tarefas progressivamente 6
mais exigentes, promovendo o respeito mútuo e proporcionando actividades de cooperação e
serviço;
6.3.4. Dar testemunho de dedicação aos alunos e de empenho pela busca de Verdade e de Bem; 6
6.3.5. Promover, individual e corporativamente, o desenvolvimento de condições adequadas de 6
trabalho e segurança para si e para os alunos;
6.3.6. Desempenhar as funções de docente necessárias à aprendizagem dos alunos, apesar de 5 1
eventuais situações desfavoráveis, cumpridas que estejam as condições adequadas de
trabalho e segurança.

Análise / Tratamento dos dados.

Este capítulo teve o consenso geral com excepção do item 6.3.6 que
teve 1 CP (Concordo em Parte) “ desempenhar as funções de docente
necessárias à aprendizagem dos alunos, apesar de eventuais situações
desfavoráveis, cumpridas que estejam as condições adequadas de trabalho e
segurança”
Esta opinião tem a ver com uma certa insegurança no que será “apesar
de eventuais situações desfavoráveis”, pergunta-se, o que será uma eventual
situação desfavorável? Também o que se pode considerar condições
adequadas de trabalho? Terá a ver com direitos já conseguidos e possam estar
em risco? A resposta não é linear e depende do ponto de vista de quem
pergunta e de quem responde.

__________________________________________________________________ 16
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6.4 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem da relação pedagógica: C CP NC
6.4.1 Promover uma relação pedagógica com todos os seus alunos na situação de educação/ensino 5 1
de modo que estes se sintam animados e confiantes;
6.4.2 Manter uma relação pedagógica com os alunos na escola, mesmo fora das situações de 5 1
educação/ensino, apoiando, avisando, corrigindo quando tal for apropriado;
6.4.3 Utilizar a relação pedagógica somente para bem do aluno, evitando toda a humilhação, 5
dependência e violência;
6.4.4 Nunca divulgar factos sobre os alunos, só conhecidos no âmbito da relação pedagógica, a não 6
ser na situação profissional de consulta e avaliação, quando tal for estritamente necessário;
6.4.5 Nunca divulgar factos confidenciais sobre os alunos a não ser com a sua autorização explícita 5 1
ou implícita.

Análise / Tratamento dos dados.

Três itens tiveram 1 CP (Concordo em Parte)


6.4.1 – “Promover uma relação pedagógica com todos os seus alunos na
situação de Educação/ensino de modo que estes se sintam animados e
confiantes”
Este “Concordo em Parte” é devido talvez a uma distracção. Todos os
professores têm a obrigação de promover uma boa relação com os alunos de
modo que estes se sintam animados e confiantes. Eticamente como
profissional da educação é a forma correcta de actuar.

6.4.2. – “Manter uma relação pedagógica com os alunos na escola,


mesmo fora das situações de educação/ensino, apoiando avisando, corrigindo
quando tal for apropriado”
Aqui, poderá ser problemático quando se corrige um aluno fora das
situações de educação/ensino e depende como ele e o encarregado de
educação aceita essa correcção.
Devido talvez à insegurança que existe na classe docente e até a
própria autoridade dos professores estar em causa, porque já todos emitem
ordens, desde as autarquias, as associações de pais, os encarregados de
educação e o próprio ministério que vão dizendo como se deve actuar dentro
da escola, sendo o professor o principal responsável e o último a ser ouvido.

__________________________________________________________________ 17
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

Assim verificamos, que o professor vai perdendo autoridade e temos


então, aqueles que viram a cara para o lado e dizem “quem não quer
problemas evita-os” e os que achando que a conduta do aluno está errada
avisam-no e tomam posição corrigindo tal conduta mesmo que com isso
possam vir a ter problemas.
Esta resposta do “Concordo em Parte” enquadra-se numa lógica de
alguém que já teve problemas com uma situação destas. Só quem passa por
elas é que as sente e as avalia conforme a sua expectativa.

6.4.5 – “Nunca divulgar factos confidenciais sobre os alunos a não ser


com a sua autorização explícita ou implícita”
Esta resposta terá a ver com a autorização implícita e deixa
dúvidas como é essa autorização. Eticamente e profissionalmente nunca
devem ser divulgados factos confidenciais sobre os alunos.

