You are on page 1of 11

CURSO DE ENGENHARIA BASICA

UNIP

Docente responsável: Sebastião
Integrantes:
FELIPE SOUZA MENDES C6473I-9
FRANK TADAHIRO HATTORI C7477D1
ISABELLA FERREIRA CAMACHO C671FD-4
PEDRO HENRIQUE FRASSATTO C419GB4
RENATO DE SOUSA ZAQUEU C76128-1
ROBSON HIROITO DE SOUZA CANOSSA C62HAI-3
WALINSON MOREIRA LOPES C73938-3
YGOR BATISTA CARDOSO C63BFG-0

...... 10 6.............SUMÁRIO 1............ INTRODUÇÃO ................................................................................................. 11 .................... 4 3........ MATERIAIS E METÓDOS.......................................................................................................... OBJETIVOS ..... DESENVOLVIMENTO TEÓRICO ............................... CONCLUSÃO.. 3 2.................................................................................................................... REFERÊNCIAS ........................................................... 6 4........................... 6 5..............................

Através do osciloscópio. Na sua tela. As imagens se formam na tela do osciloscópio mediante movimentos simultâneos no sentido vertical e horizontal. como em um aparelho de televisão. . a imagem que se observa na tela é uma linha. INTRODUÇÃO O osciloscópio é um equipamento que permite ao técnico observar as variações de tensão elétrica em forma de figura em uma tela. as imagens são formadas unicamente pelo movimento rápido de um ponto na horizontal e vertical. é possível pesquisar e analisar defeitos em circuitos eletrônicos e elétricos. Quando o movimento do ponto é rápido.1.

Este consiste numa ampola de vidro fechada no interior da qual se encontram. 2 mostra o diagrama simplificado do tubo de raios catódicos. os seguintes componentes: · Canhão eletrônico. A Fig. DESENVOLVIMENTO TEÓRICO Tubo de Raios Catódicos com Tela Fosforescente O tubo de raios catódicos é o elemento essencial do osciloscópio. · Anteparo fosforescente em sulfureto de zinco. sob vácuo (cerca de 10-3 mbar).2. · Sistema de desvio magnético ou eletrostático. Canhão Eletrônico .

são muito sensíveis a pequenas ddp. . Os raios catódicos são obtidos em vasos fechados a pressões inferiores a cerca de 10-3mbar.  Grelha de Comando (cilindro de Wehnelt): A grelha W quando é polarizada negativamente em relação ao eletrodo A2 (ânodo) forma e acelera o feixe de elétrons.11 x 1031 kg). ou seja. por isso. podem ser manipulados por intermédio de campos elétricos e magnéticos. é controlada através da ddp entre a grelha e o ânodo: quanto maior for a ddp maior é o número de elétrons no feixe. A eficiência de produção de elétrons pode ser substancialmente aumentada quando é aplicado o fenômeno da emissão termiônica ao cátodo. relativamente ao ânodo. Sabe-se que os metais incandescentes emitem espontaneamente elétrons. mesmos na ausência de um campo elétrico. mais brilhante é o feixe. Assim. mostrado na Fig. 3. justificando assim o seu uso na construção de osciloscópios. promove a emissão de elétrons do cátodo C por efeito termiônico. por terem uma pequena massa (9. Os elétrons. podem ser subdivididos em três partes principais:  Cátodo emissor de elétrons Este é constituído pelo filamento F que quando aquecido. o campo elétrico resultante arrastará os elétrons no sentido do ânodo. encerrando dois eletrodos. aos quais se aplica um potencial suficientemente elevado.O canhão eletrônico é o dispositivo que produz e controla o feixe de elétrons que. Se ao cátodo for aplicada uma diferença de potencial. os quais formam uma nuvem eletrônica em torno do corpo incandescente. formando-se assim um feixe eletrônico (ou feixe de raios catódicos). A intensidade do feixe. pela passagem de corrente elétrica. brilho. quando se aquece o cátodo forma-se em torno deste uma nuvem eletrônica. Estes raios são formados por elétrons e.

Conhecer o princípio físico de funcionamento de um osciloscópio e utilizá-lo para medir tensão. O eletrodo G permite eliminar a interação entre os comandos de brilho e de focagem. limitam a seção do feixe. OBJETIVO Com esta experiência pretende-se familiarizar-se com o manuseio e ajuste dos controles de um osciloscópio. 3. Além de determinar as características de um sinal ondulatório. posicionados entre a grelha W e o ânodo. Fonte de tensão DC. período e frequência. por um ou mais diafragmas e imprimem-lhe ainda uma certa aceleração. MATERIAIS E MÉTODOS Materiais:         Osciloscópio. a focagem. Sistema de aceleração e focagem: Constituído pelos eletrodos G e A1. ou seja. Gerador de áudio Gerador de ondas Pilhas Multímetro Digital Cabos e pontas de prova Resistores . 4.

a corrente e a resistência no circuito.Método: Foram montados circuitos com apenas um resistor. . com dois resistores em série e dois em paralelo e aferidos diretamente pelo osciloscópio e em seguida realizada a checagem com o multímetro. para medir e calcular a voltagem.

No primeiro teste usamos quatro pilhas e no segundo usamos um gerador de áudio como fonte. .

Ajustando o sinal com o comando de posicionamento horizontal podemos utilizar as subdivisões do reticulado para realizar uma medida mais precisa. feita simplesmente através da contagem do número de divisões verticais que o sinal ocupa na tela.Realizar a medida de tensões com um osciloscópio é fácil. A frequência é uma medida indireta e pode ser feita calculando-se o inverso do período. outra medida que podemos fazer com o osciloscópio é o período e para isso utiliza-se a escala horizontal do aparelho. De maneira semelhante à medição da tensão. a medida de períodos será mais precisa se o tempo referente ao objeto de medida ocupar a maior parte da tela. Do mesmo modo que ocorria com as tensões. É importante que o sinal ocupe o máximo espaço da tela para que realizemos medidas confiáveis. Se centralizarmos o sinal utilizando o comando de posicionamento vertical poderemos utilizar as subdivisões para realizar uma medida mais precisa . sabendo que uma subdivisão equivale geralmente a 1/5 do que representa uma divisão completa.

. CONCLUSÃO Vimos que o osciloscópio é essencial para o conhecimento de gráficos visíveis de diferenças de potencial. uma vez que os desvios calculados não foram significativos. como a resistência nos cabos. Os níveis de tensão apresentam diferenças devido a erros sistemáticos presentes no circuito.5. a introdução dos instrumentos. Os valores obtidos para as tensões foram satisfatórios. na bancada.

volume 4: óptica e física moderna / Halliday. José Luiz. 2009.Referências:  HALLIDAY. – Rio de Janeiro: LTC. – São Paulo: Atual.  SAMPAIO. Jearl Walker.6. . David. 2005. Física: volume único / José Luiz Sampaio. Caio Sérgio Calçada. – 2ª ed. Resnick. tradução e revisão técnica Ronaldo Sérgio de Biasi. 1916 – Fundamentos de Física.