You are on page 1of 25

1

VIDROS

I- Definição
São materiais nem líquidos, nem sólidos cristalinos; são sólidos amorfos

Figura (a): sólido cristalino que apresenta uma ordem a curto e a longo alcance
Figura (b): vidro que apresenta somente uma ordem a curto alcance
Exemplos de materiais amorfos: óxidos (SiO2, B2O3, P2O5, etc.); polímeros (PVC,
polietileno, poliestireno, etc.) e alguns metais em condições especiais.
A obtenção ou não da forma amorfa a partir da fase fundida depende da
velocidade de resfriamento que pode ser:
* Lenta: ao ar (silicatos: vidros industriais)
* Rápida: em banhos líquidos (têmpera) em água, nitrogênio líquido, etc.
* Super-rápida: pelo processo de hipertêmpera (obtenção de metais a partir de uma
6
velocidade de resfriamento de 10 °C/s !)
Os vidros para a construção são os vidros de óxidos:
Vidros

Composição típica
(% em peso)

Sodocálcico

70SiO2, 10CaO, 15Na2O

Borosilicato

70SiO2, 15B2O3, 15Na2O

“Cristal”

53SiO2, 10K2O, 35PbO

Utilizações típicas
Vidraças, garrafas, etc. ; elaboração e colocação em
forma fácil
Pyrex, vidraria p/ uso alimentício e químico; boa
resistência à temperatura e choques térmicos, baixo
coeficiente de dilatação térmica
Vidraria de “luxo”; brilho (“Baccarat”)

Depois de várias transformações, o vidro pode ter funções térmicas, estéticas,
acústicas, mecânicas, óticas e elétricas.
Eles podem ser obtidos sob várias formas:
- Planos: chapas planas, curvas, perfiladas ou onduladas

2

- Ocos: copos, garrafas, etc.

- Para melhorar a segurança: pelo aumento da resistência mecânica (vidros
temperados) ou pela associação com outros materiais (vidros laminados e aramados).
- Coloridos, termorefletores, translúcidos
- Impressos, fantasia (após transformação da superfície)
- Em fibras (Ex: lã de vidro):

- Em tijolos:

- Para aplicações especiais: ótica, Laser, fibras óticas, espelhos, vidro-cerâmico, etc.
São maus condutores de calor e eletricidade.
Apresentam alta resistência química, exceto em presença de ácido fluorídrico.

II- Vidro plano
II.1- Produção
O vidro plano pode ser obtido segundo dois processos:
1) Por estiramento que consiste no estiramento e, logo em seguida, no resfriamento
do vidro fundido (processos Foucault, Libbey-Owens, Pittsburg):

3 O vidro pode ser estirado: verticalmente ou horizontalmente Em seguida.Tipos e propriedades Tipos: Vidros comuns ou estirados e vidros float (de qualidade superior) Vidros incolores e coloridos Vidros de segurança para as áreas de maior risco de acidentes . 2) Pelo processo float onde o vidro fundido flutua num banho de estanho fundido obtendo uma perfeita planimetria das faces: Comparado com o vidro estirado.2. o “float”: . o vidro necessita passar por um processo retífica e polimento levando a perdas de cerca de 20 %: O vidro obtido por este processo é chamado de vidro polido.tem menor percentagem de defeitos II.não possui ondulações superficiais e não produz distorções de imagens .

8 a 1 kcal/m.Peso especifico ≅ 2. .10 C .10 C .h.melhorar o conforto visual e térmico (diminuição do consumo de energia) Eles reduzem a energia transmitida pelo sol: Œ Refletindo a radiação solar antes de ela entrar na habitação � Absorvendo a radiação solar no corpo do vidro com a maior parte reirradiada para a parte externa da construção Ø Os vidros termoabsorventes (coloridos) são produzidos pela introdução de óxidos metálicos que vão absorver selectivamente os comprimentos de onda da luz solar dando a coloração.Tensão de ruptura à compressão ≅ 1000 MPa .Dureza: entre 6 e 7 na escala de Mohs.4 Principais características físicas e mecânicas do vidro comum ou recozido e do vidro temperado: . apoiadas no quatro lados: e = a.Índice de refração ≅ 1. peso próprio conforme item 7.Tensão de ruptura à flexão * Vidro recozido ≅ 40 MPa * Vidro temperado: 120-200 MPa .3 da NB-226 σ: tensão admissível em MPa conforme item 8.22 3 .Tensão admissível à flexão: * Vidro recozido: σ = 13 MPa * Vidro temperado: σ = 60 MPa Cálculo da espessura das chapas de vidro (NB-226): é usada a fórmula simplificada de Herzogenath para chapas retangulares.Coeficiente de condutibilidade térmica a 20 oC: k ≅ 0.√(Pc/2σ) (ver item 9.Coeficiente de dilatação linear entre 20 e 220 C: -6 o -1 -6 o -1 Vidro plano α ≅ 9.Vidros termoabsorventes e termorefletores O objetivo na utilização destes vidros é duplo: . são classificados como duros .1.b .5 g/cm .melhorar a estética .52 o .Coeficiente de Poisson ≅ 0.3 da NB-226 III.1 da norma NB-226) √(a2+b2) e: espessura da chapa em cm a e b: dimensões dos lados da chapa em cm Pc: pressão de cálculo em MPa que é função da pressão do vento.Módulo de elasticidade ≅ 75 GPa .°C . Pyrex α ≅ 2.

