DERMATOSES ZOOPARASITÁRIAS

ESCABIOSE

A primeira delas, mas não a mais comum, já que hoje temos ainda
em muitas escolas o aparecimento de Pediculose - Pediculus humanus
(piolhos).
AGENTE ETIOLÓGICO:
A escabiose tem como agente etiológico o Sarcoptes scabiei,
na variedade hominis. Na escabiose a fêmea fecundada penetra
na camada córnea e ao estar lá ela vai colocando ovos, de 2 a 3
por dia num total de 10 até 25 ovos, que vão eclodir e fazer todos os
sintomas que vamos ver à frente. Naquela idade o macho só fecunda e a
fêmea faz toda a proeza de depositar os ovos.
   Distribuição do ácaro no corpo humano:
É uma zooparitose em que 85% dos parasitados apresentam áreas
bem mais características em mãos e punhos (locais que mais ocorre a
escabiose), mas temos também de 30 a 40% acometendo cotovelos, pés e
tornozelos, pênis e escroto.

Geralmente relacionadas com turismo intenso (pessoal sempre viajando). Sempre que o paciente chega. ou onde já tenha epidemias. mas é uma escabiose. Às vezes também erram por ser medicações que precisam ser repetidas. migrações continuas. Só que os sulcos da escabiose são bem menores que os da larva migrans.   Incidência e Epidemiologia: Ela varia de acordo com o período. pois é o período que a fêmea penetra na camada córnea e escava . Alterações na natureza do ácaro também são importantes já que dependendo da espécie ou tipo de ácaro ele pode ter uma característica mais forte para estar fazendo maior agressão que pode estar causando a doença. porque se às vezes você não observa a lesão característica da doença você acaba tratando uma lesão que é escabiose. geralmente intenso e de exacerbação noturna. ele relata esse prurido. Diagnósticos errôneos também. ou achar que é uma parasitose e tratar erroneamente como uma escabiose e na realidade é outra coisa. você faz só um ciclo e termina voltando porque o parasita fica ali e ainda precisa de uma dose de reforço para que a gente possa fechar aquele tratamento. Ela dá principalmente à noite. e você trata com alergia ou alguma coisa. Na realidade o que acontece na pele quando a fêmea coloca os ovos é uma alergia que vai se formando e aquela irritação local e com o deslocamento da fêmea pode formar os sulcos. alterações no sistema imunológico já que se você tiver com imunidade baixa tem maior facilidade de se contagiar com essa zoodermatose. precocidade sexual e promiscuidade também. PATOGÊNESE:    A alergia ao ácaro e o deslocamento da fêmea no sulco intra-epidérmico têm papel importante na determinação do prurido.

Acomete mais indivíduos imunodeprimidos. E o que encontramos geralmente são escoriações. couro cabeludo e pescoço. axilas. QUADRO CLÍNICO A lesão é bem característica e a distribuição dessas lesões nos locais mais encontrados (espaços interdigitais das mãos. Mas na realidade não tem mais. Geralmente ela ocorre mais nas regiões genitais. Esta já é uma lesão que fica após o contato do ácaro com a pele. por volta de 2 meses. pode transformar em um prurido intenso. cintura. pediculando e dependendo de como esta andando e da agressão do ácaro. Mas aquela reação que ficou no local dura por mais tempo. são vários parasitos que vão se acumulando formando crostas e fazendo com que essas crostas se formem uma por cima da outra. causando um espessamento da pele. É muito comum de ser encontradas em pacientes com síndrome de Down. inguinais e axilares onde se observa nódulos que coçam. desnutridos e com higiene precária. Temos também nesse pavilhão de formas a sarna nodular. O que vai ter é só a sensibilização ocorrida pela presença do ácaro. plantas. podendo apresentar essa forma. porque não possuem a higiene adequada. mama. E aí pode-se pensar que ainda tem ácaro. E nesse caso o tratamento não é mais antiparasitário.um túnel. escoriação mais o prurido local. A Sarna Norueguesa é uma outra forma que pode ser encontrada geralmente em pacientes imunodeprimidos. e quando se faz o tratamento o ácaro morre. nádegas. E na unha tem várias bactérias que podem provocar infecção secundária. E na criança a gente encontra em áreas bem características que são palmas. principalmente nos locais de dobras. pênis. O ácaro faz todo aquele “estrago” na pele. . Então ela vai formando os sulcos. face e pés) faz com que chame a atenção para esse diagnóstico. É uma hiperinfestação de parasitos. uma reação de sensibilidade. lesões papulosas escoriadas que fazem às vezes até infecção secundaria. e sim uso de corticóide importante.

