You are on page 1of 5

O TRÁFICO DE DROGAS EM TERESINA

Américo Ribeiro

RESUMO: O objetivo deste artigo é expor o atual quadro do tráfico de drogas em Teresina, na
capital do Estado do Piauí, Teresina, identificando as características tanto do uso quanto do
trafico de drogas na cidade e suas graves consequências na sociedade. Aponta ainda que
medidas estão sendo tomadas para conter seu avanço.
PALAVRAS-CHAVE: Tráfico. Drogas. Teresina.

INTRODUÇÃO

O tráfico de drogas em Teresina cresce em um ritmo alarmante para as autoridades
locais, estaduais e mesmo federais. O Piauí tornou-se um eixo central da entrada de drogas no
Nordeste. Teresina, sua capital, com a proliferação de vilas, favelas e conjuntos habitacionais,
tornou-se uma das cidades mais violentas do Brasil. O tráfico de drogas, principalmente de
crack, é apontado por muitos como o principal responsável pelo aumento desses índices.
Altamente viciante, é garantia de lucro certo para os traficantes. Os usuários, porém estão
geralmente entre jovens sem nenhuma perspectiva social ou econômica, principalmente nas
regiões periféricas. Além de um problema de saúde publica, o trafico de drogas torna-se um
problema social, pois os dependentes químicos recorrem a todo tipo de praticas ilícitas para se
manter no vicio. As tentativas de combater o tráfico esbarram em inúmeras dificuldades para
as autoridades policiais, já que os traficantes praticamente dominam seus “territórios”. Apesar
disso, segmentos da sociedade começam a discutir o problema, como o Plano “Teresina
2015: A Cidade que Queremos” além de inovações como o aplicativo de celular Depre, que
garante o sigilo das informações, um passo importante no combate ao tráfico de drogas, já que
o cidadão sentia-se inseguro em denunciar, por temer represálias dos traficantes.

 Graduado em História pelo CESC-UEMA e pós-graduado em História do Brasil pelo IESF.

2

Teresina, capital do Estado do Piauí, localiza-se na região centro norte, às margens do
rio Parnaíba e vizinha a cidade de Timon, no Maranhão. Possui área de 1.391,981 Km²,
compreendendo a área urbana e rural com população de 814. 230 habitantes. (IBGE, 2010).
Com dimensões consideráveis, o espaço urbano de Teresina divide-se em quatro zonas
administrativas, centenas de parques e bairros, além de várias vilas, favelas e conjuntos
habitacionais, dificultando não apenas o estudo sobre o tráfico de drogas se levarmos em
consideração todo o espaço urbano ou uma zona administrativa. Essa breve caracterização de
Teresina evidencia que esse grande número de bairros, favelas e vilas são lugares favoráveis a
ocorrências de violência e crimes, provenientes do domínio do tráfico de drogas. O poder
exercido por este desafia cada vez mais as autoridades e o poder público. Diante desse quadro,
a cidade enfrenta um aumento do trafico de drogas, desde a periferia até bairros com alto
poder aquisitivo. (SOARES, 2013).
Os dados estatísticos, tanto da Delegacia Geral do Estado do Piauí bem como o
Comando Geral da Polícia Militar do Estado são preocupantes. Somente em 2015, a Policia
Federal apreendeu mais de uma tonelada de entorpecentes. Segundo o delegado federal
Marcos Roberto Costa, o Piauí por fazer fronteira com estados como o Maranhão e Ceará, por
exemplo, é um eixo importante do tráfico de drogas no Nordeste. (TEIXEIRA; SANTIAGO,
2016).
O crack é sem dúvida, a principal fonte de lucros para os traficantes. Altamente
viciante, tem-se tornado um caso de saúde publica. Seu consumo é preocupante porque é o
responsável direto no aumento dos índices de violência, criminalidade e marginalização. Isso
ocorre, porque os dependentes desta droga quando esgotam suas fontes financeiras, passam a
cometer atos ilícitos para manter o vicio. Entre as atividades mais praticadas por usuários de
crack estão o tráfico, furto, assalto, venda dos próprios pertences ou familiares e até mesmo a
prostituição. (MAGALHÃES, 2013).
De acordo com a Corregedoria Geral de Justiça, em relatório apresentado ao Tribunal
de Justiça do Piauí sobre uso e tráfico de drogas, o perfil tanto do usuário quanto do traficante
de drogas em nosso Estado é de jovens, pardos e com pouca escolaridade, profissões precárias
e pouca perspectiva de ser inserido novamente na sociedade. Os dados se basearam em
processos tramitados na 7ª Vara Criminal de Teresina e foram levantados entre abril de 2012 a
fevereiro de 2013, com a consulta de 258 processos. Além do mapeamento da cidade de

3

Teresina, indicando locais de maior incidência de delitos e de moradia dos traficantes e
usuários, o estudo apontou dados preocupantes como:
a) 76% dos presos por tráfico de drogas são homens. Há, porém, um
acentuado crescimento do público feminino nas questões envolvendo tráfico
e receptação de drogas no município de Teresina (24%), confirmando a
tendência nacional da presença das mulheres nos crimes envolvendo drogas.
b) 59% das mulheres que estão no sistema prisional respondem a processo
por tráfico de drogas, sendo esse o motivo predominante das prisões entre as
mulheres.
c) 56% dos presos por tráfico de drogas têm menos de 29 anos de idade.
d) 20% das prisões em Teresina ocorrem por conta do Tráfico de Drogas. No
Piauí, são 2.929 pessoas cumprindo pena nos presídios do Estado.
e) O crack predomina dentre as drogas apreendidas e motivadoras da prisão
de traficantes em Teresina (61%), seguida da maconha (25%) e da cocaína
(11%). (DONO DA NOTÍCIA, 2013).

