You are on page 1of 19

1

PRIMEIROS SOCORROS

3

1.1

ASPECTOS LEGAIS DO SOCORRO

3

2

AVALIAÇÃO PRIMÁRIA

3

2.1
2.2
2.2.1
2.3
2.3.1
2.3.1.1
2.4
2.4.1
2.4.2
2.4.3

VERIFICAR AS VIAS AÉREAS (AIRWAYS)
VERIFICAR SE ESTÁ RESPIRANDO (BREATHING)
PARADA RESPIRATÓRIA
PARADA CARDÍACA
PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA
RCP – Reanimação cardiopulmonar
HEMORRAGIA
HEMORRAGIAS EXTERNAS
HEMORRAGIAS INTERNAS
CONTENSÃO DE HEMORRAGIA EXTERNA

3
3
4
4
5
5
5
6
6
6

3

AMPUTAÇÃO

7

3.1

PROCEDIMENTOS

7

4

INSOLAÇÃO

7

4.1

PROCEDIMENTOS

8

5

QUEIMADURAS

8

5.1
5.2
5.2.1

PROCEDIMENTOS
QUEIMADURA ELÉTRICA
PROCEDIMENTOS

8
9
9

6

FERIDAS

9

6.1

PROCEDIMENTOS

9

7

PERFURANTE, PENETRANTE, PERFURO CORTANTE, AVULSÃO

9

8

FRATURAS

10

8.1

PROCEDIMENTOS

10

9

MAL SÚBITO

10

9.1
9.1.1
9.2

EPILEPSIA
PROCEDIMENTOS
SÍNCOPE OU DESMAIO

10
11
11

1 SINAIS E SINTOMAS 13 12 IAM (INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO) 13 12.1 PROCEDIMENTOS 11 10 CORPO ESTRANHO 11 10.2.2 15.2 SINAIS E SINTOMAS PROCEDIMENTOS PARA IAM 13 13 13 IMOBILIZAÇÃO 14 14 TRANSPORTES 14 15 AIDS 14 15.2 MANOBRA DE DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS INCONSCIENTE – DVA COM A VÍTIMA 12 – DVA COM A VÍTIMA 12 11 AVC (ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL) 12 11.9.1 15.3 TRANSMISSÃO SINTOMAS PREVENÇÃO 15 15 16 16 BIBLIOGRAFIA 18 .1 12.1 MANOBRA DE DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS CONSCIENTE 10.

às barras dos tribunais para responder criminalmente. Verificar se a vítima está respirando (Breathing). Entretanto. Verificar se a vítima apresenta pulso (Circulation). uma prestação de primeiros socorros malsucedida pela inobservância de regras técnicas. Esses profissionais não podem negar assistência aos necessitados. abra-lhe as vias aéreas com hiperextensão do pescoço e protrusão ou tração mandibular.1 Aspectos legais do socorro Sabemos que prestação de Primeiros Socorros pode ser: • • Obrigatória – Quando praticada por profissionais especialistas. Verificar se apresenta grande hemorragia. poderá levar seu autor. Voluntária – Quando praticada espontaneamente por pessoas que se acometidas de um mal súbito. CTSS – Centro de Treinamento.1 Verificar as vias aéreas (AIRWAYS) Se a vítima estiver inconsciente. 2 AVALIAÇÃO PRIMÁRIA 1) 2) 3) 4) 5) 6) Avaliar a cena. Observar se não tem objeto estranho na cavidade oral. 2. Verificar o nível de consciência da vítima (AVDI). principalmente quando este for profissional do ramo. Verificar se as vias aéreas estão permeáveis (Airways). Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 3 .1 PRIMEIROS SOCORROS 1.

Colocar paciente na posição dorsal (deitado) e.1 Parada respiratória Quando há ausência da respiração como proceder: • • • • Desobstruir vias respiratórias. retirando da vítima dentadura. a fim de deixar sua via aérea superior completamente livre.2.2 Verificar se está respirando (BREATHING) 2. Com a outra mão reclinar a cabeça da vítima para trás. CTSS – Centro de Treinamento. Aplicar a respiração artificial. ou qualquer objeto que possa atrapalhar. (2 insuflações).2. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 4 . com uma das mãos elevar seu pescoço.

