You are on page 1of 19

CAPÍTULO 4

o Processo

de Aprendizagem: Análise Científica
de Comportamento Segundo Skinner

· i

Quase todos os comportamentos que podemos identificar incluem-se em uma de duas classes. Uma, que
foi chamada comportamento "reflexo" ou "involuntário" por outros, é rotulada por Skinner, como comportamento respondente. A outra, geralmente considerada
comportamento
"voluntário",
é chamada comportamento operante no sistema de Skinner. A natureza anticientífica ou a ambigüidade de sentido das palavras
"reflexo" e "voluntário" levou Skinner a dar outros
~es
a esses termos e defini-los cuidadosamente.
@ Co
o e
(reflexo)
abrange
todas as .s
t
se ~~os
~,
u
- o xtr.'
o f d. s
ra f ra
or mudan@S e.pec· is
e st'm 10 no a biente.
A guns respondentes são, dilatação e contração das
pupilas dos olhos. em resposta à mudança na iluminação, arrepios quando uma lufada de ar frio toca a pele,
uma lágrima derramada quando alguma coisa entra
no olho, transpiração quando a pessoa se encontra em .
um aposento superaquecido. Todos os comportamentos
que podem ser identificados e rotulados como "atos
reflexos" fornecem exemplos -de respondentes.
Uma segunda espécie de. comportamento
inclui
número muito maior de respostas humarias. De fato,
a maior parte do comportamento tem caráter operante.
Andar, escrever, guiar um carro, dar uma tacada-ria
71

Ç_QmpOttamf2nt-º_gl1ª. operante. Só pode . Igualmente. ~. e fazemos e u têm um e eito so re nosso un o telOr ou o eram nele Quando uma criança estende a mão para um doce.~:L.oli1ê:s semel7:JQ1Jt~.---.ar.o. .. comer pode .§..!J~llU. ser ~p~om õ~~~ o... __de tQcar o brinquedo.or ue aumel1tQJJ. Um' estímulo 'determinado elicia sistematicamente a resposta. ão temos meIOS de saber inicialmente o que evará uma criança a ficar em pé ou a dar seu primeiro passo._.talvez por acaso. A resposta.. .m.. ..um -õÍ2.g.. .'~9pnsJfl. -- r-----. se aumenta a probabilidade de uma resposta. 73 . ~·ime. É ãtravés d~s§~~~~e~s.Y~e·_. Neste exemplo simples. quandõ-uma resposta é emitida ou reforçada. Enquanto os respondentes são eliciados desde o comeco.. Não precisamos preocupar-nos em saber que estímulos levaram à resposta . Qualquer estímulo e um reforçador. levanta a cabeça na sala de' aulas. naturalmente.__ de ..bola de golfe.é?:clQ.. Mais tarde. Ao segundo tipo de aprendizagem.••.~T.J:J . mostram' pouco caráter respondente._.. Só' sabemos que é p' .]1.çrg._ .lta.troJ.e.é. Skinner chama de condicionamento operante.~ -.••. Simplesmente devemos esperar: que ocorram .._~'~~y'ant. _ -----.qu~ se seguem..I.o de __ ~QndiciQ~amento {que chamamos de aprendizagem).. Skinner identifica um tipo de apr dizagem' ou . Não existe estímulo especial que possamos usar para evocar esses comportamentos. É óbvio que uma resposta que já ocorreu não pode sen.reforcador .-r ..- •.".J~El~P_o_~t.' e a conseqüência da resposta ou reforcador foi.timulo_'pr_e. suas ações estão tendo algum efeito sobre seu ambiente. @ Comportamento ""'7? 'com Duas espécies de aprendiZage~ Para cada espécie " comportamento..s.- __ .t!Wéi resposta e tendem areJorcar o compoÍtamen o ouaüfuen. Em geral. escreve uma composição ou resolve um problema de matemática. Associado ao compor mento respondente está o~iionamento respondenie.. Por essa razão. ~..ar a gro a ili ade da.. Q:[ç" dore..2:rç.classe de rejio§tfls .r= .J::!dike_ chàJn9.rp. pod'e ser feito de uma variedade de maneiras.::se.)np. Levantar-se de uma cadeira. Os eventos_ olJ__ esJimq!os . automaticamente or uma lasse específica de es Im"illos. o toque da campainha.s.preditaouccntrolada.re. por exemplo.§.chamada .quel 're osta. em nosso exemplo. observamos que a criança toca o brinquedo com crescente freqüência e olha para ele. -' ~estímulos Uma crianca toca acidentalmente um o jeto perto de seu berço ~ 'soa o tilintar de uma campainha. as conseqüências aumentam 1Cprooabifidade" dê . nem re adona os estímulos conhecidos.:r ac edita ~ie de condicionamento desempenha pequeno papel na ~~c~~~e.adQ~~as conse üências ue se seguem a resRos_a. Com o tempo.?.!:~Ul:rL. Como os leitores se lembram. o fortalecimento da resposta foi visto na crescente freqüência de seu aparecimento.o emitidasnofuturo. A criança talvez=olhe para a fonte do som momentaneamente.cf'!Jte. condicionamento.ser predito que res.. vemos ilustrado o processo' de condicionamento operante e o princípio muito importante ~e Thor:. Portanto.Çe~ o comlLort~~nto o eranteé cOI). uilJ. .. foi tocar o brinquedo.~ ~ se mteressa ouc~or ele.mas. Enquanto o comporta72 mento respondente é controlado_IlQ. operante i clui todas as coisas. roça de novo a mão no brinquedo e a campainha tilinta.z..de uma cadeira" é um.º-ue ~kmne:Lq._§~rffi.~ .Esta class~.~ __ .. .' um estimulo novo é emparelhado com aquele que elicia a resposta e depois de diversos emparelhamentos o estímulo novopassa a eliciar a resposta. Um único caso de levantar-se de uma cadeira é uma resposta... os o eran esnão sao autQmaticos. e feito _.erctt_amade.. Diz-se que o condicionamento pavloviano ou c aSSICOé desta espécie. sao cnamaaos z.. o comportamento operante é descrito como emitido em lugar de eliciado.

~ 74 ..·masnão é um estímulo ·como no caso de' réflexos....~' Em nosso exemplo de condicionamento operante da criança. "ôü..p_arcLal E!." ... O efeitº de nO_SSD-_com a -.•• ) cionado com nossa resposta operante de movê-lo. como -os leitores verão mais tarde em nossa discussão sobre modificação de comportamento. Depende também de coisas como fome. . -~.•.. comportamento -·Üpera.m itas ve~e ime ta to.<29l:2Kg.pais e é 'mantido ou modificado de acordo com a resposta dos pais a ele. _. ão· houvessem I -coiiseguencl" S o serváveis' reforçadores o ereCl:<~.é indelicadeza ignorar uma pergunta. '.. ou questionando a nós mesmos? A fim de explicar a aquisição desta ou de qualquer espécie de comportamento é necessário considerar seu desenvolvimento. choro alto tem maior probabilidade de aparecer no futuro.. da sentença.::na variedade der~z.IaLc:oritroleéapena~ ._s a.. ....t.çliG. Nem sempre e assim: Como podemos explicar o comportamento quando as conseqüências não são aparentes? . podem ser respondentes ou operantes.. .. . tendo-se tornado um estímulo discriminado... .~~i~~o por u. Alguns comportamentos. Por esta razão. Originariamente. ---.' ~p~~. preferências alimentares. se outros foram servidos e uma variedade de condições de estímulo.riEe:. .ompor.t mento o e~ rante nunqt .omund e ter' 01' ' .õ~s_~ ou por urna multidão de estímulos._ •.ter considerável variabilidade de desempenho. em sua rnaiorra -' . Isto não se aplica ao choro respondente. Ma er unta -o elicia uma resposta de nós. o que-dissemos __.. ._.. podemos levantar uma questão sobre o brinquedo como estímulo. teve algum efeito sobre outr9s.e mun o que nos cerca.1:>9Jª~ tiramos.. ~ ~ W\ N . ~~ll~ OU- 75 ..'..• _ '0'°. fazer uma pergunta aum estudante sem obtermos resposta alguma. uas.. Choro parece ser comportamento respondente. desconhecidos. Embora o comportamento operante seja colocado sob o controle.t~rüL . ex líc1.. Todavia...- . mas não é uma resposta reflexa.D . Se o pai ou a mãe espera até o choro da criançaatingir certa intensidade...-'enfüimos um alfinete em um balao.CQJDO 'qüando chl1(amO$ mn9-. . .vista de comida em 110SS0 prato.._ c-ºD. Como difere ele de um estímulo condicionado que elicia uma resposta em condicionamento respondente? A maioria dos operantes adquire uma relação com alguns estünulQsanteri()res (chamados estímulos discrirIihúiciôs).._. está relaP i _. --~~'. " o.-E e ve o comportamento como'----._ .t9. como o choro de uma criança. . tem natureza operante.um acorde do piano ..A·resposta operante de erguer o garfo -'''para comer não é simplesmente eliciada pela . Essas verbalizações interrogativas tornam-se estímulos discriminados para alguma resposta de nossa parte .O trinco de uma'porta não faz com que estendamos a mão paragírá-lo: um interruptor de luz. Esta distincão entre respostas e operantes é importante. Choro operante depende de seu efeito sobre os ..._-c.por exemplo.!~. Skinner não considera útil ensar no comportamento operante em termos deassociacões es ecífiças .sidQ ad u' .. mas esta relação é completamente diferente daquela encontrada no condicionamento clássico. .ional.. O estímulo anterior torna-se a causa para o. dependendo do que e de onde a pessoa está comendo. se o choro é alterado quando seguido por alimento ou outro reforço dado pelos pais da criança. no"sentiêfõ'tie1em o"COn1 or amento respondenre.a VDZ é elevada no final... este comportamento fez acontecer alguma coisa no' mundo exteripr. . Dize-_ mos que o comportamentoeaiu sob controle de estímulo..ia-se. alguém nos respondeu.. -_ ... cie'esJrri1urõs-.. Antes de começarmos a falar conosco mesmos. Aprendemos a reconhecer algumas declarações verbais como perguntas .. Quando fizemos uma pergunta. quando é evocado por estímulos resultantes da perda de apoio ou de um ruído alto..É sim les ente -a causa ara uma' resposta e a' varia lri ãde-âe""'es'~" ta' ou esmoa ausencia e -'respós a'mdica que o comportamento não é reIlexo:'-.