suficientemente fina para ser transparente: Esquema de fabricação (metalização): Observações: .Os vidros eletrocrómicos são vidros revestidos por uma camada de óxido cuja transparência pode ser controlada com a aplicação de impulsos elétricos.Os vidros fotosensíveis. Assim que a fonte de luz desaparece Ago e Clo se re-associam em AgCl e o vidro se torna de novo incolor. são vidros com pequenos cristais na massa de AgCl (cloreto de prata) que vão “escurecer” o vidro quando em contato com a luz solar segundo: 0 0 AgCl + hν (energia solar) → Ag + Cl O Ago absorve a luz e torna o vidro cinza. O espectro solar é composto por: .5 2+ 2+ Ex: Ni transmite no vermelho e Cu transmite no azul Ø Os vidros termorefletores (“Antélio” ou vidros de controle solar) são um cristais refletivos produzidos aplicando-se numa das faces do vidro float uma camada de metal ou óxido metálico. .

os IV têm comprimento de onda entre 700 e 3000 nm.Deixando passar o máximo possível de energia luminosa natural A escolha do vidro adequada minimizará o consumo de energia elétrica para iluminação e refrigeração ou aquecimento. cortinas. * Luz visível que representa 45% da energia solar. etc. móveis. UV. descoloração de tapetes. Os UV são responsáveis pelo bronzeado e queimaduras da pele. são convertidas em calor.Absorvendo o calor do sol para aumentar a temperatura interna nos climas frios . . luz visível e IV. degradação dos plásticos. Quando os raios solares atingem uma vidraça. os UV têm baixo comprimento de onda (λ < 400 nm) e consequentemente alta energia. eles podem ser: .absorvidos pelo corpo de vidro e posteriormente.6 * Energia ultravioleta (UV) que representa 2% da energia solar. reirradiados para o interior ou o exterior da habitação.refletidos: a quantidade de radiação refletida é função do ângulo de incidência do sol e da refletividade do vidro. * Energia infravermelha (IV) que representa 53% da energia solar.Bloqueando o calor do sol para diminuir a temperatura interna nos climas quentes . Para que uma construção seja energeticamente adequada.transmitidos diretamente através do vidro . tem que reduzir o consumo de energia: . então a energia solar é composta por 100 % de energia térmica e 45 % de energia luminosa. . quando absorvidos. tem comprimento de onda entre 400 e 700 nm que é a faixa de sensibilidade do olho humano.

7µm) mas também aos infra-vermelhos com comprimentos de onda maiores.4-0. que vão reemitir comprimentos de onda na faixa 4-50 µm. chão. etc.torna o ambiente mais agradável .permite uma redução das despesas em iluminação artificial Os vidros coloridos e termorefletores diminuem a entrada de calor solar e a transmissão de luz natural gerando um aumento do consumo em iluminação artificial. paredes. e . eles deixam passar menor quantidade de calor. então ocorrerá: .7 O vidro polido bronze com superfície refletante (antélio bronze) é mais eficiente na redução da entrada do calor que os vidros verdes e incolores mas também proporciona uma grande diminuição de transmissão luminosa: A transmissão da luz natural . estas radiações vão aquecer os objetos.uma diminuição do investimento na aquisição de ar condicionado e do consumo de energia elétrica correspondente. Mas o vidro sílico-sodo-cálcico é opaco para esses comprimentos de onda: É o efeito de estufa: . * Em locais frios é recomendado o uso de vidros incolores Observação: os vidros sílico-sodo-cálcicos (vidros para vidraças comuns) são transparente à luz (0.um aumento do consumo de energia elétrica para iluminação artificial e um maior investimento inicial nos vidros. * Em locais quentes: é recomendado o uso de vidros termoabsorventes.

