Sistema de Informação e Gestão da Oferta SIGO

Centros Novas Oportunidades
Procedimentos para preenchimento da candidatura técnico-pedagógica no SIGO
Abril de 2008

ÍNDICE

Nota introdutória -------------------------------------------------------- pág. 3 Simbologia utilizada no formulário --------------------------------- pág. 4 Dados de caracterização --------------------------------------------- pág. 5 Equipa --------------------------------------------------------------------- pág. 12 PEI (Plano Estratégico de Intervenção) --------------------------- pág. 15 Metas físicas ----------------------------------------------- pág. 19 Declaração de compromisso ----------------------------------------- pág. 20

2

NOTA INTRODUTÓRIA

O formulário de candidatura técnico-pedagógica disponível no SIGO está estruturado em três partes distintas: Dados de Caracterização, Plano Estratégico de Intervenção e Equipa. A análise das candidaturas baseia-se fundamentalmente na informação contida nos diversos campos destas três partes integrantes do formulário. Por essa razão, os conteúdos devem ser apresentados de forma objectiva, directamente relacionáveis com os critérios de selecção definidos, quer no âmbito do regulamento da tipologia de intervenção 2.1 do POPH (vide artigo 10.º do regulamento) complementado com as orientações técnicas produzidas pela ANQ. De seguida são dadas indicações para o preenchimento dos campos do formulário de candidatura.

3

SIMBOLOGIA UTILIZADA

Este ícone permite:

visualizar mais informação acerca do campo que está a consultar ou adicionar dados ocultar a informação do campo que está a consultar ou a preencher eliminar registos alterar registos

4

DADOS DE CARACTERIZAÇÃO (I)

Nesta entrada estarão disponíveis os campos já existentes no 1.º momento de manifestação de interesse, bem como outros que se constituem importantes para a apreciação técnico-pedagógica da candidatura.

Edição de Contactos – CNO

-

Editar Morada

Indicar a morada onde o Centro irá desenvolver as suas actividades e corrigir a freguesia indicada, se for caso disso. No final Guardar Morada.
Lista de Contactos

Este campo ficará preenchido automaticamente depois de registados novos contactos (campo seguinte). +
Novo Contacto

Deverá ser seleccionado o tipo de contacto e registado individualmente. No final Submeter Contacto.
5

DADOS DE CARACTERIZAÇÃO (II)

Contactos Públicos

Neste campo deverão indicar quais os contactos registados anteriormente que pretendem que sejam do domínio público. Só esses aparecerão no área pública do site das Novas Oportunidades. No final Guardar Contactos Públicos.

A lista de contactos terá então este aspecto. Só os contactos seleccionados serão divulgados publicamente.

6

DADOS DE CARACTERIZAÇÃO (III)

Caracterização da Entidade Promotora
Entidade Promotora

A informação aqui registada ajuda-nos a caracterizar as diferentes tipologias de entidades existentes. Todos os campos são de preenchimento obrigatório. No final Guardar dados da Entidade Promotora.
Acreditação como Entidade Formadora

As entidades privadas, promotoras de Centros Novas Oportunidades, deverão ser acreditadas como entidades formadoras à luz da legislação em vigor, pelo que devem preencher o campo Organismo Competente para a Acreditação, bem como a validade, indicando Data de Início e Data de Fim. Todas as entidades, independentemente da sua tipologia, devem preencher o campo Áreas de Educação e Formação, de modo a identificarem as áreas em que ofereceram ou oferecem formação. No final Guardar dados de Acreditação.

7

DADOS DE CARACTERIZAÇÃO (IV)

Instalações e Equipamentos
Instalações destinadas ao Centro Novas Oportunidades

As instalações indicadas devem respeitar as diferentes etapas / dimensões de intervenção do trabalho de um Centro Novas Oportunidades. No final Guardar Instalações.
Equipamentos afectos ao Centro Novas Oportunidades

Indicar o n.º de equipamentos que a entidade irá afectar ao funcionamento do Centro Novas Oportunidades. No final Guardar Equipamentos.

