Noções de Direito Penal

Anderson BRASIL
Decreto-Lei nº. 2.848, de
7 de dezembro de 1940.

1

Noções de Direito Penal
Anderson BRASIL

DIREITO PENAL

O que é Direito Penal?

2

Noções de Direito Penal
Anderson BRASIL

DIREITO PENAL

O que é Direito Penal?
Para Heleno Cláudio Fragoso, “Direito Penal é o
conjunto de normas jurídicas mediante as quais o Estado
proíbe determinadas ações ou omissões, sob a ameaça da
sanção penal. A sanção característica do Direito Penal é a
pena, que é a principal consequência jurídica do crime.”

3

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DIREITO PENAL O que é Pena? 4 .

” 5 .“a pena é uma sanção penal de caráter penoso. consistente na restrição ou provação de um bem jurídico. promover sua readaptação social e prevenir novas transgressões pela intimidação dirigida à coletividade. imposta pelo Estado. ao culpado pela pratica de uma infração penal. em execução de uma sentença. cuja finalidade é aplicar a retribuição punitiva ao delinquente.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DIREITO PENAL O que é Pena? Segundo Fernando Capez.

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DIREITO PENAL Conceito: 6 .

estabelecendo as sanções penais (penas e medidas de segurança) aplicáveis aos infratores.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DIREITO PENAL Conceito: O Direito Penal é o ramo do direito público que define as infrações penais (crimes e contravenções penais). 7 .

estabelecendo as sanções penais (penas e medidas de segurança) aplicáveis aos infratores.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DIREITO PENAL Conceito: O Direito Penal é o ramo do direito público que define as infrações penais (crimes e contravenções penais). Classificação das infrações penais: 8 .

estabelecendo as sanções penais (penas e medidas de segurança) aplicáveis aos infratores. Classificação das infrações penais: -Crimes ou delitos – -Contravenções (“crime anão”) – 9 .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DIREITO PENAL Conceito: O Direito Penal é o ramo do direito público que define as infrações penais (crimes e contravenções penais).

quer alternativa ou cumulativamente com a pena de multa.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DIREITO PENAL Conceito: O Direito Penal é o ramo do direito público que define as infrações penais (crimes e contravenções penais). quer isoladamente. estabelecendo as sanções penais (penas e medidas de segurança) aplicáveis aos infratores. -Contravenções (“crime anão”) – 10 . Classificação das infrações penais: -Crimes ou delitos – é a infração penal a que a lei comina pena de reclusão ou de detenção.

ou ambas. estabelecendo as sanções penais (penas e medidas de segurança) aplicáveis aos infratores. alternativamente ou cumulativamente. quer alternativa ou cumulativamente com a pena de multa. Classificação das infrações penais: -Crimes ou delitos – é a infração penal a que a lei comina pena de reclusão ou de detenção.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DIREITO PENAL Conceito: O Direito Penal é o ramo do direito público que define as infrações penais (crimes e contravenções penais). quer isoladamente. 11 . isoladamente. -Contravenções (“crime anão”) – é a infração penal a que a lei comina. pena de prisão simples ou de multa.

3) O artigo 6.º da Lei das Contravenções Penais (DECRETO-LEI Nº 3. 12 .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL OBS. 2) A pena de prisão simples deve ser cumprida sem rigor penitenciário. em estabelecimento especial ou em seção especial de prisão comum. em regime aberto ou semiaberto.688. as penas previstas para as contravenções penais são a prisão simples e a multa.º da Lei das Contravenções Penais ainda determina que o condenado à pena de prisão simples fique sempre separado dos condenados às penas de reclusão ou de detenção. DE 3 DE OUTUBRO DE 1941). nos termos do artigo 5.: 1) Atualmente.

diversamente do que ocorre com as penas de reclusão e detenção. para os crimes cujo limite máximo de cumprimento foi fixado em 30 anos (artigo 75).Noções de Direito Penal Anderson BRASIL OBS. previstas no Código Penal. 13 .: 4) O limite de cumprimento de prisão simples é de 5 anos (artigo 10.º da LCP).

alternativa ou cumulativamente. 1º do Decreto-Lei 3. contravenção. pena de prisão simples ou de multa. isoladamente. ou ambas.914/41 (Lei de introdução ao Código Penal) “Art 1º Considera-se crime a infração penal que a lei comina pena de reclusão ou de detenção. quer isoladamente.” 14 . a infração penal a que a lei comina.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL Conceito Legal de Crime: Art. quer alternativa ou cumulativamente com a pena de multa.