A atual crise econômica agrava ainda mais a situação, de acordo com o Plano de
Desenvolvimento Sustentável Teresina: Agenda 2015 já que “o desemprego gera a violência
que aumenta o desemprego, num círculo vicioso” (2002, p.5). Ainda de acordo com esta carta,
elaborada por diversos segmentos da sociedade teresinense, o cidadão não se sente seguro
para denunciar crimes, temendo represálias e com razão, pois como bem nota Soares (2013) a
cada ano, o tráfico de drogas ganha mais territórios e consolida seu poder em Teresina.
Diante da gravidade da situação, que medidas devem ser tomadas para conter esse avanço do
tráfico de drogas em Teresina?

O Plano afirma que a participação da comunidade é

fundamental. Outros defendem a implantação da guarda municipal e formas de colaboração
com o sistema, como os conselhos comunitários de segurança, mas os movimentos nesse
sentido ainda são tímidos. (2002, p. 8).
Para a polícia, entretanto, a Internet pode ser uma arma poderosa. Em março deste ano,
a Secretária de Segurança Pública lançou um aplicativo gratuito para celulares para receber
denúncias sobre pontos de venda de drogas, ajudando a Polícia Civil no combate ao tráfico. O
aplicativo, já disponível para celulares com sistema operacional Android, chama-se Depre,
uma abreviação de Delegacia de Repressão a Entorpecentes. Segundo a polícia nos primeiros
100 downloads do aplicativo, foram registrados mais de 70 denúncias. Para o delegado
Menandro Pedro "É uma ferramenta importantíssima para o combate às drogas no estado” já
que o denunciante ficará no anonimato. Para o delegado Alessandro Barreto, um dos

4

desenvolvedores do aplicativo, é uma ferramenta simples e fácil de ser usada. "A pessoa faz a
denúncia colocando o endereço, local, e o texto informando todos os detalhes que conseguir
identificar.” Dessa forma, quanto mais precisa e clara a denúncia, mais rápida será a ação da
policia. (G1.COM, 2016).

CONCLUSÃO

Diante do que foi exposto, conclui-se que o tráfico de drogas cresceu junto com a
própria cidade de Teresina. Mas essa expansão não foi acompanhada de desenvolvimento, já
que nestas áreas faltam desde saneamento básico até mesmo delegacias de polícia. O
patrulhamento de tantas áreas torna-se impossível, o que facilita a ação dos traficantes. Os
jovens da periferia, não contemplados com politicas públicas eficazes, são atraídos facilmente
para a marginalidade e o crime. O tráfico de drogas e principalmente do crack, a droga que
produz efeitos mais devastadores em seus usuários estão provocando um verdadeiro caos
tanto de saúde publica quanto social. Roubos e assaltos se tornam cada vez mais comuns em
toda a cidade, muitos para simples compra de uma pedra de crack. A atual crise econômica só
piorou o quadro, pois até mesmo pessoas adultas passam a entrar no tráfico como meio de
vida. Iniciativas como o aplicativo Depre podem sinalizar um começo no combate ao tráfico
de drogas, mas ainda está longe de reverter o atual quadro de criminalidade e violência que
infelizmente tomou de assalto nossa cidade.

REFERÊNCIAS

DONO DA NOTÍCIA. Quase 3 mil pessoas cumprem pena por tráfico de drogas no Piauí,
04 nov, 2013. Disponível em: <http://www.donodanoticia.com/quase-3-mil-pessoascumprem-pena-por-trafico-de-drogas-no-piaui-092335.html>. Acesso em: 08 mai, 2016.

G1.COM. Polícia lança aplicativo para receber denúncia de tráfico de drogas no Piauí.
15 mar 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2016/03/aplicativo-ajudapolicia-no-combate-drogas-e-garante-anonimato-no-pi.html>. Acesso em 08 mai, 2016.

5

IBGE. Censo demográfico 2010. In: Censo 2010. IBGE, 2010. Disponível em:
<http://www.ibge.gov.br/censo2010/>. Acesso em: 08 mai, 2016.

MAGALHÃES, Juliana M. O saber dos adolescentes sobre o crack: uma contribuição para
prática de enfermagem. 2013. 118 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Saúde da
Família). Centro Universitário UNINOVAFAPI, Teresina, 2013. Disponível em:
<http://mestrado.uninovafapi.edu.br/wp-content/uploads/2013/08/JULIANA-MACEDOMAGALHAES-email.pdf> . Acesso em: 08 mai, 2016.

SOARES, Carlos Jardel A. Poder e Território na Geografia: estudo do tráfico de drogas em
Teresina-PI. Disponível em: <http://www.geociencias.ufpb.br/posgrad/sernne/artigo12.pdf>.
Acesso em: 08 mai, 2016.

TEIXEIRA, Ellyo; SANTIAGO, Pedro. Piauí é um eixo central do tráfico de drogas no NE',
diz
delegado
da
PF.
G1.COM,
19
nov
2015:
Disponível
em:
<http://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2015/11/piaui-e-um-eixo-central-do-trafico-de-drogasno-ne-diz-delegado-da-pf.html>. Acesso em 08 mai, 2016.

TERESINA. Teresina Agenda 2015: Plano de Desenvolvimento Sustentável. (Segurança
Pública).
Teresina:
PMT,
2002.
Disponivel
em:
<http://www.teresina.pi.gov.br/portalpmt/orgao/SEMPLAN/doc/20080924-160-602-D.pdf.>
Acesso em: 08 mai, 2016.