2. Reavalie a cada 5 ciclos.3. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 5 .1 • • Parada cardiorrespiratória Quando há ausência da respiração e dos batimentos cardíacos. Verificar se a vítima apresenta pulso.3 Parada cardíaca Ausência de batimentos do coração e ausência de pulso arterial.1 RCP – Reanimação cardiopulmonar 2. • 2. Coloca-se a mão esquerda aberta. cisão ou dilaceração dos vãos sanguíneos. Existe dois tipos básicos de hemorragia: CTSS – Centro de Treinamento.4 Hemorragia São consequência de um rompimento. mas se não houver pulso? • • Inicie imediatamente as manobras de RCP – Ciclos de 30 compressões e 2 insuflações (2 minutos = 5 ciclos). com a direita apoiada sobre o punho da esquerda. veias ou artérias que provoca a perda de sangue.1.3. para dentro e para fora do corpo. Como proceder: • • Colocar a vítima de costas sobre superfície dura e lisa. na metade inferior do osso externo da vítima. IMPORTANTE: Procure pulso por no máximo 10 segundos.2. Comprime-se então a região precordial.

Correspondente à contração do coração. Hemorragias capilares: Quando são atingidos os vasos capilares.1 • • • 2. Hemorragias externas Hemorragias arteriais: Quando atinge uma artéria. Hemorragias venosas: Quando atinge uma veia. e o sangramento se dá internamente por não haver solução de continuidade na pele. CTSS – Centro de Treinamento. Hemorragias internas As hemorragias internas são mais difíceis de serem reconhecidas porque o sangue se acumula nas cavidades do corpo.4. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 6 . poderá ocorrer extravasamento de sangue pelas cavidades naturais. Normalmente não oferecem perigo.4. Externa: Há solução de continuidade da pele.• • 2. Com o aumento do volume derramado.2 Interna: Ocorre quando há o rompimento do vaso sanguíneo.

1 Procedimentos Nas amputações traumáticas deve haver primeiramente o controle da hemorragia. • Cuidados com o membro amputado. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 7 . CTSS – Centro de Treinamento. Tem três tipos de amputações: 3. pois podem ser reimplantados.2. colocar dentro de um saco plástico e amarrar as bordas.4. • Envolver o membro amputado com um pano ou gaze limpa.3 Contensão de hemorragia externa 3 AMPUTAÇÃO Lesão com separação de uma parte do corpo do seu eixo principal.

Baixar a temperatura do corpo de modo progressivo. 4 INSOLAÇÃO Ocorrem devido à exposição prolongada aos raios solares. Desidratação. mais ou menos graves. Dor de cabeça. não estoure as bolhas e mantenha os membros com queimadura elevado do que o resto do corpo para diminuir o inchaço. Encaminhar para atendimento hospitalar. 2º grau: mesmo procedimento acima. 3º GRAU: Vítimas com grandes queimaduras não devem receber irrigação e ter seus curativos úmidos. 5 QUEIMADURAS São lesões corporais produzidas pelo contato com agente térmico. Falta de ar. Diferentes níveis de consciência. avermelhada e seca. radioativo. náuseas e tontura. dependendo de vários fatores. podendo ter várias repercussões no organismo. Oferecer líquidos em pequenas quantidades e de forma frequente. Os sinais e sintomas são: • • • • • • Temperatura do corpo elevada. Mantê-la deitada. Avaliar nível de consciência. se a queimadura atingir grande área corporal.• Colocar este saco plástico dentro de um recipiente com gelo e transportar ao hospital. podendo causar a destruição parcial ou total das camadas do tecido epitelial. químico ou elétrico. 5. colocar compressas frias para diminuir a dor e o edema. procure um médico imediatamente. pois estes podem provocar CTSS – Centro de Treinamento. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 8 .1 Procedimentos • • • 1º grau: lavar o local até passar a dor com água em temperatura ambiente ou soro fisiológico. Caracteriza-se pela lesão de tecido. pulso e respiração. atingindo músculos. 4. Providenciar transporte adequado. ossos e órgãos internos.1 Procedimentos • • • • • • • Remover a vítima para lugar fresco e arejado. envolvendo-a com toalhas umedecidas. Pele quente.