É a denominada Hermenêutica. a atividade que consiste em extrair da norma penal seu exato alcance e real significado. 15 .É o processo lógico que procura estabelecer a vontade contida na norma jurídica.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL INTERPRETRAÇÃO DA LEI PENAL  Conceito . ou seja.

16 . Sendo puramente declarativa. pode ter efeito declarativo. §4º). art.Quanto ao sujeito que realiza a interpretação a) autêntica (ou legislativa): é a que procede da mesma origem que a lei e tem força obrigatória. art.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL INTERPRETRAÇÃO DA LEI PENAL  Espécies . Vem inserida na própria legislação e é também denominada contextual (vg “funcionário público”. 150. “casa”. 327.

Exposição de Motivos). (vg.Quanto ao sujeito que realiza a interpretação b) doutrinária (ou científica): quando constituída do entendimento dado aos dispositivos legais pelos escritores ou comentadores do Direito.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL INTERPRETRAÇÃO DA LEI PENAL  Espécies . Não tem força obrigatória. 17 . É a communis opinio doctorum.

As decisões do STF em Ações Declaratórias de Constitucionalidade possuem força vinculante.Quanto ao sujeito que realiza a interpretação c) judicial: é a orientação que os juízos e tribunais dão à norma. mas sem força vinculativa (vg Súmulas do STF e STJ).Noções de Direito Penal Anderson BRASIL INTERPRETRAÇÃO DA LEI PENAL  Espécies . 18 .

Quanto aos meios empregados a) gramatical (ou literal): é a fixação do sentido das palavras ou expressões empregadas pelo legislador.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL INTERPRETRAÇÃO DA LEI PENAL  Espécies . 19 . É o uso do vernáculo.

interpretação por tópicos sequenciais. atendendo-se aos seus fins e à sua posição dentro do ordenamento jurídico como.Quanto aos meios empregados b) lógica ou teleológica: neste meio. o intérprete busca a vontade da lei.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL INTERPRETRAÇÃO DA LEI PENAL  Espécies . 20 . por exemplo.

III.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL INTERPRETRAÇÃO DA LEI PENAL  Espécies .Quanto ao resultado a) declarativa: identidade entre palavra e vontade da lei. É possível extrair significado oculto de termo ou expressão utilizada pela lei (art. CP. 21 . 141. “várias pessoas”).

CP).Quanto ao resultado b) restritiva: o alcance da lei é reduzido para que seja encontrada sua exata vontade (vg art.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL INTERPRETRAÇÃO DA LEI PENAL  Espécies . 22 . 26 e 28.

bigamia. 235). art. 130.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL INTERPRETRAÇÃO DA LEI PENAL  Espécies . 23 . pois a lei disse menos do que pretendia (vg perigo de contágio.Quanto ao resultado c) extensiva: o sentido ou o alcance da lei é ampliado. art.

ao caso não previsto em lei. de lei reguladora de caso semelhante. • Meios de integração do ordenamento jurídico (art. 4º da LINDB) – Os costumes.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DA ANALOGIA É a aplicação. – Os princípios gerais de direito. 24 .

princípios gerais de direito. • Espécies: – Analogia legal: é a que aplica. – Analogia jurídica: é a que aplica. 25 . uma lei penal. preceitos doutrinários e jurisprudenciais. ao caso omisso. ao caso omisso. de lei reguladora de caso semelhante. ao caso não previsto em lei.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DA ANALOGIA É a aplicação.

