You are on page 1of 2

BLOCO DE ESQUERDA

AZAMBUJA

Moção
A situação social em Portugal derivada da crise económica, tem vindo a
agravar-se significativamente em virtude do aumento exponencial do
desemprego e da ausência de políticas de reconversão da economia
portuguesa, de que o chamado PEC é o exemplo mais flagrante.

Nos últimos dias, temos assistido por parte do governo em conjugação


com a nova liderança PSD e as forças mais anti-sociais da sociedade
portuguesa representadas pelo CDS, a um ataque brutal e insensível às
regalias sociais dos trabalhadores desempregados e dos estratos mais
pobres da população, querendo fazer passar a mensagem que o
problema da economia portuguesa não resulta das erradas políticas de
desmantelamento do aparelho produtivo e de sucessivos erros
estruturais, cometidos nos últimos 25 anos de governação do Partido
Socialista e do PSD/CDS, mas sim de eventuais e pontuais abusos nas
prestações sociais para as quais os trabalhadores descontaram, na
esmagadora maioria dos casos, durante muitos e muitos anos.

A insensibilidade social chega ao extremo em que no mesmo dia em que


significativos cortes (que poderão chegar aos 20 a 25%) no subsídio de
desemprego eram anunciados, o governo assinava com a empresa
MOTA-ENGIL liderada pelo ex-ministro socialista Jorge Coelho, um
contrato de construção de uma nova auto-estrada Lisboa/Porto
perfeitamente desnecessária na actual conjuntura, no valor de 1500
milhões de euros, esquecendo também os benefícios que usufruem as
empresas financeiras em termos de IRC, em resultado de engenharias
fiscais muitas vezes fraudulentas e sem regulação, bem como todo o
acentuar das disparidades na repartição da riqueza, que fazem de
Portugal um dos países na Europa em que o fosso da desigualdade social
mais tem aumentado.

Toda esta situação terá também reflexos no concelho de Azambuja, onde


o desemprego têm aumentado de forma gradual e sistemática com o
consequente aumento das bolsas de pobreza real, com consequências a
todos os níveis inclusive no agravamento da crise do pequeno comércio
(já latente e a assumir contornos dramáticos) resultante do abaixamento
do poder de compra, o que agravará ainda mais a situação social e do
emprego.

Assim a Assembleia Municipal de Azambuja reunida em 29 de Abril de


2010, delibera o seguinte:

1. Condenar este ataque às prestações sociais dos estratos da


população mais pobres e dos trabalhadores em geral;
BLOCO DE ESQUERDA
AZAMBUJA

2. Recomendar à Câmara Municipal a elaboração de um Plano de


Desenvolvimento Económico Social do concelho, com incidência
nos próximos três anos;
3. Recomendar à Câmara Municipal a renegociação com o governo
das denominadas contrapartidas do aeroporto de Ota,
assentando em quatro eixos fundamentais: Educação e
Formação (preparação do concelho para o aumento da
escolaridade obrigatória até ao 12.º ano, e criação de uma
Escola de formação Profissional); Desenvolvimento
Económico (criação de um Fundo de Apoio de Emergência à
economia local, com incidência no saneamento das micro,
pequenas e médias empresas do concelho, apoio a implantação
de novas empresas que respondessem aos critérios do Plano de
Desenvolvimento Económico Social referido no ponto 2., bem
como à criação de emprego que responda ao perfil dos
desempregados do concelho. Este Fundo seria gerido pelo
IAPMEI, Caixa de Crédito Agrícola, Câmara Municipal, ACISMA, e
outras organizações ligadas ao tecido económico e ao emprego
do concelho de Azambuja); Desenvolvimento Social (Fundo de
Apoio de Emergência para o combate à pobreza e desigualdade
social que permitisse acorrer às situações mais dramáticas
identificadas pelo Conselho Local de Acção Social);
Recuperação e Regeneração Urbana (Fundo que permitisse
a recuperação imediata dos prédios e das bolsas urbanísticas
mais degradadas do nosso concelho, contribuindo desta forma
também para a criação de emprego);
4. Criação de uma Comissão da Assembleia Municipal com
representação de todos os partidos políticos para
acompanhamento da execução destas medidas.

Azambuja, 29 de Abril de 2010

(Daniel Claro)

(Membro da Assembleia Municipal)