You are on page 1of 123

1

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ – BREVES
FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS
CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

EducAção do Marajó
PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ – BREVES

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DOCENTE - PARFOR

De acordo com a Resolução CNE/CP N°.
1, de 15 de maio de 2006, que Institui
Diretrizes Curriculares Nacionais para o
Curso de Graduação em Pedagogia,
licenciatura.

BREVES
2011

2

REITOR
Prof. Dr. Carlos Edilson de Almeida Maneschy

VICE-REITOR
Prof. Dr. Horacio Schneider

PRÓ-REITORA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO
Profª. Drª. Marlene Rodrigues Medeiros Freitas

DIRETORA DE ENSINO
Profª. Drª. Maria Lúcia Harada

DIRETORIA DE PROJETOS EDUCACIONAIS
Profª. Drª. Marilena Loureiro da Silva
COORDENADOR DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ – BREVES
Prof. Carlos Élvio das Neves Paes

COORDENADORA ACADÊMICA DO CAMPUS
Profª Sônia Maria Pereira do Amaral

DIRETOR FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS
Prof. Leonildo Nazareno do Amaral Guedes

VICE-DIRETOR DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS
Profª Cleide Carvalho de Matos

3

CORPO DOCENTE DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS

Prof. Alexandre Augusto Cals e Souza
Profª Arlete Marinho Gonçalves
Prof. Carlos Élvio das Neves Paes
Profª Cleide Carvalho de Matos
Prof. Egído Martins
Prof. Enil do Socorro de Souza Pureza
Prof. Eraldo Souza do Carmo
Prof. Leonildo Nazareno do Amaral Guedes
Prof. Ronaldo de Oliveira Rodrigues
Profª Solange Pereira da Silva
Profª Sônia Maria Pereira do Amaral
Profª Tatiana Maria Holanda Landim

ORGANIZADORES

Profª Cleide Carvalho de Matos
Prof. Enil do Socorro de Souza Pureza
Prof. Eraldo Souza do Carmo
Prof. Leonildo Nazareno do Amaral Guedes
Prof. Ronaldo de Oliveira Rodrigues
Profª Solange Pereira da Silva
Profª Sônia Maria Pereira do Amaral

1977). a educação intencional e organizada. mas a condição mesma da sua realização (ANÍSIO TEIXEIRA. .4 A educação nas democracias. não é apenas uma das necessidades desse tipo de vida social.

3.3.2 FUNDAMENTOS NORTEADORES: ÉTICOS.5 ARTICULAÇÃO DO ENSINO COM A PESQUISA E A EXTENSÃO 35 4. 15 DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS OBJETIVOS DO CURSO 18 3.1.2. 2.5.2 7 ESTRUTURA FÍSICA QUE O CAMPUS OFERECE PARA O 42 CURSO POLÍTICA DE INCLUSÃO SOCIAL 45 8.5 SUMÁRIO 1. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES 20 4 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO 24 4.3 ESTÁGIO SUPERVISIONADO 30 4.1 HISTÓRIA DO CURSO NO BRASIL E NA UFPA 8 2. 3. AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO 47 8. APRESENTAÇÃO 6 2. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 8 2. SISTEMA DE AVALIAÇÃO 46 8. PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO 19 3.1 ESTRUTURA HUMANA E FISICA DO CURSO DE PEDAGOGIA 6.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 24 4. AVALIAÇÃO DO PROCESSO EDUCATIVO 48 9.2 Política de Extensão 36 5 6 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS E PLANEJAMENTO DO 37 TRABALHO DOCENTE INFRA-ESTRUTURA 37 6.4 ATIVIDADES COMPLEMENTARES 32 4.1 Política de Pesquisa 35 4.1.2 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) 28 4. EPISTEMOLÓGICOS. REFERÊNCIAS 50 10 APENDICES 54 2.5.4 NATUREZA DO CURSO COMO INSTRUMENTO DE PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO À LUZ DE PRINCÍPIOS CIENTÍFICOS E 10 PRÁTICOS CONTEXTUALIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE 11 CONHECIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CURSO 13 3 DIRETRIZES CURRICULARES DO CURSO 3.4.2. 14 37 .

zelando pela sua formação humanista e ética. uma das suas finalidades: Formar e qualificar continuamente profissionais nas diversas áreas do conhecimento. regional. chegou às localidades mais longínquas do Estado.880 de 16 de dezembro de 1969 e modificado pelo decreto 81.520 de 4 de abril de 1978. pela superação das adversidades. APRESENTAÇÃO A Universidade Federal do Pará é uma instituição pública de educação superior. Do mesmo modo. pesquisa e extensão.246.833 m². Sua trajetória começa em 1957. visando à melhoria da qualidade de vida em geral. a promoção do bem público e a melhoria da qualidade de vida. pela busca de desenvolvimento e responsabilidade social. cumprindo. principalmente garantindo a formação de professores nas diversas áreas do conhecimento. desafio e compromisso as gerações futuras. e em particular do amazônida‖. consolidando-se enquanto a maior Universidade da região Norte. Com muita persistência e responsabilidade na oferta do ensino. buscando cumprir a sua missão: ―gerar. particularmente do amazônida. Configura-se como uma das mais importantes universidades do país. de modo a contribuir para o pleno exercício da cidadania. quando o presidente da época Juscelino Kubitschek de Oliveira sancionou a Lei 3. difundir e aplicar o conhecimento nos diversos campos do saber. Há cinco décadas promove o ensino.191/57. consolidando-se como instituição . nacional e internacional nas atividades de ensino. com uma área física de 1.6 1. agregando conhecimento científico ao estado e à região como o mais sólido elemento para a promoção do desenvolvimento econômico e social. Caracterizou-se como Universidade Multicampi. proporcionando a população paraense o acesso a formação superior. anseio e realização das gerações passadas. dentre outras. pela ousadia. assume oficialmente a sua visão para o futuro: Tornar-se referência local. orgulho das gerações presentes. a pesquisa e a extensão. no desenvolvimento de pesquisas e extensão. estruturada pelo Decreto 65. marcada pelo pioneirismo. organizada sob a forma de autarquia especial.

determinação e confiança na possibilidade de transformação educacional e social. em seus 20 anos de existência. a pesquisa e a extensão são planejados para atender não só a demanda específica do município de Breves. luta. Química e Matemática. com uma história de motivação. regulamentado pela Resolução do Conselho Superior de Ensino e Pesquisa – CONSEPE N°. mas para chegar aos demais municípios da Ilha e naqueles em que o ensino superior ainda não é realidade. O ensino. Nesta perspectiva assume assim a missão e visão da UFPA. letras. No ano de 2010 atendeu uma demanda de cursos intensivos e extensivos: Pedagogia. . desenvolve a qualificação de profissionais na área da Educação e recentemente amplia-se na área de Serviço Social – uma demanda histórica do Marajó. geografia. matemática. já que atualmente conta em seu quadro com profissionais – professores e técnicos que foram alunos do Campus e que hoje prestam a sua contribuição a instituição e o compromisso com a sua comunidade. entretanto. sendo pólo do Plano de Formação de Professores – PARFOR na oferta dos cursos de Letras e Pedagogia nos municípios de Breves. com a sua consolidação como pólo regional de conhecimento no Estado. pedagogia. contribuindo significativamente na formação de professores para a educação básica e para a educação superior. ambientalmente segura e socialmente justa. O curso de Pedagogia iniciou atendendo 101 alunos nestes respectivos municípios. proporcionou a região marajoara a oferta de cursos de licenciatura – história. planos e programas de interesse institucional. 639/2008. Matemática e um curso de Bacharelado – Serviço Social. S. Sua estrutura comporta campi no interior do Estado.7 multicampi e firmando-se como suporte de excelência para as demandas sócio-políticas de uma Amazônia economicamente viável. Sebastião da Boa Vista e Ponta de Pedras. Com sede no município de Breves. Na modalidade à distância. ciências. os quais atuam em interrelação mútua e em interação com a administração superior na elaboração e consecução de projetos. haja vista situarse em uma região em que o Índice de Desenvolvimento Humano – IDH e o Índice de desenvolvimento da Educação Básica – IDEB estão abaixo da média estadual e nacional. Letras. Ciências Naturais. Dentre os Campi encontra-se o Campus Universitário do Marajó – Breves.

política e educacional. bem como o contexto sociopolítico. HISTÓRIA DO CURSO NO BRASIL E NA UFPA O curso de Pedagogia no Brasil foi criado em 1931. tendo como cenário futuro a oferta de pós-graduação latu-sensu. Para tanto.190/1939. através do Decreto N° 19.1.já que conta com um quadro docente ampliado na graduação. na perspectiva da relação entre docente. quando passou a funcionar em Belém. construtores e transformadores de realidades. foi fundado em 1954. discente e conhecimento. econômico e cultural da Mesorregião onde está situado. . Assim a Faculdade de Educação e Ciências Humanas do Campus Universitário do Marajó .852 e teve sua organização regulamentada pelo Decreto-Lei N° 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 2.8 Considerando seu percurso histórico. admitindo a diversidade de meios. Na Universidade Federal do Pará. da vida nacional. 2. trabalha a fim de redefinir e ampliar seus horizontes: fortalecer os cursos existentes e ofertar novos .Breves. promovam a integração com a pesquisa e a extensão e a relação teoria-prática como elementos indissociáveis do processo ensino-aprendizagem.cidadãos ativos. Porém. se propõe a reconstruir o Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia seguindo o que prescreve o art. especialmente na área da Educação. os recursos materiais. e acima de tudo. é preciso reestruturar os espaços. Partindo de uma construção coletiva pode-se garantir a participação das diferentes vozes e anseios presentes na formação de pedagogos (as) que tenham sensibilidade com e no atendimento educacional e na formação de professores . estes pressupostos não se fazem sem um planejamento dialógico e democrático. com o propósito de somar com essa responsabilidade social. 4º do Regimento de Graduação da UFPA em que destaca: Os cursos de graduação da UFPA obedecerão a princípios metodológicos que. humanos. construir propostas pedagógicas que contribuam para a melhoria qualidade da educação. da qualidade de vida do povo marajoara e. conseqüentemente.

de fato.024/61 manteve o ―esquema 3 + 1‖. licenciatura. Também era destinado à formação de professores. aliás. . não houve. Nesta direção. Esta dicotomia entre bacharelado e licenciatura deixava entender que no primeiro formava-se o técnico e no segundo formava-se o professor que.540/68. que definiu a Reforma Universitária. Supervisão. com conteúdos específicos da área. e com mais um ano de estudos de Didática e Prática de Ensino este poderia obter o título de licenciado. A partir de 1969. a separação entre as funções dos profissionais de cursos Normais e cursos de Pedagogia foi se tornando mais tênue. Inspeção e Orientação Educacional. em consonância com o espírito nacionalista de desenvolvimento. além das habilitações. já formados nos cursos Normais e. A década de 1970 se manteve nessa direção.CFE N° 2/69 veio estabelecer que a formação de professores e de especialistas deveria acontecer em cursos de graduação em Pedagogia. que formavam os especialistas. com experiência em sala de aula. ou seja. A Lei N°. uma significativa transformação. História. entre outras. embora tenham sido efetuadas modificações na organização dos cursos de Pedagogia. O curso passou. quais sejam. então. os três primeiros anos do curso estavam voltados para preparar o bacharel. fundamentos e teorias educacionais. permanecendo a dicotomia das tarefas. Nesse período. Geografia e Estudos Sociais no primeiro ciclo do ensino secundário.9 Formava bacharéis denominados técnicos em educação. a formar professores para lecionar na Educação Infantil e nos anos iniciais de escolarização. A Lei N°. e que ali buscavam o aprofundamento da sua formação docente. portanto. podia lecionar Matemática. de modo que o curso Normal de nível secundário formava os professores da Educação Infantil e da chamada Escola Primária e o curso de Pedagogia formava os técnicos em Educação e os professores para lecionar as matérias pedagógicas do curso Normal de nível secundário. orientação e inspeção. trouxe consigo as idéias tecnicistas em educação e o curso de Pedagogia passou a visar o especialista para atender às necessidades específicas do mercado de trabalho. No período de 1939 a 1968. Eram ofertadas ao pedagogo as habilitações em: Administração. os quais podiam assumir funções de administração. 4. 5. as críticas à separação entre as funções de técnico em educação e professor apresentaram-se mais agudas. a Resolução do Conselho Federal de Educação . o curso de Pedagogia recebia predominantemente professores das séries iniciais do Ensino Fundamental. planejamento. no chamado ―esquema 3 + 1‖. para atuar como professor.

esta característica agora havia sido alterada na proporção em que estudantes sem formação anterior e sem experiência no magistério passaram a ingressar no curso.2. 2. tendência que se firmou na década de 1990. tem o educar como ponto de partida e de .10 Com a democratização do país nos anos de 1980. aquele que determinava o que deveria ser realizado pelos educadores. quanto em outras esferas da sociedade. tornou-se anacrônica. Nesta concepção. Ao contrário. entendeu-se que. O resultado foi a valorização crescente da docência como área de atuação prioritária. a figura do especialista. Com novas demandas. Por outro lado. e tantas outras relacionadas a uma abertura conceptual e organizacional do ensino e da aprendizagem. primeiramente. para ser um bom especialista em educação. professores experientes que lecionavam nos anos iniciais do Ensino Fundamental. não professor. Essa nova compreensão fez incluir no curso de Pedagogia a formação para a docência na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental. NATUREZA DO CURSO COMO INSTRUMENTO DE PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO À LUZ DE PRINCÍPIOS CIENTÍFICOS E PRÁTICOS As transformações ocorridas nesse percurso histórico demonstram a tendência para que o curso de Pedagogia adote a concepção de formação docente assentada nos princípios do fazer científico. se na trajetória de profissionalização do magistério. novos rumos foram traçados para a educação. o curso de Pedagogia havia recebido. gestão democrática e colegiada. conjugando ensino-pesquisa-extensão. O momento histórico possibilitou idéias de reestruturação curricular. participação ativa da comunidade nos assuntos escolares. Nesse novo contexto. tanto no âmbito da instituição escolar. ou seja. começaram a surgir críticas e a buscar soluções para o equilíbrio entre a teoria e a prática. de forma inevitável. um professor. do exclusivamente técnico. quando o curso de Pedagogia passou a ser o principal formador de educadores com atuação na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental. todo pedagogo deveria ser. o pedagogo se tornou indispensável no processo educativo. na perspectiva de que. por um tempo considerável. politicamente questionada.

Do ponto de vista do contexto mundial. ou seja. no sentido de estar conectado às demandas da realidade sócio-políticohistórica. dinâmica. a necessidade e a importância de sua existência. A formação profissional que têm realizado e que o coloca em destaque à média nacional. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE CONHECIMENTO O Curso de Licenciatura em Pedagogia do Campus Universitário do Marajó – Breves vem demonstrando. atores sociais capazes de ações pedagógicas em favor da transformação e do pleno exercício da cidadania. atuantes na região amazônica e principalmente na mesorregião marajoara. tornando- . são homens e mulheres de seu tempo-espaço. ou seja. As diretrizes curriculares de maio de 2006 reforçam essa tendência. o quadro da realidade local/regional é bastante grave e preocupante. Historicamente. credencia e solidifica a Instituição a qual pertence. E neste contexto. 2.11 chegada. embora nem sempre convergentes. que vivem as vicissitudes da globalização e da mundialização da economia. na perspectiva em que objetiva a formação de profissionais da educação. a educação se mostra uma condição essencial para a superação de demandas por conhecimento e informação. isto é. à qualidade da educação e à qualidade da vida humana em sociedade. fortalecendo a sua credibilidade e o reconhecimento da sua excelência. que leve em consideração aqueles (as) que desejam lograr êxito no acesso e permanência no curso. vem ouvindo o apelo dos atores da região para uma atuação mais intensa. Não obstante. a Universidade Federal do Pará. a nível nacional.3. resultado das discussões e posicionamentos. políticas. educadores conscientes de seus papéis. sobre a identidade do curso. o Curso de Licenciatura em Pedagogia vem sendo cobrado a uma maior inserção social. marcadas por determinações históricas. socioeconômicas e culturais específicas. porém flexível. no decorrer da sua trajetória. ao longo dos anos. com vistas à qualidade do ensino. inclusive em exames como o ENADE-2006.

a rapidez das comunicações. aliás. consolidando uma atitude de natureza essencialmente pedagógica.12 se aguda a importância que ela assume e os efeitos que gera em face à nova realidade mundial. isto é. a convivência da revolução da microeletrônica. O paradoxo entre o mundo virtual. tem sido excluída das prioridades das políticas públicas. Tal condição implica em baixa renda familiar e. E que realidade é essa? Trata-se de uma realidade. o que remete inevitavelmente à lógica da exclusão social. que é realidade mundial. desemprego ou condições abjetas de subemprego. e as transformações decorrentes dos avanços tecnológicos modificam hábitos e costumes. em todos estes anos de sua história. enfim. da modernização da produção. além da busca de saber cada vez mais eficiente e aprimorado com vistas à reestruturação do sistema produtivo para a lucratividade. de modos de agir e de pensar. é a sociedade técnicoinformacional (LIBÂNEO. no mínimo. Portanto. pois a região. a era digital. Por exemplo. é um curtíssimo espaço de tempo se comparado ao tempo da história de evolução do homem moderno. tudo isso convivendo com altos índices de analfabetismo. o computador. Nesse panorama. mas que também vivencia uma realidade particular. . neste caso. apresentando um dos mais baixos índices de desenvolvimento humano do estado do Pará e do Brasil. os sistemas on-line. O saber hoje tem um papel preponderante e diferente daquele que desempenhou há muito poucas décadas atrás – que. das informações e a qualidade dos serviços proporcionados pela informatização. a realidade da mesorregião marajoara. em condições de sobrevivência de baixo nível. caracterizada pela ciência e pela inovação tecnológica. A sociedade atual é a sociedade do conhecimento. e afetam a educação de muitas maneiras. que faz parte do processo global. 2005). em meio a trabalhos manuais ainda tão artesanais ou técnicas de produção consideradas ultrapassadas ou mesmo rudimentares. o papel do educador se afirma grandioso e imprescindível. injusta. vinculada a processos metodológicos e organizacionais de construção de saberes. Uma região onde se constatam muitos paradoxos. é preciso considerar o papel do educador. para o desenvolvimento do mercado transnacional e hegemonia do poder econômico dos conglomerados internacionais. conseqüentemente. de compromisso com a formação humana alicerçada nos valores éticos e na prática social da solidariedade e da tolerância.

será desenvolvido na modalidade presencial (tempo-universidade) em 80% da carga horária total do Curso e na modalidade à distância (tempo-trabalho educativo) em 20%.Turno de funcionamento: . I. Em sintonia com essas políticas de ação para o desenvolvimento da região.Forma de Ingresso: Por seleção a partir da Plataforma Freire/MEC de acordo com os critérios estabelecidos no Protocolo das IES do Estado do Pará. o curso de Pedagogia se mostra uma necessidade para a região.I O Curso de Licenciatura em Pedagogia. 2. no qual o Campus Universitário do Marajó – Breves tem importante participação. se apresenta o PARFOR com a política de formação de professores da educação básica em nível de graduação a fim de atender uma demanda há muito tempo requerida por estes profissionais. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CURSO I . de modo a articular teoria e prática educativa na perspectiva de integração das dimensões de ensino.III A modalidade a distância será desenvolvida através de um conjunto de atividades planejadas e avaliadas ao longo do curso.II A modalidade presencial será desenvolvida no 1º período (Janeiro e Fevereiro) e 3º período (Julho e Agosto) letivos previstos no calendário acadêmico da UFPA. pesquisa e extensão. Nesta mesma perspectiva. e buscando responder positivamente aos apelos da realidade contextual. I. III .Curso: I. de modo a contribuir para a mudança deste quadro de precariedade e para uma nova ordem pautada nos valores da democracia. a ser ofertado para atendimento das demandas do Plano Nacional de Formação de Professores — PARFOR.Número de vagas: 40 vagas por turma IV .4. da ética e da cidadania.13 O Governo Federal atualmente sinaliza a implementação de um Plano de Desenvolvimento para o Marajó. oportunizando uma melhor inserção profissional e social através da Educação. II . O REUNI também é uma iniciativa do Governo Federal para a melhoria da educação superior.

IX . I – O curso terá duração mínima de 04 (quatro) anos e máxima de 6 (seis) anos. XI . Campus Universitário do Marajó. O .390horas X .Local de Funcionamento: Universidade Federal do Pará. Ponta de Pedras e Portel. XII .14 TURMA INTENSIVA: Manhã: 07h:30 – 12h50’ Tarde: 13h – 18h20’ V .I Turmas Anexas: Nos municípios de São Sebastião da Boa Vista. autonomia e cooperação a fim de garantir a construção de um currículo e de processos formativos flexíveis.Regime Acadêmico de Matrícula: Seriado. VII Título conferido: Licenciado Pleno em Pedagogia VIII Curso: Diurno VIII.Avaliações Externas: Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE) 3.Breves . V.Período Letivo: Intensivo. VI Modalidades de oferta: Presencial e a distância.Carga Horária: 3. DIRETRIZES CURRICULARES DO CURSO O Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação e Ciências Humanas do Campus Universitário do Marajó .Formas de Oferta de Atividades: As atividades curriculares serão ofertadas no formato Modular.Breves para as turmas do PARFOR tem por base os princípios de interdisciplinaridade. trabalho coletivo. A construção de uma proposta curricular que contemple estas preocupações ultrapassa a concepção de organização seqüencial de conteúdos ou disciplinas. XIII .Faculdade de Educação e Ciências Humanas. reduzindo o isolamento entre os seus diferentes componentes e possibilitando a oferta de trajetórias curriculares que possam enriquecer a formação básica do pedagogo.

. O modelo curricular do curso se baseia na licenciatura. do CONSEPE e diretrizes curriculares para os cursos de graduação da UFPA. Resolução 3.186/2004. elevando conseqüentemente o nível da qualidade da docência. 3. licenciatura. Esta organização curricular leva em consideração os princípios propalados pela Resolução 3. instituídas por meio de Pareceres do Conselho Nacional de Educação – CNE/CP nº 05/2005 e 06/2006. 3º. O Projeto ora proposto assume o desafio de formar pedagogos (as) na perspectiva de uma ação concreta e eficaz. que aprova o Regulamento do Ensino de Graduação no âmbito da UFPA. em seu art. Art. FUNDAMENTOS NORTEADORES: DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS ÉTICOS. epistemológicos e didático-pedagógicos. conforme os seguintes referenciais: Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Pedagogia.633/2008 do Conselho Superior de Ensino e Pesquisa – CONSEPE. quais sejam: integração da pesquisa e da extensão às atividades de ensino. § 1º. da escolaridade. 2º. articulação permanente de conhecimentos e saberes teóricos com aplicação em situações reais ou simuladas.1. Resolução N° 3. os princípios éticos apontam para a concepção da docência conforme destaca as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia.186/2004. possibilitando a participação do aluno em múltiplas dimensões da vida universitária. adoção de múltiplas linguagens que permitam ao aluno a identificação e a compreensão do seu papel profissional e social. Além desses princípios gerais. Em primeiro lugar. que institui as diretrizes curriculares para os cursos de graduação da Universidade Federal do Pará. da educação e da vida dos sujeitos da região marajoara. EPISTEMOLÓGICOS. pautamos como foco de nosso trabalho formativo princípios éticos. liberdade acadêmica e gestão curricular democrática e flexível. Resolução CNE/CP nº 01/2006.15 que se almeja é a concretização de um currículo que propicie ao aluno a capacidade de estabelecer redes de significações e relações entre os temas curriculares.

A partir do conceito de historicidade. construído em relações sociais. mas . cuja consolidação será proporcionada no exercício da profissão.. de forma articulada. Nessa formação é central perceber a relação entre princípios éticos e princípios políticos. as quais influenciam conceitos. desenvolvendose na articulação entre conhecimentos científicos e culturais.] como ação educativa e processo pedagógico metódico e intencional. encaminham a compreensão das ciências: a historicidade. ―a pesquisa. O segundo conceito possibilita perceber que as ciências não "estão prontas".16 [. a análise e a aplicação dos resultados de investigações de interesse da área educacional‖ e ―a participação na gestão de processos educativos e na organização e funcionamento de sistemas e instituições de ensino‖. democratização. contextualização. na medida em que a intervenção na realidade vivida de forma consciente e coletiva é uma sistemática constante. 3º). como bem esclarece o artigo 3º. Nesse sentido. no âmbito do diálogo entre diferentes visões de mundo. parágrafo único das Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Pedagogia: ―o conhecimento da escola como organização complexa que tem a função de promover a educação para e na cidadania‖. princípios e objetivos da Pedagogia. de socialização e de construção do conhecimento. por isso. os princípios epistemológicos contribuem para o desenvolvimento do pensamento científico dos discentes e docentes de forma interativa. Como um processo. São três os conceitos que.. fundamentando-se em princípios de interdisciplinaridade. como característica das ciências. consubstancia-se num "continuum". assim como. étnico-raciais e produtivas. licenciatura. buscado pela via de disciplinas fundadas em diferentes ciências (as que integram o currículo escolar e as que explicam ou elucidam o processo educativo ao nível da sociedade e do educando). onde os avanços e retrocessos se determinam e são determinados pelas condições históricas em que as ciências são construídas. pertinência e relevância social. valores éticos e estéticos inerentes a processos de aprendizagem. ética e sensibilidade afetiva e estética (Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia. está sujeito as suas determinações. Art. buscar-se-á através das práticas pedagógicas proporcionar aos educandos um repertório de informações e habilidades para serem trabalhados na pluralidade de conhecimentos teóricos e práticos. o licenciando deverá perceber que o conhecimento se desenvolve num determinado contexto histórico/social e. a construção contínua e a diversidade. Em segundo lugar.

Em último lugar. a diversidade (por expressar tanto a relatividade na compreensão dos fenômenos humanos. Finalmente. . em cuja base está a identificação da docência com um projeto de sociedade. sociais e naturais por parte de grupos humanos.17 resultam de um processo de construção contínua que se estabelece no e por meio do conjunto das relações homem/homem. pois é uma característica humana.186/2004. Art. Nessa perspectiva. observando a pluralidade de estratégias. assumem a pesquisa e a relação teoria-prática como elementos indissociáveis no processo ensino-aprendizagem como relação triádica entre alunoprofessor-conhecimento (Resolução 3. para fundamentar o trato epistemológico e pedagógico do conjunto dos conceitos a serem trabalhados. tendo ambos sua expressão metodológica na pesquisa. comunidades e povos em suas relações e contexto sócio-históricos. os princípios didático-pedagógicos. como essas relações jamais serão lineares e homogêneas por serem construídas num contexto historicamente determinado. Desta identificação depende todo o processo de construção da identidade profissional. suficientemente aprofundada. 4º). No segundo princípio destaca-se a construção da polivalência como busca de compreensão da totalidade da formação básica. No terceiro princípio se destaca o princípio de formação ético-política. quanto a necessidade da dialogicidade) também deve ser levada em consideração na compreensão das ciências. É um principio educativo que se revela mais na ação do que no conhecimento. O primeiro princípio fundamenta-se no princípio do trabalho pedagógico ancorado na realidade educativa da escola e no princípio da construção coletiva e interdisciplinar do conhecimento profissional. que vai dar à teoria sentido menos academicista e mais orgânico (arraigado na realidade do Sistema de Ensino). destacamos três princípios de capital relevância. O Licenciando precisa de base científica. como forma reflexiva da prática. que se revela na prática individual do professor e na construção coletiva do projeto político-pedagógico da escola. na busca da compreensão do mundo e de sua própria ação. de forma globalizada. homem/ natureza e homem/cultura.

 Criar uma dinâmica de formação profissional de qualidade crescente. nos anos iniciais do Ensino Fundamental. didático-pedagógicos e de organização referentes aos processos educacionais. . avaliar e atuar de forma consciente e crítica na prática educativa em ambiente escolar e não-escolar. reflexiva e investigativa. fundada em uma formação humanística. crítica.  Oportunizar uma ação crítico-reflexiva em relação à educação e aos processos de construção da sociedade. garantindo a todos o acesso ao conhecimento produzido e acumulado.18 3. culturais. com vistas à valorização de sua cultura. aptos a pesquisar. nos cursos de Educação Profissional e na área de serviços e de apoio escolar. contribuindo para (re) definir e implementar uma política de profissionalização dos professores da Educação Infantil e Séries Iniciais do Ensino Fundamental. econômicos e geopolíticos da sociedade.2. OBJETIVOS DO CURSO  Formar o (a) profissional de nível superior em Pedagogia para o exercício da docência na Educação Infantil. da cultura e dos valores éticos e estéticos inerentes a processos de aprendizagem. de modo a contribuir para o exercício pleno da cidadania. levando em consideração os contextos sociais.  Favorecer o domínio de conhecimentos científicos.  Suscitar a compreensão consciente e crítica acerca da educação e das questões inerentes à região marajoara. fundada na indissociável relação teórico-prática. analisar. bem como os fins e os valores da educação. históricos.