• Analogia legal ou legis: – In bonam partem: sua aplicação beneficia o sujeito (a opinião dominante se manifesta no sentido da admissão da analogia benéfica para normas penais não incriminadoras). 26 . – In malam partem: sua aplicação prejudica o sujeito. de lei reguladora de caso semelhante. ao caso não previsto em lei.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL DA ANALOGIA É a aplicação.

de acordo com o art. aplica-se. ou seja. mas meio pelo qual se aplica a fonte formal imediata. na lacuna do sistema. em primeiro lugar. 4º da LINDB. e assim não existindo. Também não é fonte formal mediata do direito penal.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL ATENÇÃO!!! Analogia é a utilização de uma lei semelhante para determinado caso análogo in bonam parte – in dubio pro reo. aplicar a lei do caso semelhante. outra lei por meio da analogia. recorre-se às fontes formais mediatas: costumes e princípios gerais. o 27 . Sendo assim. Não se aplica analogia às normas penais incriminadoras.

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 28 .

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 1. Princípio da Legalidade Penal ou da Reserva Legal 29 .

” (Art. Não há pena sem prévia cominação legal. 1º do CP) 30 . nulla poena.” (Art. 5º. Princípio da Legalidade Penal ou da Reserva Legal “não há crime sem lei anterior que o defina. nem pena sem previa cominação legal. inciso XXXIX da CF) “nullum crimen. sine lege” “Não há crime sem lei anterior que o defina.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 1.

Só a lei pode definir crimes e cominar penas. sendo inteiramente vedado a criação de normas penais pelos legisladores dos Estados Membros e do Município. Cabe somente ao Legislador Federal (Deputados Federais e Senadores da República) a criação de normas penais. 31 .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 1. Princípio da Legalidade Penal ou da Reserva Legal Obs. por exemplo: Medida Provisória ou Lei Delegada não podem criar crimes e cominar penas.

2º. aplica-se aos fatos anteriores. inciso XL da CF) “A lei posterior. ainda que decididos por sentença condenatória transitada em julgado. salvo para beneficiar o réu” (Art. que de qualquer modo favorecer o agente. parágrafo único.” (Art. 5º.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 2. do CP) 32 . Princípio da Irretroatividade da Lei Penal Nova mais Severa “a lei penal não retroagirá.

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 2.A lei posterior mais benéfica é retroativa. .A lei posterior mais benéfica é ultra-ativa. Princípio da Irretroatividade da Lei Penal Nova mais Severa Obs. 33 . .A lei posterior mais severa é irretroativa. .

Princípio da Irretroatividade da Lei Penal Nova mais Severa “Transitada em julgado a sentença condenatória.” (Súmula 611 STF) 34 .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 2. compete ao juízo das execuções a aplicação de lei mais benigna.

” (Art. c) multa. Princípio da Individualização da Pena “a lei regulará a individualização da pena e adotará.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 3. d) prestação social alternativa. e) suspensão ou interdição de direitos. inciso XLVI da CF) 35 . b) perda de bens. entre outras. as seguintes: a) privação ou restrição da liberdade. 5º.

de acordo com os critérios legais. Princípio da Individualização da Pena Obs. 36 . Tal princípio garante ao acusado a individualização da pena imposta pelo Estado. ou seja.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 3. para o Direito Penal. o princípio da proporcionalidade da pena. o Iluminismo trouxe. se o indivíduo é punido pelo ato praticado. Junto com o princípio da legalidade. é um imperativo de justiça que a punição prevista seja proporcional ao delito. quanto mais grave o crime. maior a pena.

