You are on page 1of 15

Ventilação Aplicada ao Processo de Soldagem

Marcos Paulo O. Motta
Engenheiro de Produção – Faculdade Redentor
Rua Augusto Fonseca, nº 12 – Bom Jesus do Norte/ES
Tel. (28) 35622177

marcosmotta.egp@hotmail.com
André Raeli Gomes, M.Sc.
Orientador
Engenheiro Civil, Mestre em Ciências da Engenharia - UENF
Engenheiro de Segurança do Trabalho - Faculdade Redentor
Av Porto Alegre, nº 299/ Aptº 301 - Itaperuna/ RJ
Tel. (22) 38110111
araele@gmail.com

RESUMO
As atividades desenvolvidas por um soldador é reconhecida como um trabalho que requer uma gama
de esforços e que de forma direta expõe o profissional a riscos. Esses riscos pertinentes à atividade
com solda podem prejudicar de várias formas a saúde do colaborador, uma vez que, ao longo das
atividades o profissional da solda fica exposto aos contaminantes deste processo, como gases,
partículas, vibrações, poeiras, ruídos, fumos de soldagem, calor, dentre outros. Visando mitigar esses
riscos, o estudo apresentado tem por objetivo identificar e relacionar através de estudo qualitativo os
principais riscos da atividade de soldagem e apresentar o benefício da utilização da ventilação
industrial como método redutor de impactos insalubres a saúde do profissional que desenvolve tais
atividades. Apresenta-se como metodologia uma pesquisa bibliográfica por documentação indireta
para se definir um aporte teórico que busque uma convergência com o tema proposto ressaltando
aspectos qualitativos quanto aos riscos e soluções para estes.
Palavras-chave: Riscos; Soldagem; Ventilação Industrial.

ABSTRACT
The activities carried out by a welder is recognized as a job that requires a range of efforts which
directly exposes the professional risks. These relevant risks welding with activity may adversely affect
in various ways the health of employees, since, along the weld professional activities is exposed to
contaminants in this case, as gases, particles, vibrations, dust, noise, welding fumes , heat, among
others. To mitigate these risks, the presented study aims to identify and relate through qualitative
study the main risks of the welding activity and provide the benefit of using industrial ventilation as a
reduction method of unhealthy impacts the health professional who develops such activities. It
presents itself as a literature search methodology for indirect documentation to define a theoretical
framework that seeks a convergence with the theme emphasizing qualitative aspects regarding the
risks and solutions for these.
Keywords: Scratchs; Welding; Industrial ventilation.

fumos de soldagem. podendo ser químico. como gases. essa atividade requer de seu profissional bom preparo. posiciona-se como uma solução viável e eficiente. todas essas variáveis trazem à tona a importância de se ampliar os estudos relacionados aos impactos sofridos por esses “profissionais”. biológico ou ergonômico. boas condições físicas e bom conhecimento no que diz respeito aos riscos da profissão e a todos os cuidados que se deve tomar ao exercê-la. ruídos. como também a extrema importância das empresas terem implementado em suas áreas de . uma vez que. Porém a realidade se mostra diferente. Sendo assim. conclui-se que o sistema de ventilação industrial em concomitância com algumas ponderações específicas de ventilação e trabalho. apta a reduzir os riscos iminentes a integridade física e saúde do colaborador. Dentro do contexto apresentado. INTRODUÇÃO As atividades desenvolvidas por um soldador é reconhecida como um trabalho que requer uma gama de esforços e que de forma direta expõe o profissional a riscos. não podem reivindicá-los”. “muitos funcionários aprendem a função de soldador empiricamente. boa coordenação motora. dentre outros. trabalhos de conclusão de curso e etc. Os locais de desenvolvimento destas atividades normalmente contem algum tipo de perigo. Desta forma. partículas. poeiras. visando mitigar os impactos iminentes deste processo à integridade física e saúde do colaborador. para se definir um aporte teórico que busque uma convergência com o tema proposto ressaltando aspectos qualitativos quanto aos riscos e soluções para estes. Segundo Fuhr (2012. físico. onde foram utilizadas fontes secundárias como livros. observando um colega. 60). artigos publicados em congressos. Desta forma. vibrações. não estão conscientes dos riscos que correm. Nestes ambientes o profissional de solda se torna vulnerável a diversas ameaças que podem prejudicar sua integridade física e consequentemente sua saúde. de acidente. calor. em virtude da pouca instrução escolar e ausência de competência técnica. ao longo das atividades o profissional fica exposto a diversos contaminantes deste processo. desconhecem os seus direitos e. o presente estudo tem por objetivo identificar e relacionar através de estudo qualitativo os principais riscos da atividade de soldagem e apresentar o benefício da utilização da ventilação industrial como método redutor de impactos insalubres a saúde do profissional que desenvolve estas atividades. p. Consequentemente. A metodologia proposta foi uma pesquisa bibliográfica por documentação indireta.2 1. a fim de evitar sequelas inerentes ao meio. obviamente.