O profissional pedagogo terá formação específica para o exercício da docência em Educação Infantil. Implica. O perfil do (a) profissional/egresso do Curso de Pedagogia do Campus Universitário do Marajó–Breves é o (a) pedagogo (a) com domínio de conhecimentos científicos. já que se trata de um processo continuado. 2º). da cultura e dos valores éticos e estéticos inerentes a processos de aprendizagem. acompanhamento e avaliação de tarefas próprias do setor da Educação e de . propor e desenvolver trabalho coletivo e cooperativo. didático-pedagógicos e de organização referentes aos processos educativos em geral. porém sem previsão de "acabamento". compreender a sua realidade histórica e intervir de forma criativa para o desenvolvimento do seu meio.186/2004. nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Tal formação é um processo. bem como em diferentes áreas e ambientes não-escolares nos quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos. aos processos de construção da sociedade. constitui um desafio a ser enfrentado. dialetizando-se.3. coordenação. Art. na Educação de Jovens e Adultos e na área da coordenação pedagógica e gestão e apoio escolar (organização e gestão de sistemas e instituições de ensino).19 3. com marco histórico inicial. fundamentalmente. busca competências científico-técnica e sócio-política. capaz de: demonstrar sólida formação teórica e competência técnica e político-social. uma concepção de profissionalização como oposição ao trabalho proletarizado. à ética e à democracia (Resolução 3. Um (a) profissional presente e atuante em espaços educativos formais e nãoformais. As atividades referentes à participação na organização e gestão de sistemas e instituições de ensino englobam: planejamento. constroem um perfil de crescente qualificação profissional. execução. agir com respeito à liberdade. PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Perfil é uma compreensão da identidade profissional do/a pedagogo/a que se constrói historicamente. demonstrando ação crítico-reflexiva em relação à educação. uma vez que implica em uma política que contemple a formação básica inicial e continuada e a garantia de condições de trabalho. em que formação e exercício profissional. desenvolver e utilizar tecnologias inovadoras voltados para a construção de novos saberes.

a produção e a socialização do conhecimento. Campos de Atuação:  Instituições de Educação Infantil. ONGs. mas contribuir para a intervenção social na construção da cidadania) podem ser assim definidas: 1. enquanto processo coletivo de construção e de seus fundamentos históricos. Realizar pesquisas que proporcionem conhecimentos. Fundações.20 projetos e experiências educativas não-escolares. Competência teórica: domínio de conhecimentos científicos para o desenvolvimento do trabalho pedagógico com base na articulação teórico-prática que possibilite a compreensão de como se dá a aquisição. entre outros: sobre alunos e alunas e a realidade sociocultural em que estes desenvolvem suas . 4º.  Nos cursos de Ensino Médio .  Educação Profissional e na área de serviços e de apoio escolar  Instituições de Ensino Superior na Docência e na função Técnico-pedagógica.na modalidade Normal. b. parágrafo único). políticos e sociais. Habilidades relacionadas: a. produção e difusão do conhecimento científico-tecnológico do campo educacional.  Gestão e coordenação de ambientes escolares e não-escolares (Hospitais. Empresas. em contextos escolares e não-escolares (Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Pedagogia. Compreender de forma ampla e consistente o fenômeno e a prática educativa em seus respectivos âmbitos e especificidades. Art.4. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES As competências e habilidades básicas de um profissional da educação com o perfil anteriormente delineado (cuja formação não deve apenas atender às exigências imediatas do mercado de trabalho.  Instituições de Ensino Fundamental: séries iniciais e Educação de Jovens e Adultos – EJA. Abrigos e outros conforme a resolução 012006/CNE) 3.

propor. social. sejam individuais ou coletivos. e sobre organização do trabalho educativo e práticas pedagógicas. intelectual. dos sistemas de ensino ou em outros contextos organizacionais. com propriedade. c. COMPETÊNCIAS/ HABILIDADES Competência teórica ATIVIDADES CURRICULARES Filosofia da Educação Concepções Filosóficas da Educação História Geral da Educação História da Educação Brasileira e da Amazônia Sociologia da Educação Psicologia da Educação Antropologia Educacional Biologia da Educação Teoria do Currículo 2. na promoção da aprendizagem de sujeitos em diferentes fases do desenvolvimento humano. Competência prática: capacidade de pensar. Fortalecer o desenvolvimento e as aprendizagens de crianças do Ensino Fundamental. coordenar e executar o trabalho pedagógico no âmbito da escola. assim como daqueles que não tiveram oportunidade de escolarização na idade própria. d. orientar. . psicológica. Compreender. c. b. educacionais e culturais. sobre propostas curriculares. entre outras. compreendendo os problemas fundamentais do processo ensino-aprendizagem. física. instrumentos próprios para construção de conhecimentos pedagógicos e científicos. envolvendo diferentes sujeitos. Utilizar. sobre processos de ensinar e de aprender. pesquisar. tendo em vista as características dos alunos e seu meio social. em diversos níveis e modalidades do processo educativo. Trabalhar em espaços escolares e não-escolares. em diferentes meios ambiental-ecológicos. de forma a contribuir para o seu desenvolvimento nas dimensões. Compreender o processo de construção do conhecimento na educação inserido em contextos social e cultural. Desenvolver metodologias e materiais pedagógicos adequados ao desenvolvimento do trabalho educativo para classes de Educação Infantil. d. Habilidades relacionadas: a. séries iniciais no Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos.21 experiências não-escolares. cuidar e educar crianças de zero a cinco anos.

Relacionar as linguagens dos meios de comunicação à educação. demonstrando domínio das tecnologias de informação e comunicação adequadas ao desenvolvimento de aprendizagens significativas. Teórico-met do Ensino de Matemática Fund.22 e. acompanhando e avaliando projetos e programas educacionais. executando. implementação. planejando. Teórico-met do Ensino de Ciências Fund. igualitária. COMPETÊNCIAS/ HABILIDADES Competência prática ATIVIDADES CURRICULARES Pesquisa Educacional Estatística Aplicada à Educação Metodologia de Pesquisa em Educação Seminário de Pesquisa Laboratório de Pesquisa TCC I TCC II Prática Pedagógica Estágio Curricular em Docência na Educação Infantil Estágio Curricular em docência na Educação de Jovens e Adultos Estágio em Ambientes não escolares Estágio Curricular em Docência no Ensino Fundamental Estágio Curricular em Gestão na Escola e Coordenação Pedagógica Estágio Supervisionado LIBRAS Fund. acompanhamento e avaliação do projeto pedagógico. em ambientes escolares e não-escolares. comprometido com a construção de uma sociedade autônoma e includente. Teórico-met do Ensino de Português Fund. Competência político-social: compreensão de que a prática profissional está inserida num contexto social mais amplo. equânime. Participar da gestão das instituições. Teórico-met do Ensino de História Fund. Habilidades relacionadas: a. Atuar com ética e compromisso com vistas à construção de uma sociedade justa. g. f. nos processos didático-pedagógicos. Teórico-met do Ensino de Geografia Fund. contribuindo para elaboração. o que requer a vinculação do projeto educativo ao projeto político-social. Participar da gestão das instituições. . coordenação. Teórico-met da Educação Infantil Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental Atividades Complementares 3.

letramento escolar e gêneros discursivos Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Fundamentos da Didática Didática e Formação Docente Corporeidade e Educação Ludicidade e Educação Fundamentos e Metodologia da Educação Inclusiva Tecnologias.23 b. de gêneros. c. Estado e Educação Política Educacional Legislação da Educação Organização do Trabalho Pedagógico Planejamento Educacional Avaliação Educacional Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares Pedagogia em Ambientes Não-Escolares Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia inter-relacional: compreensão do trabalho coletivo e interdisciplinar. como eixo norteador do trabalho pedagógico e da redefinição da organização curricular dos profissionais como seres sociais que se entendem a si mesmos e ao seu grupo social na dinâmica afetiva. faixas geracionais. cognitivas. respeitando as diferenças de natureza ambiental-ecológica. Habilidades relacionadas: a. afetivas dos educandos nas suas relações individuais e coletivas. religiosas. COMPETÊNCIAS/ HABILIDADES Competência político-social 4. Competência ATIVIDADES CURRICULARES Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais Sociedade. escolhas sexuais. religiões. Identificar problemas socioculturais e educacionais com postura investigativa e propositiva em face de realidades complexas. Trabalho e Educação Sociedade. Reconhecer e respeitar as manifestações e necessidades físicas. classes sociais. econômicas. culturais. com vistas a contribuir para superação de exclusões sociais. Demonstrar consciência da diversidade. étnico-racial. necessidades especiais. entre outras. entre discentes e entre docentes. emocionais. étnico-raciais. b. COMPETÊNCIAS/ HABILIDADES Competência inter-relacional ATIVIDADES CURRICULARES Alfabetização linguística. Promover e facilitar relações de cooperação entre a instituição educativa. Informáticas e Educação . a família e a comunidade. políticas e outras.

art. A natureza das atividades e das proposições específicas do curso tendem a uma organização curricular que levam a seguinte subdivisão: disciplinas. estágios curriculares. os dias letivos serão definidos pelo Calendário Acadêmico da Universidade Federal do Pará. cultural. ensino e extensão. seminários de pesquisa. de 18 de fevereiro de 2008). monitoria. cursos em áreas afins. concepções e critérios oriundos de diferentes áreas do conhecimento.1 – CONSIDERAÇÕES INICIAIS O curso a ser ofertado está composto de um conjunto de atividades curriculares.  Núcleo de Estudos Básicos: caracteriza-se como fundamentos e aplicação de princípios. e com o art. a participação coletiva e a valorização dos conhecimentos dos discentes a partir de suas práticas cotidianas. O curso de pedagogia/PAROR terá duração de 8 (oito) períodos. 19 do Regulamento de Ensino de Graduação (Resolução Nº 3. As disciplinas serão ofertadas em regime seriado pela Faculdade de Educação e Ciências Humanas nos períodos previstos para a duração do curso e deverão privilegiar o trabalho interdisciplinar e multidisciplinar. estágios profissionais. ou ainda didático-pedagógica a serem regulamentadas ou validadas pela Faculdade de Educação e Ciências Humanas do Campus Universitário do Marajó – Breves. com pertinência ao campo da Pedagogia. A re-oferta de atividades curriculares se dará em consonância com o disposto no § 3º. considerando os períodos definidos no Regulamento do Ensino de Graduação da UFPA. . e outras atividades de natureza acadêmica. O currículo do Curso é composto por 03 (três) núcleos: Núcleo de Estudos Básicos. Núcleo de Aprofundamento e Diversificação de Estudos e Núcleo de Estudos Integradores. científica. ressaltando o caráter teórico-prático dessas atividades. 132 do Regimento Geral da UFPA.633. participação em eventos na área de educação e em projetos de pesquisa. dando ênfase a uma formação sólida e global. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO 4.24 4.

tanto no âmbito interdisciplinar quanto extradisciplinar.25  Núcleo de Aprofundamento e Diversificação de Estudos: contempla situações de aprendizagem necessárias ao desenvolvimento de potencialidades e o enriquecimento teórico . palestras. Os projetos de Pesquisa e Extensão do curso de Pedagogia serão desenvolvidos através dos seguintes grupos: Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Infantil. ambientais. poderão ser realizadas pelos alunos. e outros a serem criados. Como componentes integradores do curso estão às atividades complementares que devem ser integralizadas no decorrer do processo formativo do discente. mesas redondas.pratico do processo formativo. de acordo com a necessidade do curso. Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação de Jovens e Adultos. As atividades como seminários. Esses grupos poderão realizar estudos e pesquisas sobre questões socioeconômicas. participação em eventos científicos e publicações de trabalhos. educacionais e culturais da sociedade relacionados com a educação que possibilitem o desenvolvimento da competência científica. pois consistem em ações que integram e enriquecem a formação que o curso objetiva. No quadro 01 a seguir apresentam-se os núcleos com as respectivas atividades curriculares e carga horária: . Quaisquer dos núcleos apresentados deverão ser trabalhados de forma a manter a conexão teoria-prática visando inclusive à relação dos mesmos com os projetos de pesquisa e extensão desenvolvidos pela Faculdade de Educação e Ciências Humanas do Campus. Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação do Campo.  Núcleo de Estudos Integradores: está voltado à participação em projetos de iniciação científica e projetos de extensão orientados pelo corpo docente da universidade. debates. etc. além de atividades teórico-práticas capazes de proporcionar vivências integradoras dos conhecimentos apreendidos.

Informáticas e Educação Sub-total TOTAL CH 75 75 75 75 60 60 60 60 540 60 60 60 60 60 75 75 450 990 16. LIBRAS 40. TCC I 21.Estágio Curricular em gestão escolar e coordenação pedagógica 28. Prática Pedagógica e Estágios. Avaliação Educacional Avaliação. Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia Sub-total 41. Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares 49. Séries Iniciais do Ensino Fundamental. Didática e Formação Docente 36. Teórico-met do Ensino de Português 30. Planejamento Educacional 48. Atividades Complementares TOTAL TOTAL GERAL Quadro 01: Atividades curriculares do curso de Licenciatura em Pedagogia/PARFOR 60 60 60 60 60 60 60 90 45 90 60 60 825 75 75 75 75 75 75 60 60 60 60 60 60 810 60 60 60 60 60 60 75 60 60 90 645 3. Estatística Aplicada à Educação 46. Trabalho e Educação 43. Estágio Curricular em Docência na Educação Infantil 25. Organização e Gestão do Trabalho Pedagógico NÚCLEO DE ESTUDOS INTEGRADORES TOTAL 51. Fund. Teórico-met do Ensino de Geografia 34. Estágio Curricular em Ambientes Não-Escolares 26. Corporeidade e Educação 14. Sociedade. Fund. Seminário de Pesquisa 19. Teoria do Currículo 10.390 . Estado e Educação 44. Pedagogia em Ambientes Não-Escolares Sub-total 60 Pesquisa. Política Educacional 45. Fund. Pesquisa Educacional 17. Teórico-met do Ensino de História 33. Biologia da Educação 7. Psicologia da Educação Fundamentação do 5. Fundamentos da Didática 11.26 NÚCLEO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS DIMENSÃO ATIVIDADES CURRICULARES 1.270 120 120 3. Laboratório de Pesquisa 20. Fund. NÚCLEO DE APROFUNDAMENTO E DIVERSIFICAÇÃO DE ESTUDOS Trabalho Docente na Educação Infantil. Ensino e 12. Fund. Legislação da Educação 50. Concepções Filosóficas da Educação Sub-total 9. Teórico-met da Educação Infantil 35. Prática Pedagógica 23. Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais 42. Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental 38. Antropologia Educacional Trabalho Pedagógico 6. Fund. Estágio Curricular em Docência na Educação de Jovens e Adultos 24. Tecnologias. 13. Metodologia de Pesquisa em Educação 18. Teórico-met do Ensino de Ciências 32. História Geral da Educação 3. Sociedade. letramento escolar e gêneros discursivos 37. Organização do Trabalho Pedagógico 47. Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Currículo.Estágio Curricular em Docência no Ensino Fundamental 27. Filosofia da Educação 2. Ludicidade e Educação 39. TCC II 22. Teórico-met do Ensino de Matemática 31. Alfabetização linguística. Sociologia da Educação 4. História da Educação Brasileira e da Amazônia 8. Fundamentos e Metodologia da Educação Inclusiva 15. Estágio supervisionado Sub-total 29.

do Ensino de Português Estágio supervisionado Metodologia de Pesquisa em Educação Avaliação Educacional 6º 6º 6º 6º 6º 6º Estágio Curricular em Docência na Educação Infantil Tecnologias. letramento escolar e gêneros discursivos Política Educacional Legislação da Educação Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais 4º 4º 4º 4º 4º 4º Prática Pedagógica Pesquisa Educacional Fund. Teórico-met do Ensino de História Fundamentos e Metodologia da Educação Inclusiva Seminário de Pesquisa 7º 7º 7º 7º 7º 7º 7º Estatística Aplicada à Educação Sociedade. Teórico-met do Ensino de Matemática Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia Sociedade.390 . Teórico-met. Informática e Educação Fund. Estado e Educação Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares Estágio Curricular em Docência no Ensino Fundamental Estágio Curricular em gestão na escola e coordenação pedagógica Organização do Trabalho Pedagógico TCC I 8º 8º 8º 8º 8º 8º Pedagogia em Ambientes Não-Escolares Estágio Curricular em Ambientes Não-Escolares LIBRAS Laboratório de Pesquisa TCC II Atividades Complementares Sub-total Sub-total Sub-total Sub-total Sub-total Sub-total Sub-total Sub-total TOTAL Quadro 02: atividades curriculares por período letivo do curso de Pedagogia/PARFOR CARGA HORÁRIA 75 75 75 75 60 360 60 60 60 60 60 60 60 420 60 60 60 60 60 60 60 420 60 60 75 75 60 60 390 75 75 60 75 60 60 60 465 90 75 75 75 75 60 450 60 60 60 90 60 60 60 450 90 45 60 60 60 120 435 3. Trabalho e Educação 5º 5º 5º 5º 5º 5º 5º Fund. Teórico-met do Ensino de Ciências Fund. Teórico-met da Educação Infantil Planejamento Educacional Estágio Curricular em Docência na Educação de Jovens e Adultos Fund. Teórico-met do Ensino de Geografia Fund.27 O quadro 02 a seguir apresenta os blocos das atividades curriculares por período letivo do curso de Pedagogia/ PARFOR: PERÍODO LETIVO ATIVIDADES CURRICULARES 1º 1º 1º 1º 1º Filosofia da Educação História Geral da Educação Sociologia da Educação Psicologia da Educação Corporeidade e Educação 2º 2º 2º 2º 2º 2º 2º Antropologia Educacional Concepções Filosóficas da Educação História da Educação Brasileira e da Amazônia Ludicidade e Educação Fundamentos da Didática Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Biologia da Educação 3º 3º 3º 3º 3º 3º 3º Didática e Formação Docente Teoria do Currículo Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental Alfabetização linguística.

IV. III. com a disciplina Pesquisa Educacional. VII. As disciplinas Pesquisa Educacional. 93 da resolução nº 3.2 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) I.28 4. Seminário de Pesquisa e Laboratório de Pesquisa são atividades curriculares correlatas do TCC V. As orientações para o TCC começarão no 7º período. sendo que obrigatoriamente no 8º período do TCC II o aluno deverá defendê-lo. Como disciplina formal do currículo o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) terá uma carga horária de 120 horas dividido em TCC I e II. as disciplinas Metodologia da Pesquisa em Educação. . segundo as disponibilidades de carga horária dos orientadores. Para a oferta das disciplinas mencionadas no item VI serão criadas subturmas para a lotação de professores. Entretanto. VIII.633 que regulamenta o curso de graduação no âmbito da UFPA. VI. Seminário de Pesquisa e Laboratório de Pesquisa fornecerão os instrumentos/conhecimentos prévios necessários para a construção e o desenvolvimento da pesquisa. As disciplinas Seminário de Pesquisa e Laboratório de Pesquisa por tratar-se de atividades curriculares que trabalham com elaboração de projetos serão ministradas por dois professores e para qualificar as atividades as turmas serão subdivididas. Metodologia da Pesquisa em Educação. O TCC deverá ser elaborado de forma individual conforme destaca o parágrafo único do Art. II. A definição do orientador deverá compatibilizar o quanto possível aos eixos temáticos e linhas de pesquisa. O processo de orientação de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) deverá iniciar no 4° período letivo.

o discente deverá defender seu Trabalho de Conclusão de Curso examinado por uma Banca proposta pelo orientador. que definirá o calendário das defesas de acordo as definições da PROEG . . XII. A avaliação da defesa será subordinada aos critérios da ficha de avaliação definida pela Faculdade de Educação e Ciências Humanas. devendo esta última analisar e aceitar o pedido. com os seguintes membros: Orientador (Presidente da Banca). A versão final do TCC deverá ser entregue na Secretaria da Faculdade de Educação e Ciências Humanas em meio eletrônico e dois exemplares impresso em material capa dura para fins de arquivo.29 IX. 95 da resolução nº 3.633 que regulamenta o curso de graduação no âmbito da UFPA. A homologação do TCC deverá ser submetida ao Conselho da Faculdade de Educação. XIII. b) que o discente solicite e justifique a antecipação com motivo que demonstre a impossibilidade de defender no prazo do calendário definido pela Faculdade de Educação e Ciências Humanas. X. podendo ser um deles convidado externo conforme destacado no Parágrafo Único do Art. A organização das defesas será de responsabilidade da Faculdade de Educação e Ciências Humanas. No final do último semestre. A atividade curricular TCC será integralizada após o discente entregar versão final na Faculdade de Educação com as devidas alterações feitas pela banca examinadora em concordância do orientador e homologado pelo Conselho da Faculdade de Educação. em final do semestre. A defesa de TCC poderá ser antecipada conforme o término do trabalho do aluno. XI. tendo como requisitos básicos: a) que o concluinte não esteja devendo nenhuma disciplina. num evento especifico denominado ―Jornada de Defesas de Trabalhos de Conclusão de Curso‖. mais 02 (dois) professores do quadro docente. XIV.

de modo que o discente tenha desde cedo a oportunidade de vivenciar experiências pedagógicas.30 Somente receberá o título de ―Licenciado Pleno em Pedagogia‖ o discente que obtiver. 4. nosso propósito a partir desse conceito é organizar e desenvolver o Estágio em disciplinas ao longo do curso. entretanto.788/2008. Os estágios supervisionados obrigatórios ocorrerão a partir do quinto semestre do curso. No caso do discente não ser aprovado no primeiro exame de defesa. no mínimo.3. sendo distribuídos durante o percurso acadêmico dos alunos para que haja maior tempo de planejamento e execução. desenvolvido no ambiente de trabalho. assim como. está previsto 405 horas de estágio em instituições escolares e não escolares. quando novamente será submetido a novo exame. . associando teoria e prática em experiências de docência. Durante o percurso acadêmico do aluno no curso. ESTÁGIO SUPERVISIONADO Segundo a Lei n° 11. poderão requerer junto a Secretaria da Faculdade de Educação o crédito de 50% da carga horária do estágio. melhor acompanhamento por parte do professor (a) orientador (a) das atividades desenvolvidas. que estão exercendo a função de professor – Educação Infantil ou Ensino Fundamental. gestão e coordenação de ambientes escolares e não escolares. a Banca poderá dar o prazo de até 30 dias para reformulação do TCC. Os alunos que comprovarem com documento oficial da Secretaria Municipal de Educação e/ou Secretaria Estadual de Educação. Os não obrigatórios ficarão na responsabilidade de planejamento do (a) docente com a turma. A solicitação deverá ser feita com antecedência de até 30 dias antes da realização da atividade curricular. deverão apresentar um memorial descritivo da sua prática pedagógica. conceito Regular na avaliação da defesa do TCC. que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam freqüentando o ensino regular em instituições de ensino superior. o Estágio é o ato educativo escolar supervisionado.

da Extensão Rural – EMATER. A oferta da disciplina Estágio Supervisionado. deverá ser garantida carga horária para que os professores possam orientar os alunos quanto a carga horária a ser trabalhada. Dedicação. Hospital Regional.  Formar hábitos e atitudes profissionais. Nos espaços não escolares poderão ocorrer por meio dos Programas e Projetos das Secretarias de Saúde – Hospital Municipal e 8º Centro Regional. pôsteres e outros meios de comunicação em sessão aberta à comunidade acadêmica. haverá a socialização das atividades por meio de documentários.  Comunicar-se com clareza e precisão. painéis. Os estágios ocorrerão no período extensivo na sede do município onde os alunos residem. Determinação. direcionados a gestão e a organização do trabalho pedagógico. No período intensivo anterior a oferta. Iniciativa. Pontualidade. tais como: Responsabilidade. Em espaços escolares ocorrerão nas escolas de educação infantil e ensino fundamental. . construção de planos de aula e de relatórios. em virtude de não haver professores suficientes para acompanhá-los nas mais diversas localidades onde trabalham. Secretaria de Trabalho e Assistência Social. mas executado com supervisão no período extensivo.  Planejar atividades didáticas. assim como. Espera-se que com a execução do estágio supervisionado os (as) discentes desenvolvam as seguintes habilidades:  Liderar pequenos e médios grupos.31 Os estágios serão organizados pelos professores e alunos no período intensivo. pesquisas. nas séries iniciais. Polícia Militar – 9º Batalhão. será planejado datas para socialização das atividades e entrega de relatórios e memoriais. disciplinas a serem ministradas. Pastoral da Criança e da juventude. ONG’s – Cruz do Sul e União Nacional dos Escoteiros. No período intensivo em que os estágios obrigatórios forem ofertados – em ambientes escolares e não escolares. nas Empresas locais. na modalidade de Educação de Jovens e Adultos. entre outros. em Programas de Alfabetização de Adultos e em classes multisseriadas. Independência e Espírito Crítico. deverá ser realizada conforme descrito neste PPC.

II. jornadas pedagógicas. 4. fóruns ou eventos de natureza acadêmica/e ou profissional. habilidades e competências ao aluno. VI. Projetos de Pesquisa. Participação e organização de seminários. V. adquiridos fora e dentro do ambiente acadêmico. III. ONGs. apresentando a turma por meio do Plano de Ensino para conhecimento. Para efeito de acompanhamento e registro de carga horária a ser cumprida. IV. oficinas pedagógicas em ambientes escolar e não escolar. Projetos de Extensão. as atividades complementares serão divididas nas seguintes categorias: I. Projetos desenvolvidos em unidades escolares. A finalidade precípua dessas atividades consiste em garantir a abordagem de temas imprescindíveis à formação acadêmica. órgão de apoio e incentivo a cultura. associações de bairros. discussão e análise antes do início do estágio apresentado no período da disciplina. Realização de cursos ou minicursos. campo científico e o campo da vivência social. as experiências adquiridas pelos licenciados durante o curso. registrará a síntese de sua vivência no estágio e suas reflexões sobre o que aprendeu. (apresentar projeto devidamente assinado pela autoridade responsável). Poderão incluir a prática de estudos e atividades complementares.4 ATIVIDADES COMPLEMENTARES Entende-se por atividades complementares os componentes curriculares que possibilitam conhecimentos. A Faculdade de Educação. etc. em espaços educativos diversos.32 Ao final de cada estágio realizado os (as) discentes apresentarão o relatório final que representa a culminância do Estágio. palestras. juntamente com o (a) docente orientador (a) elaborará normas e instrumentos de avaliação dos discentes. . Participação e organização em atividades comunitárias na área da educação. espaço de produção acadêmica. além de documentar sua execução e conclusão. somente obtidos através do engajamento discente em espaços-situações de caráter científico. incluindo-se as instituições escolares e não-escolares.

papers e outros. ocasião em que deverá ser apresentada a certificação atinente à participação nos eventos de caráter acadêmico (oficinas. Para que seja lançado na ficha do discente. VIII. da no 8º período letivo. realizados ao longo de seu percurso acadêmico. monografia. resenha. Frequência na jornada de defesas de TCC. bem como o preenchimento obrigatório do campo das descrições das atividades (Apêndice XIII). o mesmo deverá fazer a devida comprovação com carimbo e assinatura dos organizadores do evento. fichamento. . comunicação. o que tornará mais prática a contabilização da carga horária correspondente e o conseqüente registro no sistema de informações para o ensino (SIE-UFPA). Estratégias de leitura do texto acadêmico: estratégias de produção de textos acadêmicos: resumo. Participação em atividades culturais ou folclóricas da região (apresentar relatório das atividades assinado pela entidade organizadora). Nesse sentido. ensaio. Para auxiliar nas atividades complementares a Faculdade de Educação irá organizar as seguintes atividades em parcerias com outras faculdades do Campus: a) Oficina de leitura e produção de gêneros acadêmicos em educação – Ch: 20h  Conteúdos propostos: as condições da leitura e da produção de textos acadêmicos e científicos em educação. Durante o percurso acadêmico do aluno no curso ele deverá integralizar 120 horas de atividades complementares.33 VII. cursos. seminários. Gêneros do discurso acadêmico educacional: os gêneros orais e suas configurações formais e semânticas. artigo.). A comunidade do discurso educacional e as estratégias de produção e leitura de textos. essas atividades serão agrupadas em 01 (uma) atividade curricular de 120 horas. todas as atividades feitas deverão ser lançadas na Ficha de Atividades Complementares dos cursistas. As atividades complementares ocorrerão ao longo do curso. etc. os gêneros escritos e suas configurações formais e semânticas. Contudo.

Processos simbólicos e conhecimento do mundo na infância. artigos. resumos. d) Curso sobre a organização e produção do trabalho científico – 20h  Conteúdos propostos: Normas da ABNT. Vertentes da Educação ambiental: ecológico-preservacionista e sócio-ambiental. Dentre outros que venham a surgir conforme a necessidade dos discentes. A escola. apresentações de slides e fonte de pesquisa acadêmica. Processos e espaços de socialização da criança na contemporaneidade. Infância e cultura. projetos de pesquisa.34 b) Oficina de introdução à informática – Ch: 20h  Conteúdos propostos: noções básicas de sistemas operacionais.771/1965). o Projeto Pedagógico e a Educação Ambiental. Problemas Ambientais em Escala Global. Legislação Ambiental: Código Florestal Brasileiro (Lei nº 4. planilhas eletrônicas. Sexualidade da criança e violência sexual. c) Mini-curso sobre a situação histórica da infância – Ch: 20h  Conteúdos propostos: História da infância e das práticas de socialização da criança. . uso da Internet como divulgação de conhecimento (blogs e wikis). e) Curso sobre Educação Ambiental – Ch: 20h  Conteúdos propostos: Elementos da História da Educação Ambiental. Subsídios para a Prática da Educação Ambiental.795/1999 que dispõe sobre a educação ambiental e institui a Política Nacional de Educação Ambiental. elaboração de resenhas. Noções básicas de edição de texto. Violências contra a infância. Lei no 9. Colonização e Problemas Ambientais na Amazônia. Processos históricos de escolarização da infância.

na perspectiva da relação entre docente. áreas do conhecimento e temas correlatos.5 ARTICULAÇÃO DO ENSINO COM A PESQUISA E A EXTENSÃO 4. Estes princípios estão em consonância com as orientações do art.5. Propiciar aos docentes e discentes dos cursos um clima e ambiente acadêmicos de estudos e pesquisas concernentes às ciências auxiliares da educação. Um indicativo da busca de efetivação desse compromisso pode ser percebido nos projetos de extensão já aprovados por esta faculdade e em sua maioria implementados (os quais serão posteriormente apresentados). . VI. II. promovam a integração com a pesquisa e a extensão e a relação teoria-prática com elementos indissociáveis do processo ensino-aprendizagem. discente e conhecimento.35 4. Divulgar os resultados de estudos e pesquisas dos grupos e o andamento de seu processo de implementação. admitindo a diversidade de meios. fundamentados na análise crítica do contexto sócio-educacional. IV. através do presente Projeto Pedagógico. bem como estimular à publicação em revistas científicas. Incentivar a apresentação de trabalhos científicos em eventos regionais e nacionais de relevância. III. Desenvolver atividades de caráter multidisciplinar. 4ª do regulamento do ensino de graduação em que destaca: Os cursos de graduação da UFPA obedecerão a princípios metodológicos que. interdisciplinar e transdisciplinar que mobilizem professores e alunos em torno de seu respectivo pólo temático. Desenvolver estudos e pesquisas de relevância teórica.1 Política de Pesquisa A Faculdade de Educação e Ciências Humanas. V. Manter o intercâmbio com outros grupos de pesquisa dos Campi da Universidade Federal do Pará. englobando um trabalho com as Faculdades de outros cursos que tangenciem a temática educacional. desenvolverá linhas de pesquisa que contemplem elementos de interesse e referências teóricas e empíricas do coletivo acadêmico para o desenvolvimento de trabalhos da graduação. prática e social. São diretrizes dessa política: I.