 Familiares com prurido. . Então o diagnóstico é feito pelo prurido noturno.  Distribuição.  Presença de sulcos. e riquíssimas em ácaros. . Nota-se a presença de algumas pápulas já formando sulcos. formando crostas.DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Pode ser feito com dermatite de contato e pediculose.Lesões papulosas eritematosas. investigar se ele fez uso de algum .Aqui já seria a sarna norueguesa: Lesões bem mais exuberantes. DIAGNÓSTICO:  Prurido Noturno. que são mínimos. sendo importante há quanto tempo deu inicio.

A distribuição. ver os locais mais acometidos. . além de lesões urticadas. área de eczematização local (lesões mais delimitadas) e eczematose.medicamento. áreas de liquenificação e impetiginizadas (imunodeprimidos – HIV +. desnutridos e higiene precária) Sarna Crostosa Têm-se também as formas atípicas. A higiene excessiva pode causar uma escabiose que não é percebida. Se pergunta também se tem alguém em casa com prurido. como se visse o percurso que a fêmea percorreu. crostas. com lesões em localizações atípicas e é chamada de sarna atípica. que são formas um pouco mais complicadas. FORMAS ATÍPICAS Higiene Excessiva: sarna de gente limpa Crianças: lactentes – lesões urticadas ou eczematosas Idosos: reação é mínima – prurido noturno + escoriações Iatrogenia: corticoides tópicos. com as lesões. sistêmicos e anti-histaminicos (aspecto eritemato-urticado-eczematoso) Contaminação de familiares Escabiose Nodular Hiperinfestação – extensão e diversidade das lesões. com escoriações. se o prurido é mais intenso pela manhã ou pela noite. Crianças e lactentes com essas lesões podem apresentar às vezes além de pápulas. A presença de sulcos também é interessante porque tem as pápulas e vê que tem uma mais comprida. Às vezes não se consegue fazer o diagnostico justamente por conta dessas formas atípicas.

se é um vírus. com lesões bem maiores. A contaminação de familiares é muito relativa. onde você vai ver daquele jeito (que jeito?? ela falou que tá nos primeiros slides. crostas. por que pode-se ter um caso na família e ninguém desconfiar. Pode ser usado em paciente de qualquer idade. usam antihistamínicos tópicos e eles fazem a eczematização (aspecto eritematourticado-eczematoso). causando somente prurido noturno e leves escoriações. PROVA TERAPÊUTICA A paciente já tomou vários remédios. sistêmicos. se é uma alergia a picada de inseto. infiltração local. A hiperinfestação. que você não sabe o que é. Faz a raspagem e usa óleo mineral. onde vai ter grandes escoriações. às vezes podendo ter sulcos e fissuras. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Onde você faz a pesquisa com ácaro. A escabiose nodular apresenta só aquela lesão nodular. eficaz). e às vezes não repercute tanto.No idoso essa reação de irritação local é mínima. quando você faz uso de corticoides tópicos. Sarna crostosa. Às vezes. e dermatite de contato vão confundir o diagnóstico.lesão com um sulco característico). . áreas de liquenificação e impetiginizadas às vezes com infecção secundária. atóxico. Às vezes você não percebe as lesões características. e você faz a prova terapêutica para escabiose (não deu pra escutar como faz essa prova terapêutica). Iatrogenia. TRATAMENTO:    Permetrina a 5% creme ou loção (piretróide sintético.

