You are on page 1of 2

CARTA DE TRUMAN A PIO XII Por ser de grande valor histórico transcrevemos a carta que o Presidente Truman, da América

do Norte, escreveu ao Papa Pio XII. Foi transcrito de ³La Voz de Juarez´ do México, que por sua vez traduziu de ³The ConveriedCatholic´, e que agora traduzimos de ³El Sol´ de 25 de Janeiro de 1949, Alajuela. Costa Rica.

Casa Branca Washington D.C. Estimado Senhor Pacelli Como batista e chefe da maior e mais poderosa nação do mundo e na qual todos me chamam ³Senhor Truman´, não me posso dirigir ao senhor como Sua Santidade, título que pertence somente a Deus. Nos Estados Unidos consideramos todos os homens iguais perante Deus e nos dirigimos a eles por seus verdadeiros nomes. Por isto dirijo-me ao senhor como ³Senhor Pacelli´. O povo que me elegeu é uma nação democrática, amante da paz. É meu dever, portanto, buscar a cooperação dos que têm dado provas de que realmente desejam a paz, e trabalham para obtê-la, e não dos que gritam a paz e fomentam a guerra. Creio que nem o Sr. Nem sua igreja se encontram entre os que buscam verdadeiramente a paz e trabalham por ela. Em primeiro lugar, os fundadores desta grande nação, conhecendo, pela história, a natureza de sua igreja, amante da política e da guerra, assentaram, como primeiro princípio do nosso governo, que não se permitiria em nossos assuntos qualquer intromissão de sua parte. Eles aprenderam a lição da história européia, e estamos convencidos de que nossa democracia na subsistirá se nos enredarmos como fizeram os governos europeus, em vossas doutrinas e intrigas políticas. Tomas Jefferson, um dos mais sábios de nossos patrícios, disse-o claramente, quando declarou: A história não nos proporciona exemplo de lagum povo, que, manejado pelos sacerdotes, mantenha um governo civil livre. Será, portanto, o Senhor, a última pessoa no mundo capaz de instruir-me quanto à maneira de dirigir meu povo na senda da paz.

Alguns tantos fatos podem ajudá -lo a refrescar a memória. Foi o Papa Pio XI quem iniciou toda a agressão mediante os acordos com Mussolini, em 1929. Nessa data, a civilização crista se viu escuramente traída. Nessa data começou o horror que deixou a Europa e o mundo na triste condição em que o vemos. Notável escritor e historiador americano, Lewis Munford, que não é comunista nem odeia os católicos, escreveu o seguinte no seu livro ³Faith for Living´ que se publicou em 1940: ± ³Efetuou-se claramente a traição ao mundo cristão, em 1929, com a concordata entre Mussolini e o Papa´. Também nos disse: ³Infortunadamente os propósitos do fascismo estão em profundo conflito com os de uma republica livre como os Estados Unidos. Com esses propósitos a Igreja Católica tem sido uma aliada das forças da destruição´. Muitos poucos americanos conheciam a verdadeira natureza do fascismo, como o senhor e Pio XI devem tê-la conhecido, visto que a fomentaram e aliaram vossa Igreja com ela. O Sr. Mesmo foi especialmente preparado , quando jovem sacerdote, para o propósito específico de ajudar a Alemanha a prepara-se para as guerras mundiais. O Sr. e o Kaiser, desde a Suíça, urdiram intrigas contra os aliados durante a 1ª guerra mundial. O senhor esteve dois anos na Alemanha durante a ascencao de Hitler: negociou com ele. Juntamente com o execrável Von Paper, um nobre Papa ajudou Hitler a subir ao poder e pôr sua assinatura, Eugênio Cardenal Pacelli, junto com a de Hitler, na Concordata do Vaticano com o Reich de Hitler, em 1933. Ninguém acreditará que o senhor ignorava que Hitler e seus nagis estavam formando um concluio contra nós. O próprio biografo católico disse qu e o Sr.

era durante anos o homem mais bem informado do Reich. Depois que o senhor e Von Paper firmaram a concordata que salpicou Hitler de água benta e lhe deu o impulso de que ele necessitava, seu colega Von Paper que, a duras penas, escapou do patíbulo de Nürenberg, jactou-se da seguinte maneira: ³O Terceiro Reich é o primeiro poder que não apenas conhece, como ainda põe em pratica os princípios do alto papado.´ Seus cardeais e bispos, em Roma, abençoaram as armas de guerra, erguidas contra os indefesos etíopes. Schuster, cardeal de Milão, proclamou o roubo da Etiópia como uma Cruzada Santa, ³para levar à Etiópia a Cruz do Cristo´. Contudo o senhor chama sua Igreja de ³Igreja de Deus´ e, por conseqüência, pretende que eu, chefe de um Estado Civil, o admita como superior a mim e ao povo de Estados Unidos. O senhor fala com palavras melosas a respeito da justiça. Ao mesmo tempo conclama com tambores a outra guerra, que será mais terrível que as duas anteriores, contra a Rússia, que nos ajudou a derrotar Hitle r e Mussolini. O senhor está incitando os EE. UU. para que, quanto antes, vão à guerra com a Rússia, e usa contra a Rússia os mesmos brados de guerra que empregaram Hitler e Mussolini, para construir seus detestáveis e diabólicos regimes. O senhor quer que desperdicemos nosso dinheiro e enviemos nossos jovens americanos a uma trucidação sobre os

cadáveres de Hitler e Mussolini, para concluir a luta que eles iniciaram com sua ajuda e que nós derrotamos. Sim, os EE. UU. desejam a paz. De todas as nações somente a nós nos foi dado um pouco de prosperidade e decência. Somos o baluarte das liberdades democráticas protestantes. Se nos, como a Inglaterra protestante, nos debilitarmos e perdermos nossa substância, sua cultura católica terá a oportunidade de governar outra vez o mundo. O senhor facilmente poderia aliar-se com a Rússia contra nos se perdêssemos uma guerra desta natureza e ficássemos debilitados. Sem predecessor, Pio XI declarou publicamente que faria pacto com o próprio diabo, se isto conviesse aos interesses de sua Igreja. Portanto, senhor Pacelli, é meu dever, como cabeça deste país, predominantemente protestante, rechaçar suas aventuras à guisa de aliança de pacto de paz. Os que comem no prato em que o diabo está comendo devem usar uma colher muito grande. Continuarei buscando a paz como bom batista, sustentando os retos e honrados princípios protestantes que fizeram grande a nossa nação, e prosseguirei trabalhando pos eles. Sinceramente, Harry S. Truman. ***
N.R. Limitamo-nos à transcrição do que se acha no periódico portorriquenio sem qualquer outra responsabilidade.