AULA 33

PROCESSO DE RETIFICAÇÃO:
OPERAÇÕES DE CORTE

.

chegam à retificadora com um sobremetal controlado.) e retificação e as precisões (dimensional. normalmente. intercalados por uma dressagem do rebolo. As doutrinas que consideram a retificação um processo de acabamento visando a obtenção de um máximo de precisão dimensional. Nos casos de retificação individual de peças ou em séries muito pequenas a magnitude do sobremetal não é muito importante. O acabamento é feito com parâmetros significativamente menores para não se superar as tolerâncias dimensionais e geométricas desejadas e nem superar a rugosidade superficial máxima tolerada. utilizando-se de parâmetros elevados de avanços do rebolo e velocidades elevadas tanto da peça como do deslocamento da mesa. com a peça ainda mole. Dr.1. O sobremetal de retificação é definido como a diferença em milímetros entre a peça usinada por um processo de usinagem anterior e a peça pronta após retificação. Contudo. considerando-se que as variações das peças dentro de cada um desses lotes podem ser toleradas.257 33. Existem diferentes doutrinas na fixação do sobremetal ideal. na primeira fase remove-se de 80% a 90% do sobremetal. Nesses casos. para gerar superfícies precisas que sirvam de referência para outras operações de usinagem.1. geométrica e de acabamento) que serão obtidas. Classificação Os processos de retificação podem ser classificados:   Segundo a dureza da peça usinada:  Retificação mole ou verde: realizada antes do tratamento térmico. André João de Souza . em produção seriada é muito importante manter o sobremetal controlado dentro de uma tolerância razoável para não submeter a retificadora a uma variabilidade muito grande de esforços e mesmo para que os tempos de retificação sejam previsíveis e repetidos. com a peça já endurecida. preferem um sobremetal menor. um máximo de precisão geométrica e um melhor acabamento possível. por exemplo. 33. Já as doutrinas que consideram que a retificação é um processo que deve ser o mais produtivo possível privilegiam um compromisso mais produtivo entre as fases de usinagem (torneamento. Essas doutrinas são normalmente de origem europeia.  Retificação dura: realizada depois do tratamento térmico. fresamento etc. Essas são as doutrinas de origem norte-americana que normalmente optam por sobremetais consideravelmente maiores. as dressagens (manuais ou automáticas) intercalam-se a cada “n” peças. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33. com a finalidade de conferir as dimensões finais à peça usinada. Introdução As peças que serão retificadas. Em retificações de alta produção procuram-se realizar as duas fases consecutivamente sem uma dressagem intermediária. Segundo a superfície a ser usinada: Prof.1. É usual dividir um processo de retificação em desbaste e acabamento. Quando se divide a operação entre desbaste e acabamento.

particularmente em peças curtas e vazadas de um lado. As retificadoras cilíndricas apresentam normalmente duas mesas. já alojada de um lado. André João de Souza . No cabeçote contraponto também está inserido um centro de apoio similar para compor o apoio entre centros da peça. Somente a placa de arraste gira. a forma gerada pela retificadora será cônica. Nem sempre é possível fixar a peça entre pontas. permitindo ajustes angulares e retificações cônicas). A peça fixada entre pontas recebe a sua rotação através de uma placa de arraste disposta no cabeçote porta-peças da máquina. Caso os dois eixos não sejam coplanares. que pode girar em torno de um pino central sobre a mesa prismática. Caso os dois eixos não sejam paralelos.2. em contato com a periferia de um rebolo (ferramenta abrasiva). A árvore fica parada e no seu cone Morse se insere um centro de apoio. Prof. Alguns tipos de peças podem ainda requerer placas magnéticas circulares para a fixação. uma inferior (chamada de mesa prismática que se desloca em guias sobre o barramento longitudinal da máquina) e outra superior (designada de mesa angular. Os furos de centro das peças devem estar livres de rebarbas ou marcas de vibração. Para peças muito pesadas muitas vezes prefere-se aplicar centros de apoio giratórios nos cabeçotes porta-peças e contraponto em lugar dos centros fixos. O eixo do cabeçote contraponto apresenta sempre um deslocamento longitudinal retrátil pequeno. a árvore do cabeçote porta peças não gira. Para que a retificadora cilíndrica possa gerar uma forma cilíndrica na peça há necessidade que os eixos de rotação da peça e do rebolo sejam paralelos e coplanares. nestes casos a peça é fixada em placa de castanhas adaptada ao cabeçote porta-peças. entre em posição e seja fixada quando o centro de apoio volte para a sua posição normal. Dr. a forma gerada pela retificadora será adelgaçada como um hiperboloide. que periodicamente avança contra a peça. Retificação Cilíndrica Externa Entre Pontas A retificação cilíndrica externa baseia-se no princípio de se fazer a peça girar em torno de seu eixo e deslocar-se no sentido axial.258  Retificação cilíndrica o Externa  Entre pontas  Longitudinal (ou de passagem)  Mergulho (ou com avanço de penetração)  o   Sem centros (centerless) Interna Retificação plana o Tangencial o Frontal Outras 33. o suficiente para que a peça. As peças podem ser fixadas também por pinças elásticas. Na fixação entre centros. Entende-se como fixação de uma peça entre pontas em uma retificadora cilíndrica quando ela é suportada entre centros por pontas cônicas inseridas nos cabeçotes porta-peça e contraponto da máquina que adentram os furos de centro da peça. Os furos de centro das peças cilíndricas são normalmente préexistentes em decorrência das operações prévias de torneamento.