PJÚ. Depois de receber uma única bolinha de alimento em seguida a uma resposta.Comportamento supersticioso o poder de um único reforço é bem ilustrado.U!Xla. quando a pessoa foi privada de alimento. e a criança diz a palavra mais freqüentemente. esta é considerada um reforço positivo.PQs:i. Observe-se os movimentos do lançador antes de. O leigo geralmente pensa.preparar-se para um arremesso ou as ações do jogador de basquete 76 quando se prepara para um lance livre. Muitos dos rituais que vemos exibidos no camp o de basebolou na 'quadra de bét_sglJ~te. que eles são vulneráveis a coincidências.por acaso atuam como reforçadores' Iuem-se em duas classes :.e. é difícil pensar em uma carranca do professor-como recompensa. Oportunamente um determinado comportamento chega a uma freqüência em queé muitas vezes reforçado.. e 77 . em seguida a uma resposta da criança de dizer ou tentar dizer a palavra "doce". Quando o alimento é dado pela primeira vez. Ele se torna então parte permanente do repertório da' ave.avE_~J·~c:º_!pJ2. alguma maneira -:mesmo que . Caso contrário. a maioria dos professores não a usaria como recompensa. Quando chamamos um estudanteque levantá a mão. Suponha-se que damos a um pombo -uma pequena quantidade de alimento a cada quinze segundos. o comportamento é chamado . Igualmente carregamos amuletos ou colocamos estatuetas no painel do carro. no entanto poderia muito bem atuar como reforço positivo para determinada criança.' É interessante considerar algumas de nossas superstições à luz dessa explicação.positivo.seiã apenas parado em pé . associação. Se existe apenas . "supersticioso".ªredmento. conseqüências dessas açõesservem para confirmar nossas superstições.J:!§a implica em uma significação que . Se for esse o caso. Se proporcionamos um estímulo como um doce. três reforços já eram necessários a fim de mudar a probabilidade de uma resposta..e ocorrerá condicionamento. As. o pombo estará se comportando de. Estímulo 'como alimento pode ser reforço em uma ocasião. e vemos que o levantar da mão aumenta de freqüência. pressentimos que o fato de chamá-I o apresenta-lhe um reforço positivo. Assim como o cavaleiro em armadura usava o lenço de uma dama admiradora quando carregava com sua lança.reforçador.' muitos de nós usamos certa camisa 01J par de sapatos porque "nos dão sorte". A p(~}. o comportamento supersticioso seria improvável.sugerem_çomportamento supersticioso. psicólogos .is:-ã. por exemplo. Um reforço é suficiente para produzir diversas respostas operantes. independentemente do que ele está fazendo. como r:ecoIT). um rato pode responder 50 ou mais vezes sem a necessidade de reforços adicionais para mantê-Ia. acidental entre a" re"§Rost. eforco ositivo é um estí ulo ue. Se aumenta a freqüência da resposta que o professor efetivamente esperava diminuir com sua carranca. no desenvolvimento do que Skinner chama comportamento supersticioso. É então mais provável que o mesmo comportamento esteja em progresso quando o alimento for dado de novo. muitas vezes porque sua presença acompanhou nossos sucessos ou evitou-nos de malogro. uando ~_ o atu no sentido e for alecer o c ortamento ele e s e.tivos. Identificamos que o doce foi um reforçador da resposta verbal. o "operante" será ainda mais fortalecido.' É apenas porque organismoschegararn ao ponto em que uma única contingência faz uma mudança substancial. dado por um relógio que não tenha relação com o comportamento da ave. Se.0 termo reforco não J~!n~ Por exemplo..ref'orço.ilTQ"a:p.em. Reforços positivos e negativos Os estímulos que ..]~fQr:fqs.. ainda que o alimento tenha sido..J~_" egativQs . algum outro comportamento será fortalecido.evitaram a palavra recompensa.-'-'mas por razões 'muito boas. de um.

reforço é que as propriedades reforcadoras não residem no estímulo.}!-ªt:llJeza forta~ ec ~m respostas através de sua remoçao. Quando voce tira fr\ o sapato parafemover uma pedra. a extinção ocorre rapidamente. e au a eac. não ape~.~Q. ve:(:. ~. com que ela levanta Se o reforço é negado com o propósito de eliminar ou enfraquecer uma resposta.ou seja..·_.S?rc9 por outro lado. Se os programas de televisão . quando salta des~ calço de uma calçada quente para a grama.. nem semre é fácil identif!çar o ue pô' e sêrvú: para ré o~~ar ~osta.l1).relativos de indivíduo ja indivíduo e de ocasião .. Quando não há mais reforço...quando ela está saciada. os estímulos aversivos são relativos a indivíduos e situações. qual é o reforço.dcsagradável aborrecido.eJQ:r. Em situações experimentais o reforço que está sendo usado é conhecido do experimentador. "mãS--fa .ente-de ~. Ruídos altos.extingue-se. r._enfiamos cada .. esta em muitos casos.'calór ou frio extremo. portanto. u a. ~ma resposta torna-se cada vez menos freqüente. fuma.' 0. que podem ser usados para condicionar o comportamento OPE2E~ffife:'Algün~~~~t. que refÓr-" '" 'çõs'-são . Outro agente que gera grande resistência à extincão é .í!Iill~. Extinção Uma grande preocupação da maioria de nós é a de livrar-se de comportamento já condicionado. assistimos cada vez menos... . . choque elétrico. Comer }1m sanduíche de peru depois do jantar do Dia de Ação de Graças não tem o mesmo efeito que teria várias horas mais tarde. porque não é possível ver o que o mantém . mas em seu efeito sobre . a regra é simples. S_~_ ~~~ mos de. às vezes demora muito para ocorrer. Mas em sua maior parte.. Uma 10 a história de ref. .o.ão ser reforçada leva..segu. Se apenas algumas respostas foram reforcadas ~ .Há.liª9quã. leva a fo~te . quanto positivos. ~ ° A extinção tanto de operantes como de respondentes. finalmente voltará a seu grau incondicionado original (às vezes chamado de nível operánte).en()~él__l'Tl.õll cwersivo não se distingue por quaisQu~rprÜp-i-ie'cladesfísicas determinadas. tanto. Na vida cotidiana. luzes müIto'orilharites. bõisoque'~ontém cigarros. porém. 79 .c esquema de reforço que esteve em vigor anteriormente..e padrão coerente._. Esquemas de reforço . .. Seo pro. Como "desaprendemos" ou elil1l:~I?-él}110s . .o c umen e c ama a frustraçaü. A maioria de nós já fracassou quando tentou dar partida ao carro em uma manhã fria. ~9S~! • F __ :_~.. Iessor çl~~~ª-repetidamente de chamarurna criança na sala.pedir ajuda a um posto de servico.. diminui a freqüência a mão. A espécie d~ estimulo quechamamos de . quando tapa os ouvidos para não ouvir sons altos -=.ocornportamento-jc evidente. nossa frustracão ou mesmo raiva cresce.'çQde. fato de uma resposta n.?~_P-<?~?u.rcrorços .não em outr~.um comportamento? Embora isto seja muífccómplexo... O lançador não marca um "strike" em cada tentativa.em todos ti' te .comportamento operante na vida cotic."Pode tornar-se motivo' de consIderável expressao emocional..' se' tornam piores... À medida qúeinsistimos sem êxito. A resposta que ocorre repetidamente na ausência de reforço..' mas 'finalmente nosso comportamento se extingueo nós tentamos uma resposta alternativa .9:g . O importante nesta definição de. para ocasião. ro essores e paIsficám às vezes compreensrve ente desnorteados pelo comportamento de uma criança..r. o pescador não fisga 78 ._.~... Isto ~ clia ado com ortamento de.de aulas. são comumente aversivos para pessoas.negativos. ..re~istê~cia"-i exfíncão.