). Transportar para o hospital monitorando pulso e respiração ou preferencialmente aguardar o Suporte Avançado de Vida. PCR (Parada cardiorrespiratória) e queimaduras graves. não retirar o curativo encaminhar a um serviço de emergência. não tente remover. Envolva as regiões queimadas com curativos estéreis secos (filme de PVC. Se houver plásticos ou algo que esteja aderido a pele. Chamar a companhia de energia elétrica nos acidentes em via pública. Transporte imediatamente ao hospital de referência.2. Trate imediatamente o estado de choque. O choque elétrico pode provocar desde um leve formigamento. podendo chegar à fibrilação. Realizar curativos e imobilizações nas lesões existentes. podendo ocasionar um variável grau de dor. laceração e contaminação.1 • • • • • • Procedimentos Interromper o fluxo da corrente elétrica. Em caso de sangramento. compressão local. Cubra a vítima com manta térmica após a proteção do ferimento. CTSS – Centro de Treinamento. Em caso de objeto perfurante. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 9 . 6 FERIDAS São lesões traumáticas da pele ou dos tecidos subjacentes. não retirar o objeto. a fim de evitar sangramento. Garantir permeabilidade das vias aéreas com controle da coluna cervical.hipotermia. 6. etc.  Ferimentos Abertos: São os ferimentos em que há o rompimento da pele. relógios e anéis imediatamente antes que o corpo inche. sangramento. 5. gazes estéreis. Depois de coberta e estancada a hemorragia.2 Queimadura elétrica Produzida pelo contato com a corrente elétrica.1 Procedimentos • • • • Limpar e cobrir o ferimento com compressa ou pano limpo. 5. Realizar RCP (Ressuscitação cardiopulmonar) se for constatada PCR (Parada cardiorrespiratória). Retire pulseiras.

OBS. antes e após a lesão. Esta ruptura pode ser causada por algum objeto cortante ou pelos próprios fragmentos ósseos. Imobilizar o membro tendo atenção para estabilizar toda a área. Jamais tentar colocar o osso no lugar. Dentre outros. AVULSÃO Imobilizar o objeto junto ao corpo. Podem ser classificadas em: • Abertas ou Expostas: Quando a pele se rompe e o osso fica exposto. • Fratura Cominutiva: São vários traços de fratura. exercendo tracionamento. Desmaio. Nas fraturas abertas. Convulsão. CTSS – Centro de Treinamento. pode ser entendida como qualquer intercorrência não relacionada a trauma. sem comprimir o local.1 Procedimentos • • • • • Mobilizar o membro levantando-o pelas articulações. Checar o pulso distal da fratura. Hipoglicemia. • Fechadas ou Fratura Simples: Quando a pele do local fraturado não se rompe. 8 FRATURAS São ocasionadas pela ruptura completa ou parcial nas continuidades dos ossos. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 10 .: a única exceção em que devemos tirar o objeto transfixado na vítima é quando o objeto transfixado estiver passando somente pelas bochechas dificultando a sua respiração normal. PERFURO CORTANTE.7 PERFURANTE. As causas para este mal não são bem definidas e nem estão relacionadas a doenças crônicas. proteger a lesão com um curativo simples. PENETRANTE. separando o osso em vários pedaços. Vertigem. para que o mesmo não se movimentar na hora do transporte. 9 MAL SÚBITO Pode ser definido como qualquer ocorrência repentina da perda da estabilidade hemodinâmica e/ou neurológica de um indivíduo como: • • • • • • Síncope. 8.

Encaminhar para atendimento hospitalar Não dê nada para a vítima inalar.2 Síncope ou desmaio 9.2.9.1 • Procedimentos Tentar evitar que a vítima caia desordenadamente. Deixar a vítima se debater não fornecer nada para cheirar. procurando deitá-la no chão com cuidado. Fale firme. contudo. Proteja a cabeça e cheque as funções vitais. as convulsões. vire-o de lado para evitar sufocamento. Afrouxar as roupas sem interferir nos movimentos convulsivos. há um relaxamento total da musculatura e a vítima pode ou não entrar em sono profundo. Ao termino. 9. aparecendo a baba. com respeito. Tranquilize e dê confiança a vítima. mas existem casos onde podem permanecer por até 30 minutos. Deitar a vítima na posição antichoque. CORPO ESTRANHO Denominados corpo estranho qualquer material que possa penetrar as cavidades naturais como: • Olhos. Afrouxar as roupas. beber e nem jogar água fria no rosto. e neste caso pode lesionar o cérebro deixando lesões irreversíveis. Dura em torno de 1 a 5 minutos.1 Epilepsia É uma alteração do sistema nervoso. onde as células cerebrais descarregam impulsos elétricos anormais apresentando convulsões contraindo toda a musculatura voluntária e involuntariamente. Lateralizar a cabeça para escorrer a saliva.1 • • • • • • • 10 Procedimentos Colocar a vítima em local arejado e afastar curiosos. No final da crise. Se ameaçar vomitar ou estiver babando muito. • • • • • • • • 9. limpe-a e observe a respiração.1. começam a se espalhar. É possível apresentar incontinência urinária e mais raramente fecal. CTSS – Centro de Treinamento. Afastá-la de locais ou objetos que possam machucá-la. Coloque algo macio na cabeça. Afaste os curiosos. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 11 .