se mantêm mais frias que a parte central não protegida Isto provoca o aparecimento de tensões de tração nas bordas que se ultrapassem a resistência à tração do vidro podem levar a ruptura da chapa: são as fracturas térmicas: O valor das tensões térmicas depende * da diferença de temperatura entre as áreas quentes e frias do vidro * da distribuição do gradiente de temperatura através do vidro * da coloração do vidro * do local de exposição (latitude.8 Tensões térmicas nos vidros: Œ A área do vidro direitamente exposta à radiação solar absorve o calor. esquenta e expande � As bordas do vidro protegidas da radiação solar. maior será a probabilidade de existência de trincas nas bordas podendo iniciar a ruptura . altitude.A representação da diferença de temperatura entre bordas e centro de uma vidraça durante um dia (curva em pontilhado: placa com película de poliester o outra curva: placa sem película) mostra que esta diferença pode chegar a 15 C: . orientação do edifício) * da presença de trincas nas bordas: maior é a espessura e tamanho das chapas de vidro.

Vidros impressos Fabricação: 1 . martelado.O vidro (de mesma composição química que o vidro comum ou float) sai do forno e passa através dois rolos.9 .) em sua superfície: são os vidros texturizados .Uma combinação arriscada é o uso de vidros escuros (coloridos) com grandes dimensões e espessura. IV. um dos quais (ou os dois) possui um desenho ou motivos ornamentais gravados (canelado. pontilhado. etc.

janelas.Vidros de construção escolares.1.1 m de piso. A NB-226 e NBR7199 especifica o uso obrigatório dos vidros de segurança nos seguintes casos: . para os demais pavimentos . portas. no caso de pavimentos térreos e 0. fogo) .Vidros temperados TÊMPERA TÉRMICA Os fenómenos de dilatação térmica podem criar tensões mecânicas. etc. etc.A superfície do vidro pode ser tratada com ácido fluorídrico ou com jatos de areia fina e ar comprimido.Balaustradas. fachadas.Vidros em forros ou telhados . piscinas. devem produzir fragmentos menos susceptíveis de causar ferimentos graves que o vidro comum recozido (cortes).) .Quando fracturados. Para um corpo homogéneo e isotropo.Lugares escorregadios (banheiros. isto aumentará a difusão e reduzirá a passagem da luz: são os vidros foscos. até 0. laminados. sem proteção adequada.1 2 .Clarabóias e envidraçamento em grandes alturas Tipos: podem ser temperados. aramados V.9 m de piso. V.Vidraças não verticais sobre passagens . A tensão (σ) é proporcional ao módulo de elasticidade (E) e à deformação de origem térmica: Deformação = ∆l/l = α∆T = σ/E (α: coeficiente de dilatação térmica) “VISUALIZAÇÃO” DO EFEITO DA TEMPÊRA TÉRMICA . choques) e térmica (choques.Vitrines e portas de vidro . mas se o corpo é impedido alongar-se podem aparecer tensões mecânicas. duchas.Quando se quer uma maior resistência mecânica (flexão. Aplicação: é quando se deseja obter luminosidade sem comprometer a privacidade: são paneis decorativos. Mercado: indústria automobilística e construção civil. boxes de banheiros. a dilatação livre não produz tensões. parapeitos e sacadas .Vidros de segurança Objetivos: .Vidraças que dão para o exterior. divisórias. salas de esportes e ginásios .

