You are on page 1of 10

PROGRAMA I – MÓDULO I – TEMA 6

A PRECE SEGUNDO O
ESPIRITISMO. A PRECE NA
REUNIÃO MEDIÚNICA
A pessoa que ora transforma-se em um foco irradiador de energias salutares que beneficia a si mesma e a quem se encontra no seu campo de ação. Daí
os Espíritos orientadores recomendarem, insistentemente, a oração como um
bom hábito que deva ser incorporado ao cotidiano da existência.
A prece, à luz do entendimento espírita, não se restringe a mera repetição
de palavras, algumas até sem sentido, que representam mais uma fórmula sacramental ou ritualística do que a união da criatura humana com o seu Criador.
Importa, pois, exercitar a fé raciocinada, considerando este esclarecimento de
O livro dos médiuns:
Somente a superstição pode atribuir virtudes a certas palavras e somente Espíritos
ignorantes ou mentirosos podem alimentar semelhantes ideias, prescrevendo
fórmulas. Entretanto, em se tratando de pessoas pouco esclarecidas e incapazes
de compreender as coisas puramente espirituais, pode acontecer que o uso de
determinada fórmula contribua para lhes infundir confiança. Neste caso, a eficácia não está na fórmula, mas na fé, que aumenta por conta da ideia associada
ao uso da fórmula. 80

1

CONCEITO DE PRECE

A prece é um tipo de apelo que permite à pessoa entrar em comunhão com
Deus, Jesus e com os Espíritos superiores a fim de receber proteção e auxílio:
“[...] Sua ação será tanto maior quanto mais fervorosa e sincera for.[...]”81
A prece é uma evocação. Através dela o homem entra em comunicação, pelo
pensamento, com o ser a quem se dirige. [...] Podemos orar por nós mesmos ou
por outros, pelos vivos [encarnados] ou pelos mortos. As preces feitas a Deus
são ouvidas pelos Espíritos encarregados da execução de suas vontades; as que se

80 KARDEC, Allan. O livro dos médiuns. Segunda parte, cap. XIV, it. 176-9, p. 182, 2013.
81 Id. Ibid. Cap. IX, it 132-8-a, p. 145.

59

mediunidade-estudo-e-pratica.pdf 59

13/08/2014 19:37:29

da razão. Cap..10. de acordo com a graduação do trabalho evolutivo.87 3 AÇÃO DA PRECE Quando a pessoa ora emite vibrações mentais que se espalham no fluido cósmico por intermédio das correntes do pensamento. na Terra ou no espaço. Ibid. através de seres incontáveis..] transformadores da bênção. Quando alguém ora a outros seres que não a Deus. 11.85 Estes Espíritos assemelham-se.] a força moral necessária para vencer as dificuldades e voltar ao caminho reto. Ibid. segundo André Luiz. 317.. uma vida de sofrimento. p. Cap. visto que nada se faz sem a vontade de Deus. porque poderia ter encontrado na prece a força de resistir às tentações. da inteligência. pois tem o poder de criar um campo de forças positivas ao redor de quem ora. XXVII. Entre a Terra e o Céu. Id. Por esse meio. concedendo-lhe “[. Allan. por exemplo. 60 mediunidade-estudo-e-pratica. se deste se afastou. Cap. XXVII.82 2 BENEFÍCIOS DA PRECE O hábito de orar é de valor inestimável e deve ser exercido diariamente. Id. do esclarecimento. do socorro.] A prece.Estudo e Prática da Mediunidade – Programa I dirigem aos Espíritos bons são reportadas a Deus. it. 2013. p. vê sua saúde arruinada pelos excessos que cometeu. p. pode também desviar de si os males que atrairia pelas suas próprias faltas... 317. até o fim de seus dias. a intercessores. da humanidade e da angelitude. Ibid. 9. temos o fluxo e o refluxo do sopro do Criador.p. Cada degrau da vida está superlotado por milhões de criaturas.pdf 60 13/08/2014 19:37:29 ... o pensamento é dirigido a um ser qualquer. se não obtiver a cura que deseja? Não.”83 Um homem. no meio em que se encontram.84 Outro grande benefício proporcionado pela prece é atrair o auxílio dos Espíritos benfeitores que. e arrasta. p. que modificam a energia divina. Allan. e vice-versa.. pelos canais da intuição ou da inspiração. ou de desencarnado para encarnado. 2013. cujos mecanismos são assim explicados pelo Codificador: Quando. Id..] em suas boas resoluções e inspirar-lhe bons pensamentos”. aos “[. XAVIER. [. pois... O evangelho segundo o espiritismo.. O evangelho segundo o espiritismo. terá o direito de queixar-se. It. de encarnado para desencarnado. está recorrendo a intermediários.”86 Da luz suprema à treva total. estabelece82 83 84 85 86 87 KARDEC. p. Id. 316. KARDEC. escalonados em todos os tons do instinto.. 10. 1. vêm sustentar o indivíduo “[. qualquer que ela seja. Francisco Cândido. 317. é ação provocando a reação que lhe corresponde.

sob a forma mais singela.. o estado de comunhão com Deus. 90 O novo testamento. nosso Pai. Representa. como o ar transmite o som. Tu. quando orardes. Ibid. A energia da corrente guarda proporção com a do pensamento e da vontade. sendo caracterizadas por louvores e agradecimentos dirigidos ao Criador. 2. • Orar em secreto Na seguinte passagem do Evangelho Jesus ensina que durante a oração a pessoa deve estabelecer um momento de sintonia ou de intimidade com o Criador. apenas. ora ao teu Pai em segredo e teu Pai. 329.. Dizê-la na intenção de uma pessoa é pedir para ela o que se pediria para si mesmo. p. it. Allan Kardec analisa a importância desta oração: [. 89 Id. 317. XXVII. XXVIII..]. um ato de adoração e de submissão. Cap. física ou mística. te recompensará [. p. ela resume todos os deveres do homem para com Deus. E. não indica posicionamento físico ou postura especial. quando orardes. 2013. Cap. nosso Mestre e Senhor.pdf 61 13/08/2014 19:37:30 . MATEUS. com nossos amigos espirituais. modelo de prece ensinada por Jesus (Mateus. É assim que os Espíritos ouvem a prece que lhes é dirigida.. Com esta compreensão.Módulo I – Fundamentos ao estudo da mediunidade -se uma corrente fluídica entre um e outro. o pedido das coisas necessárias à vida e o princípio da caridade. Nestas condições.]. 10. não sereis como os hipócritas. 55.] É o mais perfeito modelo de concisão. p. as suas orações perdem o caráter de petitórios. três características fundamentais. verdadeira obra-prima de sublimidade na simplicidade. Encerra uma profissão de fé. que gostam de orar pondo-se de pé nas sinagogas e nas esquinas das ruas largas. 6: 5 a 6.90 É importante compreender que a expressão “orar em segredo”. pedido e agradecimento. com Jesus. transmitindo o pensamento. para consigo mesmo e para com o próximo.]. em geral. que pode ser resumida nos itens que se seguem.. tendo fechado a porta. 61 mediunidade-estudo-e-pratica. para se mostrarem aos homens [. 6:9 a 13): louvor.88 4 A MANEIRA CORRETA DE ORAR A oração apresenta.. mesmo que aquele que ora esteja a sós ou rodeado de uma multidão de pessoas: A prece outra coisa não é senão uma conversa que entretemos com Deus. Allan. no qual não cabe qualquer tipo de exibicionismo.. entra para o teu quarto interno e. o Espiritismo nos ensina qual é a maneira correta de orar. anunciadas no Pai-nosso. que vê no segredo.89 À medida que o ser humano evolui reconhece a misericórdia e bondade divinas que o cumulam de bênçãos. porém.. O evangelho segundo o espiritismo. qualquer que seja o lugar onde se encontrem [. it. É diálogo 88 KARDEC. Com efeito.

pequenino e imperfeito. em sua Primeira epístola aos coríntios: [. I CORÍNTIOS. nem do momento em que seja feita. antes de pedirdes a ele. mas sentida. 14:9 a 15. 2011.] se vossa linguagem não se exprime em palavras inteligíveis. pois pensam que com palavreado excessivo serão atendidos.96 91 92 93 94 95 96 PERALVA. orar em toda parte e a qualquer hora. Que fazer. O evangelho segundo o espiritismo. real. quando todos os que oram se associam de coração a um mesmo pensamento e têm o mesmo objetivo: é como se muitos clamassem juntos e em uníssono (grifo no original). e nada carece de linguagem. PERALVA.pdf 62 13/08/2014 19:37:30 . 2013. mas uma expressão de sentimento vivo. Martins. muita vez. 55. O novo testamento. it. p. perfeição das perfeições. a sós ou em comum. p. p. conforme explica Kardec: “[. porém. 62 mediunidade-estudo-e-pratica. como alerta o apóstolo Paulo. 182. Cap. Allan. em que o filho. a fim de que realizemos legítima comunhão com a Espiritualidade maior. 2013. A influência do lugar e do tempo só se faz sentir nas circunstâncias que favoreçam o recolhimento. p. nem de lugar. O pensamento de Emmanuel. para isto. A prece em comum tem ação mais poderosa. Id.. não useis de vãs repetições como os gentios. por belas palavras.94 • A oração deve falar ao coração Martins Peralva. conforme foi anteriormente anunciado. XXVII. portanto. p. 2013. p. mas pela sinceridade delas”. Não depende de palavras. mas hei de orar também com a minha inteligência. O pensamento de Emmanuel. serei como um bárbaro para aquele que fala e aquele que fala será como um bárbaro para mim. Ibid. pois vosso Pai sabe do que tendes necessidade. Assim. 6: 7 a 8. humilde. Pode-se. contrito. poderoso e bom. Martins.] não é pela multiplicidade de palavras que sereis escutados. 2011.. citando Emmanuel. sem excessivo palavreado Jesus orienta: “Orando. 25. 180..93 O poder da prece está no pensamento.91 • A Oração deve ser simples. fala com o Pai. meu espírito está em oração. Cap. como se há de compreender o que dizeis? Estareis falando ao vento. pois? Orarei com o meu Espírito. se não conheço a força da linguagem. 314. assinala a importância dos sentimentos quando em oração: “A verdadeira prece não deve ser recitada.”95 • A oração coletiva deve ser inteligível A prece em conjunto possui força poderosa. it. mas a minha inteligência nenhum fruto colhe. Não deve ser cômodo processo de movimentação de lábios. 319.”92 O significado desta lição do Mestre está clara. O primeiro ponto a ser lembrado é que deve ser inteligível. revestido de unção e fervor.. não vos assemelheis a eles. 25..Estudo e Prática da Mediunidade – Programa I silencioso. emoldurado. 2011. Cap. MATEUS. Existem no mundo não sei quantas espécies de linguagem. Ora. mas... Bíblia de Jerusalém. [. 4. KARDEC.] Se oro em línguas. é preciso ser realizada corretamente. 15.

Muitos oram por dever. 2013. 2013. é preciso que cada palavra desperte uma ideia.101 Ante os desafios da vida é importante que.. p. peçamos a Deus confiança. Ibid. KARDEC. pois o que não se compreende não pode tocar o coração. crede que vos será concedido”. sem contudo. 2013.98 Para o Espiritismo.]”. O evangelho segundo o espiritismo. p. ao orarmos. e assim será para vós. MARCOS. as preces feitas numa língua que elas não entendem não passam de um amontoado de palavras que nada dizem ao espírito.pdf 63 13/08/2014 19:37:30 . seríamos completamente felizes. 11:24. 315. a fim de superarmos os obstáculos ou as dores das provações. portanto.. p. contudo. Ora. 320. • A oração e as provações da vida As provas e as expiações acontecem em decorrência da lei de causa e efeito. a prece realizada nas reuniões deve ser simples. O novo testamento. O homem.] nossas infrações às leis de Deus e que. Allan. 7. Será repetida como simples fórmula [. [.. Id. impedir o cumprimento do planejamento reencarnatório.]. uma vez que ela sabe. It. vê o pensamento e a sinceridade.12. 320. objetiva e proferida em uma linguagem que facilite o entendimento de todos. Ibid. até. o que é para o nosso bem. O evangelho segundo o espiritismo. paciência e resignação. Cap.97 E prossegue em suas argumentações: Para a imensa maioria das criaturas.Módulo I – Fundamentos ao estudo da mediunidade “A prece só tem valor” — acrescenta Kardec — “pelo pensamento que lhe está conjugado. tornando suportáveis as agruras da existência. Ibid. p.. é impossível conjugar um pensamento qualquer àquilo que não se compreende. Cap. Id. it. ainda que Jesus tenha afirmado “[.. Julgá-lo. Deus o deixará sofrer. se o sofrimento é útil à sua felicidade futura. que basta pedir para obter. Id. melhor do que nós. p. É assim que procede um pai criterioso que recusa ao filho o que seja contrário aos seus interesses. coragem. p. como seria injusto acusar a Providência se não atender a toda súplica que lhe é feita. XXVII. só vê o presente. pelo que se julgam quites..216. mais sensível à forma do que ao fundo é rebaixá-lo. a palavra que não é entendida não pode despertar ideia nenhuma. tem o poder de amenizá-las.102 97 98 99 100 101 102 KARDEC.. Para que a prece toque. visto que os nossos sofrimentos resultam das “[. Ora. 63 mediunidade-estudo-e-pratica. em geral. XXVII. pois.”100 Seria ilógico concluir desta máxima: “Seja o que for que peçais na prece.. Os bons Espíritos virão em nosso auxílio. se as observássemos regularmente.. 17. alguns.”99 A prece. 315. por obediência aos usos. Allan. inspirando-nos boas ideias e sentimentos. ora.. desde que tenham dito uma oração determinado número de vezes e em tal ou tal ordem. Deus lê no fundo dos corações. crede que o recebestes.] tudo quanto orardes e pedirdes. 317. it. como o cirurgião deixa que o doente sofra as dores de uma operação que lhe trará a cura. não há dúvida.

2013. que está nos céus.. O novo testamento. Revista Espírita – Jornal de Estudos Psicológicos. em nome de Jesus.] Pelas palavras acima. 18:20. [. Ano 1866. Cap. quando estiverdes orando. duas. Entretanto.[. it. que o céu te ajudará”. 7. mas o sentimento de caridade que reciprocamente as anime.. pelo menos durante a oração. como ensina Jesus: “E. aí estou no meio deles. conforme esta máxima: “Ajuda-te.. na maioria das vezes. mas porque a observação permitiu constatar a sua eficácia e o modo de ação. três ou mais pessoas.”106 Estarem reunidas. Allan. 334-335. 103 104 105 106 107 KARDEC. XXVIII.] é um ser coletivo. Cap XXVII. não é por espírito de sistema. Id. pois. Ele assiste os que se ajudam a si mesmos. poderia ter dito dez ou vinte. É preciso que o estejam espiritualmente.”104 5 A PRECE NA REUNIÃO MEDIÚNICA O Espiritismo aconselha o hábito da prece em todas as suas reuniões.. 5.].. O que o atrai não é o maior ou menor número de pessoas que se reúnem. pela comunhão de intenção e de ideias para o bem.. p.pdf 64 13/08/2014 19:37:30 . é importante que. p. não quer dizer que basta que se achem materialmente juntas. 2013. para que também vosso Pai.. mesmo perante as maiores dificuldades. em vez de duas ou três. Jesus quis mostrar o efeito da união e da fraternidade. p. 2013. a fazer a nossa parte. cujas qualidades e propriedades são a resultante das de seus membros. 19. MATEUS.. MARCOS. toda proteção e amparo de Deus.]”105 Por outro lado. Allan.103 • Oração e o perdão das ofensas Ainda que sejamos catalogados como Espíritos imperfeitos.216. 110. Lembrar que devemos aprender a perdoar. purificar a alma de qualquer sentimento infeliz e agir segundo os preceitos da caridade. não somente nas mediúnicas. [. 315. p. 64 mediunidade-estudo-e-pratica. sem nada fazer de sua parte (aspas no original). Id..Estudo e Prática da Mediunidade – Programa I Aprendemos. dessa forma. O evangelho segundo o espiritismo. O novo testamento. 2013.]107 Neste sentido. it. perdoai. p.. recebendo.. 11:25. E há uma razão de ser para esta prática: “Se o Espiritismo proclama a sua utilidade. o que o homem quer é ser socorrido por um milagre. se tendes algo contra alguém. vos perdoe as vossas transgressões [. e não os que tudo esperam de um socorro estranho. não devemos esquecer o ensinamento do Cristo: “pois onde dois ou três estão reunidos em meu nome. KARDEC. sem fazer uso das próprias faculdades.. demonstremos o nosso esforço de melhoria espiritual. vale destacar que a reunião mediúnica “[. em contrapartida.

2013. Ibid. p. incute-lhes o desejo de se elevarem pelo arrependimento e pela reparação e pode desviar-lhes o pensamento do mal. como abreviar seus sofrimentos. 110 Id. XXIX. Mas. O livro dos médiuns. Segunda parte.. “[. 18. verificando que há quem pense neles.. sobretudo dos mais necessitados de socorro.”109 Por outro lado. o Espírito se sentirá mais à vontade. sobretudo quando se encontram presos a ideias fixas. 364. menos infelizes. pois.”108 A prece não só harmoniza a reunião mediúnica. porque. o diálogo com determinados Espíritos é muito penoso. Ora. p. sentem-se menos abandonados. XXVII. a prece tem sobre eles uma ação mais direta: reanima-os. tanto mais força terá. como é a situação comum dos suicidas. it. it. 109 Id. Às vezes.pdf 65 13/08/2014 19:37:30 . O evangelho segundo o espiritismo. É nesse sentido que a prece pode não apenas aliviar. 2013. Os Espíritos sofredores reclamam preces e estas lhes são proveitosas. ou a acontecimentos que lhes produziram graves traumas. quanto mais homogêneo for esse feixe. 320. como os obsessores. mas favorece a sua homogeneidade por tornar o ambiente favorável à manifestação dos Espíritos. cap. Nestas condições. 65 mediunidade-estudo-e-pratica. 364.] chegando a um meio que lhe seja completamente simpático.. a prece não só é indicada como representa um ato de caridade. 331.Módulo I – Fundamentos ao estudo da mediunidade formando uma espécie de feixe. a prece beneficia o entendimento dos Espíritos que sofrem e dos que fazem sofrer. p.110 108 KARDEC Allan. Cap. de amor ao próximo.

66 mediunidade-estudo-e-pratica. concisão. 4. 2. clareza de ideias e bons sentimentos. Sugestões ao monitor 1. ou mesmo emitir louvores ao Pai celestial. clareza de ideias e bons sentimentos. palavras ou frases que revelam simplicidade. e. predomina o hábito de endereçar pedidos a Deus. na qual conste apenas agradecimentos. concisão. individualmente. como encerramento da reunião. promover um debate para análise do hábito que temos de pedir mais do que agradecer a Deus.ATIVIDADE PRÁTICA 6: A ORAÇÃO PAI-NOSSO (2) Objetivos do exercício > Retirar da oração Pai-nosso. palavras ou frases que indiquem simplicidade. sobretudo. na oração. Em seguida. faça uma prece. após. com base no estudo realizado. do texto evangélico. Solicitar a um dos participantes que. em detrimento do louvor e do agradecimento. a oração Pai-nosso (inserida a seguir).pdf 66 13/08/2014 19:37:30 . Orientá-los a apresentar em plenário as conclusões do trabalho em grupo. formem pequenos grupos que têm como incumbência retirar. Pedir aos participantes que leiam. 3. > Explicar porque.

mas livra-nos do mal”. portanto. seja feita a tua vontade. MATEUS. como também perdoamos nossos devedores. p.. 55. venha o teu reino. 2013. e não nos introduzas em tentação. O pão nosso diário. 67 mediunidade-estudo-e-pratica. dá-nos hoje. assim: “Pai Nosso. também sobre a terra. como no céu.pdf 67 13/08/2014 19:37:30 . santificado seja o teu nome. que estás nos céus. 111 O novo testamento. 6:9 a 13. perdoa-nos nossas dívidas.O PAI-NOSSO111 Orai.

Ano 9. Haroldo Dutra Dias. 2013. 1866. Evandro Noleto Bezerra. 2011. Trad. 1. Allan. imp. 68 mediunidade-estudo-e-pratica. Trad. Pelo Espírito André Luiz. Trad. O pensamento de Emmanuel. ed. _______. São Paulo: Paulus. Diversos tradutores. XAVIER. Brasília: FEB. Jornal de Estudos Psicológicos.Estudo e Prática da Mediunidade – Programa I REFERÊNCIAS 1 2 3 4 5 6 7 8 KARDEC. PERALVA. imp. 9. ed. ______. O livro dos médiuns. revista e ampliada. Brasília: FEB. O novo testamento. 2013. O livro dos espíritos. imp. 1. 2013. Bíblia de Jerusalém. Trad. Revista Espírita. ed. 2013. ed. _______. ed. 4. Francisco Cândido. 1. ed. Brasília: FEB. ed. Nova edição. 27. Brasília: FEB. Brasília: FEB. Entre a Terra e o Céu. Rio de Janeiro: FEB.pdf 68 13/08/2014 19:37:30 . 1. 2013. Evandro Noleto Bezerra. 2002. imp. Evandro Noleto Bezerra. O evangelho segundo o espiritismo. Trad.2. Rio de Janeiro: FEB. 1. imp. 1. Martins. 1. Evandro Noleto Bezerra. 2004. 2.