no entanto. O rebolo. 33. No caso. Dr.2 . para propiciar uma nova retirada de material na próxima passada do rebolo durante o avanço longitudinal. tanto a peça quanto o rebolo possuem movimento de rotação. também chamada de retificação com avanço de penetração. 33.1). Rebolo Peça Figura 33. o comprimento da peça é maior que a espessura do rebolo. As posições de reversão do movimento longitudinal devem ser feitas de tal forma que apenas 1/3 da espessura do rebolo saia de cada lado.1. Às Prof. apresentar um pequeno movimento longitudinal. o rebolo executa movimento de avanço em uma direção perpendicular à superfície retificada. Nos dois casos.2. 33.2).2. O avanço em profundidade (geralmente automático) é discreto e realizado ao fim de cada avanço longitudinal (quando o rebolo chega ao fim da peça – reversão da mesa).259 A retificação cilíndrica externa pode ser longitudinal ou de mergulho. André João de Souza . também chamada de retificação de passagem.1 – Retificação cilíndrica externa longitudinal entre pontas. Figura 33. Comumente a peça possui somente movimento de rotação podendo. Para terminar. Retificação de Mergulho (“Plunge Grinding”) Na retificação de mergulho (Fig. de duas a três passadas sem avanço devem ser efetuadas para realçar o acabamento.2. é mais largo que o comprimento da superfície que está sendo retificada e o processo é mais rápido e mais econômico que o anterior (de passagem). geralmente. 33. o avanço paralelo ao eixo da peça pode ser efetuado através do movimento da mesa da retificadora ou através do movimento do rebolo.Retificação cilíndrica externa de mergulho entre pontas. Retificação Longitudinal (“Traverse Grinding”) Na retificação longitudinal (Fig.