aparecerão tensões de compressão na peça A1 e tensões de tração na peça A2. o Se A1 e A2 são soldados quando A1 está a T1 e A2 está a T2 . o sólido A2 vai tentar “forçar” o sólido A1 em contrair o mais do que ele deveria. isto é o princípio da têmpera térmica. o conjunto A e B soldados apresentara um tamanho intermediário entre os tamanhos de A e B nesta temperatura quando podem contrair livremente. o sólido B vai contrair mais do que o sólido A por que αA < αB. aparecerão tensões de compressão no sólido A e tensões de tração no sólido B. os dois sólidos A e B têm as mesmas dimensões. na temperatura T0 C (frio). na temperatura T0 C (frio). o sólido B vai querer contrair mais do que A mas será impedido por este que contrai menos (αA < αB). também. o sólido B vai tentar “forçar” o sólido A em o contrair mais do que ele deveria. o peça A2 vai querer contrair mais do que A1 mas será impedido por esta que contrai menos (T1<T2). quando eles o o passam de T C (quente) para T0 C (frio).1 Caso 1: Sejam 2 sólidos elásticos A e B com αA < αB A B A o B o A B o T C (quente) T0 C (frio) T0 C (frio) αA < αB o Na temperatura T C. Caso 2: Sejam 2 sólidos idênticos A1 e A2 (α1 = α2) levados até temperaturas diferentes T1 < T2 A1 A2 A1 A2 o A1 A2 o T1 < T 2 T0 C (frio) T0 C (frio) Peças separadas: como a peça A2 estava numa temperatura maior do que a peça A1 o (T1<T2). e. também. o Supondo que A e B sejam “soldados” a T C (quente). Então. na temperatura T0 C (frio). na temperatura T0 C. A2 vai contrair mais do que A1. Quando o conjunto passa para o T0 C (frio). o conjunto A1 e A2 soldados apresentara um tamanho intermediário entre os tamanhos de A1 e A2 nesta temperatura quando podem contrair livremente e. . Então.

resfriar rapidamente sua superfície (com um jato de ar frio nas duas faces por exemplo).A contração inicial da pele vai provocar uma fluência do coração ainda mole (quente) provocando a anulação das tensões geradas (fenómeno de relaxação). Consequência: a superfície (a pele) se torna rapidamente dura enquanto o interior da peça (o coração) permanece ainda viscoso: . as tensões de tração compensam as tensões de compressão: Qualquer carga aplicada. neutralizar as tensões de compressão induzidas nas superfície. quando o objeto chega numa temperatura mais baixa.1 No caso dos vidros. . a têmpera térmica consiste em aquecer o objeto já moldado na sua forma definitiva até uma temperatura próxima da temperatura de amolecimento do o vidro (± 700 C) e. deverá. CONSEQUÊNCIAS 1. antes de tracionar as camadas externas. Isto vai provocar a aparição de tensões de compressão na pele (camadas externas) e tensões de tração no coração (camadas internas): Espessura da chapa O sistema fica em equilíbrio mecânico.Melhoria da resistência à flexão: resistência vidro recozido ≅ 40 MPa Tensões de compressão na superfície de um vidro temperado ≅ 100 MPa . o coração (ainda mais quente que a pele) deve contrair-se mas será impedido pela pele (já endurecida).Em seguida. na saída do forno. primeiramente.

3. É o processo de ruptura frágil.3 m de altura no caso do vidro recozido . DESVANTAGENS DOS VIDROS TEMPERADOS: . qualquer fissura ou falha que atinja a zona de extensão (tração) em qualquer lugar do objeto.até 2 m de altura no caso do vidro temperado Ž Melhoria da resistência aos choques térmicos: o vidro recozido pode romper por choque térmico quando a diferença de temperatura entre dois pontos do o mesmo vidro é superior 25 C. b) O vidro temperado é um sistema em equilíbrio mecânico. resultará na destruição total da peça. o vidro temperado pode suportar diferenças de o temperatura até 200 C.Sob determinados ângulos de observação.Processo de ruptura a) Ruptura do vidro recozido: ocorre um defeito na superfície que provoca uma concentração de tensões seguida de uma propagação deste defeito levando à ruptura. podem ser vistas as diferentes zonas de tensão da peça .A espessura do objeto não pode ser inferior a 3 mm .Existências de marcas devidas ao processo: * Pinças de sustentação em fornos verticais: * Ondulações (rolos dos fornos horizontais): .1 Então resistência de um vidro temperado ≅ 140 MPa 2. e a quebra ocorrerá em pequenos fragmentos sem arestas cortantes e lascas pontiagudas.até 0.Melhoria da resistência aos choques mecânicos: uma chapa de vidro de 8 mm de espessura pode suportar o choque de uma esfera de aço de 500 g em uma queda livre: .As peças não podem ser cortadas: o dimensionamento das peças assim como as furações deverão ser feitos previamente (antes da têmpera) .

