You are on page 1of 2

TRATAMENTO

O tratamento de pacientes portadores do transtorno bipolar é uma tarefa altamente
complexa. Antes de tudo, porque envolve estratégias distintas nas diferentes fases da doença: mania,
depressão e eutimia (CHENIAUX, 2010). Segundo LAFER; NERYE, (2011) “a utilização dos
estabilizadores de humor é fundamental em todas as fases do tratamento farmacológico do
transtorno bipolar”. Por exemplo, se paciente estiver depressivo pode-se usar o estabilizante e
antidepressivos, se estiver em mania pode-se usar estabilizante e antipsicótico, no entanto como o
objetivo do trabalho é tratar a mania do transtorno bipolar tipo II, isso vai ser detalhado ao longo do
tratamento.
Porém para ser um estabilizante ideal é preciso: ser eficaz na mania e em estados mistos,
tratar depressão aguda bipolar, reduzir a frequência e/ou gravidade de recorrências maniacas e/ou
depressivas, não piorar mania nem depressão, não induzir ciclagem rápida. E das drogas que se
usam para o tratamento do paciente Bipolar, o lítio é a que melhor se encaixa nessa
definição(KAPCZINSKI; QUEVEDO, 2009).
O tratamento abordado aqui foi baseado a diretriz internacional da CANMAT, a qual foi
desenvolvida em conjunto com a Internacional Society for Bipolar Disorders (ISBD), entidade a
qual pertence a Associação Brasileira de Transtorno Bipolar (ABTB). Especificamente, a diretriz de
tratamento de transtorno bipolar da CANMAT classificou as diversas opções medicamentosas em
níveis de evidência científica a partir de estudos sobre sua eficácia e segurança (Tabelas 2 e 3
Tabela 2 critérios de evidência segundo o CANMAT
1
Meta-análise ou replicado duplo-cego (TB), randomizado, ensaio clínico
controlado (ECR), que inclui uma condição placebo
2

Pelo menos um TB-ECR com placebo ou comparação ativa
condição

3

estudo não controlado prospectivo, com pelo menos dez ou mais
assuntos

4

Relatos ou opinião de especialistas

Fonte: (Yatham et al., 2013)
Nota: ECR = O estudo clínico randomizado
TB = TRANSTORNO BIOLAR

Tabela 2 recomendação de tratamento segundo o CANMAT
Primeira linha
Nível 1 ou 2 provas além apoio clínico de eficácia e segurança
Segunda linha

Nível 3 provas ou superior além apoio clínico de eficácia e segurança

Terceira linha

Nível 4 provas ou superior além apoio clínico de eficácia e segurança

Não recomendado Nível 1 ou 2 provas por falta de eficácia
Fonte: (Yatham et al., 2013)

Portanto, recomendações de tratamento de primeira linha são
medicações que são o padrão ouro de estudos clínicos.

Primeira linha

Monoterapia: lítio, valproato, divalproex ER um , olanzapinab,
risperidona, quetiapina, XR quetiapina, aripiprazol, ziprasidona,
asenapina um, paliperidona ERum
O tratamento concomitante com lítio ou valproato : risperidona,
quetiapina, a olanzapina, aripiprazol, asenapina um

Segunda linha
Terceira linha
Não recomendado