You are on page 1of 6

Ética da Esperança de Jürgen

Moltmann [Resenha]
Ethics of Hope by Jürgen Moltmann [Book Review]
Ética de la esperanza de Jürgen Moltmann [Reseña]
Helmut Renders
Resumo
Resenha do livro: Jürgen Moltmann. Ética da Esperança. Tradução de Vilmar
Schneider. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2012.
Abstract
Book review of: Jürgen Moltmann. Ética da Esperança. Tradução de Vilmar
Schneider. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2012.
Resumen
Reseña del libro: Jürgen Moltmann. Ética da Esperança. Tradução de Vilmar
Schneider. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2012.

No conjunto da obra de Moltmann, “Ética da Esperança” (2010
[em alemão]) pode ser vista de duas formas. Primeiramente, ela ainda
faltava no ciclo das monografias teológico-sistemáticas deste autor que
são, em ordem cronológica:

Prolegômenos: Teologia da Esperança (1964)
• Antropologia: A alegria de ser livre (1970). [literalmente: Os
primeiros libertos da criação]
• Antropologia: O ser humano: antropologia cristã nos conflitos
contemporâneos. (1971) – sem tradução para o português;
• Método teológico: O Deus crucificado: a cruz de Cristo como
fundamento e crítica da teologia cristã (1972);
• Eclesiologia: Igreja na força do Espírito: uma contribuição para
uma eclesiologia messiânica (1975);
• Antropologia: Quem é o ser humano? (1975);
• Ética: Dignidade humana, justiça e liberdade (1979);
• Experiências de Deus: esperança, medo e mística (1979);
• Doutrina da trindade: Trindade e Reino de Deus: em relação à
doutrina de Deus (1980);
• Ética: Diaconia no horizonte do reino de Deus: passos para uma
atitude diaconal1 de todos os crentes (1984);

“Diakonentum aller Gläubigen” ecoa “Priestertum aller Gläubigen” (sacerdócio universal). A
expressão ganha sua importância pelas circunstâncias da criação do livro. Em 1984, o
ano da diaconia na Alemanha, Moltmann destacou uma diaconia não predominantemente
institucional, mas atitudicional de cada pessoa no cotidiano.

1

Revista Caminhando v. 17, n. 2, p. 157-162, jul./dez. 2012

157

sob consideração de perspectivas “anabatistas”. mas aquela que leia a vida e a sirva. 2008. No segundo capítulo. Este tema é recorrente em Moltmann desde a sua análise do nacional-socialismo.• • • Ética: Teologia política. ética política (1984). esperar e apressar) para depois discutir. 195 ). RENDERS. Na segunda parte desse capítulo. Considerando ainda as duas obras de 1984. o fazer necessário. o autor trata de questões da ética da medicina. como nos momentos central e final. iniciado há 46 anos. uma teologia especulativa. tanto na primeira fase da sua obra. o autor parte de perguntas existenciais (o agir livre. na cristologia (1989) e na pneumatologia (1991). base da sua ética da esperança. O terceiro capítulo responde aos temas ecológicos. p. contribuições luteranas e calvinistas. Desta vez. No primeiro capítulo. poderíamos também dizer que os temas da ética estão permanentemente presentes em Moltmann. (4) A ética da paz justa (p. o autor propõe uma cultura da vida que se opõe aos sinais de culturas da morte. na criação (MOLTMANN. • Escatologia: A chegada de Deus: escatologia cristã (1995). 15). Com bases nos sinóticos. Novamente. 271). Moltmann desenha uma mentalidade que se opõe ao império. Organização O livro é organizado em cinco capítulos: (1) Escatologia é ética (p. a ética fecha um ciclo. em Paulo e João. 53-66) e a outra não traduzida sobre a ética política. Quinze anos depois da escatologia. Este primeiro capítulo fecha como a proposta de uma escatologia transformadora. parece retomar temas anteriores à sua ênfase na teologia trinitária (MOLTMANN. Essas profundas reflexões irão ajudar muitas pessoas a trilhar seus caminhos em áreas tão conflitantes. Isso acompanha a tendência do autor de não apresentar. com a obra Teologia da esperança. (5) A alegria em Deus – contrapontos estéticos (p. 1980). o autor introduz uma fundamentação bíblica. De certo modo. o autor explicita seu ponto pelos temas do terrorismo e da indústria nuclear. 59). suas lógicas sacrificais e de negação da vida. (3) A ética da terra (p. • Cristologia: O caminho de Jesus Cristo: cristologia em dimensões messiânicas (1989). seja qual for o assunto. Doutrina da criação: Deus na criação: uma doutrina da criação ecológica (1985). sem ignorar a contribuição 158 Helmut Renders: Ética da Esperança de Jürgen Moltmann [Resenha] . com focos no início e no fim do ciclo humano de vida. basicamente. 1985). • Pneumatologia: Espírito da vida: uma pneumatologia integral (1991). (2) Uma ética da vida (p. 132). Ética: Ética da esperança. uma pouco conhecida sobre a diaconia (Cf.

