Capitães da Areia

Jorge Amado

1 - (FUVEST 2011) Considere a seguinte afirmação:
Ambas as obras criticam a sociedade, mas apenas a
segunda milita pela subversão da hierarquia social nela
representada. Observada a sequência, essa afirmação
aplica-se a:
a) A cidade e as serras e Capitães da areia.
b) Vidas secas e Memórias de um sargento de milícias.
c) O cortiço e Iracema.
d) Auto da barca do inferno e A cidade e as serras.
e) Iracema e Memórias de um sargento de milícias.
2 - (FUVEST 2010) Leia o trecho a seguir:
Inimigo da riqueza e do trabalho, amigo das festas, da
música, do corpo das cabrochas. Malandro. Armador de
fuzuês. Jogador de capoeira navalhista, ladrão quando
se fizer preciso.
(Jorge Amado, Capitães de areia)
O tipo cujo perfil se traça, em linhas gerais, neste
excerto, aparece em romances como Memórias de um
sargento de milícias, O cortiço, além de Capitães de
areia. Essa recorrência indica que:
a) certas estruturas e tipos sociais originários do período
colonial foram repostos durante muito tempo, nos
processos de transformação da sociedade brasileira.
b) o atraso relativo das regiões Norte e Nordeste atraiu
para elas a migração de tipos sociais que o progresso
expulsara do Sul/Sudeste.
c) os romancistas brasileiros, embora críticos da
sociedade, militaram com patriotismo na defesa de
nossas personagens mais típicas e mais queridas.
d) certas ideologias exóticas influenciaram
negativamente os romancistas brasileiros, fazendo-os
representar, em suas obras, tipos sociais já extintos
quando elas foram escritas.
e) a criança abandonada, personagem central dos três
livros, torna-se, na idade adulta, um elemento nocivo à
sociedade dos homens de bem.

b) sublimação intelectual do ímpeto revolucionário,
motivada pelo contato com estudantes.
c) condição de meros títeres, manipulados por partidos
políticos oportunistas.
d) luta, em associação com seus pares de grupo ou de
classe social, contra a ordem vigente.
e) cumplicidade com criminosos comuns, com o fito de
atacar as legítimas forças de repressão.
(UNIFESP 2011) Leia o trecho para responder às
questões 4 e 5:
[Sem-Pernas] queria alegria, uma mão que o
acarinhasse, alguém que com muito amor o fizesse
esquecer o defeito físico e os muitos anos (talvez
tivessem sido apenas meses ou semanas, mas para ele
seriam sempre longos anos) que vivera sozinho nas ruas
da cidade, hostilizado pelos homens que passavam,
empurrado pelos guardas, surrado pelos moleques
maiores. Nunca tivera família. Vivera na casa de um
padeiro a quem chamava
“meu padrinho” e que o surrava. Fugiu logo que pôde
compreender que a fuga o libertaria. Sofreu fome, um
dia levaram-no preso. Ele quer um carinho, u’a mão
que passe sobre os seus olhos e faça com que ele
possa se esquecer daquela noite na cadeia, quando os
soldados bêbados o fizeram correr com sua perna coxa
em volta de uma saleta. Em cada canto estava um com
uma borracha comprida. As marcas que ficaram nas
suas costas desapareceram. Mas de dentro dele nunca
desapareceu a dor daquela hora. Corria na saleta como
um animal perseguido por outros mais fortes. A perna
coxa se recusava a ajudá-lo. E a borracha zunia nas
suas costas quando o cansaço o fazia parar. A princípio
chorou muito, depois, não sabe como, as lágrimas
secaram. Certa hora não resistiu mais, abateu-se no
chão. Sangrava. Ainda hoje ouve como os soldados
riam e como riu aquele homem de colete cinzento que
fumava um charuto.
(Jorge Amado. Capitães da areia.)
4 - Considere as afirmações seguintes.

3 - (FUVEST 2010) Por caminhos diferentes, tanto
Pedro Bala (de Capitães de areia, de Jorge Amado)
quanto o operário (do conhecido poema “O operário
em construção”, de Vinícius de Moraes) passam por
processos de “aquisição de uma consciência política”
(expressão do próprio Vinícius). O contexto dessas
obras indica também que essa conscientização leva
ambos à:
a) exclusão social, que arruína precocemente suas
promissoras carreiras profissionais.

