CORROSÃO POR PITE

.................. RESUMO ........................................................................................ 4 A................................... 8 D......................................................................................................... 9 E........................................................................................................................ 6 C..... CONCLUSÕES.........................................................................Sumário 1........................................ 9 3..................... 4 B........................................................................................................ 3 2......................................... REFERÊNCIAS ......................... CAUSADORES ...................................................... CONFORMAÇÕES ............................ CARACTERIZAÇÃO .................. PREVENÇÃO ...................................................................... DESENVOLVIMENTO ............................ 100 4............................................................................................... CAUSAS INICIAIS .............................. 111 2 .......

variável. ligas de níquel. Ligas mais suscetíveis à corrosão por pites são normalmente aquelas em que a resistência à corrosão é causada por uma camada de passivação. torna-se catódica. limpeza periódica. acabamento superficial polido. ligas de alumínio. eliminar pontos de estagnação. geralmente mais aparecidos em aços inoxidáveis passivos na presença de cloretos.] 3 . reduzir a agressividade da solução. ele tem uma forte tendência a continuar seu crescimento uma vez que o pH no interior do pite se altera substancialmente no sentido ácido. mas potencialmente vasta. Em aços inoxidáveis pite ocorre devido ao rompimento da película passiva. Pode ser uma forma destrutiva de corrosão uma vez que causa perfuração do equipamento. agentes oxidantes. dentro do corpo do metal. RESUMO A corrosão por pite é caracterizada por um ataque altamente localizado e se inicia em diferentes pontos da superfície de metais. com limitada difusão de íons. como os aços inoxidáveis.1. temperatura acidez. utilização de matérias mas resistentes na liga como Cr e Mo. através da diminuição do teor de íons cloreto. que se torna anódica enquanto uma área oculta. Metais que são suscetíveis à corrosão uniforme. A corrosão penetra na massa do metal. causado por agentes químicos ou esforços mecânicos. dificultando a restituição da passivação inicial. não tendem a sofrer esta corrosão. O motivo deste tipo de corrosão ser de tamanha seriedade está no fato de que uma vez iniciado o pite. ou adicionando outros elementos na liga como Cormo (Cr) e Molibdênio (Mo). por sua vez. Prevenção deste tipo de corrosão pode ser feito com aumento da película passiva nos inoxidáveis. [Corrosão por pites em aço inoxidável do tipo 316 devido a cloretos ácidos. inibidores e proteção catódica. As principais prevenções para diminuir a ocorrência de corrosão por pite é. levando a uma corrosão galvânica muito localizada. A força motriz para a corrosão por pites é a perda da passivação de uma pequena área.

[Detalhes da corrosão por pites quando há dano na camada passiva protetora em meteis inoxidáveis. Superfícies polidas mostram maior resistência à esta corrosão. com o que a corrosão por pites pode iniciar o ataque ao óxido. a corrosão por pite é causada predominantemente pela química do ambiente em que este se encontra. Cloreto é especialmente prejudicial para o filme passivo (óxido). ou um dano à camada protetora. DESENVOLVIMENTO A. o qual podem conter espécies químicas agressivas como o íon cloreto ou outros halogênios. [O mecanismo da corrosão por pites numa simples gota de água. CAUSAS INICIAIS A corrosão por pites pode ser iniciada por um pequeno defeito de superfície. em ambiente de cloreto. Para um material livre de defeitos (perfeito).2. por exemplo) e a corrosão pode iniciar no local anódico (centro da gota de água). como um arranhão ou uma alteração local na composição.] O ambiente também pode criar uma célula de aeração diferencial (uma gota de água sobre a superfície de um aço.] 4 .

é o culpado principal para o início da corrosão em aços) ou defeitos. Um pite já existente também pode ser repassivado se o material contém quantidade suficiente de elementos de liga como Cr. tanto o ambiente como o material contribuem para o início do pite. Mo. o pite repassiva-se ou recomporá o filme passivo danificado (óxido). Ti. com o que o pite é repassivado a a expansão do pite ocorre.] A química do meio ambiente e a metalurgia do material são os fatores que determina se um pite existente pode ser repassivado ou não.] 5 .Para um ambiente homogêneo. MnS. A aeração suficiente (fornecimento de oxigênio para o sítio de reação) pode aumentar a formação de óxido no local e. W. N. etc. assim. especialmente o Molibdênio (Mo). Na maioria dos casos. assim. Pesquisas evidenciaram que o ambiente dentro das bolhas de ferrugem é quase sempre mais concentrado em cloretos e menor no pH (mais ácido) do que o ambiente externo. a recomposição ou repassivação do pite. [Imagem de microscopia eletrônica de varredura de um pite em aço inoxidável. pode melhorar significativamente o enriquecimento de Cromo (Cr) no óxido e. [Tubérculos de ferrugem e o esquema das condições físico-químicas de tal fenômeno. Estes elementos. “Bolhas” de ferrugem ou “tubérculos” no ferro fundido indicam que a corrosão por pites está ocorrendo. Isto leva a um ataque concentrado no interior dos pites. a corrosão por pites é causada pelo material que possa conter inclusões (o sulfeto de manganês.