Pele.   10.• • • Nariz. Geralmente são pedaços de metal ou madeira que atingem partes desprotegidas produzindo ferimentos. 10.2 Manobra de desobstrução das vias aéreas – DVA com a vítima inconsciente Manobra de Heimlichi ou Manobra de DVA. CTSS – Centro de Treinamento. Garganta. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 12 .1 Manobra de desobstrução das vias aéreas – DVA com a vítima consciente Manobra de Heimlichi ou Manobra de DVA.

11 AVC (ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL) Fenômeno obstrutivo que compromete o sistema arterial que irriga o SNC. ou próxima do total. resultante de hemorragia cerebral. em razão de isquemia prolongada. que se dá em algumas artérias coronárias. Parestesia unilateral (formigamentos). Caso necessário efetuar o R. maxila. dentes. 12. CTSS – Centro de Treinamento. Pode ser de 2 tipos: Isquêmico: Quando há obstrução da artéria (trombose ou embolia).1 Sinais e sintomas • • Dependem da área afetada pelo AVC e a pessoa pode apresentar alguns dos sinais e sintomas relacionados: • • • • • • • • • • • • • • 12 Amnésia. Não dar nada de beber à vítima. Diplopia (visão dupla). falta de ar e frequência cardíaca anormal. 11. Ataxia (falta de coordenação dos movimentos). IAM (INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO) Lesão seguida de necrose celular do tecido muscular cardíaco. Hemorrágico: Quando há extravasamento de sangue devido à ruptura da artéria (aneurisma).P. embolia ou trombose. Duração superior a 30 minutos. Afrouxar as roupas da vítima. mandíbula.1 Sinais e sintomas • • • • • Dor torácica intensa que se irradia para braço esquerdo. Checar os sinais vitais. podendo ocorrer no repouso. Disartria (distúrbio motor da fala). Início repentino e devastador. Sonolência. Muitas vezes acompanhado de sudorese.C. vômitos. náuseas. Levar a vítima ao hospital. Não apresenta relação com esforço físico ou mental. Vertigens. Cefaléia. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 13 . decorrente de uma oclusão total. Acalmar e repousar a vítima.

Se possível. Afrouxar as roupas da vítima. recostando-a. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 14 .C. Caso necessário fazer o R.P. levar a vítima ao hospital. 13 IMOBILIZAÇÃO 14 TRANSPORTES CTSS – Centro de Treinamento.2 Procedimentos para IAM • • • • • • Chamar o socorro.. Checar os sinais vitais.12. Acalmar e repousar a vítima.

é causada pelo HIV. sêmen. Como esse vírus ataca as células de defesa do nosso corpo. disse o diretor da Unaids. 1. secreção vaginal e pelo leite materno.5 milhão de pessoas morreram vítimas da doença. número que representa 2% do total mundial neste mesmo ano. Dos 35 milhões de pessoas que vivem com o HIV no mundo. o organismo fica mais vulnerável a diversas doenças. O HIV pode ser transmitido pelo sangue. programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 15 .1 Transmissão Geralmente os pacientes com AIDS sofrem muito preconceito de pessoas que não tem informação sobre a sua transmissão. CTSS – Centro de Treinamento. como também é chamada. 19 milhões não sabem que são soropositivos". o Brasil tinha 730 mil pessoas com AIDS vivendo no país em 2013. A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. aponta que o índice de novos infectados pelo vírus no Brasil subiu 11% entre 2005 e 2013. segundo o relatório da ONU. 15. de um simples resfriado a infecções mais graves como tuberculose ou câncer. O próprio tratamento dessas doenças fica prejudicado. Dados divulgados Unaids.15 AIDS A AIDS é o estágio mais avançado da doença que ataca o sistema imunológico.

