Promoção e Educação para a Saúde

Heitor e Andrómaca (Giorgio De Chirico, 1918)

Guarda, 28 de Maio de 2008

Trabalho realizado por: Ana Margarida Cariano Gabriela Cunha

Os jovens "são apaixonados, irascíveis, e capazes de ser levados pelos impulsos, sobretudo os impulsos sexuais... em relação aos quais não exercem nenhum autocontrolo. Além disso são volúveis e instáveis nos seus desejos, os quais são tão transitórios quanto veementes..."
Aristóteles

Introdução Organização Mundial de Saúde considera que: ”A sexualidade é uma energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura e intimidade; que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos e somos tocados; é ser-se sensual e ao mesmo tempo sexual; ela influencia pensamentos, sentimentos, acções e interacções e, por isso, influencia também a nossa saúde física e mental.” A definição transcrita manifesta a complexidade do tema: a sexualidade humana envolve componentes morfológicas, fisiológicas, emocionais, afectivas e culturais. Considerada, até há relativamente pouco tempo, assunto do foro íntimo e em muitas situações como tabu, passou a ser encarada como um aspecto fundamental da formação integral do ser humano. Na sociedade actual, tudo acontece com extrema rapidez e onde são visíveis a dificuldade de expressar os afectos, os sentimentos e de interagir com os outros perspectivando uma visão virtual da vida e consequentemente um aumento dos comportamentos de risco. Tudo isto apresenta maior ênfase na adolescência, fase onde surgem transformações profundas – ao nível do corpo, da mente, das relações interpessoais e de muitos outros aspectos da vida. Também é nessa fase que surgem muitas dúvidas, preocupações e problemas, havendo uma grande necessidade de esclarecer e clarificar devidamente todas as questões respeitantes ao desenvolvimento nas suas vertentes bio-psico-sociais, sem esquecer a família, as questões sexuais e as afectivas. Assim, é fundamental que os alunos possam reflectir, expressar e partilhar as suas opiniões e sentimentos, aumentar a sua autoestima e desenvolver a capacidade de decisão de modo a tomarem
Projecto de Promoção e Educação para a Saúde Página 2

atitudes conscientes e responsáveis. Apesar de ser inquestionável a importância da família na Educação Sexual das crianças e dos jovens não é menos inquestionável que ao longo da vida estas se integram em contextos diferenciados, correspondendo cada um desses contextos a vivências também diferentes com canais de comunicação próprios. Por este motivo, são múltiplos os agentes intervenientes na aprendizagem dos temas relacionados com a sexualidade. É neste contexto que a escola se situa, podendo ser um agente privilegiado na educação para a sexualidade e para os afectos, cabendo-lhe ensinar, educando de forma a favorecer o desenvolvimento global dos alunos, fomentando atitudes e valores e incentivando a formação de cidadãos livres, responsáveis, autónomos e respeitadores. Este é um tema que naturalmente desperta muito interesse. Os jovens estão ansioso por informação sobre questões práticas, dadas de um modo preciso, directo e sensato. Agora, coloca-se a questão de quem deverá esclarecer ou dar resposta a todas estas dúvidas. Rapidamente chegamos à conclusão de que esta não é uma tarefa que respeite apenas a uma pessoa, quer sejam, pais, professores, educadores, médicos ou psicólogos, ou a uma entidade, quer seja a Família, a Escola, o Centro de Saúde ou qualquer outra Associação, mas que este é o dever de todos nós. É mais do que evidente que a escola, devido à sua posição privilegiada, deve envidar todos os esforços para promover uma sexualidade saudável nos adolescentes. Neste sentido, urge criar condições que permitam que a informação chegue a todos, crianças e adolescentes, de um modo claro, consistente e sistemático. Na elaboração de um projecto específico importa atender à contextualização da escola nas suas diferentes componentes. Assim a escola onde o projecto irá ser desenvolvido, localiza-se na Beira Alta, distrito da Guarda, Concelho de Pinhel, na extremidade Oeste da cidade de Pinhel. O concelho de Pinhel, onde a nossa escola se integra, é uma região extremamente carenciada, em termos sociais, económicos e