COMINAÇÃO: O legislador deve criar para cada caso uma pena.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 3. 37 . Princípio da Individualização da Pena Obs. A individualização da pena faz-se em três etapas: COMINAÇÃO. APLICAÇÃO E EXECUÇÃO.

depois analisar os arts.P. e os arts. entre o grau-máximo e o grau mínimo. 61 e 62 do C. 38 . Em sequida. Princípio da Individualização da Pena APLICAÇÃO: O juiz deve analisar o culpado. observará a existência de causas especiais de aumento ou de diminuição da pena.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 3. 65 e 66 para ver se a atenuantes. fixar uma pena base. e agravará ou atenuará a pena-base. para ver se a agravantes. chegando a pena definitiva.

a idade e o sexo do apenado. Princípio da Individualização da Pena EXECUÇÃO: A pena será cumprida em estabelecimentos distintos. 39 . de acordo com a natureza do delito.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 3.

A personalidade e os antecedentes do réu são levados em conta. as penas são individualizadas. para que a fixação da pena sirva tanto para a prevenção geral (evitar que as demais pessoas cometam crimes) como para a prevenção especial (recuperar o indivíduo para o convívio em sociedade).Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 3. Princípio da Individualização da Pena O Direito Penal visa à reintegração social do indivíduo. 40 . de acordo com a natureza do delito e as características pessoais do condenado. Em razão disso.

a idade e o sexo do apenado”. inciso XLVIII da CF) A aplicação da pena tem de levar em conta a possibilidade de recuperação do condenado para o convívio em sociedade. não se permitindo a imposição de penas que representem vingança ou sofrimento demasiado. ou que importem na impossibilidade de retorno ao meio social. 41 .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 4. 5º. (Art. Princípio da humanidade ou humanização das penas “a pena será cumprida em estabelecimentos distintos. de acordo com a natureza do delito.

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 4. Princípio da humanidade ou humanização das penas “é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral” (Art. inciso XLIX da CF) 42 . 5º.

Princípio da Limitação das Penas “não haverá penas: a) de morte. b) de caráter perpétuo. c) de trabalhos forçados. 5º. nos termos do art. inciso XLVII da CF) 43 . 84.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 5. e) cruéis” (Art. d) de banimento. salvo em caso de guerra declarada. XIX.

nos termos da lei. podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de bens ser.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 6. até o limite do valor do patrimônio transferido” (Art. Princípio da Responsabilidade Pessoal ou da Personalidade da Pena “nenhuma pena passará da pessoa do condenado. inciso XLV da CF) 44 . 5º. estendidas aos sucessores e contra eles executadas.

contribuiu para a prática do delito. Na Antigüidade e Idade Média. em caso de morte do condenado a execução atingirá o patrimônio deixado para os herdeiros. por meio de sua conduta. a pena atingia familiares e descendentes do criminoso. A CF traz uma única exceção: aplicada pena de perdimento de bens. só se admite que a pena atinja o próprio autor do fato. ou imposta a reparação do dano. Princípio da Responsabilidade Pessoal ou da Personalidade da Pena Só se pode punir quem. atualmente. 45 .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL 6.

Noções de Direito Penal
Anderson BRASIL

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL
6. Princípio da Responsabilidade Pessoal ou da
Personalidade da Pena
Pena de perdimento de bens:
- Embora prevista na Constituição Federal, a legislação
brasileira não utiliza, ainda, essa espécie de pena. O Direito
Penal admite, apenas, a pena de multa, que é calculada de
acordo com a gravidade do delito e a capacidade econômica
do condenado.

46

Noções de Direito Penal
Anderson BRASIL

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL
7. Princípio da Presunção de Inocência ou Estado de
Inocência
“ninguém será considerado culpado até o trânsito em
julgado da sentença penal condenatória” (Art. 5º, inciso LVII
da CF)

47

Noções de Direito Penal
Anderson BRASIL

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO PENAL
7. Princípio da Presunção de Inocência ou Estado de
Inocência
A CF exige, para que o cidadão seja considerado
culpado pela prática de um delito, que se tenham esgotados
todos os meios recursais; afinal, enquanto pender recurso,
mesmo que a sentença tenha sido condenatória, poderá
haver absolvição.

