You are on page 1of 12

BANDAS ESCOLARES

LORENZET, Simone – Secretaria Municipal de Educação de Chapecó – SC
educacao@chapeco.sc.gov.br
TOZZO, Astrit Maria Savaris – Secretaria Municipal de Educação de Chapecó – SC
educacao@chapeco.sc.gov.br
Eixo Temático: Cultura, Currículo e Saberes.
Agência Financiadora: Não contou com financiamento
Resumo
Este artigo relata o respeito à atividade musical como fator importante para o
desenvolvimento social e cultural do ser humano, especialmente das crianças e adolescentes,
pois possibilita o desenvolvimento e fortalecimento do raciocínio lógico-matemático, do
senso estético, da percepção sonora e espacial, além da coordenação motora e capacidade
inventiva. Com base nessas considerações, a Secretaria Municipal de Educação de ChapecóSC planejou e executou o projeto Bandas Escolares, o qual tem o objetivo de promover a
aproximação entre os alunos e o ambiente escolar, percebendo-o como espaço de lazer e
interação com os colegas e professores. O propósito é também resgatar valores culturais,
respeito, amor à Pátria, ética, formação moral, entre outros. Além disso, pretende-se realizar a
inclusão social no seu verdadeiro sentido, respeitando-se as diferenças e necessidades de cada
aluno, bastando, para isso, que ele esteja matriculado, frequente regularmente as aulas
comprometa-se com os ensaios e apresentações. Para a execução do projeto, no ano de 2008,
5 Escolas Básicas Municipais – EBMs - receberam instrumentos musicais, uniformes e
orientação de dois instrutores (um professor de Educação Física e uma musicista)
devidamente habilitados. Os ensaios são ministrados no contra turno das aulas, e cada escola é
responsável pela manutenção dos instrumentos e dos uniformes doados pela Secretaria de
Educação. Cada banda é formada por um corpo coreográfico de balizas e porta-bandeiras, um
grupo musical composto por liras e um grupo de percussão. Além de oferecer oportunidade de
permanência do aluno em ambiente escolar, fortalecendo, também, a parceria família-alunoescola, o projeto ajuda na construção do caráter cívico. Atualmente, as bandas envolvem um
total de 560 alunos que se apresentam em diversos eventos, recebendo apoio e incentivo para
a continuação do trabalho.
Palavras chave: Crianças. Adolescentes. Bandas escolares. Inclusão. Cidadania.
1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ - SC
Com aproximadamente 180.000 habitantes, o município de Chapecó está localizado na
América do Sul, Brasil, Estado de Santa Catarina, na região Oeste, a 630 km de Florianópolis,

político e cultural do Oeste do Estado. Localizada em meio a um entroncamento de rodovias federais e estaduais. O rápido e constante crescimento das agroindústrias ampliou o mercado de trabalho e transformou-se na base da economia da cidade. o que justifica a preservação dos costumes gaúchos em vários CTGs (Centros de Tradições Gaúchas). Por isso. o investimento nesse setor não tem precedentes na história da cidade. o setor metal-mecânico surgiu como alternativa de desenvolvimento e vem se especializando na produção de equipamentos para frigoríficos. 2 PROJETO BANDAS ESCOLARES 2.1 INTRODUÇÃO A receptividade à música é um fenômeno corporal que exerce grande influência na sociedade. rumo a São Paulo. Mais tarde. Chapecó é um ponto estratégico para negócios transfronteiras no Sul do Brasil. o Oeste catarinense era habitado apenas por índios. Até 1838. A partir das paradas de tropeiros e com a vinda das companhias colonizadoras. p. atuando como instrumento de transformação individual e social. principalmente do Rio Grande do Sul.4894 capital do Estado e possui uma área de 625. para comercializar gado. Evidentemente. o ritmo de pulsação excitante e envolvente da música é um dos elementos formadores de vários grupos que se . entre as metas prioritárias para a continuação do desenvolvimento do município está a educação de qualidade.78). ocupando lugar de destaque na economia catarinense. A colonização é predominantemente italiana. com acesso fácil aos países do Mercosul. entre outras etnias como alemã e polonesa. Foi quando tropeiros paulistas e imigrantes italianos e alemães vindos do Rio Grande do Sul começaram a cruzar a região. juntamente com a agricultura.Fundamental (1998. a cidade é pólo agroindustrial do Sul do Brasil e centro econômico. Tem prestígio internacional por ser grande exportadora de produtos alimentícios industrializados de natureza animal. iniciou-se o processo de migração de outros Estados. o que facilita ser a cidade um local apropriado para a realização de grandes eventos de cunho nacional e internacional.60km2. Fundada oficialmente em 25 de agosto de 1917. É também considerada a Capital Latino-Americana de Produção de Aves e Centro Brasileiro de Pesquisas Agropecuárias. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais Artes .