2 Sintomas Os primeiros sintomas da AIDS como febre e tosse seca. que podem ser confundidos com um simples resfriado. CTSS – Centro de Treinamento. Mas. Os principais sintomas da AIDS como manchas avermelhadas na pele. de forma anônima e gratuita. manifestam-se de 3 a 6 semanas após a contaminação com o vírus HIV. diarreia por mais de um mês. Há alguns anos. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 16 . receber o diagnóstico de AIDS era uma sentença de morte. O resultado sai na hora. hoje em dia. o Ministério da Saúde recomenda fazer o teste sempre que passar por alguma situação de risco. candidíases persistentes. Basta tomar os medicamentos indicados e seguir corretamente as recomendações médicas. é possível ser soropositivo e viver com qualidade de vida. pois antes deste período. o resultado pode ser um falso negativo.Centro De Testagem e Aconselhamento. Saber precocemente da doença é fundamental para aumentar ainda mais a sobrevida da pessoa.15. em qualquer CTA . Porém. Quem teve algum comportamento de risco e suspeita que possa ter sido contaminado com o vírus HIV deve fazer o teste do HIV. geralmente só aparecem 8 a 10 anos após a contaminação com o vírus HIV ou quando o sistema imune do indivíduo se encontra muito debilitado devido a doenças ou algum tratamento contra o câncer. por exemplo. por exemplo. o teste do HIV só deve ser feito 40 a 60 dias após o comportamento de risco como contato íntimo desprotegido ou troca de seringas. Por isso.

como mostram as imagens a seguir: Retirar a camisinha com cuidado para não encostar nas secreções também é importante para não ser contaminado. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 17 .  Seguir o tratamento da AIDS durante a gravidez para evitar a contaminação do bebê. O preservativo pode ser comprado em supermercados. Para retirá-la deve-se segurar a ponta. Antigamente se dizia que a AIDS era transmitida para um grupo. Outras formas importantes de prevenção da AIDS são:  Utilizar seringas e agulhas descartáveis. rodar ligeiramente. farmácias e drogarias. No entanto é preciso saber colocar a camisinha corretamente para realmente estar protegido. chamado de grupo de risco. Precisamos entender que a AIDS não escolhe vitimas.15.3 Prevenção A principal forma de prevenção da AIDS é usar a camisinha em todas as relações sexuais.  Usar luvas para manipular feridas ou líquidos corporais. mas também são distribuídos gratuitamente nos postos de saúde e nas campanhas de prevenção da AIDS realizadas pelo governo. onde está a secreção.  Não amamentar o bebê em caso de AIDS. mas hoje sabemos que a sua transmissão é pelo chamado situação de risco. retirando-a do pênis. CTSS – Centro de Treinamento. A camisinha masculina deve ser colocada no pênis ereto antes de qualquer contato íntimo. apertando para que a secreção não saia e então puxar a camisinha.

Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 18 .html CTSS – Centro de Treinamento.universia.com.br/educacao/2012-04-26/exemplos-de-praticasdidaticas-nao-ensinadas-aos-professores.ig.html http://ultimosegundo.com.br/destaque/noticia/2014/02/25/1084262/veja-20-dicascriar-uma-boa-estrategia-em-sala-aula.16 BIBLIOGRAFIA http://noticias.

S.pdf/15/04/2015-11:49 CTSS – Centro de Treinamento. E. Poderes instáveis em educação. PIMENTA.GIMENO SACRISTÁN.pdf/ 13/04/2015-13h41min http://www. INFORSATO.gov. Caderno de Formação: formação de professores didática geral. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito.G.html/16/04/2015-22:41 http://www.yeling.amblegis.com. A escola de A a Z: 26 maneiras de repensar a educação. E.mte.globo.html/15/04/201511h18min http://portal.com/bemestar/noticia/2014/07/infeccoes-por-aids-caem-no-mundomas-crescem-no-brasil-diz-onu.br/data/files/8A7C812D311909DC0131678641482340/nr_05.br/biosseguranca/Bis/lab_virtual/tipos_de_riscos.. Porto Alegre: ARTMED Sul. Philippe. 2005. A preparação das aulas.com.com/a-importancia-da-cipa/12/04/2015-15:26 http://g1. (Org). S. São Paulo: Cultura Acadêmica. Prograd. et al.. 1999. C. SP: Cortez.br/a-historia-da-saude-ocupacional-no-brasil-estaintimamente-ligada-ao-desenvolvimento-economico-e-social-de-nosso-pais/ 13/04/2015-20:23 http://www. 2011 PERRENOUD.br/blog/2011/06/os-impactos-de-acidentes-de-tra: 04 http://portal. A.br/data/files/FF8080812BE914E6012BEA44A24704C6/p_19941 229_25.fiocruz.mte. ROBSON. Porto Alegre: Artmed. http://segurancadotrabalhonwn. 2002.gov. In: UNIVERSIDADE ES TADUAL PAULISTA. Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho 19 . J. GHEDIN.