1

I. O fragmento do romance, ambientado na cidade de
Salvador das primeiras décadas do século passado,
aborda a vida de uma criança em situação de absoluta
exclusão social e violência, o que destoa do projeto
literário e ideológico dos escritores brasileiros que
compõem a “Geração de 30”.
II. Valendo-se das conquistas do Modernismo, o
romance apresenta linguagem fluente e acessível
ao grande público, utilizando-se de um português
coloquial, simples, próximo a um modo natural de falar,
com o largo emprego da frase curta e econômica.

Pedro Bala: sua transformação se inicia quando lhe é revelada a história . Sem-Pernas é uma personagem que. b) Que relação se pode estabelecer entre esse desfecho e a tendência política do romance de Jorge Amado? Respostas 1. em clara oposição à rigidez intelectual e moral do trabalho. e) II e III. — A perna coxa se recusava a ajudá-lo. mascarada pela beleza da serra. torna-se um líder e passa a ser ouvido por seus pares da mesma classe social: (E um fato novo se viu / Que a todos admirava: / O que o operário dizia / Outro operário escutava. denuncia a marginalização a que são submetidos os meninos de rua de Salvador. a miséria que caracteriza a vida dos trabalhadores rurais do Portugal atrasado e tradicionalista. Indique a alternativa em que há. o processo de conscientização social do protagonista. associando-a à flexibilidade de caráter (“ladrão quando preciso”) e à satisfação imediata dos prazeres (música. a) Vivera na casa de um padeiro (…) — uma mão que o acarinhasse (…) b) Em cada canto estava um com uma borracha comprida. por sua vez. da mesma forma. da Antologia Poética de Vinícius de Moraes. Porém. d) A princípio chorou muito (…) — Mas de dentro dele nunca desapareceu a dor daquela hora. O destino deles é outro. e) Ele quer um carinho (…) — Um dia levaram-no preso. p. de orientação sexual. 6 . o eu lírico apresenta um operário que desenvolve sua consciência política percebendo-se capaz de construir e participar de tudo o que vê a sua volta. tudo agora é diverso. e o que a tornou possível. (Jorge Amado. à medida que seu passado e suas experiências dolorosas vêm à tona. portanto. Conforme o texto. um tempo verbal que expressa fatos ocorridos num tempo anterior a outros fatos do passado e um tempo verbal usado para marcar o caráter hipotético de certas ações ou o desejo de que se realizassem. Alternativa a O excerto selecionado apresenta a personagem BoaVida.O zigue-zague temporal ligado à vida de SemPernas.) a) Explique a mudança pela qual os Capitães da Areia passaram. Intervêm em comícios. São Paulo: 2 Companhia das Letras. em greves. Trata-se. aleijado e discriminado”. que mimetiza o homem pobre urbano em diversas regiões (Norte e Sul do país) e em diferentes contextos históricos (desde o início do século XIX até o Brasil republicano). adquire alguma profundidade psicológica. 3. empregado no fragmento para a composição da personagem. Capitães da areia sugere que a saída para o fim da exploração é a subversão da ordem vigente. o narrador apresenta. na Bahia. O destino deles mudou. essa imagem guarda relação de semelhança com personagens como Chico Juca (de Memórias de um sargento de milícias) e Firmo (de O cortiço). 7 . 2008. quanto. por meio da utilização alternada de diversos tempos verbais. d) I e II. enquanto A cidade e as serras acaba por propor a manutenção da hierarquia social. Capitães da Areia. fútil e hipócrita nas relações sociais da Paris moderna e civilizada. Sintetizada na figura do malandro e do capoeirista. corpo feminino).Capitães da Areia Jorge Amado III. de um tipo de longa duração na literatura brasileira. A cidade e as serras desmascara tanto o que há de vazio. c) Nunca tivera família. Com o tempo. de Jorge Amado: Agora [Pedro Bala] comanda uma brigada de choque formada pelos Capitães da Areia. — Sofreu fome. com a preservação do sistema de propriedade sob o controle das elites. de religião.(UNICAMP 2013) Leia o seguinte trecho do romance Capitães da Areia.(FUVEST 2011) Entre as variedades de preconceito enumeradas a seguir. de Jorge Amado. Capitães da areia. abandonado. 2. A luta mudou seus destinos. respectivamente. o do menino “pobre. em lutas obreiras. substituindo o capitalismo injusto pela igualdade que o socialismo traria. aponte aquelas que o grupo dos “capitães da areia” (do romance homônimo) rejeita e aquelas que acata e reforça: preconceito de raça e cor. 5 . Alternativa d No poema “Operário em Construção”.) Em Capitães da Areia. 268. é construído de maneira muito precisa. está correto o que se afirma apenas em: a) I. c) III. de gênero (homem e mulher). embora encarne um tipo social claramente delimitado. Justifique suas respostas. b) II. Alternativa a A crítica é um traço forte das duas obras.

