TRÁFICO HUMANO

ÍNDICE
Introdução«««««««««««««««««««««««««««««..3 Causas deste fenómeno««««««««««««««««««««««««..4 Perfil das vítimas««««««««««««««««««««««««««....4 Quais os sítios mais abalados pelo tráfico de pessoas«««««««««««««5 Como evitar/combater o tráfico«««««««««««««««««««««.6 Quais as instituições existentes que ajudam/acolhem vítimas«««««««««...8 Quais as iniciativas existentes e os seus objectivos«««««««««««««..8 Conclusão«««««««««««««««««««««««««««««10 Bibliografia««««««««««««««««««««««««««««...11

2

INTRODUÇÃO
Segundo a convenção contra o Tráfico de Seres Humanos do Conselho da Europa (assinada em Varsóvia, em 2005), ³tráfico de seres humanos´ significa o recrutamento, transporte, abrigo e recolha de pessoas através da ameaça, uso de força ou de outras formas de coerção, fraude e decepção, pelo uso abuso de poder e à custa da vulnerabilidade da própria pessoa, devido ao pagamento de remuneração e/ou de outros benefícios para obter o seu consentimento com a finalidade de exploração sexual. A exploração inclui, no mínimo, a exploração advinda da prostituição de alguém e/ou de outras formas de exploração sexual, trabalho e/ou serviços forçados, escravatura ou prática semelhantes à escravatura, servidão e tráfico de órgãos humanos´. Tráfico humano é uma forma moderna de escravatura, que contraria os princípios de liberdade e dignidade. Segundo relatórios, milhões de pessoas são sujeitas ao tráfico, em todo o mundo. As técnicas usadas pelos traficantes e as formas, nas quais, o tráfico se manifesta são variadas, mas há em comum a exploração de pessoas por outras pessoas. O tráfico de seres humanos abrange várias realidades, tais como a migração, o crime organizado, a exploração sexual e laboral, venda de órgãos e adopção. Estima-se que, todos os anos, mais de 700.000 pessoas são vítimas de tráfico para fins de exploração sexual e laboral. As vítimas sofrem maus-tratos, violações, ameaças e são privadas da sua dignidade e dos seus direitos. Segundo a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), as crianças representam mais de 30% do tráfico de seres humanos, estimando-se que 1,2 milhões são vendidas anualmente para a mão-de-obra na agricultura, minas ou para a exploração. As mulheres (crianças e adultas) representam cerca de 70% do tráfico humano, cerca de 4 milhões de mulheres, meio milhão só na Europa Ocidental e 700 mil para os EUA, sendo a maioria explorada para fins de prostituição. A restante percentagem (30%) diz respeito aos homens, que são explorados para fins laborais, para trabalho forçado. Julga-se que o tráfico humano gera, anualmente, cerca de 9,5 mil milhões de dólares. Por isso, trata-se de um negócio que render altos lucros, sendo, portanto, muito aliciante.

3

CAUSAS DESTE FENÓMENO
Uma das principais causas do tráfico humano reside na migração de pessoas, que, devido às condições de saída do país de origem e as de chegada aos países de destino colocam as pessoas migrantes em situações de dependência e de vulnerabilidade, tornando-se alvos fáceis para redes criminosas que pretendem obter lucros. As pessoas emigrantes facilmente entram numa cadeia de explorações a vários níveis, ao longo do seu percurso migratório, desde a origem até ao destino. Na base destes movimentos estão, entre outros factores, a pobreza, a falta de meios para garantir a subsistência a curto e a médio prazo, a procura de melhores condições de vida, a ausência de oportunidades de trabalho e, no limite, a fuga à fome, à miséria e a uma morte anunciada. Consta-se que as mulheres migrantes são as mais vulneráveis aos abusos cometidos contra os direitos humanos. Para além disso, outra causa que levam as pessoas a serem traficadas são as situações de promessas de trabalho enganadoras, feitas na maioria dos casos, por amigos ou familiares e estão ligados à decisão de viajar e pretender trabalhar noutro país. Esta causa é reveladora da extrema complexidade de um fenómeno que se insinua no seio de relações de proximidade das vítimas, tornando-se ainda mais difícil prevenir. Existem também casos de tráfico devido razões aventureiras ou possíveis relacionamentos que as pessoas arriscam a fazer, por intermédio da internet. Por último, as vítimas podem sofrer perturbações mentais.