diversos métodos pertinentes com os de soldagem são. produzida por aquecimento até uma temperatura adequada. máquinas e suportes é incluída pela expressão Soldagem. “a soldagem é considerada como um método de união. O autor supracitado finaliza suas definições baseado no modelo de forças responsável pela junção dos materiais: . porém. em várias situações. (MODENESI. et al (2011. p. assegurando na junta a continuidade das propriedades físicas e químicas. muitos processos de soldagem são usados para a deposição de material sobre uma superfície.” Em outra de suas obras.18) também apresenta uma definição de soldagem. usados para cortadura ou para recobrir os artefatos.” Algumas definições de soldagem também são apresentadas por Mondenesi e Marques (2000. et al.5) trás o termo “soldagem e solda” definidos na mesma sequencia como:  “Operação que visa obter a união de duas ou mais peças. 4). assegurando na junta a continuidade das propriedades físicas e químicas necessárias ao seu desempenho.  “Operação que visa obter a união de duas ou mais peças. desta forma. com ou sem a utilização de pressão e/ou material de adição”.18) De acordo com Modenesi & Marques (2000. classicamente.” Para os autores supracitados. p. p. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.3 trabalho um sistema de ventilação eficiente e capaz de amenizar as possíveis sequelas provenientes destes processos de soldagem. 4) como sendo:  "Processo de junção de metais por fusão". visando à recuperação de peças desgastadas ou para a formação de um revestimento com características especiais. Vários aspectos dessa manobra de recobrimento e cortadura são parecidos à soldagem e.”  “Junta resultante da operação de soldagem. 2011. Marques. (MONDENESI & MARQUES. vários pontos destes métodos são abordados juntamente com esta. p.1 Definição de Soldagem Uma gama de diferentes métodos empregados na produção e restauração de artefatos. sendo ela:  “Processo de união de materiais usado para obter a coalescência (união) localizada de metais e não-metais. 2000.4) Neris (2012. p. p.

assim como suas características mecânicas e químicas”. Fuhr (2012. Segundo o autor. 15) declara que: “Se os produtos da soldagem são a união das peças. ou seja. 21) 2) “Gases. tipo de alimentação da máquina de soldagem. 2003 p. compõem os fumos de soldagem”. 2012. processo de soldagem. a etapa inicial para a definição da escolha de um método de soldagem “é a avaliação da relação entre a qualidade requerida e o custo de produção. 12) complementa os conceitos definindo soldagem como “sendo a técnica de reunir duas ou mais partes que passa a constituir um todo. na região de ligação entre os materiais que estão sendo unidos”. apresentando tamanhos reduzidos. (Idem. tanto de energia como de partículas e gases. prejudicando a saúde dos trabalhadores e da população”.1) apresenta sua proposta denominando soldagem “ao processo de união entre duas partes metálicas. p. nos processos de soldagem podem haver a produção de diversas substâncias. com ou sem aplicação de pressão. p. Os gases liberados durante o processo de soldagem podem ser tanto os gases utilizados para proteger a poça de soldagem. fumos. 15) Pode-se considerar como os principais subprodutos do processo de soldagem as seguintes substâncias: 1) “Fumos. p. p. 2.1 Subprodutos dos Processos de Soldagem Dentro de uma analogia simples.0 mícron. (LYTTLE. ruídos e gases. como gerados por influência do processo de soldagem sobre a atmosfera ou os gases de proteção. composição do gás de proteção.” Segundo o autor . voltagem e amperagem. os subprodutos da soldagem são os resíduos ou emissões. o lançamento de cada substância e sua quantidade relacionada. como a emissão de resíduos. como partículas. os parâmetros de soldagem”. A solda é o resultado desse processo”. revestimento sobre o material de base. Brandi. consumo de energia e risco à saúde do trabalhador”. 1999 apud SILVA. Porém. radiação. que representam desperdício energético e de material. outros fatores devem ser levados em conta. et al (1992.4  “Processo de união de materiais baseado no estabelecimento de forças de ligação química de natureza similar às atuantes no interior dos próprios materiais. Para ele.. e que contaminam o ambiente. usando uma fonte de calor. assegurando a continuidade do material. entre 0. Para o autor supracitado. As partículas sólidas que são produzidas em consequência da vaporização e derretimento do eletrodo consumível. “depende de vários fatores: material base.1.. composição do eletrodo. revestimento do eletrodo. Fuhr (2012.01 e 1..