_Esggem.).as. Podemos arranjar condições.~ li.":: '.e ofereceparapinIar"umã 'por uma 'úripÓrtânciaf'ixa de dinheiro.. produziram resultados semelhantes em estudos de crianças normais. At . Geralmente se descobriu que as características de muitos esquemas que foram pela primeira vez estabelecidas em animais inferiores.. é considerado como reforço de razão variávef-Ojogador inveterado precisa apenas de um ganho ocasional para manter seu comportamento.gg. ] :21': '1. .1. i. Tais esquemas de razão podem eexiixos.extil1çã()!3~guindo condicionamento. como no exemplo anterior. exemplos de desempenho .~...ece?sarlas para reforço varia em ~arno de algu-irt.t9. ma média ." 81 . Depois ?e condicionado.ªf:. ou em combinações dos dois.2h). Se apenas ocasionalmente reforçamos uma criança para bom comportamento. Por exemplo.. o número de res-'. ~12ode ser mantido apenas . até mesmo número total dé reforços. inclusive o homem.li ·:. 0..f' .. é outro exemplo de esquemade raiãü:'Erri"fraballiõs 'esc'olares"de" leitura com determinado número de páginas. características .Quando a razão é variável encontra-se índke . no qual o pagamento deperide'cllretãmente' do' número. o compor. razão fixa.f y '1 .nte duas classes ~rinCIpaIS de reforço intermitente (as vezes chamado cial): .ainda ~~ Ámél.de responder em cada esquema básico . ou podem ser variáveis.um esq~ema ~con. antes que ocorra o reforço. ao' invés de cobrar por hora.él. notadamente jogar em máquinas S:.ão e o de intervalo. ti' · f . Em um esquema de intervalo variável.~.ª. Em esquemas de reforço de razão fixa.E.ª9jix(l.i ':~ <. a intervalo!!. oferecidos.l Um comportamento é geralmente estabelecido reforçando-se cada ocorrência das respostas . . de peças prü'duzidas.reforço é fornecido apenas depois de' terem sido ernitidas dez respostas. de aritmética com um número certo de problemas ou de educação física com um número específico de exercícios são..:. tf" '. .o.. ~kin'ner explo~ou int~nsivam.f . e de adultos normais e psicóticos.~que foram encontradas em estudos de muitas espécies' de animais.tínuo de reforço.Z.Ji. Em um::1!" esquema de :a~ão variável' (V.f sagem de tempo (esquemas de intervalo).J'.mais depressa ocorre'ore'forç6'. porem. o comportamento é continuado depois de suspendermos o reforço por muito mais tempo do que' sé tivéssemos continuado a reforçar toda resposta.inter ~.1. ~ ra ao b e do I n me o r soas o· ter~ o o int vaIo de tem o. porque quantomáis 'rápidárriente 'apessoa rei'-p'õnde.·llti um peixe toda vez que lança o anzol.12or_um r~c~. Esquemas baseados principalmente na passagem de~?à' tempo são chamado~ esquemas de intervalo.níqueis. a duração de tempo varia em torno de um tempo médio dado (20" .-2f. em esquemas ~azão ocorre emperíodo casa }:h>' :.1 reforço pode ser dado em termos do número de respostas emitidas (esquemas de razão) ou em termos de pas-.ioria dos jogos.e. Há certas.d. . a comportamento pode ser reforçado intermitente-i'li mente de acordo com diversos esquemas diferentes. de modo que um intervalo de cinco minutos deva transcorrer antes que a resposta seguinte seja reforçada. retardadas e autistas. :i it . T~ sido com1jcionado. e um estudante nem sempre responde certo.U m homem que s..caracterizam·se por alto índice de resposta. colocou-se em uma. ' . n..r.R.~:': postas. e fixo quando um mtervalo constante de tempo deveitj.~t~~tªntQL . a trabalho por tarefa emIábrica. embora o índice de resposta seja relativamente alto..~ transcorrer entre reforços.il! . se o esquema é uma'il razão fixa de 10".? reforço de raz. cada décima resposta é reforçada ::~: o. 80 :i. nao e a maneira mais econormca 'de manter o comportamento. As vezes o reforço segue-se a cmco respostas e às vezes até trinta respostas podem ser necessárias:il... tende a haver um período de inatividade seguido pelo reforço.ªça. + ii~.

ao" bem: estaedo--oranismo.ouvirdizer que estamos certos ou errados. .relativamentc curto.menos 'estudo ... Mas.icode'um-chocaJho'.há um índice baixo de resposta no começo do período. quando essa..:1· tYCW. assim como escapar de condições lesivas. Setim comportamento não desejado.:'oyação. A incoerência por parte de pais ou professores na administração de reforçadores. isto é tem si nificacao 10 ogIca.chamamos algumas vezes isso de saciação.. Quando o jogador coloca moedas na máquina em ritmo acelerado sem um ganho. Muito mais característicos em condicionamento operante envolvendo pacientes humanos são os _te . no sentido de que a capacidade de ser reforçado por qualquer realimentação do ambiente.. embora não pareçam ter relação com o comportamento que tem valor de sobrevivência. caracteriza-se por um índice baixo.ªpr.opriadps. Algumas formas de estimulação são positivamente' reforçadores.. Quanto mais longo o intervalo entre testes e reforços. Skinner demonstrou que.. .incluindo fuga 'e privação.. ~ Raras vezes vemos condicionamento. o efeito reforcador. considerar a possibilidade de em alguns casos. não é o objetivo.le~mpp. a 83 . seu comportamento se extingue rapidamente. porém. E~~eLv. água e contato sexual. a resposta provavelmente será mantida mesmo quando a repreensão é às vezes conseqüência de seu comportamento.se cond' ia ado .o"·índice' glQllár' de ~o~ta~ Não há razão para trabalhar rápida'inéllfe:pois o reforço não ocorrerá antes 'de determinado ponto no tempo. táteis e visuais são naturalmente reforçadores.ou resolução de problemas estão em um esquema de intervalo variável e produzem resposta continuada em baixo índice. se o número de reforços é mantido constante. Quando um professor faz exames a intervalos de três ou seis semanas. deve esperar um índice bastante baixo de resposta . seria biologicamente vantajosa. um menino empina um quadrado. Isto explÍcatambém dificuldade..tempo. Se desejarmos que o comporta. Pode-se argumentar que alguns estímulos auditivos.mento dure longo tempo após a suspensão do reforço. mais baixo o índice de resposta. apresentados por outros..ou desaprovação.C?~ .manutenção de certas classes' de comportamento .. 'a' 82 Reforçadores primários e secundários Alimento. É importante. agarrar uma mámãngãva~' ficar muito tempo sob o sol de verão tudo isso serve' para ilustrar a influência modificadora de reforços negativos que resultam naturalmente dos comportamentos da pessoa._ .o. Nós somos mui o mais freqüen emente condiêioriâdos por reforçadores planejados. em que estejam envolvidos reforçadores primários.r adores condicionados ou secundários. como §!1éL.. como na apresentação de uni trabalho escolar no fim do semestre . são chamados reforça dores primários porque estão ó'l. A extinção seguida a esquemas de intervalo. de extinguir alguns comportamentos que preferiríamos ver desaparecer. Tocar um fogão quente. esquemas de intervalo são mais apr..~QS quais o re~ d~pa&&a:ge-ii}. muito provável. Um bebT'S. continuado' que diminui gradualmente.L' ~ -de. "umacrlança explora o armário de sua mãe.J. promessasouameaças. sugere um esquema variável que às vezes incrementa a persistência. ocorre só ocasionalmente na criança. outros' eventos são reforçadores para o ser humano. especialmente no nível humano. Se o intervalo é fixo -. Desempenham pape imporÚinfe: naaquiSiç'ão"é-. exames não anunciados .. se cada vez que uma luz é acesa for dado alimento a um pombo esfomeado.>viamenteligados . esses esquemas produzem comportamento mais duradouro. como choramingar ou chorar para obter o que deseja.os róprios reforÇõs serem "aprendidos". Por isso.alQ§. corri aumento graduál até um índice muito alto.· Por outro lado. um músico toca seu violino.

