You are on page 1of 2

Artigo "Construção de Portos", publicado na revista Sem Fronteiras do mês de abril/2010

CONSTRUÇÃO DE PORTOS Todos que estão na área de comércio exterior, em especial de logística e transporte, conhecem e deploram a inadequada logística brasileira. Nela, incluída a portuária. Em que temos custos de operação caríssimos. E que não ajudam nossas exportações e importações. Até pelo contrário. A logística portuária, e geral, conseguemtransformar custos de produção baixos em preços de venda altos. Como o conhecido caso da produção da soja. Que segundo se sabe, produzimos mais barato que os EUA, e colocamos no navio mais caro. Culpa da logística. Em que levamos 70% dela aos portos por rodovia. Enquanto os EUA levam 61% dela por hidrovia. Quanto à logística portuária, o Brasil precisa mudar sua política de construção e operação de portos. Esse precisa ser um negócio como outro qualquer. Como a abertura de uma loja qualquer de venda de algum produto. De modo a permitir à iniciativa privada liberdade para operar. Sabemos que a iniciativa privada está em todas as áreas da economia brasileira. E se houver alguma em que não esteja, não pode ser por proibição. O Brasil precisa de portos e terminais para poder dar conta do escoamento de sua carga de exportação. Bem como de importação. E as cargas internas, com o transporte de cabotagem. O negócio de portos precisa ajudar o país e não atrapalhar. Precisa fazer com que nossa logística tenha melhores condições de operação. E, certamente, de melhores preços. Com os empresários interessados no negócio, com liberdade de ação, a competição será mais interessante. E se o Estado quiser ter seus portos e terminais, que o faça também. Que possam competir em igualdade de condições. O porto tem que ser localizado conforme a conveniência da carga, e não de acordo com a escolha das autoridades. E quanto à carga a ser operada, também tem que ser uma escolha livre, de escolha dos futuros operadores. O porto não tem que ser necessariamente para determinado tipo de carga. Se houver conveniência de que seja para mais de um tipo de carga, que assim seja. Ele tem que cumprir um objetivo. E o porto ou terminal tem que poder ser de qualquer um que tenha interesse. E que tenha capital para o investimento e a criação de mais um pólo de operação portuária. Entendemos que não deve ser apenas uma opção para os donos de determinada carga, e que como exportadores ou importadores, tenham interesse na operação própria. Portanto, como já ficou claro, o porto tem que ser um “loja” de venda de mercadorias. No presente caso, venda de embarque e desembarque de carga. Assim, de quem estiver interessado no investimento. Temos, no Brasil, portos muito caros e pouco eficientes. Com mais portos e terminais, aumentando a

concorrência, a eficiência e preços mais adequados será apenas uma conseqüência. Enquanto não tivermos a livre iniciativa implementada, portos adequados ao comércio internacional, nossa logística continuará extremamente cara. E sem uma logística portuária compatível com o nível internacional, não teremos as mesmas condições de competição de outros países. Com as atuais condições, continuaremos com nossa ínfima participação no comércio internacional. De cerca de 1% de tudo aquilo que se transaciona. O País tem bons produtos, de nível internacional. Que podem ser vendidos para qualquer país. temos alguns. Assim através de nossos portos, temos que assumir nosso destino. Que é de ser um player de peso. Temos condições de deslocar competidores. É apenas desejarmos. Samir Keedi, Economista, professor da Aduaneiras e Universitário, e autor de vários livros em comércio exterior. e-mail: samir@aduaneiras.com.br