074/2010.º 4. projetos de intervenção junto à comunidade geral e educacional. Os professores que ministrarão as disciplinas terão autonomia em comum acordo com os alunos para realizarem: mini-cursos. podendo ainda ser incluída em seus Planos Individuais de Trabalho conforme as orientações da resolução n. Possibilitar. art.. por conta da realização das pesquisas. VIII. Nas atividades curriculares a extensão se dará nas 19 disciplinas que dispõem de carga horária prática conforme pode ser visualizada no Apêndice IV que apresenta a contabilidade acadêmica do curso. Implementar uma sistemática de acompanhamento e avaliação das pesquisas. Jornada pedagógica. . Desta forma.] o processo educativo. Todos os projetos devem ser submetidos ao Plenário do Conselho da Faculdade e do Campus para análise e aprovação. retorno à sociedade brevense e marajoara através de palestras. com exceção das disciplinas de estágio. totalizando 585 horas. palestras. objetivando a formação cidadã. que visa estabelecer uma relação transformadora entre a Universidade e a sociedade por meio de ações interdisciplinares da comunidade acadêmica. 4. Simpósios. cultural e científico. 66 que conceitua a extensão como sendo: [. segue os mesmos princípios do que dispõem o Estatuto da Universidade Federal do Pará. Os professores da faculdade podem solicitar carga horária para projeto de extensão com até 20 horas semanais. a política de extensão do curso será realizada seja por meio das atividades curriculares como por projetos desenvolvidos pelos professores e alunos.. a produção e a socialização do conhecimento. oficinas e outras atividades extensionistas. No encerramento de cada projeto os professores devem apresentar relatório final destacando os resultados alcançados. articulado ao ensino e à pesquisa de forma indissociável.2 Política de Extensão A política de extensão para os alunos da Faculdade de Educação e Ciências Humanas do Campus Universitário do Marajó – Breves/PARFOR.36 VII. oficinas. feiras didático-pedagógicas. seminários. incorporando critérios de qualidade e relevância científica e social. Workshop.5.

os Workshops. canetas. orienta-se para a existência de uma diversidade de procedimentos metodológicos e estratégias de ensino conforme a disciplina que será ministrada a fim de atingir os objetivos propostos. livros. funcionando em local sem uma estrutura adequada para atender sua . previamente definido em um Plano de Ensino.1 ESTRUTURA HUMANA E FISICA DO CURSO DE PEDAGOGIA a) Corpo Docente A Faculdade de Educação e Ciências Humanas possui diretor. survey entre outros. internet. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS E PLANEJAMENTO DO TRABALHO DOCENTE A Faculdade de Educação e Ciências Humanas do Campus de Breves no início de cada período letivo organizará reuniões para estudo. apresentações de painéis. assim como as orientações desse plano de forma estar em sintonia com o que anuncia a ementa de cada disciplina. Destaca-se que a Faculdade de Educação sempre primará pelo princípio da autonomia dos professores na elaboração de suas atividades pedagógicas considerando a Universidade um espaço plural de produção do conhecimento. peças teatrais. conforme prevê o Regulamento do Ensino de Graduação (ART. cabem as preleções. microcomputadores. jornais. § 2º) 6 INFRA-ESTRUTURA 6. porém. os estudos dirigidos. os debates em sala de aula. revistas. os seminários. No entanto.37 5. visitas programadas. terão como referência os objetivos e metas do campus. planejamento e avaliação. 102. vice-diretor e bolsistas. É a oportunidade para a socialização e discussão das diretrizes sobre os procedimentos metodológicos que deverão ser adotados nas atividades curriculares. artigos) e recursos tecnológicos (televisor. aparelho de data-show) a critério de cada docente. de forma a facilitar a socialização do conhecimento com e entre os discentes. Assim. aparelho de DVD. Todos estes procedimentos podem ser facilitados mediante o uso de recursos didáticos (quadro magnéticos. socialização e conhecimento de experiências educativas. Esses.

o qual possibilitará uma gestão mais organizada que fortalecerá ainda mais o Conselho da Faculdade que já está em funcionamento. H. DISCIPLINA DE CONCURSO DE DE DE DE Política Educacional LIBRAS História da Educação Didática e Formação Docente Psicologia da Educação Gestão de Unidades Educacionais Pesquisa Educacional Avaliação Educacional Tecnologias. No entanto. Atualmente o número de docentes da Faculdade de Educação e Ciências Humanas é constituído por 10 (dez) professores. conforme pode ser visualizado no quadro 03 a seguir: Nº DOCENTES 1 C. Assim. Guedes 3 DE DE DE 10 11 12 Solange Pereira da Silva 4 Sônia Maria Pereira do Amaral 5 Tatiana Maria Holanda Landim DE DE DE Cleide Carvalho de Matos Enil do Socorro de Sousa Pureza Ronaldo de Oliveira Rodrigues DE DE FORMAÇÃO Mestre Mestre Mestre Mestre Mestre Especialista Mestre Especialista Especialista Especialista Especialista Mestre Quadro 03: Docentes da Faculdade de Educação e Ciências Humanas Destaca-se que o campus já está em processo de realização de concurso público para contratação de mais 2 (dois) professores efetivos nas disciplinas de LIBRAS e Psicologia da Educação que serão lotados na Faculdade de Educação e Ciências Humanas. Linguagem e Cultura na UNAMA 5 Afastada para cursar doutorado na Universidade de Minho em Portugal no período de 2011 a 2015.38 clientela. novo auditório e biblioteca). É importante frisar que para a consolidação do Campus Universitário do Marajó-Breves como a principal Instituição Pública de formação de Capital Humano da Região do Marajó para atuar na docência. o projeto de Reestruturação da Universidade (REUNI) está proporcionando para o Campus a reorganização do seu espaço. 2 . com novas estruturas (novas salas de aula. O curso de Pedagogia do Campus Universitário do Marajó Breves está se consolidando através de seu projeto político do curso. incluindo o de Pedagogia. doutorado. nos próximos 5 (cinco) anos a meta é dobrar o número de docentes da Faculdade de Educação. Informática e Educação Planejamento Educacional Prática Pedagógica Sociologia da Educação 01 02 03 04 Alexandre Augusto Cals e Souza Arlete Marinho Gonçalves Carlos Elvio das Neves Paes 05 06 Egídio Martins 07 08 09 Eraldo Souza do Carmo 2 Leonildo Nazareno do A. faz-se necessário ampliar a oferta de vagas do curso de pedagogia. 1 Afastado para participar de programa de pós-graduação stricto sensu. novos laboratórios. Cursando mestrado em Educação pelo Instituto de Ciências da Educação da UFPA 3 Cursando mestrado no Instituto de Letras e Comunicação da UFPA 4 Cursando mestrado em Comunicação. todos com dedicação exclusiva. sendo 05 (cinco) assistentes – com dois ingressantes no doutorado – e 05 (cinco) auxiliares – três ingressantes no mestrado. em São Paulo.

para atuar junto ao Laboratório de Educação e precisará de: 2 (dois) Técnicos Administrativos e 2 (dois) Técnicos em Educação de Nível Superior. a necessidade de ampliar o número de professores se torna ainda mais urgente em função das turmas que ingressam através do processo seletivo da UFPA e o compromisso assumido pelo campus com o MEC para formação do professores através do PARFOR. além dos docentes da Faculdade de Educação. O PARFOR. esta Faculdade necessita da constituição de uma equipe profissional. os serviços são realizados através da contração de bolsistas. Biblioteca de 6 Turma anexa no Município de Ponta de Pedras Turma anexa no Município de São Sebastião da Boa Vista 8 Turma anexa no Município de Portel 7 . b) Técnico Administrativo A Faculdade de Educação não conta com nenhum técnico administrativo para suprir suas necessidades. por ser um Plano Nacional de Formação de Professores. Desta forma. que tiverem título de mestre ou em doutorado. De acordo com as demandas futuras de infra-estrutura. IES. Com isso. para os primeiros 4 (quatro) anos do curso do PARFOR será necessário no mínimo 4 (quatro) servidores.39 A Faculdade de Educação e Ciências Humanas através do seu corpo disponível atende as seguintes turmas de pedagogia conforme pode ser visualizada no quadro 04: Nº 1 2 3 4 5 6 6 7 8 9 10 11 Total TURMAS Pedagogia Pedagogia Pedagogia Pedagogia Pedagogia Alunos remanescentes Pedagogia PARFOR Pedagogia PARFOR6 Pedagogia PARFOR7 Pedagogia PARFOR Pedagogia PARFOR Pedagogia PARFOR8 CURSO 175 175 421 468 421 175 547 586 590 547 ANO 2007 2008 2009 2010 2011 1996 a 2006 2010 2010 2010 2011 2011 2011 REGIME Extensivo Extensivo Intensivo Extensivo Intensivo Intensivo Intensivo Intensivo Intensivo Intensivo Intensivo Nº DE ALUNOS 36 44 45 40 41 60 40 30 32 40 40 40 495 Quadro 04: Turmas de Pedagogia coordenada pela Faculdade de Educação e Ciências Humanas Fonte: Secretaria da Faculdade de Educação (2011) Como se evidencia no quadro 05 os cursos de pedagogia vinculados a Faculdade de Educação atendem 495 alunos contabilizados com as turmas do PARFOR que ingressaram a partir do ano de 2010. ou outras IFES. podendo ser de outros campis da UFPA. o curso de Pedagogia contará com professores convidados.

O referido plano poderá ser ajustado anualmente. levando em consideração o conjunto de atividades que a FECH realiza. deverá ser elaborado um Plano Bienal de Qualificação.cursos de pós-graduação stricto sensu: mestrado e doutorado. no qual devem constar as necessidades de qualificação dos servidores da Unidade. art.90. conforme disposto no Art. 96A. Na implementação da Política de Qualificação Docente e Técnicoadministrativa. de 10.97. de 11. . No Plano deverão constar: a) as atividades em realização ou projetadas durante o período de validade do plano. III . recomendado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). respectivo tempo de serviço e situação funcional. missão ou eventos compatíveis com as atividades docentes ou técnico-administrativas. bem como previsão de aposentadorias. 5 (cinco) Técnicos Administrativos.12. A Política de Qualificação docente e técnico-administrativa da Faculdade de Educação será estabelecida nos seguintes níveis formativos: I .112. c) Política de Qualificação Docente e Técnico-Administrativa A Faculdade de Educação e Ciências Humanas considera meta prioritária a qualificação de seu pessoal docente e técnico-administrativo no âmbito de uma Política Institucional que enfatize a atualização sistemática dos recursos humanos do Campus Universitário do Marajó . II .40 Ciências Humanas: 2 Técnicos Administrativos e 3 (três) Técnico de Nível Superior e Escola de Aplicação com 3 (três) Técnicos em Educação de Nível Superior. mediante justificativa aprovada pelo Conselho da Faculdade. b) o nível de qualificação do pessoal docente e técnico-administrativo. 87 da Lei 8.Breves para o exercício pleno e eficiente de suas atividades.capacitação.cursos de pós-graduação lato sensu: aperfeiçoamento (180 horas) e especialização (360 horas). c) a definição de áreas prioritárias de capacitação. com a redação dada pela Lei nº 9.907/2009. IV – participação em congresso.527. conforme disposto na Lei 11. seminário.12.

o Conselho da Faculdade encaminhará à Coordenação do Campus uma avaliação da sua capacidade de manutenção dos afastamentos planejados. alterou o Capítulo V da Lei nº 8. DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006). Ao final de cada período referido. sem perda de remuneração (DECRETO Nº 5. Portanto.112/90. A legislação básica a respeito dessa matéria é apresentada a seguir: a) Licença para Capacitação Licença para Capacitação é a licença que o servidor. depois de três (3) anos para o mestrado e de quatro (4) anos para o doutorado. incluído o período de estágio probatório. bem como a definição do percentual máximo do número de profissionais a serem liberados a cada dois ou quatro anos. quando necessário. só poderá ser concedido quando o servidor interessado já tiver atingido a efetividade no cargo. acompanhada de uma proposta de contratação de professores substitutos. no interesse da administração para participar de curso de capacitação profissional.707. incluído o estágio probatório. e) estipulação de critérios/prioridades para afastamento de docente ou técnicoadministrativo para participar de programas de pós-graduação stricto sensu.41 d) a apresentação de um quadro que projete os recursos humanos a serem capacitados em seus respectivos níveis de qualificação. estabelecendo que o afastamento para participação em Programa de Pós-Graduação stricto sensu no País. a lei estabelece que o servidor só poderá afastar-se para:  Mestrado: Depois de três anos de contrato com a UFPA. ou seja. poderá afastar-se.907/2009. e que não tenha se afastado por licença para tratar de assuntos . por até três meses. ao completar cinco anos de efetivo exercício no serviço público federal. b) Afastamento para Participação em Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu no País A Lei 11. de 02 de Fevereiro de 2009. no artigo 96A.

os professores especialistas que ainda não concluíram o estágio probatório. Assim. se estiverem interessados em cursar o mestrado. só poderão contar com o ônus de se qualificar em nível de pós-graduação stricto sensu mediante o cumprimento de suas atividades de ensino. doutorado e pós-doutorado.907/2009. está previsto a criação de mais um laboratório de informática). 04 são para atender alunos no vespertino-noturno. Coordenação Acadêmica. Laboratório de Informática. Secretaria Executiva. não pode mais ser concedido no período do estágio probatório.  Doutorado: Depois de quatro (4) anos de contrato com a UFPA. Coordenação do Campus. e que não tenha se afastado por licença para tratar de assuntos particulares para gozo de licença capacitação ou nos quatro anos anteriores à data da solicitação de afastamento. Nessa perspectiva. Biblioteca. destas. incluído o estágio probatório.Breves possui 08 (oito) salas de aulas (48 m² cada). o afastamento de servidor para mestrado.2. 6. pesquisa e/ou extensão programadas na Faculdade de Educação. a partir do advento da citada Lei nº 11. O Campus Universitário do Marajó .  Pós-doutorado: Depois de quatro (4) anos de contrato com a UFPA. incluído o estágio probatório. ESTRUTURA FÍSICA QUE O CAMPUS OFERECE PARA O CURSO O Campus Universitário do Marajó – Breves prima por uma gestão com responsabilidade e ética profissional. Gestão e Avaliação. Secretaria Acadêmica e Divisão de Pesquisa e Extensão. 01 (um) laboratório de informática com 15 computadores.42 particulares para gozo de licença capacitação ou nos dois anos anteriores à data da solicitação de afastamento. administração. que atende aos alunos de todos os Cursos existentes no Campus (com o REUNI. 01 (uma) . localizadas no pavilhão I. e que não tenha se afastado por licença para tratar de assuntos particulares para gozo de licença capacitação ou nos dois anos anteriores à data da solicitação de afastamento. 01 (um) auditório para 120 lugares (96 m²). Coordenações de Unidades e Subunidades Acadêmicas. Coordenadoria de Planejamento. Após a aprovação de seu Regimento Interno passou a ter uma nova estrutura organizacional: Conselho Deliberativa do Campus. 01 (uma) sala de vídeo conferência totalmente equipada (48 m²).

a estrutura física não comporta mais toda essa demanda existente. câmera digital. necessitando de mais obras para poder atender as demandas dos usuários. As estruturas físicas do Campus estão passando por reformas para solucionar problemas de acesso. são necessários os seguintes recursos materiais e espaços físicos conforme descrito no quadro 05 a seguir: Nº 01 02 03 04 05 06 07 ESPAÇOS FÍSICOS EXISTENTES Sala para Coordenação 01 Sala para Secretaria 00 Sala para Grupos de Pesquisa 00 Salas de Aula 02 Sala para o Centro Acadêmico 00 Gabinete para Professores 00 Sala para Reuniões dos docentes e do Conselho 00 da Faculdade 08 Laboratório de Educação 00 09 Escola de Aplicação 00 10 Biblioteca de Ciências Humanas 00 11 Laboratório de informática 00 Quadro 05: espaço físico disponíveis no Campus Universitário do Marajó NECESSÁRIOS 01 01 06 05 01 12 01 01 01 01 01 O Campus Universitário do Marajó – Breves visando atender as necessidades que os cursos têm para funcionar elaborou o Plano de Melhorias que já está sendo .43 cantina (64 m²). O Campus ainda enfrenta problemas em relação ao acervo bibliográfico. scanner. atende a comunidade acadêmica do Campus e a sociedade em geral. retro-projetor. Sua infra-estrutura também precisa de melhorias. devido à quantidade restrita de materiais. com a alocação das verbas de que se têm notícias. principalmente do corpo docente que o Campus vem promovendo nos últimos anos. tendo em vista atender portadores de necessidades especiais. os alunos dispõem de acesso materiais como a data show. necessitando ser ampliado. que além de ser pequeno está desatualizado. Ainda que de forma precária. 01 (um) espaço coberto para reuniões (170 m²). iluminação e climatização das salas de aulas. do seu quadro funcional. isso venha a acontecer e resolver essa deficiência. Espera-se que. Ela dispõe de um acervo com 4. pois seu espaço físico de 120 m² (cento e vinte metros quadrados) é pequeno.429 exemplares. bem como solucionar problemas de imobiliário. Ricardo Teixeira de Barros do Campus Universitário de Breves (120 m²). Desta forma. para o funcionamento dos cursos a serem ofertados pela Faculdade de Educação e Ciências Humanas. Em virtude da expansão da oferta de cursos. A Biblioteca Prof.

90m X 3. medindo 14. Instalação de sala de reunião para professores equipados com carteiras. Construção de 01 (um) Centro de Treinamento. Instalação de 12 computares ligados à internet movéis nos gabinetes dos professores no período de dezembro de 2011 a janeiro de 2012 3. Construção de 17 gabinetes com capacidade para dois professores cada. 3. 4. Construção de um auditório com recursos do REUNI para 300 lugares no período de janeiro de 2011 a janeiro 2012. 3. Construção de mais três salas de aulas com recurso do REUNI medindo 49. Apoio Pedagógico 3. com recursos do REUNI no período de fevereiro de 2011 a janeiro de 2012.70m2 (4. Aumento do Link de acesso a Internet no Campus Universitário do Marajó – Breves para facilitar a pesquisa dos acadêmicos e os trabalhos administrativos no período de junho a outubro de 2011. Aquisição de 1500 obras para o acervo da biblioteca para atender o curso de pedagogia no período de março a dezembro de 2011. 2. 1. refrigerada. 4.70m2 no período de fevereiro de 2011 a Janeiro de 2012. Ampliação do espaço da Secretaria da Faculdade de Educação para melhor atender os alunos no período de julho a agosto de 2001. mesa e material de multimídia no período de dezembro de 2011 a janeiro 2012. medindo 65. Construção do Novo Bloco Administrativo do Campus de Breves. 2. Construção do prédio do Laboratório de Pedagogia no período de março de 2011 a janeiro de 2012.44 executado desde o ano de 2010 e dando continuidade durante o ano de 2011 com vista a garantir infra-estrutura física e pedagógica que atenderá também os cursos de Pedagogia. 5. . no período de maio de 2011 a fevereiro de 2012. Aquisição de 30 computadores novos para instalação no Laboratório de Informática ligados a internet no período de outubro de 2011 a janeiro de 2012. Efetivação da contratação de 2 (dois) bolsistas através do PARFOR que desempenharão atividades administrativas na faculdade no período de janeiro a dezembro de 2011. Salas de aula 1. medindo 720m2. carteiras com almofadas. 2. Implantação do sistema digital para administração do acervo da biblioteca do campus no período de agosto a novembro de 2011.80 m2. com instalações modernas. 1. conforme pode ser visualizado no quadro 06 a seguir: AMBIENTES Laboratórios Secretaria da Faculdade Salas de professores METAS 1. que atenderá todos os 10 (dez) docentes da Faculdade. Aquisição de mais 3 (três) computadores ligados a internet a secretaria da faculdade no período de julho a agosto de 2011. 4.00m). Reestruturação física do Laboratório de Informática no período de julho a dezembro de 2011. 1. 2. 2. Instalação fixa nas salas de aula dos equipamentos de multimídia (data show e computadores) no período de fevereiro a maio de 2011. quadro magnético para atender os cursos de pedagogia no período de janeiro de 2011 a janeiro de 2012. Implantação de Rede Wireless no Campus Universitário do Marajó – Breves objetivando facilitar o acesso dos acadêmicos a pesquisa no período de outubro a dezembro de 2011. com capacidade para 40 (quarenta) usuários com instalação dos equipamentos de multimídia. com capacidade para 30 (trinta) usuários. Instalação do novo prédio da biblioteca do Campus Universitário do Marajó – Breves medindo 420m² no período de março a julho de 2011. 3.

Em essência. Construção de salas para os diretórios e centros acadêmicos no período março a dezembro de 2011. Construção de Deque em volta do lago em madeira de lei. Construção de mais 10 quiosques de 2. a política adotada é de valorização aos princípios da inclusão social e o objetivo maior é melhorar os recursos disponíveis para tal. Quadro 06: Plano de melhorias do Campus Universitário do Marajó – Breves Fonte: Coordenação de Planejamento. para circulação de veículos e pedestres. com o intuito de ajudar na . com estacionamento amplo para automóveis e motocicletas. Urbanização 4. 2. 2011. ressaltase que a Faculdade de Educação e Ciências Humanas busca contemplar o princípio da inclusão social.5mX2. Gabinetes e Centro de Treinamento no período de janeiro a abril de 2011. 7. 6. ligando a praça de lazer.45 1. abrangendo toda a área de entrada do atual portão do Campus. 3. A disciplina de Libras deve ser incluída no currículo como disciplina obrigatória visando uma política mais consistente de inclusão. Construção de Copa cozinha e banheiros no período de março de 2011 a fevereiro de 2012. 5. 7. atravessando o Campus até o local onde será construído o Novo Bloco de Salas. para favorecer a socialização de estudos e lazer dos discentes no período de março a junho de 2011. Implantação do Novo Sistema de abastecimento de água do Campus no período de março a novembro de 2011. Construção de rampas de calçadas e rampas nos diversos ambientes do campus para favorecer a acessibilidade de pessoas com deficiências no período de janeiro a abril de 2011. POLÍTICA DE INCLUSÃO SOCIAL Atendendo ao artigo 125 do Regulamento da Graduação da UFPA. Calçamento em concreto (1. b) Transformação de textos para o BRAILLE c) Formação continuada para professores e alunos do Campus quanto a LIBRAS Trabalhar com a aquisição do programas (softwares) e de equipamentos para atender aos portadores destas deficiências é uma alternativa inovadora para o melhor desenvolvimento das ações dentro da Faculdade. Para isso necessitaremos de: a) Ajustes de ordem infra-estrutural para garantir o acesso de cadeirantes.284m2).5m. recursos adequados e capacitação de pessoal para atender as pessoas com necessidades especiais. almejando disponibilizar acesso às salas de aula. Gestão e Administração do Campus.

além de estar em plena sintonia com os órgãos internos como a PROEG que realizam esse processo. pois é o momento da reflexão e auto-reflexão sobre a materialidade das ações pedagógicas. democrática e diagnóstica com a perspectiva de interpretar. Pesquisa e Extensão da Faculdade de Educação. como os avaliadores nacionais coordenados pelo MEC. assim. Para isso. com os procedimentos avaliativos adotados buscar-se-á estar sempre em sintonia com as orientações do Programa de Avaliação e Acompanhamento do . discentes e administrativo ligado a faculdade a fim de mensurar os índices de qualidade/quantidade. Neste sentido. a atuação profissional do corpo docente enquanto os sujeitos intermediadores para / da produção do conhecimento. assim como. SISTEMA DE AVALIAÇÃO A avaliação do PPC constitui o elemento crucial para o dimensionamento ou redimensionamento das ações de Ensino. a saber: nos eventos de planejamento e avaliação de cada período letivo definidos no calendário acadêmico. deverá ser construído um instrumento avaliativo em forma de questionário para ser aplicado entre os docentes. Todas as avaliações serão realizadas sempre retomando os objetivos. Também será feito a composição de uma Comissão Didático-Acadêmica por docentes efetivos do Campus indicado pelo conselho da faculdade para realizar o acompanhamento e avaliação das atividades didático-pedagógico e cientificas desenvolvida pelos docentes e discentes da faculdade. do curso e da instituição. analisar ou verificar evidenciando os aspectos quantitativos e qualitativos. terá como princípio avaliação participativa. Avaliação será uma dinâmica para expressar a compreensão política e pedagógica da Faculdade de Educação a partir de seus objetivos. terá como norte a avaliação processual. 8.46 formação de profissionais mais aptos ao trabalho com pessoas que apresentam necessidades especiais desde a educação infantil até o nível superior. metas e diretrizes. O Curso de Pedagogia do Campus Universitário do Marajó . Por fim. a produção acadêmica dos alunos ganha centralidade. Dessa forma.Breves almeja alcançar sempre os índices de qualidade exigidos pelos órgãos normatizadores.

corpo docente e discente contando sempre com orientação da PROEG. projetos de ensino. bem como sua aceitação em programas de pósgraduação. aceitação dos egressos no mercado local. Pelos docentes – os docentes avaliarão o curso considerando a estrutura curricular. estrutura curricular. atividades complementares. Pelos Técnico-administrativos – avaliarão o curso considerando a atuação dos docentes e discentes. a estrutura física. a estrutura física. 8. seu trabalho para o desenvolvimento do curso. regional e estadual. organização e avaliação do conjunto das atividades desenvolvidas. 2. estrutura curricular. utilização de espaços educativos (laboratórios. a estrutura física. pertinência do curso no contexto regional. no período destinado ao planejamento. pesquisa e extensão. biblioteca. pesquisa e extensão. a relação entre ensino. flexibilização curricular. o uso de espaços educativos. o diálogo com a coordenação do curso e com os docentes. Será observado seus objetivos. 3. 1. convênios. estágios remunerados de empresas. Auto-avaliação do curso – consideraremos os índices de evasão (transferência e mudança de opção de curso). AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO As avaliações serão realizadas semestralmente em reunião do Conselho deliberativo da Faculdade de Educação e Ciências Humanas e ao final de cada período letivo. produção científica dos alunos e docentes. média das avaliações anuais por grupos de alunos. 4. a comunicação com a coordenação do curso.47 Ensino de Graduação com a finalidade de: identificar situações favoráveis ou desfavoráveis à realização do Projeto Pedagógico do curso nas suas várias dimensões e propor soluções a fim de subsidiar tomadas de decisões que favoreçam a melhoria do ensino do curso de pedagogia. . a comunicação com a coordenação do curso.1. a atuação dos docentes. a auto-avaliação. bibliotecas). em encontro coletivo com todos os segmentos que fazem parte da Faculdade. habilidades e competências. Pelos discentes – os discentes avaliarão o curso mediante instrumento previamente elaborado considerando os seguintes tópicos: estrutura curricular.

assim como seu desempenho acadêmico e será feito bimestralmente. a realização dos processos avaliativos deve acontecer pelo menos uma vez por ano entre docentes e discentes. principalmente na região marajoara a reformulação ou adequação será realizada sempre que no decorrer do seu percurso avaliativo for apontada a necessidade. Também deverá discutir os resultados de cada avaliação parcial com a turma. os critérios e procedimentos que utilizará conforme o plano de ensino. Desta forma. fichamentos. o docente no início de cada disciplina apresentará de forma clara e objetiva a turma. caso a legislação educacional assim o determinar e que incida nos cursos de graduação. produção escrita. serão considerados o conceito final e a frequência em cada atividade. AVALIAÇÃO DO PROCESSO EDUCATIVO Desempenho dos Discentes – a avaliação dos discentes terá como questão central verificar a evolução da aprendizagem. Por isso. Para os alunos que não obtiverem conceito à aprovação na . painéis temáticos. semestralmente e anualmente. tendo como princípio atender a legislação vigente.48 Este Projeto Pedagógico como norteador do curso de Pedagogia da Faculdade de Educação e Ciências Humanas do Campus Universitário do Marajó Breves. trabalhos de pesquisas. 8. a fim de garantir que esse procedimento se dê antes da próxima verificação da aprendizagem. Para fins da avaliação da aprendizagem atendendo o princípio democrático e participativo. Destaca-se que o conceito final será resultante do conjunto de procedimentos de avaliação utilizado pelo (s) docente (s) da que poderá utilizar os seguintes instrumentos: seminários. estará sujeito a mudança. Também. simpósios. Compreende-se que se tratando de um projeto de curso de graduação que tem o compromisso de formar profissionais pedagogos para atuarem na educação ou em outras instituições. exposição oral. o Conselho da Faculdade através do diálogo com a comunidade acadêmica tem autonomia para fazer as adequações necessárias. é passivo de mudanças conforme o colegiado da faculdade assim entender partindo dos processos avaliativos realizados. resenhas de textos.2. participação nas atividades curriculares. entretanto. produção de artigos. Para fins de registro do aproveitamento acadêmico do discente no histórico escolar.

avaliações. bibliografia. exercícios. considerando o seu desempenho em relação à capacitação e habilidade profissional. seminários. visitas técnicas. projetos de pesquisa. relações humanas. pontualidade. participação em grupos de pesquisa. produção acadêmica. cumprimento do conteúdo programático. ensino e extensão e outros. . laboratório. o docente tem autonomia para recorrer a avaliação substitutiva conforme as orientações do Art.49 atividade curricular. assiduidade. mas com frequência mínima de setenta e cinco por cento. carga horária alocada para teoria. 111do regulamento do ensino de graduação. recursos e materiais didáticos utilizados. Desempenho dos Docentes – os docentes serão avaliados a cada dois anos mediante instrumento elaborado para ser aplicado para esse fim.