O processo de doutrinamento vivenciado por Pedro Bala corresponde. O grupo não faz distinção entre meninos brancos. O narrador 3 b) É possível notar no enredo do romance grandes preocupações sociais por parte do autor. por Pedro Bala. a prisão de Pedro Bala no reformatório são acontecimentos que deixam marcas emocionais profundas e abrem espaço para uma transformação do chefe dos Capitães da Areia em líder grevista. c) Gênero: Há preconceito de gênero entre os Capitães da Areia. associando-se a uma organização política. como Pedro Bala e Gato. indica uma ação anterior a uma outra ação no passado. Dora encarnará também a bravura e a coragem. ao afi rmar que “a greve é a festa dos pobres”. quando o autor ainda militava no Partido Comunista. apresentada a este pelo estivador João de Adão. Quando Dora chega ao bando. Essa postura pode ser notada em relação a Almiro. Alternativa a A forma verbal “vivera”. assumindo papéis semelhantes aos de seus companheiros. criticando uma sociedade capitalista excludente. Depois. chegando a usar roupas de menino e a participar das ações transgressoras do grupo. como João Grande e Barandão. para Pedro Bala. convidando os meninos ao movimento grevista. que se revela nos efeitos de traumas pessoais em seu comportamento. como Boa-Vida e Volta Seca. como João Grande. abandonado. pertence à primeira fase da obra de Jorge Amado. no pretérito mais-que-perfeito. Há os que praticam o catolicismo. não exatamente pela superação do preconceito. que tinha de manter em segredo suas relações homossexuais com Barandão. torna-se um ativo líder revolucionário. e a forma verbal “acompanhasse”. 6. é rechaçada e hostilizada pela maioria dos menores abandonados. Resolução a) A mudança vivida pelos Capitães da Areia acontece mediante o processo de politização pelo qual passam e que é determinado por diversas influências sofridas. como Pedro Bala e Professor. ela é lentamente aceita pelo grupo. aleijado e discriminado”. nesse ideário à formação de quadros dirigentes da luta operária.br/oAngloResolve. pai de Pedro. e. totalmente integrado ao projeto literário e ideológico dos escritores da “Geração de 1930”. e mulatos. As resoluções e comentários são do curso Anglo: http://angloresolve. principalmente.cursoanglo. De indivíduos alienados e preocupados exclusivamente com a própria sobrevivência. no imperfeito do subjuntivo. é associado às mulheres: o de mãe e de irmã. é uma espécie de embrião da mudança. para a maioria do grupo. 5. A narrativa é desenvolvida por meio de uma linguagem marcadamente oral. chega a afirmar que “uma das leis do grupo era que não se admitiriam pederastas passivos”. tradicionalmente. com frases curtas e econômicas — como se nota no fragmento fornecido para leitura. os meninos passam a manifestar uma consciência coletiva que os torna mais atentos às injustiças sociais. 4. d) Orientação sexual: Esse é certamente o preconceito mais arraigado entre os Capitães da Areia. ao final da obra. pois faz com que o garoto crie uma identifi cação com as ações heroicas do pai. e os que são indiferentes às questões religiosas. os que seguem o candomblé.com. ligada ao realismo socialista.asp . por ser menina. b) Religião: A religião também não é motivo de preconceito entre os Capitães da Areia. será a base para a publicação de suas obras de denúncia social. Embora tipificado como um “menino pobre. Contudo. Resolução a) Raça e cor: Não se pode afirmar que exista preconceito de raça e cor entre os Capitães da Areia. Alternativa e Capitães da Areia. em que se descreve o tormento de Sem-Pernas. Capitães da Areia. publicado em 1937. 7. A imagem de Raimundo. ainda. entre elas. a fala do estudante Alberto. O desfecho panfl etário do livro interage com a vida pessoal de Jorge Amado e seu ideário político. A postura assumidamente esquerdista. e de noiva e mulher. o personagem alcança certo desenvolvimento psicológico. mas sim porque se atribui a ela o papel que. negros. como Pirulito. indica uma ação hipotética.Capitães da Areia Jorge Amado da morte de seu pai (antigo estivador que se destacara como líder grevista) e se completa quando ele próprio.