You are on page 1of 5

DISPOSITIVO LUMINOSO COM COLUNAS GIRATÓRIAS DE DIODOS EMISSORES DE LUZ

Eleandro R. Gaioski , Gibran S. Lehmkuhl, Rafael K. Costa

Universidade Federal do Paraná - UFPR Centro Politécnico, Departamento de Engenharia Elétrica, Jardim das Américas CEP 81531-990 – Curitiba/PR gaioski@eng.eletrica.ufpr.br, gibran@eng.eletrica.ufpr.br, rafael@eng.eletrica.ufpr.br

Resumo.

No

artigo

que

se

segue

será

o desenvolvimento de um projeto como esse

apresentado o princípio de funcionamento de um dispositivo luminoso com colunas

apresenta dentro da área da Engenharia Elétrica. Ressalta-se ainda o caráter inter-

giratórias

de

diodos

emissores

de

luz,

disciplinar do projeto, haja visto que o

desenvolvido no Laboratório de Automação

mesmo requer conhecimentos de mecânica e

e

Robótica

da

UFPR.

Uma abordagem

física, além de eletrônica, para sua

técnica quanto

ao

princípio de

implementação.

funcionamento será realizada, bem como

uma

análise

da

questão

de

viabilidade

comercial em relação a custos e

concorrência

com

dispositivos

similares.

Serão

abordados,

ainda,

os

aspectos

construtivos do protótipo desenvolvido e a

implementação

de

futuras

melhorias

no

mesmo.

Palavras-chave: Dispositivo luminoso, Leds, Painel eletrônico

1. INTRODUÇÃO

O

objetivo

inicial

do

projeto

foi

desenvolver um aparelho de comunicação visual inovador com aplicação tanto no aspecto de utilidade pública quanto na venda de espaço comercial. Assim sendo, o Dispositivo Luminoso com Colunas giratórias de leds apresenta-se como um equipamento capaz de gerar imagens ou textos que podem ser visualizadas em um ângulo de 360º. As principais motivações para tal projeto devem-se aos fatos de que não foram localizados no mercado equipamentos semelhantes ao dispositivo em questão e também em função do desafio que

  • 2. DESCRIÇÃO TÉCNICA

    • 2.1 A interação do aparelho com o ser

humano

O dispositivo luminoso com colunas giratórias de diodos emissores de luz, proposto neste projeto, tem como princípio básico o fato de que a retina do olho humano possui uma capacidade limitada de percepção, principalmente no que diz respeito a rápidas modificações no estado das imagens por ele captadas. Um exemplo prático de tal conceito é o funcionamento da lâmpada fluorescente: a emissão de luz neste tipo de lâmpada é feita por descargas elétricas no interior da mesma, de modo que se uma lâmpada fluorescente for alimentada por um reator convencional conectado à rede elétrica de 60 Hz, ocorrerão 120 descargas na lâmpada em cada segundo, correspondente a cada um dos semi-ciclos da oscilação senoidal da alimentação. Ou seja, uma lâmpada fluorescente alimentada pela rede elétrica de 60 Hz, acende a apaga 120 vezes dentro do período de 1 segundo. Como o ritmo dessa oscilação é muito rápido, tal ocorrência luminosa não é percebida e

vemos a lâmpada como se estivesse emitindo luz continuamente. Outro exemplo no mesmo campo são os desenhos animados e o cinema, onde o filme é originalmente constituído de diversas imagens estáticas, as quais sendo apresentadas em seqüência a uma determinada freqüência, passam ao espectador a impressão de continuidade e movimento. Os primeiros experimentos com imagens móveis mostraram que, quando uma seqüência de fotos era apresentada numa velocidade igual ou acima de 16 fotos por segundo, estas se fundiam, dando a impressão de ser uma única imagem contínua e ininterrupta. Descobriu-se também que, se as fotos individuais variassem ligeiramente para refletir a passagem do tempo, a ilusão de movimento era criada quando estas fotos eram apresentadas em uma seqüência ininterrupta. A ilusão de movimento do cinema se deve aos efeitos combinados de duas propriedades da percepção humana - a persistência retiniana, que consiste na permanência de uma imagem na retina por aproximadamente 1/10 de segundo e o fenômeno Phi, que diz que se dois estímulos são expostos aos olhos em diferentes posições, um após o outro e com pequenos intervalos de tempo, os observadores percebem um único estímulo que se move da posição primeira à segunda. No caso do projeto em pauta, estes efeitos possibilitam a proposta e construção de um dispositivo eletrônico para sinalização e apresentação de mensagens, conforme descrito a seguir.