__________________________________________________________________ 18
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6.5 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem do saber: C CP NC


6.5.1 Adquirir as competências científicas e pedagógicas necessárias para o exercício da docência; 6
6.5.2 Actualizar-se continuamente para manter as suas competências; 5 1
6.5.3 Aceitar apenas as tarefas de docência para as quais seja competente; 4 2
6.5.4 Propor deixar as tarefas directas de ensinar ou educar quando sente que já não tem forças 4 2
nem capacidade para se manter actualizado e para prestar a assistência devida aos alunos.

Análise / Tratamento dos dados.

Este capitulo teve 1 item com 1 Concordo em Parte e 2 itens com 2


Concordo em Parte.
6.5.1 – “ Actualizar-se continuamente para manter as suas competências”
Este Concordo em Parte poderá ter a haver com o que se pede
constantemente aos professores. O seu papel de transmitir ensinando há muito
foi ultrapassado e cada vez mais ao professor exige-se que faça a vez do pai,
amigo, companheiro, conselheiro, juiz, médico, etc. Por isso, deve haver uma
certa nostalgia daquele papel de professor que só “ensina” e que os outros
problemas que fazem parte do dia a dia dos alunos sejam transferidos para
outros departamentos. O ensino não é estático e está em constante mudança,
mesmo nas aprendizagens propriamente ditas, é preciso uma constante
actualização com as novas metodologias que vão surgindo e as novas
correntes pedagógicas.

6.5.3. – “Aceitar apenas as tarefas de docência para as quais seja


competente”
Este item teve 2 Concordo em Parte, ou seja um terço (1/3) das
respostas que só concordam parcialmente com ele. Parece que este item
poderá ter a ver com a situação anterior, em que se refere os vários papeis que
se exige do professor.
Também poderá ter a haver com as novas áreas não curriculares de Área de
Projecto, Estudo Acompanhado e Formação Cívica em que os professores não

__________________________________________________________________ 19
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

tiveram formação e sentem-se pouco à vontade, mas aceitam-nas


principalmente para ter mais horas.
Mesmo que não haja competência, o professor com a sua flexibilidade a
adquirirá rapidamente, por isso a sua actualização constante e o seu interesse
em acompanhar as inovações em matéria de educação/ensino, para que tudo
corra pelo melhor em favor do aluno.

6.5.4. – “ Propor deixar as tarefas directas de ensinar ou educar quando


sente que já não tem forças nem capacidade para se manter actualizado e para
prestar a assistência devida aos alunos”

Este item também teve um terço (1/3) do total das respostas “Concordo
em Parte”, ou seja, 2 CP e parece também bastante polémico, o que leva a
supor que o professor vai propor a sua “incompetência” porque já não
consegue actualizar-se para o ensino e vai pedir que lhe arranjem outro
cantinho ou lugar até que a idade legal para sair lhe dê uma vida condigna.
Pergunta-se, como é que vai o professor propor deixar as tarefas quando já
não tem forças para prestar a assistência devida aos alunos se hoje, exige-se
que esta classe trabalhe até muito mais tarde na idade e sem que seja
considerado o desgaste a que esta profissão está sujeita?
Deontologicamente até seria correcto que fosse o próprio professor a dizer que
não tem forças para prestar a assistência devida aos alunos e não estivesse à
espera do avançar da idade para se reformar ou de lhe dizerem que é um
incapacitado.
Mas nesta sociedade, tornar-se-ia polémico ter uma atitude destas e seria logo
mal interpretado.
Há outras formas de o professor se afastar sem cair em desgraça.

__________________________________________________________________ 20
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6.6 CONSTITUEM DEVERES DO DOCENTE PARA COM OS ALUNOS NA


ORDEM DA ISENÇÃO
6.6.1 Exercer a avaliação pedagógica com a máxima isenção. Assim,
C CP NC
a) nunca avaliar negativamente (reter) por vingança ou despeito; 6
b) nunca avaliar negativamente (reter) para manter o lugar; 6
c) nunca avaliar positivamente (transitar) por favoritismo; 6
d) nunca avaliar positivamente (transitar) por interesse; 6
e) nunca se recusar a avaliar por interesses pessoais. 4 2

Justificação:
* Considero o contrário, recuso-me a avaliar por interesses pessoais
* Recuso-me a avaliar por interesses pessoais

Análise / Tratamento dos dados.