onde o paciente tratou e ficou o prurido. só passando de um pro outro.    Monossulfiram a 25% (tetmosol) . às vezes e que não adianta tratar tanto. só fazer o uso de anti-histamínico. pois são drogas que podem dar uma irritação na pele.    Benzoato de benzila a 25% em loção (miticoçan. deve ser diluída pra usar. Corticóides tópicos e sistêmicos e anti-histamínicos são indicados para tirar o prurido. nedax. Tratar inicialmente a infecção secundária ou eczematização pra depois fazer a medicação específica. Irrita o local. escabix) a 1%. para 10 dias depois repete novamente 3 dias. PROFILAXIA: Importante pra evitar o efeito pingue-pongue. Evitar o tratamento repetido. fazendo essa prevenção para evitar reinfecção.efeito antabuse.    Benzeno gama-hexaclorado ou lindano (escabin. no mesmo dia. trocando tudo. mas trocando a roupa de cama. Há uma sensibilização local pela presença do parasita (seu antígeno). crianças desnutridas e em gestantes. Você usa por 3 dias. ficar tratando e tratando.   Enxofre a 5 ou 10% em vaselina (vai ajudando a tirar as crostas) ou pasta d’agua por 3 dias (acalma a irritação). Ideal fazer o tratamento da família toda. de preferência a noite com o corpo ainda úmido. mas pode ficar o prurido de memória. Não deve ser usado em crianças menores de 2 anos. . Usada oralmente quando tem infestação maior ou que não responde. PRURIDO PÓS-TRATAMENTO: O prurido pós-tratamento às vezes pode ficar uma sarna nodular.    Ivermectina (lactona macrolidica semi-sintética)-200 µg/kg. acarsan).

O quadro clínico é um prurido intenso. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL: Pitiríase capitis: não tem aquela descamação. Eles têm um ciclo parecido com o da escabiose.Os sabonetes escabicidas são inúteis. Geralmente são em torno de 10. com escoriações que podem levar a infecção secundária e eczematização. mas é mais difícil. Após a fecundação. não tem o parasita. . DIAGNÓSTICO: Observação da presença de estruturas ovoides. às vezes tem a presença dos ovos nos parasitas. pois além de provocar irritação não vão mudar nada. mais localizado na região genital. PEDICULOSE AGENTE ETIOLÓGICO: Pediculus humanus humanus ( o piolho da cabeça) e o Pediculus humanus corporis que da mais no corpo. no dia pode coçar uma vez ou outra. O agente etiológico é um pouco diferente. Pode encontrar o parasita. geralmente no couro cabeludo. esbranquiçadas que são aderidas aos pelos chamadas de lêndeas. PEDICULOSE OU FTIRÍASE DO PÚBIS Ocorre mais na região púbica. Pode encontrar em roupas os parasitas. os ovos que ficam presos nas hastes dos cabelos. a postura da fêmea. Só consegui ouvir isso. ele é menor e mais achatado (Phitirus púbis) e está muito relacionado com as DSTs. QUADRO CLÍNICO: prurido com caráter noturno. Pode encontrar lesões escoriadas por conta da presença do parasita.

IMAGEM 1: Estruturas ovóides. nas áreas próximas ao couro cabeludo e em coxas – quando se tem a corporis. 0.MUITO CARACTERISTICO: presença da MACULAE CERULAE (manchas azul-acinzentadas no tronco e coxas) – mancha acinzentada um pouco ressecada azulada e geralmente se encontra em tronco. IMAGEM 2: Lesões escoriadas. Geralmente 1 comprimido de 6mg.  Lindano – mais pesada. Repetir após 1 semana. 1% xampu. só que se usa o xampu pra facilitar.  Ivermectina – também pode ser usada. se for manifestação grande. .02% xampu. abaixo da nunca. Espuma em todo o cabelo por 20 min aprox e depois enxágua. Manchas acinzentadas. Deltametrina Pode ser usado em gestantes e idosos. 1% xampu. azuladas – maculae cerulae TRATAMENTO Permetrina Mesmo tratamento da escabiose.

onde se pega. principalmente quando chove. passando despercebidas. de preferência ocorre mais nos pés. quando o paciente se deita.na penetração se vê uma pápula no local. Tratar infecção secundária  Prurido persistente: podem-se usar os anti . Pode permanecer localizada por semanas ou meses ou imediatamente começar a se deslocar. QUADRO CLINICO: Penetração na pele. . Geralmente se encontram em areias. nas costas. AGENTE ETIOLÓGICO: Larvas do gênero Ancylostoma – O Ancylostoma brazilienses é o agente mais frequente na America Central e no sudeste dos EUA.Dermatite serpiginosa. se pisa. os ovos eclodem e as larvas ficam aptas a penetrar a pele. Seus ovos existem nas fezes desses animais. nos locais de contato com o solo .chuva. as vezes tem em outras áreas. LARVA MIGRANS CUTÂNEA SINONÍMIA: . Vaselina ou creme lanette: 2 vezes/dia durante 8 dias para infestação dos cílios. Vivem no interior do intestino de cães e gatos. são colocados e quando tem condições favoráveis de temperatura e umidade . como na cabeça. Os casos aumentam nos meses de maior precipitação pluviométrica.histaminicos por via oral e cremes de corticóides. produzindo lesão linear com 3mm . bicho de praia. pernas e nádegas. bicho geográfico.Está relacionada com o hábito de jogar futebol.