PERFIL DAS VÍTIMAS
A seguir vou descriminar as principais características das vítimas de tráfico, em Portugal: Sexo feminino: A maioria das vítimas são:
y

Solteiras, com, aproximadamente, 30 anos e o desvio-padrão das idades pode variar entre 22 e 38 anos;

4

y

Estrangeiras (nomeadamente brasileiras, mas existem vítimas com cerca de uma dúzia de nacionalidades); 2/3 encontram-se em situação ilegal; Exploradas sexualmente, na Região Norte do país, a trabalhar em estabelecimentos de diversão nocturna;

y y

Sexo masculino: A maioria das vítimas são:
y

Solteiras e a idade é, também, de, aproximadamente, 30 anos e o desvio-padrão é ligeiramente superior ao das mulheres; Estrangeiras (nomeadamente oriundos de países de Leste); Associadas a formas de exploração laboral em quintas ou construção civil ou coagidas para a prática de crimes (sobretudo de furtos); Os restantes aspectos são semelhantes aos das mulheres.

y y

y

Crianças:
y

Oriundas de países afectados por conflitos, sem autoridades que possam protegêlas. São espancadas, violadas, compradas, vendidas, arrancadas das suas casas devido à guerra e forçadas a servir como soldados ou escravas sexuais.

y

SÍTIOS MAIS ABALADOS
O tráfico de pessoas é mais comum em países em desenvolvimento como os países da América Central e do Sul, África e Ásia. Mas em continentes como na Europa o tráfico surge em países como Ucrânia, Moldávia, Rússia e Roménia. Por exemplo, na região Ásia-Pacífico cerca de 30 milhões de mulheres e crianças foram vítimas, nas últimas três décadas, de tráfico humano. São, na maioria, adolescentes explorados em escritórios ou obrigados a prostituir-se. Nesta zona, nomeadamente, na região do sudeste asiático, o governo não enfrenta esta situação e os polícias acabam por ajudar os criminosos a protegê-los. Na China constata-se que, todos os anos, 10 a 20 mil pessoas possam ser vendidas a redes organizadas, internacionais.
5

no entanto,

as autoridades chinesas contestam números

Efectivamente, as redes organizadas oferecem preços mais altos por rapazes: um indivíduo do sexo feminino confessou numa gravação da polícia que raptou crianças, há dois anos, e recebia 1200 dolares (848 euros) por um rapaz e pouco mais de 200 (141 euros) por uma rapariga. Em África, países como África do Sul e muitos outros, não têm uma legislação que criminalize o tráfico humano, piorando mais a situação. Algo que preocupa as autoridades é a possibilidade de aumentar o tráfico de mulheres para a prostituição, com a chegada do Mundial de Futebol. As zonas de África mais afectadas são a Ocidental e Central, onde o trabalho forçado e a remoção de órgãos são as razões mais comuns para o tráfico. Portugal não surge como país de origem de vítimas, mas sim de destino ou passagem para países mais desenvolvidos, sendo os agressores os de nacionalidade portuguesa. As vítimas que são traficadas para Portugal são provenientes do Brasil, países da Europa de Leste e Central e de países africanos de língua portuguesa.

COMO EVITAR/COMBATER O TRÁFICO
De facto, o tráfico humano está associado a um dos tipos de crime mais graves da nossa sociedade. No entanto, consegue ser bem ocultado pelas redes criminosas, dificultando a tarefa das autoridades. Segundo a Polícia Judiciária, nos últimos cinco anos foram instaurados apenas 129 processos relacionados com tráfico humano, sendo um número muito reduzido e inferior à realidade. Efectivamente, o país tem adoptado várias medidas no sentido de neutralizar as redes de tráfico. Manuel Albano, relator do Plano Nacional Contra o Tráfico de Seres Humanos, garante que 43 medidas das 63 previstas já foram executadas. Para além disso, confessa que Portugal atacou tarde e tem que cooperar internacionalmente. Um relatório fornecido pelo departamento de estado norte-americano revela que Portugal tem intensificado a investigação e perseguição ao tráfico de seres humanos, bem como alguns mecanismos de prevenção. Todavia, não foi fornecido o número de infractores condenados e sentenciados em 2008, apesar de Portugal ter identificado um número significativo de vítimas deste tipo de crime, nesse ano.

6

Além disso, o relatório recomenda que o país melhore os procedimentos de apoio e assistência às vítimas, envolva as organizações não -governamentais na identificação inicial das potenciais vítimas e faça campanhas de sensibilização sobre o tráfico de pessoas e exploração sexual. Também, recomenda a formação de especialistas no combate ao tráfico de pessoas. Há alguns anos atrás, o país carecia de uma legislação específica sobre o tráfico para exploração laboral - o crime mais próximo previsto na lei era o da escravidão, mas este era muito difícil de provar. O código penal previa o crime de tráfico de pessoas, apenas para exploração sexual. Só mais tarde é que o Governo tipificou os crimes de tráfico humano para exploração laboral e de comercialização de pessoas, abrangendo estes últimos casos de venda para fins de exploração sexual, venda de órgãos e adopção. Actualmente existe um sistema de monitorização (em funcionamento desde 2008) que, tem ajudado as autoridades a estimarem os números de pessoas vítimas deste crime. Em consequência, os casos registados permitiram abrir investigações, a fim de compreender o quadro social específico em que o tráfico de seres humanos e a criminalidade associada se manifestam, porque esses casos sugerem sempre situações em que as manifestações de discriminação social, de ilicitude, de violência do género, bem como de outros tipos de crimes, estão presentes. Recentemente, foi revelado, pela Direcção-Geral dos Serviços Prisionais, que apenas um recluso foi condenado a uma pena efectiva, devido a exploração laboral e sexual, após intensas buscas da polícia, no combate ao tráfico, que duraram 3 anos. Isto deve-se ao facto de o crime de ³tráfico de pessoas´ ser punível com pena de cadeia entre os três e os dez anos, podendo o juiz suspender todas as penas até cinco anos de prisão. Por isso, há condenados que escapam de uma pena, uma vez que são situações de especial complexidade cuja prova de todos os elementos é difícil. Os suspeitos acabam por ser detidos por outros crimes como sequestro, rapto ou até ofensas à integridade física. Apesar de tudo, a Polícia Judiciária já desmantelou várias redes que se dedicam à exploração sexual e/ou à exploração laboral.

