Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Departamento de Engenharia Mecânica - DEMEC
Centro de Tecnologia e Geociências - CTG

Estudo Dirigido 1
Barras Curvas

PROFESSOR: Carlson Verçosa
ALUNO: André Luiz Gomes Moz

Março/2016

Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Departamento de Engenharia Mecânica - DEMEC
Centro de Tecnologia e Geociências - CTG

Estudo Dirigido 1 Barras Curvas Trabalho da disciplina de Mecânica dos Sólidos 2. realizado pelo aluno André Luiz Gomes Moz da Turma MM Março/2016 . referente ao primeiro Estudo Dirigido e solicitado no dia 08/03/2016. ministrada pelo professor Carlson Verçosa.

DIMENSIONAMENTO E FORMULAÇÃO 3.SUMÁRIO  INTRODUÇÃO  PLANO DE TRABALHO  ESTUDO DIRIGIDO 1.5 CÁLCULO DA TENSÃO  CONCLUSÃO  REFERÊNCIAS .2 MÓDULO DE ELASTICIDADE 3.1 CÁLCULO DO MOMENTO DE INÉRCIA 3.4 CALCULO DO MOMENTO 3. CARACTERIZAÇÃO E APLICAÇÃO 2.3 ENCONTRANDO O RAIO 3. ANÁLISE DOS MOMENTOS E TENSÕES 3.

. sua definição geométrica. suas aplicações no ramo industrial. a análise das tensões presente assim como sua formulação e parâmetros.INTRODUÇÃO Este trabalho tem por objetivo aprofundar e conceituar o nosso conhecimento a cerca do estudo sobre as barras curvas.

mostrar sua existência no campo da engenharia e parque industrial e ilustrar este tópico com esses elementos (pesquisar na internet). Apresentar as fórmulas para o cálculo de R e rg e também ‘e’.11 e o Prob. 2.10 e 4. Mostrar gráfico de Observar na formula de σx σx e y. Ilustrar com o exemplo 4. e .(R− y ) e σ x= −M ❑(r −R) (mais usada). 4. e . Caracterizar uma “barra curva” ou “viga curva”.79 (pág 278) 4.r identificando seus elementos (parâmetros) e fazendo considerações sobre os sinais do momento e da localização do ponto onde se deseja calcular a tensão e o sinal de σx referido ponto. Mostrar a geometria de uma viga curva (seus elementos) e deduzir fórmulas: σ x= −M ❑ y A . a influência de se calcular o valor de ‘e’ com grande precisão. Anexar solução dos problemas propostos na Lista de Exercicios.PLANO DE TRABALHO 1. A . Resolvido 4. Apresentar os valores (expressão) de R para as seções transversais mostradas na fig. .11 5. 3.

Figura 1: Ponte Juscelino Kubitschek localizada em Brasília . sendo usualmente utilizadas para projetos de edifícios.ESTUDO DIRIGIDO 1. pontes e viadutos. As vigas com o traçado curvo têm como característica a solicitação pelo esforço torçor. Esse tipo de estrutura é concebido tanto por motivos estéticos quanto funcionais. exigindo critérios específicos de dimensionamento para garantia plena da segurança. Definição Geral de Barras Curvas Vigas ou Barras curvas são elementos estruturais muito utilizados no contexto industrial que possuem eixos curvos sujeitos a flexão.

Assume-se também que o material é homogéneo isotrópico e com um comportamento linear elástico. Para o caso de vigas curvas esta consideração não é válida. r . esta tende a deformarse por forma a que cada secção transversal irá rodar de um ângulo δθ/ 2 e a sua variação de comprimento será 2 δθ/ 2 (R − r). sendo por isso necessário obter outras expressões que descrevam corretamente a distribuição das tensões devidas a flexão. cuja secção transversal é constante e possui um eixo de simetria perpendicular à direção do momento aplicado M. Parâmetros: R .raio de um ponto arbitrário ou elemento de área infinitésimal na secção Consideremos a viga curva representada acima. Se isolarmos uma parcela de comprimento r dθ da viga.Figura 2: Aplicabilidade estética com uso de Vigas Curvas 2. .raio correspondente ao centróide da secção. r . Como no caso das vigas retas assume-se que as secções transversais se mantém planas após a aplicação do momento fletor. Análise Geométrica e Formulação As expressões desenvolvidas para a flexão elástica de vigas retas têm como base a consideração que as deformações variam linearmente a partir do eixo neutro.raio correspondente ao eixo neutro. A deformação normal ε será δθ(R−r ) dada por ε = r dθ .