A interdisciplinaridade da música permite vários trabalhos didáticopedagógicos. tanto se podia (e se pode) ninar uma criança como se estimulavam os homens das tribos para o feroz combate. tanto se intensificava a nostalgia do amor como se ofertava aos deuses um sacrifício. com a sua ajuda. com a arquitetura. de ligação entre os povos e mensagem universal. Sua dimensão intercultural é. expressando dor. entre outros. amor à Pátria. 3 BREVE HISTÓRICO DAS BANDAS E FANFARRAS . promovendo a inclusão social no seu verdadeiro sentido. uma vez que. utilizando-o como espaço de lazer e interação com os colegas e professores. Comunica-se com a matemática com a literatura. respeito. O objetivo é. Além disso. respeitando-se as diferenças e necessidades de cada aluno. visando a ampliar o universo cultural das crianças e adolescentes por meio da musicalidade. é possível estabelecer um código comum. ética. Com base nessas considerações. através de suas especificidades. através dela. buscando a revitalização das bandas como uma prática contemporânea. especialmente entre as crianças e adolescentes. fator de comunicação. pelo comportamento que os identificam e pelos estilos musicais de sua preferência. bastando. a Secretaria Municipal de Educação de Chapecó-SC planejou e executou o projeto Bandas Escolares. da percepção sonora e espacial. além de propor o resgate dos valores culturais. para isso. A magia apoderou-se dela desde os primórdios da humanidade. Através dos tempos. formação moral. sem dúvida.4895 distinguem pelas roupas que vestem. assim como a coordenação motora e capacidade inventiva. promover a aproximação entre os alunos e o ambiente escolar. A música acompanha a vida do homem em todas as suas fases. alegria. O poder da música é conhecido desde muito cedo. com todas as formas de expressão artística e com as novas tecnologias. saudosismo. com as ciências sociais e humanas. perceptível em todos os países. que ele esteja matriculado e frequentando regularmente as aulas. tem a capacidade de interagir com outras linguagens e outras culturas. do senso estético. entre outros sentimentos. também. sem abrir mão de algumas tradições. A música. sabe-se que a atividade musical possibilita o desenvolvimento e fortalecimento do raciocínio lógico-matemático.

que passaram a encabeçar os desfiles cívicos. Assim. 1998. foi o trabalho do maestro Heitor Villa-Lobos . Assim. Durante o Estado Novo (1937-1945). Com o tempo. cujo repertório era baseado em canções que valorizavam a cultura nacional e enalteciam os valores patrióticos.compositor. convencionou-se que as fanfarras são grupos compostos exclusivamente por instrumentos de percussão e sopros de metal. aos poucos. com provável influência dos gregos que valorizavam a disciplina física na formação militar. existentes desde o Império. 07 de setembro. geralmente no dia da Independência do Brasil. muitas vezes. 3. têm também instrumentos de sopro de madeira. Fanfarras e agremiações musicais. chamadas de Fanfarras. houve uma lacuna preenchida. reservavase um lugar para os músicos que. .4896 Segundo os historiadores. o conceito de Banda Marcial já tinha sido popularizado pelos romanos. O período militar brasileiro. na área musical. ao incentivar esses eventos.1 DIFERENCIANDO BANDAS E FANFARRAS O modelo americano das marching bands influciou as modernas bandas marciais e musicais. de regra. os desfiles cívicos perderam parte da popularidade que tinham há algumas décadas. As bandas. professor e maior representante da corrente nacionalista na música brasileira . (PCN Artes. Já as fanfarras mantiveram características técnicas mais simples. o governo Getúlio Vargas preocupou-se em estimular o sentimento patriótico nas escolas e agremiações civis. as apresentações das bandas ou fanfarras à ditadura. desde a Antiguidade Clássica. uma vez que os recursos instrumentais eram mais limitados. no entanto.dos Orfeões (coral amador). comumente. especialmente voltada para a música. Com o fim do Estado Novo e do movimento orfeônico. Esse tipo de canto. estavam à frente das paradas militares. pelas Bandas. Vale mencionar que as pequenas bandas das quais se originaram os grupos que executam o frevo em Pernambuco eram.24). a finalidade desses desfiles obrigou a uma seleção de instrumentos musicais com base em sua portabilidade. introduziu o ensino obrigatório da música nas escolas. causou uma falsa impressão no país que associa. Como havia a especialização de funções dentro das organizações militares. O que mais se destacou nessa prática. assim como a sensibilidade artística. P. facilidade de manejo e potência sonora.

