UNIVERSIDADE DO MINHO

LICENCIATURA EM ENGENHARIA MECÂNICA

TRIBOLOGIA
EXERCÍCIOS PROPOSTOS DE FREIOS E EMBRAIAGENS
(2ºSem/3ºAno)

1. Considere o freio de calço representado na figura 1, com 75 mm de largura. Sendo o coeficiente
de atrito igual a 0,20, calcule: i) o valor da pmax; ii) binário e iii) potência de travagem, para cada
uma das seguintes situações:
a) Admitindo que a pressão não é
constante ao longo do calço.
b) Admitindo que a pressão de
contacto é constante.

1000 N

B

A

200 rpm

O

Figura 1
2. Considere um freio de tambor com a configuração representada na figura 2. O tambor tem 250
mm de diâmetro, roda a 100 rpm e transmite uma potência de 5 cv. O coeficiente de atrito é de
0,30 e a largura do calço é de 60 mm.
a) Para a direcção de rotação
indicada, calcule a força F
necessária para parar o tambor
(considere as posições (1) e (2)
do pivot).

F

(1)

b) Determine a pressão de contacto.
c) Calcule a energia dissipada por
rotação.

ω
(2)

Figura 2

Freios e Embraiagens

1

A largura do calço é de 45 mm. ω Figura 3 4. 5. c) Admitindo que as condições ambientais podem provocar uma oscilação do coeficiente de atrito em +/. c) O calor gerado pela actuação do freio durante 5 s.32 e admite uma pressão de contacto máxima de 1000 kPa. com um calço de 30 mm de largura e um coeficiente de atrito médio de 0. b) A capacidade de travagem do freio. a 100 rpm. A figura 3 representa um travão de tambor de accionamento manual. Admita um freio de tambor com a configuração apresentada na figura 3. O freio representado na figura 4 tem 300 mm de diâmetro e é actuado por um mecanismo que exerce a mesma força F em cada calço. ω F F Figura 4 Freios e Embraiagens 2 . b) Calcule o binário de travagem (T). Os calços são idênticos e têm uma largura de 32 mm. determine: a) A pressão máxima verificada no calço.24. c) Calcule as reacções nos pinos (Rx e Ry). F b) O binário de travagem. a) Determine a força actuante em cada calço (F).3. com um material no calço com uma pressão máxima de funcionamento de 550 MPa e um coeficiente de atrito de 0. qual o valor máximo de energia que pode ser dissipado por rotação. Determine: a) A força máxima de actuação. O material de atrito proporciona um coeficiente de atrito de 0. Para uma força máxima de actuação estimada em 400 N.25.30%.

30. Se os calços forem actuados por uma força de 1000 N. com um coeficiente de atrito médio de 0. Freios e Embraiagens 3 .4 e tolera uma pressão de 9. determine: a) A força máxima de actuação (F). o valor de r é 90 mm e que os calços têm 30 mm de largura.6. admita que o diâmetro interior do tambor é 280 mm. b) A capacidade do freio (T). c) Calcule as reacções no pino mais solicitado (Rx e Ry).28. ω F Figura 5 7. Sabendo que a largura da maxila é de 30 mm. b) Determine o binário de travagem proporcionado por cada calço. a) Qual o valor máximo da pressão e em que calço se verifica. O coeficiente de atrito médio é de 0. A figura 6 representa um freio de tambor de expansão interna. Para o caso da figura 6. Os calços têm 32 mm de largura e são ambos actuados por uma força F de 2250 N. O diâmetro interno do tambor é de 300 mm e r é igual a 125 mm. c) A solicitação provocada no eixo da maxila (Rx e Ry).8 bar. b) O binário de travagem proporcionado por cada calço. que o material desta proporciona um coeficiente de atrito de 0. A figura 5 representa a maxila de um freio de tambor de expansão interna. determine: a) Qual o valor da pressão máxima em cada calço. F Pino F Pino Figura 6 8.

determine: a) A força máxima de actuação. calcule as reacções nos pinos. com quatro maxilas de expansão interna. b) Determine a capacidade do freio. determine: a) O valor da força F para um binário de frenagem de 45 Nm. sabendo que pressão admissivel é de 10 bar. Cada um dos pinos A e B suporta um par de maxilas. b) A capacidade de frenagem. A B FF Figura 7 10. As maxilas têm 75 mm de diâmetro. Para o freio de cinta da figura 9. a) Determine a força máxima de actuação. ω F Figura 8 11. Para o freio de cinta da figura 8.3 e que a cinta tem 50 mm de largura. F F c) Atendendo a que a rotação pode assumir qualquer um dos sentidos.25. A figura 7 mostra um travão tambor de 400 mm de diâmetro. O mecanismo de actuação deverá ser capaz de transmitir a mesma força F a cada maxila. ω b) A pressão máxima sentida pela cinta (b=30 mm). sabendo que o coeficiente de atrito presente é 0.9.24 e tolera uma pressão de 10 bar. O material utilizado gera um coeficiente de atrito de 0. F Figura 9 Freios e Embraiagens 4 . o coeficiente de atrito presente é 0.