'. mas seu poder é. Esses reforçadores negativos condicionados. com o tempo. emparelhando certos atos com certas conseqüências. uitas atividades humanas são carãctefizadàs por longas demoras... O leitor pode. Uma das importantes pro xi~d.para ilustrar reforçadores negativos condicionados.. Advertimos e ameaçamos jovens. são usados de muitas maneiras.luz. sãoparticularmente notáveis como ref'orçadores generalizados.de_. -. reforcã~ 84 Um ref'orçador condicionado torna-se generalizado quando é emparelhado com mais de um reforçador primário. ainda que os reforçadores primários em que se baseiam. se torna um reforçador condicionado.e.. como um sorriso. também.~.fo:rneceroutros reforços..Sa.?<iores generalizados que 6Samos Pélrã'modificar o~ comp~to""'de. por exemplo.:.r~fQrcar uma grande variedaae a.1lg. Quanto mais vezes a luz é emparelhada com o alimento. -- 85 . um aceno de cabeça afirmativo. Um dos mais PJ der os reio. reforçadores podem ser os sinais não verbais. formar um quadro de futebol.outrBs.. O som e a vista da broca do dentista.afeição.~..tç. Assim.. Em resultado desses" dor~'--~'~~dici~nados.ªQo enca:z.-"'--~~~_--.. "isso mesmo"..CJ. condicionamento respondente ou clássico. a queima do estopim de uma bomba... reconhecer isso como condicionamento pavloviano ou respondente.: e afeição.tudo isso serve. orql1e pode. nós nos movemos para' escapar dos estíinulos é!Yersivó~ embora eles nãotenham ainda ocorrido.PQ~ª~. ~~ -.· .. Dinheiro é__ um reforcadoJ' nerali:Z.dinheiro". reforçadore-s... semelhante para a "necessidade de. tão importante para nós que é freqüente"mente ~mencionado comgreforçador primário. Muitas vezes.mantêm o-co portament. .gener_alizado . parece aplicar-se à função de reforço negativo. portanto.tornam-se eles mesmos negativamente ref'orçadores.--ªcpr:npanbamou precedem X~fºr.. é fácil presumir uma inerente "necessidade de afeição".. .. Usamos respostas verbais como "ótimo".. como a relação de comportamento sexual com gravidez ou doença venérea. Antes de 'p'odermos receber outros reforços de alguém. Mas então...r. precisamos primeiro fazer com que.~.. seria possível criar um fundamento lógico. mais reforçadora ela se torna.. não mais os acompanhem. Reforçadores generalizados são úteis porque a condição momentânea do organi_smo émenoajmportante.g!l.Atenção. reforçadores generalizados tornamse 'eficazes. plantar uma horta...-r--'~~ -.. nós próprios fornecemos esses reforços. pouca 'cois'a haveria para manter nosso comportamento. elaé mais capaz de receber a atenção da' pessoa . naturalmente. exatamente como é usado alimento. Com o tempo. também um poderoso ~f.. Uma luz pode então ser usada para condicionar um comportamento operante. Sinais de aprovação tornam-se.ades_.. urna palmadinha nas costas.. Igualmente. freqüentar um colégio. Eficaz 'como é em sua qualidade de reforçador. ~S. "gosto disso". . para modelar o comportamento de outros. obtemos controle apenas sobre o organismo esfomeado. Quando reforçamos com alimento.. Envergonhamos pessoas para que ajam de maneiras socialmente apropriadas. Quando uma criança exibe "comportamento conquistador de atenção".aprovação . antes que seja obtido reforço primário. rapidamente perdido quando todo alimento é negado.çador.tímg19J?_pe':!.::-:.§c~om ortamentos e varias condicões.xeJorcos condicionados é ue ~les.tro~. a elevação de um punho .é_ haver um re orço rimário definitivo.o. ---. Outra J5essõa~Tem probabilidade de' reforçar apenas os comportamentos que aprova.reforcadores condicionados interinosnão proporcionassem encorajamento.:çg~J:l~gativo~ . .:Â. ele nos preste atenção.

negativas.I.~. porque se o for. que com o tempo deixa de ser emitido. caminha para opor-se a condições determinadas. deixamos de emitir a resposta de evitação e segue-se a estimulação aversiva. sua resposta ·éfOi.J>.~·. a ameaça torna-se cada vez mais fraca e o comportamento é reforçado cada vez com menos intensidade. ·fi:·.. a vista e o som das máquinas elétricas de cortar cabelo.- 86 ti ·l·· '''~' .. enfraquece.s. Se uma situaçãoaversiva é sempre evitada.posta.. esses estímulos neutr s adquirem ~es~~ªo de_~stímulo.. Com o tempo.. A negação de reforço após uma resposta.\'.com ocasiões repe_.Eia. estudamos para exames.extingue porque o comportamento não foi~~(orçadb. 9}!de_J2...L.e_z-ulais.cde-fuga. Mais tarde. no condicionamento operante aplica-se a regra básica. Mas." . porque a criança ou estudante vê que não se seguem reforçadores negativos e as "respostas de obediência" se extinguem. Esses comportamentos. ele pode conseguir evitar toda "a estimulação aversiva. Os reforços condicionados __são então restabelecidos com:orefoi1~-adOr-es-negáhYos. Começa a chorar e outro menino que é o valentão da escola caçoa dele por estar chorando. Como foram apresentados imediatamente antes e no início do estímulo aversivo. suficiente para recondicionar o poder reforçador dos estímulos neutros. Espera-se que o reforçador primário não seja recebido novamente. Quando o menino foge da situação. O estômago de Tom começa a doer. No quadro seguinte.pelo estímulo aversivo . probabilidade daquela res.~6!' Evitação Escapar de uma situacão claramente aversiva não é a mesJiELÇO}~a. e ocorre a extinção.. conseqüências positivas.: . aumentar a. borrifamos veneno em nossos jardins. os aspectos físicos da barbearia. Todavia. na . Como poderia ser Iacilitada a extinção? Tom. tal._~~g!. através de reforço negativo.:. tratase de um comportamento. como o avental branco do barbeiro.· . O professor franze a testa e chama outro estudante.o beliscão.rgªp-º:.produzir. em seu primeiro dia na nova escola. A. Ele se atrapalha nas primeiras palavras difíceis que aparecem.~_q~~. do que para __.grãdualITi~nf~--i.reforço. podiam ser observados outros estimulos._:'-: ". como o som das máquinas elétricas de cortar cabelo. um menino pequeno pode chorar e tentar evitar que seu cabelo seja cortado por um barbeiro._paraevitar". --EarJ~ce_®.. à vista da barbearia ou mesmo à menção de corte de cabelo feita pelos pais. A ação de chorar e debater-se ria cadeira do barbeiro reduz-se a um choramingar ocasional. acontece uma coisa interessante. sucessoconseqüências desfavoráveis. J~ '~'" ~. Igualmente "ameaçasvazias" de pais e professores logo perdem sua eficácia. Note-seque .tid_q.l1.:-'-Se·a:resp-o~t~ ." ~}I"> . Evitando estímulação aversiva.é.té!.--'qlje por fim. conseqüências.. .' I'~j. um único caso pode ser ·-eY[t. Na ocasião em que este estímulo aversivo foi apresentado. Chorando ou tentando 'por outras maneiras evitar o corte de cabelo. Ele pede permissão {-sem:pre I~~r rw'~i 87 . efeito de .:i·':·. leva à extinção..~ ~:~ . Atravessamos um cruzamento com o sinal fechado ou dirigimos em excesso de velocidade e recebemos uma intimação e multa das autoridades de trânsito.. As outras crianças riem.talecida através de condicionamento operante.0. ' ~:.são importantes para que evitemos com . fazemos regi---meaHmentar. considerem-se as respostas de fuga e evitação condicionadas. que por ocasião de seu primeiro corte de cabelo o barbeiro tenha beliscado acidentalmente sua nuca. Em ocasiões subseqüentes.positivoou negativo. sala de aulas o profesor chama Tom para ler. Suponhamos no momento. ". cai no recreio e esfola o cotovelo. .Q§'ªo comportamen t<? cotidianoéáevitação i Pagamos impostos. obedecemos a regras do trânsito.Y.jj.. nós estamos respondendo a estímulos coiidicionados que adiam o início de estimulação aversiva. Exemplificando por diversas razões.ª-!'t.ggJ~gaaos estímulos condicionados. ele pode responder aos estímulos condicionados.

