CRIMES DE FUNCIONÁRIO

PÚBLICO
PROF. ESP. MÁRCIO TADEU

TÍTULO XI
DOS CRIMES CONTRA A
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CAPÍTULO I
DOS CRIMES PRATICADOS
POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO
CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL

.

.

 Nos crimes contra a Administração podemos encontrar um concurso de agentes. que se for cometido por particular. O particular pode cometer crime contra a Administração Pública. e não por aquele. . instigador). prevaricação. sendo crime contra o patrimônio. É o caso do peculato. a qualidade do funcionário público é elementar do tipo.  Nos chamados crimes funcionais impróprios. como participe(cúmplice. é crime de apropriação indébita. Nos crimes funcionais próprios. corrupção passiva. observa-se que o fato seria igualmente criminoso mesmo se fosse cometido por particular. Ausente a qualidade de servidor público a conduta é atípica: concussão.

quem. para os efeitos penais. emprego ou função pública. embora transitoriamente ou sem remuneração.  . exerce cargo.O QUE É FUNCIONÁRIO PÚBLICO Art. 327 .Considera-se funcionário público.

FUNCIONÁRIO PÚBLICO EQUIPARADO  § 1º .Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo. emprego ou função em entidade paraestatal. e quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pública. .

empresa pública ou fundação instituída pelo poder público.A pena será aumentada da terça parte quando os autores dos crimes previstos neste Capítulo forem ocupantes de cargos em comissão ou de função de direção ou assessoramento de órgão da administração direta. sociedade de economia mista. .CAUSA DE AUMENTO DE PENA § 2º .

PECULATO  Recebe o nome de peculato o crime de roubo ou desvio de dinheiro. em proveito próprio ou de outra pessoa. A palavra peculato tem origem no latim peculatus. que significa desvio de dinheiro ou propriedade pública. valor ou qualquer outro bem móvel. realizado por funcionário público. . público ou particular.

quem comete e quem é vítima do crime: o peculato é cometido somente por servidor público. .PECULATO  A prática é. porém. bastante similar à apropriação indébita e ao furto. os bens desviados ou roubados são de propriedade do estado. contra o estado (a vítima). ou seja. Na apropriação indébita e no furto. As diferenças estão nos personagens. ou seja. não estão envolvidos bens ou valores pertencentes ao estado.

2009 . e) apropriação indébita. . que falsifica e vende bilhetes de passagem. c) falsificação de documento público. lotado em bilheteria de ferrovia estatal. apropriando. b) furto qualificado pela fraude. d) falsificação de documento particular.Defensor Público O funcionário público. comete crime de a)peculato. FCC .DPE-MT .se do respectivo valor.

Defensor Público O funcionário público. que falsifica e vende bilhetes de passagem. comete crime de a)peculato.se do respectivo valor. apropriando. e) apropriação indébita. FCC .2009 . . c) falsificação de documento público. d) falsificação de documento particular. lotado em bilheteria de ferrovia estatal.DPE-MT . b) furto qualificado pela fraude.

.

18/11/2009). D. .E.. (TRF4. SER 2009.ª T. . Tadaaqui Hirose. direta ou indireta em razão do ofício. 7.PECULATO  O delito de peculato exige que o servidor público se aproprie do dinheiro.71. valor ou bem dos quais tenha posse. Rel.005038-0.08.

público ou particular.PECULATO PRÓPRIO  (art. . caput): A ação material do agente consiste na apropriação (peculatoapropriação) ou desvio (peculato-desvio) de dinheiro. de que tem a posse em razão do cargo. valor ou qualquer outro bem móvel. 312.

. apossarse. inverter a natureza da posse.PECULATO APROPRIAÇÃO O verbo apropriar-se tem o significado se assenhorar-se. apropriar-se é tomar para si. passando a agir como se fosse dono da coisa móvel pública. p. isto é. de que tem posse ou detenção. 11). (BITENCOURT. tomar como sua. 2008.

em benefício próprio ou de outrem. de alterar o destino natural do objeto material ou dar-lhe outro encaminhamento. neste dispositivo legal. não sendo necessário que o agente tenha a intenção de se apropriar do bem.  Nessa figura o desvio poderá consistir no uso irregular da coisa pública. .PECULATO DESVIO O verbo núcleo desviar tem o significado.

valor ou qualquer outro bem móvel. e multa. ou desviá-lo.PECULATO  Art. público ou particular. de dois a doze anos.reclusão. em proveito próprio ou alheio:  Pena . de que tem a posse em razão do cargo. 312 .Apropriar-se o funcionário público de dinheiro. .

embora com a intenção de restituir(STF. . 2977).IMPORTANTE  Já entendeu o Supremo Tribunal Federal que constitui peculato. a aplicação de dinheiro público em proveito próprio ou de outrem. em tese. APN 218. pág. DJU de 5 de maio de 1978.