0 9.8 6.7 1) Recomendações de folgas para instalações em caixilhos: 2) Recomendações de folgas em instalações autoportantes: Dimensões máximas recomendadas: ABNT NBR 7199 ð Com o processo de têmpera vertical Colocação em Caixilhos Colocação Autoportante .8 6.2 4.2 8.6 7.7 - 2.0 4.3 11.9 4.3 8.9 11.5 12.4 3.5 12.2 4.3 5.5 6.8 4.6 8.9 - 2.6 2.3 9.0 7.0 - 1.1 Empenamento admissível: Espessura (mm) Dimensões (cm) 6 7 8 10 < 90 90 a 120 120 a 150 150 a 180 180 a 210 210 a 240 240 a 270 270 a 300 3.

5. coloridos (verde.Vidros laminados Eles são compostos por duas ou mais lâminas de vidro fortemente interligadas. cinza. por uma ou mais camadas de uma resina polimérica muito resistente e flexível (Ex: polivinil butiral: PVB) Resina O processo de fabricação consiste na colagem sob alta pressão com temperatura e umidade controladas: .Opacos: com polimento superficial (jatos de areia ou ácido fluorídrico) mas atenção isto pode diminuir a resistência pela criação de pequenos defeitos superficiais.Impressos. 12 2600 1600 2600 1600 25. 8. sob calor e pressão.2. bronze) . 30 ð Com o processo de têmpera horizontal Espessuras possíveis 4. V.1 Espessura (mm) Comprimento (mm) Largura (mm) Comprimento (mm) Largura (mm) Peso (kg/m 2) 6 1700 950 1100 800 15 8 2500 1500 2200 1300 20 10. 10 e 12 mm Dimensões máximas 3210 x 2400 mm Dimensões mínimas 100 x 259 Acabamento: . 6.

* 4 + 5/2 quer dizer que a chapa é constituída por 1 vidraça de 4 mm.Antiacidente: contra choques acidentais.38 mm dando uma espessura total de 9. os vidros laminados são classificados em função do grau de proteção desejado em: . 1 vidraça de 5 mm e 2 películas de 0. .38mm. natureza e espessura dos elementos.Antivandalismo: para proteção de bens e quedas de pessoas . Características: Elas são função da quantidade.76 mm.Antiroubo: para proteção dos bens contra arrombamento e armas de pequeno e médio calibre .Antibala: para proteção contra assaltos com armas pesadas Codificação: * 3 + 3/1 quer dizer que a chapa é constituída por 2 vidraças de 3 mm e 1 película de PVB de 0.38 mm dando uma espessura total de 6. retém objetos evitando quedas .38 mm.1 O laminado mais comum e usado é composto por duas lâminas de vidro float de 3mm e uma película de PVB de 0.

os fragmentos ficarão presos ao PVB. minimizando o risco de laceração ou queda de pedaços de vidro.6 99. Espessura do filme de PVB: 0. Isto é devido ao efeito amortecedor da camada de PVB combinado à massa de vidro (efeito massamola-massa) Controle e proteção solar: eles podem ser montados a partir de vidros termoabsorventes ou termorefletores. usados como revestimentos refletivos de fachada (evita problemas de distorção inerentes ao vidro temperado) .9 29.1 Em caso de quebra.38 mm 0.9 Eles melhoram o desempenho acústico de um envidraçamento principalmente nas altas frequências superiores a 800 Hz (a faixa 1000-2000 Hz corresponde aos ruídos de tráfego e aviões para a qual os vidros comuns vibram bastante). São filtros eficientes de UV Tipo % de radiação UV filtrada em 380 nm Vidro laminado de 6 mm.76 mm Vidro Float de 12 mm 99.

3.Vidros aramados Processo: passar o vidro em fusão.5 mm de lado Espessura (mm) Comprimento (mm) Largura (mm) Peso (kg) 7 2000 1510 53 7 2500 1510 66 7 3000 1510 79 Aplicações: caixas de escadas. sacadas. barreiras antifogo (antichama) VI.Duplo envidraçamento . ele não estilhaça e os fragmentos mantêm-se presos à tela metálica. juntamente com uma malha metálica através de um par de rolos. coberturas.1 Vidro polido comum Vidro laminado comum Vidro laminado reflexivo V. Quando quebra. de tal modo que a malha fique posicionada no centro do vidro. Espessuras e dimensões das chapas de vidro: Malha metálica quadrada com 12.