por causa das propriedades COP1uns de cor e f'ormato.ex nsâ de efeito aoutrQs e.~il}é3:ç. Até agora nossa discussão tratou principalmente do ritmo ou freqüência de resposta. capazes de serem eficazes separadamente. parecido com ele de alguma maneira.º__q~_"estírriulo. nós nos ihteressamos muito pelas condições em que ocorrem respostas. Para nosso propósito. das quais qualquer aspecto pode exercer controle sobre o comportamento. . D'eve~se reconhecer.X'çmo exemplifica Skinner: Se reforçamos a resposta (dada por um pombo. 'A "ambigüidade" da pergunta de uma professora que leva a resposta "incorreta" por parte do estudante. que para propósitos explicativos essa é uma classificação arbitrária de acontecimentos que raras vezes são claramente separados no comportamento cotidiano. -~. Por exemplo.as eliciem. J::. através de sua análise de indução ou generalização. A generalização de estímulo pode ser a explicação.assím J~.. generalizaçâqde respcsta e diferenciaçâorle resposta.. Se o estudante responde "por avião" e a professora espera a resposta "movendo-se na direção leste". podemos distinguir . .d. porém. A palavra "vermelho" é adequada na maioria das situações cotidianas.sªo freqüentemente explicados por generãlIzaçcres'--dé' .. pelo menos em parte..ontr_ole.Ji-z c~ ou 'n ucãp.' . uma escala muito larga de matizes evoca a resposta "vermelho". Uma mancha vermelha quadrada. Há diversas respostas apropriadas para a pergunta: "como se vai de Chicago a Nova York?".ªº_d.é . 89 . Podemos acenar para um amigo e descobrir que era um estranho.cham-ãda.§i!ffiulo's. pela qualidade ou propriedade de um comportamento.de. descobrimos que outros estímulos semelhantes são igualmente eficazes.edo organismo.? Inducã não é.Qloçaº.sop.comportamento.o con ro e .. 'Essa. tornam-se ocasião para respostas. é partilhada pelos diferentes estímulos e esta característica é responsável por nossa resposta comum. ._.entre g~ner_ª1!~~s_ª. Embora não . Tom diz à sua mãe que não se sente suficientemente bem para ir à escola . Alguma propriedade comum. quando conseguimos identificar as propriedades comuns de dois estímulos. por exemplo) a uma mancha vermelha redonda com área de uma polegada. embora possamos reconhecer que existe considerável variabilidade nos estímulos que chamamos de vermelho.estímulo.Jéparm a o por outros es imu os com ropriei1aãe~Qualquer es imu o é.a lriaOõrUffi estímulb. ocorrencia es e a: o centua que qualquer estímulo determinado Pode possuir diversos valores ou propriedades.ao professor para sair mais cedo e ir para casa. No dia seguinte. Generalização de estímulo Foi acentuado antes. discriminação de estímulos e diferenciação de resposta. que estímulos anteriores se tornam funcionalmente relacionados com operantes. Além da freqüência de um comportamento. 'porém. ela pode considerar a resposta errada ou achar que o estudante está "fazendo graça". q~_~c::~j.imas um 'termo indicando que . uma mancha amarela do mesmo tamanho e formato será eficaz por causa das propriedades comuns de tamanho e formato.e. com 88 a mesma área será eficaz por causa de sua cor e tamanho. para mais.determinado estímulo. Nossos "erros. oferece um exemplo.Ioi .utna ativida. tarde sentir que nossa resposta foi baseada em elementos da situação que orientaram mal nosso comportamento na circunstância presente.9. Skinner aborda este problema.estírnulo. e uma mancha vermelha redonda com uma área de meia polegada será eficaz. Pode-mos' responder de uma "maneira que parecia perfeitamente apropriada na ocasião. portanto. ~(LQ. Sentese melhor quando deixa a escola... constituído de umacombinação determinada de propriedades.

tamentos ocorrem porque no passado.· más não ex:Isle'fQrª~ . . í 'Você.o valor de generalizações para a sobrevivência de o~íSJiiQSd parec'e--evidei:ife':Muitos de nós. altamente confuso. Respostas diferentes· foram reforçadas na presença de cada um deles. a generalização só continua se as respostas são reforçadas na nova situação.r. Quando a criança diz "cão" na presença de um cão. resposta diferencial.·r:_ tamento poderia ter. Dizer "cão" na presença de objetos inapropriados. Aprendemos a não generalizar. O comportamento muito importante que chamamos de ã7isiração é um tipo de aprendizagem de discriminacãO~'''Têcí:ircâmê·nte·. Para o comportamentooperante. seus pais reforçam seu comportamento.gnG. Issoacon- J- J !~~fr!~~~u:p~~~~~:~~~n:~~~~~~·~r. que tenderia talvez a generalizar devido à símila-" ridade de estímulos.. a controlar o comportamento da pessoa.! ref orçanslo.~ são de gratidão. discriminação desempenha papel muito importante em nossa compreensão de "aprendizagem".êt~m!llo.i.~~. Ao fazê-lo. na presença desses estímulos verbais. prJ)b_aJ:~m9!3:~e de ocorrer em qualqUer·-sItuação.:i pedido: "Por favor.~f~~~o r:... 91 .Muitcs. de outras. louvor ou outros reforços. não é reforçado e com o tempo a criança diz "cão" na presença de cães e não na presença de outros objetos.~r:.iªJ.na presença de um amigo íntimo ou de um membro da família .estímulos.· ca desses estímulos são reforçadas.êpQ. mas tal generalização evita contato com aquelas que são potencialmente perigosas para nós. Ela aprendeu a discriminar e dar uma ~~_êPº.estímulos) e não o reforçando em liutras~::'sItjlªçº~i..abstração descreve o processo pelo qual uma resposta fiêii sob controle de um único elemento.çl:'.!. respondemos igualmente a uma variedade de cobras.e_parte de nosso. Um~ criança aprende a di~er "be'~:t.té!. de uni estímüi"ü'(iüe-~(rcomum-a müito·s'esHmulõs. como um cavalo. ela se extingue .ocomportamento napresençadeumestiníuia (ou grupo qe.~Oml2Q. aprendemos a dar determinada resposta só na presença de certos estímulos e outros estímulos não oferecem mais ocasião para a resposta. Um sinal de trânsito passa: do vermelho para o verde. foi expressado nã-presençã"'de estímulos visuais e respostas na presen-'. obtém controle sobre nosso comportamento. vemos que embora uma pessoa responda da mesma maneira em situacões semelhantes.. porque se tornaram estímulos discriminados. --'G~apd. como objetos de estímulo.\j "d"... A resposta a um .estímulos.reforçada na presença de outros estímulos.SJLÇOm: . Assim.. Milhares de discriminações precisam ser feitas por cada "um de nós para atender às exigências do mundo que nos cerca. A r~.verbaía passam.. ao qual não podemos no começo identificar estímulo . cometemos "erros".~.quer um doce?". e a discriminação leva a uma. Qua~q1J.e..s. uma centena de olhos segue esse movimento e juntas as vozes res90 pondem apropriadamente. :Qi~. do apresentado diante de um professor ou ministro.é diferente.. comportamento cai sob o controle de certos estímulos. .J~jf~.·~} diante da letra "b" e inibe essa resposta diante de'.. por exern-pIo.J?ó __Ocorrerá em situaçõesnas quais tenha -sIdo reforçada. mais tardepassa a ficar quase I completamente sob o controlede.:_s~.:s.~~~~t . nUS. ajude-me". porque no passado foi .' Alguns de nossos comportamentos são reforçados na presença de certas pessoas e estas. Suponha-se. / eliciador de resposta.estímulos.~ .._-ª9:q~~f_e. Os compor. Como se 'pode ver. Se a resposta da pessoa não é reforçada na nova situação. Discriminação de estímulo Se generalização sempre fosse a regra. portamento seria. foi seguida por expres. o comportamento apropriado foi reforçado. O diretor do coro levanta um dedo.çºJ}~gg~~ª_ª. Nosso comportamento .~P'ªçªº.stl!.-d~.