Projecto de Promoção e Educação para a Saúde

Página 3

culturais. Assume-se como um concelho predominantemente rural, principalmente a cultura da vinha e da oliveira. O sector secundário está representado com indústrias de extracção de granito. No sector terciário existe algum comércio e algumas empresas de pequena dimensão, ao nível da prestação de serviços. Do ponto de vista económico, a região apresenta uma estrutura de subsistência e familiar. Na cidade de Pinhel, a actividade principal está ligada ao sector terciário – prestação de serviços. Em termos demográficos, estamos perante uma população bastante envelhecida e com uma grande desertificação das aldeias. Relativamente à Escola, a sua comunidade escolar é constituída por alunos, pessoal docente e não docente. Quanto aos alunos eles são 471, distribuídos pelos seguintes anos: 80 alunos no 7º ano, 58 no 8º ano, 53 no 9º ano, perfazendo um total de 91 alunos no terceiro ciclo, no percurso regular; temos depois, ainda no terceiro ciclo, mas a frequentar percursos alternativos, três turmas de CEF – Curso de Assistente Administrativo, de Empregado de Mesa e de Operadores de Sistemas Informáticos, um total de 50 alunos. No Ensino Secundário temos 201 alunos a frequentar Cursos Científico-Humanísticos: Curso de Ciências e Tecnologias, Curso de Línguas e Humanidades e Artes Visuais; Existe um Curso Tecnológico de Informática com 7 alunos e um profissional de secretariado com 22 alunos. No total temos 230 aluno no Ensino Secundário. No que concerne ao quadro docente temos 46 Professores de Quadro de Escola, 21 Professores Contratados e 7 Professores de Quadro de Zona Pedagógica. O pessoal não docente é constituído por uma Técnica Superior – Psicóloga, por 6 Administrativos, 5 Cozinheiras, uma técnica de SASE e 26 Auxiliares de Acção Educativa e Guarda Nocturnos. Visando contribuir para uma vivência mais informada, mais gratificante e mais autónoma e consequentemente mais responsável
Projecto de Promoção e Educação para a Saúde Página 4

da Sexualidade e promover uma maior articulação Escola-Família no âmbito da Sexualidade e da afectividade, as diversas actividades a desenvolver incidirão preferencialmente, não descurando o contexto sócio-económico e cultural e necessidades individuais, sobre as seguintes áreas: - Corpo em crescimento; - Expressões da sexualidade; - Relações Interpessoais - Saúde sexual e reprodutiva.

Destinatários Os destinatários deste projecto são os alunos do sétimo, oitavo e nono anos de escolaridade. Constituem também destinatários directos do projecto os pais e encarregados de educação dos alunos e o corpo de profissionais docentes e não docentes da escola. Objectivos Gerais / Objectivos específicos Todos vivemos a sexualidade desde que nascemos e durante toda a vida, mas cada um de forma diferente. Com sensações, emoções, sentimentos, decisões e ritmos diferentes. Assim, é necessário dar especial atenção ao seu quotidiano e, nomeadamente, às famílias e comunidades em que se integram. Para que se possa adaptar conteúdos, mensagens e reflexões, de uma forma que promova uma sexualidade gratificante. Uma sexualidade vivida de forma informada e responsável, em que a informação, a reflexão e a capacidade de decisão cheguem, efectivamente, antes dos acontecimentos. Neste contexto este projecto desenvolver-se-á no sentido de atingir os objectivos que a seguir se indicam: CORPO EM CRESCIMENTO
Projecto de Promoção e Educação para a Saúde Página 5