depois. e com aproximação e afastamento do rebolo). porém menos precisa e. pode ser aproveitada realizando-se múltiplos mergulhos em uma peça cilíndrica mais longa.3 – Retificação centerless A peça é apoiada (não fixada) na cunha de apoio (ou lâmina de espera) de aço com elevada dureza. Usinagem Técnica AGAZ Ltda. coloca-se a mesa para realizar pequenos deslocamentos à esquerda e à direita. torna difícil a retificação entre pontas devido à proximidade dos contrapontos. O processo de retificação de mergulho entre pontas também permite a usinagem de perfis variados. Os eixos Prof. quando comparada à retificação de passagem. retificando-a. desenvolveu-se o processo de retificação cilíndrica externa sem centros (centerless) em máquinas construídas especialmente para estes casos. porém curta. (b) Figura 33. 33.3. largura igual à do rebolo de corte (100 a 250 mm) e velocidade periférica bem menor (8 a 50 m/min).260 vezes. não pode ser feita em peças que apresentam muitos escalonamentos. O rebolo de corte tem diâmetro maior (400 a 600 mm). bastando para isso dar a forma adequada ao rebolo. para se diminuir a rugosidade da superfície retificada. Para que se obtenha uma boa retificação. Assim. largura de 100 a 250 mm e velocidade periférica também maior (20 a 30 m/s). é lógico. 33. Retificação Cilíndrica Externa Sem Centros Uma peça cilíndrica comprida e de pequeno diâmetro. Uma peça também cilíndrica. dificultando a aproximação e a movimentação do rebolo. para finalizar. André João de Souza . Pode-se também fazer a retificação de várias superfícies simultaneamente com diversos rebolos montados um ao lado do outro. à esquerda e à direita.01 mm para ser removido nas passadas finais de acabamento. separados por anéis (isto se dá em máquinas retificadoras convencionais de alta produção). O rebolo de arraste tem diâmetro menor (250 a 400 mm). a peça deve constantemente tangenciar os dois rebolos e a cunha de apoio. A extraordinária produtividade da retificação por mergulho. apesar de não ser necessária em retificações de mergulho. O rebolo de corte gira em altíssima velocidade de rotação e faz pressão sobre a peça. A Figura 33. no mínimo 3 mm aproximadamente. Dr. A peça rola sobre si mesma devido ao atrito gerado pelo rebolo de arraste. Os vários mergulhos devem se sobrepor. (a) Ref. fixada entre centros em uma retificadora cilíndrica. ou uma superfície de cada vez – principalmente nas retificadoras CNC.3b). tende à flexão devido à pressão exercida pelo rebolo na operação. realizar algumas poucas passadas para eliminar eventuais marcas indicativas de várias penetrações.3 esquematiza este processo. A retificação é mais fácil e rápida (sem tempos passivos com a colocação e com retirada da peça da máquina. Idealmente deve-se deixar um sobremetal remanescente de 0. o qual gira no sentido indicado pela seta (Fig.

para possibilitar o arraste da peça no sentido longitudinal (sentido de avanço da peça). desde que equipadas com um aparelho de retificação interna ou por retificadoras específicas para a retificação de diâmetros internos (fotos da Fig. Dr. duas ou mais retificadoras centerless são colocadas em série. isto causa uma maior imprecisão no processo devido à deflexão do eixo porta-rebolo. Existem algumas retificadoras que não têm movimento de rotação no cabeçote porta-peça e o rebolo tem movimento planetário. ocorre um pequeno movimento de penetração radial. para que uma nova camada de material seja retirada no próximo passe da ferramenta. (a) (b) (c) (d) Figura 33. 33.4 – Retificação cilíndrica interna: (a) padrão. 33. André João de Souza . 33.4). O movimento de avanço pode ser realizado pelo cabeçote ou pelo rebolo. então. Retificação Cilíndrica Interna Na retificação cilíndrica interna. este sai da peça e.3). Muitas vezes.4. Geralmente são necessárias diversas passadas do rebolo para se retirar todo o sobremetal. recomendam-se avanços. (b) planetária.4). sem interrupção. Como as forças normais e tangenciais submetidas ao rebolo são proporcionais aos arcos de contato. normalmente a peça fica presa ao cabeçote da máquina-ferramenta com movimento de rotação (Fig.261 dos dois rebolos são levemente inclinados de 1 a 5° (conforme mostra a Fig. 33. A retificação cilíndrica interna pode ser feita em retificadoras cilíndricas externas convencionais. Este movimento é axial de ida e volta. Para que as deflexões excessivas não ocorram nas hastes porta-rebolo de retificação interna. conclui-se que justamente no caso da retificação interna. (c) calçada sem centros. Como a retificação interna exige que o rebolo fique em balanço. profundidades de corte e velocidades Prof. onde o índice de rigidez do conjunto porta-rebolo é menor para uma mesma taxa de remoção de material. (d) roletada sem centros. de tal maneira que a peça passa por processos consecutivos. Isto ajuda a melhorar a qualidade da peça obtida por esta operação que não é tão boa quanto a qualidade gerada pela retificação cilíndrica entre pontas. A retificação interna apresenta o maior arco de contato rebolo-peça quando comparada à retificação cilíndrica externa e à retificação plana tangencial. as forças normais e tangenciais envolvidas sejam cerca de 70% maiores. No retorno do rebolo.