Generalização de resposta .fAort~lecer todas as unidades que contêm a mesma sequencla de respostas. controla a resposta "vermelho".um carro de bombeiros. chamado .ra_'_~'y'g:rmelho". "vermelhidão". .um comportamentÇl _operante. ()lltra. não se segue reforço e a discriminação começa a formar-se."3 . outro..po. situação nova que en-contrâs~' semos. Este fenômeno.TJ}.ser de maior interesse do que a maneira como ela fOI aprendida primeiro.Como uma resposta precisa ser dada 'antes que poss~ ser fortalecida por reforçadores.acentua_que. ou seja. Como os atributos de vermelhidão são reforcados na presença de muitos outros objetos vermelho~ . podemos . resposta pode .amento em unidades sólidas e resistentes e depois fl~amos surpreendido." Se vemos um pombo andando de um lado para outro com a cabeca bem er93 .A característica única que muitos objetos de diversos estímulos têm em comum. cada um de nO~§-º_~. a interpretação e as implicações dos fenômenos. Diferenciação de resposta ' . deste processo e dos princípios a serem agora discutidos que se torna possível "produzir" comportamento que não ocorreria normalmente.Ç9}::r)'.por exemplo.izgçÇiQ de T_e. treinamento em urna área decomportamento prof'iciente pode melhorar o desempenho da pessoa em alguma outra área. comum '. Nossas realizações seriam vastarnente 'limitadas. envolvem considerável pesquisa e dispu92 ta. freqi:i~.g~!J. é muito . .. A natureza contínua de comportamento leva-nos a essa conclusão. parece que e~tamos descrevendo comportamento que já foi aprendido.é.reforço é contingente das propriedades d~ resposta e .:rência.e há ausência de reforço quando a criança chama objetos "vermelhos" de maneira inapropriada.~_~p. . Adquirir a capacidade-de andar~de bicicleta parece facilitar o desempenho de dirigir uma motocicleta. aquilo que acabamos de discutir.__ Q.ç()~P<:J!"tªIl!~~!oque é fortalecido em uma situação tem probabilidadé---dé"oc'orrer' em outrãasituacões.E~ph. e recebe considerávclatencãona lit"eratura psicológica e. De fato.O que _é tra~~f.as vezes chamado diierenciação. educacional. é propensa a comportar-se de maneira semelhante no jardim da . é adquirida __ 1J. descrito por Skínner. "Dividimos o com~ort. Poucos contestam que ocorra transferência. tenha algo em. Em condicionamento operante quando o reforco é contingente _das propriedades de estímulos. Comecemos ilustrando o comportamento de um pombo.ha. Mas se ela chama uma bola azul ou verde de "vermelha.s ao descobrir que os orgamsm?s Ignoram as fronteiras que estabelecemos. na._.s.traJl$fe. para Skinner a probabilidade presente de.sJq" resposta indutiva ou transferência de resposta.um pseudo-problema. um bloco.'.e ouvindo quieta enquanto sua mãe lê. Mas desejamos sa?~r ~omo seu sistema explica respostas novas e origmais.!}temente. Se reforçamos a última resposta em uma seqüência de respostas.m~ abstração __ pa.pqp'. Ref'orcando-se . é cha~ado ~Iscnmmaçao..~rência? Corpo pode um comportamento que r:ao foi re~qrçado diretamente ser fortalecido? Para Skmner este e. Se não fosse pela generalização.difíciLpen~"s~! em __ alguma respóstaque não. É atraves.~~~-p~~d~z' pe~.f orça de. O mesmo sistema muscular pode esta~ e?-volvido em numerosas atividades.l.e. Uma criança que Ioiref'orçada para ficar sentada. que uma criança é reforçada por dizer "vermelho" na presença de uma bola.RºItªm~l1tos precisaria 13~r adqúifidó" em--'cãda..ele.com. Quando ? . um lápis.tw~L au111ente.ínfãncia ou em outras situacões de sala de aulas.ImporTante. porque gastaríamosmuito tempo na aquisição de novas aptidões e muito pouco no uso de aquisições anteriores. mas o significado do tempo.

professor ou pai).él:. gradual (:-)-\ e crescente. antes de passar para a seguinte. Um pombo pode.séríe de.êPostas (operantes) semelhantes. Poderíamos esperar que tal comportamento ocorresse para que pudesse ser reforçado. resposta. Quando observamos o pombo em sua gaiola. e saber se o comportamento tem probabilidade de ocorrer em que condições e a única maneira de f'azê-lo é conhecer muito bem seu paciente) I i ! 'I. exigindo uma aproximação que ainda não tem probabilidade de ocorrer. consideramos isso muito incomum. O comportamento do pombo torna-se muito difer~n. corno vimos na generalização de. para aquela direção: Se isto é feitoq~}p-_ªº...t. Se progredímos muito devagar.descobrimos que o comportamento de erguer a cabeça aumenta de freqüência. Através de uma série de aproximações reforçadas de um organismo. é importante reforçar rapidamente o comportamento desejado. precisa prever a resposta. Precisa predizer o comportamento antes de poder controlá-lo. Haverá ainda variação... esta Classe 'de ('<. são uma classe de r. porém. forfàie'ce 94 . Como acentuamos antes. mas talvez tivéssemos que esperar muito tempo e o condicionamento poderia ser um tanto ineficaz. e grande parte de nossa discussão anterior pode ser posta em foco. Modelagem habilidosa. o organismo é condicionado a comportar-se. a constituição da classe muda naquela direção. vemos que há variações na altura em que mantém a' cabeça. ..s e refo~çadas. . ~c vezes e a classe de respostas se desvia gradualmente ::j ~':'.' ~L. Sesó as respostas dadas na direção de algum com. diferenciações dessa natureza' é . Quando começamos a reforcar apenas as respostas extremas emitidas.as variações extremas de resposta normal .te daquele observado no início desse processo de condicionamento. Vários princípios podem ser identificados neste exemplo. Uma .. A tarefa de modelar o comportamento exige considerável aptidão como pode ser visto pela descricão de Reese: ~ Como a resposta reforçada é uma que precede imediatamente o reforço..et~. Se apenas reforçamos as respostas mais extremas na escala de respostas emitidas. I II I I .:. r I i tI I I t l 95 . Algumas variações de uma classe de respostas "diferenciam-se" e tornam-se condicionadas. o comportamento que modelamos começará a extinguir-se e precisaremos voltar a uma aproximação anterior e avançar de novo. elas são reforçadas vezes e' :~'.\"í respostasderivar-se-á nessa direção.~<. uma resposta rara pode ser aumentada até uma probabilidade muito alta em pouco tempo.. ser condicionado a comportar-se dessa maneira. consiste em selecionar as respostas corretas para reforçar e em saber por quanto tempo reforçar cada aproximação.operantes não são casos individuais de uma resposta."-'.'. enquanto outras da mesma classe são extintas. O reforçõ-todas as respostas daquela classe. O exper'imentador (ou treinador de animal. tornam-se mais 'típicas.-C'" de modo muito extremo que sem isso não teria' oc-oi:~-~.. . as anteriores são extintas. comportamento desejado. Se progredimos rapidamente demais.delafl!m ou método de aproximações sucessivas . a fim de ser capaz de reforçá-Ia imediatamente."~~~ rido. chamada" mE. O comportamento normalmente ocorre com algumas variações. Como o reforço deve ser aplicado imediatamente não há tempo para esperar que uma resposta ocorra ~ depois se deve ou não ser reforçada. antes que outra resposta intervenha. Quando respostas ~" t:~~ subseqüentes são emitidas ainda mais semelhantes ao '". Se proporcionamos reforços só quando sua cabeça e mantida erguida ._c. mas as respostas variarão em torno de uma nova posição. mas variáveis.guida no ar. portamento desejado são reforçadas. aquelas que eram extremas. o paciente pode saciar-se ou determinada aproximação pode tornar-se tão firmemente estabelecida a ponto de haver pouca probabilidade de ocorrer outra resposta. O pombo pode ser gradualmente condicionado a dar essa resposta. À medida que novas aproximações são alcançada.

importantes diferenças nas conseqüências.o.s n. análoga à modelagem de uma massa de argila por um escultor.J:IUerenciaçãoe aproximacão sucessivanão .emPlo. uma criança aprende a rolar. sentar-se" ficar em pé.-r""qüências que estão envolvidas no condicionamentO. Por exemplo." "'-'- 97 . Não podemos encontrar um ponto no qual ela apareçade repente.s. é igualmente importante na modelagem de comportamento q}le chamamos de "normal". "Em ponto nenhum surge alguma coisa que seja muito diferente daquela que a precedeu . ::. Se esperássemos perfeita articulação de uma palavra antes de reforcar uma crianca. reforçadores naturais sob a forma de realimentação do mundo exterior e dos movimentos de nosso corpo modelam nosso comportamento em muitos casos. A operação dos . Esta é uma das principais dificuldades no ensino tradicional em sala de aulas. utilizam o processo de modelagem ao gritar '''você está ficando. Quando um carro diminui a velocidade subindo um monte. Se um treinador espera que seu quadro de futebol tenha uma temporada perfeita antes de proporcionar reforços. Por ex. O comportamento que observamos fOI continuamente modificado a partir de um repertório básico que era em grande parte não diferenciado. dependem de finas diferenças em nosso comportamento.ns. pelo reforço de casos ligeiramente excepcionais de seu comportamento. Esses possuem maior probabilidade de satisfazer o critério de ímediaticidade de reforço..vida __ coJüf. .o refinamen. - 96 . Embora seja mais dramaticamente ilustrada em' tais casos. Há menos indícios de fora para dizer-lhe quando um reforço é disponível e quando não é. "6 A imediaticidade de reforço é crítica no condicionamento. Em _outros casos.princípios dB. mais .do que por uma fonte externa. Skinner considera a modelagem de comportamento.. mode'Iam nossas respostas na direção da média e não do extremo...pessoas próximas. subir escada ou' andar de bicicleta são -em. e. onde o professor tenta ser receptivo aos comportamentos de talvez 30 estudantes. Mais exatamente. nós apertamos o acelerador. a realimentação é proporcionada pelo próprio movimento. quente". como um vibrar no violino. sucessivas aproximações que foram reforçadas. Reforços sob a forma de "realimentação" aumentam as freqüências de movimentos seguidos pelo reforçador. pois sem ela a precisão do efeito diferencial é perdida.Não é .._<' grande parte escape de quedas. É evidente. gatinhar e finalmente andar. um reforço pode ser fornecido de maneira relativamente automáticapelo ambiente. porém.diffciLençol1trar exemplos dos princípios de modelagem na. que os efeitos de comportamento sobre a bola de golfe ou os pinos de boliche são necessários para manter o poder ref'orçador de realimentação corporal. nós falamos mais alto. boa forma no golfe ou no boliche é desenvolvida e mantida por realimentação dessa espécie. é um processo contínuo de modelagem. Reforçadores negativos são também importante.ªs c.!_. A maior parte de nossos comportamentos que foram reforçados por pais. Quando um estudante na última fileira indica que não consegue ouvir. é duvidoso que ele chegue a alcançar esse objetivo. Crianças brincando de esconder objetos.e. Essas mudanças de comportamento não dependem predominantemente de mudanças no mundo exterior. Em considerável medida. to de aptidõe. quando alguém que procura o objeto faz um movimento na direção do esconderijo. se limita a comportamentos extre~os. _.. Tocando um instrumento. A mudançagradual causada por retorçode aproximações sucessivas.de andar. Um reforço não é proporcionado apenas por conseqüências que planejamos. O desenvolvimento de linguagem processa-se por . ela talvez nunca adquirisse adequadas aptidões de ~linguagem. professores.iana.