Pode-se fazer até 3 dias seguidos de albendazol. pelo prurido . e pode fazer no local. 25 a 33% morrem espontaneamente a cada quatro semanas. dose única de 200μg/kg. Ivermectina – p. uma senhora de idade e ela tinha ido para Jericoacoara que disse que foi para a praia e no dia seguinte tinha amanhecido com os pés infestados e a professora fez 2 doses de albendazol para ela e não resolveu. TRATAMENTO Pode ser tópico ou sistêmico. eritematosa. a neomicina foi retirada. vesículas e irritação  Ao longo da lesão surgem vesículas que podem infectar-se ou eczematizar-se. Albendazol – p. Geralmente a gente usa logo o sistêmico para matar logo a larva e ela parar de andar. . o. após as refeições. via oral.escoriação. o. serpiginosa. teve que mudar para a ivermectina. A pomada de tiabendazol contém a tiabenda e vem associada com a neomicina. Geralmente uma dose do albendazol já resolve o problema. Quando não se resolve com o albendazol se usa a ivermectina. Lesões localizadas: Tiabendazol pomada a 1 ou 2%. A professora fala que atendeu uma paciente do Rio de Janeiro. Vai caminhando. Tratamento concomitante da infecção secundária. desenhando algumas formas bizarras. divididos em duas tomadas durante 5 dias.de largura. mas devido a uma maior restrição ao uso de antibióticos. Tiabendazol (25mg/kg de peso). se houver. A larva caminha alguns milímetros ou centímetros por dia. O maior problema é a presença de infecções secundárias. dose única de 400mg.

Mas tem local que não tem. às vezes lineares. que lembram . e depois com crostas. Lesões eritemato-acastanhadas fitofotodermatose. vesiculosas e crostosas agrupadas. e às vezes elas estão muito presentes em dobras. que são agrupadas em placas. localizadas principalmente nas áreas expostas do corpo. vesiculosas. onde nós temos a mesma lesão desenhada no outro local. em placas ou lineares.E se tiver infecção secundária. Coleópteros com distribuição universal e presentes em várias regiões brasileiras. A professora fala sobre um caso de Parnaíba que o homem chegou de fora e na frente do hotel tinha uma figueira e a noite subiam bichinhos e ele só batia neles e no outro dia ele foi internado com lesões graves e ele pegou vários acessos. e que quase todos já passaram por isso é o nosso potó. no local onde foi colocada essa substância. Nos olhos. podem provocar conjuntivite. É uma dermatite vesicante por Paederus. ela pode fazer essas lesões eritematosas. DERMATITE VESICANTE POR PAEDERUS (POTÓS) Então outra coisa que vocês tem a oportunidade de ver. Possuem substância vesicante semelhante à cantaridina. Nos olhos é muito perigoso. que ao entrar em contato com a pele provoca lesões eritematosas. pois pode provocar conjuntivite e fazer uma irritação muito grande. é preciso tratá-la. É por conta dessa substância vesicante que pode estar desencadeando essa irritação.

pois a substância vesicante do potó é uma base. TRATAMENTO: Sintomático.E o que ocorre depois são essas lesões acastanhadas que permanecem por meses e se faz diagnóstico diferencial das lesões tardias da dermatite vesuculosa por Paederus com a fitofotodermatose. Não utilizar creme dental. “Professora. Água boricada. qual a principal infecção secundária causada pela larva migrans?” É uma piodermite. Para evitar irritar ou evitar infecção secundária. O tratamento é sintomático. . Pode ser utilizado o limão também para acabar com a reação que está desencadeando a lesão. se tem prurido se usa o anti-histamínico ou corticoide. para fazer o equilíbrio acidobásico. Cremes de corticoides com antibióticos. O vinagre pode ser utilizado na pediculose e também logo que se nota a lesão por potó.