 Compreender a fisiologia da reprodução e da resposta sexual humana  Conhecer a morfologia e a fisiologia do sistema reprodutor humano;  Conhecer o ciclo menstrual (ovárico e uterino);  Conhecer os ciclos de resposta sexual feminino e masculino;  Conhecer a evolução do embrião e as diversas fases de uma gravidez;  Compreender a puberdade e a adolescência  Conhecer as transformações físicas que ocorrem durante a puberdade;  Conhecer as transformações psicológicas que ocorrem durante a puberdade;  Aceitar as mudanças fisiológicas e emocionais; EXPRESSÕES DA SEXUALIDADE  Compreender o conceito de sexualidade  Aceitar a sexualidade como uma dimensão fundamental que mediatiza todo o nosso ser;  Reconhecer que a sexualidade muda com a idade;  Descrever as diferentes possibilidades ou fins da sexualidade, afecto, reprodução, prazer e comunicação;  Compreender que existem diferentes Orientações Sexuais  Conhecer as diversas orientações do desejo;  Aceitar os diferentes comportamentos e orientações sexuais;  Conhecer os possíveis significados e usos da masturbação; RELAÇÕES INTERPESSOAIS  Compreender a relação com a família  Reconhecer a importância pessoal da família, como núcleo que satisfaz necessidades afectivas básicas;  Estabelecer relações de confiança e diálogo entre pais e filhos;
Projecto de Promoção e Educação para a Saúde Página 6

 Compreender a relação entre os pares  Reconhecer o significado e a importância da comunicação;  Analisar as dificuldades nas relações rapaz e rapariga; SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA  Compreender a importância da contracepção  Conhecer os diferentes métodos contraceptivos;  Conhecer as vantagens e desvantagens dos diferentes Conhecer a forma de uso dos diferentes métodos contraceptivos;  contraceptivos;  Conhecer o conceito de Planeamento Familiar;  Reconhecer que o uso de métodos contraceptivos é da responsabilidade do casal;  Compreender a importância da prevenção das IST’s  Descrever as principais IST’s;  Conhecer as principais regras de prevenção das IST’s; Actividades Para concretizar os objectivos a que nos propomos neste projecto iremos recorrer a diferentes estratégias e actividades consentâneas:

 Promover, junto do pessoal docente em especial dos directores
de turma do 3º ciclo, acções de formação dinamizadas pela APF e por técnicos de saúde, com vista a aquisição de competências que lhes permita trabalhar adequadamente a temática junto dos seus alunos.

 Cj – online – consulta médica online, realizada em parceria
com o Centro de Saúde de Pinhel. Os alunos, de forma anónima podem colocar, online, as questões que pretenderem ver clarificadas. Podem também aceder ao correio electrónico e colocar todas as dúvidas, de modo a que estas possam ser esclarecidas.

 Sessões de esclarecimento, previamente calendarizadas, a
decorrer em aulas de formação cívica, dinamizadas pelos professores
Projecto de Promoção e Educação para a Saúde Página 7

de Ciências Naturais visando relacionar a fisiologia da reprodução humana com a sexualidade adquirindo noções e conceitos apropriados e correctos sobre genitalidade e função reprodutora.

 Visualização de filmes – documentários, com posterior debate,
onde se abordam as alterações físicas e psicológicas que ocorrem durante a puberdade e a adolescência.

 Na disciplina de área projecto dramatização de uma pequena
peça em que o mote central é os anseios e dúvidas característicos da puberdade e da adolescência.

 Na disciplina de formação cívica, a psicóloga recorrendo à
técnica de “Brainstorming” irá esclarecer o conceito de sexualidade nas suas diferentes dimensões.

 Com o objectivo de fomentar a tolerância e compreensão das
diferentes orientações sexuais recorrer-se-á a técnicas de dinâmica de grupos nomeadamente ao “Jogo dos preconceitos” e ao “Concordo ou discordo” dinamizadas pelos professores de Formação Cívica.

 Elaboração de um questionário a preencher pelos pais e
encarregados de educação com a finalidade de aferir das dificuldades por eles sentidas na abordagem da temática sexualidade, com a finalidade de posteriormente ser organizada uma sessão de esclarecimento.

 Distribuição de uma história, como por exemplo a da “Cinderela
da zona J”, sugerindo o seu posterior debate, em casa, com vista a promover a interacção entre filhos e pais fomentando laços de confiança, de entre ajuda e de diálogo.