  • 2.2 Aspectos físicos do equipamento

O

dispositivo proposto dispõe de

colunas de diodos emissores de luz (LEDs) alinhados verticalmente (um sobre o outro), sendo o acendimento de tais LEDs controlados de forma independente. Um braço metálico conecta as colunas de leds ao eixo de um motor, que impõem um movimento de translação a essa coluna, gerando uma trajetória circular no plano horizontal, a uma determinada distância do

eixo, conforme demonstram as Figs. 1 e 2. A reincidência da luminosidade de um LED no mesmo ponto, em uma determinada freqüência, gera o efeito visual de um ponto fixo. Em vista da possibilidade de controlar o estado luminoso de qualquer um dos LEDs em toda sua órbita, imagens podem ser geradas a partir desses pontos individuais.

vemos a lâmpada como se estivesse emitindo luz continuamente. Outro exemplo no mesmo campo são os

Figura 1

vemos a lâmpada como se estivesse emitindo luz continuamente. Outro exemplo no mesmo campo são os

Figura 2

Para a formação das imagens, o dispositivo usa a mesma técnica já usada em

outros equipamentos, como por exemplo, na

televisão e nos monitores de computador. O cinescópio da TV e dos monitores é formado por uma tela dividida em linhas e colunas, formando uma matriz de pontos. Um feixe de elétrons incide sobre a tela, a qual é revestida internamente com substâncias eletro-luminiscentes. Quando um determinado ponto da tela recebe o feixe de

elétrons, ocorre a emissão de luz

Através

.. de um circuito magnético, o feixe de elétrons movimenta-se sobre a matriz de pontos, fazendo com que exista e emissão de luz em

um ponto individual de cada vez, num processo chamado de varredura. Como esta varredura é realizada em uma freqüência bastante alta, o acendimento individual dos pontos torna-se imperceptível aos olhos de uma pessoa, possibilitando o aparecimento de imagens íntegras e continuas. O dispositivo luminoso com colunas giratórias de LEDs utiliza-se do conceito de varredura, porém esta se dá de maneira mecânica, de forma que o deslocamento dos leds se comporta como se fosse o feixe de elétrons na televisão. No entanto, a varredura no dispositivo somente se realiza nas linhas horizontais pelo fato de cada linha possuir seu LED de varredura.

  • 2.3 Circuitos eletrônicos envolvidos na

montagem

O

controle

do

funcionamento

do

aparelho é feito através de um microcontrolador de 8 bits que pode se

comunicar serialmente com um microcomputador e receber interrupções externas. Além disso, tal microcontrolador disponibiliza total capacidade de controle do sistema, desde a geração dos caracteres até o sensoriamento da posição dos LEDs.

O

sistema de geração dos caracteres

baseia-se na divisão da circunferência em um determinado número “n” de partes, as quais serão denominadas passos. Para determinar o número de passos (n) faz-se necessária uma análise do tamanho do LED (diâmetro) utilizado (T L ) bem como da distância entre o LED e o eixo (D). Assim:

2.π . D

n

=

T L
T
L

Cada

passo

do

(1)

sistema

será

então

definido como uma posição fixa e a cada

rotação do conjunto a combinação de LEDs acesos e apagados será a mesma para cada passo. O motor usado deve ser acoplado a um sistema de realimentação que identifica o posicionamento das colunas de leds.