fumos. gases. gases estes que podem causar confusão mental e falta de coordenação. (Ibid. em alguns processos. Apesar de não terem sido comprovados quais os efeitos das emissões eletromagnéticas sobre o organismo. consideram-se agentes físicos. radiações ionizantes e radiações não ionizantes. (Ibid. A maioria dos processos de soldagem. infravermelha e.22) 5) “Emissões Eletromagnéticas. São produzidas: radiação ultravioleta. as emissões eletromagnéticas. Os principais agentes fiscos presentes nos ambientes de trabalho que apresentam processos de soldagem são a radiação. 16) apresenta. radiações ultravioletas. gases ou vapores. produz radiação visível e invisível. uma forma instável de O2. partículas sólidas de tamanho maior que o respirável”. p. Ex: Fumos de soldagem. estes resíduos. partículas.20) O mesmo apresenta em sua pesquisa o risco de obtenção do Distúrbio Musculoesquelético. temperaturas extremas.22) 4) “Radiação.23) 2. Óxido de nitrogênio e monóxido de carbono – CO.5 os fases liberados no processo de soldagem são: Ozônio. também. p. 2003. (FUHR. neblinas. 2012. sendo eles:  Químicos Consideram-se agentes químicos as substâncias. possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo pela pele ou por ingestão. 2003. pela natureza da atividade de exposição. vibrações. p. em sua pesquisa os riscos gerados pelo processo de soldagem. ou que. ocorrência relacionada às atividades de soldagem evidenciadas nas lamúrias regulares de . diversas formas.22) 3) “Partículas.  Ergonômicos Segundo o autor. de energia a que possam estar expostos os trabalhadores. p. Se os gases e fumos lançados no ambiente de soldagem representam um risco para o soldador e os demais trabalhadores que compartilham o mesmo local de trabalho. pressões anormais. raios-X”.. quando lançados na atmosfera sem tratamento. passam a afetar o resto da população”. compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória. Alguns processos de acabamento que ocorrem muitas vezes no posto de soldagem podem produzir. especialmente os que utilizam arco elétrico. tais como o ruído. nas formas de poeiras. p. (Idem.2 Riscos Gerados pelo Processo de Soldagem Fuhr (2012. “consideram-se riscos ergonômicos todos os fatores que podem afetar a integridade física ou mental do trabalhador.1. (SILVA. proporcionando-lhe desconforto ou doença”. névoas. 2003.. (Idem. 2003. ou seja.23) 6) “Emissões ambientais. p.  Físicos De acordo com a NR-15. é recomendado que o trabalhador não se exponha a este tipo de emissão”. 2003. o ruído e a vibração. p.

