You are on page 1of 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONIMICAS

Nome: Diego Soares Carpes

Mercantilismo: é a prática econômica típica da Idade Moderna e é marcado, sobretudo,
pela intervenção do Estado na economia. Durante aproximadamente três séculos foi a
prática econômica principal adotada pelos países europeus, o que só seria quebrado com
o questionamento sobre a interferência do Estado na economia e o consequente advento
das ideias liberais. Em resumo, o Mercantilismo era o conjunto de ideias econômicas
que considerava a riqueza do Estado baseada na quantidade de capital que teriam
guardado em seus cofres.
Fisiocratas: os sistemas econômicos deveriam ser regidos pelas suas próprias leis
naturais, sem intervenção do governo. O seu sistema, por conseguinte, baseava-se no
conceito francês do laissez faire (“deixa fazer”), que promove o livre mercado e a nula
participação do Estado nas decisões econômicas.
Adam Smith: O conceito de “ordem natural” dos fisiocratas parece fundamentar toda a
sua análise econômica. Para eles, a ordem natural teria sido criada por Deus, era regida
pelas “leis naturais” e nela estaria assegurado o direito de se desfrutarem os benefícios
da propriedade, o direito ao trabalho, a busca dos interesses individuais e a liberdade,
desde que não prejudicasse a liberdade dos demais.
Thomas Malthus: foi um importante economista inglês do final do século XVIII e
início do século XIX. Teve grande importância no estudo do crescimento populacional
ao desenvolver a teoria malthusiana. Foi também clérigo, professor universitário,
demógrafo e erudito. É considerado o precursor da demografia mundial. De acordo com
sua teoria a população mundial cresce em progressão geométrica (pg), enquanto a
produção de alimentos em progressão aritmética (pa). Estes cálculos eram feitos
utilizando a Lei de Malthus, conjunto de fórmulas matemáticas que tinha como objetivo
projetar o crescimento populacional no curto e médio prazo. A teoria malthusiana
explicava, desta forma, a existência da fome, pobreza e miséria no mundo. Apontava
como uma das principais soluções o controle de natalidade.
David Ricardo: exerceu uma grande influência tanto sobre os economistas
neoclássicos, como sobre os economistas marxistas, o que revela sua importância para o
desenvolvimento da ciência econômica. Os temas presentes em suas obras incluem
a teoria do valor-trabalho, a teoria da distribuição (as relações entre o lucro e os
salários), o comércio internacional, temas monetários.

O filósofo parte da experiência como base de todo conhecimento. quatro regras metodológicas são fundamentais para o bom uso da indução. a aplicação conjunta de trabalho. então. . Stuart Mill faz da indução o método científico por excelência. Para Stuart Mill. antes. atendo-se aos fatos. trabalhadores assalariados (sob a forma de salários) e os arrendatários capitalistas (sob a forma de lucros do capital). Por meio dessas regras. quer nas ciências físicas. Isto é. vendo nele. maquinaria e capital no processo produtivo gera um produto. Mill nega o a priori como pura construção racional. (b) a diferença entre eles. é possível chegar-se às relações de causalidade entre os fenômenos. o de determinar as leis naturais que orientam essa distribuição. estabelecendo-se os antecedentes invariáveis e incondicionais. John Stuart Mill: Antimetafísico. como modo de análise das perspectivas atuais da situação econômica. segundo Ricardo. (c) a regra dos resíduos. através da indução. e (d) a regra das variações concomitantes. sem perder a preocupação com o crescimento em longo prazo. uma formação originada da experiência. o qual se divide entre as três classes da sociedade: proprietários de terra (sob a forma de renda da terra). segundo Mill. capazes de levar a resultados seguros e ao conhecimento do mundo objetivo: (a) concordância entre os fenômenos. nas sociais ou mesmo na matemática.A principal questão levantada por Ricardo nessa obra trata da distribuição do produto gerado pelo trabalho na sociedade. O papel da ciência econômica seria.