Síntese dos Artigos

TÍTULO
1. Responsabilidade
social
empresarial
e
sustentabilidade
organizacional: a hierarquização de caminhos estratégicos para
o desenvolvimento sustentável
2. Estruturas de governança e empreendedorismo coletivo: o caso
dos Doutores da Alegria
3. Uma análise das características da estrutura de governança em
sistemas locais de produção e suas relações com a cadeia global
4. Gestão do conhecimento: uma revisão crítica orientada pela
abordagem da criação do conhecimento
5. Os desafios éticos nas organizações modernas
6. Aprendizagem
organizacional
versus
organizações
que
aprendem: características e desafios que cercam essas duas
abordagens de pesquisa
7. Como investigar no campo da regionalidade
8. Tecnologia social de inclusão de jovens pelo trabalho: uma
análise da experiência de um consórcio de ONGs no
desenvolvimento de ação intersetorial com empresas e governo
9. Responsabilidade social corporativa: uma investigação sobre a
percepção do consumidor
10.
Consciência ambiental: um estudo exploratório sobre suas
implicações para o ensino de Administração

CLASSIFICAÇÃO DA REVISTA
1. REBRAE – B4
2. RAC – A2
3. GESTÃO & PRODUÇÃO – B1
4. CI. INF. – B1
5. RAE – A2
6. R. ADM. – A2
7. EnAPG/ANPAD – DESCONHECIDO
8. GESTÃO & REGIONALIDADE – B2
9. RAC – A2
10.
RAE – A2

RESUMO DESCRITO EM UMA FRASE – máx. 4 linhas
1. Há a conexão entre responsabilidade social empresarial e
sustentabilidade organizacional através de pesquisa básica para a
conclusão de que ambos os itens são elementos estratégicos de alcance
ao desenvolvimento sustentável.
2. Traz conceitos de governança de várias teorias, focados em organizações
sem fins lucrativos, como o objeto de estudo: Doutores da Alegria, para
resultar no esclarecimento, evolução e críticas das definições.
3. Análise da governança global-local na produção para verificar
condicionantes da competitividade e desenvolvimento local, através da
experiência na indústria de calçados (Franca-SP) e de móveis (Bento
Gonçalves-RS).

de desenvolvimento sustentável – processo integrativo a longo prazo. Traz duas vertentes distintas para análise dos processos de aprendizagem na empresa: aprendizagem organizacional (representada por pesquisadores acadêmicos) e organizações que aprendem (consultores e pesquisadores). DESENVOLVIMENTO DESCRITO EM UM PARÁGRAFO – máx. 6. 15 linhas 1. respeito aos stakeholders. Bem como distingue-se sustentabilidade – processo contínuo. mas só ela não basta. Aponta-se as distinções entre os dois fatores: RS – transparência. e outside-in – forças competitivas externas) para provocar a criação de uma estratégia organizacional competitiva. Explicam como as empresas traçam seus caminhos estratégicos em diferentes redes de relações (inside-in – vantagem competitiva interna com bom uso dos recursos. Por isso. 7. a sustentabilidade (S) é necessária. Destaca-se a não existência de um conceito exato para o termo governança. Aponta-se também os diversos tipos de sustentabilidade organizacional . A crise de governança nesta empresa surgiu da desmotivação e incredulidade no desenvolvimento e participação nas decisões pelos seus administradores. como estudo de caso. É apresentada a estrutura integral da empresa. utiliza-se a organização sem fins lucrativos. sendo este estudo derivado de uma experiência com jovens que gerou uma tecnologia social de inclusão. a fim de adaptar sua estratégia de marketing. 9. Um bom estudo da gestão do conhecimento advém de seus dois formatos: tácito (ligado às habilidades pessoais) e explícito (verbalização e registro). 5. 2. identificação de ações sustentáveis. Para a empresa ter postura ética deve estudar o comportamento de seus clientes.meta componente da responsabilidade das organizações alcançarem o desenvolvimento sustentável. sendo o primeiro o núcleo do segundo termo. Ressalta-se a importância da responsabilidade social (RS). Assim. procurando integrar a ética em seu funcionamento por meio de seus ideais (membros + organização ao todo). gestão ambiental. . Apresenta seis diferentes perspectivas acerca do conceito de governança corporativa com enfoque também em seis teorias. O mal-estar social derivado da manipulação humana reacende preocupações éticas com as quais as empresas passam a lidar.4. cabendo a esta pesquisa expor as reações dos clientes à sua postura de responsabilidade social. Para isso. visto que todo efetivo trabalho deriva da conversão contínua de ambos elementos. 10. desde a missão até às falhas. a crise foi reduzida pelo desenvolvimento de fatores que provocaram a participação e o pertencimento de seus administradores à organização. Aborda que a gestão da regionalidade é o conjunto de ações e criações que visam criar na sociedade a consciência de pertencimento à uma região. analisando seus problemas de governança por meio de relato pessoal. S – valores. 8. As relações intra e interinstitucionais não-governamentais atuam como suporte à promoção da inclusão e desenvolvimento social. realizando uma análise aprofundada e reflexiva sobre o assunto. exposto em linguagem simples. Analisa-se uma escola de gestão para caracterizar a dimensão ambiental das ações de futuros administradores e explorar os fatores que permitam a ampliação da formação socioambiental destes. etc. Doutores da Alegria.

O estudo realizado buscou compreender a forma de desenvolvimento da estrutura produtiva local. as formas de interação com os compradores e os reflexos destas relações internas e externas sobre o desenvolvimento local. o papel e o peso das instituições locais. Os sistemas locais de produção são agrupamentos de empresas em um mesmo espaço e setor com alta capacidade competitiva e melhor desempenho no mercado doméstico. Devido ao interesse de empresas internacionais nos sistemas locais de produção. ou seja. A capacidade de comando está ligada ao fato da empresa deter o contato com o mercado consumidor. ocorre a análise da governança dessa cadeia produtiva para avaliar sua competitividade. deter marca forte e estabelecida ou canais próprios de comercialização e distribuição dos produtos.3. . as estratégias utilizadas pelas empresas de calçados e de móveis.