aliás.  Para a configuração do peculato.IMPORTANTE  Há peculato se há apropriação de bem particular. como a que se dá com a apropriação de bem de preso que é entregue ao funcionário público por conta do ofício. importante dizer que o Supremo Tribunal Federal entendeu que é irrelevante serem particulares os bens apropriados ou desviados . no exercício de função pública.

levantar dinheiro público. 8. inciso IV. veículos. no âmbito penal. empregados ou terceiros contratados por essas entidades. considera-se que fica objeto de cominação apenas no campo da Lei de Improbidade Administrativa. mencionadas no artigo 1º daquela norma jurídica. de forma ardilosa. Lei n.IMPORTANTE  Se há uso de falsidade por parte do funcionário para. quando se prescreve a conduta de utilizar em obra ou serviço particular. o crime é de estelionato e não peculato. à falta de disposição legal.429/92. equipamentos ou material de qualquer natureza. artigo 9º. máquinas. de propriedade ou à disposição de qualquer das entidades. . bem como o trabalho de servidores públicos.  Quanto ao peculato de uso. em proveito próprio.

subtrai (ou concorre para que seja subtraída) coisa do ente público ou de particular sob custódia da administração (peculato furto). 312. valendo-se da facilidade que a condição de funcionário lhe concede.PECULATO IMPRÓPRIO  (art. também servidor público típico ou atípico. não tem a posse. §1º): o agente. mas. .

Aplica-se a mesma pena. em proveito próprio ou alheio. o subtrai. se o funcionário público. . 312 § 1º . valor ou bem. embora não tendo a posse do dinheiro. ou concorre para que seja subtraído.PECULATO IMPRÓPRIO  ART. valendo-se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário.

em proveito próprio ou alheio. ou concorre para que outro o subtraia. mas não presta os serviços. valendo-se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário. como a facilidade para a entrada na repartição em que o objeto se encontra. não se configura o delito de peculato quando o agente se apropria dos salários pagos. . no qual o funcionário público não tem a posse do objeto material e o subtrai.  A tipicidade da conduta do funcionário que recebe os salários que lhe foram pagos e não trabalha Segundo o entendimento do STJ.PECULATO FURTO  Há a previsão aqui do chamado peculato-furto.

Um agente de segurança prisional tem acesso aos alimentos pertencentes a uma empresa privada que mantém contrato com a Secretaria de Segurança Pública para fornecimento de café da manhã. No horário noturno. . b) configura o crime de furto simples. d) não constitui crime. é CORRETO afirmar que a situação descrita a) configura o crime de furto qualificado. mesmo não existindo programação para tal refeição naquele horário. almoço e jantar para os presos e agentes. o agente utiliza tais alimentos para um lanche. Tendo em vista esta assertiva.(ASP-GO/2009 ). e) configura o crime de peculato culposo. c) configura o crime de peculato.

subtração ou concurso para esta). através de manifesta negligência. imprudência ou imperícia.PECULATO CULPOSO  Ocorre quando o funcionário. criando condições favoráveis à prática do peculato doloso. desvio. infringe o dever de cuidado objetivo. em qualquer de suas modalidades (apropriação. .

PECULATO CULPOSO § 2º .No caso do parágrafo anterior. se precede à sentença irrecorrível.Se o funcionário concorre culposamente para o crime de outrem: Pena .detenção. § 3º . a reparação do dano. extingue a punibilidade. se lhe é posterior. de três meses a um ano. reduz de metade a pena imposta. .

. O bem apoderado. não está naturalmente na posse do agente. ao contrário do que ocorre no peculato apropriação/desvio. 313): agente. derivando de erro alheio. inverte a posse de valores recebidos por erro de terceiro.PECULATO ESTELIONATO  (art. no exercício do seu cargo.

reclusão. .PECULATO ESTELIONATO Art. recebeu por erro de outrem: Pena . de um a quatro anos. 313 . no exercício do cargo.Apropriar-se de dinheiro ou qualquer utilidade que. e multa.

tendo recebido dinheiro das partes para pagamento da lavratura da escritura. responde por peculato mediante erro de outro e não por apropriação indébita. . deixando de praticar os referidos atos(JUTACRIM 43/179-180). o escrivão do Cartório de Notas que.  Da mesma forma. cai em mora e não os devolve(RT 521/355). se apropria do numerário.PECULATO ESTELIONATO  Exemplo é o caso de funcionário que recebe a mais da Administração. é chamado a dar conta.

alterar ou excluir indevidamente dados corretos nos sistemas informatizados ou bancos de dados da Administração Pública com o fim de obter vantagem indevida para si ou para outrem ou para causar dano: Pena – reclusão. 313-A. o funcionário autorizado.PECULATO ELETRÔNICO Inserção de dados falsos em sistema de informações Art. e multa. Inserir ou facilitar. . de 2 (dois) a 12 (doze) anos. a inserção de dados falsos.