Também bastante contestado e com um terço (1/3) do total das
respostas a dizerem NC (Não Concordo), o item alínea e) “ Nunca se recusar a
avaliar por interesses pessoais”.
Duas justificações “ considero o contrário, recuso-me a avaliar por
interesses pessoais” e “recuso-me a avaliar por interesses pessoais”.
Parece, a ser entendida como ela é, e crê-se que não foi entendida pelos
outros 4 respondentes, considera-se que um profissional deve recusar-se a
avaliar por interesses pessoais.
Também parece a haver aqui uma distracção geral ou um mal entendido e a
pergunta deve ser reformulada.
É eticamente reprovável e de mau profissionalismo que se avalie por interesses
pessoais.

__________________________________________________________________ 21
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6.6.2 Isenção
C CP NC
Desempenhar a acção educativa para com todos os alunos com a máxima isenção,
independentemente da raça, do sexo, da religião, da empatia pessoal e das necessidades específicas
6
dos alunos.

Análise / Tratamento dos dados.


Todos os respondentes estão de acordo o que leva a concluir que a
isenção faz parte do quotidiano dos professores, independentemente do sexo,
religião ou raça.

6.6.3 Evitar as situações de conflito de interesse, nomeadamente: C CP NC


c) a avaliação de alunos pertencentes à própria família; 6
d) a prestação de explicações remuneradas aos próprios alunos. 6

Análise / Tratamento dos dados.

Todos os respondentes estão de acordo com a questão da alínea c) e já


faz parte da ética de cada escola, os alunos pertencentes à família não serem
avaliados pelo próprio familiar.
A Alínea d) também teve 100% de professores favoráveis. Embora em tempos
atrás, fosse uma prática generalizada dos professores darem explicações
remuneradas aos seus alunos ou conduzi-los para outro colega que por sua
vez também o indicava para explicações.
Actualmente, não se faz como indica o questionário e é eticamente reprovável
e de mau profissionalismo que assim não seja.

__________________________________________________________________ 22
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6.7 DEVERES RECÍPROCOS DOS DOCENTES


6.7 Constituem deveres dos docentes nas suas relações recíprocas:
C CP NC
6.7.1 Proceder com a maior correcção e civismo, abstendo-se de qualquer ataque pessoal ou 6
alusão deprimente;
6.7.2 Não se pronunciar publicamente diante dos alunos sobre posições pedagógicas tomadas 6
por um colega, a não ser na presença deste ou com o seu acordo;
6.7.3 Assegurar e cooperar na realização de actividades educativas e de acompanhamento dos 4 2
alunos, destinadas a suprir a ausência imprevista e de curta duração de um ou mais docentes;
6.7.4 Partilhar com os colegas informações científicas e pedagógicas que possam ajudar a 6
resolver problemas ou a solucionar conflitos, se tal for desejado pelos mesmos colegas.

Análise / Tratamento dos dados.

Este capítulo foi consensual com excepção do item 6.7.3 “Assegurar e


cooperar na realização de actividades educativas e de acompanhamento dos
alunos, destinadas a suprir a ausência imprevista e de curta duração de um ou
mais professores” que teve 2 CP (Concordo em Parte) num universo de 6
respostas.
Este item deixa dúvidas porque é da responsabilidade da escola e da
forma como está organizada e não têm que ser os professores fora das suas
horas a assegurar as actividades educativas. Se assim não fosse, poderia a
qualquer momento um professor estar fora do seu horário de trabalho e ser
chamado para cumprir essa obrigação.
As escolas devem estar organizadas de forma que devam ter as chamadas
“bolsas” de professores para colmatar essas situações.

