You are on page 1of 5

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA REUNIÃO DE

REVISÃO DO SISTEMA BETHESDA DE NOMENCLATURA EM
CITOPATOLOGIA CÉRVICO-VAGINAL - "THE BETHESDA SYSTEM
2001 WORKSHOP".
Local: National Cancer Institute, National Institutes of Health.
Natcher Center . Bethesda , Maryland EUA
Período: 30/04 a 02/05/2001.
A - INTRODUÇÃO:
Em 2000 o National Institutes of Health dos EUA, por intermédio do National
Cancer Institute, convidou a Sociedade Brasileira de Citopatologia – SBC a
participar como co-patrocinador do "WORKSHOP MEETING" elaborado para
proceder à revisão do Sistema Bethesda denominado "The Bethesda System 2001
– A revised uniform terminology to report the results of Cervical
Cytopathology" a se realizar em Bethesda, Maryland em maio de 2001.
Honrada com o convite e face à magnitude do evento, a Diretoria da SBC decidiu
enviar uma delegação representativa com quatro de seus Diretores e solicitou ao
Ministério da Saúde apoio financeiro. Este se dispôs a colaborar com duas
passagens aéreas e, em contrapartida, sugeriu a incorporação de duas
representantes do Instituto Nacional de Câncer - INCA à representação da SBC.
A delegação enviada foi constituída por:
Carlos Alberto Ribeiro – Presidente da SBC
Antônio Luiz Almada Horta – Secretário Geral da SBC
Luiz Martins Collaço – Coordenador Científico da SBC
Elias Fernando Miziara – Presidente do Conselho Consultivo da SBC
Lucilia Maria Gama Zardo – Médica do Instituto Nacional de Câncer
Marilene Filgueiras Nascimento – Médica do Instituto Nacional de Câncer
O workshop foi idealizado sob forma de grupos operacionais que desenvolveram
um trabalho inicial de compilação de dados e disponibilizaram, via Internet, os
seguintes tópicos de discussão, baseados no Sistema de Bethesda 1991:
1- Adequacidade da amostra
2- Alterações celulares benignas e infeções
3- Lesões intra-epiteliais escamosas de baixo e alto grau
4- Atipias de células escamosas de significado indeterminado
5- Triagem do Vírus do Papiloma Humano

. ► A avaliação da satisfatoriedade passaria a contemplar pelo menos 2 grupos com 10 células metaplásicas ou endocervicais – diferente do atual que contempla 2 grupos com pelo menos 5 células. citólise. Adequacidade da amostra: ► Proposto exclusão do item "Satisfatório mas limitado por. Classificação geral: ► Alteração da expressão "Dentro dos limites da normalidade". o Encontro optou por realizar para 2001 poucas modificações à estrutura proposta pelo Sistema Bethesda de 1991. visando uma finalização que albergasse as necessidades e interesses de ambas as comunidades. cada tema foi aberto à discussão e as novas propostas submetidas à aprovação de plenário.6. ► Seria criado um quadro de qualidade da amostra que descreveria os achados relacionados a qualidade. As propostas de possíveis modificações aventadas nos três dias de evento estão abaixo resumidas: 1. avaliar a quantidade de células envolvidas e não a área de esfregaço. a um novo fórum de discussão com a sociedade médica de patologia cervical e colposcopia – American Society for Colposcopy and Cervical Pathology Consensus Conference on Cytological Abnormalities and Cervical Cancer Precursors.Diagnóstico por sistemas computadorizados 9. B. . Ao término de cada atividade. com a participação de cerca de 500 profissionais representantes das entidades e sociedades afiliadas à Academia Internacional de Citologia.Células endometriais 8. representação da zona de transformação (ZT). etc. sinalizando no sentido de que estas propostas deveriam ser submetidas. notas educacionais e discordâncias No decorrer do workshop. nosso grupo se reunia e buscava estabelecer os possíveis pontos de concordância e discordância com o vigente sistema brasileiro de nomenclatura.SUMÁRIO DAS PROPOSTAS E DISCUSSÕES: De modo geral. hemorragia. ficando apenas as opções Satisfatório e Insatisfatório.". como previamente sugerido.Atipias de células glandulares de significado indeterminado 7.Recomendações. quantidade de área com má fixação. 2. A utilização deste quadro seria opcional.. sendo substituída por "Negativo para lesões intra-epiteliais ou malignidade". em setembro próximo.