Surdo gigante (90cm). que caracterizam a fanfarra simples: Corneta em Fá e Si bemol. ensaiador e regente. Flautim ou Picollo (flauta extremamente aguda). • Pelotão cívico: grupo de alunos portando a bandeira nacional. • Porta cartel: alunos que portam a identificação da categoria da corporação musical e que podem fazer evoluções ou coreografias por serem destaques da fanfarra. saliente-se que as Fanfarras e Bandas Marciais possuem uma série de elementos "alegóricos". Assim como o Pelotão Cívico. pares de Pratos de 14 ou 16 polegadas. • instrumentos de sopro de Madeira: Flauta Transversal. Além da condução musical propriamente dita. o Mor tem sob sua responsabilidade a manutenção da ordem única e a coordenação das coreografias. Caixa Clara ou Tarol (rasa e aguda) e Caixa de Guerra (profunda e grave) e eventualmente Lira diatônica (metalofones com afinação). os quais servem também como parâmetros para julgamento em concursos. • instrumentos de percussão: Bombo Fuzileiro.4897 Quantos aos instrumentos presentes nas Fanfarras e Bandas relacionam-se os seguintes: • instrumentos de sopro de metal lisos. • Pelotão ou Corpo Coreográfico: formado geralmente por alunas que fazem coreografias durante a execução das peças musicais executadas pela Fanfarra ou Banda. . • Mor: condutor do grupo musical no desfile. Além dos instrumentos. Mor (60cm) e Médio (30cm). ladeado por Guardas de Honra. que caracterizam a fanfarra com pisto: Bombardino em Si bemol. malabarismo e coreografias livres ou coordenadas à frente da banda ou fanfarra. Clarim em Mi bemol. juntamente com sua Guarda de Honra. Clarineta. Não faz evoluções. Baixo Tuba ou Sousafone nas mesmas tonalidades e eventualmente Trompete em Si bemol. • Baliza: alunos ou alunas que realizam evoluções. Fá e Mi bemol. Requinta (Clarineta reduzida) e Saxofone. municipal e a da escola. estadual. • Estandarte: aluno que leva a identificação (estandarte com o nome) da corporação musical que se apresenta. Atabaque ou Timbale. Cornetão em Fá e Mi bemol. • instrumentos de sopro de metal dotados de válvulas. que desempenha às vezes as funções de diretor musical. esse grupo não faz evoluções e nem coreografias.

art. a banda de música. 2003. cultura e desportos. P. Claro está que a música é uma das linguagens artísticas incluídas nesse parâmetro e. . visuais. mas deve ser concebida e praticada á luz da vivência das dimensões estéticas. encarregado de encorpar e sofisticar as evoluções e coreografias no desfile. é muito bem vinda.42) Nos últimos anos. parágrafo 2°. Assim. desde que tenha sentido para o aluno e que o envolva afetiva e cognitivamente. 4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Todos sabem que a educação é a formação básica do cidadão. culturais e políticas existentes no Brasil e criar condições para que os alunos tenham acesso ao conjunto de conhecimentos organizados e reconhecidos como indispensáveis ao exercício da cidadania. sonoras. o ensino das artes visa à formação básica do cidadão. de 18 de agosto de 2008. surgiu um manifesto pela implantação da Lei 11. P. a qual foi aprovada no senado pelas comissões de Educação. “Afinal toda prática musical. (BRESCIA. 2008. a música na escola não pode ser simplesmente ornamental para animar as festas. como projeto de lei. a fim desenvolver a consciência critica dos valores humanos e encontrar meios de levar os alunos a atuarem como cidadãos.394 de 20 de dezembro de 1996. que altera a Lei 9. Segundo o PCN-Arte/Ensino fundamental e a LDB 9394/96. plásticas e gestuais.85) A implantação das bandas escolares deve ir ao encontro da necessidade de que elas devem ser algo significativo para o aluno. o grupo instrumental. os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) foram elaborados para que haja respeito às diversidades regionais. o ensino da música não será mais constituinte e sim obrigatório no currículo escolar.769. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. cidadão e a educação formal do indivíduo. Pertence a esse conjunto de conhecimentos a noção de arte e música. concedendo-se o prazo de três anos para as escolas se adaptarem ao novo processo. constituição justiça e cidadania. ela exerce a sua contribuição para a formação básica do ser humano.” (BENEDETTI E KERR.4898 • Comissão de frente: grupo de função e número de componentes variável. Assim sendo.26. seja ela o canto coral. para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na Educação Básica. A partir dessa premissa. sendo assim.