48

” (CP) 49 . 2º . ainda que decididos por sentença condenatória transitada em julgado.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO “Art. aplica-se aos fatos anteriores. cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença condenatória.Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime. que de qualquer modo favorecer o agente.” Parágrafo único .A lei posterior.

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO Princípios de Direito Intertemporal: .  Tempus regit actum: A lei.Irretroatividade da lei mais severa. 50 . em geral.Retroatividade da lei mais benigna. . Exceções: retroatividade e ultratividade da lei. rege os fatos praticados durante sua vigência.

caput.Novatio legis incriminadora: Quando lei nova torna típico fato retroage) anterior não definido como crime. (Não .Abolitio criminis: Quando lei nova não considera crime fato que anteriormente o era .art.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO  Conflitos de Leis Penais no Tempo: . CP. 2º. (Retroage) 51 .

(Não retroage) . mais favorável a situação da lei anterior.Novatio legis in mellius (lex mitior): Quando a lei nova torna. (Retroage) 52 .Novatio legis in pejus (lex gravior): Quando lei nova torna mais severa norma anterior.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO  Conflitos de Leis Penais no Tempo: . de qualquer modo.

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO Lei intermediária: No caso de vigência de três leis sucessivas. prevalece a mais benéfica.  53 .

(CP) 54 . 3º .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO  Leis Penais Temporárias e Excepcionais: Art. aplica-se ao fato praticado durante sua vigência.A lei excepcional ou temporária. embora decorrido o período de sua duração ou cessadas as circunstâncias que a determinaram.

continuam a ser aplicadas aos fatos praticados durante sua vigência e mesmo depois de autorrevogadas. . revoluções.Leis excepcionais são promulgadas para viger em casos de calamidade pública. 55 . guerras. grandes inundações etc. Obs.Leis temporárias são as que possuem vigência previamente fixada pelo legislador.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO  Leis Penais Temporárias e Excepcionais: . ou seja. Ambas possuem os efeitos da ultratividade.

a lei penal pode retroagir. Súmula 711 do Supremo Tribunal Federal:  "A lei penal mais grave aplica-se ao crime continuado ou ao crime permanente. se a sua vigência é anterior à cessação da continuidade ou da permanência". Desses princípios decorre o da irretroatividade da norma penal. o qual se manifesta pela impossibilidade de lei nova alcançar fatos pretéritos para prejudicar o agente. 56 . XL. mas somente quando beneficiar o sujeito. Ou seja. nos termos do art. da Constituição Federal. 5º.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO Irretroatividade da lei penal.

ainda que outro seja o momento do resultado. (CP) 57 . 4º .Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO  Tempo do Crime: Art.

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO  Tempo do Crime: a) Finalidade: . . 58 .Fixar a lei em vigor no momento do crime.Saber no momento do crime se o sujeito era imputável.

art. 4º. 59 . . .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO TEMPO  Tempo do Crime: b) Teorias: . desprezando-se o momento da ação.Resultado (exceção): considera-se praticado o crime no momento do resultado.Atividade: adotada pelo CP.Ubiquidade ou mista: o crime é considerado tanto no momento da ação como no momento do resultado.

sem prejuízo de convenções.Para os efeitos penais. consideram-se como extensão do território nacional as embarcações e aeronaves brasileiras. que se achem. 5º . respectivamente. mercantes ou de propriedade privada. § 1º . tratados e regras de direito internacional.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO Territorialidade Art. ao crime cometido no território nacional. no espaço aéreo correspondente ou em alto-mar.Aplica-se a lei brasileira. de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro onde quer que se encontrem. bem como as aeronaves e as embarcações brasileiras. 60 .

e estas em porto ou mar territorial do Brasil.É também aplicável a lei brasileira aos crimes praticados a bordo de aeronaves ou embarcações estrangeiras de propriedade privada. achando-se aquelas em pouso no território nacional ou em vôo no espaço aéreo correspondente. 61 .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO Territorialidade § 2º .