2. p. residenciais e mesmo de lazer.6 trabalhadores aos profissionais da área de saúde. quando um objeto é agente do impacto. “A ventilação tem um significado muito simples: “deslocar o ar”. Segundo Fuhr (2012. que podem causar dores de cabeça. “outra hipótese levantada para a causa dos acidentes com os soldadores é a destes sofrerem intoxicação por fumos de soldagem. 2012. como responsável pela aposentadoria precoce de aproximadamente 20% dos trabalhadores”. mas pode ocorrer que sejam projetados em outras direções. quando o próprio trabalhador é o agente do impacto. “Além disso. além da redução da amplitude de movimento dos ombros e a ocorrência de atrofia muscular”. ou seja. 2003. investigam-se também os sinais explícitos. além de choques elétricos e das doenças ocupacionais já relacionadas”. a ventilação industrial é um mecanismo eficiente no processo de contenção da poluição do ar de ambientes de trabalho. além da investigação de prognósticos abstratos. máquinas e equipamentos sem proteção. (BORRÉ. 21) os trabalhadores que exercem suas atividades com solda estão passíveis a acidentes de várias naturezas. ou seja.  De acidentes Consideram-se riscos de acidentes todos os fatores que colocam em perigo o trabalhador ou afetam sua integridade física ou moral. (SILVA. atingindo os soldadores”. A . tendinite e bursite. 2013. que pode ser natural ou mecânico. levando diversos pesquisadores a investigar as causas deste mal que tem afetado a saúde de muitos trabalhadores. em estudo epidemiológico que abrangeu 40 anos de trabalho de soldadores e outros profissionais de um estaleiro. Em geral. ocasionando uma renovação no mesmo”. eletricidade. como reclamações de dor e incômodo. “os sintomas clínicos de problemas como fadiga muscular localizada. armazenamento inadequado de materiais e ferramentas. p. p. “pequenas porções de metal derretido que podem desprender-se do ponto onde se realiza a solda. “como os do tipo “impacto sofrido”.2 Conceito de Ventilação Industrial O termo escolhido pela NBR 14679:2001 para definir soldagem é descrito como: “Processo de retirar ou fornecer ar por meios naturais ou mecânicos de ou para recinto fechado”. é retirar ou fornecer ar para um ambiente.20). ou do tipo “impacto contra”.25) Para Fuhr (2012. tonturas e estresse”.21) Outro risco de acidente apresentado por Fuhr é a de queimaduras por faíscas e respingos de solda.ferramentas inadequadas ou defeituosas. incêndio ou explosão. p. (FUHR.15) Para Chaves & Fudolli (2012). este tipo de distúrbio foi apontado. São considerados como riscos geradores de acidentes: arranjo físico deficiente. p. A finalidade deste deslocamento. estes respingos caem verticalmente. Para o autor supracitado.

p. designados por contaminantes ou poluentes”. Essa movimentação pode ser feita por meios naturais ou mecânicos”. poeiras. Segundo ele. 2008 p. vapores. a distribuição do ar e eliminar agentes poluidores do ambiente. névoas. Filho & Melo (1992. “ventilação pode ser conceituada como a movimentação intencional do ar. poeiras. apud LISBOA. vapores. a umidade. A sua adequada utilização promove a diluição ou retirada de substâncias nocivas ou incômodas presentes do ambiente de trabalho”. Para o autor supracitado. Visando a segurança do colaborador e do patrimônio empresarial. apud BORRÉ. microrganismos e odores. fumos. armazenamento e acondicionamento dos produtos. apud BORRÉ. névoas. a distribuição do ar e eliminar agentes poluidores do ambiente. Existem também outras finalidades. e eliminar agentes contaminantes ou poluentes. tais como: “necessidades técnicas dos procedimentos de fabricação. próprio para atender as demandas e também a higiene do trabalho. tais como: a temperatura. Moreira (2006.3) apresenta sua definição dizendo que “a ventilação é uma técnica disponível e bastante e bastante efetiva para o controle da poluição do ar de ambientes de trabalho. como delimitar o teor de componentes explosivos e/ou inflamáveis no ar. névoas. Macintyre (1990. de forma planejada. 2012) Segundo Macintyre (1990. com o objetivo de atingir um determinado objetivo. Para o autor. que busca não exceder os limites estabelecidos como aceitáveis.3) finalizam as definições dizendo que “como ventilação industrial entende-se o processo de retirar ou fornecer ar por meios naturais ou mecânicos de/ou para um recinto fechado”. microorganismos e odores”. tais como gases. 2013) relata que “a ventilação Industrial é entendida como a operação realizada para controlar a temperatura. Lisboa (2008. (CHAVES & FUDOLLI. ela também pode ser usada no controle da concentração de elementos explosivos. faz-se necessário observar que o ar se move da região de maior pressão para a de menor pressão. 2013). tais como gases. Uma das finalidades da ventilação é conservar o ar num estado e constituição que faça deste.19) relata que ventilação industrial “é a operação realizada através de meios mecânicos que visa o controle de parâmetros. para um bom funcionamento do projeto de diferenciais de pressão no sistema. fumos. poeiras. Os autores apresentam a purificação e o . existem também outras finalidades para ventilação. designados por contaminantes ou poluentes”. vapores. visando sempre à segurança do trabalhador e do patrimônio da empresa. microrganismos e odores.7 retirada ou solvência de substâncias prejudiciais ou maléficas existente no local de trabalho depende da correta utilização da ventilação. assim como a conservação dos equipamentos”. p. entre eles: gases. “A ventilação Industrial é entendida como a operação realizada para controlar a temperatura. a distribuição do ar.