o que propicia a aproximação também da família em relação ao ambiente escolar. para quem "a música é tida como um dos melhores meios de expressão e socialização do ser humano".94) 5. professores e alunos. 2003. é preciso que o aluno freqüente as aulas regularmente. proporcionando maior interação da comunidade com a cultura regional. entre os quais o desenvolvimento e aperfeiçoamento dos processos de alfabetização. uma vez que. Ressalte-se que a proposta em questão pretende afirmar a importância da música na cultura e no desenvolvimento do cidadão.4899 Segundo Sobreira. garantindo o acesso e permanência dos alunos na escola. P. oferecendo a oportunidade para que novos talentos se evidenciem.” (SOBREIRA. “a justificativa para o veto comprova que o ensino de música e a Educação Musical no Brasil são vistos por nossos governantes sobre uma ótica estreita e desfigurada de seus reais propósitos. aproximando pais. evidentemente aliados a outros fatores positivos. "em suma. Levando em consideração os aspectos mencionados. pois a presença nos ensaios. a educação do individuo estará definitivamente incompleta se a música não constitui uma parte dela" (BRECIA. P. das capacidades e das percepções e o resgate na construção do caráter cívico. tenha disciplina e comprometa-se com os ensaios e apresentações. corrobora-se com Bréscia. Ainda segundo a autora. para participar das Bandas Escolares. proporcionando a oportunidade de inclusão social por meio do acesso a informações culturais que orientem a aprendizagem artístico-musical. estimulando a permanência do aluno na escola. permitindo que talentos regionais sejam valorizados e reconhecidos. de socialização. fato . 2008. Assim. Além disso. O resgate familiar também é um dos pontos fundamentais do projeto. é necessário o consentimento dos pais ou responsáveis.DESENVOLVIMENTO DO PROJETO A idéia do projeto surgiu com a necessidade de trazer a música não como um método apenas cultural. a fim de torná-los cidadãos críticos e conscientes do seu papel na sociedade. A idéia é assegurar um ensino de qualidade. o projeto foi prontamente aceito pela Secretaria Municipal de Educação de Chapecó-SC.46) Cabe a ressalva de que a Educação Musical que se quer nas escolas não deve ser desvalorizada em relação às outras disciplinas. mas também como uma proposta pedagógica. sem dúvida. capazes de transformar o seu meio social. reuniões e apresentações das bandas é.

recebendo apoio e incentivo da comunidade e da Secretaria Municipal de Educação para a continuação do trabalho. Os profissionais responsáveis fazem o horário de acordo com sua disponibilidade.4900 significativo que merece ser relevado.. fornecendo noções de valores cívicos e morais. não têm custo para aos alunos. cinco Escolas Básicas Municipais. Também entre os objetivos do projeto está a certeza de assegurar ensino de qualidade. assim como as atividades desenvolvidas com as bandas não se fazem presentes no currículo escolar. Cada escola. uma psicopedagoga. Jardim do Lago e Vila Real.receberam instrumentos musicais. cada uma. os quais ajudam na organização das demais tarefas. Outro ponto a considerar é a disciplina que se faz presente no ambiente de ensaio e concentração.Rui Barbosa. ocupando. evidentemente. os quais organizam e acompanham o corpo coreográfico das balizas. as bandas envolvem um total de 560 alunos. também o horário noturno. A Secretaria Municipal de Educação é responsável pela aquisição e reposição de todo o material necessário para o bom andamento do projeto. Quando se aproxima alguma apresentação. Severiano Rolin de Moura. no ano de 2008. preparando os educandos para se tornarem cidadãos críticos. garantindo o acesso e permanência dos alunos na escola. normalmente duas vezes por semana. – EBMs. os ensaios se intensificam. Nota-se. Atualmente. conscientes do seu papel na sociedade e capazes de transformar o seu meio social. por vezes. Os ensaios são ministrados no contra turno das aulas. merecedores dos seus direitos e respeitadores dos seus deveres. Os profissionais envolvidos são bacharéis em Educação Física. tem a autonomia e a responsabilidade pelo cuidado e manutenção dos uniformes e dos instrumentos. André Marafon. as quais são formadas. . também. a saber . uniformes e orientação de profissionais devidamente habilitados. Os uniformes e os instrumentos. que se apresentam em diversos eventos. Vale lembrar que a educação musical. pois atendem às cinco bandas. que interpreta e apresenta problemas multidisciplinares relacionados às bandas. Para a execução do projeto. onde há banda. um grupo musical composto por liras e um grupo de percussão. favorecendo o interrelacionamento pessoal e o convívio social. o fator solidariedade entre os componentes das bandas. uma musicista responsável por ministrar as aulas de lira e percussão e estagiários. por um corpo coreográfico de balizas e porta-bandeiras.