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Territorialidade . segundo o qual a lei brasileira é aplicável em todo o território nacional. . 7º prevê as hipóteses de extraterritorialidade da lei penal. O Código Penal adotou o princípio da territorialidade temperada. Além do que o art. independentemente da origem do autor do delito. 62 . como regra geral. o princípio da territorialidade.Regra geral: O CP adota.Exceções: a própria lei ressalva as convenções. tratados e regras de direito internacional.

entendendo-se território o espaço terrestre. Os limites do mar territorial são aqueles fixados pela lei nº 8. Obs.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Territorialidade .Território Nacional: A expressão há de ser compreendida em seu sentido jurídico. 63 . onde o Brasil exerce soberania. marítimo e aéreo. a partir da baixamar. fluvial.617/93 – doze (12) milhas marítimas. (1 milha marítima = 1852 m) O espaço aéreo compreende todo aquele sobrejacente ao território brasileiro. incluindo o mar territorial (art. 2º).

5º).Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Territorialidade . art. ou em missão oficial. 64 .Embarcações e aeronaves: a) públicas: são as de guerra. a serviço militar. b) privadas: são aquelas de propriedade particular ou mercantes. quando em alto mar ou no espaço aéreo brasileiro. onde quer que se encontrem. bem como as particulares. são considerados extensão do território nacional (§1º . As embarcações e aeronaves públicas.

Embarcações e aeronaves: Obs. Aos crimes praticados a bordo de embarcações e aeronaves estrangeiras somente se aplica a lei brasileira quando elas forem de propriedade particular e se acharem em porto ou mar territorial brasileiro (se embarcações).Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Territorialidade . ou em vôo no espaço aéreo nacional ou aterrissadas em nosso território (se aeronaves). 65 .

” 66 . “Alcançando também funcionários do corpo diplomático e componentes da família do representante.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Lei Penal em Relação às Pessoas . em relação aos fatos criminosos por eles praticados no Brasil.Imunidades diplomáticas: Os representantes diplomáticos de governos estrangeiros e Chefes de Estado gozam de imunidade penal.

43 da Convenção de Viena). e no caso de crime grave (art. por ordem de autoridade judiciária competente. Os cônsules somente são alcançados pela imunidade diplomática por crimes cometidos no exercício das funções consulares (art. 67 . 41 ).Imunidades diplomáticas: ..Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Lei Penal em Relação às Pessoas .. e somente podem ser presos preventivamente.

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Lei Penal em Relação às Pessoas . e os protege contra os abusos e violações por parte dos outros Poderes constitucionais (Carlos Maximiliano).Imunidades parlamentares: Prerrogativa que assegura aos membros do Congresso Nacional e das Assembleias Legislativas (dos Estados) a mais ampla liberdade de palavra. 68 . no exercício de suas funções.

alterou o art. de tal forma que não incorrem nos delitos de opinião.Imunidades parlamentares: A Emenda Constitucional nº 35. 53 da Constituição Federal e modificou o regime da imunidade parlamentar.2001. 69 . praticados no exercício da atividade parlamentar. a) Imunidade material ou absoluta: os membros do Congresso Nacional e Câmara Federal são invioláveis por suas opiniões. de 21.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Lei Penal em Relação às Pessoas . palavras e votos.12.

caso em que a respectiva Casa deliberará. Poderá. 70 . ainda. sobre a prisão.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Lei Penal em Relação às Pessoas . em 24 horas.Imunidades parlamentares: b) Imunidade formal ou relativa: Os parlamentares somente podem ser presos na hipótese de flagrante de crime inafiançável. desde que referente a infração penal perpetrada após a diplomação. sustar o curso da ação penal instaurada contra o parlamentar. por maioria dos membros da respectiva Casa.

Noções de Direito Penal
Anderson BRASIL

LEI PENAL NO ESPAÇO

Lei Penal em Relação às Pessoas

- Imunidades parlamentares:

c) Imunidade dos vereadores (art. 29, inc. VIII, CF).
Os vereadores possuem apenas imunidade material por suas

opiniões, palavras e votos no exercício do mandato e na
circunscrição do respectivo município.