A integral no denominador varia de acordo com o perfil da seção transversal de cada barra. temos: Em que R é o raio correspondente ao eixo neutro medido do centro de curvatura da viga e r é um raio arbitrário medido do mesmo centro. Ao contrário do caso das vigas r retas. O próximo passo do nosso estudo é determinar a posição do eixo neutro e relacionar a distribuição de tensões com o momento fletor M. Aplicando agora a Lei de Hooke. onde esta formulação é igualmente parabólica. que é constante para um dado elemento.Definindo k = δθ/ θ . e pode ser resumido na seguinte tabela: . simplificamos a k (R−r) equação afim de obtermos: ε = . vamos obrigar que a força resultante da distribuição de tensões ao longo da seção seja zero. aqui verifica-se que as deformações normais não variam linearmente com r (têm uma variação hiperbólica). Para a obtenção da posição do eixo neutro. Dessa forma. R. o que equivale à: ∫σdA=0. a (R−r ) tensão é dada por: σ =Ek r .

vamos impor que o momento interno resultante seja igual ao momento em torno do eixo neutro da distribuição de tensões. Dado que y = R − r e definindo e = ř .(ř-R). chegamos à Uma vez que.A. e por outro lado sabendo que ∫ dA/r = A/R . Dado que y = R − r. Com isso: M (R−r) σ= A r (ř−R) . pela definição de centróide. atuando num elemento de área dA. ř = (∫rdA)/A ⇒ ∫rdA = ř A.Para obter a relação entre a distribuição de tensões e o momento M aplicado. podemos escrever M = E. como se exemplifica na figura abaixo: . podemos escrever a expressão de My M (R−r ) σ= σ = duas formas: ou A e ( y−R) Ar e Estas duas equações podem ser usadas para o cálculo das tensões normais numa viga curva que apresentam uma distribuição hiperbólica.k.R (distância do eixo neutro ao eixo que passa no centróide).Integrando agora entorno de toda a seção temos: M = ∫ y σ dA . dá origem a uma força dF = σ dA e a um momento em torno do eixo neutro igual a dM = y σ dA . A tensão σ .

. sabemos que e = ř – R.10 e 4. Determine a distância “e” entre a linha do centroide e a linha neutra da seção transversal. Alguns Exemplos Aqui. # Inicialmente definiremos duas distâncias r1 e r2 sendo o raio interno e externo da barra. ambos retirados do livro texto da disciplina.3. 4.11. devemos encontrar a distância ř (distância do centro de curvatura ao centroide da seção transversal) e posteriormente a distância R (distância do centro de curvatura á linha neutra) para assim obtermos o solicitado. Logo. respectivamente.10: Uma barra curva retangular apresenta um raio médio de 150 mm e uma seção transversal de largura b=60mm e altura de h=36mm. EX. veremos a aplicação do conteúdo anteriormente abordado através dos exemplos 4. Solução: De partida.11 e do problema resolvido 4.

podemos obter o valor das tensões máximas utilizando as fórmulas desenvolvidas previamente no estudo aqui presente.# Agora. sabendo que o momento fletor na barra é M=900 N m. devemos definir alguns valores: ¿ M =900 N ∙m ¿ A=bh=( 65 mm ) ( 40 mm )=2600 mm 2 . e a maior tensão de compressão na fibra correspondente a r = r1 (raio interno). determine as maiores tensões de tração e compressão. Assim.11: Para a barra do exemplo 4. calculamos R através de: # De posse de ř e R em mãos. verificamos que a maior tensão de tração se dá na fibra correspondente a r = r2 (raio externo).10. 4.10. # Primeiramente. voltamos a e = ř – R e encontramos que: R: e = 0.893 mm Obs: Para obter “e” com boa precisão foi preciso calcular o valor de R para 4 algarismos significativos. EX. Solução: Analisando a barra do exemplo 4.

aplicaremos a fórmula para obter os valores das tensões máximas: TRAÇÃO (r = r2)  COMPRESSÃO (r = r1)  PR. Sabendo que a tensão de compressão admissível é de 50MPa. 4. # Primeiramente.11: Um componente de máquina tem uma seção transversal em forma de T e está submetido a um carregamento conforme mostra a figura.893 mm # Com os valores em mãos.¿ R=149. determine a maior força P que pode ser aplicada ao componente.107 mm ¿ e=0. encontramos o centroide da seção transversal: .

molas curvas. obtemos o valor de P: CONCLUSÃO Ao final do estudo. discos. podemos calcular “e”: e = ř .11*P (m) # Com os valores de ř e R. viadutos. Com isso. evidencia-se a importância e a necessidade de aprofundarmos os nossos conhecimentos acerca das aplicações e da maneira como podemos solucionar problemas que envolvam carregamentos por flexão em barras com perfil curvo. grampos.# Calculado o centróide. podemos substituir os dados na fórmula para a tensão e igualar esta a tensão máxima admissível.00439m # Com todos os valores definidos. E. considerando que a maior tração de compressão se dará em r = 0. se faz de extrema relevância um estudo mais detalhado acerca deste tema. etc. . Uma análise prévia mais cautelosa atrelada a uma precisão maior nos cálculos pode fazer a diferença em situações que envolvam este tipo de solicitação.03m. por isso.R = 0. devemos obter o valor de R e a expressão para o momento M em função da carga P: M=d*P=(50mm+60mm)P=0. As Vigas Curvas estão presentes em nosso cotidiano nas mais diversas aplicações como pontes.

lume.º Ed. F. . 1995.R.fe. 3.br/bitstream/handle/10183/96240/000914815. <http://www.C.ufrgs.pt/~ldinis/mecsol16.. JR.up. e JOHNSTON.<https://www.P.enautica.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. R.pt/publico/professores/vfranco/Flex%C3%A3o_4B. Resistência dos Materiais. Makron Books. Resistência dos Materiais. 5. HIBBELER. E. 2. 4. Editora Livros Técnicos e Científicos. 3. 3.pdf? sequence=1>.pdf>. BEER. 2000. < https://web.pdf>...º Ed.