Contudo. adultos retiram atenção ou afeição como punição de mau comportamento. Punição é de fato o que se supõe ser? Descobriu-se que os efeitos de punição não são opostos aos de recompensa. adultos que violam leis. por exemplo. A criança que toca um fogão quente ou que come morangos pelos quais tem alergia é punida por seu comportamento. Examinemolo de maneira mais minuciosa. em nossos esforços para controlar o comportamento social. censuramos. coagimos. desaprovamos. Provavelmente o método mais comum usado para eliminar um comportamento é a punição. Desligar o televisor quando uma criança põe o dedo na boca pode efetivamente suprimir o ato de chupar o dedo. um dos riscos assumidos no emprego de punição pode ser aqui ilustrado. multamos. Skinner define punição de duas maneiras: primeiro. Mais comumente pensamos em punição como apresentação de um estímulo aversivo. No mais das vezes. pela fuga de uma situação aversiva. segundo. Muito freqüentemente. banimos. Mas este é apenas um aspecto do tópico.Punição Anteriormente discutimos processos de extinção. como negação de um reforçador positivo e. a punição é usada para reduzir tendências em determinados comportamentos. isso é feito retirando-se o paciente da situação reforçadora. Embora punição seja um assunto altamente complexo e controvertido que gerou considerável pesquisa. Este não precisa ser aplicado por 'outra pessoa para afetar um comportamento subseqüente. encarceramos ou condenamos a trabalho forçado. Se a situação da qual a criança é retirada está proporcionando reforço. "sente-se no canto". isto é. nada acontece. A maioria de nossas informações a respeito de punição. as respostas reaparecem com o tempo.podemos estar reforçando comportamento de fuga. às vezes de maneiras sutís. a resposta gra98 dualmente se extingue. de modo geral. retiramos um privilégio de uma criança para controlar seu comportamento. o ato de responder é suprimido mais rapidamente. Como retiramos reforçadores positivos para extinguir uma resposta e também para puni-Ia. Ostensivamente. Parece antes que supri mem temporariamente um comportamento e quando a punição é suspensa. ao contrário de reforço. Se seus comportamentos na sala de aulas não são positivamente reforçados. Numerosas punições desta espécie utilizam reforçadores condicionados ou generalizados. ameaçamos. por motivos óbvios. se retiramos um reforçador e a retirada do reforçador é dependente de uma resposta. Note-se que o arranjo na punição é oposto àquele do reforço. Às vezes. Mandando uma criança para fora da classe por mau comportamento. foi produzida por pesquisa com 99 . tanto para o organismo punido quanto para o agente punidor. a punição "atua em desvantagem para ambos. a ausência de reforço de uma resposta. Contudo.' "vá para seu quarto". em resultado de mau comportamento. Tiramos o doce de uma criança ou a espancamos. onde um reforçador positivo é apresentado e um reforçador negativo é retirado. para eliminar um comportamento. Uma professora pode conservar uma criança na sala de aulas durante o recreio ou cancelar uma excursão ao campo. Espancamos ou repreendemos crianças por mau comportamento. Punição não subtrai respostas onde os reforços as acrescentam. A última é punição. existe presumivelmente motivação para voltar. deixar a sala de aulas pode ser reforçado. deve ser feita uma distinção. A retirada de oportunidade de obter reforço (chamada "time out") é usada por pais e tem sido usada experimentalmente para modificar o comportamento. como apresentação de um reforçador negativo ou estímulo aversivo. Quando uma resposta é dada e nenhum reforço se segue. a intenção aqui é apresentar a posição de Skinner: a de que com o passar do tempo.

pressão arterial. mesmo com pacientes humanos. Todavia. O primeiro efeito é a supressão de comportamento. porém. Estímulos que precedem e acompanham a punição. macacos. Quando a punição cessa. punição é aplicada com a intencão de obter efeitos mais duradouros. Se em ocasiões posteriores esses estímulos aversivos condicionados precedem punição por período de tempo suficiente para observar mudanças em comportamento. leva a respostas que são incompatíveis com o riso e tende a suprimi-lo temporariamente. Se a punição é severa. o comportamento é apenas temporariamente suprimido. Na maioria dos estudos . é explicada através do condicionamento de respostas emocionais. Punição parece ser sempre acompanhada por ansiedade. Se os testes foram usados como 101 .ratos. evocando um comportamento respondente incompatível e suprimindo o comportamento operante. Contudo. há pouco restabelecimento.direto. como a severidade da punição. Considere sua reação ao ver um trem correndo pelos trilhos em direção a um automóvel enguiçado. Tornam-se estímulos condicionados aversivos e sua presença suprime o comportamento. Se o pai ou a . mas não é um exemplo de punição. fazendo caretas ou distraindo-a de alguma outra maneira é incompatível com choro. A ansiedade pode igualmente interferir no desempenho do estudante em situações de teste. só princípios tentativos podem ser apresentados. As emoções despertadas nessas circunstâncias são os principais ingredientes de culpa ou vergonha. o estímulo condicionado dá origem a respostas emocionais que interferem na complementação do comportamento. ocorreu na presença de punição. respiração e tensão muscular. que é o segundo efeito de punição. se a motivação para comportamento punido é 'forte e não há comportamentos alternativos. adquirem propriedades aversivas. Igualmente a carranca de um professor ou outra indicação é suficiente para produzir uma resposta em um estudante porque a carranca no passado. patível com o comportamento que está sendo punido. Por esta razão e por causa da variabilidade e complexidade de situações punitivas. a resposta restabelece-se gradualmente. Skinner descreve três efeitos de punição. a resposta volta à sua força anterior.pacientes não humanos . 100 mãe diz "não-não" e bate na mão da criança. a própria expressão verbal se torna aversiva através de condicionamento e suprime o comportamento. se um comportamento sexual é severamente punido. Levar uma criança a rir. Por outro lado. É altamente provável que haja um número de importantes variáveis. É previsto que a punição não será necessária em situações futuras para controlar o comportamento. que explicam seus efeitos de longo alcance. Esses respondentes são incompatíveis com a maior parte do comportamento operante e seu efeito debilitante deve ser considerado como possível subproduto de severa punição. Isto acontece porque ansiedade inclui mudanças respondentes como intensificação do ritmo do coração. Quase todo estímulo aversivo muito forte é precedido de um estímulo discriminado que pode gerar essas respostas emocionais. pombos. Por exemplo. vemos resultaçlos' que são chamados ansiedade. repreender uma criança por rir de maneira inapropriada na classe. Isto parece ocorrer quando a resposta de alguém à punição é incom-. Punição parece suprimir resposta só temporariamente. a freqüência de seu uso e o grau de motivação que influencia um comportamento sob condições punitivas. a punição e estímulos subseqüentes podem mais tarde interferir em comportamento sexual socialmente aceitável. A medida em que um comportamento indesejável é suprimido sem controle ". Quando a punição é retirada. Um dos problemas de ansiedade é que ela interfere no comportamento normal do indivíduo e pode mesmo impedir que ocorra apropriado comportamento de fuga.