71

Noções de Direito Penal
Anderson BRASIL

LEI PENAL NO ESPAÇO

Lei Penal em Relação às Pessoas

- Extradição:
É o ato pelo qual uma nação entrega à outra autor de
crime para ser julgado ou punido. Pode ser ativa ou passiva
(Lei nº 6.815, de 19.08.80, e CF, art. 5º, LI e LII ).

72

Noções de Direito Penal
Anderson BRASIL

LEI PENAL NO ESPAÇO

Lugar do Crime (locus commissi delicti)
Art. 6º - Considera-se praticado o crime no lugar em que
ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como
onde se produziu ou deveria produzir-se o resultado. (CP)

73

74 .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Lugar do Crime (locus commissi delicti) .Determinação do lugar do crime: ▪ Três teorias desenvolveram-se para resolver o problema do local do crime: a) Teoria da atividade: Lugar do crime é aquele onde ocorreu a ação ou omissão.

Determinação do lugar do crime: ▪ Três teorias desenvolveram-se para resolver o problema do local do crime: b) Teoria do resultado: Lugar do crime. 75 . é aquele onde ocorreu a consumação ou o resultado.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Lugar do Crime (locus commissi delicti) . para efeito de aplicação da lei penal.

ou omissão. É a teoria adotada pelo CP ( artigo 6º).Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Lugar do Crime (locus commissi delicti) .Determinação do lugar do crime: ▪ Três teorias desenvolveram-se para resolver o problema do local do crime: c) Teoria da ubiquidade: Considera-se praticado o crime tanto no lugar da ação. como no lugar onde ocorra o resultado. 76 .

de Município. de Território. de Estado. do Distrito Federal. autarquia ou fundação instituída pelo Poder Público. de empresa pública.Ficam sujeitos à lei brasileira. embora cometidos no estrangeiro: I . sociedade de economia mista. 7º .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Extraterritorialidade da Lei Penal Brasileira Extraterritorialidade Art.os crimes: a) contra a vida ou a liberdade do Presidente da República. 77 . b) contra o patrimônio ou a fé pública da União.

por tratado ou convenção. 78 . por quem está a seu serviço. b) praticados por brasileiro.os crimes: a) que. quando o agente for brasileiro ou domiciliado no Brasil. o Brasil se obrigou a reprimir.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Extraterritorialidade da Lei Penal Brasileira c) contra a administração pública. d) de genocídio. II .

79 . quando em território estrangeiro e aí não sejam julgados. ainda que absolvido ou condenado no estrangeiro. a aplicação da lei brasileira depende do concurso das seguintes condições: a) entrar o agente no território nacional. b) ser o fato punível também no país em que foi praticado. § 1º .Nos casos do inciso I. o agente é punido segundo a lei brasileira.Nos casos do inciso II.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Extraterritorialidade da Lei Penal Brasileira c) praticados em aeronaves ou embarcações brasileiras. § 2º . mercantes ou de propriedade privada.

segundo a lei mais favorável. não estar extinta a punibilidade.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Extraterritorialidade da Lei Penal Brasileira c) estar o crime incluído entre aqueles pelos quais a lei brasileira autoriza a extradição. d) não ter sido o agente absolvido no estrangeiro ou não ter aí cumprido a pena. por outro motivo. e) não ter sido o agente perdoado no estrangeiro ou. 80 .

reunidas as condições previstas no parágrafo anterior: a) não foi pedida ou foi negada a extradição.A lei brasileira aplica-se também ao crime cometido por estrangeiro contra brasileiro fora do Brasil. se. b) houve requisição do Ministro da Justiça. 81 .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Extraterritorialidade da Lei Penal Brasileira § 3º .