 Para promover um relacionamento positivo entre pares,
procurar-se-á, nas aulas de Formação Cívica, que sejam dinamizadas sessões em grupos, como um meio eficaz de promover a

Projecto de Promoção e Educação para a Saúde

Página 8

assertividade, o diálogo saudável e a resolução de conflitos entre os jovens. Para tal podem utilizar-se o Jogo dos Preconceitos, Role Play ou o jogo do “Concordo ou Discordo”, entre outros.

 Sessões de esclarecimento, previamente calendarizadas, a
decorrer em aulas de formação cívica, dinamizadas por técnicos de saúde, onde se pretendem incutir noções e conceitos apropriados e correctos sobre contracepção e prevenção das IST’s.

 Na disciplina de área projecto promover a realização de um
jornal de parede, onde todos os meses sejam abordados ou uma IST ou um método contraceptivo Recursos Físicos:  Sala de audiovisuais  Gabinete 4ME (gabinete de atendimento a jovens)  Computador  Projector  Material didáctico disponível no gabinete (vídeos, livros, DVD’s, etc.) Humanos:  SPO  Professores da escola  Técnicos do Centro de Saúde  Técnicos de outras Associações e Institutos relacionados com as temáticas da Promoção da Saúde (ex.: APF, Abraço, etc.) Equipa responsável O Coordenador do PES, a Psicóloga e o Coordenador do terceiro ciclo constituirão a equipa responsável pela articulação com os diferentes departamentos e dinamização das diversas actividades que constituem este projecto.

Projecto de Promoção e Educação para a Saúde

Página 9

Parcerias A escola irá estabelecer parcerias e protocolos com o Centro de Saúde de Pinhel, com a Câmara Municipal de Pinhel e Associação de Pais/Encarregados de Educação. Duração do projecto Este projecto, que integrará o projecto do PES da escola, será desenvolvido ao longo de três anos lectivos visando uma comparsaria contínua e articulada com os alunos do 3º ciclo. Avaliação do pr ojecto

 Critérios gerais de avaliação:  Verificar se os objectivos do projecto foram válidos em relação aos problemas a resolver e aos interesses dos actores envolvidos;  Diagnosticar os efeitos das decisões tomadas e em que medida os resultados obtidos correspondem aos objectivos fixados;  Analisar a relação entre os resultados constatados e os meios mobilizados para os atingir;  Apreciar em que medida as decisões foram tomadas em tempo útil, obtendo o máximo de efeitos desejados.  Momentos da avaliação:  Contínua;  Trimestral;  Final.  Instrumentos de avaliação:  Reuniões formais e informais com os colaboradores do projecto;  Questionários preenchidos pelos participantes nas diferentes acções;  Materiais produzidos;  Relatório anual;
Projecto de Promoção e Educação para a Saúde Página 10

 Indicadores de avaliação:  Quantidade de materiais produzidos;  Qualidade dos materiais produzidos;  Consecução dos objectivos;  Grau de satisfação dos intervenientes;  Nº de participantes na acção. Bibliografia Marques, A. M.; Prazeres, V. (2000).Educação Sexual em Meio Escolar – Linhas Orientadoras. 1ª Edição. Lisboa. Ministério da Educação. Monteiro, M.; Santos, M. (1998). Psicologia. Porto. Porto Editora. pp 189-201 Pereira, M.M.; Freitas, F. (2001). Educação Sexual – Contextos de sexualidade e adolescência. Porto. Edições ASA. Rodrigues, J. (2006). Os Jovens e a Sexualidade. Coimbra. CAJ.

