You are on page 1of 5

Substantivando a democracia, para além da ação e aquém da instituição, em uma reflexão cooperativa

34º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS ST34: Teoria política: instituição e ação política. TÍTULO: Substantivando a democracia, para além da ação e aquém da instituição, em uma reflexão cooperativa. Autor: Mateus Braga Fernandes. Instituição: IPOL/UnB. RESUMO: Este ensaio, parte de dissertação de mestrado, pretende investigar um dos aspectos da noção de democracia substantiva: a possibilidade de que ela seja caracterizada como uma “reflexão cooperativa”, a partir da inversão da fórmula proposta por Axel Honneth, e apoiada na concepção política de Hannah Arendt. É a partir dessa constelação que se pretende indicar que um outro locus de emergência da política no mundo contemporâneo encontra-se não somente na teoria da ação, mas também na vida do espírito humano, partilhada entre os homens. Assim, espera-se sustentar alguns dos ganhos teóricos da manutenção da faculdade do Juízo e da capacidade de Compreensão como potencializadoras da atividade política, para além da mera ação. E, finalmente, espera-se apresentar também algumas dificuldades em se articular estas ideias frente a possíveis limitações institucionais.

1

Substantivando a democracia, para além da ação e aquém da instituição, em uma reflexão cooperativa

RESUMO EXPANDIDO:

A partir do interesse geral de buscar amparo teórico para investigar alguns aspectos sobre “o que acontece quando as pessoas fazem política”, tanto em momentos de continuidade e paz como em momentos de conflitos e rupturas, este ensaio apresenta um trecho dos caminhos trilhados na dissertação de mestrado intitulada O Juízo e a Compreensão na ruptura política: uma leitura arendtiana sobre desafios da democracia. A partir de revisão bibliográfica de alguns dos escritos de Hannah Arendt1, apoiada também em autores como John Dewey e Axel Honneth, pretende-se lançar nova luz sobre como e em que medida a obra arendtiana nos permite reconstituir a imagem teórica da “coisa política” frente aos desenvolvimentos contemporâneos da democracia. Neste ensaio, condiciona-se essa reconstituição à substantivação da ideia de democracia e à possibilidade de que ela seja entendida como uma “reflexão cooperativa”. Com isso, espera-se indicar que um outro locus de emergência da política no mundo contemporâneo encontra-se não somente na teoria da ação, mas também na vida do espírito humano, partilhada entre os homens. Seria também a vida do espírito promotora da atividade política? Seria possível admitir que o “fato de termos de julgar cotidianamente”2 pode ser encarado como outra abordagem ao problema político da ação e das instituições humanas? O primeiro indício que aponta para a possibilidade desta proposta diz respeito à leitura que Axel Honneth faz da obra de John Dewey, no que tange a sua visão sobre democracia3. Para Honneth, a diferença da proposta deweyana em relação ao republicanismo e ao procedimentalismo dá-se na prevalência da cooperação social sobre a consulta comunicativa, ainda que aquela seja, na verdade, uma “forma reflexiva de cooperação comunitária” 4, e que esta seja somente uma forma de “discurso intersubjetivo”5. É desse modo que a expressão
1 Em especial, cf. ARENDT, 1990; ARENDT, 1993; ARENDT, 1999a; ARENDT, 1999b; ARENDT, 2001; ARENDT, 2004; ARENDT, 2008; e CHAVES, 2009. 2 É do problema cotidiano de “ter que julgar” os acontecimentos que parte Arendt em sua filosofia do espírito. Ainda que o imperativo da razão pudesse guiar a conduta dos homens, Arendt assume não ser este, sempre, o caso. É com o que “surge na ruptura” que se tem de lidar e julgar – e, para isso, não basta somente gostar ou desgostar. Se é problemático o exercício da faculdade do juízo – porquanto, de antemão, ela se assume ligada ao gosto – também é problemático seu desuso, sua desautorização, seu esquecimento: o problema de não julgar os acontecimentos é que, ao não julgar, pode-se tornar cúmplice. Cf. ARENDT, 1999a. 3 Cf. HONNETH, 2001. pp. 63-91. 4 HONNETH, 2001. p. 67. 5 HONNETH, 2001. p. 70.