__________________________________________________________________ 23
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6.8 DEVERES DO DOCENTE PARA COM OUTROS INTERVENIENTES


DA COMUNIDADE EDUCATIVA

6.8 Constituem deveres do docente para com os outros intervenientes da comunidade


educativa: C CP NC
6.8.1 Colaborar com todos os intervenientes no processo educativo favorecendo a criação e o 6
desenvolvimento de relações de respeito mútuo, em especial entre os docentes, alunos,
encarregados de educação, pessoal não docente, autarcas e legítimos representantes dos
interesses económicos e culturais;
6.8.2 Participar na organização e assegurar a realização das actividades educativas; 6
6.8.3 Cooperar com os restantes intervenientes no processo educativo na detecção da 6
existência de casos de crianças e jovens com necessidades educativas especiais;
6.8.4 Gerir o processo de ensino-aprendizagem, no âmbito dos programas definidos; 6
6.8.5 Enriquecer e partilhar os recursos educativos, bem como utilizar novos meios de ensino 6
que lhe sejam propostos, numa perspectiva de abertura à inovação e de reforço da qualidade de
ensino;
6.8.6 Co-responsabilizar-se pela preservação e uso adequado das instalações e equipamento e 6
propor medidas de melhoramento e renovação.

Análise / Tratamento dos dados.

Este capítulo foi consensual com respostas de 100% de acordo em


todos os itens.
Revela este capitulo que os professores estão disponíveis para colaborar com
outras entidades na melhor procura de soluções para os problemas que surjam
e na partilha de todos os recursos educativos, numa perspectiva de abertura à
inovação e de reforço da qualidade do ensino. Revela também, que os
professores estão ao serviço dos alunos e estão disponíveis para qualquer tipo
de acção desde que seja para melhorar a qualidade do ensino e
nomeadamente as aprendizagens dos alunos. O profissionalismo e o dever
para com os alunos é uma prioridade dos professores.

__________________________________________________________________ 24
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

6.9 DEVERES PARA COM A SOCIEDADE

C CP NC
6.9 Deveres para com a sociedade
Constitui um dever do docente para com a sociedade, pugnar pelas condições que favoreçam a
6
generalização a todos, e com qualidade, dos mais altos níveis de educação possíveis.

Análise / Tratamento dos dados.

Este capítulo foi consensual com respostas de 100% de acordo com o


respectivo item.
Como atrás se disse, os professores estão disponíveis para colaborar com a
sociedade ou outras entidades na melhor procura de soluções para os
problemas que surjam e na partilha de todos os recursos educativos, numa
perspectiva de abertura à inovação e de reforço da qualidade do ensino.
Revela também, que os professores estão ao serviço dos alunos e estão
disponíveis para qualquer tipo de acção desde que seja para melhorar a
qualidade do ensino e nomeadamente as aprendizagens dos alunos. É uma
regra prioritária dos professores pugnar pelas condições que favoreçam a
generalização a todos, e com qualidade, dos mais altos níveis de educação
possíveis. O profissionalismo e o dever para com os alunos é prioridade de
todos os professores.

__________________________________________________________________ 25
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

Agora que acabou de responder a todos os itens do código apresentado, responda às seguintes
questões, seleccionando a(s) opção(ões) que melhor exprime(m) a sua opinião.

7. Faça uma apreciação global do Código Deontológico apresentado, escolhendo uma das
opções seguintes:
a) Está mal elaborado ---------------------------------------------------------------------------------0
b) É incompleto e não está de acordo com a deontologia actual dos professores ----0
c) Com uma ou outra alteração concordo com ele -------------------------------------------- 4
d) Estou totalmente de acordo com os princípios deontológicos que consagra ------- 2

Análise / Tratamento dos dados.


Dois terços (2/3) dos professores, ou seja 4, dizem que “com uma ou
outra alteração concordam com o Código Deontológico apresentado” e um
terço (1/3) dizem, “Estou totalmente de acordo com os princípios deontológicos
que consagra”.
Revela este questionário que uma grande parte dos professores têm algumas
dúvidas nalguns itens, mas como dizem, “com uma ou outra alteração”, estarão
totalmente de acordo com os princípios deontológicos que consagra. Enquanto
que um terço (1/3) dos professores dizem que estão totalmente de acordo com
estes princípios do Código Deontológico.