Teresa H. DF. 1988.. de 15 de maio de 2006.) Reinventar a escola. Carlos Rodrigues. São Paulo: Manole. _______. Fundamentos Biológicos da Educação. Ministério da Educação e do Desporto. _______. 2005. .394. BORGES. 1985. Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Brasília. CANDAU. BRANDÃO. Petrópolis: Vozes. 2006. M. Parecer Nº. Brasília. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília. 2000.. _______. ed. de 20 de dezembro de 1996. As etapas do pensamento sociológico. O que é Educação. Parecer Nº. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Plano Nacional de Educação. TOLEDO FILHO. 05/2005. Raymond. Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável para o Arquipélago do Marajó: resumo executivo da versão preliminar para discussão nas consultas públicas. L. 2001.R. A. 1996. S. Conselho Nacional de Educação (CNE). 06/2005. São Paulo: Àtica. (Org. Conselho Nacional de Educação (CNE/CP). Brasília. FROTA-PESSOA. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 1993. São Paulo: Martins Fontes. 2005. ARON. MEC. Governo Federal. Brasília. REFERÊNCIAS ARANTAGY. São Paulo: Brasiliense. DF. Lei 9. Conselho Nacional de Educação (CNE/CP). Brasília. Parâmetros Curriculares Nacionais. BRASIL. A criança em idade pré-escolar. 2007. _______.50 10. 4. Grupo Executivo Interministerial. Resolução Nº. Vera M. _______. 01. 1994. 2006. O. _______.

A prática do planejamento participativo. GOHN. Pablo (org. 1989. 1998. 2 ed. Danilo. FAZENDA. GOULARD. 3 ed. DURKHEIM. 2004. ed. Campinas. 37 ed. Desafios modernos da educação. 1999. São Paulo: Edições Melhoramentos. AEC do Brasil. Petrópolis: Vozes. Petrópolis: Vozes. Paulo. 1991. Avaliação: mito e desafio: uma perspectiva construtivista. Íris B. . Psicologia da Educação. Pedagogia do Oprimido. FREIRE. Rio de Janeiro: DPeA Editora. Maria da Glória. São Paulo: Papirus. Pedagogia da Exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação.51 COSTA. São Paulo: Cortez. Sociologia – introdução à ciência da sociedade. Petrópolis: Vozes. Rio de Janeiro. 11. 1995. Stuart. 1998. _______. 1993. 1999. Cristina. _______. São Paulo: Loyola. Ivani (org. GANDIN. 1978. GENTILI. Émile. São Paulo: Autores Associados. Vozes. HALL. Educar pela pesquisa. Paz e Terra. Petrópolis. Jussara.). 1996. Pedagogia da Autonomia. São Paulo. DEMO. 1987. A identidade cultural na pós-modernidade. 1999. Didática e interdisciplinaridade. São Paulo: Editora Moderna. Educação e sociologia.). 1998. HOFFMAN. Planejamento Educacional como prática educativa. Porto Alegre: Educação e Realidade. _______. Paz e Terra. Pedro. Educação Não Formal e Cultura política.

Educação e Sociedade. M. 2004. Campinas: Papirus. São Paulo: Cortez. Paz e Terra: São Paulo. PERRENOUD. Maria Ângela dos. Mário A. 1993. Tomaz Tadeu. SAVIANI. 1989. 1998. São Paulo: Moderna. São Paulo: DPeA. São Paulo: Cortez. Phillipe. Currículo: cultura e sociedade. PIMENTA. para quê? 8. R. A. 2000.52 LIBÂNEO. São Paulo: Cortez. 2. F. 1989. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. Porto alegre. SP: Papirus.). SADER. Currículo: Políticas e práticas. Tosi. Escola e Democracia. MOREIRA. 1994. OLIVEIRA. J. C. Educação Escolar: políticas. 16. 1995. (org. Artmed. Sociologia da Educação. LIBÂNEO. São Paulo: Ática. Pós-Neoliberalismo. Didática. Selma Garrido. ed. 1999. Filosofia. MOREIRA. Pedagogia Diferenciada. . ed. Biologia educacional: noções de biologia aplicadas à educação. J. estrutura e organização. São Paulo: Cortez/Autores Associados. Pedagogia e Pedagogos. ed. Dermeval. MOURA. Ana Maria.). RODRIGUES. São Paulo: Cortez. Biologia educacional. 2005. S. SANTOS. 1999. Emir. Ênio. São Paulo Cortez. TOSCHI. SAUL. SP: Cortez. São Paulo: Cortez. 1998. J. 2ª ed. 2005. Antonio Flávio e SILVA. 1991. MANACORDA. Antonio Flávio (org. Saberes pedagógicas e atividade docente. C. As Políticas Sociais e o Estado Democrático. Campinas. Avaliação emancipatória: desafio à teoria e à prática de avaliação e reformulação do currículo. MORAES. _______.

Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. SEVERINO. São Paulo: Companhia Editora Nacional. São Paulo. Educação: do senso comum à consciência filosófica. Educação e o mundo moderno. et al. . 8 ed.1977. TEIXEIRA. 2 ed. _______. Autores Associados. A. Campinas: Cortez. 1992. São Paulo: Cortez. 1987. Filosofia. Anísio. 1985. Filosofia da Educação Brasileira.53 1983. J. _______.

Apêndice VI .Representação gráfica do perfil de formação do curso diurno. Apêndice XI .Contabilidade acadêmica.Ementas das disciplinas com bibliografia básica.Minuta de Resolução. Apêndice II .Atividades curriculares por período letivo do curso diurno.Ata de aprovação do PPC pela congregação da Faculdade. Apêndice IX . Apêndice III .54 APÊNDICES RELAÇÃO DOS APÊNDICES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Apêndice I . .Declaração da unidade sobre a infra-estrutura física e humana para o funcionamento do curso Apêndice XIII – Ficha de lançamento das Atividades Complementares dos alunos Apêndice XIV .Declaração de aprovação da oferta das atividades curriculares pela unidade responsável.Documentos legais que subsidiaram a elaboração do Projeto Pedagógico. Apêndice VIII . Apêndice X – Quadro de equivalência entre componentes curriculares antigos e novos (identifica os componentes do currículo proposto e os dos antigos que tenham correspondência entre si). Apêndice V .Demonstrativo das atividades curriculares por habilidades e por competências.Desenho curricular do Curso. Apêndice VII .Ata de aprovação do PPC pelo Conselho do Campus. Apêndice IV . Apêndice XII .

.55 Apêndice I .Ata de aprovação do PPC pela congregação da Faculdade.

56 .

57 .

58 .

Ata de aprovação do PPC pelo Conselho do Campus.59 Apêndice II . .

60 .

61 .

62 .

63 .

64 .

65 .

Fundamentos e Metodologia da Educação Inclusiva 15. Informáticas e Educação Sub-total 60 60 60 60 60 75 75 450 TOTAL DO NÚCLEO 990 16.66 APÊNDICE III . Sociedade. Filosofia da Educação 2. Teórico-met do Ensino de Matemática 31. Prática Pedagógica 23. Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia Sub-total 41. LIBRAS 40. Pesquisa Educacional 17.Estágio Curricular em Docência no Ensino Fundamental 27. Legislação da Educação 50. Tecnologias. História da Educação Brasileira e da Amazônia 8. Estado e Educação 44. Fund.390 . Fundamentos da Didática 11. Sociedade. Organização do Trabalho Pedagógico 47. Trabalho e Educação 43. Sociologia da Educação 4. Fund. Estágio Curricular em Docência na Educação Infantil 25. Fund. Antropologia Educacional Trabalho Pedagógico 6. Teórico-met do Ensino de História 33. Teórico-met do Ensino de Português 30. Biologia da Educação 7. Estatística Aplicada à Educação 46. Ludicidade e Educação 39. História Geral da Educação 3. Alfabetização linguística.270 120 120 TOTAL GERAL 3. Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento 12.Estágio Curricular em gestão escolar e coordenação pedagógica 28. Séries Iniciais do Ensino Fundamental Organização e Gestão do Trabalho Pedagógico NÚCLEO DE ESTUDOS INTEGRADORES CH 75 75 75 75 60 60 60 60 540 9. Teoria do Currículo 10. Atividades Complementares TOTAL 60 60 60 60 60 60 60 90 45 90 60 60 825 75 75 75 75 75 75 60 60 60 60 60 60 810 60 60 60 60 60 60 75 60 60 90 645 3. Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares 49. Seminário de Pesquisa 19. Avaliação Educacional 13. Didática e Formação Docente 36. Psicologia da Educação Fundamentação do 5.DESENHO CURRICULAR NÚCLEO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS DIMENSÃO ATIVIDADES CURRICULARES 1. Fund. Teórico-met da Educação Infantil 35. TCC II 22. TCC I 21. Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais 42. Teórico-met do Ensino de Geografia 34. Laboratório de Pesquisa 20. Fund. Metodologia de Pesquisa em Educação 18. Fund. Concepções Filosóficas da Educação Sub-total Currículo. Estágio Curricular em Docência na Educação de Jovens e Adultos 24. Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental 38. Ensino e Avaliação Pesquisa. Política Educacional 45. Prática Pedagógica e Estágios NÚCLEO DE APROFUNDAMENTO E DIVERSIFICAÇÃO DE ESTUDOS Trabalho Docente na Educação Infantil. Pedagogia em Ambientes Não-Escolares Sub-total 60 TOTAL DO NÚCLEO 51. Teórico-met do Ensino de Ciências 32. Estágio supervisionado Sub-total 29. letramento escolar e gêneros discursivos 37. Corporeidade e Educação 14. Planejamento Educacional 48. Estágio Curricular em Ambientes Não-Escolares 26.

Atividades complementares TOTAL DO PERIODO LETIVO 75 75 75 75 60 60 60 60 60 60 CARGA HORÁRIA SEMANAL TEÓRICA PRÁTICA TOTAL 5 5 5 5 4 4 4 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 5 5 5 5 4 4 4 4 4 4 60 4 0 4 60 60 4 2 0 2 4 4 75 3 2 5 75 60 60 60 60 60 60 60 3 4 4 2 4 4 2 0 0 2 0 0 5 4 4 4 4 4 4 4 90 0 6 6 60 - 4 4 45 0 3 3 90 0 6 6 60 0 4 4 60 75 75 75 75 75 75 60 0 3 3 3 3 3 3 2 4 2 2 2 2 2 2 2 5 5 5 5 5 5 4 60 2 2 4 60 2 2 4 60 60 2 2 2 2 4 4 60 4 0 4 60 60 60 60 60 60 75 2 4 4 4 4 2 5 2 0 0 0 2 0 4 4 4 4 4 4 5 60 2 2 4 60 90 120 4 3 0 0 3 8 4 6 8 . Estatística Aplicada à Educação 46. Política Educacional 45. LIBRAS 40. Sociologia da Educação 4.67 APÊNDICE IV . CIÊNCIAS FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FAM FECH FECH FECH FECH FECH FECH ATIVIDADES CURRICULARES 1. Sociedade. Seminário de Pesquisa 19. Estágio curricular em gestão na escola e coordenação pedagógica 28. Pesquisa Educacional 17. LETRAS FAM FAC. Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares 49. CIÊNCIAS FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FAC. Teórico-met. Filosofia da Educação 2. e Educação 44. do Ensino de Português 30. História Geral da Educação 3. do Ensino de História 33. Fundamentos da Didática 11. TCC I 21. Fund. Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais 42. Laboratório de Pesquisa 20. Teórico-met. História da Educação Brasileira e da Amazônia 8. Alfabetização linguística. Estágio Curricular em Docência na Educação Infantil 24. Estado. Metodologia de Pesquisa em Educação 18. Fund. Concepções Filosóficas da Educação 9. Teórico-met. Teórico-met. Corporeidade e Educação 14. TCC II 22. Fundamentos e metodologia da educação inclusiva 15. Estágio Curricular em docência no Ensino Fundamental 27. Legislação da Educação 50. Teórico-met. Sociedade. letramento escolar e gêneros discursivos 37. Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental 38. Antropologia Educacional 6. Fund. do Ensino de Ciências 32. Prática Pedagógica 23. Psicologia da Educação 5. Avaliação Educacional 13. Organização do Trabalho Pedagógico 47. da Educação Infantil 35. do Ensino de Geografia 34. Didática e Formação Docente 36. Estágio Supervisionado 29. Teoria do currículo 10. Biologia da Educação 7. do Ensino de Matemática 31. Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia 41. Estágio Curricular em Ambientes não escolares 26. Tecnologias Informáticas e Educação 16. Fund. Estágio Curricular em Docência na Educação de Jovens e Adultos – EJA 25. Psicologia da Aprendizagem e do desenvolvimento 12. Trabalho e Educação 43. Pedagogia em Ambientes Não-Escolares 51. Planejamento Educacional 48. Ludicidade e Educação 39. Fund. Fund.CONTABILIDADE ACADÊMICA UNIDADE RESPONSÁVEL PELA OFERTA FECH FECH FECH FECH FECH FAC. Teórico-met.

Teórico-met da Educação Infantil Planejamento Educacional Estágio Curricular em Docência na Educação de Jovens e Adultos Fund.68 APENDICE . Teórico-met do Ensino de Geografia Fund. Teórico-met do Ensino de História Fundamentos e Metodologia da Educação Inclusiva Seminário de Pesquisa Estatística Aplicada à Educação Sociedade. Teórico-met do Ensino de Ciências Fund. letramento escolar e gêneros discursivos Política Educacional Legislação da Educação Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais Prática Pedagógica Pesquisa Educacional Fund.390 ATIVIDADES CURRICULARES Filosofia da Educação História Geral da Educação Sociologia da Educação Psicologia da Educação Corporeidade e Educação Antropologia Educacional Concepções Filosóficas da Educação História da Educação Brasileira e da Amazônia Ludicidade e Educação Fundamentos da Didática Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Biologia da Educação Didática e Formação Docente Teoria do Currículo Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental Alfabetização linguística. Estado e Educação Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares Estágio Curricular em Docência no Ensino Fundamental Estágio Curricular em gestão na escola e coordenação pedagógica Organização do Trabalho Pedagógico TCC I Pedagogia em Ambientes Não-Escolares Estágio Curricular em Ambientes Não-Escolares LIBRAS Laboratório de Pesquisa TCC II Atividades Complementares . Informática e Educação Fund.ATIVIDADES CURRICULARES POR PERÍODO LETIVO DO CURSO PERÍODO LETIVO 1º 1º 1º 1º 1º 2º 2º 2º 2º 2º 2º 2º 3º 3º 3º 3º 3º 3º 3º 4º 4º 4º 4º 4º 4º 5º 5º 5º 5º 5º 5º 5º 6º 6º 6º 6º 6º 6º 7º 7º 7º 7º 7º 7º 7º 8º 8º 8º 8º 8º 8º Sub-total CARGA HORÁRIA 75 75 75 75 60 360 Sub-total 60 60 60 60 60 60 60 420 Sub-total 60 60 60 60 60 60 60 420 Sub-total 60 60 75 75 60 60 390 Sub-total 75 75 60 75 60 60 60 465 Sub-total 90 75 75 75 75 60 450 Sub-total 60 60 60 90 60 60 60 450 Sub-total TOTAL 90 45 60 60 60 120 435 3. Trabalho e Educação Fund. Teórico-met do Ensino de Matemática Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia Sociedade. Teórico-met.V . do Ensino de Português Estágio supervisionado Metodologia de Pesquisa em Educação Avaliação Educacional Estágio Curricular em Docência na Educação Infantil Tecnologias.

LETIVO 6º P. discursivos 60 Educ.69 APÊNDICE VI – REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO PERFIL DE FORMAÇÃO DO CURSO DE PADAGOGIA . do Campo e Des.PARFOR 1º P. LETIVO Filosofia da Educação 75 Conc. de História 75 Sociedade. e Met. e Coord pedagógica 60 Atividades Complementares 120 TCC I 60 . 60 Teoria do Currículo 60 Antropologia Educacional 60 Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental. LETIVO 7º P. da Educ. Trabalho e Educação. LETIVO 4º P. LETIVO 8º P. de Geografia 75 Estatística Aplicada à Educação 60 Sociedade. em Ambientes NãoEscolares 90 Estágio Curricular em Ambientes NãoEscolares 45 Laboratório de Pesquisa 60 Org. Brasileira e da Amazônia. Informática e Educação. de Pesquisa. letramento escolar e gên. Pedagógico 60 TCC II 60 Estágio curric. Infantil 75 FTM do Ens. Filosóficas º da Educação. em Doc. do Trab. na Educação Infantil 90 Psicologia da Aprend. em gestão na esc. em Educação 60 Seminário de Pesquisa 60 Fundamentos da Didática 60 Didática e Formação Docente 60 Prática Pedagógica 60 Avaliação Educacional 60 Fund. 60 Sociologia da Educação 75 Psicologia da Educação 75 Corporeidade e Educação 60 3º P. 75 Estágio Curricular em Doc. LETIVO 5º P. no Ensino Fundamental 90 Pedagogia. Educacionais 60 Pesquisa Educacional 60 Metodologia. LETIVO 2º P.. de Português 75 FTM do Ens. Estado e Educação 60 LIBRAS 60 FTM do Ensino da Matemática 75 FTM do Ens. Inclusiva 75 Ludicidade e Educação 60 Alfabetização ling. Educacional 75 Tecnologia. da Educ. e Unid. 60 Planej. da Amazônia 60 Estágio Supervisionado 60 Coordenação Pedagogia em Ambientes Escolares 60 Estágio C. 60 Política Educacional 60 FTM do Ensino de Ciências 75 História Geral da Educação 75 Hist. LETIVO FTM do da Ed. na EJA 60 Estágio Curricular em Doc. e do Desenvolvimento 60 Legislação da Educação 60 Biologia da Educação 60 Gestão de Sist.

70

APENDICE VII: DEMONSTRATIVO DAS ATIVIDADES CURRICULARES POR COMPETÊNCIA E
HABILIDADES
1. Competência teórica: domínio de conhecimentos científicos para o desenvolvimento do trabalho
pedagógico com base na articulação teórico-prática que possibilite a compreensão de como se dá a
aquisição, a produção e a socialização do conhecimento, enquanto processo coletivo de construção e
de seus fundamentos históricos, políticos e sociais.
Habilidades relacionadas:

Compreender de forma ampla e consistente o fenômeno e a prática educativa em seus

respectivos âmbitos e especificidades.

Realizar pesquisas que proporcionem conhecimentos, entre outros: sobre alunos e alunas e a

realidade sociocultural em que estes desenvolvem suas experiências não-escolares; sobre processos
de ensinar e de aprender, em diferentes meios ambiental-ecológicos; sobre propostas curriculares; e
sobre organização do trabalho educativo e práticas pedagógicas;

Utilizar, com propriedade, instrumentos próprios para construção de conhecimentos pedagógicos

e científicos;

Compreender o processo de construção do conhecimento na educação inserido em contextos

social e cultural.
COMPETÊNCIAS/
HABILIDADES

Competência teórica

ATIVIDADES CURRICULARES
Filosofia da Educação
Concepções Filosóficas da Educação
História Geral da Educação
História da Educação Brasileira e da Amazônia
Sociologia da Educação
Psicologia da Educação
Antropologia Educacional
Biologia da Educação
Teoria do Currículo

2. Competência prática: capacidade de pensar, pesquisar, propor, orientar, coordenar e executar o
trabalho pedagógico no âmbito da escola, dos sistemas de ensino ou em outros contextos
organizacionais, educacionais e culturais, envolvendo diferentes sujeitos, sejam individuais ou
coletivos, compreendendo os problemas fundamentais do processo ensino-aprendizagem.
Habilidades relacionadas:

Desenvolver metodologias e materiais pedagógicos adequados ao desenvolvimento do trabalho

educativo para classes de Educação Infantil, séries iniciais no Ensino Fundamental e Educação de
Jovens e Adultos, tendo em vista as características dos alunos e seu meio social;

Compreender, cuidar e educar crianças de zero a cinco anos, de forma a contribuir para o seu

desenvolvimento nas dimensões, física, psicológica, intelectual, social, entre outras;

Fortalecer o desenvolvimento e as aprendizagens de crianças do Ensino Fundamental, assim

como daqueles que não tiveram oportunidade de escolarização na idade própria;

71

Trabalhar em espaços escolares e não-escolares, na promoção da aprendizagem de sujeitos em

diferentes fases do desenvolvimento humano, em diversos níveis e modalidades do processo
educativo;

Relacionar as linguagens dos meios de comunicação à educação, nos processos didático-

pedagógicos, demonstrando domínio das tecnologias de informação e comunicação adequadas ao
desenvolvimento de aprendizagens significativas;

Participar da gestão das instituições, contribuindo para elaboração, implementação, coordenação,

acompanhamento e avaliação do projeto pedagógico;

Participar da gestão das instituições, planejando, executando, acompanhando e avaliando

projetos e programas educacionais, em ambientes escolares e não-escolares.
COMPETÊNCIAS/
HABILIDADES

Competência prática

ATIVIDADES CURRICULARES
Pesquisa Educacional
Estatística Aplicada à Educação
Metodologia de Pesquisa em Educação
Seminário de Pesquisa
Laboratório de Pesquisa
TCC I
TCC II
Prática Pedagógica
Estágio Curricular em Docência na Educação Infantil
Estágio Curricular em docência na Educação de Jovens e Adultos
Estágio em Ambientes não escolares
Estágio Curricular em docência no Ensino Fundamental
Estágio curricular em gestão na escola e coordenação pedagógica
Estágio Supervisionado
LIBRAS
Fund. Teórico-met do Ensino de Português
Fund. Teórico-met do Ensino de Matemática
Fund. Teórico-met do Ensino de Ciências
Fund. Teórico-met do Ensino de História
Fund. Teórico-met do Ensino de Geografia
Fund. Teórico-met da Educação Infantil
Arte e Educação Infantil e Fundamental
Atividades Complementares

3. Competência político-social: compreensão de que a prática profissional está inserida num
contexto social mais amplo, o que requer a vinculação do projeto educativo ao projeto político-social,
comprometido com a construção de uma sociedade autônoma e includente.
Habilidades relacionadas:

Atuar com ética e compromisso com vistas à construção de uma sociedade justa, equânime,

igualitária;

Reconhecer e respeitar as manifestações e necessidades físicas, cognitivas, emocionais, afetivas

dos educandos nas suas relações individuais e coletivas;

Identificar problemas socioculturais e educacionais com postura investigativa e propositiva em

face de realidades complexas, com vistas a contribuir para superação de exclusões sociais, étnicoraciais, econômicas, culturais, religiosas, políticas e outras.

72

COMPETÊNCIAS/
HABILIDADES

Competência político-social

ATIVIDADES CURRICULARES
Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais
Sociedade, Trabalho e Educação
Sociedade, Estado e Educação
Política Educacional
Legislação da Educação
Organização do Trabalho Pedagógico
Planejamento Educacional
Avaliação Educacional
Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares
Pedagogia em Ambientes Não-Escolares
Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia

4. Competência inter-relacional: compreensão do trabalho coletivo e interdisciplinar, entre discentes
e entre docentes, como eixo norteador do trabalho pedagógico e da redefinição da organização
curricular dos profissionais como seres sociais que se entendem a si mesmos e ao seu grupo social
na dinâmica afetiva.
Habilidades relacionadas:

Promover e facilitar relações de cooperação entre a instituição educativa, a família e a

comunidade;

Demonstrar consciência da diversidade, respeitando as diferenças de natureza ambiental-

ecológica, étnico-racial, de gêneros, faixas geracionais, classes sociais, religiões, necessidades
especiais, escolhas sexuais, entre outras.
COMPETÊNCIAS/
HABILIDADES

Competência inter-relacional

ATIVIDADES CURRICULARES
Alfabetização linguística, letramento escolar e gêneros
discursivos
Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento
Fundamentos da Didática
Didática e Formação Docente
Corporeidade e Educação
Ludicidade e Educação
Fundamentos e Metodologia da Educação Inclusiva
Tecnologias, Informáticas e Educação

Educação e Emancipação. Educação como prática da liberdade. Nomes e Temas da Filosofia Contemporânea.Modernidade. antropológicas e axiológicas da Educação. São Paulo: Ática. Dermeval. 1985. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR GIROUX. no interior do atual contexto sócio-político. Estudo das correntes filosóficas subjetivistas e objetivistas do conhecimento. Dermeval. Filosofia. Lisboa: Presença. TH. 1999. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Maria Lúcia de Arruda.EMENTAS DAS DISCIPLINAS COM BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR 1. W. d. 1975. W. S. Ética. Educação e Emancipação. São Paulo. s. FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO EMENTA: Relações entre Filosofia e Educação. Paulo. 8 ed. Anísio. Relação da axiologia com dimensões antropológicas da educação. Problema da verdade. Dimensões epistemológicas. H. Trabalhar os Valores e educação. In: ____________. SAVIANI. R. 1995. J. 2. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ARANHA. Rio de Janeiro: Vozes. Estrutura do conhecimento. SEVERINO. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 2006. de mundo e de sociedade que se desdobram em práticas educativas. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Mito e construção da razão. OLIVEIRA. M. Filosofia da Educação. WEBER. et al. M. 1990. 1992. Educação e modernidade. Linguagem e pensamento. Filosofia. Educação e Sociedade. Campinas: Papirus. FREIRE. Ciência e Educação. SAVIANI. BIBLIOGRAFIA BÁSICA MORAES. HORKHEIMER. Filosofia da Educação Brasileira. P. TH. São Paulo: Pioneira. 1987. 2007. Educação e o mundo moderno. p. Lisboa: Dom Quixote. GHIRALDELLI JR. HAAL. A Identidade Cultural na Pós. Rio de Janeiro: Vozes.73 APÊNDICE VIII . A importância da compreensão filosófica da realidade cultural. ADORNO. CONCEPÇÕES FILOSÓFICAS DA EDUCAÇÃO EMENTA: Concepções de homem. para a compreensão crítica da formação e da prática do educador. Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. Rio de Janeiro: DP&A. Paz e Terra. Dialectica Negativa. Rio de Janeiro. São Paulo: Companhia Editora Nacional. dado que a toda estrutura sócio . TEIXEIRA.1977. Teoria crítica e resistência em Educação: para além das teorias da reprodução. Origens da Filosofia Burguesa da História. . ADORNO. São Paulo: Moderna. Madrid: Taurus. Campinas: Cortez. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ABAGNANO. 1967. Ivanilde Apoluceno de. N. 169-85. 1989. A. política e cidadania. 2006. São Paulo: Cortez. Filosofia da Educação. Autores Associados. Petrópolis.econômica e cultural corresponde a um ideal educativo. 1986. Filosofia da Educação: Reflexões e Debates. 2 ed.