O campo magnético liberado pelos pólos dessas placas atrai os materiais ferrosos com força suficiente para que eles suportem os esforços de retificação. Este tipo de retificação plana é mais lento e muito usado para a retificação de peças grandes de baixa produção. a necessidade de se ter um rebolo com pequeno diâmetro (entrar no furo a ser usinado) faz com que sua rotação tenha de ser bastante alta (em torno de 15000 rpm) para que se possam ter velocidades periféricas similares às da retificação externa. 33. havendo necessidade muitas vezes de se desenvolver bocais de descarga apropriados para cada situação.262 da peça e do rebolo da ordem de 40 a 50% menores que aqueles que seriam utilizados em retificações externas similares. o eixo do rebolo é paralelo à superfície retificada. 33. enquanto o rebolo executa o movimento de avanço em profundidade.1 e 0.5. Em geral. Prof. 33.1. Outra questão crítica na retificação interna é a refrigeração que deve ser introduzida dentro do furo que estiver sendo retificado. o sistema utilizado para a geração de campos magnéticos é o de bobinas elétricas no interior da caixa. Figura 33. resguardando-se sempre a questão da necessidade de se eliminar os empenamentos.5). O sobremetal em retificações planas tangenciais dependem quase que exclusivamente das condições de empenamento e falta de planicidade da peça antes da retificação.5. A mesa executa um movimento de avanço alternativo e um movimento de avanço transversal. dependendo das dimensões gerais da peça. Em placas de pequenas dimensões (placas magnéticas permanentes) usualmente o campo magnético é gerado pelo deslocamento mecânico de conjuntos de imãs permanentes dentro da estrutura em forma de caixa que compõe a unidade. Dr. André João de Souza .5 – Retificação plana tangencial. pode-se dizer que um sobremetal entre 0. Retificação Plana Costuma-se distinguir entre a retificação plana tangencial e frontal. 33.5). O método mais comum de fixação de peças em retificadoras planas é o das placas magnéticas ou eletromagnéticas. Também. Em placas maiores (placas eletromagnéticas – ver foto na Fig.8 mm situa-se em faixa razoável para esta operação. Retificação Plana Tangencial Na retificação plana tangencial (Fig.

 Retificação de engrenagens. o eixo do rebolo é perpendicular à superfície retificada. Em geral. avanços verticais mínimos e algumas passadas transversais sem qualquer avanço vertical.2. existem também algumas operações específicas de retificação tais como:  Retificação esférica.263 Usualmente divide-se a operação de retificação plana tangencial em desbaste e acabamento. e conectores elétricos giratórios para a transmissão da corrente elétrica contínua (Fig. Prof. As peças são fixadas em placas eletromagnéticas giratórias à base de latão e aço.  Retificação de círculos excêntricos (virabrequins) e cames. Existem as retificadoras planas frontais de mesas retangulares alternativas. possibilitando que os intervalos entre os segmentos abrasivos sirvam para o escoamento do fluido de corte. No segundo. mas as mais comuns são as de mesa circular giratória.  Retificação de roscas. utilizam-se avanços transversais menores.5. a retificação frontal apresenta a vantagem de uma produtividade bem maior. Apesar de resultar em acabamentos inferiores quando comparados aos obtidos na retificação tangencial. por exemplo.  Retificação de rolos de laminação.6).6 – Retificação plana frontal.6. 33.  Retificação de eixos entalhados. Na primeira. normalmente de polos anulares concêntricos. remove-se de 80 a 90% do sobremetal utilizando-se parâmetros elevados de avanços transversais e verticais (aprofundamento). 33. Outras Operações de Retificação Além das citadas. Retificação Plana Frontal Na retificação plana frontal (Fig. 33. Dr. Mais comum que a utilização de rebolos copo é a utilização de rebolos em anéis segmentados. André João de Souza . o que dispensa o avanço transversal e possibilita a retificação de diversas peças simultaneamente. Estes anéis permitem que a refrigeração seja alimentada pelo centro do eixo porta-rebolo. o rebolo é bem maior que a peça. Figura 33.6).  Afiação de ferramentas de corte. 33. aumentando em muito a produtividade do processo. intercalados por uma dressagem do rebolo.