tais como os agentes físicos. 2. utiliza-se armazéns com sistemas de ventilação. com intuito de tornar possível a convivência de homens e máquinas num mesmo ambiente sem que haja danos para ambas às partes. a fim de atender aos propósitos descritos acima são apresentados os tipos de sistemas de ventilação: 1 . 3 .Ventilação geral. fragmentos em geral. o propósito a que se destinam. prejudicial à saúde. c) Para a manutenção de ferramentas e equipamentos: visando poupar os motores elétricos e máquinas da deterioração geradas pelo superaquecimento. no inverno é aquecido. entretanto enfrenta inúmeras limitações por depender de forças naturais para regular o clima interno de uma edificação por meio de uma troca de ar controlada pelas aberturas”. 2 .8 domínio das condições do ar como finalidade do processo de ventilação industrial. Estes podem ser contidos através de fendas no piso. 2012 p. Para o autor supracitado. (CHAVES & FUDOLLI. para relacionar os sistemas de ventilação faz-se necessário considerar uma estratégia. 2013 p. gases. temperatura e tensão dinâmica. no verão o local é resfriado. nas laterais e teto.3. podendo ser: a) Para conforto térmico: restaurar os níveis atmosféricos num recinto modificado pelo homem.Ventilação local exaustora. 2013). b) Para a manutenção da vida do homem: diminuição do acúmulo de névoas. (BORRÉ. 16) .1 Ventilação Natural “A ventilação natural é o movimento de ar num ambiente de trabalho. provocado por ventos externos e que pode ser controladas por meio de aberturas como portas.3 Tipos de Ventilação De acordo com Macintyre (1990. “É o método mais antigo e comum de ventilação devido ao baixo custo inicial e nenhum consumo de energia.10) A ventilação natural é o deslocamento de ar em um recinto instigado por alguns fatores. visando à redução a níveis compossíveis a vitalidade humana. apud BORRÉ.Ventilação natural. janelas etc”. conforme explicitado na figura 1. 2. ou seja.

2013 p.pcc. 2013 p. . 17) .Deslocamento de ar em razão do vento e do desequilíbrio de temperaturas. Fonte: (MACINTYRE.br apud BORRÉ. (b) Somente diferença de temperatura. Figura 1: Casos peculiares de ventilação natural em coberturas.Deslocamento de ar em razão do desequilíbrio de temperaturas. 17) Figura 2: Elementos influenciadores no deslocamento de ar em uma construção (a) Somente vento.usp. Fonte: (pcc261. 1990 apud BORRÉ. (c) Vento e diferença de temperatura juntos. o deslocamento de ar em um imóvel através da ventilação natural necessita dos seguintes elementos esboçados na Figura 2: . .9 Segundo o autor.Deslocamento de ar em razão da influência do vento.

antes que atinjam a zona de respiração do trabalhador”.21). “de forma indireta. 2. vapores. do acúmulo de pó em suspensão no ar. vapores e etc.10 2. um fluxo laminar suave. p. Desta forma. Desta forma é possível perceber que essa proposta de ventilação é mais apropriada a segurança física do trabalhador. Esta é uma das técnicas acessíveis para monitoramento de um ambiente de trabalho. a ventilação busca desfragmentar o teor de gases. 2008) Chaves & Fudolli (2012 p. (LISBOA. . vapores ou poeiras toxicas) antes que os mesmos se dispersem no ar do ambiente de trabalho. ou seja.3. retirando do ambiente uma parcela do calor liberado por fontes quentes que eventualmente existam”.2 Ventilação Geral Para Borré (2013. promovendo assim um conforto térmico ao colaborador. 2) afirma que “o local de trabalho deve possuir ventilação adequada de forma a eliminar os gases. p.3. 2. Sendo assim o volume de ar da parte externa envolto no processamento é reduzido equiparando-o ao processamento de ventilação natural. pode se dizer que a ventilação industrial é uma técnica ou parâmetro que visa proteger o ser humano de doenças provenientes de gases tóxicos ou insalubres.14) declara em sua obra que “a ventilação local exaustora tem como objetivo principal captar os poluentes de uma fonte (gases. um ambiente limpo e uma queda de temperatura considerável”. que tem por objetivo circular o ar num recinto por intermédio de ventiladores. Relacionado à área da higiene do trabalho. “um sistema de ventilação geral combina a ventilação natural e a exaustão mecânica.21). De acordo com Borré (2013. substâncias insalubres “podem existir em certos fluxos. a ventilação local exaustora também influi no bem-estar. p. podendo também ser chamada de ventilação mecânica. proporcionando uma troca de ar constante.3 Ventilação local exaustora “A ventilação local exaustora capta os poluentes diretamente na fonte evitando desta forma a dispersão dos mesmos no ambiente de trabalho”. na eficiência e na segurança do trabalhador.4 Ventilação Industrial em Ambiente de Soldagem A ventilação industrial é considerada o mais importante método de controle para os recintos onde se desenvolvem atividades prejudiciais ao homem.” Para o grupo. Getsolda (2007. revestimentos e metais de adição ou podem ser liberadas durante a soldagem ou o corte”. vapores e fumos usados e gerados pelos processos de soldagem e corte e que podem ser prejudiciais à saúde dos trabalhadores. por exemplo. bem como não permitir contaminantes no local de trabalho.