O quarto capítulo volta. conduz a discussão para a questão de um “estilo de vida alternativo” ou a importância do tema do homo sustentabilis. As ênfases aqui correspondem àquelas dos capítulos dois a quatro. lamentavelmente. mas a distinção entre justiça distributiva e justificativa – não imputativa – é também relevante nas questões que envolvem o sujeito. o texto bíblico é introduzido nos capítulos dois a quatro como horizonte de esperança em relação à vida. 20). os capítulos 2 a 4 representam um convite de responder às três ameaças da vida atualmente mais evidentes e globalmente relevantes com os recursos da esperança cristã. O júbilo da ressurreição de Cristo (p. 2012 159 . de certo modo. como atitude que assume a sua responsabilidade sem se desesperar com o caráter prolixo e lento de processos sociais. 273). pela sequência trinitária mesmo./dez. à terra e à convivência. Aqui. a um tema do primeiro quando discute o monopólio da violência no estado moderno e o direito à resistência (V. Podemos dizer que o teólogo Moltmann não segue a tentação clássica da teologia calvinista de enfatizar o compromisso da fé. O shabbat: a celebração da criação (p. p. abre uma conversa com a teoria da evolução – especialmente. n. A contribuição desta obra Primeiro. 277). seguem-se sempre ponderações concretas. No quarto parágrafo. O quinto capítulo volta ao tema da esperança e apresenta-o sob um ângulo trinitário. e isso já desde o início do livro (“Esperar e apressar”. Apesar da visão ampla. jul. mas invertem a ordem dos dois primeiros. 157-162. Na última parte. p. não contém um aprofundamento bíblico. não foca no projeto da antecipação do reino na ação. 2. Esta parte. por Revista Caminhando v. Segue um subcapítulo sobre a ecologia no sentido mais específico que finaliza com uma problematização do modelo da ecologia profunda. provavelmente. do estilo de vida e da promoção de uma cultura justa e. o autor discute a relação entre controle e confiança – em conversa com o famoso ditado de Lenin – e termina (§5) com uma ampla reflexão sobre direitos humanos e cidadãos. mas no efeito da dimensão trinitária sobre a vida da comunidade da fé como fundamento da sua caminhada. a questão política. Diferentemente. como é o caso nas escolhas da ética da medicina. chama atenção por não se tratar de uma ética predominante deontológica (apesar de não ignorar o assunto [p.§3). Segundo. O enfoque é. 16: “O que devo temer? O que devo fazer?”]). desta vez. Depois.de Lovelock (modelo da gaia). 281). mas constrói seu discurso a partir do “Evangelho” e da “Esperança” como base e horizonte. 17. para desconstruir modelos como o do social-darwinismo. “É paz em meio ao conflito” (p. Em tudo transparece nesta obra o bonhoefferiano “resistir e se entregar”.

No primeiro capítulo. o autor menciona como direito humano econômico em relação aos direitos ecológicos da natureza (p. Para o contexto mundial – talvez menos alemão – uma discussão da ética em consequência da escatologia dispensacionalista faz também falta (2Ts 2. porém ainda não visto (nem na época da cristandade). encontram-se muitos detalhes riquíssimos. Outras questões de grande impacto. como. junto à questão da terra e da justiça. por exemplo. provavelmente. comunidade e igreja. é isso para Moltmann a principal razão da existência de uma ética cristã: articular esperança em um mundo ao qual não se sabe dar seu sentido último e.causa disso. no pa160 Helmut Renders: Ética da Esperança de Jürgen Moltmann [Resenha] . é um caso limite. por causa disso. o contexto europeu do autor e sua tendência a responder essas questões de uma forma menos conflitante e mais a partir dos interesses do estado laico. p. Já a esperança cristã é o ingrediente principal para alimentar os processos da transformação (I.“O katechon apocalítico”. Aqui transparece. Terceiro. tanto do ser humano como da criação.§4. Moltmann não defende e idealiza a preservação de uma suposta ordem cristã e jamais um “retorno” para o modelo da cristandade à qual todo mundo deve se submeter. 30s. são tratados como temas do luteranismo alemão e calvinismo anglo-saxão). O autor responde com a constatação de que se trata de uma pergunta e uma resposta da fé e que o universo ou a natureza em si certamente não providenciarão um sentido da vida. A ética católica e aquela resultante da escatologia dispensacionalista caberiam bem no primeiro capítulo. teria fechado o conjunto de uma ética da sustentabilidade). mas seu enfrentamento. não se sabe valorizar a vida. mas pessoal.16. A ética da esperança contribui para que cada cristão e cristã. 66). o autor explica duas ausências: uma reflexão específica sobre a doutrina social católica e sobre uma ética da economia (que.26s e Ap 16. de etnia e de orientação sexual não receberam atenção. p. como as de gênero. De certo modo. Quanto à tradução e à editoração O livro foi bem traduzido e contém somente uma decisão de tradução que. a sua reflexão sobre a existência de vida humana inteligente a partir dos princípios “antrópico forte” e “antrópico fraco” (p. O foco não é o problema. Temas não abordados Na página 12.14. Já a ética econômica. Ele apresenta uma visão de outro mundo possível. mas baseado nas grandes promessas bíblicas. “O Hermagedon”. sejam “sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que pedir a razão da esperança que há neles”. segundo o meu ver. inclusive não somente institucional.3) com alegria (5§1-3). 260). confiável.7-8 . como sempre nas obras de Moltmann.