2

Substantivando a democracia, para além da ação e aquém da instituição, em uma reflexão cooperativa

“reflexão cooperativa”, proposta neste ensaio, surge: como uma inversão da fórmula de Honneth para caracterizar a democracia deweyana. Esta inversão, em princípio, será utilizada para enfatizar que uma reflexão pode ou não ser cooperativa – embora o interesse deste ensaio seja, justamente, na reflexão apoiada no sensus communis6 – e que nem toda “cooperação”, seja ela reflexiva ou não, tem ligação direta com democracia, como propõe Honneth. Este termo se desenvolve, na verdade, a partir da proposta arendtiana da comunidade de observadores, tal como apresentada em suas Lições sobre a Filosofia Política de Kant7. Mais especificamente, pretende-se verificar se a faculdade do Juízo e a capacidade de Compreensão podem ser vistas como uma atividade de “reflexão cooperativa”, mostrando que há outras atividades políticas para além do que se pode chamar de “teoria da ação” arendtiana. Explora-se o argumento de que a faculdade do Juízo cria uma comunidade de observadores – diferentemente da comunidade de atores (agentes políticos) – e de que o exercício da Compreensão fortalece os laços de cooperação e favorece o reconhecimento (das narrativas e das ações) de outros agentes, quando realizada a partir desta reflexão apoiada no sensus communis. O segundo aspecto abordado neste ensaio trata do caminho percorrido por Arendt, a partir do estudo da coisa público-política em direção ao estudo da vida do espírito e, em particular, entre o estudo da vita activa e a faculdade de Juízo – a “faculdade do espírito humano para lidar com o particular”8. Este caminho permite conceber algumas aproximações entre a criação do espaço público particularmente político e uma noção “forte” de democracia, a qual chamaremos de “democracia substantiva”, que articula a ação e a observação e que vincula a cooperação à reflexão. Entretanto, este ensaio não se propõe a definir democracia à luz do pensamento arendtiano, mas pretende, principalmente, fazer conexões entre as ideias originais de Arendt – no que tange à política e à faculdade do juízo – e uma possível apreensão dessa noção de “democracia substantiva”, caracterizada com base no texto de Honneth sobre John Dewey.
6 “É a este sensus communis que o juízo apela em cada um, e é esse apelo possível que confere ao juízo sua validade especial. O ‘isto me agrada ou desagrada’ que, na qualidade de sentimento, parece ser totalmente privado e incomunicável, está na verdade enraizado nesse senso comunitário e, portanto, aberto à comunicação uma vez que tenha sido transformado pela reflexão, que leva em consideração todos os outros e seus sentimentos” (ARENDT, 1993. p. 93. ). 7 Cf. ARENDT, 1993. pp. 76-83. 8 ARENDT, 1993. p. 22.

3

Substantivando a democracia, para além da ação e aquém da instituição, em uma reflexão cooperativa