7.1 Considerava útil e desejável a existência de um Código Deontológico semelhante para os


docentes portugueses?
Sim ---------------------------------- 6
Não -----------------------------------0
Talvez --------------------------------0

Análise / Tratamento dos dados.

Finalmente todos os professores, ou seja 6, “consideram útil e desejável


a existência de um código Deontológico semelhante para os docentes”.
Revelam os dados que todos os professores consideram útil que a carreira
docente se oriente por um código deontológico com regras bem definidas de
responsabilidade e profissionalismo que esta classe precisa para a sua auto
estima a condizer com a sua relevância social.

__________________________________________________________________ 26
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

8. CONCLUSÃO
O inquérito revela que a maioria dos professores estão de acordo com
um código deontológico, e tudo farão para valorizar os princípios que se
estabelecerem nesse código.
Aquela imagem passada para a sociedade até agora, era com efeito, de
um funcionário público que cumpre ordens e reivindica direitos. Ora, essa
imagem faz parte do passado e o professor precisa de ser visto como um
profissional da sua área que intervém na sociedade para que sejam cumpridos
os valores éticos de igualdade de oportunidades educativas para todos os
cidadãos e, ao mesmo tempo, prossecução dos padrões de excelência
educativa a que todos podem chegar. É este o ideal inspirador que
corresponde à nova concepção de professor. Igualdade, isenção,
profissionalismo, são o mote para uma nova filosofia de professor.
E agora, o que se pode fazer com um instrumento deste tipo?
Está nas mãos dos professores dignificarem e valorizarem a carreira docente e
pressionarem no sentido de que esta classe precisa de um Código
Deontológico.
Poderá também, ser utilizado como um instrumento de investigação para
melhor medir as sensibilidades dos professores e a evolução das suas
reacções.
Poderá ainda ser também, ponto de partida para outros códigos mais
elaborados que os vários intervenientes na educação requeiram. Cuidado que
o código é para professores e só eles é que o deviam elaborar.
Por último, como diz, Cunha, Pedro d`Orey da (1994), pode constituir um
instrumento de formação, tanto de formação continua de professores já
formados, como de formação inicial daqueles que se prepararam para serem
professores, mantendo, assim uma conversa ética na origem e no
prolongamento da profissão.

__________________________________________________________________ 27
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

9. BIBLIOGRAFIA

CUNHA, Pedro d`Orey da (1995) - Para uma deontologia da profissão docente. I – Paradigma
e Problemas, Brotéria, 140, 39-53.

CUNHA, Pedro d`Orey da (1995) - Para uma deontologia da profissão docente. II – Análise e
Proposta de um Código, Brotéria, 140, 135-153.

Internacional Educação, Adoptado pelo 3º Congresso da Internacional da Educação, em


Jontiem,Tailândia, de 25 a 29 de Julho de 2001.

9.1 LEGISLAÇÃO

Decreto-Lei n. 139-A/90 – Estatuto da Carreira Docente.

Decreto-Lei nº 1/98 - Altera o Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos


Professores dos Ensinos Básico e Secundário, aprovado pelo Decreto-Lei n. 139-A/90, de 28
de Abril

9.2 INTERNET

http://www.appcpc.com/deonto.htm
http://www.trabalhodeetica.hpg.ig.com.br/governo_e_politica/72/index_int_3.html

9.3 ANEXOS
9.3.1 Questionário

__________________________________________________________________ 28
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

Questionário

Caro colega:
Com o presente questionário, que contém uma proposta de Código deontológico dos professores dos
ensinos básico e secundário, pretendemos aferir a opinião dos docentes relativamente aos vários itens do referido
Código.
Dado que se trata de um trabalho de investigação, no âmbito do Curso de Especialização em Gestão da
Informação e Comunicação Educacional, a decorrer no Centro Regional das Beiras da Universidade Católica
Portuguesa, solicitamos a melhor colaboração na resposta às questões que se seguem. Asseguramos a absoluta
confidencialidade dos dados obtidos, os quais servirão apenas para a realização da nossa investigação.
I. Dados relativos ao docente

1. Idade
Menos de 25 anos --------------------------------------------
25-35 -------------------------------------------------------------
35-50 -------------------------------------------------------------
+ de 50 ----------------------------------------------------- -----