A lei brasileira aplica-se também ao crime cometido por estrangeiro contra brasileiro fora do Brasil. 82 .Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Extraterritorialidade da Lei Penal Brasileira § 3º . Princípio da Extraterritorialidade: Aplica-se a lei brasileira a crimes cometidos fora do Brasil. desde que atendidas a condições específicas. b) houve requisição do Ministro da Justiça. se. previstas na própria lei. reunidas as condições previstas no parágrafo anterior: a) não foi pedida ou foi negada a extradição.

de Estado. de empresa pública. CP).Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO Extraterritorialidade da Lei Penal Brasileira . inc. 7º. do Distrito Federal. quando o agente for brasileiro ou domiciliado no Brasil.  83 . contra a administração pública ou por quem está a seu serviço. I. autarquia ou fundação instituída pelo poder público. É incondicionada porque não se subordina a qualquer requisito (art. e de genocídio. de Município. contra o patrimônio ou a fé pública da União.Formas de extraterritorialidade a) Incondicionada: Aplicável a crimes cometidos em qualquer território: contra a vida ou a liberdade do Presidente da República. sociedade de economia mista.

Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO Extraterritorialidade da Lei Penal Brasileira . II. em relação a fatos cometidos fora do território nacional. quando se tratar dos crimes praticados nas situações do inc. e se satisfeitas as condições do §2º e alíneas a e b do §3º.  84 .Formas de extraterritorialidade b) Condicionada: Somente é aplicável a lei penal brasileira.

quando idênticas.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Disposições Finais sobre a Aplicação da Lei Penal Pena cumprida no estrangeiro Art. quando diversas. 8º . 85 .A pena cumprida no estrangeiro atenua a pena imposta no Brasil pelo mesmo crime. ou nela é computada.

a restituições e a outros efeitos civis. 9º .A sentença estrangeira.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Disposições Finais sobre a Aplicação da Lei Penal Eficácia de sentença estrangeira Art. quando a aplicação da lei brasileira produz na espécie as mesmas conseqüências. II . pode ser homologada no Brasil para: I .sujeitá-lo a medida de segurança.obrigar o condenado à reparação do dano. 86 .

de pedido da parte interessada. de requisição do Ministro da Justiça. na falta de tratado. ou..A homologação depende: a) para os efeitos previstos no inciso I.. b) para os outros efeitos.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Disposições Finais sobre a Aplicação da Lei Penal Eficácia de sentença estrangeira . Parágrafo único . da existência de tratado de extradição com o país de cuja autoridade judiciária emanou a sentença. 87 .

a sentença deve ser homologada no Brasil. para fins de obrigar o condenado a reparar o dano ou restituir a coisa. 42 ). também é necessária a homologação quando o sentenciado sujeitar-se à medida de segurança. a sentença estrangeira pode aqui surtir efeitos para fins de reincidência (art.Efeitos no Brasil: Independentemente de homologação no Brasil. a homologação de sentença estrangeira é de competência do Superior Tribunal de Justiça . 88 . etc. detração penal ( art. 63).Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Disposições Finais sobre a Aplicação da Lei Penal .

meses e anos são contados pelo calendário comum (gregoriano).Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Disposições Finais sobre a Aplicação da Lei Penal . Contam-se os dias. 10 .Contagem de prazo: Art. os meses e os anos pelo calendário comum. 89 . Os dias. ao contrário dos prazos processuais. (CP) A contagem do prazo em Noções de Direito Penalnclui o dia do começo.O dia do começo inclui-se no cômputo do prazo.

Frações não computáveis na pena: Art. 90 . as frações de dia. (CP) Frações de dia e de unidade monetária não são computáveis nas penas privativas de liberdade. as frações de cruzeiro. e. restritivas de direitos e multa.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Disposições Finais sobre a Aplicação da Lei Penal . 11 .Desprezam-se. na pena de multa. nas penas privativas de liberdade e nas restritivas de direitos.

se esta não dispuser de modo diverso. 12 .As regras gerais deste Código aplicam-se aos fatos incriminados por lei especial.Noções de Direito Penal Anderson BRASIL LEI PENAL NO ESPAÇO  Disposições Finais sobre a Aplicação da Lei Penal .Legislação Especial: Art. (CP) 91 .

açã 92 .