Projecto de Promoção e Educação para a Saúde

Página 11

Projecto de Promoção e Educação para a Saúde

Página 12

Apêndice Projecto de Educação para a Saúde
c/3º CEB de Pinhel Escola Secundária

Conteúdos

Objectivos
Promover a formação dos recursos humanos Facilitar o contacto entre a comunidade escolar e o Centro de Saúde

Actividades
 Promover, junto do pessoal docente em especial dos directores de turma do 3º ciclo, acções de formação dinamizadas pela APF e por técnicos de saúde, com vista a aquisição de competências que lhes permita trabalhar adequadamente a temática junto dos seus alunos.  Cj – online – consulta médica online, realizada em parceria com o Centro de Saúde de Pinhel. Os alunos, de forma anónima podem colocar, online, as questões que pretenderem ver clarificadas. Podem também aceder ao correio electrónico e colocar todas as dúvidas, de modo a que estas possam ser esclarecidas.  Sessões de esclarecimento, previamente calendarizadas, a decorrer em aulas de formação cívica, dinamizadas pelos professores de Ciências Naturais visando relacionar a fisiologia da reprodução humana com a sexualidade adquirindo noções e conceitos apropriados e correctos sobre genitalidade e função reprodutora.  Visualização de filmes – documentários, com posterior debate, onde se abordam as alterações físicas e psicológicas que ocorrem durante a puberdade e a adolescência.  Na disciplina de área projecto dramatização de uma pequena peça em que o mote central é os anseios e dúvidas característicos da puberdade e da adolescência.  Na disciplina de formação cívica, a psicóloga recorrendo à técnica de “Brainstorming” irá esclarecer o conceito de sexualidade nas suas diferentes dimensões.

População alvo

Indicadores de Avaliação
Consecução dos objectivos; Grau de satisfação dos intervenientes; Nº de participantes na acção.

CORPO EM CRESCIMENTO

Docentes Comunidad e Escolar

Compreender a fisiologia da reprodução e da resposta sexual humana  Conhecer a morfologia e a fisiologia do sistema reprodutor humano;  Conhecer o ciclo menstrual (ovárico e uterino);  Conhecer os ciclos de resposta sexual feminino e masculino;  Conhecer a evolução do embrião e as diversas fases de uma gravidez; Compreender a puberdade e a adolescência  Conhecer as transformações físicas que ocorrem durante a puberdade;  Conhecer as transformações psicológicas que ocorrem durante a puberdade;  Aceitar as mudanças fisiológicas e emocionais;

EXPRESSÕES DA SEXUALIDADE

Compreender o conceito de sexualidade  Aceitar a sexualidade como uma dimensão fundamental que mediatiza todo o nosso ser;  Reconhecer que a sexualidade muda com a idade;  Descrever as diferentes possibilidades ou fins da sexualidade, afecto, reprodução, prazer e comunicação; Compreender que existem diferentes Orientações Sexuais  Conhecer as diversas orientações do desejo;  Aceitar os diferentes comportamentos e orientações sexuais;  Conhecer os possíveis significados e usos da masturbação;

Alunos do 3º Ciclo

Quantidade de materiais produzidos; Qualidade dos materiais produzidos; Consecução dos objectivos; Grau de satisfação dos intervenientes; Nº de participantes na acção.

 Com o objectivo de fomentar a tolerância e compreensão das diferentes orientações sexuais recorrer-se-á a técnicas de dinâmica de grupos nomeadamente ao “Jogo dos preconceitos” e ao “Concordo ou discordo” dinamizadas pelos professores de Formação Cívica.

Quantidade de materiais produzidos; Qualidade dos materiais produzidos; Consecução dos objectivos; Grau de satisfação dos intervenientes; Nº de participantes na acção.

PESSOAIS

Projecto de Promoção e Educação para a Saúde Compreender a relação com a família
 Reconhecer a importância pessoal da família, como núcleo que satisfaz necessidades afectivas básicas;  Estabelecer relações de confiança e diálogo entre

 Elaboração de um questionário a preencher pelos pais e encarregados de educação com a finalidade de Página 14 aferir das dificuldades por eles sentidas na abordagem da temática sexualidade, com a finalidade de posteriormente ser organizada uma sessão de esclarecimento.  Distribuição de uma história, como por exemplo a

Quantidade de materiais produzidos; Qualidade dos materiais produzidos;

Projecto de Promoção e Educação para a Saúde

Página 15