ZAIDAN FILHO. SANTOS. HARVEY. Rosa Elizabeth (org. Roberto. Eric. HOBSBAWM. História social da criança e da família. 1997. 3. Queiroz. 1992. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Questões educacionais referentes ao mundo antigo. (Educação contemporânea). econômico e social com ênfase às questões relativas à história da educação na Amazônia. LARROYO. Belém: NAEA/UFPA. Ed. 1997. 1989. 1980. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA E DA AMAZÔNIA História da educação face ao processo de formação econômica e social do Brasil e da Amazônia. A crise da razão histórica. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ANDERY. 1981.1989. Maria Amália et alli. Philippe. Para tanto. (org. Campinas. 1981. E. 3. A crise dos paradigmas e a educação. V. 1982. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BRAVERMAN. S. 2002. Escola. A. SP: Alínea. São Paulo: Paulus. História da educação em debate: as tendências teórico-metodológicas na américa latina. BRANDÃO. Rio de janeiro: LTC-Livros Técnicos e Científicos Editora. 1996. 3. 1978. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Luz Helena Toro. São Paulo: Cortez. Para compreender a ciência: Uma Perspectiva Histórica. A escrita da história paraense. Campinas: Autores Associados. BURKE. Avaliação universitária em questão: reformas do estado e da educação superior.).). Educação brasileira e amazônica nos seus aspectos político. HISTÓRIA GERAL DA EDUCAÇÃO EMENTA: A disciplina visa fazer uma abordagem histórica do fenômeno educacional na modernidade e contemporaneidade. CARR. Peter (org. Francisco. Classe e Luta de Classes. José Pires de. A condição pós-moderna. J. Lisboa: Moraes. Zaia. medieval. ALMEIDA. São Paulo: Loyola. São Paulo: T. São Paulo: Editora Mestre Jou. H. (org. São Paulo: Papirus.74 1984. Michel. Rio de Janeiro: Zahar. SGUISSARDI. Rio de Janeiro: Editora Espaço e Tempo. David. 1989. moderno e contemporâneo. 1993. ed. História da instrução pública no Brasil: 1500-1889. Exclusão social e a nova desigualdade. São Paulo: Editora Unesp. Rio de Janeiro: Paz e Terra. MARTINS. Vozes. 4. 1977. A era das revoluções (1789-1848). Que é história. o Trabalho e a Cidadania. Harry. Tomo I e II.). A escrita da história: novas perspectivas. . será desenvolvida através de estudos das concepções. História geral da pedagogia. SNYDERS. História Econômica da Amazônia (1800-1920). tendo como eixo temático a Cultura. ARIÈS. ZEQUERA. G. 1993. metodologias da história e a produção historiográfica do campo educacional.). 1998. São Paulo: EDUC. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ACEVEDO MARIN. Tradução por Antônio Chizzotti: São Paulo: EDUC: Brasília: Inep. 1982.

1978. M. (orgs. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR COSTA. PA: GEPEM/CFCH/UFPA. Educação e autoritarismo no estado novo. Educação e sociologia. Belém. SOUSA. A escrita da história: novas perspectivas. FREITAG. Educação e emancipação. Estado militar e educação no Brasil (1964-19850). Teoria crítica ontem e hoje. São Paulo: Escrituras Editora. 1998.). a sociedade e a cultura emergente. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ANDERY. 1993. Uma perspectiva histórica. Peter (org. BURKE. Rio de Janeiro: Editora Espaço e Tempo. São Paulo: Edições Melhoramentos. XAVIER. A ciência. 3. Espaço e Tempo. 1980. Zaia (org). Breve história da Amazônia. et al. SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO O conhecimento sociológico e sua aplicação na educação. Campinas. Barbara. .). 1993. WEINSTEIN. Bárbara. Cortez. 5. 4. 1992. P. São Paulo: Cortez: Autores Associados. seus sujeitos e seus contextos sócio-culturais. Eunice Ferreira do. análises sobre a escola. RJ. As teorias sociológicas da educação A importância da sociologia da educação na formação do educador. Maria de Nazaré. XAVIER. 2. SARGES. 1993. São Paulo: Editora Moderna. Émile. ed. 1994 ARON. SP. Cyntia Pareira (org. São Paulo: Editora Unesp. A reprodução: Elementos por uma teoria de ensino. 1994. São Paulo: Marco Zero. Raymond. Poder político e educação de elite. Contribuições da Sociologia da Educação Contemporânea: análise das relações entre desigualdades sociais e desigualdades escolares. As etapas do pensamento sociológico. Célio da. PA: Editora Paka-Tatu. edição. 1998. Adorno. CUNHA. São Paulo: Martins Fontes. Frigot. História da educação: processos. Rio de Janeiro. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ANDERY. SP: Papirus. A crise dos paradigmas em educação. práticas e saberes.). A borracha na Amazônia: expansão e decadência (18501920).75 SANTOS. Paulo. Capitalismo e escola no Brasil. 1995. 1989. São Paulo: EDUC. 1994. tomo I. O Ponto de mutação. 1990. Belém: riquezas produzindo a Belle-Époque (18701912). ed. Sociologia – introdução à ciência da sociedade. Brasiliense. THEODOR. CAPRA. GERMANO. BOURDIEN e PASSERON. Para compreender a ciência. Maria Amália et alli. Para compreender a ciência: Uma Perspectiva Histórica. José Willigton. DURKHEIM. Mulher e modernidade na Amazônia. 1982. P. BRANDÃO. Paulo. São Paulo: HUCITEC-EDUSP. 5º edição. Cristina. Cultrix. Paz e Terra. Maria Amália. Rio de Janeiro. Francisco Alves. S. São Paulo: Cortez. SOUZA. 1992. Belém. S. M. 1997. Elizabete S. 2000. Márcio. 1986. Elizabete S. São Paulo: Cortez. 1989.

GOULART. RAPPAPORT. S. 1987. 1979. Mário Alighiero. MANACORDA. O que produz e o que reproduza a educação. FERREIRA. ____________________. Conceito antropológico de cultura. 1981. Marx e a pedagogia moderna. 7. Tecnologia Educacional. Rio de Janeiro. 1987. Os intelectuais e a organização da cultura. Estudo da psicologia em educação. Artes Médicas. Paulo. Civilização Brasileira. Petrópolis. Paulo. Vozes. São Paulo. Clifton. 4º edição. A etnografia e a pesquisa de campo. São Paulo: DPeA. A dimensão simbólica. Vozes. Bernand. São Paulo: Comp. RODRIGUES. 1992. Tosi. Sociologia da Educação. Ática. 1993. Gerson Marinho. Petrópolis. Teoria crítica e educação. Cortez. 1994. 1995. São Paulo. RJ. Editora Lê. Psicologia na Educação. João Araújo & CHAIWICK. Cortez. FALCÃO. Belo Horizonte. Tomas Tadeu. Zahar. 1987. Educação. Tomas Tadeu. Teorias do Desenvolvimento: conceitos fundamentais.76 GRAMSCI. May Guimarães. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Estudo do objeto e história da Psicologia da Educação. LOWY. Rio de Janeiro. das Letras. Antonio. Psicologia Educacional: análise crítica. São Paulo. Psicologia do Ensino Aprendizagem. Maria das Graças Nicoleti. Identidade e alteridade. 1994 SILVA. Clara Regina. EPU. Estudo dos processos psicogenéticos e socioculturais presentes nos diferentes contextos educativos. 1991. Paradigmas da psicologia: pressupostos e metodologias. Ensino: as abordagens do Processo. 1991. Vozes. Maria Helena. PUCCI. 2004. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BERLIN. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR DAVIS. Editora Vozes. São Paulo. Porto Alegre. Psicologia da Aprendizagem. S. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ARIES. 6. 2002. Psicologia da Educação: Fundamentos teóricos e aplicações a prática pedagógica. Isaiar. 1997. Cláudia e OLIVEIRA. CHARLOT. ANTROPOLOGIA EDUCACIONAL EMENTA: A antropologia como ciência. Philippe. Estudo sobre a humanidade. 1986. Zilma. escola e diversidade cultural. São Paulo. PATTO. A Mistificação Pedagógica. 1978. Fundamentos Psicobiológicos da Educação. GOULART. Introdução à Psicologia Escolar. Da reciprocidade à troca mercantil. Rio de Janeiro. . Cortez. São Paulo. MIZUKAMI. Atlas. 1987. Porto Alegre. SILVA. OLIVEIRA. 1986. Íris Barbosa. O método dialético e a teoria política. Abordagem antropológica dos processos formativos. Íris Barbosa. Zahar. História Social da Criança e da Família. Paz e Terra. São Paulo. A. Artes Médicas. 1980. Bruno (org). Michael. Caminho da investigação psicológica da construção de sujeitos concretos. EPU. Teoria educacional em tempos pós-modernos.

François. Neusa Maria Mendes de.. p. São Leopoldo (RS): Unisinos. a Família. Claude. São Paulo.L.18. S. Adam. a Sociedade. v. Francis.43. 1997. Caderno CEDES. 2004. In: DAYRELL. Por uma educação antropológica: comparando as idéias de Bronislaw Malinowski e Paulo Freire. M.77 BOAZ. 10 ed. Jorge Manuel. 2006. n. São Paulo: HUCIT. 1994.33. 1988. GOMES. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR DAUSTER. Biologia educacional. Abril Cultural. CORDATO (Centro de Orientação sobre drogas e atendimento a toxicômanos) As Drogas e a Vida. n. Antropologia Cultural. _________________A Noção de estrutura em etnologia: raça e história. Uma Abordagem Biopsicosocial. 1982. o Indivíduo. 2001. MOURA. 2002. BURKE. COSTA & SILVA. São Paulo: Ática. Ministério da Saúde. p. A. Belo Horizonte: UFMG.39-61. Nascimento da Antropologia Cultural e a obra de Francis Boaz. São Paulo: Moderna. Raça e história. São Paulo: Manole. BARROS. ADÃO. Aprender antropologia. In: RAMOS. 2006. Cultura: um conceito antropológico. CHAVES. Marise Nogueira. 2reimp. Editora: Pedagógica e Universitária LTDa.11. LÉVI-STRAUSS. LARAIA. N. Ênio.S. Antropologia e educação: origens de um diálogo. 2004. São Paulo.). Tânia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.R. Revista Brasileira de Educação. 1993. Peter. 8. Os fenômenos biológicos que podem interferir na educação e na formação global do aluno. intensificando a consciência de qualidade de vida e bem estar sócio-econômico através da educação. V. BIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EMENTA: Identificar e analisar os aspectos biológicos que contribuem para o desenvolvimento do aprendizado do indivíduo. Editora Pedagógica e Universitária Ltda. Educação e diversidade étnico cultural. Roque de Barros. 105 p.T. GUSMÃO. ed. O. Graciete Maria Nascimento (org. 1975. set/dez. Construindo pontes – a prática etnográfica no campo da educação. Rio de Janeiro: Zahar. topenismo hoje. Maurício Rodrigues de. Falando Sobre Tabagismo. Compreender o organismo humano e os fatores biológicos que atuam no seu funcionamento e integrar este conhecimento ao ambiente escolar. Drogas e Drogados. Saber compreender o meio ambiente. 1992. KUPER. Sistema Nervoso. MOURA. 1985. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica. L.). 1996. SANTOS. dez. São Paulo: Coleção os Pensadores. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR AMAURI. Juarez (org. SOUZA. Instituto Nacional do Cancêr. São Paulo: Brasiliense. 1998. LAPLANTINE. 3ª ed. Hibridismo cultural. Bauru(SP): EDUSC. Nilma Lino. Biologia educacional: noções de biologia aplicadas à educação. FROTA-PESSOA. 2003. 16. São Paulo: Pioneira. Múltiplos olhares sobre educação e cultura. v. . Maria Ângela dos. 5ed. Margarida Maria. Lisboa: Editorial Presença. 1996. Campinas. 8ed. Cultura: a visão dos antropólogos.. Fundamentos Biológicos da Educação. 261 p. et al. Nutrição e Educação. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ARANTAGY. Diversidade na educação: reflexões e experiências. TOLEDO FILHO. 1995.67-76.

Educação e Sociedade. LEFEBVRE. o marxismo. R. (Capítulos 9Desenvolvimento e Crescimento. Novos Enfoques da Pesquisa Educacional. Cadernos de Pesquisa. 1994. DEMO. p. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais . a fenomenologia. Pedro. São Paulo: Moderna. A Biologia Educacional e os Fundamentos da Educação: o caso do Paraná.Noções de Biologia Aplicadas a Educação. Karel. 1985.). Educação Ambiental: Caminhos Trilhados no Brasil. FAZENDA. GRAY. São Paulo: Atlas. RICHARDSON. 1993. 5ªed. nº51. São Paulo. 1991. NOSELLA. Educar pela pesquisa.L. 1993. LDA. 1990. Educação: do senso comum à consciência filosófica. do empírico ao concreto. SANTOS FILHO.. Robert C.nº19. características e limites da investigação científica. A pesquisa no cotidiano da escola. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Lisboa: Instituto Piaget. 1998. 1994.) Metodologia da Pesquisa Educacional. Marisa C. Cadernos de Pesquisa. 1995. 85. Pesquisa Educacional: quantidade-qualidade. São Paulo: Cortez. Biologia Educacional . Vorraber. São Paulo: Atlas. e Gérald BOUTIN. São Paulo: Cortez. 3 ed. S. 1993. Ivani (org. 5 20.Órgãos Genitais Femininos) MOURA. Anatomia: Estudo Regional do Corpo Humano. Pesq. Pesquisa em Educação: concepções de ciência. PAX: Brasília-DF. 9. O planejamento da pesquisa: a estruturação formal do trabalho acadêmico. E. _______. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR FRANCO. 43. 1989. Augusto N.84-87. E. LESSARD. Lógica Formal/Lógica Dialética. Aspectos Teóricos da Pesquisa Educacional: da metafísica ao empirismo. São Paulo: Cortez. F. D. Hérbert Gabriel Goyette. São Paulo: FCC. & BIKLEN. A pesquisa qualitativa e a pesquisa quantitativa em educação. KOSIK. Sari Knopp.78 GARDNER. 44. Robert Jarry. COSTA. & TABANEZ. Silvio Sánchez (orgs. Dermeval. Henri. n. As diferentes fases do desenvolvimento da pesquisa. 1997. SAVIANI.o positivismo. Portugal: Porto Editora. 1992. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BOGDAN. PESQUISA EDUCACIONAL EMENTA: Pressupostos. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Cad. paradigmas teóricos e produção de conhecimentos. nov. p. 1989. Investigação qualitativa: fundamentos e práticas. M. M. Introdução à pesquisa em Educação. TRIVIÑOS. Michelle.a pesquisa qualitativa em educação . . Campinas: Autores Associados. Quadros de referência e abordagens teórico-metodológicas da pesquisa educacional. PINHEIRO. 1990. São Paulo. São Paulo: Autores Associados.1984. Dialética do concreto.Órgãos Genitais Masculinos . Pesquisa social. Paolo. & O’RAHILLY. GOYETTE. 90. 63-69. Maria Laura. M. GAMBOA. dez 1984. p. 5ªed. PADUA. José Camilo. Pesquisa educacional: algumas reflexões. 1989.

1994. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ABRAMOWICZ. Fernando. GOETZ. Marli Eliza D. Mato Grosso do Sul: UFMS. e LECOMPTE. ANDRÉ. Brasília. O Planejamento de Pesquisas Qualitativas. entrevista. HELLER. São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez. A epistemologia do professor: O cotidiano da escola. maio 1991. A pesquisa no cotidiano escolar. GEWANDSZNAJDER. EZPELETA. P. J. 1993. Fernando. Alda Judith. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação. Anete e outra (orgs. Campinas. 1988. D. FÁVERO. São Paulo: Cortez. São Paulo: Brasiliense. 11. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais.) Pesquisa Participante. ALVES MAZZOTI. 1988. BRANDÃO. grupo focal. METODOLOGIA DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EMENTA: O processo de coleta de dados na pesquisa em educação.). SP: Papirus. nº77. São Paulo: FCC. 1994. Instrumentos de coleta de dados: pesquisa documental. D. São Paulo: Pioneira. São Paulo: Paz e Terra. 1991. 1991. 1993. 1985. Morata. análise e interpretação de dados. 6ª ed. 1999. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. 2000. Elsie (orgs. de. Metodologia da pesquisa-ação. 1990. _______. Maria Malta. In: FAZENDA. Antonio. Campinas: Papirus. Metodologia da Pesquisa Educacional. Ed. observação. Fazer Universidade: uma proposta metodológica. O processo de categorização. Marli E. São Paulo: Cortez. LÜDKE. ELLIOTT. 1988. Célia e outros (org. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BECKER. 1989. São Paulo: Cortez. O método nas Ciências Naturais e Sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ALVES MAZZOTI.79 10. A. LUCKESI. 1991. p. SEMINÁRIO DE PESQUISA EMENTA: Momentos de discussão que apontem para sínteses integradoras das pesquisas em andamento em articulação com o TCC. El cambio educativo desde la investigación-acción. 1998. CHIZZOTTI. Cadernos de Pesquisa. ROCKWELL. Michel. Pesquisa participante. 88. Madrid. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR THIOLLENT. A etnografia da prática escolar. LINHARES. 61. Etnografía y diseño cualitativo en investigación educativa.) Os lugares dos sujeitos na pesquisa educacional. Alda Judith.53-61. Alda Judith Alves. São Paulo: EPU. O cotidiano e a história. Agnes. Menga e ANDRÉ. Petrópolis:Vozes. 2ªed. . Cadernos de Pesquisa. questionário. 1995. São Paulo. 2ªed. A redação de projetos e relatórios de pesquisa. A pesquisa em educação no Brasil. CAMPOS. Carlos R. M. Madrid: Morata. Em Aberto. Osmar. J.) Educação: pesquisas e práticas. MAZZOTTI. Justa. Ivani (Org. Cipriano e outros.

(org. SEVERINO. São Paulo: Cortez.) Metodologia da pesquisa educacional. 12. GIL. O planejamento de pesquisa qualitativas. Metodologia do Trabalho Científico. Cipriano et alii.) Os lugares dos sujeitos na pesquisa educacional. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ALVES-MAZZOTI. PADUA. Franz Victor. Sérgio Vasconcelos de. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR LINHARES. RUDIO. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ALVES-MAZZOTI. Introdução ao projeto de pesquisa científico. 1996. maio 1991. Cadernos de pesquisa. A monografia na universidade. e BIKLEN. maio 1991. Papirus. O planejamento de pesquisa qualitativas. 1991. R. Atlas. Cadernos de pesquisa. Célia e outros (org. Cipriano et alii. Fazer universidade: uma proposta metodológica. INÁCIO FILHO. Definição do objeto de pesquisa. nº 77. Ivani. São Paulo: Pioneira. técnicas de coleta de dados. 1995. p. Campinas. A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento.80 BOGDAN. 2ªed. 1986. metodologia. p. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I EMENTA: Inicio das orientações gerais sobre a elaboração do trabalho de conclusão de curso. Metodologia da Pesquisa Educacional. Porto: Porto Editora. LUCKESI. etapa inicial do trabalho de conclusão de curso. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR LUNA. Alda Judith. Orientação bibliográfica. 1991. Construção do referencial teórico-metodológico e pressupostos da pesquisa. 1991. Petrópolis: Vozes. VIEIRA. J. Campinas. IVANI. S. Alda Judith. Elizabeth Malato March.). 1993.53-61. São Paulo. nº 77. Campinas: Papirus. 1986. 1991. Metodologia da Pesquisa. Fazer universidade: uma proposta metodológica. FAZENDA. São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez. Investigação qualitativa em educação. 13. 1999. Mato Grosso do Sul: UFMS. indicação sobre o referencial teórico. São Paulo: Cortez. 1995. LUCKESI. Métodos e Técnicas de pesquisa social. 1994. ELLIOTT. Como escrever uma tese. Sonia. El cambio educativo desde la investigación-acción. FAZENDA (Org. orientação sobre estrutura do trabalho. São Paulo. São Paulo: Cortez. LABORATÓRIO DE PESQUISA EMENTA: Elaboração e socialização de projeto de pesquisa. ________________. São Paulo: EDUC. Antonio Carlos. . São Paulo. Geraldo. Madrid: Morata.53-61. Planejamento de pesquisa: uma introduçãoelementos para uma análise metodológica. SP: Papirus. 1996. 1989. 1999. António Joaquim.

) Metodologia da pesquisa educacional. p. 91-115 PÉREZ SERRANO. 14. BIBLIOGRAFIA BÁSICA COSTA. In: FAZENDA. Campinas. política e Currículo. STAKE. Raúl. Estrutura do trabalho. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução d pesquisas. Metodologia da Pesquisa Educacional. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR MASINI.). 2009. Ed. Ivani. Ivani (Org. – Petrópolis. aprofundamento dos referenciais teóricos e outros elementos importantes a serem destacados no trabalho. 2ªed. nº 77. Elcie F. PRÁTICA PEDAGÓGICA EMENTA: Espaço interdisciplinar com vistas a articulação entre a realidade vivenciada pelo aluno e a prática pedagógica das escolas. Aplicaciones al campo social y educativo. Manual de pesquisa social. Joel. (Org. S. análise e interpretação de dados. PADUA. In: FAZENDA. Madrid: Morata.São Paulo: Cortez. 11. Alda Judith. Metodologia da Pesquisa.). (Org. Cadernos de pesquisa. orientações sobre normas da ABNT. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ALVES-MAZZOTI. Acompanhamento na defesa do TCC. Eva Maria.) Metodologia da pesquisa educacional. RJ: Vozes. 47-58 MARCONI. 1995. de. São Paulo: Cortez. R. orientação bibliográfica. Silvio A.In: FAZENDA. Trad. Ivani. Antonio Carlos Will. 1990. 2008. 15. Salzano. 2008. Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo: Cortez. Salzano. Ed.) Escola básica na virada do século: cultura. elaboração. RJ: Vozes.). Sergio V. MASINI. Cortez. Mª Gloria. . amostragens e técnicas de pesquisa. São Paulo. LUCKESI. 1986. Análise global e crítica da realidade educacional.53-61. Investigación con estudios de casos. Investigación con estudios de casos. 2ªed. 1991. maio 1991. p. São Paulo: Cortez.81 LUDWING. Madrid: Morata. 1991. GAMBOA.E. Enfoque Fenomenológico de Pesquisa em Educação. In: FAZENDA. 1996. Elcie F. (Org. Metodologia da Pesquisa Educacional. STAKE. – São Paulo: Atlas. Fundamentos e prática de metodologia cientifica.São Paulo: Cortez. . LUNA. Ivani.São Paulo: Cortez. A dialética na pesquisa em educação: elementos de contexto.) Metodologia da pesquisa educacional. . São Paulo: Cortez. Enfoque Fenomenológico de Pesquisa em Educação. FAZENDA (Org.In: FAZENDA. 1995. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO II EMENTA: Continuidade das orientações gerais sobre a elaboração do trabalho de conclusão de curso. Ed. 11. . Madrid: Dykinson. p. 1991. 2008. Ivani (Org. 1996. Marisa Vorraber. O Falso conflito entre tendências metodológicas. 1991. Papirus. 2004. 2ªed. A pesquisa qualitativa. Marina de Andrade e LAKATOS. p. São Paulo. Investigación-Acción. O planejamento de pesquisa qualitativas. ROJAS SORIANO. 11. R. – Petrópolis. Elizabeth Malato March. (Org. Ricardo Rosembusch. 21-33 MARTINS.E. Cipriano et alii. Fazer universidade: uma proposta metodológica. IVANI.

16. Papirus. (Coord. MOYSÉS.). BIBLIOGRAFIA BÁSICA CERQUETTI-ABERKANE. SANTIAGO. O ensino da Matemática na educação infantil. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática. desenvolvidas em sala de aula na educação escolar de crianças de 0 (zero) a 05 (cinco) anos. em sala de aula da Educação Infantil. Sônia. Papirus. Papirus. São Paulo: Escrituras. intervenção direta e discussão das práticas didáticopedagógicas no ensino-aprendizagem em geral. Prática pedagógicas. São Paulo: Papirus. 1993. Trad. GARCIA. Vera M. Lúcia.) Docência. Helena Costa L. Maria Eliete. Porto Alegre: Artes Médicas. Técnicas de contar histórias. Campinas. Campinas: São Paulo. Bertholo. 1990. 1995. 1997. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR CATANI. de. PICONEZ. A Prática de ensino e o estágio supervisionado. Porto Alegre. A nova pré-escola. Cartografias do trabalho docente. Campinas. (Org. Denice Babara et al( Org. et al (Orgs. Papirus. 1996. G. Stela C. São Paulo: Paz e Terra.) . A prática de ensino e o estagio supervisionado. Cotidiano e escola: a obra em construção. São Paulo. Ivani Catarina Arantes. 2 ed. Ilma Passos Alencastro. Mercado de Letras: Associação de leitura do Brasil. Papirus. Rio de Janeiro. Lilian Argentina. 1998. 1996. Vania D’Angelo. Cortez. CANDAU.pesquisador/a. São Paulo: Scipione. O trabalho como princípio articulador na prática de ensino e nos estágios. Antônio Flávio B. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. São Paulo. Didática: o ensino e suas relações. Campinas. Natalice de Jesus Rodrigues et al. Rose Marie Reis & MARQUES. João Batista. Corinta M. São Paulo: Informal Editora. 1994. Porto Alegre: Kuarup. Mc LAREN. Observação. Cortez 1989. Catherine. 1992. 1997. 1996. PERRENOUD. Artes Médicas. GIOVANNONI. Eunice Gruman. Phillippe. A vida nas escolas: uma introdução à pedagogia crítica nos fundamentos da educação. PENIN. VEIGA. PICONEZ. (Org. intervenção direta e discussão das práticas didático-pedagógicas de alfabetização.).). Brincadeiras cantadas. Paz e Terra. Publicações Dom Quixote.M. ESTÁGIO CURRICULAR EM DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL EMENTA: Observação. 1991. MOREIRA. Selma Garrido. Curitiba: Bolsa Nacional do Livro Ltda.82 FREITAS. s/d. PIMENTA. profissão docente e formação: perspectivas Sociológicas. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. das práticas didático-pedagógicas voltadas para os conteúdos diversificados. Françoise & BERDONNEAU. memória e gênero: estudos sobre formação. FREIRE. 1997. Escola Pública de primeiro grau: da compreensão à intervenção. Campinas. 2 ed. Campinas. Paulo. 1991. Petrópolis: Vozes. 3 ed. 1994. Peter. 1988. DOHME. 2000. Lisboa. 2000.. professor/a. GERALDI. (3 v. Conhecimento educacional e formação do professor: questões atuais. FREIRE. FAZENDA. Stela B. 3. ed.) Reinventar a escola. O desafio de saber ensinar.

análise. São Paulo: Scipione. SP: Papirus. São Paulo: Érica. (Coleção Fazer e transformar. Revista Nova Escola. 2. 2007. ano X. SP: Papirus. v. Ivani Catarina Arantes. Campinas. 2. Pedagogia dos Projetos: uma jornada interdisciplinar rumo ao desenvolvimento das múltiplas inteligências. Educação pré-escolar. Aloma Fernandes de. Leonor & HAYDT. RIZZI. 2. Rosa Maria. Idalina & CALDAS. São Paulo: FTD. São Paulo: CEDAC/MEC. 2001. Técnicas de ensino: Por que não? Campinas. Competências e habilidades: da proposta à prática. João Gualberto de Carvalho e PEREIRA. 1) ROMÃO. participação. Ecleide Cunico. Práticas de ensino: subsídios para a atividade docente. Carlos Henrique Carrilho. 2002. ed. v. realizada por meio de observação. interação. 1) KRAMER. 1992. 1995. FREITAS. 1987. Graziela Bernardi. 2002. Ed. (Guia da escola cidadã.). A Escola e o Aluno: relações entre o sujeito-aluno e sujeitoprofessor. STABILE. 2. 2) GANDIN. RIZZO. ed. São Paulo: Loyola. 2. Ilma Passos Alencastro (org. Livro do diretor: espaços e pessoas – idéias práticas para aprimorar a escola. 1988. São Paulo: Ática. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves. VEIGA. dez. Ana Maria Pessoa de. Sonia (coord. SP: Papirus. Marieta Lúcia Machado. . 6. Fantoche & Cia. Com a pré-escola nas mãos: uma alternativa curricular para a educação infantil. São Paulo. Amélia Domingues de e CARVALHO. ed. Nilbo Ribeiro. Adriana Beatriz. v. A expressão artística na pré-escola. Adriana Vera e. ZÓBOLI. ed. 2001. com período de permanência no campo de estágio. São Paulo: Loyola. São Paulo: Ática. 1994. Helena costa L. Rio Grande do Sul: EDELBRA. Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado. São Paulo: Avercamp. NOGUEIRA. CRUZ. O trabalho como princípio articulador na Prática de Ensino e nos Estágios. 1987. NICOLAU. ed. 7. BIBLIOGRAFIA BÁSICA CASTRO. Sarah. n° 90. s/d. 2001. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. Ensinar a Ensinar: didática para a escola fundamental e média. FAZENDA. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR CARVALHO. Potiguara Acácio. v. José Eustáquio. 2) SILVA. LADEIRA.). ESTÁGIO CURRICULAR EM DOCÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL EMENTA: Tempo de aprendizagem e desenvolvimento profissional. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire. Escolas infantis: leitura e escrita. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico). de. Ensinando tudo com histórias. sob orientação permanente de profissionais em atuação na escola de ensino fundamental e na Universidade. 1998. São Paulo: Ática. 1991. A educação pré-escolar: fundamentos e didática. FURLANETO. atividades de docência. Atividades lúdicas na educação da criança. avaliação do estágio e retorno para a instituição. 17. 2002. 8. 1996.83 GROSSI. Gilda. São Paulo: Ática. ed. Regina Célia. 1991. (Série Didática pós-piagetiana. Campinas.). Metodologia de projetos na sala de aula. MENESES. 2005. Avaliação dialógica: desafios e perspectivas. Editora Abril/FVC. Esther Pillar (coord. (Coleção Fazer e transformar.