O

microcontrolador só altera a

combinação de LEDs acesos e apagados após receber um sinal do sistema de

realimentação avisando que houve uma mudança de um passo para o passo seguinte. Tal aspecto possibilita o funcionamento do dispositivo independentemente da velocidade de giro do motor, ou seja, é possível verificar a geração de imagens no dispositivo mesmo variando-se a velocidade de giro do motor. Os fluxogramas das figuras 3 e 4 representam o funcionamento do microcontrolador.

um ponto individual de cada vez, num processo chamado de varredura. Como esta varredura é realizada

Fig. 3 - Recepção do sinal do Encoder (realimentação)

um ponto individual de cada vez, num processo chamado de varredura. Como esta varredura é realizada

Fig. 4 - Recebimento do sinal serial

Sabendo-se da dificuldade de transmitir dados para um elemento girante através de cabos, optou-se pela comunicação de dados através de infravermelho. Tal sistema foi implementado utilizando-se um conjunto de diodos fotossensíveis colocados na base girante alinhados a diodos emissores

de infravermelho acoplados a base estática. É importante frisar que o processamento é totalmente efetuado na base girante do aparelho. Tal aspecto deve-se ao fato de que caso o processamento fosse efetuado fora da base girante seria necessário transmitir individualmente o estado de cada LED (aceso/apagado) o que tornaria a execução extremamente complicada do ponto de vista mecânico.

  • 2.4 Função e concorrência no mercado

Efetuaram-se buscas em páginas na Internet e também junto a comerciantes e não se identificou no mercado produto semelhante ao em questão. Dentro desse aspecto cabe ressaltar que o dispositivo luminoso com colunas giratórias de LEDs tem aplicações similares à de painéis eletrônicos, porém apresenta vantagens relacionadas à área disponível para visualização das mensagens com a melhor relação custo/benefício devido ao pequeno número de componentes empregados. O mercado para tal equipamento engloba as áreas de propagandas ou informações eletrônicas. O público alvo será todo aquele cliente que necessita expor notícias, propagandas, mensagens e informações em geral. Uma análise superficial indica como potenciais compradores bancos, lojas, repartições públicas, aeroportos, rodoviárias, lanchonetes e shopping centers. É importante frisar que foi efetuado um contato junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) e que a patente do produto já foi requerida.

  • 2.5 Futuras implementações e

melhorias

A

título

de

futuras

protótipo, pode-se citar:

melhorias

no

* Implementação de colunas de LEDs opostas, proporcionando um significativo aumento da potência luminosa; * Redução da velocidade de giro, de forma a facilitar o balanceamento do sistema;

* Estudo aerodinâmico da barra metálica devido ao fato de que a rotação do sistema

se

em velocidades tangenciais de até

130 km/h. Assim sendo haverá uma diminuição da produção de ruído sonoro,

maior facilidade para estabelecer equilíbrio do sistema e por conseqüência mais segurança no funcionamento do equipamento; *

Implementação de LEDs coloridos de

forma

a

produzir

mensagens coloridas e

também aumentar a potência luminosa do aparelho. * Criação de software para edição de mensagens facilitando assim a operação pelo usuário leigo.

2.6 Autorizações/Reconhecimento

A realização de tal projeto não se daria caso não houvesse o apoio incondicional do IEL-PR (Instituto Euvaldo Lodi) através do fornecimento de bolsas para os estagiários do projeto.

  • 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O projeto do dispositivo luminoso com colunas giratórias de diodos emissores de luz tem hoje seu desenvolvimento calcado na busca por melhorias em seu funcionamento sem, entretanto, afetar sua concepção original. Como existe o interesse de torná-lo efetivamente um produto comercial, urge adicionar ao protótipo toda e qualquer novidade tecnológica que possa vir a torná-lo um produto de vanguarda. O dispositivo luminoso com colunas giratórias

de leds demonstra ser uma excelente alternativa didática, pois requer avançado conhecimento técnico e proporciona uma visão da condição do mercado através das possibilidades que proporciona, fato pouco requisitado do engenheiro quando de sua formação, porém essencial no mercado de trabalho moderno.

Agradecimentos

Agradecemos ao professor Dr. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl, coordenador do

Laboratório de Automação e Robótica e fiel

incentivador

do

projeto,

sempre

nos

auxiliando em tudo que é possível.

Agradecemos

também

ao

professor Cyro

Ketzer Saul do departamento de Física da

UFPR, consultor e grande impulsionador do projeto.

4. REFERÊNCIAS

[1] Katsuhiko Ogata, Modern Control Engineering, Prentice Hall; 4ª edição, 2001