8

DADOS DE CARACTERIZAÇÃO (V)

Espaços e equipamentos afectos à operacionalização do RVCC Profissional

A entidade deverá dispor de espaços e equipamentos, adequados à operacionalização do RVCC Profissional, que reproduzam o contexto normal de trabalho das saídas profissionais escolhidas. Neste campo a entidade deverá identificar os espaços e equipamentos de que dispõe, por saída profissional, fazendo a distinção entre aqueles que são próprios e os que são disponibilizados no âmbito de parcerias estabelecidas com outras instituições da região. Neste último caso, deverá especificar-se a designação dos parceiros. De sublinhar que, no âmbito do POPH, os custos associados à utilização de espaços e equipamentos não são considerados elegíveis. No final clicar em Guardar para cada uma das saídas profissionais.
Nota: Para remover ou adicionar saídas profissionais, consulte as instruções que constam da pág. 11
9

DADOS DE CARACTERIZAÇÃO (VI)

Organização do Centro Novas Oportunidades
Horário de funcionamento

Nota: N.º médio de horas/semana

O horário definido deverá ser adequado às características do público-alvo, tendo presente os indicadores de referência para a qualidade dos Centros Novas Oportunidades. No final Guardar Horário de Funcionamento.

10

DADOS DE CARACTERIZAÇÃO (VII)
Campo de preenchimento apenas para Centros que se candidatam a RVCC Profissional

RVCC Profissional
Saídas Profissionais

Caso pretenda intervir no âmbito do RVCC Profissional, deverão ser identificadas as saídas profissionais a desenvolver (cf. anexo 2 das orientações técnicas). Para consultar e/ou seleccionar as saídas disponíveis em cada área clicar em Ver. Para ocultar esta informação, clicar em Esconder. No final clicar em Guardar RVCC Profissional.

11

EQUIPA (I)

Centros Novas Oportunidades – Equipa + Novo Elemento
O número de elementos a identificar deverá corresponder ao definido no patamar de resultados anuais a que a entidade se propõe tendo em conta o n.º de meses de actuação, por tipo de intervenção (básico, secundário, RVCC Profissional.

Por defeito, ao seleccionar novo elemento, estes serão os campos apresentados. Consoante o elemento da equipa seleccionado, assim vão surgindo outros campos para preenchimento, campos esses directamente relacionados com a função a exercer. Neste momento poderão apenas preencher os campos relativos ao Director e ao Coordenador do Centro.
12

EQUIPA (II)

Todos os elementos da equipa deverão ter atribuído um tempo de afectação (%), à excepção do Director e Coordenador.

Director
A função de Director deverá ser assumida pelo responsável máximo da entidade promotora, podendo sempre acumular a coordenação. Os Centros sediados nas Escolas deverão reger-se pelo nº 5 do Despacho n.º 7794/2007, de 27 de Abril.

Coordenador
O elemento a indicar deve cumprir o disposto na Portaria n.º 86/2007 de 12 de Janeiro. Os Centros sediados nas Escolas deverão ter em conta o n.º 7 e n.º 8 do Despacho n.º 7794/2007, de 27 de Abril.

Profissional RVC
O perfil dos Profissionais de RVC deve estar de acordo com o n.º 7, art. 11.º A da Portaria n.º 86/2007 de 12 de Janeiro.

Formador
A equipa de formadores deve obedecer ao Despacho n.º 11203/2007 de 8 de Junho. Os formadores deverão ter Certificado de Aptidão Profissional (CAP), devendo indicar o respectivo número e validade.
13

EQUIPA (III)

Técnico Superior
Os técnicos que assumirem esta função deverão ter habilitação superior na área das ciências sociais e humanas, com experiência na área de educação e formação de adultos e com conhecimento efectivo da realidade local onde está inserido o Centro.

Tutor – RVCC Profissional
O tutor deve ser detentor de habilitação académica igual ou superior ao nível de qualificação em causa , possuir o Certificado de Aptidão Pedagógica e, como factor preferencial, a formação e prática profissionais na área específica em que se realiza o reconhecimento e a validação de competências.

Avaliador RVC – RVCC Profissional
Deverá ser um técnico interno ou externo ao Centro Novas Oportunidades que obedece ao mesmo perfil definido para o tutor RVC.

14

PEI (I)

Centros Novas Oportunidades – Plano Estratégico de Intervenção O Plano Estratégico de Intervenção (PEI) tem uma duração de dois anos. No entanto, o mesmo deve ser revisto anualmente e sujeito a eventuais ajustes caso se justifique, dando sempre conhecimento de qualquer alteração à ANQ.