várias questões podem ser discutidas e aprofundadas. gerando. principalmente quanto à questão de divisão musical e afinação. levando a música a todo e qualquer ouvinte. nas quais a maioria dos alunos apresenta dificuldade. preparando os alunos para tocarem e se familiarizarem com diversos estilos. O repertório das bandas. Para a organização do trabalho.4901 As apresentações consistem em eventos sócio-culturais em vários locais da cidade. visando ao estudo e à reflexão do ensino da música. de forma eclética. explorando as habilidades dos alunos para diversificação da profissionalização. como cultura e reflexão. a inclusão socioeconômica dos alunos ante a profissionalização musical e instrumental e a maneira. estão as aulas de linguagem musical. além da socialização dos integrantes das bandas. O trabalho com o projeto das bandas é voltado para a educação musical. os alunos mostram todo o aprendizado conquistado nos ensaios. divisão por naipes ou grau de dificuldade que alguns apresentam em algumas músicas. vivenciando-a música e fazendo com que os educandos busquem maneiras de se comportar musicalmente. mas a outros elementos que estão presentes na música. ampliando seu universo musical. Nesse aspecto. em que os alunos ganham noções de ritmo e história da música. ao mesmo tempo. envolve formas e estilos variados. Ao se observar o trabalho desenvolvido. viabilizando diferentes performances. que vão desde o clássico até a MPB. percebe-se que os ensaios não se limitam ao aprendizado. Os professores aplicam uma forma de ensinar em que há oportunidade de analisar e refletir sobre a música ensaiada. viabilizando a inclusão social dos diferentes alunos. Dentre as atividades desenvolvidas nessa proposta. segue-se uma ordem de passos no ensaio: distribuição de partituras. visando a uma melhor profissionalização musical e. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS . pois se garante mais ordem durante os ensaios. antes de se executar uma determinada música e contar a sua história ou o que ela representa. É comum o professor cobrar mais estudo individual de quem tem dificuldade. selecionado pelos professores. Também não se considera perda tempo interromper o ensaio por alguns instantes. os alunos ficam bem mais à vontade. Assim. a relação professor e aluno. assim. Nesse momento. entre as quais. apreciadores da música instrumental. Observa-se que a forma tradicional se faz necessária. especialmente os iniciantes.

1998. Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoNacional (9394/96). especialmente as mais carentes. Diário Oficial da União. Não só ministrar música nas escolas. o projeto é um grande trabalho de inclusão. tendo o regate da importância do cumprimento com os deveres cívicos e a amplitude da palavra cidadão. Nesse sentido. adquiriram senso crítico quanto à valorização das bandas e do próprio talento e responsabilidade que eles sabem que estão desenvolvendo. REFERÊNCIAS BRASIL. sabendo de sua potencialidade. 1996. Nesse sentido considera-se que as bandas têm dado sua contribuição na formação básica do cidadão. Fundamental. de fazer música. entre os objetivos deste projeto. . Tem também a finalidade de descobrir e apoiar grandes talentos musicais que poderão dar continuidade a esse trabalho agora iniciado. Cumpre ressaltar que. o que os motiva para a continuidade bem sucedida do trabalho.4902 Por muito tempo. a instituição Banda de Música foi considerada tradicionalmente como “coisa de velho”. os ensaios e o empenho para as apresentações têm realizado um papel relevante para a inserção social e econômica. Percebe-se nos componentes a vontade de aprender. fazendo surgir um significativo número de jovens musicistas mostrando uma imagem construtiva e renovada. Parâmetros curriculares BRASIL. não só em Chapecó – SC. Brasília: MEC/SEF. Alguns alunos. É fato que a música tem poder de humanização e que a sociedade tem passado por várias transformações de caráter social. alunos e escola. mesmo sendo uma atividade extracurricular. está inclusão social dos alunos que delas participam. Uma das conquistas do projeto foi ter colocado em evidência essa instituição. Salienta-se a preocupação das coordenações e da Secretaria da Educação em manter suas bandas em atividade para que os jovens das comunidades em que elas estão presentes tenham a possibilidade de enriquecer suas formações e possam perceber que são capazes. em que a violência e a criminalidade vêm arrebatando jovens de todas as camadas da população.Congresso Nacional. Isso faz com que eles tenham motivos para se orgulhar. da importância e do encantamento do trabalho que desenvolvem. Secretaria de Educação nacionais:Arte. Brasília. um vínculo a ser criado entre pais. de fazer parte do grupo e mostrar o trabalho desenvolvido. fazendo com que cada vez mais um número maior de crianças tenha a mesma oportunidade que lhes foi dada.