2. Sexo
Masculino -------------------------------------------------------
Feminino --------------------------------------------------------

3. Tempo de Serviço
0 a 9 anos -------------------------------------------------------
10 a 20 anos ---------------------------------------------------
+ de 20 anos ----------------------------------------------------

4. Grupo profissional 01;EVT;03; 1ºCiclo;17; 15


____________________________________
5. Situação Profissional
Profissionalizado ----------------------------------------------
Não Profissionalizado ---------------------------------------
Em profissionalização ---------------------------------------

6. Nível de Ensino em que lecciona


Pré-escolar ------------------------------------------------------
1º Ciclo -----------------------------------------------------------
2º Ciclo -----------------------------------------------------------
3º Ciclo -----------------------------------------------------------
Secundário ------------------------------------------------------

__________________________________________________________________ 29
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

 Responda, por favor, às questões seguintes, assinalando-as com Concordo (C); concordo
em parte (CP); Não Concordo (NC).
 Nos casos em que não concorda (NC), justifique as suas razões, se for essa a sua vontade.

1. Preâmbulo (compromisso pedagógico)

O docente deve, no exercício da profissão, considerar-se ao serviço da educação e, como tal,


promover a educação integral de todas as pessoas ao seu alcance com a máxima isenção, e prestar a
assistência educativa aos seus alunos.
Tal compromisso pode especificar-se em deveres para com:
- os alunos; Concordo
- os colegas;
- outros intervenientes da comunidade educativa; Concordo em Parte
- a sociedade.

Em caso de (NC) justifique: Não Concordo

2. Deveres para com os alunos


2.1. Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem do desenvolvimento
integral destes: C CP NC
2.1.1. Promover o desenvolvimento intelectual, afectivo, ético, estético e psicomotor dos alunos com
todo o respeito pelas suas capacidades, interesses e valores;
2.1.2. Estimular a autonomia dos alunos, desenvolvendo o seu espírito crítico, a sua liberdade de
expressão e de formulação ordenada de opiniões;
2.1.3. Estimular o sentido de responsabilidade dos alunos, confiando-lhes tarefas progressivamente
mais exigentes, promovendo o respeito mútuo e proporcionando actividades de cooperação e
serviço;
2.1.4. Dar testemunho de dedicação aos alunos e de empenho pela busca de Verdade e de Bem;
2.1.5. Promover, individual e corporativamente, o desenvolvimento de condições adequadas de
trabalho e segurança para si e para os alunos;
2.1.6. Desempenhar as funções de docente necessárias à aprendizagem dos alunos, apesar de
eventuais situações desfavoráveis, cumpridas que estejam as condições adequadas de
trabalho e segurança.
Em caso(s) de NC justifique:

__________________________________________________________________ 30
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

2.2 Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem da relação pedagógica:

C CP NC
2.1.1. Promover uma relação pedagógica com todos os seus alunos na situação de
educação/ensino de modo que estes se sintam animados e confiantes;
2.1.2. Manter uma relação pedagógica com os alunos na escola, mesmo fora das situações de
educação/ensino, apoiando, avisando, corrigindo quando tal for apropriado;
2.1.3. Utilizar a relação pedagógica somente para bem do aluno, evitando toda a humilhação,
dependência e violência;
2.1.4. Nunca divulgar factos sobre os alunos, só conhecidos no âmbito da relação pedagógica, a
não ser na situação profissional de consulta e avaliação, quando tal for estritamente
necessário;
2.1.5. Nunca divulgar factos confidenciais sobre os alunos a não ser com a sua autorização
explícita ou implícita.
Em caso(s) de NC justifique:

2.2. Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem do saber:

C CP NC
2.2.1. Adquirir as competências científicas e pedagógicas necessárias para o exercício da
docência;
2.2.2. Actualizar-se continuamente para manter as suas competências;
2.2.3. Aceitar apenas as tarefas de docência para as quais seja competente;
2.2.4. Propor deixar as tarefas directas de ensinar ou educar quando sente que já não tem
forças nem capacidade para se manter actualizado e para prestar a assistência devida
aos alunos.
Em caso(s) de NC justifique:

2.3. Constituem deveres do docente para com os alunos na ordem da isenção:


2.3.1. Exercer a avaliação pedagógica com a máxima isenção. Assim,

C CP NC
f) nunca avaliar negativamente (reter) por vingança ou despeito;
g) nunca avaliar negativamente (reter) para manter o lugar;
h) nunca avaliar positivamente (transitar) por favoritismo;
i) nunca avaliar positivamente (transitar) por interesse;
j) nunca se recusar a avaliar por interesses pessoais.
Em caso(s) de NC justifique:

2.3.2 Isenção
C CP NC
2.3.2. Desempenhar a acção educativa para com todos os alunos com a máxima isenção,
independentemente da raça, do sexo, da religião, da empatia pessoal e das necessidades
específicas dos alunos.
Em caso de NC justifique:

__________________________________________________________________ 31
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

2.3.3. Evitar as situações de conflito de interesse, nomeadamente:

C CP NC
e) a avaliação de alunos pertencentes à própria família;
f) a prestação de explicações remuneradas aos próprios alunos.
Em caso(s) de NC justifique:
3. Deveres recíprocos dos docentes
Constituem deveres dos docentes nas suas relações recíprocas:

C CP NC
3.1. Proceder com a maior correcção e civismo, abstendo-se de qualquer ataque pessoal ou
alusão deprimente;
3.2. Não se pronunciar publicamente diante dos alunos sobre posições pedagógicas tomadas
por um colega, a não ser na presença deste ou com o seu acordo;
3.3. Assegurar e cooperar na realização de actividades educativas e de acompanhamento dos
alunos, destinadas a suprir a ausência imprevista e de curta duração de um ou mais
docentes;
3.4. Partilhar com os colegas informações científicas e pedagógicas que possam ajudar a
resolver problemas ou a solucionar conflitos, se tal for desejado pelos mesmos colegas.
Em caso(s) de NC justifique:

4. Deveres do docente para com outros intervenientes da comunidade educativa


Constituem deveres do docente para com os outros intervenientes da comunidade
educativa: C CP NC
4.1. Colaborar com todos os intervenientes no processo educativo favorecendo a criação e o
desenvolvimento de relações de respeito mútuo, em especial entre os docentes, alunos,
encarregados de educação, pessoal não docente, autarcas e legítimos representantes dos
interesses económicos e culturais;
4.2. Participar na organização e assegurar a realização das actividades educativas;
4.3. Cooperar com os restantes intervenientes no processo educativo na detecção da existência
de casos de crianças e jovens com necessidades educativas especiais;
4.4. Gerir o processo de ensino-aprendizagem, no âmbito dos programas definidos;
4.5. Enriquecer e partilhar os recursos educativos, bem como utilizar novos meios de ensino que
lhe sejam propostos, numa perspectiva de abertura à inovação e de reforço da qualidade de
ensino;
4.6. Co-responsabilizar-se pela preservação e uso adequado das instalações e equipamento e
propor medidas de melhoramento e renovação.
Em caso(s) de NC justifique:
5. Deveres para com a sociedade
C CP NC
Constitui um dever do docente para com a sociedade, pugnar pelas condições que favoreçam a
generalização a todos, e com qualidade, dos mais altos níveis de educação possíveis.

Em caso de NC justifique:

__________________________________________________________________ 32
Proposta de Código Deontológico a Professores dos Ensino Básico e Secundário

Agora que acabou de responder a todos os itens do código apresentado, responda às seguintes
questões, seleccionando a(s) opção(ões) que melhor exprime(m) a sua opinião.

6. Faça uma apreciação global do Código Deontológico apresentado, escolhendo uma das opções
seguintes:
e) Está mal elaborado -------------------------------------------------------
f) É incompleto e não está de acordo com a deontologia actual dos professores -------
g) Com uma ou outra alteração concordo com ele -----------------------------
h) Estou totalmente de acordo com os princípios deontológicos que consagra ------------

7. Considerava útil e desejável a existência de um Código Deontológico semelhante para os


docentes portugueses?
Sim ----------------------------------
Não ----------------------------------
Talvez -------------------------------

MUITO OBRIGADO PELA SUA COLABORAÇÃO E DISPONIBILIDADE.

__________________________________________________________________ 33