Assim, se é possível substantivar a democracia em uma “reflexão cooperativa”, podese expor alguns dos ganhos teóricos em se sustentar a manutenção da faculdade de Juízo e da capacidade de Compreensão como potencializadoras da atividade política, como mediadoras de conflitos e como promotoras desta visão radical de democracia. Entretanto, diante das críticas e ponderações feitas por leitores e comentadores da obra arendtiana, devem ser apresentadas ainda algumas dificuldades em se articular estas ideias frente a possíveis limites institucionais, quer eles se imponham à ação dos atores, quer surjam diante da atividade dos observadores9. Vê-se que, para Arendt, a vida do espírito é preservada, por vezes mais, por vezes menos, da situação atual da política. E, embora as faculdades do pensamento e da vontade não tenham ajudado Arendt a desenvolver diretamente sua teoria política – porquanto ela estava baseada na vita activa e na ação imprevisível e irreversível – são elas que abrem caminho para explorar os modos de vida que tornam possíveis a política. Assim, é a última destas faculdades – o julgar – que se revela surpreendentemente política, à maneira de Kant. Mais ainda, é no exercício do juízo que se poderia compreender melhor aquilo que leva o homem a tornar-se um ser atuante. E, nesse sentido, é a distância – que permite a amizade, que estimula a operação de imaginação-reflexão, que facilita a observação e a capacidade de não tomar parte na disputa – que faz retornar à política a singularidade do homem e a particularidade de seu olhar. Dessa maneira, se Arendt inclui em seu pathos da política a articulação da vida dos homens em pluralidade com o estudo da vida do espírito humana é porque as faculdades do espírito ainda podem ser preservadas diante de condições políticas adversas. Portanto, é na vida do espírito que o “sentido comunitário” – condição de possibilidade da sociabilidade e caracterizado pela “existência de cooperação”10 – se encontra ainda intacto, como o punhado de possível que volta e meia é necessário para não se sufocar. O mundo voltaria, assim, a ser um acontecimento particular a ser partilhado e reconhecido em sua generalidade, e não o contrário. O homem voltaria a respirar e a política poderia voltar a fazer parte do homem – e, quiçá, do mundo.

9 Sobre os limites da teoria política da ação de Arendt diante de sua própria defesa da república “como uma forma de governo em que as instituições têm um papel central”, cf. ABREU, 2004. 10 HONNETH, 2001. p. 71.

4

Substantivando a democracia, para além da ação e aquém da instituição, em uma reflexão cooperativa

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CITADAS:

ABREU, Maria Aparecida [2004]. Hannah Arendt e os limites do novo. [Col.: Invenção & Crítica; Grabriel Cohn]. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2004. ARENDT, Hannah [1990]. Da revolução. [Trad.: Fernando Dídimo Vieira, Rev.: Caio Navarro de Toledo]. 2ª ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília; São Paulo: Editora Ática, 1990 [orig. 1963, 1968]. ARENDT, Hannah [1993]. Lições sobre a filosofia política de Kant. [Trad.: André Duarte de Macedo]. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993 [orig. 1982]. ARENDT, Hannah [1999]. Eichmann em Jerusalém. [Trad.: José Rubens Siqueira]. São Paulo: Companhia das Letras, 1999a [orig. 1964]. ARENDT, Hannah [1999]. O que é política?. [Edit.: Ursula Ludz; Trad.: Reinaldo Guarany; Pref.: Kurt Sontheimer]. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999b [orig. 1993]. ARENDT, Hannah [2001]. A condição humana. [Trad.: Roberto Raposo; Posf.: Celso Lafer]. 10ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001 [orig. 1958]. ARENDT, Hannah [2004]. Responsabilidade e julgamento. [Edit.: Jerome Kohn; Rev.: Bethânia Assy, André Duarte; Trad.: Rosaura Einchenberg]. São Paulo: Companhia das Letras, 2004 [orig. 2003]. ARENDT, Hannah [2008]. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. [Trad.: Cesar Augusto R. De Almeida, Antônio Abranches, Helena Franco Martins]. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008a [orig. 1971, 1978]. CHAVES, Rosângela [2009]. A capacidade de julgar: um diálogo com Hannah Arendt. [Posf.: Adriano Correia]. Goiânia: Ed. da UCG, Cânone Editorial, 2009. HONNETH, Axel [2001]. “Democracia como cooperação reflexiva: John Dewey e a teoria democrática hoje”. In: SOUZA, Jessé (Org.). Democracia hoje: novos desafios para a teoria democrática contemporânea. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001. pp. 63-91.

5