Senado Federal. Jusamara. São Paulo: Moderna.com. BEN.Mestrado e Doutorado.gov.moderna. LOUREIRO. Alda de. Florianópolis: UESC – Março/Agosto 2000 SOUZA. HENTSCHKE. HENTSCHKE. ALVES. http://www.394/96. Publicação do Centro de Ciências Humanas. 2003. Projeto de Lei do Senado 330/2006. Subchefia para assuntos jurídicos.br. Alicia Maria Almeida. 2003. 2003. Jusamara (Org). Vera Lúcia Pessagno . Kleide. Letras e Artes da UFPB. Altera a Lei n° 9. Silvia. 1995. Keith. Lei de Diretrizes e Bases da Educação para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino de música na educação básica. Trad. Brasília.394/96. MATEIRO. de 20 de dezembro de 1996. Presidência da República. de Alda Oliveira e Cristino Tourinho. Porto Alegre: Mediação. nov. Cotidiano e Educação. de 20 de dezembro de 1996. SÉRIE ESTUDOS: n. Liane. Idéias em Educação Musical. OLIVEIRA.15. PENNA.769/2008. Reflexões sobre a obrigatoriedade da música nas escolas públicas. Emoção/expressão versus linguagem/conhecimento: os impasses da fundamentação dos PCN-Arte. Maura. Brasília. Música. Porto Alegre: Núcleo de Estudos Avançados do Programa de Pós Graduação em Música. SWANWICK. 1999. .fcmc. O ensino de Música na Escola Fundamental. p 51-74. Pesquisa em Música e Educação. Altera a Lei n° 9. Porto Alegre: Revista da Abem nº 20. Educação musical em países de Línguas neolatinas. Casa Civil.pi. João Pessoa. Ensinando Música Musicalmente. 2000. Luciana Del. Arte Online – Periódico de Artes.4903 BRASIL. BRÉSCIA. BRASIL. Edições PNA.). 1991. MATEIRO. Alda.Educação Musical: Bases psicológicas e ação preventiva. Oliveira.br – Acesso em 24 de junho de 2009. set. Liane (Org. Campinas: Papirus.1995. n.97. Campinas: Átomo. Porto alegre: Universidade/ UFRGS. Esther (Org). Teresa da Assunção Novo. Porto Alegre: UFRGS. Porto Alegre. Nov. São Paulo: Loiola. FERREIRA. Leis Ordinárias de 2008. Educação Musical nas Escolas Brasileiras: Retrospectiva Histórica e Tendências Pedagógicas Atuais. BEYER. SOUZA. http://literatura.2008. Lei de Diretrizes e Bases da Educação para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino de música na educação básica. 2000.1.Acesso em 24 de junho de 2009. Cadernos de textos. Erinaldo. 2006. Teresa. Lei nº 11. 2008. SOBREIRA. O que faz a música na Escola? Concepções e vivências de professores do ensino fundamental.

4904 GOHN. L.(org.62-76.50. IN:Anais da ABEM – X Encontro Anual. v. 2001. participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. jan. Liane. 2003. L. OLIVEIRA. p.14.67-74. Uberlândia: ABEM. Rio de Janeiro.p19-40.Ensino de música: propostas para pensar e agir em sala de aula.). HENTSCHKE. Educação não-formal. n. Alda. Maria da Glória. p. . IN: Anais do X Encontro Anual da ABEM. p. São Paulo: Moderna.27-38. Múltiplos espaços e novas demandas profissionais na educação musical: competências necessárias para desenvolver transações musicais significativas. DEL BEN. 2001. A formação profissional do educador musical: poucos espaços e múltiplas demandas. HENTSCHKE./mar. 2006. IN: Ensaio: avaliação das políticas públicas na Educação. Uberlândia.