sistema de informações ou programa de informática sem autorização ou solicitação de autoridade competente: Pena – detenção. 313-B. o funcionário. . e multa. Parágrafo único. As penas são aumentadas de um terço até a metade se da modificação ou alteração resulta dano para a Administração Pública ou para o administrado. de 3 (três) meses a 2 (dois) anos.PECULATO ELETRÔNICO Modificação ou alteração não autorizada de sistema de informações Art. Modificar ou alterar.

a tarefa de prestar informações ao Sistema de Informações Penitenciárias – InfoPen. fazendo com que a empresa fornecedora de alimentação receba do Estado um pagamento maior.ASP-GO/2009 . . ocupante de função comissionada. d) prevaricação.O diretor da unidade prisional delegou a um agente de segurança prisional. b) corrupção passiva. O servidor encarregado de tal tarefa insere no sistema um número de presos superior ao real. e) condescendência criminosa. A conduta do agente se enquadra no tipo penal a) corrupção ativa. c) inserção de dados falsos em sistema de informações.

PECULATO (resumo) .

PECULATO (resumo) .

PECULATO (resumo) .

Extravio. sonegação ou inutilização de livro ou documento Art. de um a quatro anos.Extraviar livro oficial ou qualquer documento. total ou parcialmente: Pena .reclusão. . sonegá-lo ou inutilizá-lo. 314 . de que tem a guarda em razão do cargo. se o fato não constitui crime mais grave.

.

. ou multa.EMPREGO IRREGULAR DE VERBA PÚBLICA  Art.detenção. 315 . de um a três meses.Dar às verbas ou rendas públicas aplicação diversa da estabelecida em lei:  Pena .

EMPREGO IRREGULAR DE VERBA PÚBLICA .

Exigir. vantagem indevida: Pena .reclusão. direta ou indiretamente.CONCUSSÃO Art. 316 . . ainda que fora da função ou antes de assumi-la. e multa. de dois a oito anos. mas em razão dela. para si ou para outrem.

CONCUSSÃO .

em razão da função de policial militar. ou seja. ordenar. comete o delito de concussão aquele que. do temor de represálias a que fica constrangida a vítima. exige vantagem indevida para relaxar prisão de indivíduos implicados em porte de cigarros de maconha .  Nessa esteira. aproveitando-se o agente do metus publicae potestatis.A conduta típica é exigir. reclamar vantagem indevida. impor como obrigação.

.

d) caracteriza o crime de corrupção ativa. o governo não repõe todas as perdas. Apesar das reivindicações serem legítimas. de comum acordo com a direção prisional. b) caracteriza o crime de concussão.(ASP-GO/2009) O sindicato dos agentes de segurança prisional deflagra movimento paredista para reposição de perdas salariais. e) embora constitua crime. Sobre a situação narrada. . O fato é do conhecimento do juiz da execução penal. o fato não é punível por ser praticado com o consentimento de todos os interessados. os agentes. decidem exigir dos parentes de preso uma contribuição financeira. c) caracteriza o crime de corrupção passiva. é CORRETO afirmar que a) não constitui crime porque o fato é do conhecimento do juiz responsável pela execução penal no presídio. Assim.

em proveito próprio ou de outrem. de 3 (três) a 8 (oito) anos.reclusão.Excesso de exação § 1º . e multa.reclusão. que a lei não autoriza: (Redação dada pela Lei nº 8.Se o funcionário desvia.Se o funcionário exige tributo ou contribuição social que sabe ou deveria saber indevido. (Redação dada pela Lei nº 8.1990)  § 2º .12. ou. de 27. de dois a doze anos. e multa. de 27. o que recebeu indevidamente para recolher aos cofres públicos:  Pena .12.137. emprega na cobrança meio vexatório ou gravoso.137.1990)  Pena .  . quando devido.

Excesso de exação .

Se o funcionário pratica.A pena é aumentada de um terço. com infração de dever funcional. se.detenção. de três meses a um ano. para si ou para outrem. ainda que fora da função ou antes de assumi-la. em consequência da vantagem ou promessa. § 2º . cedendo a pedido ou influência de outrem: Pena . de 2 (dois) a 12 (doze) anos. deixa de praticar ou retarda ato de ofício. o funcionário retarda ou deixa de praticar qualquer ato de ofício ou o pratica infringindo dever funcional. e multa.Solicitar ou receber. direta ou indiretamente. vantagem indevida. ou aceitar promessa de tal vantagem: Pena – reclusão. . mas em razão dela. § 1º . ou multa. 317 .CORRUPÇÃO PASSIVA Art.

entretanto.P. “basta o simples exercício de uma função pública para caracterizar.. artigos. O particular. art. desde que tenha conhecimento da condição de servidor público do autor (Código Penal.” (C. 327). 29 e 30). . para os efeitos penais. pode ser coautor ou participante do crime. o funcionário público.