b=75 mm. φ c) Qual o novo binário de travagem se a cinta fosse substituida por uma outra com menos 20% de largura e um coeficiente de atrito superior em 20%. A pressão máxima suportada pela cinta utilizada no travão esquematizado na figura 10 é de 630 kPa. determine: a) O valor das forças P1 e P2. m1=120 mm. α P Figura 11 14. a cinta tem 100 mm de largura. Admitindo que o tambor tem 350 mm de diâmetro. b) O binário de travagem. Admitindo uma velocidade de rotação de 200 rpm.2.25. determine a força F que é necessário aplicar para obter a potência máxima de travagem. α=250º e um coeficiente de atrito de 0. P1 P2 Figura 10 13. o ângulo de abraçamento é de 270º e o coeficiente de atrito médio é 0. e com m=80mm. determine qual o valor da potência de travagem se a pressão máxima tolerada pela cinta for de 500 kPa. A mesma cinta do problema 13 é utilizada num freio com geometria diferente (figura 12). Um travão de cinta esquematizado na figura 11 tem um tambor com 400 mm de diâmetro e uma cinta com 75 mm de largura. a=250 mm. ω e α.12. α F P2 P1 Figura 12 Freios e Embraiagens 5 . Assumindo o mesmo valor para as variáveis a. m2=90mm.

6 kg. Um velocípede possui um sistema de travagem composto por dois travões de disco. existindo a possibilidade de escolher o par de calços a utilizar (A ou B). µ=0. As rodas têm 26’’ de diâmetro. O coeficiente de atrito é de 0. b=20mm e α=45º Calço B: σadm B = 9.35. com um ângulo de abertura de 45º cada. O travão é utilizado. O material das pastilhas admite uma pressão de contacto máxima de 800 kPa e proporciona um coeficeinte de atrito de 0. com uma massa total de 150 kg. As partes móveis da máquina têm um momento de inércia dinâmico de 3. cada qual actuado pela acção de duas pastilhas (equivalente ao da figura 13). α c) O tempo necessário de actuação do freio para este imobilizar o velocipede. Para obter o efeito de travagem. Considere um travão de disco como o esquematizado na figura 13. determine: a) Qual dos pares devería ser escolhido? ω b) A energia dissipada pela actuação do freio seleccionado durante uma rotação. qual será o espaço percorrido até se imobilizar? 17.m2. quando este se desloca a 36 km/h (admita uma massa total igual a 85 kg). na sua capacidade máxima. F F Figura 13 16.3.25. F F Figura 14 Freios e Embraiagens 6 .4 e a pressão máxima de serviço de 10 bar. O diâmetro exterior das pastilhas é de 150 mm e o interior de 100 mm. depois de aplicado o travão. c) Admitindo que o freio é utilizado para parar um motociclo (com um diâmetro externo das rodas de 24”) a 70 km/h. Calço A: σadm A = 7.0x105 Pa. a) Qual o valor da força F que actua sobre cada uma das pastilhas. µ=0. b) Qual o binário de travagem. b) Qual o binário de travagem do conjunto. b=20mm e α=70º Atendendo aos valores fornecidos para cada um dos pares de calços.15. para parar uma máquina que roda a 200 rpm. a) Calcule a força F aplicada.5x105 Pa. ω c) Determine o número de voltas que o disco dá até parar. duas pastilhas opostas são carregadas hidraulicamente contra o disco rotativo com uma força F. O sistema de travagem de um velocipede é um constituído por um par de discos de 200 mm de diâmetro (um à frente e outro atrás).

19. determine: a) O valor do binário de travagem. a) Se for válida a teoria de desgaste uniforme. Calcule a força máxima de contacto e a capacidade da embraiagem. Para o freio cónico da figura 15. partindo de uma velocidade inicial de 300 rpm. com um coeficiente de atrito igual a 0. b) Pressão de contacto constante. Uma embraiagem de contacto axial tem quatro pares de superfícies de atrito (discos).1 e a pressão máxima de contacto é igual a 827 kPa. se fosse válida a teoria da pressão uniforme? 20. Ainda para o freio da figura 15. tem 250 mm de diâmetro externo e 100 mm de diâmetro interno. em 100 rotações. Considerando o freio da figura 15 com α=18º e mantendo os restantes parâmetros o valor usado no exercício 20. Uma embraiagem de contacto axial com uma única superfície de atrito. a Figura 15 21.4 e a força aplicada W é igual a 40 kgf. c=58mm e α=12º.18. admitindo cada um dos seguintes casos: a) Desgaste constante. qual será o valor do binário de travagem? c) Qual seria o valor do binário. O coeficiente de atrito presente é 0. o coeficiente de atrito é 0. qual será a força F necessária para uma pressão máxima de 700 kPa? b) No caso da alínea anterior. Freios e Embraiagens 7 . o binário da força de travagem duplicaria se se aumentasse o valor de c para o dobro (c’=116mm)? Comente.2. determine: c a) O binário de travagem. b) Qual será o valor da força axial necessária para desacoplar? 22. Sabendo que o valor das variáveis geométricas da figura são: a=500mm. com um diâmetro externo de 127 mm e interno de 76 mm. α c) Qual a pressão máxima de contacto na superfície do freio. W b Dm b) O trabalho de atrito realizado para imobilizar o veio. b=230mm.