[Trad. 1998. Porto Alegre: Artmed.84 PIMENTA. A alegria de ensinar. 2002. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. Donaldo. ed. Selma Garrido. FREIRE. Leitura do mundo e leitura da palavra. Belo Horizonte: Autêntica. A Prática Educativa: como ensinar. análise e intervenção nas práticas educativas escolares e nãoescolares. 19. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ALVES. ed. LEAL. BRANDÃO. Telma Ferraz & ALBUQUERQUE. Rio de Janeiro: Edições Graal. Vera Masagão (org. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 7. RIBEIRO. e nos processos pedagógicos de educação de jovens e adultos. SP: Mercado de Letras. C. Rio de Janeiro: Paz e Terra. A alfabetização de jovens e adultos em uma perspectiva de letramento. Belo Horizonte: Autêntica. ZABALA. de(org. de Oliveira].).). 2000. ed. de & LEAL. 5. Rubem. Currículo e Avaliação. ed. SP: Papirus.). _______. Maria Dolores Fortes. Doris Pires Vargas. Formação de Professores: compartilhando e reconstruindo conhecimentos. ESTÁGIO CURRICULAR EM DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EMENTA: Concepções e práticas de alfabetização. Alfabetização: leitura do mundo. Paulo. Alfabetização de adultos: leitura e produção de textos. _____________. DURANTE. 1988. Antoni. _______ & MACEDO. 18. 1999. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR DURANTE. Didática do nível pré-silábico. Eliana B. São Paulo: Autores Associados: Cortez. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ALBUQUERQUE. Paulo. Campinas. 2001. 1997. 1996. Rio de Janeiro: Wak. Escola. ESTÁGIO EM AMBIENTES NÃO-ESCOLARES . novas leituras. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? São Paulo: Cortez. São Paulo: Paz e Terra. 7. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Marta. Educação de jovens e adultos: novos leitores. 4). Desafios da educação de jovens e adultos: construindo práticas de alfabetização. Campinas. Carlos Rodrigues. São Paulo: Ação Educativa. Maria Teresa (org. leitura da palavra. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2006. 2005. Marta. Porto Alegre: Artmed. C. 2007. 1998. São Paulo: Cortez. Elaboração e implementação de propostas alternativas. ALVES. ed. 2006. 3. São Paulo: Cortez. O Educador: vida e morte. 2006. Eliana B. 2006. 4.). ESTEBAN. Didática do nível alfabético. BOLZAN. _______. Observação. 2003. (Coleção polêmicas do nosso tempo. ed. Lólio L. Porto Alegre: Mediação. Conversas com quem gosta de ensinar. FREIRE. De Professor a Educador: contribuições da Psicopedagogia: ressignificar os valores e despertar a autoria. Telma Ferraz (org. 1982. 1989. Didática do nível silábico.

4ª ed. 2004. Rio de Janeiro: DP&A.. Elizete Lúcia Moreira & MUGIATTI. 6ª Ed. Pedagogia Hospitalar: a humanização integrando educação e saúde.). Campinas. 2009. Porto Alegre. Rio de Janeiro: DP&A. Maria Stela S. . Maria Célia. RIBEIRO. André. Rosamaria Calares de. PASTANA. João Baptista.). 2001. 5. 5ª ed. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ABRANTES. Maria Stela Santos. (Orgs. Ilma Passos Alencastro Veiga & FONSECA. sistematização. 6ª ed. São Paulo: Cortez. A Gestão da Escola. Educação do Campo: desafios para a formação de professores. VEIGA. OLIVEIRA. 2ª ed.BH: Artmed. Margarida Maria Teixeira de Freitas. Marília. 1999. São Paulo: Cortez. PARO. (Orgs. Pedagogia social de rua: análise e sistematização de uma experiência vivida. Educação Não Formal e Cultura política. GRACIANI. Lúcia Maria Gonçalves de. 2001. perspectivas e compromissos. Vitor Henrique. Pedagogia Empresarial: a atuação do pedagogo na empresa.. São Paulo: Cortez: IPF. Política Educacional. Prospectiva. Porto Alegre: Artimed. pedagogia social de rua e pedagogia no contexto hospitalar e espaços de promoção à saúde. Gestão Democrática. (Orgs). GOHN. 2008. 15ª ed. SHIROMA. 2006. análise e elaboração/implementação de projetos de intervenção nos processos de gestão da escola e da coordenação pedagógica. Gestão e Educação: uma empresa chamada escola. Gestão da Educação: impasses. Amélia Escotto do Amaral. 2002..85 EMENTA: Atividades orientadas e supervisionadas sobre as atividades concernentes ao campo da pedagogia empresarial. José. ed.RJ: Vozes. Pedagogia Empresarial nas Organizações que Aprendem. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ANTUNES-ROCHA. Rio de Janeiro: Wak. Ilma Passos Alencastro Veiga & RESENDE.SP: Papirus. MATOS. 4) 20. VEIGA. Campinas. ESTÁGIO CURRICULAR EM GESTÃO DA ESCOLA E COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA EMENTA: Observação. Eneida & MORAES. Maria da Glória. 2ª ed. 2009.. Escola: espaço do projeto político-pedagógico. 2 ed. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR FERREIRA. Aracy Alves. (org. v. (Org... 5ª ed.SP: Papirus. 2003. 2002. Pedagogia Social de Rua. 2008. 2009. 2009. Belo Horizonte: Autêntica. Márcia Ângela da S. BASTOS. Educação Social de Rua: as bases políticas e pedagógicas para uma educação popular. São Paulo: Cortez. Maria Izabel & MARTINS. (Col. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ANDRADE. Administração Escolar: introdução crítica. Petrópolis. São Paulo: Cortez.. 2004.).RJ: Catedral das Letras.. As Dimensões do Projeto Político-Pedagógico. 2005. Petrópolis. Rio de Janeiro: Wak. GRACIANI. Nauria Syria Carapeto & AGUIAR.). Walter Ferreira de.

Ilma Passos Alencastro. 2005. Campinas. São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez. 1991. Porto Alegre: Artmed. SP: Papirus. (cap. São Paulo: Papirus. educação fundamental (séries iniciais). Escola. 21. p. ESTEBAN. Selma Garrido. 1988. SANTIAGO. Adeus professor. Maria de Lourdes Melo. Petrópolis. A alegria de ensinar.) A Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado. 1995. Marli. A Pesquisa em Educação e as transformações do conhecimento. 57 a 82) HAWAD. NOGUEIRA. 2008. 2001. Campinas. Currículo e Avaliação. 15 a 32) PIMENTA. SP: Papirus. Campinas. Papirus. Carles e POZO. 2003 MONEREO. Maria Teresa (org. RJ: Vozes. VEIGA. José Carlos. 22. São Paulo: Cortez. 1995. V1. 2006. (Coord. São Paulo. 2000. Ética e Competência. de. 2005. 1996. 2007. 2001. _____________. StelaC. (todo) PICONEZ. ADELAR. Pedagogia dos Projetos: uma jornada interdisciplinar rumo ao desenvolvimento das múltiplas inteligências. 2001. Paulo. Conversas com quem gosta de ensinar. Cortez. (p. Campinas.). 2003. O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 1996.B. PRAIS. Rubem. Política e Educação. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática. 1990. (todo) FAZENDA. Campinas. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ.37 a 44. TEORIA DO CURRÍCULO . SP: 2001. O Estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? São Paulo: Cortez. Selma Garrido. Nilbo Ribeiro. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ANDRÉ. (p. 89 a 95) FREITAS. Campinas. Rio de Janeiro. direcionado a gestão e organização no trabalho pedagógico. adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. SP: Papirus. Ivani. (parte I e II) RIOS. 111 a 120) FREIRE. Helena Costa L. Campinas. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. (p. 2 ed.86 PIMENTA. ESTÁGIO SUPERVISIONADO EMENTA: Desenvolvimento de estágio junto às escolas de educação infantil. O trabalho como princípio articulador na Prática de Ensino e nos Estágios. (todo) ____________. Paz e Terra. São Paulo: Érica. Estágio Supervisionado I para licenciaturas. A prática de assessoramento educacional. Juan Ignácio. Maria Eliete. Helena Feres. LIBÂNEO. Terezinha Azeredo. Escola Pública de primeiro grau: da compreensão à intervenção. 1996 (p. Didática: o ensino e suas relações. Hengemuhle. 2 e 3) BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ALVES. São Paulo: Cortez. SP: Papirus. Gestão de Ensino e Práticas Pedagógicas. São Paulo: Cortez. São Paulo: Paz e Terra. Administração colegiada nas escolas pública.

SILVA. Rosane. Belo Horizonte: Autêntica. política. sucesso/fracasso. Diversidade etnico-cultural e o currículo. SP: Autores Associados: São Paulo. SP: Papirus. 1996. A organização da dinâmica da Prática Pedagógica: o processo de planejamento. ensino/aprendizagem. São Paulo: Cortez. Campinas. cultural e social do currículo. nº8.). currículo e ensino. Currículo: teoria e práxis. Curriculo Nacional: reflexões necessárias. 1996. de Sá (org) Os currículos do Ensino Fundamental para as escolas brasileiras. disputas e alianças. 11-43. 1994. IN: ESPAÇOS DA ESCOLA: Ed. PP. 1999. Pp. MOREIRA. 75-95. SILVA. 2000. 1993 GONÇALVES. WELK. Belo Horizonte: Autêntica. BOUFLEUER. Currículo: questões atuais. T. Ilma P. jul/dez. Maria Antonieta ª de.). teoria/prática. Pp. aluno/aluno. Campinas. 1999. Campinas. 37-42 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR COUTINHO. RJ: Vozes. SP: Papirus. Maria Helena (org. BIBLIOGRAFIA BÁSICA CANDAU. Tadeu da. José Pedro. SP: Papirus. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BARRETO. 1998. 1991. José Maria.) Escola fundamental. 29-38 OLIVEIRA.. Antônio Flávio (org. IN: EDUCAÇÃO E FILOSOFIA. Unijuí. 98 p. (Org. FUNDAMENTOS DA DIDÁTICA EMENTA: Fundamentos sócio-políticos e epistemológicos da Didática na formação do profissional da educação e na construção da identidade docente. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Alencastro & CARDOSO. José Augusto. tendências ou dimensões. nº 28. Currículo: Políticas e práticas. Questões normativas e legais na definição dos currículos. Luiz A Oliveira e SILVA.5-40. Tomaz Tadeu. Pp. PP. MOREIRA. 1998. Vera M. São Paulo: Papirus. . Abr/jun. Dimensões histórica. Petronilha B. Currículo: cultura e sociedade. O processo de elaboração de currículos: relações de poder. 1997. ano 4. Ivani (org. Porto Alegre: (18 2: 97108. 1998. 11 (21 e 22) 25-38. 1997. Salvador. Petropólis: Vozes. Seleção de conteúdos e formas de organização do currículo. Por uma educação Multicultural: uma alternativa de cidadania para o século XXI: IN: REVISTA DA FAEEBA.). 1997 MORREIRA. Fundação Carlos Chagas. Antonio Flávio e SILVA. Interesses humanos e currículo: paradigmas.87 EMENTA: Teorias de currículo: diferentes conceitos e perspectivas. Campinas. Portugal: Porto Ed. Antonio Flávio (org. 73 a 98. T. 23. conflitos. IN: EDUCAÇÃO E REALIDADE. Gonçalves e. Campinas. conhecimento/conhecer. PP. conteúdo/forma. Jun e Jul/dez. Didática e interdisciplinaridade.) Reinventar a escola. FAZENDA. Jan. Tadeu da. O jogo das diferenças: o multiculturalismo e seus contextos. Relações dialéticas fundamentais do processo de trabalho docente: sujeito/objeto. Jul/dez. 179—198 VEIGA. professor/aluno. Elba S. PACHECO. Identidades terminais: as transformações na política da pedagogia e na pedagogia da política. Petropolis.

M. S. CARRAHER. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ADORNO. São Paulo Cortez. LAJONQUIÈRE. Acácia. Belo Horizonte: Ed. vol. 1999. 1999 FREUD. M. BIBLIOGRAFIA BÁSICA COUTINHO. LURIA. KUENZER.1989. 1992. voltado para a educação. Psicologia – USP: São Paulo. Águas de Lindóia. OLIVEIRA. T.nº 1/2. desenvolvimento e aprendizagem. SCHLIEMANN. Adeus professor. (Psico) pedagogia entre o conhecimento e o saber. Vozes. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR GENTILI. 1989. (org. Campinas: Papirus. VEIGA. L. J. M. W. 1998. S. Sigmund Freud: obras psicológicas: antologia. Sonia. 1992.) Repensando a Didática. Cotidiano e Escola: A Obra em Construção.) Rio de Janeiro: Imago Ed. LIBÂNEO. L.) Confluências e Divergências Entre Didática e Currículo. Saberes pedagógicas e atividade docente. PENIN. 1998. PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM E DO DESENVOLVIMENTO EMENTA: Teorias psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Selma Garrido (org. PIMENTA. C. adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 1992. LEONTIEV.N. Linguagem. A Formação Social da Mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Petrópolis/RJ: Ed. LEONTIEV.. Selma Garrido. 1991. Ênfase nas abordagens interacionistas do psiquismo humano. LURIA. Didática.) Rio de Janeiro: Paz e Terra. S.1977. Pablo. Globalização e educação. Campinas: Papirus. Wofgang Leo Maar (trad. São Paulo: Ícone: Editora da Universidade de São Paulo. São Paulo: Cortez. 1997. & MOREIRA. & CARRAHER. PIMENTA. PATTO.88 LIBÂNEO. 1998. 1990.) Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. PSICOLOGIA E PEDAGOGIA II: investigações experimentais sobre problemas específicos. H. Psicologia da educação: um estudo dos processos psicológicos de desenvolvimento e aprendizagens humanos. D. A. Peter Gay (org.L. Educação e Emancipação. Ilma Passos (org. São Paulo: 1991. T. 24. Na vida dez. São Paulo: Cortêz. José Carlos. Lê. VIGOTSKY et al. Lisboa: Editora Estampa. De Piaget a Freud: Para repensar as aprendizagens. A família pobre e a escola: anotações sobre um desencontro. VIGOTSKY et AL. São Paulo: Cortez. SP. Petrópolis: Vozes. Processos de aprendizagem e de desenvolvimento humano: contribuição para o processo educacional. São Paulo: Cortez. Escola e construção do conhecimento: as pesquisas no contexto educacional brasileiro e modelos de intervenção. In: Anais do IX ENDIPE. Maria Rita N.3. 1998. W. 25. A Falsificação do Consenso. T. São Paulo: Cortez. VYGOTSKY. AVALIAÇÃO EDUCACIONAL . na escola zero. 1995. 1998. S.

São Paulo: EPU. ed. Regina Cauzaux. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. 18-19. 2) SANT’ANNA. Cipriano. p. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BREVES. Avaliação dialógica: desafios e perspectivas.shtml> Acesso em 17 jan 2009. [Trad. não um acerto de contas. Denise. p. Raquel. MACHADO. Avaliação educacional: planejamento. 1993. 6. BIBLIOGRAFIA BÁSICA DEPRESBITERIS. Campinas.e . João Luís de Almeida. ed. Avaliação escolar: o que é. Recuperação Escolar: qual a efetividade deste procedimento? Disponível em <http://www. 147. 4. Por que avaliar? Como avaliar? Critérios e instrumentos. 2009. ROMÃO. 1995. São Paulo. Avaliação na escola de 1º grau: uma análise sociológica. LUCKESI. 4749. 2005. Avaliação da aprendizagem escolar. ed. Patrícia Chittoni Ramos]. Projeto Avaliação da Aprendizagem: novos olhares. abril. Philippe. 2001. 2006. PELLEGRINI. ed. Editora Abril/FVC. O aluno colou? É hora de discutir avaliação e regras. ano XVI. Revista Nova Escola. HOFFMANN. 7. Avaliação do rendimento escolar. ed. Avaliação nota 10. implementação e operacionalização. Campinas. Editora Abril/FVC. Porto Alegre: Editora Medição. ano XIX. 2006. 1989.planetaeducacao . (Guia da escola cidadã. 5. MORETO. Porto Alegre: Artes Médicas. MORALES. RJ: Vozes. 1997. Avaliação na escola de 2° grau. Léa. ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL DR. 1999. 2006. HAYDT. PERRENOUD. como se faz. ed. Porto Alegre: Editora Medição. Zacarias Jaegger. pressupostos. HOFFMANN. 2007.br/novo/artigo. LÜDKE. ed. Menga & MEDIANO. Avaliação – mito e desafio: uma perspectiva construtivista. Disponível em <http://revistaescola. 1995. Campinas. Pedro.SP: Papirus. rumo à melhoria da qualidade. Paola & ANDRADE. São Paulo: Ática. nº.). Principais abordagens. Breves: SEMED: EMEF Dr. Vasco Pedro. Rio de Janeiro: Lamparina. Nicolás Nyimi Campanário]. 2003.89 EMENTA: Considerações históricas acerca da avaliação educacional. SOUSA. 26.com. GENTILE. Ilza Martins. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire. O desafio da avaliação da aprendizagem: dos fundamentos a uma proposta inovadora. Prova: um momento privilegiado de estudo. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. 2006. . SP: Papirus.asp?artigo=1352\> Acesso em 21 jun. 12. 6. [Trad. 37./jul. 2004. nov. José Eustáquio. Clarilza Prado de (org. GAMA. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. 173.avaliacao/avaliacao/avaliarensinar-melhor-424538. Avaliação mediadora: uma prática em construção da préescola à universidade. São Paulo: Cortez. 2003. Cristiana. São Paulo: Loyola. SP: Papirus. jun. Zélia. conceitos e estratégias de avaliação. v. nº. Revista Nova Escola. Petrópolis. 18. Lauro Sodré. LAURO SODRÉ. Avaliar para ensinar melhor: da análise diária dos alunos surgem maneiras de fazer com que todos aprendam. br / planejamento .com. Jussara. ed. ed. RIBEIRO. 1997. São Paulo. Jussara.

18. ed. Contos consagrados. A especificidade e os objetivos da educação física.90 SHORES. Filosofando: introdução à filosofia. FUNDAMENTOS E METODOLOGIAS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EMENTA: Perspectivas históricas e conceituais da Educação Especial/Inclusiva. Celso dos S. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ARANHA. L. Sete saberes necessários à educação do futuro. Corpo. GONÇALVES. A nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. rev. gênero e sexualidade. São Paulo: Moderna. Rio de Janeiro: Shape. Avaliação da aprendizagem: práticas de mudança por uma práxis transformadora. Libertad. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ASSIS. P. Machado de. SP: Papirus. Tocar: o significado humano da pele. São Paulo. Porto Alegre: Artmed. 17. Cathy. SP: Papirus. 12. Campinas. 2000. Hugo. Deficiência e Cidadania. S. ed. 1995. São Paulo. Educação física: uma abordagem filosófica da corporeidade. (Cadernos pedagógicos do Libertad. Maria Augusta Salim.). Rio de Janeiro: Ediouro. Ronaldo C. 12. v. DANTAS. 2001. Costa. 27. Possibilidades de construção de conhecimento por meio do corpo. Estélio H. Campinas. 2002. MONTAGU. Corpo presente. BIBLIOGRAFIA BÁSICA . 2005. 2001. Sentir. & MARTINS. 1995. H. Estratégias de intervenção. DAOLIO. Trad. 3) 26. Conversando sobre o corpo. MORIN. ed. rev. Manual de portfólio: um guia passo a passo para o professor. Da cultura do corpo. BOFF. DE A. 2008. Petrópolis. v. DF: UNESCO. Libertad. 1989. O corpo e a escola: intervenções históricas e atuais de controle e castigo.). M. 6) ____________. Heloisa. Pedagogia do oprimido. Paulo. Elizabeth & GRACE. CORDEIRO. ed. SP: Papirus. São Paulo: Cortez. A Constituição Federal Brasileira. 1996. Concepções históricas de Educação Física. 2. Educação do corpo na escola. ed. (org. Aplicação de metodologias. e atual. Para filosofar. ed. 37. Wagner Wey (org. A declaração de Salamanca e a Educação para todos. MOREIRA. SANTIN. Histórias que tocam o coração. 2003. Leonardo. Ijuí: Unijuí. 2001. BRUHNS. 1996. agir: corporeidade e educação. VASCONCELLOS. Avaliação: concepção dialético-libertadora do processo de avaliação. ed. A. ASSMANN. São Paulo: Scipione. Piracicaba: UNIMEP. São Paulo: DPL. RJ: Vozes. Metáforas novas para reencantar a educação. pensar. Rio de Janeiro: Paz e Terra. SP: Papirus. Cassiano et al. M. Edgar. O corpo e o movimento nas diversas áreas de atuação do pedagogo. G. (Cadernos pedagógicos do Libertad. Pensando o corpo e o movimento. CORPOREIDADE E EDUCAÇÃO EMENTA: Representações de corpo na sociedade contemporânea e suas repercussões na Educação. 1999. ed. 4. FREIRE. M. 1993. V. São Paulo: Summus. 1998. Campinas. A águia e a galinha: uma metáfora da condição humana. CORDI. 2. A proposta de inclusão educação e diversidade. Jocimar. 1998. 1994. Campinas.

A Formação Social da Mente. Atividades artísticas para deficientes. Campinas. A. FLEMING. 4. Guanabara Koognor. Necessidades Educativas Especiais e Aprendizagem Escolar. Campinas: Papirus. Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância.). O desenvolvimento de linguagem escrita em crianças considerada deficientes Mentais. COLL. 1989. Brasília: SEESP. Nanci A. Ministério da Educação e do Desporto. 5ª ed. 2008. Sally M. Informática na educação. BRASIL. Brasília: SEESP. Série Atualidades Pedagógicas. 1997. Compreendendo seu filho deficiente. 1. A Formação Social da Mente: O desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 3ª ed. Otto M. BEVILAQUA E FORMIGONI. Marcos A.1998. Cidade: Francisco Alves. & MARCHESI. 2007. Ministério da Educação e do Desporto. VYGOTSKY. TECNOLOGIAS INFORMÁTICAS E EDUCAÇÃO EMENTA: Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação – TIC’s como ferramentas pedagógicas. São Paulo: Érica. Expansão e Melhoria da Educação Especial nos Municípios Brasileiros Educação Especial: um direito assegurado. TELFORD. Cidade: Mennon. Sanmya. 1997. 2. 1992. G. 176p. Porto Alegre: Artes Médicas. BRASIL. Novas Tecnologias e o ressignificado da sala de aula: o lugar do professor. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BELLONI. Ministério da Educação e do Desporto. Rio de Janeiro: FGV. Valeril. PALACIOS. 1995. Ensaio sobre as tecnologias digitais da inteligência.) Desenvolvimento Psicológico e Educação. 1988. n° 1. 2 e 3. 1991. São Paulo: Papirus. 1993. Informática e Formação de Professores. vol. Imago editora. em Macapá. C. A deficiência motora em pacientes com paralisia cerebral. O desenvolvimento dos processos psicológicos superiores.91 BRASIL. Marcelo Araujo. Os diferentes usos do computador na educação. A Integração do Aluno com Deficiência na Rede de Ensino. Uma questão de competência. 1980. Vani. TAJRA.(org. 1993. São Paulo: Martins Fontes. SP: Autores Associados. VYGOTSKY. 3. O indivíduo excepcional. Uma criança excepcional – diagnóstico e tratamento. 1988. Ed. 7ed. 5ed. 3 e 4. Cidade: Papirus. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ATACK. SOBATH. vol. Programa de Capacitação de recursos Humanos do Ensino Fundamental.1995. Ramon de. Brasília: SEESP. Domingues (trad. Campinas: Papirus. Cidade: Manole. OLIVEIRA. Joanita W. Informática educativa.IESAE. Audiologia Educacional: Uma opção terapêutica para a criança deficiente auditiva. Karel. 1997. R. Vol. 1994. 2ª ed.Cidade: Manole. 1991. KENSKI. Pró-fono. . SINASON. MEGUINS. do aluno e do conhecimento. Educação a Distância. L. O manuseio em casa da criança com paralisia cerebral. São Paulo: Martins Fontes. Charles W e SAWREY James M. L. BIBLIOGRAFIA BÁSICA FRANCO. SILVA. J. FINNIE. 111p. 28. Maria. 2003.. Dissertação de Mestrado.

Cibercultura. Neil. Porto Alegre: Artes Médicas. Pedro.). Petrópolis: Vozes. São Paulo: Ática. ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL PINGO DE GENTE. LÉVY. Porto Alegre: Artes Médicas. n° 56. 29. O currículo da Educação Infantil.eca. VALENTE. 1994. <http://www. MORIN. 2006. Novas tecnologias e o reencantamento do mundo. Oficina de idéias) BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR FARIA. São Paulo: Cortez. Yves de. José Manuel. 1994. A criança em idade pré-escolar. CROCHIK. (Col. brinquedos e brincadeiras. MATTAR. São Paulo: Iglu. 80p. GARCIA. São Paulo: Nobel. Seleção de conteúdos e metodologias de trabalho. Teresa H. São Paulo: Editora 34. ano XIV. Revista do Professor. São . Pierre. PAPERT. São Paulo: Ática. 194p. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional. João. 1988. ed. Edith (Org. Tecnologias de informação e comunicação na aprendizagem. 63p. 1990. DRAGO.usp. 2003. 1998. Brincadeiras cantadas. 1998. Cândido Varela et al. 10. 173p. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BORGES. Tecnopólio: a rendição da cultura à tecnologia. Rose Marie Reis & MARQUES. Carlos. O que é virtual? 2.. Edgar. 1997. Second Life e Web 2. Acessado em 21 agosto de 2009. Questões para a teleducação. Marilda Aparecida. Breves: SEMED/EMEI PINGO DE GENTE. MORAN. MASETTO. Ensaio sobre o lugar do computador na Educação. Campinas: Papirus. 2007. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Porto Alegre: Kuarup. BEHRENS. A importância do trabalho interdisciplinar na Educação Infantil. São Paulo: Cortez. NICOLAU. Rogério. São Paulo: Paulinas. Seymour. LÉVY. (org. & PALHARES. Contrato didático ilustrado.htm>. Educação infantil pós-LDB: rumos e desafios. A máquina das crianças: repensando a escola na era da Informática. FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL EMENTA: Estudo dos elementos metodológicos que subsidiam a Educação Infantil e suas implicações pedagógicas. 2004. out. Raquel. Marina S. Lilian Argentina. PEREIRA. 1990. Porto Alegre. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Casa do Psicólogo. 191p. 157p. SP: Autores Associados – FE / UNICAMP. KAWAMURA. FREITAS. Marieta Lúcia Machado. G. O computador no ensino e a limitação da consciência. M. Brinquedoteca: jogos. José Leon. São Paulo: Àtica. 2002 DEMO. 2000. A educação pré-escolar: fundamentos e didática. José Manuel. 2000. Planejamento das atividades.0 na educação: o potencial revolucionário das novas tecnologias. 219p. A psicogênese da linguagem oral e escrita.) Tecnologia educacional: política. São Paulo: Editora 34. Avaliação do processo educacional. 1997. Natividade. Disponível na internet. Campinas. LITWIN. SP: Novatec. 210p. Informática na Educação: representações sociais do cotidiano. histórias e propostas.ed. 388p. LA TAILLE. 260p.92 CARNEIRO. História infantil: contribuições para uma prática pedagógica socializadora./dez. 1998. POSTMAN.br/prof/moran/novtec. 1999. 1994. Marcos T. MORAN. 1998. Novas tecnologias e Educação. Lili. Pierre. Ana L.

Cortez Editora. A psicogênese da Língua Escrita. Artes Médicas. Porto Alegre. Brincar na pré-escola. Polêmicas do nosso tempo. Espaços em educação infantil. Mercado Aberto. 12. WAJSKOP. Sergio. A construção social da alfabetização.C.. 1992.). Celso. RIZZI. . (org. 1992.). J. 2007. In: Gnerre. ed. 2. Mercado Aberto. 1991. Alfabetização e escolarização: uma equação imutável? In: Cook-Gumperz. (Col. MIRANDA. Petrópolis. L. 2008. In: Leitura: teoria e prática. Conteúdos. MAHER. São Paulo. Artes Médicas.. SC: Editora da UFSC. (3 v. São Paulo. rev. 1988. FERREIRO.A. 30. Campinas. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Jenny. Educação infantil e percepção matemática. Os usos da escrita no cotidiano. São Paulo. Rio Grande LORENZATO. Jenny. Da fala para a escrita. Cinco estudos de educação moral. MARCUSCHI. Escolas infantis: leitura e escrita. 1995. A. 1991. A fala e a escrita: estratégias de discurso e aquisição da alfabetização. Manual de técnicas de dinâmica de grupo. Psicologia e educação) MELIS. v. 2001. Tereza Machado. 31. J. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ANTUNES. 1992. São Paulo: Scortecci. 7. escrita e poder. Curitiba: Bolsa Nacional do Livro Ltda. planejamento e avaliação. Gilda. In: Cook-Gumperz. GNERRE. M. (Col. KLEIMAN. RS: Ed. In: Leitura: teoria e prática. Marildes Marinho. 1989. 1999. Regina Célia. Porto Alegre. Esther Pillar (coord. 62) GIOVANNONI. L. e ampl.93 Carlos. SP: Autores Associados.). TEBEROSKY. sem escrita. de sensibilização e ludopedagogia. Porto Alegre: Artes Médicas. MACEDO. 4. ed. Porto Alegre. s/d. e Michaels. COLLINS. No mundo. 1996. S. Mercado de Letras. RS: Ed. SP: Editora da UFSCar. A nova pré-escola. 21. São Paulo: Casa do Psicólogo. Gisela. M. Atividades de retextualização. Vera. O papel da Matemática na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental. FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO ENSINO DE MATEMÁTICA EMENTA: Concepções da Matemática. E. RJ: Vozes. (org. ed. Alfabetização e Lingüística. 1987. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR COOK-GUMPERZ. métodos. 1985. RIZZO. Martins Fontes. 2. ed. Natalice de Jesus Rodrigues et al. São Paulo: Ática. Os significados do letramento.) GROSSI. 2001. Lino (org. 2001. Atividades lúdicas na educação da criança.). Porto Alegre. Campinas. SP: Ed. 20. Florianópolis. Educação pré-escolar. FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO ENSINO DO PORTUGUÊS EMENTA: Estudo teórico e metodológico relativo ao ensino da língua portuguesa na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental. BIBLIOGRAFIA BÁSICA CAGLIARI. São Paulo: Cortez. Leonor & HAYDT. Scipione. Considerações sobre o campo de estudo da escrita. Linguagem. A construção social da alfabetização. ed.