► O conceito passaria para – Alterações citológicas sugestivas de lesão intraepitelial que qualitativamente e quantitativamente não são suficientes para interpretação confidente.► "Alterações celulares benignas". etc.).Atipias de células escamosas de significado indeterminado ► A categoria é mantida com modificações. ► Chamou-se a atenção para os casos de lesões de alto grau que geram dúvidas quanto a invasão.favorece reativo. 6. ► Os testes estariam indicados nos casos de ASCUS. assim o termo ASCUS ficaria restrito aos casos em que houvesse diagnóstico diferencial com lesão intraepitelial. reparo. Ficaria opcional utilizar uma lista descritiva com estes achados (metaplasia escamosa. face a sua não concordância com achados clínicos.Atipias de células glandulares de significado indeterminado: ► A categoria fica mantida excluindo-se o AGUS favorece reativo. este tópico não deverá mais ser utilizado. ► Destacou-se que a presença de efeitos citopáticos pelo HPV continua sendo catalogada como lesão intra-epitelial de baixo grau.Lesões intra-epiteliais escamosas de baixo e alto grau: ► Neste tópico foi ressaltado a necessidade de se empregar a mesma terminologia ( lesão intra-epitelial de baixo e alto grau) para citologia e histopatologia.Triagem do Vírus do Papiloma Humano ► Os testes de tipagem do HPV devem se limitar a responder se são positivos ou negativos. ► Preferencialmente a citologia e o teste para HPV deveriam ser reportados simultaneamente. sendo que os mesmos ficariam subentendidos no já expresso "negativo para lesões intra-epiteliais ou malignidade. atrofia. Neste tópico também houve concordância em não se trazer para a nomenclatura as alterações por Chlamydia como o pleiteado por alguns grupos. ► Seria excluído o termo de ASCUS. 3. ► Os tipos de HPV testados devem estar listados no exame." ► Microflora – segundo o discutido a única modificação estaria no desvio da flora com cocobacilos que seria substituída por desvio da flora sugestiva de vaginose. 4. 5. . Foi sugerido que o diagnóstico deve ser conservador e acompanhado de uma nota: "Lesão intra-epitelial de alto grau não se podendo excluir invasão".

 Ficou decidido que os exames produzidos pela máquina devem apresentar no laudo as informações sobre o aparelho e como foi processado o material. notas educacionais e discordâncias ► São opcionais. CLIA 67 e 88. portanto em pacientes pré-menopausa não seria necessário seu destaque. ► Ainda está em aberto a recomendação de colocar no rodapé dos laudos que o exame citopatológico cérvico-vaginal pode ter até 8% de falso-negativos. ► As células glandulares endometriais em pacientes abaixo de 40 anos passam a ser incluídas no grupo de "Negativo para lesões intra-epiteliais ou malignidade". A PARTIR DE JUNHO DE 2001. CDC ( Centers for Desease Control and Prevention ).Diagnóstico por sistemas computadorizados  Nesta sessão foram discutidos as várias entidades regulamentadoras da atividade laboratorial americana – FDA . em prazo menor possível. na nova versão da nomenclatura de Bethesda .e avaliadas suas correlações com a entrada da citologia automatizada no mercado.Recomendações. Não cabe colocar como responsável o nome do citopatologista ou citotécnico. visando finalizar uma proposta de consenso a ser debatida com os clínicos no fórum de setembro e com o compromisso de. .► Passa a ser reconhecida a categoria de Adenocarcinoma "in situ" endocervical. O responsável pelo resultado seria o responsável técnico pelo Laboratório.Células endometriais ► O grupo de discussão deste tópico partiu da premissa que o exame citológico cérvico-vaginal tem a finalidade de detectar lesões do colo uterino. divulgar as conclusões do novo Sistema de Bethesda 2001. 9. ► Optou-se pela exclusão da avaliação hormonal do laudo citológico de prevenção de câncer. C. HCFA ( Health Care Finance Administration ) . etc. ► Poderá aparecer. 7. não devem fazer parte do corpo diagnóstico do laudo e devem ser específicas sobre um determinado assunto.  Acreditamos ser fundamental e recomendamos a participação de representantes brasileiros na reunião de consenso do próximo 6 a 9 de . decidiu a organização do evento voltar às discussões por intermédio da Internet.CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES :  Em vista das mudanças sugeridas e não consensuais. um roteiro de citologia anal para detecção de lesões precoces nesta topografia. sob a forma de apêndice. 8. o que na sistemática anterior encontrava-se dentro da categoria de AGUS.

após sua reunião de consenso de 1993. Internet report – www.cancer.  Em vista dos variados pontos de vista apresentados e a possibilidade de mudanças a serem implementadas no Sistema Bethesda 2001.  Considerando esta proposição e tendo em vista entendermos que a Nomenclatura adotada no Brasil.setembro no National Institutes of Health . e adotada pelo Ministério da Saúde. NCI BETHESDA SYSTEM 2001 WORKSHOP – Diane Solomon – Division of Cancer Prevention – National Cancer Institute –National Institutes of Health 2. ainda se encontra atualizada. entendemos ainda ser de grande e indispensável valor a realização de um Consenso Nacional de Nomenclatura em Citopatologia Ginecológica.gov Antonio Luiz Almada Horta Carlos Alberto Ribeiro Elias Fernando Miziara Lucilia Maria Gama Zardo Luiz Martins Collaço Marilene Filgueiras Nascimento Rio. os quais seguramente terão reflexos e semelhanças com a realidade brasileira.NIH. D – REFERÊNCIAS 1. Entendemos que a nomenclatura atual poderá dispor de um maior tempo para sua sedimentação e aproveitamento dos resultados. em Bethesda.bethesda2001. contando com a efetiva participação governamental e das Sociedades Médicas envolvidas com o combate ao Câncer cérvico-uterino. a exemplo do que foi realizado em 1993. sugere a comitiva da SBC/MS a manutenção desta até a finalização dos estudos do Sistema Bethesda 2001. visando definir o impacto desta proposição ao prisma do clínico e colposcopista. 4 de junho de 2001 .