estabeleceu-se “Täufer” para substituir o discriminatório “Anabatistas”. Primeiro. colocou simplesmente “batistas”. Verlag. a tradução teria se destacado até em comparação ao original. A alegria de ser livre. encontramos um sumário minúsculo contendo somente os capítulos. MOLTMANN. [coletânea Kaiser Traktate. passa por um momento de uma nova apreciação institucional do latim em estudo e culto. jul. Referências bibliográficas MOLTMANN. Jürgen. 2. 320p. Diakonie im Horizont des Reiches Gottes? Schritte zum Diakonentum aller Gläubigen. Berlin: Kreuz. deveria o sumário conter. os subtítulos do primeiro nível (no texto. Jürgen. O tradutor. MOLTMANN. 157-162. 17. nas páginas 307-313 (!) o mesmo de forma completa. reservado ao movimento na época da reforma protestante. São Paulo: Paulinas. historicamente. Christian Kaiser Verlag. Mit einem Beitrag von Ulrich Bach und einem Vorwort von Theodor Schober. MOLTMANN. n. o que. porém. Na página 7. Esta escolha de tradução merecia uma nota explicativa. Revista Caminhando v. Mensch: Christliche Anthropologie in den Konflikten der Gegenwart. marcados como “§. Die ersten Freigelassenen der Schöpfung: Versuche über die Freude an der Freiheit und das Wohlgefallen am Spiel. Neukirchen-Vluyn: Neukirchener Verlag. levado a identificar os batistas em geral e os batistas brasileiros em especial com os movimentos dos séculos 15 e 16. Não entendemos a forma de diagramação escolhida tanto para o sumário como para os índices de nomes e de versículos bíblicos. as longas listas com espaços generosos entre as linhas não favorecem a leitura e impedem uma rápida orientação no índice geral e nos índices remissivos. além da possível confusão criada na cabeça do/a leitor/a brasileiro/a. Na academia alemã. na p. n. MOLTMANN. Assim. 79p. são detalhes que não conseguem diminuir a qualidade geral do texto e da editoração. aparentemente ciente desse problema. Jürgen. 2]. Der gekreuzigte Gott: das Kreuz Christi als Grund und Kritik christlicher. 1972. 1971. Jürgen. Theologie.rágrafo 3 e seus subcapítulos 2 a 4 traduz-se “Täufer” por “batistas“. 19892. por exemplo. os religiosos. Isso. Jürgen. Christian Kaiser Verlag.”). Segundo. 2012 161 . mas até explicadas. 19841./dez. p.. 1970. no mínimo. chamado “Índice Geral”. MOLTMANN. seria totalmente errado. Diaconia en el horizonte del Reino de Dios: hacia el diaconado de todos los creyentes. 27). 1987. Jürgen. Tradução de Constantino Ruiz Garrido. 1971.. algumas citações em latim como “Deus non est otiosus” (“Deus não é ocioso” ou “desocupado”) poderiam ser não somente traduzidas (como é o caso. Apesar de ser uma editora católica cujo grupo alvo. Guevara: Sal Terrae. dessa vez.

Gotteserfahrungen: Hoffnung.metodista.br/revistas/ revistas-ims/index. Jürgen. Jürgen. 325. “Diaconia no horizonte do Reino de Deus – Uma apreciação de uma contribuição moltmanniana no ano do centenário do credo social”. Politische Theologie. 2010. 1975. Jürgen. MOLTMANN. 1985. Helmut. Recht und Freiheit. Dipsonível em: < https:// www. vol. MOLTMANN. MOLTMANN. MOLTMANN. 2012. Jürgen. Jürgen. 162 Helmut Renders: Ética da Esperança de Jürgen Moltmann [Resenha] . Jürgen. Jürgen. Acesso em: 20 out. In: Caminhando. Berlin: Kreuz Verlag. Stuttgart. 2008). Gott in der Schöpfung: ökologische Schöpfungslehre. Kirche in der Kraft des Geistes: ein Beitrag zur.php/CA/article/view/1046/1083 >. Berlin: KreuzVerlag. 175p. 272 p. 1984.  RENDERS. 1971. Christian Kaiser Verlag. Angst. Ethik der Hoffnung. Menschenwürde. 13. Mystik. MOLTMANN.MOLTMANN. politische Ethik. n. 1979a. 2. MOLTMANN. Gütersloher: Gütersloher Verlagshaus. München: Christian Kaiser Verlag. messianischen Ekklesiologie. 1979c. 53-66 (jul. Mensch: Christliche Anthropologie in den Konflikten der Gegenwart. München: Christian Kaiser Verlag. München: Christian Kaiser Verlag. p./dez.