” De acordo com o grupo.45) afirma em sua obra que o processo de ventilação deve assegurar a remoção eficaz dos fumos de solda. Fonte: (GETSOLDA. do número de trabalhadores presentes e da natureza dos materiais trabalhados e de adição”. “o tipo e a importância da ventilação dependem de cada aplicação específica. Remover toda e qualquer pintura ou revestimento de zinco de uma peça antes de soldá-la ou cortá-la”. (idem. p. p. 2007. a ventilação natural é suficiente. MIG/MAG)”. . “os produtos da decomposição destas substâncias pelo calor do arco podem produzir vapores inflamáveis ou tóxicos”. com o uso eventual de capacetes ou máscaras especiais”. São elas:  “Locais tais como poços.  “Não soldar ou cortar peças sujas ou contaminadas por alguma substância desconhecida . 2) Ainda segundo Getsolda (2007. e uma terceira. através de um braço de exaustão. mas certas aplicações podem requerer uma ventilação forçada.11 Silva (2003. 2). 2) Getsolda (2007. eles relatam que “todos os fumos e gases desprendidos devem ser considerados como potencialmente nocivos. etc devem ser considerados como áreas confinadas . sótões. p. p. junto à tocha de soldagem (no caso. 2) no desenrolar de sua pesquisa apresenta algumas ponderações que precisam ser observadas no desenvolvimento das atividades de soldagem para que o processo se torne eficiente e seguro. do tamanho do local de trabalho. “Em muitos casos. p. que utiliza o princípio de deslocamento. uma exaustão geral.Não se deve soldar. tanques.A soldagem ou o corte em áreas confinadas requer procedimentos específicos de ventilação e trabalho. Diante de um iminente risco de acidente. outra exaustão para o posto de trabalho. 2007. Figura 3: Métodos diversos de ventilação e auxílio à respiração. cabines com coifas de exaustão. com total prioridade a área de respiração do soldador. cortar ou realizar qualquer operação a quente numa peça que não tenha sido adequadamente limpa. Para o autor “é sugerido o uso de três níveis de exaustão. filtros de respiração ou máscaras com suprimento individual de ar”.

12  “O soldador ou operador deve sempre manter a cabeça fora da área de ocorrência dos fumos ou vapores gerados por um arco elétrico de forma a não respirá-los . está provado que seu resultado é muito superior em termos de captação dos fumos de solda ou outros particulados em suspensão”. esse sistema “Permite que o soldador execute o trabalho . Segundo o grupo. é bastante reduzido”. um correto posicionamento no desenvolvimento do processo de soldagem é capaz de minimizar a exposição do trabalhador aos fumos. Fonte: (NEDERMAN. “o risco dos soldadores estarem sujeitos a altas concentrações dos perigosos fumos de solda. empregando esta técnica. p. Segundo a empresa. 2012) Tochas aspiradas com extração integrada é outro sistema eficiente apresentado por Nederman (2012). “as operações de soldagem manual devem ser realizadas em condições de segurança adequada com sistemas de ventilação próprios para a situação de forma a permitir a coleta dos fumos e gases tóxicos gerados no processo. Figura 4: Correto posicionamento da cabeça no processo de soldagem. do equipamento e dos consumíveis usados”. Segundo ela. 16) apresenta o sistema de ventilação e filtragem como soluções eficientes para exaustão dos fumos. Fonte: (ESAB. “Em todos os locais onde a exaustão localizada é viável. Segundo ele. Figura 5: Extração de fumos com um braço extrator. 2007) Nederman (2012. O sistema mais eficiente apresentado pelo autor é a exaustão localizada. antes que atinjam a zona de respiração dos trabalhadores”.O tipo e a quantidade de fumos e gases dependem do processo.