Na região anódica ativa. de acordo com as reações: 6 . passiva e transpassiva . a taxa de dissolução de metal é baixa. estabelecido ao imergir o material na solução. CARACTERIZAÇÃO A polarização potencio-dinâmica é a técnica usada para obtenção de curvas de polarização e prevê a varredura contínua do potencial. com valores menores que o potencial de corrosão. marcando o início do trecho anódico da curva. Em alguns metais. e é caracterizado por baixa corrente e. portanto. Quando ocorre a quebra da película passiva e a consequente passagem para a região anódicatranspassiva (Etrans). Nos aços inoxidáveis. Inicia-se a varredura ou no potencial de corrosão (potencial de circuito aberto).representa a faixa de potencial na qual pode ocorrer a corrosão do metal ou reações de interface metal/solução. ou em potenciais onde há predominância de reações catódicas. devido à predominância de reações catódicas. Tal efeito só é possível pela formação da película passiva. Pode ainda ocorrer a reação de evolução do oxigênio. a densidade de corrente cresce com o aumento de potencial. ocorre a partir do potencial indicado por Epp. podendo haver redução ou oxidação de compostos da solução utilizada. submetido a meio ácido.região ativa. subdividido em três partes . Este. Ao aumentar o potencial. no caso dos aços inoxidáveis. A figura 15 mostra o esquema de uma curva de polarização típica para o aço inoxidável. baixa. ocorre a reversão de corrente. Este ponto marca o início da região anódica passiva. ou praticamente nenhuma taxa de corrosão. as películas formadas predominantemente por Cr2O3 podem se dissolver na forma de íons cromato CrO4-2. caracterizando uma faixa onde há ocorrência de corrosão. a qual. ou nos potenciais abaixo do potencial de corrosão (E*). devido à formação de películas aderentes ou estabilização de um equilíbrio. Na região catódica.B. ao se atingir um máximo valor de corrente. há uma redução da densidade de corrente. como a de evolução de hidrogênio (2H+ + 2e = H2). há um aumento na densidade de corrente causado pela desestabilização do equilíbrio ou da película passiva.

por exemplo. expondo mais uma vez o metal base ao meio corrosivo. O estudo mais aprofundado da corrosão localizada pode ser realizado através da análise de curvas de polarização cíclica do material. liberando íons cloreto. Assim. como segue na figura 17. criando complexos cloreto/metal.potencial eletroquímico onde se inicia o aparecimento de pites) ocorre em valores inferiores ao potencial de início da região transpassiva. quanto mais elevado é o potencial de pite. mostradas na figura 16). É um processo autocatalítico e localizado de corrosão que origina. que podem substituir as moléculas da água nas regiões não recobertas (pontes H2O-M-OH2. 7 . os pites. Na presença de íons agressivos e de baixa resistência do aço à corrosão. maior é a resistência do material à formação de pites de corrosão. o potencial de pite (Epite . retratada na figura 18.SEDRIKS ainda afirma que uma das causas da quebra da película passiva é a presença de íons cloreto. Estes complexos são solúveis e facilmente removidos da película.