São Paulo: Cortez. Matemática através de jogos – 1ª série. ed. São Paulo: Atual. Editora abril. São Paulo. 1983. 2002. Higiene e Combustão. 18 a 24. Etnomatemática. jogar. brincadeira e a Educação. 3ed. rev. Maria da Glória. 1988. 1999. Nova Escola. 2002. nº 150. Aplicação de metodologias alternativas e experimentos com abordagem lúdica. Daniel. Ar. Didática da Matemática. LOPES. fazer. Metodologia do ensino da Matemática. Rubem. Sérgio. reflexões e práticas. Dione Luchesi de. Vegetais. FRIZZO. Marília. Solo. Porto Alegre: Artes Médicas. 1992. CARVALHO. Construindo com Ciências: uma proposta construtivista. mar. Malba. Emmanuel Ribeiro & SÁ. CENTURIÓN. Jogos dirigidos: para grupos. 1994. F. rev. São Paulo: Cortez. Animais. Terezinha et al. 1997. 2002. Jogo. Ricardo. 2002. O ensino da Matemática na educação infantil. Anna Maria Pessoa de. e ampl. Rio de Janeiro: Record. São Paulo: Ática. São Paulo: Cortez. ed. BIBLIOGRAFIA BÁSICA DELIZOICOV & ANGOTTI. rev. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR AZEVEDO. brinquedo. contribuições da psicologia cognitiva para a educação. 14. 2006. Ensino e formação docente: propostas. São Paulo: Cortez. KEIM. ed. na escola zero. 17. CARVALHO. Belém [s. Rio de Janeiro: Record. Eunice Gruman].94 CARRAHER. recreação e aulas de educação física. Petrópolis: Vozes. D’AMBRÓSIO. p. 2. São Paulo: Cortez. O Ensino de Ciências nas séries iniciais. Tizulo Morchida. 10. Formação de Professores Ciências. Silvino José. 2. SP: Autores Associados. & BERDONNEAU. Corpo Humano.]. São Paulo.n. RJ: Vozes. Conteúdos de Ciências para o Ensino Infantil e Fundamental: Sistema Solar. Metodologia no Ensino de Ciências. LORENZATO. ano XVII. O laboratório de ensino de Matemática na formação de professores. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR CARRAHER. ed. Pedro Franco de (orgs. 32. Maria Nunes. FALZAETTA. FVC. Campinas. Ubiratan. C. São Paulo: FTD. CUNHA. CERQUETTI-ABERKANE. Terezinha Nunes (org). . FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO ENSINO DE CIÊNCIAS EMENTA: Educação Científica e Alfabetização Científica. KISHIMOTO. Júlio César de Mello e (Malba Tahan). ALVES. 3. São Paulo: Cortez. A Matemática pulsa no dia-a-dia. Ernesto. SOUZA. ed. 1997. ed. O homem que calculava. 1987. Água. Conteúdo e metodologia da Matemática: números e operações. Maria Verônica Rezende de. FRITZEN. ed. 2007. 10ºed. 1998. ed. 1995. Ijui: UNIJUI. Saúde. Petrópolis. São Paulo: Scipione. 7. 1995. Filosofia da ciência. ROSA NETO. Matemática divertida e curiosa. 1994. 4. São Paulo: Ática. 1989. [Trad. Aprender pensando. GIL-PERES. 2ed. Jacob. Jogos na educação: criar. Na vida dez. 2006.). 2001. TAHAN.

São Paulo: ANPUH: Marco Zero. 9. 19.).). 1989. BURKE. FREITAS. O cotidiano e a história. 1992. LE GOFF. Ed. Parâmetros Curriculares Nacionais: História. – Brasília: MEC/SEF. A prática de ensino de história. Revista da FAEEBA. (Org. setembro de 1989/ fevereiro de 1990. 1986. Roque de Barros. 1998. 1997. de. Ler & escrever para contar: documentação. LARAIA. 33. 1983. A escrita da história: novas perspectivas. Peter (Org. PRÁTICA DE CIÊNCIA NA ESCOLA: VAMOS DISCUTIR? III ENCONTRO NACIONAL DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS. CABRINI. ed. São Paulo: Cortez. QUEIROZ. Ensino de história: revisão urgente. Jacques. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista. Circe. As escolas históricas. História em quadro-negro. SÃO PAULO. Jogo.). BIBLIOGRAFIA BÁSICA ATAÍDE. Marcos Cezar de. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda.) BITTENCOURT. São Paulo: ANPUH/Marco Zero. Chevyl Gerson & PAQUETE. Heloísa Dupas. Invente Jogos para brincar com seus filhos.). Vol. 1999. 1997. Tizulo Morchida. brinquedo. 1997. Ilmar Rohloff de. Yara Dulce Bandeira. . nº 19. A história oral e sua utilização na escola. Loyola. PENTEADO. São Paulo: Contexto. –(Coleção Magistério 2º grau. (mimeo. São Paulo: Contexto.) Revista brasileira de História. O ensino de história e a criação do fato. ensino e aprendizagem. In: História e Memória. Campinas: Editora da UNICAMP. São Paulo: Cortez. 1992. KISHIMOTO. Conceição et al. 1990. Hervé. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Geografia / Secretaria de Educação Fundamental. São Paulo-Brasil. PINSKY. Agnes. 1995. CADERNOS CEDES. Suely Robles R.). 1993. São Paulo: Ática 1987. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BOURDÉ. O saber histórico na sala de aula. Penny. HELLER. FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO ENSINO DE HISTÓRIA EMENTA: Os conhecimentos históricos integrados ao ensino na alfabetização e nas séries iniciais do Ensino Fundamental. (Org. historiografia e formação do historiador. São Paulo: Contexto. – (Repensando o Ensino). 1994. Jaime (Org. setembro de 1986. Secretaria de Ensino Fundamental. Marcos (Org. São Paulo: Cortez. Rio de Janeiro: Access. História em quadro negro: escola. São Paulo: EDUC. (Org. PÂRAMETROS CURRICULARES NACIONAIS – CIÊNCIAS NATURAIS – Brasília: MEC/SEF.. Metodologia do ensino de história e geografia. BRASIL. Guy & MARTIN.10. REVISTA BRASILEIRA DE HISTÓRIA. Documento Monumento. SILVA. Escravidão negra no Brasil. Publicações Euro América . A história local e do cotidiano. 1992. novembro. Conteúdos e metodologias de ensino.95 TUTLE. 1992. brincadeira e a Educação. Série formação do professor). –(Coleção Repensando o ensino). Cultura: um conceito antropológico. 2000. MATTOS. vol. 1998. Historiografia brasileira em perspectiva. 3.

96

__________________. Repensando a história. São Paulo: ANPUH: Marco Zero,
THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1992.
34. FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO ENSINO DE GEOGRAFIA
EMENTA: Noções básicas para a construção dos conhecimentos geográficos na
educação infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental: conteúdos e
metodologias de ensino. O processo de alfabetização cartográfica: como entender e
construir mapas.
BIBLIOGRAFIA BÁSICA
CARLOS, Ana Fani Alessandri (org). A geografia na sala de aula. São Paulo:
Contexto, 1999. 144p. (Repensando o Ensino)
CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos et all (org). Geografia em sala de aula:
práticas e reflexões. 2ed. Porto Alegre: Ed. Da Universidade/UFRGS/ Associação
dos Geógrafos Brasileiros- seção Porto Alegre, 1999. 197p.
CASTROGIOVANNI, A. C. (Org.). Ensino de geografia: práticas e textualizações no
Cotidiano. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2000.
CAVALCANTI, L. de S. Geografia e práticas de ensino. Goiânia: Alternativa, 2002.
OLIVEIRA, A. U. Org. Para onde vai o ensino de geografia? São Paulo, contexto,
l989.
VESENTINI, J. W. Para uma geografia crítica na escola. São Paulo. Ática, l992.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
FARIA, M. A. de O. Como usar o jornal na sala de aula. 2. ed. São Paulo:
Contexto, 1998.
KOZEL, S. & FILIZOLA, R. Didática de geografia: Memórias da Terra: o Espaço
vivido. São Paulo: FTD, 1996.
MOYSÉS, L. M. O Desafio de saber ensinar. Campinas: Papirus/Rio de Janeiro:
Ed. UFF, 1994
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares
Nacionais: História, Geografia. Brasília: MEC/SEF, 1997. 166p.
SCAFFER, N. O et. all. Ensinar e aprender geografia. Porto Alegre: AGB – Seção
Porto Alegre, 1998.
SIMÕES, M. R. Dramatização para o ensino de geografia. Rio de Janeiro:
JOBRAN, 1995
SOUZA, J. G. de & KATUTA, Â. M. Geografia e conhecimento cartográfico. São
Paulo: UNESP, 2001.
35. DIDÁTICA E FORMAÇÃO DOCENTE
EMENTA: Relação teoria - prática na formação do professor, Multidimensionalidade
do trabalho docente. Magistério como profissão. Carreira docente, formação
continuada de professores O professor como intelectual O trabalho interativo e as
novas abordagens da comunicação em sala de aula.
BIBLIOGRAFIA BÁSICA
CANDAU, Vera M. (Org.) Reinventar a escola. Petropólis: Vozes, 2000.
FAZENDA, Ivani (org.). Didática e interdisciplinaridade. Campinas, São Paulo:
Papirus, 1998.
LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1991.
PIMENTA, Selma Garrido. Saberes pedagógicas e atividade docente. São Paulo
Cortez, 1999.

97

KUENZER, Acácia Zeneida. As Políticas de formação : A construção da identidade
do professor sobrante. In: Educação e Sociedade N.º 69, Campinas: Cedes, 1999.
MOREIRA, Antônio Flávio. Conhecimento educacional e formação de
professores. Campinas: Papirus. 1994.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
APPLE, Michael W. . Trabalho docente e textos: economia política das relações
de classe e de gênero em educação. Artes Médicas. 1995.
CORRAZZA, Sandra. Planejamento de ensino como estratégia de política cultural.
In: MOREIRA, Antônio Flávio (org.) Currículo: Questões atuais. Campinas:
Papirus,1997.
FAZENDA, Ivani (org.). Didática e interdisciplinaridade. Campinas, SP: Papirus,
1998.
GADOTTI e José Romão (org.). Autonomia da escola: princípios e propostas. São
Paulo : Cortez, 1997.
KUENZER, Acácia Zeneida. As Políticas de formação: A construção da identidade
do professor sobrante. In Educação e Sociedade N.º 69, Campinas: Cedes, 1999.
SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que avaliar? Como avaliar?: Critérios e
instrumentos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.
VEIGA, Ilma Passos. (org.) Educador: Caminhos da Profissionalização do
magistério. Campinas: Papirus, 1998.
36. ALFABETIZAÇÃO LINGUÍSTICA, LETRAMENTO ESCOLAR E GÊNEROS
DISCURSIVOS
EMENTA: Alfabetização lingüística: trajetória histórica, conceitos e métodos.
Letramento: história, conceitos e competências socicomunicativas. Gêneros
discursivos: concepções e funcionalidade. Letramento, oralidade e culturas escritas.
Alfabetização e letramento nas aulas de língua portuguesa: desenvolvimento da
produção de textos nas séries iniciais em diferentes gêneros discursivos.
BIBLIOGRAFIA BÁSICA
CAGLIARI, L. C. Alfabetização e Lingüística. São Paulo, SP: Ed. Scipione, 1989.
COLLINS, J. e Michaels, S. A fala e a escrita: estratégias de discurso e aquisição da
alfabetização. In: Cook-Gumperz, Jenny. (org.). A construção social da
alfabetização. Porto Alegre, Artes Médicas, 1991.
FERREIRO, E.; TEBEROSKY. A psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1992.
MARCUSCHI, L.A. Da fala para a escrita. Atividades de retextualização. São Paulo,
Cortez Editora, 2001.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
COOK-GUMPERZ, J. Alfabetização e escolarização: uma equação imutável? In:
Cook-Gumperz, Jenny. (org.). A construção social da alfabetização. Porto Alegre,
Artes Médicas, 1991.
GNERRE, M. Considerações sobre o campo de estudo da escrita. In: Gnerre, M.
Linguagem, escrita e poder. São Paulo, Martins Fontes, 1985.
KLEIMAN, A. Os significados do letramento. Campinas, Mercado de Letras, 1995.
MAHER, Tereza Machado. No mundo, sem escrita. In: Leitura: teoria e prática, 12.
Porto Alegre, RS: Ed. Mercado Aberto, 1988.
MIRANDA, Marildes Marinho. Os usos da escrita no cotidiano. In: Leitura: teoria e
prática, 20. Porto Alegre, RS: Ed. Mercado Aberto, 1992.

98

37. ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NO ENSINO FUNDAMENTAL
EMENTA: O espaço da arte no currículo da educação infantil e ensino fundamental.
Observação e registro do ensino de arte para crianças pequenas. A formação do
professor da Educação Infantil e ensino fundamental, e seu conhecimento em arte.
Atividades estimuladoras da potencialidade artística do educador. Conteúdos de arte
nos Referenciais Curriculares para Educação Infantil e Parâmetros Curriculares
Nacionais. Análise de propostas de ensino de Arte para Educação Infantil e ensino
fundamental.
BIBLIOGRAFIA BÁSICA
BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1978.
FERRAZ, M. Heloísa C. de T.; FUSARI, M. F. de Rezende. Metodologia do Ensino
da Arte. São Paulo: Cortez, 1993.
FUSARI, M. F. de Rezende; FERRAZ, M. Heloísa C. de T. Arte na educação
escolar. São Paulo: Cortez, 1993.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino de arte. São Paulo: Perspectiva, 1991.
BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação
Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais (5ª a 8ª séries): arte, Brasília,
1988
LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.
MOREIRA, Antonio Flávio(org.). Currículo: Políticas e práticas. Campinas,SP:
Papirus, 1999
PEREGRINO, Yara Rosas et allii. Da camiseta ao museu, o ensino das artes na
democratização da cultura. João Pessoa: Ed. Universitária/UFPB, 1995.
PILLAR, Analice Dutra (Org.). A educação do olhar no ensino das artes. Porto
Alegre: Ed. Mediação, 1999.
38. LUDICIDADE E EDUCAÇÃO
EMENTA: Estudo histórico do brinquedo. Teoria e concepções da atividade lúdica.
As práticas lúdicas como expressão cultural. O brinquedo como fonte de
compreensão do mundo. Significado e função do jogo no desenvolvimento humano.
A importância do brincar na educação. Realização de projetos de educação lúdica
comunitária.
BIBLIOGRAFIA BÁSICA
ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São
Paulo: Loyola, 1994. (11. ed. 2003)
ANTUNES, Celso. Manual de técnicas de dinâmicas de grupo, de
sensibilização, de ludopedagogia. 21. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.
BERKENBROCK, Volney J. Jogos e diversões em grupo: para encontros, festas
de família, reuniões, sala de aula e outras ocasiões. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.
FRITZEN, Silvino José. Jogos dirigidos: para grupos, recreação e aulas de
educação física. 16. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.
SANTOS, Santa Marli Pires (org). Brinquedoteca: o lúdico em múltiplos contextos.
12. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
VAZQUEZ, Lidia. Brinquemos com o corpo e a imaginação. Trad. Ivone Barreto.
São Paulo: Paulus, 2000.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

SACKS. Rio de Janeiro: Dunya Editora.br/conhecendoabrinquedoteca. Rio de Janeiro: Arara Azul. GARCIA. Pensamento e linguagem. p. Brasília: MEC/SEEP . 2004. I. MONTEIRO. 2000. Solange – O INES e a educação de surdos no Brasil. MILITÃO. SARRA. FORTUNA. São Paulo: Martins Fontes. 2001. 1999. 2009.vilabol. Rio de Janeiro: INES. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física.uol. Thaís L. Fernanda B. Porto Alegre: Editora da UFRGS. Lilian Argentina. 2004. sua comunidade. In: ÁVILA. Retrospectiva histórica sobre os surdos. Petrópolis.S. São Paulo: Plexus.B. 1984. LIBRAS em contexto. Profissionalização. TANYA A. ed. S. R.htm> Acesso em 15 ago.99 CONHECENDO A BRINQUEDOTECA. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: ROCHA. (org.. 2008. T. sua cultura. 3. FREIRE. L. ALVES. ed.com. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ARENA. São Paulo: Martins Fontes.O. Disponível em <http://universoda brinquedoteca. 2007. WEIS. quanto à estruturação e gramática. Ana Paula – Surdez e linguagem: aspectos e implicações neurolinguistícas. 2007. Dinâmicas de recreação e jogos. LIBRAS EMENTA: O portador de necessidades educativas especiais na área de áudio comunicação: conceito e classificação. Acervo de jogos e brincadeiras. 39. RJ: Vozes. Rose Marie Reis & MARQUES. 2007.: dinâmica de grupo. Oliver: Vendo Vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. língua brasileira de sinais. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. 1992.S. Identificação e atendimento. L. A formação social da mente. 2. Porto Alegre: Kuarup. sua identidade. al. Vida e morte do brincar. SACKS. Brincadeiras cantadas. 1988. Estimulação essencial. Brinquedoteca: a criança. o adulto e o lúdico. São Paulo: Santos. Petrópolis.M. QUADROS. Noção básica de aspectos linguísticos da LIBRAS.) Escola e sala de aula: mitos e ritos. Myrna S. Ronice . 1991. Rose & ALBIGENOR. S. Sabine Antonialle et. 1998 . ed. 2007. São Paulo: Universidade de São Marcos.. Brinquedos e engenhocas: atividades lúdicas com sucata. 1997.) Estudos Surdos II. _________. São Paulo: Scipione. treino auditivo e de fala. Petrópolis. Ensino da LIBRAS no contexto de uma Educação Inclusiva. SANTANA. Educação para surdos – práticas e perspectivas. João Batista. Oliver W. São Paulo: Scipione. suas conquistas legais e a legitimação da LIBRAS como língua oficial dos surdos no país. KARNOPP. São Paulo: Companhia das Letras . Luise. (org. RJ: Vozes. DIAS. FRITZEN. 23. 47-59. 8 ed. VIGOTSKY.. MIchelle N. Aspectos psicológicos ligados à aprendizagem e desenvolvimento do PNEE na área da áudiocomunicação. São Paulo: Companhia das Letras. Silvino José. _________. 1998.

Miguel Gonzalez. Salomão Mufarrej (Org). __________.) Estudos Surdos I. Secretaria Municipal de Educação. Campesinato clássico e campesinato da fronteira amazônica. Regina Maria de. L. Porto Alegre: Artes Médicas. Trabalho e conhecimento: dilemas na educação do trabalhador. Educação de Surdo. Relações do campesinato com outros grupos e instituições sociais. A educação básica e o movimento social do campo. Educação de Surdos: a Aquisição da Linguagem..B. – São Paulo. BIBLIOGRAFIA BÁSICA AMMANN.. O Direito do Trabalhador à Educação. Diretoria de Orientação Técnica. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: BUARQUE.estudos lingüísticos. Brasília . Carlos Minayo. Cidadania.). Coleção Por uma Educação do Campo. Gráfica e Editora Gutemberg Ltda. Miguel Gonzalez. Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal sustentável. Língua de Sinais Brasileira . (org.100 SILVA. Por uma Educação do Campo: traços de uma identidade. 2005. A educação básica e o movimento social do campo. As experiências alternativas de educação em áreas de fronteiras e suas práticas pedagógicas. Belém. 1999. Educação do Campo: identidade e políticas públicas. nº 01. In: GOMES. Miguel Gonzalez e FERNANDES. 2003. Utilização de meios e técnicas pedagógicas dirigidas a populações rurais marajoaras. Brasilia: DF. 4ª ed. SOUZA. Bernardo Mançano. Roseli Salete et all (org).. HAGE. 2007.DF: Articulação Nacional Por Uma Educação do Campo. A Pedagogia da Alternância. [et. São Paulo: Cortez & Moraes LTDA. Roseli Salete. 2005. CALDART. Nº 04. __________. MOLINA. ________. A escola do campo em movimento. 2004. 2008. – Petrópolis. DF: Articulação Nacional por uma Educação Básica do Campo. Cortez. Ivani Rodrigues et al. 2002. Roseli Salete et all (org). 2006. Mônica Castagna (Orgs. Sérgio C. RS. RJ: Vozes. São Paulo: Summus. In: ARROYO. nº 02. Por uma Educação do Campo. Petrópolis. Porto Alegre. surdez e linguagem: desafios e realidades‖ São Paulo: Plexus . KARNOPP. 2004 __________. Safira Bezerra. Coleção por uma Educação Básica do Campo. Rio de Janeiro: Arara Azul. Articulação Nacional Por Uma Educação do Campo. . In: ARROYO. Participação Social. 2002. 1999. Brasília. Coleção Por Uma Educação do Campo. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para Educação Infantil e Ensino Fundamental: Língua Brasileira de Sinais-LIBRAS.). São Paulo: SME/DOT. Por uma educação do campo. SÃO PAULO (SP). A família como unidade de produção e consumo. EDUCAÇÃO DO CAMPO E DESENVOLVIMENTO NA AMAZÔNIA EMENTA: A gênese do ruralismo moderno e a formação do campesinato no Brasil. Os diferentes paradigmas da Educação.: Art Med. 40.al]. junho de 1999 CALDART. QUADROS. CALDART. Edgar Jorge et all (Org. 1977. In: KOLLING. ARROYO. Ronice . A Educação do Campo no Marajó. Educação do Campo na Amazônia: retratos da realidade das escolas multisseriadas no Pará.M. Os movimentos sociais e as questões sociais e educacionais do meio rural na Amazônia. – Brasília. INCRA/IICA/PCT..

Mônica Castagna (Org). – São Paulo: Cortez. In: Donaldo Belo de Souza. 1986. DAWBOR. Licínio C.DF: Articulação Nacional Por Uma Educação do Campo. SP: Autores Associados. Gráfica e Editora Gutemberg Ltda. In: ARROYO. metropolização e políticas neoliberais. Campinas.). Ana Cláudia. 2005. In: HAGE. GENTILI. FARIA. Jeovani de Jesus. 1998. 1997. Ladislau. Ed. Salomão Mufarrej (Org). TOSCHI. Janete M. Petrópolis. 1997. Belém. A gestão educacional e o projeto político da escola. Escola S/A: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Yolanda Lima. Edgar Jorge. Ir. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: LIBÂNEO. O papel do diretor na administração escolar. 2004. Mylene Wirgues. Educação Rural Ribeirinha Marajoara: desafios no contexto das escolas multisseriadas. Brasília . p.). Teorias da administração / organização educação. C.DF: CNTE. 1999. EDUC. editora. SAVIANI. Tomaz Tadeu. Roseli Salete e MOLINA. Roseli Salete. J. 4. 2. P. CALDART. e MOLINA. Globalização. J. 97-110. In: Cadernos de Pesquisa. 1996. Pedagogia da práxis. 2003 PAESE. A escola como organização educativa: Uma abordagem sociológica. A Educação como Política Pública. Petrópolis: Vozes. São Paulo: Cortez.394/1996. Por uma educação do campo. Demerval. Mônica Castagna (Orgs. Educação do Campo na Amazônia: retratos da realidade das escolas multisseriadas no Pará. Educação Escolar: políticas. CERIOLI. SETUBAL. A questão política do direito à educação da população do campo. S.DF. nº 102. Da nova LDB ao novo Plano Nacional de Educação: por uma outra Política Educacional. Neoliberalismo. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Bernardo Mançano. Lei nº 9. OLIVEIRA. 2004 Paulo: Cortez. nº 01. AZEVEDO. Paulo Ricardo e CALDART. KOLLING. GENTILI. qualidade total e educação: visões críticas. Campinas: Autores Associados. Mirthes. Brasília: Liber Livro. 1988. Educação no campo: discriminação e resistência. SILVA. Lins. Regina Maria Fonseca (org. 2. Miguel Gonzalez. NETO. Reordenamento do poder e políticas neoliberais. In: GADELHA. COUTO.101 FERNANDES. Escola como espaço de encontro entre políticas nacionais e locais. 2003. SILVA. GESTÃO DE SISTEMAS E UNIDADES EDUCACIONAIS EMENTA: Teorias e práticas das organizações educacionais. A organização do trabalho educacional linguagem. Brasília . Por uma educação básica do campo. Pablo A. GADOTTI. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ALLONSO. ed. RJ: Vozes. São Paulo: Cortez. LÔBO. 1997. BRASIL. Pablo. Roberto. NERY. 41. PEIXOTO CRISTO. 1994. Indivíduo e organização Forma de participação e legitimação presentes nas ações coletivas. Primeira Conferência Nacional ―Por uma Educação Básica do Campo (texto preparatório). Francisco Costa Leite. estrutura e organização. Tomaz Tadeu. São Paulo: Fundação Carlos Chagas. Elia Ciomar Macêdo de Faria (Orgs) Desafios da Educação Municipal. Brasília . 2006. F. M. Maria Alice. LIMA. . Ed. 121-133. SP: Difel. Coleção Por Uma Educação do Campo. Rio de Janeiro: DP&A. Moacir. tempo e espaço. 2005.

jan/jun de 2000. Neise. Educação Profissional no Brasil: no limiar de novas possibilidades. Petrópolis: Vozes.102 SILVA. 1. Claus. In: ROPÉ. WARDE. In: Boletim Técnico do SENAC. As Novas ―Qualidades Pessoais‖ Requeridas pelo Capital. IANNI. Competência e Qualificação: duas noções em confronto. pp. Ramos. RJ. In: Trabalho e Educação. Fernando & MACHADO.). 1994. A função da educação na nova ordem mundial. Otávio. (org. Comentários sobre o documento Diretrizes curriculares para a Educação Profissional de Nível Técnico MEC/CNE. Ronaldo. Luiz Heron (org. Petrópolis: Vozes. DELUIZ. Saberes e Competência: o uso de tais noções na escola e na empresa. Françoise & TANGUY. Mirian Jorge. 1993. SOCIEDADE.09-59. Texto elaborado para o Seminário sobre Educación para el mundo del trabajo y lucha contra la pobreza".). EdUFF. Sistema Ocupacional e Política de Educação Contribuição à Determinação das Funções Sociais ao Sistema Educacional./99. FERRETTI. Papirus. 1998. 19 (1): 34-44 jan. FIDALGO. Lívia de. São Paulo: Cortez. Claus. Lucie (orgs. nº 6. O Mundo do Trabalho. Pós-Neoliberalismo. TRABALHO E EDUCAÇÃO EMENTA: O estado e seu papel político na sociedade. Rio de Janeiro. . set. jan/jul – 1998. Ronaldo. José Arlindo. PAIVA. maio de 1999. vol. 4. nº44. pp. 11.). O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. OFFE. O Planfor e a reconceituação da educação profissional. In: Revista São Paulo em Perspectiva. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: ARAUJO. N. TOMMASI. As Políticas Sociais e o Estado Democrático. Sistema Educacional. Lucília. SP. 2004. Campinas. 1993. Celso João. 5-20. SEADE. Sérgio (Orgs. In: Revista Educação e Sociedade. SADER. 42. São Paulo: Cortez. 1999. CACCIA-BAVA.). 1998. ed. Pablo (org. Belo Horizonte: NETE / Faculdade de Educação / UFMG. Formação Profissional no Brasil: Enfoques e Perspectivas. out. Cedes. Vanilda e WARDE. Novo Paradigma de Desenvolvimento e Centralidade do Ensino Básico. Escola cidadã: teoria e prática. HADDAD.). nº 10. In: Revista Trabalho e Crítica. Pedagogia da Exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. da globalização e dos modernos processos de trabalho produzidos pelas sociedades capitalistas e suas contradições. Nº35. Nete / UFMG. Emir. A educação analisada a partir de revoluções tecnológicas. OFFE. 1997. Françoise. SOARES. Buenos Aires / Argentina. Silvio. duas perspectivas de formação dos trabalhadores em jogo. tradução: Patrícia C. Texto. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ARAUJO. 1989. LEITE./abr. TANGUY. Elenice M. GENTILI. São Paulo. Trabalho: categoria chave da sociologia? In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. Belo Horizonte. Contextualização históricopolítica das abordagens clássicas do estado moderno: suas diferentes tendências e implicações na educação. In: Educação e Sociedade. Racionalização Pedagógica e Legitimidade Política. 1996./95. Miriam. Os desafios da Gestão Municipal Democrática. Nº 5. Paz e Terra: São Paulo. 1990. Revista Trabalho e Educação.

