A TALHA DOURADA

na arte portuguesa

CURSO (5 sessões)

COLÓQUIO

07 Maio - 04 Junho 2016

04 Junho 2016

SÁBADOS

10h | 12h30

Direcção:

José Meco

15h | 18h30

OEIRAS | AUDITÓRIO CÉSAR BATALHA - Galerias Alto da Barra

Visitas - Igreja de S. Roque

- Igreja de Barcarena | Igreja de Porto Salvo
CURSO |COLÓQUIO | VISITAS - Diploma

Inscrições

Sócios e Estudantes - € 35,00
Público - € 50,00

91 260 8720  96 512 8763
rui.lemos@espacoememoria.org

Iniciativa: ESPAÇO e MEMÓRIA - Associação Cultural de Oeiras
Apoio: Câmara Municipal de Oeiras

PROGRAMA GERAL
A TALHA DOURADA NA ARTE PORTUGUESA
Direcção: José Meco

CURSO
A Talha Dourada em Portugal I

07 MAIO

Talha continental I – A talha dourada no território Continental, desde as primeiras manifestações
góticas, no século XV, através das importações de peças da Flandres ou da vinda de artistas desta
região para Portugal, as destacadas obras do período manuelino, o curto período do Renascimento e o
extenso ciclo da talha Maneirista, que se estende de meados do século XVI até à segunda metade do
século XVII.
A Talha Dourada em Portugal II

14 MAIO

As várias fases do período Barroco, incluindo os designados “Estilo Nacional” (c. 1670-c. 1720) e “Estilo
Joanino” (c. 1714-meados do século XVIII), a renovação dos ornatos de Estilo Regência, a talha Rococó
(2ª metade do século XVIII) e Neoclássica (finais do século XVIII-início do século XIX).
A Talha Dourada na Madeira

21 MAIO

Características específicas da talha da Madeira, desde as notáveis criações Flamengas-manuelinas e a
excepcional oficina Maneirista de Manuel Pereira até aos conjuntos barrocos e rococós.
A Talha Dourada nos Açores

28 MAIO

Análise de inúmeras criações entre o período Maneirista e o Rococó, que devido à diversidade das ilhas
deste território tanto reflectem uma expressão mais erudita e continental (Angra do Heroísmo) como
revelam características regionais altamente originais e fascinantes (especialmente na Ilha de São
Miguel).
A Talha Dourada no Brasil

04 JUNHO

Síntese do extraordinário desenvolvimento que a talha atingiu no Brasil, tanto da excepcional
qualidade artística dos períodos Barroco e Rococó, como da diversidade de manifestações regionalistas
que individualizam as criações de diversos estados, nomeadamente Bahia, Minas Gerais, Rio de
Janeiro, Pernambuco e Pará.

COLÓQUIO
Servindo de conclusão ao curso “Talha Dourada na Arte Portuguesa”, este Colóquio conta com a
participação de alguns dos principais especialistas deste campo e apresenta temas complementares
da talha continental (Francisco Lameira), os projectos e desenhos (Sílvia Ferreira), o restauro, os
retábulos de Goa (Mónica Reis), a talha Indo-portuguesa da Ilha de Moçambique (José Meco) e a
historiografia da talha em Portugal (Vítor Serrão).

ESPAÇO e MEMÓRIA - Associação Cultural de Oeiras | Iniciativas 2016