ou seja. Quanto maior esta área. menor será a resistência para a continuidade da corrosão por pite. O potencial de pite (Epite) representa a resistência do material ao início da corrosão. generalizando-o a Eprot.O ensaio começa no potencial de corrosão (E*) e caminha no sentido das setas. o tamanho e a profundidade da penetração pode ser determinada. a área formada corresponde ao trabalho elétrico (U) necessário à repassivação dos pites. onde uma amostra corroída é transversal e a forma. alguns estudiosos consideram como o potencial de proteção o potencial de reversão de corrente para valores catódicos (Eprot2). logo. No momento em que a curva descendente cruza com a curva original. A ASTM-G46 tem uma tabela de padrões visuais para sua classificação. 8 . a densidade de corrente sofre um brusco aumento causado pela desestabilização das películas ou dos equilíbrios formados na região passiva. CONFORMAÇÕES A corrosão em pites apresenta diversas configurações em seu crescimento dentro do metal. caracterizado por ser o patamar máximo de possibilidade de corrosão. A varredura de potencial é revertida no momento em que se atinge a densidade de corrente de reversão (irev) previamente determinada. tem-se o chamado potencial de proteção (Eprot1). C. O presente trabalho utiliza como potencial de proteção o Eprot2. No entanto. A forma da corrosão por pites só pode ser identificada através de metalografia. Quando há formação de pites. Entre a reversão de varredura e o Eprot1 ocorre a repassivação dos pites formados. abaixo deste valor não existe quebra da película passiva ou sua não-regeneração.

Os íons Cl.D. os halogenetos. por exemplo. outros ânions implicados em corrosão por pites incluem os tiossulfatos (S2O32-). o que acelera o processo. significativamente agrava as condições para a formação e crescimento dos pites através de um processo autocatalítico. maior a 9 . os pites tornam-se fracamente ácidos. Mo e N favorecem a resistência a corrosão por pite dos aços inoxidáveis. de modo que quanto maior o teor dessas substâncias. na água do mar. os iodetos (I-) e os fluoretos (F-). Além de cloretos. Assim. como os brometos (Br-). Os pites carregam-se com íons metálicos positivos através da dissociação anódica. E. CAUSADORES A presença de cloretos (Cl-). PREVENÇÃO A presença dos elementos de liga Cr.se concentrando nas cavidades neutralizam a carga e incentivam a reação de íons metálicos positivos com água para formar um produto de corrosão na forma de hidróxido e íons H+.

Trata-se de uma expressão simples que permite comparar. limpeza do metal como polir sua superfície. Controle do pH. 3. Os vapores provenientes de um vazamento de gasolina através de um único furo formado por corrosão entre um tubo de aço transportando gasolina e uma tubulação zincada de água. A corrosão por pite pode levar a grandes consequências como podemos verificar abaixo: Consequências de fatos graves ocorridos por corrosão por pite: Um exemplo é a explosão em Guadalajara.resistência à corrosão do aço. Contudo. O equivalente de resistência a pite ou PRE (pitting resistance equivalent) é a fórmula mais usada industrialmente. Proteção catódica e/ou proteção anódica. As principais maneiras de prevenir a corrosão deste tipo é a presença de elementos que tem uma maior resistência a corrosão. em 22 de abril de 1992. CONCLUSÕES As corrosões por pite. irão proporcionar uma proteção contra a corrosão por pites. da concentração de íon cloreto (e outros) e da temperatura. mas com seu rompimento seja por vários fatores como mostrados ao longo do documento. quando vapores de gasolina acumulados nos esgotos destruíram quilômetros de ruas. facilita que agentes corrosivos incidem no local rompido e comece ali uma corrosão local. [O resultado nas ruas de Guadalajara. o nível muito baixo deles pode agravar os pites formando ânodos locais. no México. tais películas impedem que a corrosão aconteça e se alongue no metal. a resistência à corrosão de diferentes aços inoxidáveis. de maneira genérica.] 10 . são geralmente encontradas em metais que possuem uma película passiva. A corrosão por pites pode ser prevenida através das seguintes medidas: Seleção adequada de materiais com resistência conhecida para o ambiente de serviço. quando presentes em quantidade suficiente. Uso ligas superiores (ASTM G48) para aumento da resistência à corrosão por pites.     Inibidores de corrosão.

ed. Corrosion of Stainless Steel: Wiley-IntersciencePublications. [A Silver Bridge. 7.] 4. . ed.SEDRICKS. REFERÊNCIAS . . 4. A. matou 46. NewYork. RJ: LTC.GENTIL. V. . John Blair.RUSSELL.CALLISTER JR. após o colapso. ed. 2. vista pelo lado de Ohio. ed. em dezembro de 1967. 11 . 2. 2008. Guanabara Dois. Rio de Janeiro: Ed. Rio de Janeiro. W. como aconteceu quando um único eyebar na Silver Bridge. Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução. 1996. 1994-2008. 2003. Química geral. Corrosão. J.Corrosão por pite também pode ajudar a iniciar corrosão sob tensão. D. São Paulo: Makron.: livro. na Virgínia Ocidental..