Neste contexto. p. . boas condições físicas e bom conhecimento no que diz respeito aos riscos da profissão e a todos os cuidados que se deve tomar ao exercê-la. Segundo a autora.13 tendo sempre a exaustão presente facilitando a execução de soldas longas ou o movimento amplo e rápido. A inalação de fumos por um longo período de tempo deve ser evitada. Segundo Fuhr (2012. “Mesmo que os fluxos não corrosivos não sejam tóxicos. Consequentemente. As tochas aspiradas são o método ideal de exaustão de fumos em processos robotizados”. pode prejudicar seu sistema respiratório. “muitos funcionários aprendem a função de soldador empiricamente. em virtude da pouca instrução escolar e ausência de competência técnica.45) faz questão de afirmar em sua obra que o processo de ventilação deve assegurar a remoção eficaz dos fumos de solda. não podem reivindicálos”. com total prioridade a área de respiração do soldador. visando sempre preservar a saúde do colaborador. p. sem necessidade de ajuste da posição do captor”. Ainda segundo os autores. a sua utilização de forma adequada é capaz de promover a dissolvição ou remoção de elementos danosos ou prejudiciais presentes no local de trabalho. Ainda segundo a empresa. ela também pode ser usada no controle da concentração de elementos explosivos. p. observando um colega. 5) apresenta a ventilação industrial “como um método disponível e bastante efetivo para controle da poluição do ar de ambientes de trabalho e mesmo de ambientes residenciais e de lazer”. insalubre e hostil. 60). Chaves & Fudoli (2012. Visando a segurança do colaborador e do patrimônio empresarial.104) ressaltam a real importância da ventilação. “a eficiência de captação esperada é de 70% a 98% dependendo dos parâmetros de soldagem. em especial da posição. fazendo com que se mantenha nos limites de tolerância ou nos níveis aceitáveis a saúde humana. Geary & Miller (2013. ainda que por um curto período de tempo. visando mitigar esses riscos. p. como exaustores localizados e Tochas aspiradas com extração integrada são capazes de garantir uma eficiência de captação de 70% a 98%. a fim de evitar sequelas inerentes ao meio. Silva (2003. desconhecem os seus direitos e. não estão conscientes dos riscos que correm. Alguns equipamentos utilizados neste processo. 3 CONCLUSÃO A atividade de soldagem requer de seu profissional bom preparo boa coordenação motora. por desenvolver tais atividades em um ambiente de riscos. inclusive os provenientes de fluxos corrosivos”. obviamente. pois para eles “todos os fluxos produzem fumos com a aplicação de calor”. Porém a realidade se mostra diferente. a inalação desses fumos.