1 É composto por duas ou várias vidraças separadas entre si por um ou vários espaços de ar desidratado ou um gás: Melhora as características de isolamento térmico: Vidro incolor comum Duplo envidraçamento Melhora as características de atenuação acústica: efeito massa-mola-massa VII. são mais transparente que os policarbonatos Desvantagens: baixa resistência aos choques. efeito estético (colorido) e proteção contra os UV . à abrasão e ao envelhecimento 2) Policarbonatos: paneis transparente fabricados por extrusão Vantagens: peso (leve). boa resistência aos choques e contra os UV Desvantagens: baixa resistência à abrasão e ao envelhecimento 3) Poliéster: na forma de uma fina película (50-200 µm) colada geralmente na face interna do vidro Vantagens: reter os fragmentos de vidro em caso de quebra.Materiais de substituição do vidro São plásticos que podem substituir o vidro nas suas demais aplicações: 1) Polimetil metacrilato (PMMA): acrílico na forma de paneis transparentes Vantagens: peso (leve). boa proteção contra os UV.

VIII.Armazenamento Deve ser feito em pilhas. apoiados em um material que não danifique as bordas (madeira. efeito estético. à abrasão e ao envelhecimento.2 Desvantagens: baixa resistência aos choques.Aplicações dos vidros Aplicações Produtos Vedação Térmico solar e Isolamento acústico Segurança Decoração Antifogo AntiUV Simples Temperado Aramado Espelho Impresso Reflexivo Colorido Duplo (2) Laminado PVB (1) Laminado resina (1) Depende do tipo de resina (1) (2) PVB decorado Produtos Tipo de segurança Temperad o JJ Acrílico (PMMA) L Policarbonato Antiferimentos Laminado PVB JJJ JJJ Película poliéster K Antivandalismo JJJ JJJ L JJJ L Retardadores de arrombamento JJJ L L JJJ L Antibalas JJJ JJJ L L Resistência à abrasão JJJ JJJ L JJJ (1) L Resistência ao envelhecimento JJJ L L L L Proteção contra os UV JJJ L JJJ JJJ JJJ Estabilidade dimensional JJJ L L L L Estético JJJ JJJ K JJJ L JJJ Excelente JJ Médio K Aceitável (1) Compósito vidro/poliuretano/policarbonato L L Inaceitável / Desaconselhado IX. borracha): .

X.Fibras de vidro LÃ DE VIDRO .2 .Número máximo de chapas por pilha: . mas evitando infiltração de poeira entre as chapas. permitindo ventilação.As pilhas devem ser cobertas de forma não estanque.→ SiOH + O-Si (solúvel) Ocorre ataque superficial que prejudica a qualidade ótica do vidro .Se as chapas ficam armazenadas por muito tempo. elas devem ser separadas por papel ácido: isto para evitar a corrosão do vidro devido à agua presa entre as chapas segundo: 1) SiONa + H2O → SiOH + NaOH 2) Si-O-Si + OH.

dutos de ar condicionado. isentos de poeira e umidade (indústrias. miolos de divisórias. coberturas metálicas. revestimentos absorventes acústicos. etc. ginásios de esportes. barreira de vapor (revestido por uma folha de alumínio). O vidro passa através dos furos formando as fibras que na saída são resfriado e eventualmente coladas: . etc. etc.) * Paneis rígidos revestidos ou não por uma folha de alumínio ou uma película de plástico: paredes duplas isolantes.Função: isolamento termo-acústico . salas de máquinas. . alvenaria. salas de espectáculos. redução de ruídos de impacto (em pisos flutuantes). fibro-cimento.Fabricação: processo TEL: o vidro fundido entra numa peça que tem a forma de um UFO (objeto voador não identificado) com pequenos furos nos lados e que gira em alta velocidade.2 .Tipos e formas de aplicação: * Projetada (por jateamento auto-aderente): pode ser aplicada sobre concreto.

Isolante térmico . isolação acústica em paredes duplas. fabricação de telhas duplas isolantes.2 * Em rolos (feltros flexíveis revestidos ou não por uma folha de alumínio) para isolação térmica de coberturas e forros. isolamento de ruídos de impacto em pisos .

maior será a massa superficial desta parede. maior será a isolação acústica proporcionada (é a “lei da massa”). a utilização de paredes extremamente pesadas é economicamente inviável. para se obter uma boa isolação. é importante buscar interromper a transmissão da vibração. através da criação de uma descontinuidade de meios.Isolante acústico: conceito “massa-mola-massa” Os ruídos se propagam através das paredes por meio de vibrações.2 . alternando elementos rígidos e flexíveis na sua construção: . Então. Entretanto. alem de ocuparem área útil das habitações.

2 Desempenho acústico do lã de vidro: FIBRAS . .Fabricação: Exemplo argamassas) .Principal uso: como reforços com outros materiais de construção (poliéster.