.

334): Pena .reclusão. de 3 (três) a 8 (oito) anos. e multa.Facilitação de contrabando ou descaminho Art. a prática de contrabando ou descaminho (art.Facilitar. com infração de dever funcional. . 318 .

e multa. Art. 319 . 319-A. Pena: detenção.Prevaricação Art. ou praticá-lo contra disposição expressa de lei.detenção.Retardar ou deixar de praticar. . ato de ofício. Deixar o Diretor de Penitenciária e/ou agente público. de cumprir seu dever de vedar ao preso o acesso a aparelho telefônico. que permita a comunicação com outros presos ou com o ambiente externo: (Incluído pela Lei nº 11. de três meses a um ano. para satisfazer interesse ou sentimento pessoal: Pena . indevidamente.466. de 2007). de 3 (três) meses a 1 (um) ano. de rádio ou similar.

.

(E) prevaricação. (D) concussão. com infração de dever funcional. (B) condescendência criminosa. cedendo à influência de outrem. (C) advocacia administrativa. .FUNIVERSA/PCDF/2009 Quando um funcionário público deixa de praticar ou retarda ato de ofício. ele pratica o crime de (A) corrupção passiva.

cedendo à influência de outrem. (C) advocacia administrativa. com infração de dever funcional. . (D) concussão.FUNIVERSA/PCDF/2009 Quando um funcionário público deixa de praticar ou retarda ato de ofício. (B) condescendência criminosa. ele pratica o crime de (A) corrupção passiva. (E) prevaricação.

para satisfazer interesse ou sentimento pessoal. Ele não é movido pelo interesse de receber qualquer vantagem indevida por parte de terceiro. ou pratica-o contra disposição expressa de lei. o funcionário público retarda ou deixa de praticar. . indevidamente. Prevaricação  “na x Corrupção Passiva: prevaricação. ato de ofício.

Condescendência criminosa

Art. 320 - Deixar o funcionário, por
indulgência,
de
responsabilizar
subordinado que cometeu infração no
exercício do cargo ou, quando lhe falte
competência, não levar o fato ao
conhecimento da autoridade competente:
Pena - detenção, de quinze dias a
um mês, ou multa.

Advocacia administrativa
Art. 321 - Patrocinar, direta ou
indiretamente, interesse privado perante a
administração pública, valendo-se da qualidade
de funcionário:

Pena - detenção, de um a três meses, ou
multa.
Parágrafo único - Se o interesse é ilegítimo:
Pena - detenção, de três meses a um ano,
além da multa.

Praticar violência. de seis meses a três anos. 322 .detenção. além da pena correspondente à violência.  . no exercício de função ou a pretexto de exercê-la:  Pena .Violência arbitrária Art.

.

e multa. . de três meses a um ano. § 2º .Se o fato ocorre em lugar compreendido na faixa de fronteira: Pena .detenção. fora dos casos permitidos em lei: Pena .detenção. de um a três anos.Se do fato resulta prejuízo público: Pena . e multa.detenção. ou multa. § 1º .Abandono de função Art. de quinze dias a um mês. 323 .Abandonar cargo público.

.

de quinze dias a um mês.detenção.Entrar no exercício de função pública antes de satisfeitas as exigências legais.Exercício funcional ilegalmente antecipado ou prolongado Art. ou continuar a exercê-la. . substituído ou suspenso: Pena . depois de saber oficialmente que foi exonerado. ou multa. sem autorização. removido. 324 .

Revelar fato de que tem ciência em razão do cargo e que deva permanecer em segredo. ou facilitar-lhe a revelação: Pena . . de seis meses a dois anos.detenção. ou multa. 325 . se o fato não constitui crime mais grave.Violação de sigilo funcional   Art.

mediante atribuição. II – se utiliza. indevidamente.Violação de sigilo funcional § 1o Nas mesmas penas deste artigo incorre quem: I – permite ou facilita. . do acesso restrito. o acesso de pessoas não autorizadas a sistemas de informações ou banco de dados da Administração Pública. § 2o Se da ação ou omissão resulta dano à Administração Pública ou a outrem: Pena – reclusão. de 2 (dois) a 6 (seis) anos. fornecimento e empréstimo de senha ou qualquer outra forma. e multa.

e multa. de três meses a um ano.Detenção. 326 . ou proporcionar a terceiro o ensejo de devassá-lo:  Pena .Violação do sigilo de proposta de concorrência Art.Devassar o sigilo de proposta de concorrência pública.  .