MELLO. Quanto à manutenção da vida. In: LISBOA. Edição Eletrônica. 1992.pdf>. 2008. Rio de janeiro. porém.escolasatelite. Disponível em: < http://bibliodigital. o sistema restaura as camadas atmosféricas numa área alterada pelo homem. FÜHR. Sérgio D. com base no contexto apresentado. Goivagem e Corte ao Arco Elétrico. ISBN. todas essas variáveis trazem à tona a importância de se ampliar os estudos relacionados aos impactos sofridos por esses “profissionais”. 4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Ventilação Industrial. Manual de Orientação. Disponível em: http://academico.%20F%C3%BChr%20%20Vers%C3%A3o%20Final. Henrique de Melo. C. Ituí . no verão o local é resfriado. Fábio D.Execução de serviços de higienização. é possível afirmar que o sistema de ventilação industrial é um importante método redutor de impactos insalubres a saúde do profissional que desenvolve atividades de soldagem. São Paulo: Edgar Blucher. P. Belo Horizente – MG. 2012. gases e fragmentos como um todo a níveis compossíveis a vida humana.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/1259/Monografia%20 Tiago%20A.14 O sistema de ventilação. vale ressaltar que o sistema de ventilação por si só não é capaz de mitigar os impactos. 1992. visa garantir o conforto térmico do ambiente e a manutenção da vida do homem. Faculdade Pitágoras. BRANDI. Ventilação industrial aplicada à engenharia de segurança.pdf?sequence=1>. existem algumas ponderações específicas de ventilação e trabalho que precisam ser observadas no desenvolvimento das atividades de soldagem para que todo o processo se torne eficiente e seguro. FUDOLI. CHAVES.. além da remoção dos fumos de solda. trata-se da minoração da aglomeração de névoas. outubro de 2012. FILHO. Acesso em: 20/10/2015 . Controle da Poluição Atmosférica. MELO. NBR 14679: Sistemas de condicionamento de ar e ventilação . Homem. Contagem – MG. Desta forma.unijui. ou seja. M5 D2 Higiene do Trabalho IV.edu. 2001. Acesso em: 20/10/2015 ESAB.net/system/application/materials/uploads/12/ge-est-m5-d2p5-aula-60-rev-final. no inverno é aquecido. Emílio. Josevan Ursine. Regras para Segurança em Soldagem. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Reconhecimento e avaliação dos riscos ambientais gerados nos processos de soldagem de uma empresa do segmento metal mecânico. Apostila do curso de Engenharia Mecânica da UFSC. WAINER.RS. Sendo assim. 2007. V. Soldagem: processos e metalurgia. Quanto ao conforto.. H. como também a extrema importância das empresas terem implementado em suas áreas de trabalho um sistema de ventilação eficiente e capaz de amenizar as possíveis sequelas provenientes destes processos de soldagem. Eliane Lara. Tiago Alexandre.

UFRGS. Supplementary Issue: THE HUMAN FACTOR AND ITS ENVIRONMENT. Adson Bezerra.ufpa. Paulo J. In: SILVA. 2007.cpscetec. p. Belo Horizonte. Apostila sobre processo de soldagem eletrodo revestido. Acesso em: 20/10/2015 SILVA. 2003. Edição Eletrônica. Manual de saúde para soldadores. Universidade Federal do Rio Grande do Sul . 43. Bookman Editora. 75-84. Increase Productivity: Optimized Consumables Selection for na Improved Working Environment and Reduced Welding Costs. Riscos e soluções para os fumos de solda. Alexandre Queiroz. Acesso em: 19/10/2015 LISBOA. 2000. MOREIRA. 2003.15 GEARY. MILLER.UFRGS.br/getsolda/docs_graduacao/Seguranca_outros. Simone Antunes da. Soldagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul . Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos Editora S. Disponível em: <www. Rex. abril 2012. Controle da Poluição Atmosférica. Royssy. Archibald Joseph. Sistema de ventilação em ambiente industrial. Ed. NEDERMAN. Análise ergonômica do trabalho do soldador: contribuição para projetação ergonômica. GETSOLDA. Soldagem I Introdução aos Processos de Soldagem.br:8080/xmlui/handle/123456789/1656 MARQUES. Governo de São Paulo. Porto Alegre. 1999. 1 de jun de 2013. 3ª edição atualizada. MODENESI. Decrease Fume.: Série Tekne. Régis Leandro.pdf>. 2011. . 2013. MACINTYRE.edu. http://bibliodigital. Simone Antunes da. 1. 1990. Grupo de Estudos em Tecnologia de Soldagem. 2ª ed.ed. MARQUES.unijui. Welding in the World/Le Soudage dans le Monde. Paulo Villani..A. Paulo José.pdf>.com. Análise da operação de sistemas de ventilação industrial visando a Eficiência Energética. In: BORRÉ. 2012 NERIS. Porto Alegre. MODENESI. v.br/cpscetec/arquivos/apostila_soldagem. 2006. da UFMG. 2. Henrique de Melo. BRACARENSE. Universidade Federal do Ceará–UFC. Manoel Messias. LYTTLE. Disponível em: <http://www. 258 pg. Universidade Federal do Paraná. 2008. Ventilação industrial e controle da poluição. Ed. 1. Belo Horizonte. Kevin A. Cetec Capacitações.. V. ISBN. Análise ergonômica do trabalho do soldador: contribuição para projetação ergonômica. Soldagem: fundamentos e tecnologia. Soldagem. Don. Paulo Villani.