são reforçadas porque proporcionam esquivarse dos estímulos aversivos condicionados. que é então fortalecida mediante reforçadores positivos. portanto. pode eliminar um comportamento indesejável. resultantes de seu comportamento (ansiedade) e da vista da caixa de fósforos. em outras palavras. Encadeamento Os processos de discriminação e diferenciação que discutimos. como comportamento inconveniente ou. em oposição à própria punição. estamos evitando estimulos aversivos condicionados. Agora. Estímulos são recondicionados através da punição e fazer alguma coisa. Outra razão que tem sido apresentada para o emprego generalizado de punição é que a punição reforça o punidor. A posição de Skinner é. como não brincar 'com fósforos é novamente reforçado. Se não é possível estabelecer condições para extinção. ou que a punição pareça dar resultado apenas de vez em quando. Como adultos adquirimos vasto número de respostas diferenciadas que podem ser dadas a um número ainda maior 103 . Podemos evitar o emprego de punição. pela fuga de estímulos condicionados. Anteriormente. é menos fortemente reforçado e o comportamento punido volta com o tempo. O terceiro e mais importante efeito de punição é o seguinte. O comportamento incompatível (em nosso exemplo. Pessoas continuam a usar punição para controle comportamental por essa razão. e nosso comportamento é reforçado. negação de reforço em seguida a resposta. Quando a criança vai acender fósforos. Pela nossa resposta de punir. se a punição dessa maneira é repetidamente evitada. são gerados estímulos condicionados aversivos. Largar os fósforos ou respostas de fuga semelhantes. Mesmo que o comportamento suprimido volte de vez em quando. isto é. punição não elimina realmente um comportamento e a supressão temporária é obtida ao tremendo custo de reduzir eficiência e felicidade. Ainda não temos razão para supor que' o comportamento punido tenha sido permanentemente enfraquecido. Nesse caso. Mais punição foi evitada. É bem possível que suprimir temporariamente uma resposta através de punição branda seja eficaz porque ocorre uma resposta alternativa. Suponhamos que nessa ocasião a criança acenda um fósforo e queime o dedo. a de que a longo prazo. à medida que se desenvolve sua aptidão de acender fósforos.ameaças no passado. observamos que estímulos mentais adquirem propriedades aversivas através de um processo de substituição de estímulo. não da picada da abelha propriamente dita. 102 Punição severa sem dúvida tem o efeito imediato de reduzir determinada resposta. atuam juntos durante toda nossa vida. É agora temporariamente suprimido por estímulos condicionados. o comportamento volta com plena força. o comportamento pelo qual foi anteriormente punida. A maioria dos adultos acredita que punição é um método de controle necessário e eficaz. nós a punimos. o de largar os fósforos). enfraquecendo comportamentos de outras maneiras. Se a punição (queimar o dedo) não ocorre de novo. os próprios testes constituem punição e são acompanhados de mudanças respondentes que chamamos de ansiedade. as respostas aos estímulos aversivos condicionados sofrem extinção. À vista ou som de uma abelha é suficiente para produzir comportamento de fuga. o esquema intermitente reforça e sustenta o comportamento punidor dos pais. o comportamento inoportuno (estímulo aversivo) é retirado. Reforço positivo direto é sempre preferível porque parece ter menos subprodutos condenáveis. constituindo reforço negativo. Quando ocorre um comportamento que é aversivo para nós. rude de uma criança.' condicionar outro comportamento incompatível através de reforço positivo.

a maioria dos comportamentos ocorre em cadeias. com o que a bolinha de alimento era automaticamente descarregada em uma bandeja próxima. proporciona o estímulo discriminado para o segundo número ou letra e assim por diante. No começo talvez seja necessário. reforçar. é uma cadeia de respostas e pode ser muito difícil para uma criança retardada dominar tudo de uma vez. Depois pede à criança que puxe-a para cima. que ilustra eficientemente o produto final de condicionamento de uma cadeia de respostas: Ele primeiro puxava um cordão que pendia do alto de sua gaiola. isso recebe o nome de encadeamento. é melhor ensinar seqüências longas começando perto do fim de.de estímulos discriminados. portanto. que finalmente levam a reforços. cada bocado que comemos tem o efeito habitual de tornar o bocado seguinte menos provável. pôr suas mãos na calça. Tendemos a pensar no ato de vestir-se como tarefa relativamente simples. Na realidade. Keller descreve o comportamento de um rato branco chamado Pliny. porém. Se é encontrada dificuldade. pois outras variáveis podem ser alteradas por comportamento. Contar ou dizer as letras do alfabeto são exemplos simples de cadeias. tocando-a ou puxando-a ligeiramente. Quando possível. ensinando primeiro o último passo. mas desta vez ela é deixada mais baixa em suas pernas. sua complexidade é ampliada. o reforço é geralmente proporcionado apenas com a complementa. Esse puxão fazia com que uma bola de gude fosse solta de uma estante no alto. ção do ato inteiro de puxar a calça para cima. comia-a e voltava a repetir a seqüência de atos. que é a primeira resposta na cadeia. a última resposta a ser adquirida por Pliny foi puxar o cordão. ' 105 . unidades que podem ter sido originariamente muito diferentes agrupam-se em unidades maiores. ele erguia a bola até o alto do tubo e a deixava cair dentro. torna-se necessário voltar atrás e modelar mais gradualmente. À medida que o comportamento é modificado. Ela é . Devemos perceber que uma seqüência de comportamento. Aproximações mais estreitas são necessárias para reforço à medida que o comportamento é modelado. a criança é ajudada novamente a entrar na calça. porque a condição de privação está sendo modificada. Para vestir uma calça. estímulos discriminados evocam respostas diferenciais. que produzem outros estímulos discriminados e respostas diferenciais. apanhava a bolinha de alimento." ~04 Em comportamento humano. ele a apanhava com as patas dianteiras e a levava através da gaiola até um pequeno tubo que 'se projetava verticalmente. nas quais a resposta de dizer o primeiro número ou letra. Cadeias de respostas parecem ser estabelecidas de trás para diante. uma seqüência. Por cuidadosa análise de comportamento. O primeiro elo em uma seqüência é o último a ser acrescentado. por exemplo. duas polegadas acima do piso. como vestir a calça. mas quando se tenta ensinar esse comportamento. podem ser identificados pedaços de comportamento a serem aprendidos. o treinador ajuda a criança a entrar na calça de modo que ela fique quase vestida. No passo seguinte.novamente instruída a puxar a calça para cima. Depois. Quando uma resposta produz ou altera as variáveis que controlam outra resposta. a uma criança retardada. Pliny aproximava-se então da bandeja. Cadeias não se limitam à produção de estímulos discriminados. talvez abaixo dos joelhos. Em sua maior parte. Mudamos habilmente de uma resposta para outra à medida que mudam os padrões de estímulos com que nos defrontamos. o que torna muito difícil para um observador identificar os diferentes elos em uma cadeia. com uma resposta levando a outra suavemente. Comportamento em situações cotidianas parece ser uma seqüência em progresso contínuo. Por exemplo.. Quando jantamos. . Quando a bola de gude caía ao chão.

quando' a aptidão foi adquirida. por exemplo. Em geral. desenvolvido . Pronunciamos o nome de um objeto e dizemos à criança para repetir o que falamos. no qual o imitador faz exatamente o oposto da pessoa que está sendo imitada (dança. à medida que a aptidão da criança melhora em cada fase. . Em tais casos. O pai ou a mãe reforçam o comportamento imitativo. demonstramos aptidões ao aprendiz. . A imitação é também encorajada no desenvolvimento de aptidão. glândulas e músculos.Na última fase. 107 . A tentativa de pôr os pés dentro da calça é reforçada. caminhar traz a ocorrência de novos estímulos visuais.· No desenvolvimento de linguagem.chegamos' aqui ao fim desta parte de nossa discussão. o conceito freudiano de identificação). O comportamento de imitar outros é tão bem desenvolvido na pessoa mediana' que esquecemos suas origens e ele é facilmente aceito como parte inerente do comportamento da pessoa. portanto. No capítulo que se segue focalizaremos mais especificamente as implicações educacionais da teoria. a seqüência total é necessária antes que seja proporcionado reforço. A imitação desenvolve-se como resultado de reforços discriminativos. tênis. dizendo "olhe o que eu faço" ou "vou mostrar-lhe". Uma resposta é dada na presença de um estímulo e é reforçada. Vestir-se geralmente é seguido pelo desjejum e esse reforço é dependente da criança ter-se vestido. as vocalizações espontâneas da criança 106 que se aproximam da linguagem do adulto são reforçadas. esgrima). Finalmente. . O vocabulário é. Estímulos internos surgem dos intestinos. Esses estímulos auditivos são importantes na manutenção de nossas seqüências de respostas de fala. .pelo reforço de respostas imitativas. uma resposta pode produzir estímulos externos. qualquer estímulo que uma resposta produz.A imitação reversa também ocorre. Observar as conseqüências do comportamento de outro afeta o grau em que um modelo é imitado. Quando ela o faz. por exemplo.pelo menos em parte . uma resposta da parte de um indivíduo. Podemos facilmente estabelecer um comportamento. nós a elogiamos. é Imitação Apesar da forte crença em contrário.CBandura e Walters? passaram em revista a pesquisa nesta área). Além disso. a calça colocada em frente da criança e pede-se a ela que vista sua calça. Alguns tipos de estímulos envolvidos no encadeamento são internos do organismo e alguns são externos. como são outros passos na seqüência. pode vir a controlar a resposta seguinte na cadeia. Falar consiste em movimentos musculares e em nossa resposta vocal que produz estímulos sonoros. o comportamento imitativo não parece resultar de qualquer mecanismo reflexo inerente (por exemplo. Embora haja muito mais coisas que podem ser ditas a respeito do sistema de Skinner -e muitos detalhes foram omitidos . outros reforços mantêm o comportamento. Com muita freqüência. A imitação desempenha importante papel na aprendizagem humana. constitui um estímulo discriminativo para uma resposta diferente da parte do outro. Assim.