7

QUAIS AS INSTITUIÇÕES EXISTENTES QUE ACOLHEM VÍTIMAS
Em Portugal, existem várias instituições que podem ajudar vítimas de tráfico, entre elas, a associação para o planeamento da família. Esta associação não está totalmente direccionada para a resolução do tráfico, mas sim para a questão da saúde sexual e reprodutiva, no caso das pessoas que são exploradas sexualmente. Para além disso, existe o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que contém três áreas de intervenção (controlo de fronteiras, fiscalização de estrangeiros e investigação criminal relacionada com a imigração ilegal, redes de auxílio à imigração ilegal e tráfico de pessoas) e conta actualmente com 1500 funcionários, 800 dos quais pertencem à carreira policial e com competências similares à Polícia Judiciária. Há, também, em Portugal, um Observatório de Tráfico de Seres Humanos que possui uma rede de apoio e protecção a vítimas de tráficos (RAPVT) e centro de acolhimento e protecção. Por último, existe, no quadro da Polícia Judiciária, a Delegação Regional do Norte da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CAIM) constituída por actualmente 80 pessoas, ao passo que a Delegação do Norte é constituída por 13 pessoas. O presidente é Manuel Albano, sendo, também, ele coordenador e relator do primeiro plano nacional contra o tráfico humano. De facto, existem ainda mais instituições como o Centro de Acolhimento de Mulheres Vítimas de Exploração Sexual.

QUAIS AS INICIATIVAS/CAMPANHAS EXISTENTES
Nos últimos anos têm-se intensificado as campanhas de luta contra o tráfico. Por exemplo, existe um dia em que se celebra essa luta ± o dia 18 de Outubro ± em toda a Europa. Para além disso, o I Plano Nacional Contra o Tráfico de Seres Humanos, aprovado em Conselho de ministros para o triénio 2007-2010, desenvolveu uma campanha contra o tráfico, tendo como objectivo a sensibilização e a denúncia deste crime. Internacionalmente, a televisão MTV tem, também, desenvolvido campanhas juntamente com algumas bandas famosas (the killers, Radiohead), para alertar contra o
8

tráfico e exploração humanas. De facto, a divulgação deste fenómeno através da música pode contribuir para aumentar a sensibilização. Por último, em 2005, foi produzido um filme que chamou a atenção para este problema, denominado´ Human Trafficking´. A cena centra-se em vários casos de pessoas que nunca mais foram vistas pela família, pois foram raptadas e um detective que tenta encontrá-las. Segundo a revista ³Forbes´, este filme foi considerado como um dos mais importantes ³shackers´ do ano de 2005.

9

CONCLUSÃO
Sem dúvida que estamos a caminhar bem, no sentido combater o tráfico humano: as autoridades estão mais atentas e preparadas para enfrentar possíveis casos; a sociedade tem vindo a ser alertada, mesmo sendo de forma lenta; os números de pessoas traficadas tem diminuído, assim como o número de redes. No entanto, ainda continuam muitas pessoas a ser traficadas e, imprevisivelmente, podemos ser nós vítimas. A não sensibilização devida pode prejudicar a nossa própria segurança e, por esse facto, o governo deve apostar em mais campanhas, já que actualmente existem poucas. Pessoalmente, confesso nunca ter visto uma reportagem que abordasse o tema do tráfico humano, algo que me intriga profundamente, uma vez que estou seriamente convencida que, o desaparecimento de alguns jovens portugueses e a inexistência de pistas, se devem a uma possível mão criminosa associada ao tráfico humano.

10

BIBLIOGRAFIA
Sites da internet: www.jn.pt www.dn.pt www.africatodayonline.com/pt/ www.exercitodesalvacao.pt www.observatoriodoalgarve.com www.igualdade.gov.pt/ www.cnn.com www.atrevidax.com www.inverbis.net www.a-pagina-da-educacao.pt/ www.mtv.pt www.wikipedia.org www.apf.pt www.otsh.pt Jornais: ³Jornal de Notícias´ - dia 12 de Abril de 2010

11

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful