You are on page 1of 12

RESUMO – ECONOMIA

ESCASSEZ: significa que a sociedade tem recursos limitados e, portanto, não pode produzir todos os bens e serviços que as
pessoas desejam ter
ECONOMIA: é o estudo da forma pela qual a sociedade administra seus recursos escassos
 Estuda como o indivíduo e a sociedade decidem ou escolhem empregar os recursos produtivos escassos na produção
de bens e serviços, de modo de distribuí-los entre os vários agentes econômicos da sociedade, a fim de satisfazer o
maior número de necessidades
 Estuda:
o Como as pessoas tomam decisões
o Como as pessoas interagem umas com as outras
o As forças e tendências que afetam a economia como um todo
Como as pessoas tomam decisões:
 Pessoas enfrentam escolhas (trade-off)
o Comida x roupa; lazer x trabalho
 O custo de alguma coisa é do que você desiste para obtê-la
 Pessoas respondem a incentivos
 Tomar decisões exige comparar um objetivo com outro
 Eficiência vs. Equidade
o Eficiência: propriedade que uma sociedade tem de receber o máximo possível pelo uso de seus recursos
escassos
o Equidade: justa distribuição da prosperidade econômica entre os membros da sociedade
Fatores produtivos ou recursos escassos:
Fator produtivo
Trabalho
Capital
Terra
Tecnologia
Capacidade empresarial

Tipos de necessidades humanas
 Segundo o requerente
o Necessidades do individuo
 Natural: comer
 Social: festa de casamento

Remuneração
Salário
Juro
Aluguel
Royalty
Lucro

o

Necessidades da sociedade
Coletivas: partem do indivíduo e passam a ser da
sociedade
 Públicas: surgem da mesma sociedade, ordem publica

Segundo sua natureza
o Primarias: dependem da conservação da vida
o Secundária: tendem a aumentar o bem-estar

Tipos de bens econômicos:
 Segundo seu caráter
o Livres: são muito abundantes ou não aproveitáveis
o Econômicos: são muito escassos e são objeto de estudo da economia
 Segundo sua natureza
o De capital: não atendem diretamente as necessidades (ex.: equipamentos, maquinas)
o De consumo: destinam-se a satisfazer diretamente necessidades
 Duradouros: permitem um uso prolongado
 Não-duradouros: acabam com o tempo
 Segundo sua função
o Intermediários: sofrem transformações antes do consumo
o Finais: já sofreram as transformações necessárias para seu consumo
POPULAÇÃO
 População ativa: que participa da produção (15-65 anos)
o Empregados
 Empregados no sentido estrito: salário
 Empregados ativos marginais, fazem trabalho periódicos
o Desempregados: reúnem condições para trabalhar mas não tem emprego
 População inativa: apenas consome
o Aposentados
o Donas de casa
o Estudantes
o Incapacitados
o Pessoas que não trabalham e não procuram emprego

econômicas e sociais: que são base da organização da sociedade o Complexo de unidades de produção: empresas  Tipos de sistema o Sistema capitalista ou economia de mercado  Propriedade dos fatores da produção: Privada. social e econômica pela qual está organizada uma sociedade  Elementos básicos de um sistema econômico o Estoque de recursos produtivos ou fatores de produção: trabalho. capacidade empresarial o Conjunto de instituições politicas. dentro do leque de possibilidades de produção. maquinaria. mecanismo de mercado: oferta e demanda o Sistema socialista ou economia centralizada  Propriedade dos fatores de produção: coletiva. edifícios o Capital circulante: bens em processo de transformação (matérias primas e estoques)  Capital financeiro: fundos disponíveis para a compra de capital físico ou financeiro  Capital humano: educação. tecnologia. estado  Problemas econômicos são resolvidos: órgão central de planejamento . dado o nível tecnológico  Para quem produzir o A sociedade terá que decidir como seus membros participam da distribuição dos resultados da produção SISTEMAS ECONÔMICOS: definido como a forma política. distribuição e consumo dos bens e serviços  Eles são: o Famílias  vender recursos escassos consumir bens o Empresas  produzir bens e serviços o Setor publico  estado-nação Problemas econômicos fundamentais  O que e quanto produzir? o A sociedade terá de escolher. quais produtos serão produzidos e suas respectivas quantidades  Como produzir? o A sociedade terá que escolher quais recursos de produção serão utilizados para a produção de bens e serviços. terra. tudo o que eleva a capacidade produtiva dos seres humanos OS AGENTES ECONÔMICOS  São responsáveis pela atividade econômica de produção. em geral. sistema de preços. formação profissional e experiência.TIPO DE CAPITAL  Capital físico ou real: o Capital fixo: todo tipo de instrumentos utilizados na produção. capital. jurídicas. individual  Problemas econômicos são resolvidos: mercado.

dos juros e do benefício do capital. o mercado se auto regula e atende as suas necessidades e aos seus beneficiários e clientes. dentro do leque de possibilidades de produção. está associada à necessidade ilimitada do ser humano. Para quem produzir: a sociedade tem também de decidir como seus membros participarão da distribuição dos resultados de sua produção. dado o nível tecnológico existente. ou seja. Ou seja. e acabam originando-se os chamados problemas econômicos fundamentais: O quê e quanto produzir: em virtude à escassez de recursos de produção. Já que tenho mais empregados. da determinação dos salários. que terá de fazer escolhas entre diferentes alternativas de produção. decidindo assuntos como produção e planificação dessa produção. quais produtos serão produzidos e as respectivas quantidades fabricadas.CURVA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO – CPP  Também chamada de curva de transformação. Como produzir: a sociedade tem de escolher ainda quais recursos de produção serão utilizados para a produção de bens e serviços. . 2) Quais as principais diferenças entre uma economia de mercado e uma economia centralizada? Na economia de mercado. mas também da repartição inicial da propriedade e da maneira como ela se transmite por herança. se os custos de oportunidade fossem constantes? Quando há um avanço tecnológico. a sociedade tem que escolher. A distribuição da renda dependerá não só da oferta e da demanda nos mercados de serviços produtivos. Na economia centralizada. A maioria das empresas instaladas e funcionários são do Estado. das rendas da terra. Existe também um controle de mercado e de mercadorias que entram a um país ou região. sua característica é marcante pelo fato do Estado não interferir muito em relações comerciais e industriais. 3) O que mostra a curva de possibilidades de produção ou curva de transformação? Expressa a capacidade máxima de produção da sociedade. é um conceito teórico que ilustra como a questão da escassez de recursos impõe um limite à capacidade produtiva da sociedade  A sociedade terá que fazer escolha entre alternativas de produção  Dado a escassez de recursos um pais tem limite máximo de produção: Pleno emprego de recursos onde todos os recursos produtivos são empregados  Exemplo: -15: custo de produzir 5 unidades a mais de maquinas CUSTO DE OPORTUNIDADE:  Custo de oportunidade esta relacionado com o fato de que os recursos são escassos. a curva de possibilidades de produção se desloca para a direita. a CPP seria uma reta decrescente. Qual seria esse formato. supondo pleno emprego dos recursos ou fatores de produção de que se dispõe em dado momento no tempo. indicando um aumento nas combinações possíveis. Se os custos de oportunidade fossem constantes. Ilustra como a escassez de recursos impõe um limite à capacidade produtiva de uma sociedade. 4) Explique o formato da curva de possibilidades de produção. seja ele de qualquer finalidade ou tipo. aumento do capital disponível ou aumento da força de trabalho. o Estado interfere nos assuntos comerciais de um país. Há que diminuir a produção de um para aumentar a produção de outro  É quanto custa produzir uma mercadoria em termos de outra Porque pode ocorrer o deslocamento da CPP:  Aumento físico da quantidade de fatores de produção  Melhor aproveitamento dos fatores de produção já existente (aumento da produtividade)  Mudanças tecnológicas  Maior eficiência produtiva e organizacional na produção  Melhoria na qualificação da mão-de-obra  Aumento na poupança interna  Aumento do investimento externo EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1) Porque os problemas econômicos fundamentais originam-se da escassez de recursos produtivos escassos? Pois da escassez de recursos ou fatores de produção. Isso se deve ao grande consumo de produtos industrializados. a tendência é aumentar a minha produção. ou máquinas mais potentes.

sem que as demais variáveis sofram alterações Lei de demanda: há uma relação inversamente proporcional entre a quantidade demandada e o preço. as variações na quantidade demandada são ocasionadas pela variação do preço do bem  Variação da demanda: deslocamento da curva de demanda ocasionada pela variação de uma variável diferente do preço. Isto é. reduzindo assim sua demanda o Efeito renda: quando aumenta o preço de um bem. preços dos outros bens). taxas de juros. R. o consumidor passa a adquirir o bem substituto. não envolvem juízo de valor. Ps. quando seu preço aumenta. preço dos bens relacionados. demanda de CD o Bem inferior: aumentos da renda significam redução da procura do bem ou serviço. Pc. prazos) Função geral de demanda: Qd = f (P. dada sua renda e os preços do mercado  Coeteris paribus: Tudo o mais permanece constante.5) Explique o que vem a ser argumentos positivos e argumentos normativos em Economia Argumentos Positivos. Exemplo: feijão. o consumidor perde poder aquisitivo e a demanda desse produto diminui (muda o salário real)  A mudança na renda do consumidor afeta a procura dos bens e serviços: o Bem normal: aumentos da renda implicam aumento da procura. tudo o mais constante (renda. É usada para fazer uma análise de mercado da influência de um fator sobre outro. por exemplo. gostos. O MERCADO    Resolve os problemas econômicos fundamentais em uma economia capitalista Espaço onde os agentes econômicos concorrem para vender (oferta) ou comprar (demanda) bens e serviços Um negócio é realizado apenas quando o comprador e o vendedor conseguem chegar a um acordo em relação ao preço da mercadoria negociada DEMANDA DE MERCADO Conceito: máxima quantidade de um bem ou serviço que os consumidores aspiram a comprar. por exemplo a mortadela o Bem de consumo saciado: aumento da renda não afetam a demanda do produto. gostos. preferencias dos consumidores  Expectativas sobre o futuro  Facilidades de credito (disponibilidades. Argumentos Normativos. e) Qd: quantidade demandada do bem P: preço unitário do bem R: renda do consumidor Ps: preço do bem substituto Pc: preço do bem complementar G: gostos e preferencias do consumidor e: outras variáveis A curva da demanda:  A curva de demanda é negativamente inclinada devido ao efeito de dois fatores: Efeito preço e Efeito Substituição  Se o preço de um bem aumenta a queda da quantidade demandada será provocada por: o Efeito substituição: um bem possui um bem substituto que satisfaça as mesmas necessidades. coeteris paribus. como a renda. em um determinado momento. um juízo de valor sobre alguma medida econômica. são relativos a uma análise que contém.  Análise Normativa – O governo deve aumentar o salário mínimo para melhorar o poder de compras dos trabalhadores. G. coeteris paribus Fatores que determinam a demanda de mercado:  Riqueza (e sua distribuição)  Renda e sua distribuição  Preço da mercadoria demandada  Preço dos outros bens (substitutos ou complementares)  Fatores climáticos e sazonais  Hábitos. preferências A curva de oferta  A curva da oferta é positivamente inclinada . Exemplos:  Análise Positiva – A inflação diminuiu o poder de compras do salário mínimo. tipo se A. então B. explicita ou implicitamente. remédios  O incremento da renda desloca a demanda de um bem normal para a direita Distinção entre demanda e quantidade demandada:  Variação na quantidade demandada: ocorrem ao longo da curva de demanda. e referem-se a proposições objetivas.

Aumento do preço do bem provoca um aumento da quantidade ofertada Aumento da oferta: é um deslocamento da curva de oferta produto da variação de variáveis diferentes do preço. ajuda-lo diante uma possível queda acentuada de preços e consequentemente queda da renda agrícola  O governo. Isto é. T.Determinantes da oferta: Qo = f (P. matérias-primas. o agricultor vendera ao mercado    Politica de compras. IPVA. IPTU)  Imposto especifico: recai sobre a unidade vendida. antes do plantio. garante um preço que ele pagará após a colheita o Se o preço mínimo é superior ao preço de mercado o agricultor vendera ao governo. tais como custos. NE) Qo: quantidade ofertada P: preço do bem C: custos dos fatores de produção Salários. Estado compra o excedente e forma estoques regulares (Q0 – Q1) Politica de subsídios: o governo deixa os produtores colocarem no mercado toda a produção (Q0) Isto provoca uma grande queda no preço pago pelos consumidores (Pcon) . caso contrário. tecnologia e numero de empresas EQUILÍBRIO DE MERCADO  A interação das curvas de demanda e de oferta determina o preço e a quantidade de equilíbrio de um bem ou serviço no mercado  O encontro das curvas o Acima da curva  sobre-produção o abaixo da curva  escassez INTERFERÊNCIA DO GOVERNO NO MERCADO  O governo intervém na formação dos preços quando o mecanismo de mercado (oferta e demanda) não funciona eficientemente para estabelecer o equilíbrio de mercado e causa prejuízo a uma das partes que participa em um negocio  Para tal. C. o governo estabelece: o Impostos e subsídios o Estabelece critérios de reajuste do salario mínimo o Fixa preços mínimos para a produção agrícola o Decreta tabelamentos o Tarifas alfandegarias o Congelamentos de preços e salários Impostos: dividem-se em:  Impostos indiretos: são os que incidem sobre o consumo ou sobre as vendas (ICMS)  Impostos diretos: incidem sobre a renda e a propriedade (IR. um valor fixo sobre cada unidade vendida que independe do valor da mercadoria (mais usados no Brasil)  Imposto Ad Valorem: é uma porcentagem (alíquota) aplicado sobre o valor de venda (IPI) Incidência dos impostos  Sobre as empresas: o Representam um aumento dos custos de produção o Tratam de repassar o imposto ao consumidor. com o propósito de protege-lo das flutuações dos preços de mercado. preço da terra T: tecnologia de produção NE: número de empresas no mercado   Aumento na quantidade ofertada: é um deslocamento sobre a curva de oferta. elevando o preço dos bens e serviços o O imposto reduzo volume de produção  Sobre os consumidores: o Os impostos reduzem a capacidade de compra dos consumidores o Renda liquida = renda bruta – impostos Politica de preços mínimos:  Visa dar uma garantia de preços ao produtor agrícola.

da quantidade demandada devido a uma mudança percentual nos preços  Mede o quanto a quantidade demandada por um bem muda devido a uma mudança no preço daquele bem  Determinantes: o Necessidade x Luxo o Disponibilidade de bens substitutos o Definição do mercado o Horizonte de tempo da analise  A demanda tende a ser mais elástica quando: o Se o bem for de luxo o Quanto maior o horizonte de tempo o Maior a quantidade de bens substitutos o Quanto mais restrito for o mercado EPd = Δ% quantidade demandada / Δ% preço EPd = ??+?? ] ? ??+?? (??−??)/[ ] ? (??−??)/[ ESTRUTURAS DE MERCADO As estruturas de mercado dependem de:  Numero de empresas que compõem o mercado  Tipo de produto (produtos idênticos ou diferenciados)  Se existe ou não barreiras ao acesso de novas empresas a esse mercado Estrutura de mercado de produtos  Concorrência perfeita ou pura o Mercado atomizado: grande numero de empresas. preços. por ser insignificante. tecnologia etc. mas os consumidores podem deixar de comprar o Razoes para a existência do monopólio:  Monopólio puro ou real: o mercado exige a instalação de grandes plantas industriais que operam com economia de escala e custos baixos. Os produtores receberam o governo bancará a diferença (Pmin-Pcon) ELASTICIDADE E SUAS APLICAÇÕES  É uma medida de como compradores e vendedores reagem a uma mudança nos preços  Nos permite analisar a oferta e a demanda com muito mais precisão Elasticidade – Preço da Demanda:  Mede o aumento ou diminuição. o que na prática acaba inviabilizando a entrada de novas empresas  Elevado volume de capital: a empresa monopolista precisa de um grande volume de capital e capacidade tecnológica  Patentes  Controle de matérias-primas básicas  Monopólios institucionais ou estatais (Petrobras)  Oligopólio o Pequeno numero de empresas que dominam a oferta de mercado o Setor industrial brasileiro o Preços fixados por carteis ou conluios . que pode ser associado a uma espécie de rentabilidade media de mercado o Com o aumento da oferta de mercado (devido ao aumento do numero de empresas). podem aumentar. até chegar-se a uma situação onde só existiriam lucros normais. são conhecidos pelas empresas que participam do mercado o No longo prazo não existem lucros extraordinários (receitas superam aos custos) o Lucros normais representam a remuneração implícita do empresário (seu custo de oportunidade. possivelmente a empresa cobre preços baixos pelos produtos. o que ele ganharia se aplicasse seu capital em outra atividade. não afeta os níveis de oferta do mercado e consequentemente o preço de equilíbrio o Produtos homogêneos: não existem diferenciação entre os produtos oferecidos pelas empresas concorrentes o Não existem barreiras para o ingresso de empresas ao mercado o Transparencia do mercado: todas as informações sobre lucros. cessando o ingresso de novas empresas nesse mercado  Monopólio o Oposto à concorrência perfeita o Um único empresário dominando todo o mercado o Não há concorrência ou substituto o Os consumidores se submetem às condições impostas pelo vendedor o Podem fixar o preço. os preços de mercado tenderiam a cair e consequentemente os lucros extras. níveis de produção. de tal sorte que a empresa isoladamente. em percentagem.

mas conhecem muito bem seu custo de produção Como tem poder monopólico. cimento) Teoria da organização industrial: O oligopolista tem por objetivo maximizar o mark-up  Mark-up = Receita de Vendas – Custos Variáveis o preço cobrado é P = (1+ margem de lucro unitária que uma % sobre os custos diretos) Custo direto unitário a taxa de mark-up deve levar em conta:  custos fixos  atender certa taxa de rentabilidade da  custos variáveis empresa A teoria do mark-up se embasa na assunção de que os empresários não podem prever adequadamente. na pratica. capital e tecnologia): Como o mercado de fatores depende da demanda de insumos das empresas produtoras de bens e serviços. podem com segmentos de mercado e produtos diferenciados  Margem de manobra para fixar os preços não é muito ampla. mas do poder de barganha de ambos Ação governamental e abusos de mercado Grau de concentração econômica no Brasil . na compra de um fator de produção. a determinação do preço não apenas depende de fatores econômicos. defronta-se com um monopolista na venda do fator o Neste caso. podem fixar seus preços em base de seus custos Concorrência monopolista o Estrutura intermediária de mercado entre concorrência perfeita e o monopólio. sua demanda e. As empresas discutem sua estrutura de custos. o o o o o o    Cartel: organização (formal ou informal) dentro de um setor que determina os preços para todas as empresas do cartel. mas não sua estratégia Tipos:  Com produtos diferenciados (indústria de automóveis)  Com produtos homogêneos (alumínio. portanto. mas que não se confunde com o oligopólio:  Número relativamente grande de empresas com certo poder concorrencial. indústria de fumo  Oligopsonio o Poucos compradores que dominam o mercado para muitos vendedores o Ex: em cada cidade existem duas ou três empresas de laticínios que adquirem a maior parte do leite dos inúmeros produtores rurais Monopólio bilateral o Quando um monopsonista. a sua receita. esta também é chamada de demanda derivada  Concorrência perfeita no mercado de fatores o Oferta abundante do fator de produção o Ex: mercado de mao-de-obra não qualificada  Monopsonio o Somente existe um comprador para muitos vendedores de insumos ou fatores produtivos o Ex: CBA. uma vez que existem produtos substitutos no mercado o Essas características dão certo poder monopolista embora o mercado seja competitivo Estrutura de mercado de fatores de produção (mão-de-obra.

ou o Minimizar o custo total para um dado nível de produção  Em qualquer uma das situações. em uma situação que a teoria econômica denomina equilíbrio da firma CUSTOS TOTAIS  Custos totais de produção: total de despesas realizadas pela empresa com a utilização da combinação mais econômica dos fatores. por meio da qual é obtida determinada quantidade do produto CT = CVT + CFT o Custos variáveis totais (CVT): depende da produção e por isso muda com a variação do volume de produção. portanto a função de produção será q=f(N) Produto total e produtividade media  Produto total: quantidade de produto que se obtém da utilização do fator variável mantendo-se fixa a quantidade dos demais fatores  Produtividade média do fator: PmeN = quantidade do produto / número de trabalhadores  Produtividade marginal do fator: relação entre as variações do produto total e as variações da quantidade utilizada do fator Pmg N = variação do produto / acréscimo de 1 unidade de área cultivada Pmg N = ΔQ/ΔN Lei dos rendimentos decrescentes: quando se aplica fator variável sobre determinado fator fixo a produção inicialmente aumentara a taxas crescentes. Estará. utiliza menor quantidade de insumos para produzir uma quantidade equivalente de produto  Eficiência econômica: está associado ao método de produção mais barato  Tipos de função de produção: o Fatores de produção variáveis: São aqueles cujas quantidades utilizadas variam quando o volume de produção varia o Fatores de produção fixos: as quantidades não variam quando o produto varia o Curto prazo: quando alguns dos fatores são considerados como fixos e outros variáveis o Longo prazo: quando todos os fatores são variáveis  Analise de curto prazo: q= f(N. Na contabilidade empresarial são também chamados de custos indiretos.K)  Q = quantidade produzida. mas a taxas decrescentes. logo a produção atinge um máximo para logo começar a decrescer  O nível de produção primeiro cresce a taxas crescentes  Cresce a taxas decrescentes  Atinge um máximo  O nível de produção decresce CUSTOS DE PRODUÇÃO  O objetivo básico de uma firma é a maximização de seus resultados de sua atividade produtiva  A otimização dos resultados poderá ser conseguida quando for possível: o Maximizar a produção para um dado custo total. K=capital (valor fixo)  Neste caso a quantidade produzida para que possa variar dependera da variação do fator variável mão-de-obra. são chamados de custos diretos. pois. depois continuará a crescer. a firma estará maximizando ou otimizando seus resultados.    Calcular a proporção do valor do faturamento das quatro maiores empresas de cada ramo de atividade sobre o total faturado no ramo respectivo Quanto mais próximo de 100%. Ex: folha de pagamentos. Ex: aluguel. N= mão-de-obra (fator variável). iluminação  Custos totais de curto prazo: compostos por parcelas de custos fixos e de custos variáveis . Na contabilidade privada. maior a concorrência do setor No Brasil: o Aços planos 100% o Fumo 91% o Material e transporte 94% o Cerveja 86% TEORIA DA PRODUÇÃO E CUSTOS DE PRODUÇÃO  O processo de produção é transformação de fatores produtivos adquiridos pela empresa em bens e serviços para serem vendidos no mercado Função de produção: relação que mostra a quantidade física obtida do produto a partir da quantidade física utilizada dos fatores de produção num determinado período de tempo  Eficiência técnica: quando comparado com outros métodos. gastos com matérias-primas o Custos fixos totais (CFT): independem da produção. maior o grau de concentração do setor Quanto mais próximo de 0%.

relativos aos insumos que pertencem à empresa e que não envolvem desembolso monetário. a se igualar ao custo variável A curva do custo marginal corta as curvas do custo médio e variável no ponto mínimo dessas duas Essa é a chamada lei dos custos crescentes. o Custos e despesas. a longo prazo não existem fatores fixos de produção o Intimamente ligado ao tamanho ou dimensão da planta escolhida para operar em longo prazo CUSTOS MÉDIOS E MARGINAIS  Custo médio de longo prazo: o Depende da dimensão o A curva tem formato de U devido a existência de rendimentos ou economias de escala. É o gasto efetivo na compra ou aluguel de insumos. com exceção dos custos fixos Os custos médio e marginal. o custo total médio tende.  Custos contábeis: custos explícitos. CMg tem todos formato em U. o Externalidades (custos privados e custos sociais). que no fundo é a lei dos rendimentos decrescentes. contabilizado no balanço da empresa  Custos de oportunidade: custos implícitos. o custo total cresce menos que a produção. podem ser decrescentes em certa etapa do processo de produção O CVMe. que sempre envolvem um dispêndio monetário. quando aumenta o volume de produção. entretanto. fazendo com que os custos médio e marginal decresçam (o denominador cresce mais que o numerador) Após certo nível de produto. isso porque no início do processo de produção. ou seja.o o o o o o o  Com o aumento do volume produzido. Esses custos são estimados a partir do que poderia ser ganho no melhor uso alternativo . no limite. olhando mais o mercado (o ambiente externo da empresa)  A ótica contábil-financeira a preocupação centra-se mais no detalhamento dos gastos da empresa específica  Principais diferenças: o Custos de oportunidade e custos contábeis. o custo total para a crescer mais que o aumento da produção. a empresa trabalha com reservas de capacidade (muito capital e pouca mão de obra). CTMe. e os custos médio e marginal passam a ser crescentes Como o custo fixo médio tende a zero. Assim. aplicada à teoria dos custos da produção Custos totais de longo prazo: formados unicamente por custos variáveis. os custos totais crescem. pois o tamanho da empresa esta variando em cada ponto da curva Diferenças entre a visão econômica e a visão contábil-financeira dos custos de produção  A visão econômica é mais genérica. da teoria da produção.

que registram o nível agregado de produção. etc Trata o mercado de bens e serviços como um todo. renda. Investimento. estatísticos econômicos trabalham com dados estatísticos. consumo e investimento Objetivos de politica macroeconômica: o Alto nível de emprego . assim como o mercado de trabalho. já que sua receita marginal é maior que o custo marginal  Quando RMg<CMg: o empresário terá interesse em diminuir a produção pois cada unidade adicional que deixa de ser fabricada aumenta seus lucros  Quando RMg=CMg. desemprego. Exemplos:  O capital que permanece parado no caixa da empresa  o custo de oportunidade é o que a empresa poderia estar ganhando se aplicasse no mercado financeiro  Quando a empresa tem prédio próprio  deve imputar um custo de oportunidade ao que ganharia se alugasse um imóvel e utilizasse o valor correspondente ao do prédio em outra aplicação  Quanto os proprietários ou acionista ganhariam se aplicassem em outra atividade (custo de oportunidade de capital)  Indica quanto a empresa deve pagar aos assalariados para mante-los empregados (custo de oportunidade de mao de obra) Custos privados e custos sociais: as externalidade ou economias externas o As externalidades podem ser definidas como as alterações de custos e benefícios para a sociedade derivadas da produção das empresas. ou também como as alterações de custos e receitas da empresa devido a fatores externos o Temos uma externalidade positiva quando uma unidade econômica cria beneficias para outras. Q*: quantidade produzida e vendida em equilíbrio que permite que a empresa recupere a totalidade do investimento      INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Estuda a economia como um todo. analisando a determinação e o comportamento de grandes agregados. RT= receita total de vendas. como renda e produtos nacionais. escolhera o nível de produção para o qual a diferença positiva entre RT e CT seja a maior possível  Define-se como receita marginal (RMg) o acréscimo da receita total da empresa quando essa vende uma unidade adicional de seu produto  Custo marginal (CMg). em seus comportamentos e o Nas relações que guardam entre si:  Consumo = f(renda)  Investimento = f(taxa de juros)  Imposto = f(renda)  Exportação = f(taxa de cambio) Abordagem da macroeconomia: o Observar as tendências gerais da economia. como vimos. desejando maximizar seus lucros. trata-se de um conceito útil para a tomada de decisões empresariais. como as contas nacionais. porque cada unidade adicional fabricada aumenta seus lucros. é o acréscimo do custo total de produção da empresa quando essa produz uma unidade adicional de seu produto  A empresa maximizará seu lucro num nível de produção tal que a receita marginal da última unidade produzida seja igual ao custo marginal dessa última unidade produzida: RMg = CMg  Quando RMg>CMg: o empresário terá interesse em aumentar a produção. baseada: o Variáveis agregadas ou agregados econômicos (Produção. em vez de examinar as tendências que afetam isoladamente empresas. o lucro total será máximo PONTO DE EQUILÍBRIO  Qual é o nível de produção que permite ao empresário recuperar a totalidade dos custos totais?  A partir de que nível de produção o empresário começa a ter lucro? Lucro total = receita total – custo total Lucro total = (preço*quantidade) – (custo fixo+variável) CVMe=CVT/Q LT= P * Q – (CFT+CVMe*Q) = Q*(P-CVMe)-CFT Se o lucro igual a zero (receita total igual ao custo tota)l: Q* = CFT (?−????) . poupança. Consumo. CT= custo total de produção)  A empresa.o  Embora não sejam contabilizados no balanço das empresas. e preocupa-se com aspectos de curto prazo ou conjunturais Forma de analisar a economia. sem receber por isso o Custos privados: custos efetivos o Custos sociais: custos gerados por externalidades MAXIMIZAÇÃO DO LUCRO TOTAL  LT = RT – CT (LT= lucro total. trabalhadores ou recursos o A fim de descrever o comportamento econômico agregado. Poupança). nível geral de preços.

setor externo. regulamentação sobre credito e taxa de juros  Politicas cambial e comercial: o Cambial: atuação do governo sobre a taxa de cambio o Comercial: instrumentos de incentivos às exportações e/ou estimulo/desestímulo às importações  Politica de rendas: intervenção direta do governo na formação de renda com o controle e congelaemento de preços  Estrutura de analise macroeconômica  Mercado de bens e serviços: demanda agregada depende da evolução da demanda dos quatro grandes setores: consumidores. determinada pelo BC e pela atuação dos bancos comerciais o Variáveis desse mercado:  Taxa de juros  Estoque de moeda  Mercado de títulos: analise do papel de agente econômicos superavitários e deficitários e como eles se interagem  Analise do mercado monetário e de títulos é chamado de mercado financeiro Mercado de cambio  Mercado de divisas: devido as transações econômicas com o resto do mundo  Oferta de divisa: depende das exportações e da entrada de capitais financeiros  Demanda da divisa: determinada pelo volume de importações e saída de capital financeiro  Banco central: pode interferir nesse mercado a partir de taxas de câmbio e da taxa de equilíbrio  Variáveis determinadas institucionalmente: gastos do governo e oferta de moeda Mercado de capitais  Mercado de capitais físicos: está embutido no mercado de bens e serviços por meio dos investimentos e da poupança  Mercado de capitais financeiros: estudo a partir do mercado monetário e de títulos Contabilidade social  É um registro contábil da atividade produtiva de um pais. ao longo de um dado período (1 ano)  Mostra a evolução dos agregados econômicos  Objetivo deste registro é: o Verificar evolução o Possibilita prever (antecipar) trajetórias  Sistemas de contabilidade social: o Trata o país como uma empresa que produz um único produto (PNB) o Existem dois sistemas de contabilidade nacional:  Sistema de contas nacionais  Matriz das relações Inter setoriais . por meio da manipulação da estrutura e alíquotas de impostos. tanto entre diferentes grupos socioeconômicos como entre regiões do país o Crescimento econômico: aumento do produto nacional por meio de políticas econômicas que estimulem a atividade produtiva. empresas. Condição de equilíbrio de mercado:  Oferta agregada de bens/serviços = demanda agregada de bens/serviços  Variáveis: o Nível de renda e produto nacional o Investimentos agregados o Consumo agregado o Exportações totais o Poupança agregada o Importações totais Mercado de trabalho:  Determina as taxas de salario  A demanda e a procura por mão-de-obra depende da taxa de salário real e do nível de produção desejado pelas empresas Mercado financeiro  Mercado monetário: existência de uma demanda de moeda e de uma oferta de moeda. Aumentar o produto além do limite de quantidade exigirá: i) ou um aumento nos recursos disponíveis. ii) ou um avanço tecnológico Dilemas de política econômica: o Metas de crescimento e equidade distributiva devido ao fator educacional. redescontos. para estimular os gastos de consumo do setor privado  Principio de anterioridade: implementação de uma medida só pode ocorrer a partir do ano seguinte ao de sua aprovação pelo Congresso Nacional  Politica monetária: atuação do governo sobre a quantidade de moeda e títulos na economia o Emissões. governo. reservas compulsórias. com maioria da mão-de-obra de baixa qualificação e baixos rendimentos Instrumentos de politica macroeconômica  Politica fiscal: instrumentos que o governo usa para arrecadar tributos e controlar suas despesas.o o  Estabilidade de preços: inflação é o aumento continuo e generalizado do nível geral dos preços Distribuição equitativa de renda: disparidade acentuada no nível de renda brasileiro.

com os serviços de fatores de produção pertencentes aos indivíduos de uma nação PIB: mede a renda total gerada por uma economia. porem mede somente as transações que acontecem no mercado legal o Inclui tanto bens tangíveis como intangíveis (serviços) o Somente bens finais são calculados e produzidos no presente o Mede a produção de um país  Calculo em três óticas: o Produção     o Renda o Despesas O aumento do PIB pode indicar duas coisas: o O pais está produzindo mais o Os bens e serviços estão sendo vendidos a preços mais elevados PIB nominal: calculado utilizando preços de mercado (preços vigentes) PIB real: calculado sem a influência da variação de preços Deflator do PIB IDH – Índice de Desenvolvimento Humano: composto por:  PIB per capita  Longevidade  Educação (taxa de analfabetismo e matricula) IPH – Índice de Pobreza Humano . em um período especifico de tempo.PIB e RN  Renda advém do pagamento dos fatores de produção  Renda nacional = salários + alugueis + lucros Fluxo circular da renda  Renda nacional: é o total de pagamentos feitos aos indivíduos detentores dos fatores de produção cujos serviços foram utilizados para obtenção do produto nacional  Produto nacional: é o valor monetário dos bens e serviços finais produzidos. a despesa total com bens e serviços produzidos na economia  É o valor de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos em um pais em um dado período o Soma indistintamente o valor dos bens e serviços aos preços praticados no mercado o Procura ser abrangente.