You are on page 1of 5

TRABALHO DE CONCLUSÃO DA DISCIPLINA “TÓPICOS ESPECIAIS

EM HISTÓRIA ANTIGA I”

Processo de Tombamento de Patrimônio
Histórico na cidade de Corumbá-MS

Trabalho

apresentado

como

requisito parcial para conclusão
da

disciplina

de

Tópicos

Especiais de História Antiga I,
Curso de História, Campus do
Pantanal, UFMS.

Profª.

Dr.ª

Nathalia

Monseff.
Acadêmicos:
Rodrigues,

Bruno
Lídia

Kellen,

Matheus Martins e Nathalia
Claro.

UFMS-CPAN
3

castelos. 10). A proteção ao patrimônio aconteceu da mesma forma no Brasil durante o primeiro mandato do presidente Getúlio Vargas. as políticas públicas de patrimônio foram criadas por Getúlio Vargas com a intenção de construir uma identidade nacional. e a criação de museus para preservar as obras de artes.2016 Introdução: Este artigo é um trabalho de conclusão da disciplina de Tópicos Especiais de História Antiga I do curso de História. uma memória coletiva a partir de determinados momentos da história. pois. igrejas e tudo aquilo que estava ligado às elites foram preservados. mas também pela sua importância histórica. Como explicam Funari e Pelegrini (2009. Essa exclusão da maioria da população pode explicar a falta de afeto. 2015. excluíam-se qualquer contribuição cultural ou histórica da população. há. um sentimento de alienação. O objetivo do artigo é explanar a importância do tombamento de dois prédios modernistas: a Escola Estadual João Leite de Barros e a residência da artista plástica D. FERREIRA. pai de família. 138) 4 . patrimonium. p. Portanto. “para o povo. relevante ou digna de atenção. Atualmente o órgão federal responsável por esses serviços é o IPHAN. Importante lembrar que o tombamento não é proposto apenas por questões arquitetônicas. familiar. iniciaram o tombamento* de diversos bens culturais materiais e imateriais. p. pater ou pater famílias.” (FUNARI. ainda que de modo breve. da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (Campus Pantanal) que teve como foco. A preocupação com o patrimônio já existia em Roma e em outras partes da Europa. como e porque surgiu a preocupação em preservar e conservar a cultura material e imaterial. entre os antigos romanos. as classes menos abastadas dessa construção. como as igrejas de estilo barroco em Minas Gerais e os casarões do período colonial. porém estava relacionada à propriedade privada. preservação e reconhecimento por parte da sociedade em relação aos monumentos históricos.” Os historiadores ainda colocam que esse patrimônio estava ligado a aristocracia e só com o Cristianismo o patrimônio deixou de ser algo privado para se torna coletivo. Com a criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN) dirigido por Rodrigo Melo Franco de Andrade. a tudo o que pertencia ao pai. que se referia. Como dissemos anteriormente. Basicamente. os estudos relacionados ao Patrimônio Histórico. cultura e sua relação com a população local. era preservado tudo o que remetia a influência européia. é necessário demonstrar. o patrimônio “é uma palavra de origem latina. Portanto. Izulina Xavier. As políticas patrimoniais tiveram seu inicio na Europa e foram pensadas para criar uma identidade nacional. logo. excluíam-se como na Europa. durante o semestre da disciplina. Inicialmente. entre 1930 a 1945. como se sua própria cultura não fosse de modo algum. isso se dava pelo culto das relíquias e dos santos. portanto.

Por serem dois locais que estão presentes na memória coletiva da população local são. p. isso possibilita a preocupação em preservar a cultura material e imaterial por parte da população. localizada na Rua Cuiabá.Pedro Paulo Funari e Lúcio Menezes Ferreira citam ainda três aspectos que impedem o bom funcionamento da preservação ao patrimônio histórico e cultural: Esses três perigos para a manutenção dos bens culturais. como demonstraremos a seguir. importantes para o contexto histórico da cidade. a distância que separa as preocupações corriqueiras e o ethos as políticas públicas. é indispensável discutir sobre a memória coletiva. projetada por Oscar Niemeyer e a residência da artista plástica D. por seus aspectos culturais (como a arquitetura de estilo modernista) e a afeição por parte da maioria da população a preservação desses dois monumentos é de extrema significância. e da residência da artista plástica D. a falta de conhecimento sobre a história. muitas vezes. (FUNARI. por exemplo. Como vimos. aparentemente não relacionados. a ideia de “progresso”. se enquadrando no conceito de patrimônio segundo o IPHAN: “Art. Porém. onde alguns entendem que a preservação de um casarão do século XIX. localizada na Rua Cabral. o que impede a participação da população na preservação de construções já tombadas é. 138) A partir disso. consequentemente. sugerimos o tombamento da Escola Estadual João Leite de Barros. por serem dois locais que estão presentes na memória coletiva da população local e conseqüentemente são importantes para história da cidade e. as discussões sobre o patrimônio que geralmente. 2015. não é atrativo para estabelecimentos comerciais. a ausência do tombamento de bens culturais mais próximos a população. ou seja. Izulina Xavier. onde mantiveram as fachadas de determinados casarões e isso não afetou o desenvolvimento desses locais. pois só a partir da memória que podemos estabelecer uma relação de identificação com os bens culturais. projetada por Oscar Niemeyer. ambas no centro da cidade de Corumbá. 1º Constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis e imóveis existentes no país e cuja conservação seja 5 . o divórcio entre o povo e as autoridades. FERREIRA. pois por não terem características “modernas” traz uma ideia de atraso para a cidade e para os estabelecimentos. uma identidade nacional ou regional. Apesar da valorização das produções européias e das classes mais abastadas. Portanto. não acontecem nas escolas e por fim. Objetivos: O objetivo do presente trabalho é apresentar fundamentos científicos histórico-culturais para o tombamento da Escola Estadual João Leite de Barros. não podemos negar que essas políticas foram significantes mesmo com os seus problemas. temos alguns exemplos na cidade de Corumbá-MS. outro aspecto que dificulta a preservação dos monumentos históricos que é a questão econômica. Ressaltamos aqui. um sentimento de pertencimento. as políticas patrimoniais surgiram para construir uma memória coletiva. revelam uma causa subjacente comum: a alienação da população. Izulina Xavier. Isto posto.