Objectivos, resultados esperados e âmbito de intervenção (territorial e de saídas profissionais):
Neste campo a entidade deverá fundamentar a relevância da sua intervenção enquanto Centro Novas Oportunidades, descrevendo: - a sua missão - estratégia de actuação - necessidades do território em matéria de qualificação de adultos Caso a entidade se candidate ao RVCC Profissional, deverá justificar as suas opções em termos de áreas de educação – formação/ saídas profissionais a desenvolver, com base no seu âmbito de intervenção sectorial (ex. experiência formativa), e em estudos sectoriais realizados por si ou terceiros que justifiquem a necessidade de promover as qualificações seleccionadas (ver orientações técnicas). Deverão ainda ser identificadas as dimensões de intervenção do Centro Novas Oportunidades nas quais serão desenvolvidas práticas promotoras da igualdade de género e da melhoria do acesso de públicos mais desfavorecidos e/ ou com maiores dificuldades de inserção no mercado de trabalho.
15

PEI (II)

Âmbito de Intervenção:
Neste campo deverão ser identificados os locais e os concelhos onde o Centro pretende desenvolver itinerâncias no âmbito do RVCC Escolar, assinalando o respectivo campo ( ) . As situações de itinerância fora da NUT III, na qual o Centro está sediado, assumem carácter excepcional e deverão ser devidamente fundamentadas.
Nota: Para registar as itinerâncias deverá clicar em Submeter PEI e posteriormente seleccioná-lo e Editar PEI.

Modelo de organização e gestão:
A entidade deverá apresentar o modelo de organização e gestão que pretende implementar no Centro Novas Oportunidades, tendo em conta os requisitos da Carta de Qualidade.

16

PEI (III)

Parcerias territoriais e institucionais:
Neste campo a entidade deverá explicitar a sua estratégia de dinamização local, identificando as acções realizadas, ou que pretende realizar, para mobilizar entidades empregadoras, entidades formadoras com ofertas ajustadas às necessidades de encaminhamento e outros Centros Novas Oportunidades da região promovendo uma intervenção local em rede. Deverão ser identificadas as parcerias já formalizadas (ou em vias de formalização), respectiva tipologia e responsabilidades assumidas por cada uma das entidades parceiras tendo em conta as diferentes dimensões de intervenção de um Centro Novas Oportunidades. No caso específico do RVCC profissional, indicar o âmbito sectorial dos parceiros.

17

PEI (IV)

Plano de auto-avaliação e de formação da equipa do CNO:
A entidade deverá dispor de mecanismos de avaliação periódica dos processos, resultados e impactos da actividade do Centro. De uma forma sintetizada, deverá ser apresentado o modelo de auto-avaliação que a entidade pretende implementar tendo por base os requisitos de estruturação definidos na Carta de Qualidade. Na medida que o Centro deverá dispor de uma equipa técnica preparada para assegurar com rigor e exigência o desenvolvimento de todas as dimensões inerentes ao funcionamento de um Centro Novas Oportunidades, deverá descrever neste campo, resumidamente, o modelo de formação que pretende implementar, identificando as temáticas e modalidades a desenvolver.

Sistema de Financiamento:
Deve ser seleccionado o sistema de financiamento ao qual a entidade se pretende candidatar.

18

PEI (V)

Metas Físicas – N.º adultos:
O volume anual de actividade a propor pelos Centros Novas Oportunidades está regulamentado pela medida 2.1. do POPH e concretizado no documento Orientações técnicas para candidatura dos Centros Novas Oportunidades à medida 2.1. do POPH. Embora o PEI seja elaborado para um período de dois anos, as metas físicas são anuais e devem ter em conta os patamares de resultados definidos, efectuando-se a devida proporção face ao n.º de meses de actuação do Centro e em função do tipo de intervenção (básico, secundário e RVCC profissional por saída)
Nota: Para registar as metas físicas deverá clicar em Submeter PEI e posteriormente seleccioná-lo e Editar PEI.

19

DECLARAÇÃO DE COMPROMISSO

A veracidade das informações prestadas nesta candidatura será verificada em sede de acompanhamento. Qualquer alteração relativa à equipa do Centro ou aos espaços e equipamentos afectos à operacionalização do RVCC Profissional deverá ser comunicada à ANQ. A não conformidade das práticas desenvolvidas pelo Centro com as informações prestadas nesta candidatura, pode constituir fundamento adequado e suficiente para que a ANQ, em função da gravidade dos incumprimentos, decida reduzir o âmbito de intervenção do Centro ou a sua extinção.

20