a história não teria sido possível se este último não tivesse deixado traços. período de disputas territoriais entre espanhóis. tais como fotografias. e a opinião cientifica dos órgãos responsáveis pelo processo do tombamento em Corumbá. localizada na Rua Cuiabá. bibliográfico ou artístico”. Em Corumbá. sobretudo nos aspectos materiais. Segundo o historiador Le Goff ( . quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico.de interesse público. (BRUSADIN. Logo. projetada por Oscar Niemeyer. foi recolhida documentação referente a ambos os imóveis. pois o sangrento episódio a tinha arrasado. mas as construções foram todas refeitas e são do final do século XIX os prédios mais conhecidos ao longo do rio que integram o Casario do Porto. o primeiro vilarejo que daria luz a Corumbá surgiu em 1778. ambas no centro da cidade de Corumbá. de modo a sensibilizar e criar uma relação intrínseca entre memória e saber.” Entende-se que o tombamento de diversos monumentos históricos é importante na construção da história de diversos grupos. assim como na construção das identidades e da memória coletiva. Cidade histórica que faz fronteira com a Bolívia. 525). Corumbá foi totalmente reconstruída. Seu traçado ortogonal. o Iphan e o Fuphan. quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil. 71). passado/presente). 2012. ruas e ladeiras largas. com o urbanismo orientado pela religiosidade católica – daí as Igrejas com seus largos pátios indicando o centro da cidade. depoimentos de usuários dos espaços. SILVA. pré-existente. no final da Guerra do Paraguai. Em 1869. demonstraremos a necessidade emergencial de sua preservação através do processo de tombamento para a devida transformação dos imóveis em patrimônio oficial. Izulina Xavier. e da residência da artista plástica D. depoimentos de pessoal envolvido na construção e/ou desenvolvimento do espaço. monumentos. instituindo o regime jurídico especial de propriedade que levará em conta a função social de ambos os espaços. suportes da memória coletiva. Metodologia Para a apresentação de fundamentos científicos histórico-culturais para o tombamento da Escola Estadual João Leite de Barros. p. Seu desenvolvimento luso-hispânico trouxe os aspectos europeus ao Pantanal: Prédios térreos e sobrados no revival neoclássico do século XIX erguendo-se pelas margens do Rio Paraguai. plantas. 6 . devido ao fato de ambos remeterem ao passado de um povo e terem por finalidade reviver esse passado. “enquanto conhecimento do passado (cf. localizada na Rua Cabral. portugueses e indígenas pela região. reportagens. foi mantido e ampliado. p. é perceptível que a identidade cultural da população esta intimamente relacionada com as características histórico-urbanas distribuídas ao longo da região. Discussão e Resultados O conceito de patrimônio está intimamente ligado com o conceito de monumento histórico.

ganharia reconhecimento nacional após a cidade ser escolhida para integrar o projeto Monumenta que. Ponta Grossa: UEPG. somando-se a importância sentimental percebida pela própria população. Israel. bem como de outros países como Bolívia. 157-182. passando por imagens. recebendo cidadãos de outras regiões como Nordeste e Sudeste. advogado pelo então Ministro da Cultura. nos aspectos socioculturais que compõem a tradição pantaneira. que atualmente abriga o Museu de História do Pantanal (MUHPAN). incluindo o Jardim da Independência e o enorme prédio Wanderley e Baís. Este processo interfronteiriço é refletido nas características arquitetônicas da cidade e. Tecnologia e novas formas de gestão em bibliotecas universitárias. Referências Bibliográficas: RAMOS. anos mais tarde. 1999. É importante lembrar que a importância histórico-cultural de Corumbá não se restringe apenas a imóveis oficiais isolados. já vinha sendo discutido lá atrás nos anos 80 durante a prefeitura do prefeito Fadah Gattass. proporcionou a revitalização do Porto de Corumbá. Corumbá tornouse cerne de um fluxo de processos migratórios desde o século XIX. projetada por Oscar Niemeyer. M. ♦ 7 . entre 2006/2008. Paraguai. Izulina Xavier). Sendo uma cidade fronteiriça e portuária. mobiliário. sobretudo. utensílios e outros bens móveis e culturais. Gilberto Gil. o conjunto histórico dos Casarios de Corumbá foi tombado e. p. Foi em 1984 que a lei que criou o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Artístico foi elaborada.O projeto de preservação e revitalização patrimonial em Corumbá. trechos urbanos e até ambientes naturais de importância paisagística. Serviços administrativos na Bicen da UEPG. E. impulsionada pelo crescente turismo na cidade. Em 1992. M. mas se estende a imóveis particulares. (Inserir informações sobre a Escola Estadual João Leite de Barros. e da residência da artista plástica D. e Palestina.

Related Interests