17ª Ed. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ARROYO. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ADAM. Emir. Política educacional na legislação para os níveis de escolaridade básica e superior. A Lei 8. 1990. Cortez. In: Revista Praga. O que é preciso saber sobre os novos direitos da criança e do adolescente. Neidson. Miguel. p. Iria (Org. Estado e Teoria Política. A educação na nova ordem mundial. Lins. 1996. Experiências de Inovação Educativa: o currículo na prática da escola. Campinas. SP. AZEVEDO. SP. SP.069/90. Luiz Heron da (org. RJ. São Paulo: Hucitec. Milton. A educação e formação técnico-profissional frente à globalização excludente e o desemprego estrutural. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Marisa Vorraber (org. SADER. 2000. POLÍTICA EDUCACIONAL EMENTA: O papel político do Estado na sociedade suas e implicações na Educação. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: ENGELS. BRZEZINSKI. Ed. (Os Economistas). 1998. Nova Cultura. Campinas. Capitalismo e Liberdade. Os Economistas.). 44. BELLAMY. 1997. A escola cidadã no contexto da globalização.).103 43. Martin. SP. Brasília .).) LDB Interpretada: diversos olhares se entrecruzam. A Educação como Política Pública. Agir. (org. FRIEDMAN. ESTADO E EDUCAÇÃO EMENTA: O Estado e seu papel político na sociedade. Gaudêncio. São Paulo: Columbus. Richard. Moraes. SP. São Paulo: Companhia das Letras. In: SILVA. Papirus. 1998. Campinas. Escola Básica na virada do século: cultura. 2ª Ed. Marilena. Currículo: Políticas e Práticas. 1994.). da Universidade Estadual Paulista. In: MOREIRA. Antônio Flávio Barbosa (org. Pós-Neoliberalismo. CHEVALLIER.DF. SOCIEDADE. 1999. Os planos educacionais: nacional. As Políticas Sociais e o Estado Democrático. As grandes Obras políticas de Maquiavel à Nossos Dias. da propriedade Privada e do Estado. estadual e municipal. 1985. Janete M. São Paulo: Cortez. 1998. Paz e Terra. São Paulo: Cortez. 1996. CHAUI. SP. Smitth. 218-238. COSTA. . O papel dos organismos internacionais na formulação e financiamento das políticas de educação na América Latina e no Brasil. Relação entre o público e o privado no contexto da Educação brasileira. SP. Rio de Janeiro: Vozes. SP: Papirus. Nova Cultural. BRASIL. 8ª Ed. RODRIGUES. (Biblioteca Básica). Liberalismo e Sociedade Moderna. 23-32 FRIGOTO. Jeam Jaques. Lei nº 9. CARMOY. BRASIL. Lições do Príncipe e Outras Lições. A relação entre Estado e Sociedade com seus reflexos na educação. 1998.394/1996. A universidade hoje. CRIANÇA URGENTE. 1986. MAQUIÁVEL. nº 6. Friedrich. p. 1ª Ed. O príncipe. política e currículo. A Origem da Família. SP: Autores Associados.

Esther. SILVA. Da nova LDB ao novo Plano Nacional de Educação: por uma outra Política Educacional. GENTILI. Tomaz Tadeu. DEMO.: UNIMEP. CUNHA.P.) Nova LDB: trajetória para a cidadania? São Paulo: Artes & Ciência. p. GROSSI. qualidade total e educação: visões críticas. 1999.. SILVA. A eficiência/ineficiente das políticas educacionais como estratégia de regulação social. São Paulo: Cortez/Fundação Carlos Chagas. 1998. Carapeto (org.). FHC e a política social: um desastre para as massas trabalhadoras. municipalização e Fundef no Pará.). 1998.). Rio de Janeiro: Vozes. In: SILVA. A nova LDB: ranços e avanços. 1998. SP: Autores Associados. 1996. 1994. Reordenamento do poder e políticas neoliberais. DUARTE. 1997. Monteiro dos Santos. 97-110. 60-72. Petrópolis: Vozes. PAULO NETO. SANTOS. nº 102. Campinas: Autores Associados. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: CADERNOS DE PESQUISA. 1999. novos desafios. SAVIANI. In: Cadernos de Pesquisa. Terezinha F.104 GENTILI. Marina & PINTO. Dalila Andrade. (orgs). 121-133. Globalização. Pedro. São Paulo: Cortez. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação. 1996. Maria Alice. nº 99. Descentralização. Lei 9. T. RJ: Vozes.). Dermeval. S. p. Luiz Antônio. João de Jesus Paes. metropolização e políticas neoliberais. Brasília . 1999. 76-99. nº 100. Naura S. Pablo. Belo Horizonte: Autêntica. Escola e Democracia. Ivo (org. LOUREIRO. Descentralização da educação: novas formas de coordenação e financiamento. In: FRIGOTTO. 1997. Lourdes Marcelino (orgs. FELDMANN. EDUC. Gestão Democrática da Educação: atuais tendências. In: LESBAUPIN. São Paulo: Fundação Carlos Chagas. Campinas: Papirus. MACHADO. GENTILI. 1998. Petrópolis. . In: Cadernos de Pesquisa. Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século.). Tomaz Tadeu. Demerval. Carmem Silvia Bissolli. Luiz Fernando (org. Política e Trabalho na Escola: administração dos sistemas públicos de educação básica. 1983. 1997. Piracicaba. O desmonte da nação: balanço do governo FHC. Neoliberalismo. Regina Maria Fonseca (org. São Paulo: FUNDAP: Cortez. 1999. P. São Paulo: Cortez/Autores Associados.394/96. Gaudêncio (org. DAWBOR.). Vera Lúcia Cabral (org. Os Parâmetros Curriculares para o Ensino Fundamental: convívio social e ética. Número temático especial: Globalização e Políticas Educacionais na América Latina. In: GADELHA. Ladislau. DOURADO. p. Rinalva C. 1999. 122-140. Fátima C. Administração escolar e política da educação. SAVIANI.DF: CNTE.F. 1997. José. Escola como espaço de encontro entre políticas nacionais e locais. Rio de Janeiro: DP & A. Marisa R. Educar para o desemprego: a desintegração da promessa integradora. A. São Paulo: Fundação Carlos Chagas. p. Pablo. Financiamento da Educação Básica. FERREIRA. Campinas. Escola S/A: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. OLIVEIRA. Pablo A. SILVA. SETUBAL. In: COSTA.

A disciplina estatística na área de educação: seleção e organização de conteúdos. Campinas: Papirus. Silvio. SILVA. . Mat. O. José Arlindo. CACCIA-BAVA. Paul. Luiz Heron (org). VIZENTINI. L. Porto Alegre. Florianópolis: Ed. Porto Alegre. GRÁCIO. 284p. Reconfiguração da educação superior no Brasil e redefinição das esferas pública e privada nos anos 90. Luiz Heron. O papel do Estado e as políticas neoliberais. M. A. São Paulo: Cortez. 2. SINGER. A. Educ. SILVA. P. GARRUTTI. GAMBOA.. SILVA.105 SILVA JR. E. SANTOS. I. p. A. In: GADELHA. GARRUTTI. Rio de Janeiro. C.5. p. P. Sérgio (Orgs. 1998. 1995. In: VEIGA. Regina Maria Fonseca (org).ed. Petrópolis: Vozes. P. (No prelo) MARTINS. coeficiente de produtividade curricular. Quantidade-qualidade: para além de um dualismo técnico de uma dicotomia epistemológica. J. A Seleção e organização de conteúdos para a disciplina Estatística Aplicada à Educação. 33-57. A. Ver. AZEVEDO. Porto Alegre: Universidade/UFRGS. 1999. 1 CD-ROM. 1997. déficit educacional. CARRION Raul (org. p. (orgs. A.. 2. 45. C. . I. SOARES. 1996. C. 84-110. Paulo Fagundes. Rio de Janeiro: IBGE. José Clóvis. 2003. S. Seleção de conteúdos estatísticos para a educação: uma análise de dissertações e teses. S. GRÁCIO. M. Porto Alegre: Sulina. Mirian Jorge. São Paulo: EDUC. Luiz Heron (org. AZEVEDO. 1995. Repensando a didática. C. 97-110. José Clóvis (Orgs. O. 1989. metropolização e políticas neoliberais.18. Da UFSC. 2. A. Planejamento do ensino numa perspectiva crítica de educação. WARDE.41-52. p. Século XXI barbárie ou solidariedade: alternativas ao neoliberalismo. C. Luiz Heron. Lívia de.). Campinas: Papirus. In: SEMINÁRIO IASI DE ESTATÍSTICA APLICADA – “ESTATÍSTICA NA EDUCAÇÃO E EDUCAÇÃO EM ESTATÍSTICA”.65-82. 9. SILVA. SGUISSARDI. João dos Reis. v. . Pesquisa educacional: quantidade-qualidade.). E. 1989. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BARBETTA. HADDAD. 2003a. v. In: SANTOS FILHO.). Novas Perspectivas. Os desafios da Gestão Municipal Democrática.12-20. ed. 1998. 2003b. Construção e interpretação de gráficos e tabelas. 1996.. C. 2005. S. Valdemar. Paixão de Aprender II. 1999. TOMMASI. A. 199. Petrópolis: Vozes.). BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR GRÁCIO. ESTATÍSTICA APLICADA À EDUCAÇÃO EMENTA: Elaboração e análise de diagnósticos estatísticos educacionais através de estudos de seus principais indicadores: coeficiente de escolarização. M. (Coord). 1998. Ver. P. (Coord). O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. Escola cidadã: teoria e prática. São Paulo: Cortez. P. Educ. LOPES. C. São Paulo: Cortez. p. Novos Mapas Culturais.. Repensando a didática. Anais. GARRUTTI. Edmilson Santos dos. In: Revista Brasileira de Educação nº 10.). Conteúdos escolares: a quem compete a seleção e organização? In: VEIGA. GAMBOA. S. Século XXI: qual conhecimento? Qual currículo? Petrópolis: Vozes.ed.RS.SBEM. Globalização.. E. Estatística aplicada às ciências sociais. Matem.

Agir: Rio de Janeiro. O. In: A escola e seus profissionais: tradições e contradições. v. UFPA. Escola Cabana: projeto político pedagógico. O ensino das disciplinas instrumentais para análises quantitativas no currículo do curso de graduação em biblioteconomia. In: SANTOS FILHO. São Paulo: Cortez. p. 11-22. Maria de Lourdes.org/publications/jse/>. In: Escola Fundamental currículo e ensino. Construção de projetos de ensino presencial e a distância. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências. P.amstat. Quartet: Niteroi. I. HENRIQUES. Campinas. 2. desenvolvimento e avaliação de projetos educacionais. Pesquisa quantitativa versus pesquisa qualitativa: o desafio paradigmático. Cortez. In: Educação a distância: alternativa para a construção da cidadania. Célia. 103-118. Antonio. J. In: Didática: o ensino e suas relações. SOWEY. Célia. O ensino e os recursos didáticos em uma sociedade cheia de tecnologia. Moacir. SP. P. Papirus: Campinas. A. P. P. Universidade Estadual Paulista.13-59. J. SP. C. Vicentina N. In: Novos enfoques da pesquisa educacional. SP. Papirus.91-111. p. Maria Helena. 1996. roteiro para sua elaboração. Campinas: Papirus. . R.ed. Agir: Rio de Janeiro. 1998. 31-45 CHIZZOTTI. Instituição Escolar: identificação e representação. P. Disponível em: <http://www. Proposição. 3. Educação a distância: alternativa viável de democratização do conhecimento. P. P. Maria Felisberta B. Vani. quer no âmbito escolar quer no âmbito dos sistemas de ensino. ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO EMENTA: Coordenação pedagógica dos processos escolares e de projetos sociais.. Educ. 23-37. 1996. da. J. 1999. E. 46. 127-148. SANTOS FILHO.106 OLIVEIRA. 1989. P. A. S. Os protagonistas da pedagogia escolar: convergências e divergências. O fazer integrado dos profissionais da educação no cotidiano escolar e a educação para a democracia.83-96. BIBLIOGRAFIA BÁSICA TRINDADE. Os meios e a relação mestres-discípulos. 85-98 PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM. T. Stat. F. 1997. E. 1997. 2. Repensando a didática. CARDOSO. 1998. C. SP. As tendências e as perspectivas para o 3º milênio. GADOTTI. Alexandria.31-44. 116f.. (Coord). Acesso em: 09 set. Teaching Statistics: making it memorable. P. 1998. In: Escola Fundamental currículo e ensino. n. 1999. 1996. 1995. RAYS. In: A escola e seus profissionais: tradições e contradições. In: Formação de professor. Papirus. In: comunicação docente. Escola fundamental: autoritarismo e poder. O cotidiano e as pesquisas em educação. Marília. Loyola. Pesquisa educacional: quantidade – qualidade. P.227-233 KENSKI. GAMBOA. LINHARES. 1995. 1999. S. SEMEC. 1996. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: FERNANDES. SP. A questão da metodologia do ensino na didática escolar. A intersubjetividade epistêmica no pedagógico. LINHARES. ? In: VEIGA.

GADOTTI. GANDIN. 5. José E. O coordenador pedagógico e a formação docente. . Autonomia da escola: princípios e propostas. BIBLIOGRAFIA BÁSICA FILHO PARENTE. Campinas. Integração escola família comunidade. Ilma Passos A. 2001. 1995. O que é e como se faz. Instituto Paulo Freire. v. 2000. A prática do planejamento participativo. GANDIN. 2001.. ed. Danilo. 1987. ed. ed. GEMERASCA. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BRUNO. São Paulo: Loyola. 1997. (Guia da escola cidadã. v. Petrópolis: Vozes. v. Celso dos Santos. Campinas. Magistério e mediocridade. 2001. 1996. Planejamento: projeto de ensino– aprendizagem e projeto político–pedagógico – elementos metodológicos para elaboração e realização. Acácia Zeneida. 7. ed. CALAZANS. 17. Maristela P. (Coleção Magistério: formação e trabalho pedagógico) BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: FREIRE. Sueli Barros Cassal]. CHRISTOV. Moacir & ROMÃO. Rio de Janeiro: Paz e Terra. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTES ESCOLARES EMENTA: Articulação do projeto pedagógico da escola.). Pedagogia do oprimido. 2006. SP: Papirus. Ezequiel Teodoro da. 7. Oficina de dinâmica de grupos para empresas. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. São Paulo: Cortez. 1995. Para filosofar. 7) SILVA. (Coleção Questões da nossa época: v. São Paulo: Loyola. Maria Julieta Costa. São Paulo: Cortez. Eliane B.). São Paulo: Libertad. 21) KUENZER. G. de. São Paulo: Cortez. Planejamento e educação no Brasil. escolas e grupos comunitários. da S. Luiza H. 2003. Dinamização das atividades educativas. em sua relação com o processo de desenvolvimento e de participação social. Brasília. (Cadernos Pedagógicos do Libertad. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. PLANEJAMENTO EDUCACIONAL EMENTA: Fundamentos teóricos do planejamento educacional e estudo dos modelos de planejamento. A arte da guerra.ed. ALMEIDA. ed. Implementação de programas de educação continuada aos docentes. GARCIA. VASCONCELLOS. (org. AEC do Brasil. 2. José. 1991. Walter. Planejamento estratégico na educação. São Paulo: Loyola.). 1) 48. São Paulo: Scipione. Sun. TZU. Planejamento Educacional como prática educativa. 2001. 2000. Danilo. NÚCLEO DE ALTOS ESTUDOS AMAZÔNICOS. 2000. Plano Editora. (Coleção Fazer e transformar) MIRANDA. [Trad. 1999. (O mundo hoje. Porto Alegre: L&PM. Planejamento participativo na escola. 2. São Paulo: Cortez. Cassiano et al. & GANDIN. (org. VEIGA. Planejamento participativo de projetos. CORDI. 21) PADILHA.107 47. Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto político-pedagógico da escola. SP: Papirus. Paulo. Danilo. Laurinda R. (orgs. Simão de. Belém: UFPA / NAEA / GPD.

Maria José Garcia. LDB interpretada: diversos olhares se entrecruzam. São Paulo: Ática.424. 1997. 1997. Laurinda R. São Paulo: Companhia das Letras. José Carlos A. Campinas – SP: Autores Associados. Estado e educação no Brasil. 4. Estabelece as Diretrizes e Bases da educação nacional. Antologia poética. 1997. A crise dos paradigmas e a educação. PERRENOUD. Governo Federal. 3) 49. Philippe. de 24/12/1996. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Pioneira. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: MORAES. BRITO. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político-pedagógico ao cotidiano da sala de aula. DF. A Legislação da Educação Básica e da Educação Superior no Brasil. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: BRASIL. SP: Cortez. de (org. VASCONCELLOS. São Paulo: Libertad Editora.FUNDEF. São Paulo: Loyola. Estabelece o Fundo Nacional de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério . Ana Rosa Peixoto. Nicholas. Iria (org). São Paulo: Loyola. SAVIANI. São Paulo: Thomson Pioneira. as normas e os procedimentos escolares. Interdisciplinaridade: formação de profissionais da educação. 5. WEREBE. 2006. 1999. Ceilândia: Idéa. 2006. 1998. BRZEZINSKI. limites e perspectivas. LEGISLAÇÃO DA EDUCAÇÃO EMENTA: O contexto histórico. MENESES.108 GUIMARÃES. socioeconômico e político do Brasil contemporâneo e a educação escolar. Dermeval. Estrutura e funcionamento da educação básica – leituras. LDB: da ―conciliação‖ possível à lei ―proclamada‖. Governo Federal. Dez novas competências para ensinar: convite à viagem. v. 1997. & ALMEIDA. de S. PLACCO. ed. (Subsídios pedagógicos do Libertad. 2000. Financiamento da educação básica. 2004. 1994. João Gualberto de Carvalho et al. Estado brasileiro e o direito. N. . 1996. A organização da educação escolar. Luiz Fernando (org). Ana Archangelo et al. Brasília. BRASIL. 1996. O Fundef e o orçamento da educação: desvendando a caixa preta. DOURADO. Celso dos Santos. João. 1996.). 1993. 1999. [Trad. Ana Gracinda (org. O gestor escolar. 1997. Zaia (org). Graphite. O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. O coordenador pedagógico e a educação continuada. QUELUZ. Patrícia Chittoni Ramos]. Lei nº 9. Brasília. Campinas – SP: Autores Associados. Porto Alegre: Artes Médicas Sul. 1988. DAVIES. MONLEVADE. Vera M. SP: Cortez. 2000. 9. GERMANO. José W. de 20/12/1996. Educação pública no Brasil: contos e descontos. A nova lei da educação: trajetória.394. ed. ed. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BRANDÃO. 1992. SP: Cortez. Vinicius de. DF. Mudanças no financiamento da educação no Brasil.). Grandezas e misérias no Brasil: 30 anos depois. Governo Federal Lei nº 9. Brasília. DF. Campinas – SP: Autores Assocaidos. BRASIL. Campinas –SP: Autores Associados. Belém – Pa. MELCHIOR.

htm> Acesso em 1º de maio de 2007.br/ccb/psicologia/revista/textov211. A. ed.RJ: Vozes. A escuta pedagógica à criança hospitalizada: discutindo o papel da educação no hospital. R. In: Obras escolhidas II. Belém-PA. dos. 2005. SP: Loyola. SAVIANI. 4. Cadernos pedagógicos. Pedagogia empresarial: atuação do pedagogo na empresa.. 1) GRAZZINELLI. de C. 1999. maio / ago. para quê? 4. 1988. 2007. Biologia educacional: noções de biologia aplicadas à educação. São Paulo: Cortez: IPF. São Paulo: Cortez.). SP: Cortez. F. Belo Horizonte: Editora UFMG.). Educação Popular no Brasil. Práticas pedagógicas no processo de organização de instituições. 2006. ed. RIBEIRO. 1992. (org. Rejane de S. 2002. Walter. São Paulo: Cortez. DINIS. Maria Stela S. Revista Brasileira de Educação / ANPEd. RIBEIRO. S. Rio de Janeiro. C. . 5. v. 2003. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BENJAMIN. C. ed. A. ed. Maria Stela S. História da educação no Brasil (1930/1970). R. História da educação brasileira: a organização escolar. (org. Pedagogia social de rua: análise e sistematização de uma experiência vivida. 4) LIBÂNEO. do A. Educação popular e educação de adultos. 5ª ed. espaços sócio-educativos não escolares: conhecendo experiências. PEDAGOGIA EM AMBIENTES NÃO ESCOLARES EMENTA: Educação não formal. Sorocaba / SP: MH Assessoria Empresarial Ltda. C. Otaíza de Oliveira. RIBEIRO. Constituição do Estado do Pará. Vanilda P. 10ª ed. Movimentos Sociais.. Lições de pedagogia empresarial. N. 2007. 12ª ed.. Maria L. PARÁ. v. GRACIANI. (AABB Comunidade.. Disponível em <http://www2. nº 29. do A. GOHN. Rio de Janeiro: Wak.uel. Educação especial: do querer ao fazer. Maria da Glória. Educação Não Formal e Cultura política. Pedagogia de rua: reflexões sobre uma nova prática. São Paulo: Brasiliense. S. Pedagogia empresarial: atuação do pedagogo na empresa. 2 ed. 1989. método e imaginação. 2001. Cidadania e educação. MARQUES. 3ª ed. GRACIANI. 1993. Pedagogia e pedagogos. S. ROMANELLI. S. Rio de Janeiro: Wak. 4. São Paulo: NTC – PUC/SP. 1996. São Paulo: Avercamp. F. et al. Petrópolis . 1987. M. Campinas – SP: Autores Associados. Narração e cura. (Col. Ênio.109 PAIVA. Maria Luiza M. MOURA. M. 50.. REIS. RIBEIRO. R. 1987. Governo do Estado. Dermeval. 2005. de C. Educação em saúde: teoria. J. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: FONTES. Prospectiva. & BAUMEL. Política e educação no Brasil: o papel do Congresso Nacional na legislação do ensino. 2006. D. HOLTZ. São Paulo: Moderna. L..

5. . de 11. trata sobre o afastamento de docente para participar de programas de pós-graduação no país.LDB . 2. 15 da Resolução CNE/CP 1/2002. . 6.394. de graduação plena.PNE . . 96A. que aprova o Regulamento do Ensino de Graduação no âmbito da UFPA 8. 7.2003. . Constituição da República Federativa do Brasil .  Lei 8. 1. 87. de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação): Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.Artigos 205 a 214 da Constituição Federal. Estágio de estudantes e Qualificação Profissional  LEI Nº 11. 2.12. Capítulo VI .3. .97.Diretrizes curriculares para os Cursos de Graduação da UFPA.RESOLUÇÃO Nº. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO / CONSELHO PLENO. licenciatura. para instruir os processos de autorização e de reconhecimento de cursos e de credenciamento de instituições.http://www. curso de licenciatura. Art.633/2008 do Conselho Superior de Ensino e Pesquisa – CONSEPE.  Lei 11. e . com a redação dada pela Lei nº 9. de 18 de fevereiro de 2002: Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica. de 09 de janeiro de 2001: Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. 2. Plano Nacional de Educação .907/2009.Parecer CNE/CES nº.RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1. DE 11.527. 9. DE 24 DE ABRIL DE 2002.436. em nível superior. 10. de formação de professores da Educação Básica em nível superior. de 07 de novembro de 2003. .707.Resolução CNE/CP nº.pdf Resolução CNE/CP nº.Resolução CNE/CP nº. de graduação plena.43 a 67 3.186.DOCUMENTOS LEGAIS QUE SUBSIDIARAM A ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO 1.Parecer CNE/CES nº.90. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais. 4. em nível superior. de 19 de fevereiro de 2002: Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura. DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. de 1º de setembro de 2004: Adia o prazo previsto no Art. DE 15 DE MAIO DE 2006. Diretrizes Curriculares . Lei de Diretrizes e Bases da Educação .br/proeg/projeto_pedagogico/CP012002. 67. dispõe sobre o Estágio de estudantes.1988 . de 10. Dispõe sobre af a s t a m e n t o p a r a capacitação. do CONSEPE.Art. 3. de graduação plena. DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006.Portaria MEC nº. . entre outras matérias.788. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia. dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências. que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica.12.112. - LEI Nº 10. art.Parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE)/CES 583/2001. Regulamento da Graduação da UFPA  Resolução N° 3.172. 329/2004. Resoluções do Conselho Nacional de Educação . DE 28 DE JUNHO DE 2004. 3284.Lei nº.110 APÊNDICE IX .ufpa. curso de licenciatura. E DECRETO Nº 5.Lei nº. Portadores de Necessidades Especiais .

Teórico-met. da Educação Infantil Prática Pedagógica Planejamento Educacional (Não há correspondente) Prática de Ensino na Educação de Jovens e Adultos – EJA Fund. Teórico-met. do Ensino de Geografia Fund. Estado e Educação Sociedade. do Ensino de História Laboratório de Pesquisa Fundamentos e Metodologia da Educação Inclusiva Sociedade. do Ensino de Ciências Fund. da Educação Infantil Prática Pedagógica Planejamento Educacional Prática de Ensino na Escola Normal Não há correspondente Fund. do Ensino de Matemática Estatística Aplicada à Educação Seminário de Pesquisa I Seminário de Pesquisa II Fund. do Ensino de Ciências Fund. Teórico-met. Teórico-met. Trabalho e Educação Prática de Ensino na Escola Fundamental Avaliação Educacional Organização do Trabalho Pedagógico Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares Política Educacional Educação Rural na Amazônia Pedagogia em Ambientes Não-Escolares Não há correspondentes Estágio Supervisionado Não há correspondente TCC Atividades Complementares ATIVIDADES CURRICULARES NOVAS Filosofia da Educação História Geral da Educação Sociologia da Educação Psicologia da Educação Corporeidade e Educação Antropologia Educacional Concepções Filosóficas da Educação História da Educação Brasileira e da Amazônia Pesquisa Educacional Fundamentos da Didática Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Didática e Formação Docente Teoria do Currículo Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental Alfabetização lingüística. Teórico-met. Teórico-met. Trabalho e Educação Estágio Curricular em Docência no Ensino Fundamental Avaliação Educacional Organização do Trabalho Pedagógico Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares Política Educacional Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia Pedagogia em Ambientes Não-Escolares Estágio curricular em gestão na escola e coordenação pedagógica Estágio Supervisionado Estágio em Ambientes Não-Escolares TCC I e II Atividades Complementares . do Ensino de Português Libras Estágio Curricular em Docência na Educação Infantil Tecnologias Informáticas e Educação Fund. do Ensino de Geografia Fund. do Ensino de Português Concepção e Metodologia do Ensino de Surdos e Mudos Prática de Ensino na Educação Infantil Tecnologias Informáticas e Educação Fund.QUADRO DE EQUIVALÊNCIA ENTRE COMPONENTES CURRICULARES ANTIGOS E NOVOS ATIVIDADES CURRICULARES ANTIGAS Filosofia da Educação História Geral da Educação Sociologia da Educação Psicologia da Educação Corporeidade e Educação Antropologia Educacional Concepções Filosóficas da Educação História da Educação Brasileira e da Amazônia Pesquisa Educacional Fundamentos da Didática Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Didática e Formação Docente Teoria do Currículo Arte e Educação Psicogênese da Linguagem Oral e Escrita Biologia da Educação Metodologia de Pesquisa em Educação Legislação da Educação Ludicidade e Educação Fund. do Ensino de Matemática Estatística Aplicada à Educação Seminário de Pesquisa Seminário de Pesquisa Fund. Teórico-met.111 APÊNDICE X . Teórico-met. do Ensino de História Laboratório de Pesquisa Fundamentos da Educação Especial Sociedade. letramento escolar e gêneros discursivos Biologia da Educação Metodologia de Pesquisa em Educação Legislação da Educação Ludicidade e Educação Fund. Teórico-met. Teórico-met. Teórico-met. Estado e Educação Sociedade. Teórico-met.

112 .

113

114

APÊNDICE XIII

SERVIÇO PUBLICO FEDERAL
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ - BREVES
FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS
CURSO DE PEDAGOGIA

FICHA DE LANÇAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS
ALUNOS
As descrições das Atividades Complementares Independentes estão
elencadas a seguir com suas respectivas formas de apropriação:
ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CH/Atividades/
Disciplinas

Pontos Período
Obtidos

1. Disciplinas optativas da área de abrangência do curso ou de
outras áreas do conhecimento
2. Participação em projetos de pesquisa, ensino e extensão
75h
(tempo de participação no projeto igual ou superior a um ano)
3. Monitoria (mínimo de um semestre)
60h
4. Publicação de trabalhos científicos
Em revistas indexadas
40h
Em revistas não indexadas
30h
5. Estágios profissionais na área educacional (carga horária
45h
mínima de estágio = 8 horas semanais por, no mínimo quatro
meses)
Pontuação máxima neste item = 90h
6. CURSOS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO OU ÁREAS AFINS
6.1 Realização de Cursos na área da educação ou áreas afins*
30h
(carga horária mínima do curso 30h)
30h
6.2 Organização de Cursos na área da educação ou áreas
afins* (carga horária mínima do curso 30h).
Pontuação máxima neste item = 60h
7. Participação em eventos científicos na área educacional
Evento local como participante
40h
Evento local como expositor
20h
Evento nacional como participante
20h
Evento nacional expositor
30h
Evento internacional participante
30h
Evento internacional expositor
40h
(Pontuação máxima neste item = 90h)
CH TOTAL
* Para efeito de validade de estudo relacionamos no item 6, considerar-se-á como áreas afins
aquelas em que hajam afinidades curricular, quer com a formação básica e especifica quer com
temáticas eletivas do currículo do curso.
Este (a) aluno(a) integralizou o Currículo do Curso de Pedagogia no _______ Semestre de 20___
Breves, __________de _____________de 20_______
___________________________________________
Coordenador (a) do Colegiado do Curso de Pedagogia

115

APÊNDICE XIV

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA

RESOLUÇÃO Nº

DE

DE

EMENTA: Define o Currículo do Curso de Graduação em Licenciatura em
Pedagogia/PARFOR/Município de Breves.
O Reitor da Universidade Federal do Pará, no uso das atribuições
que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral e considerando o que define o
inciso II, do Art. 53 da Lei nº 9394/96, cumprindo a decisão da Colenda Câmara de
Ensino de Graduação (Parecer nº.____) em conformidade com o Projeto
Pedagógico do curso de Licenciatura em Pedagogia do Campus Universitário do
Marajó - Breves, aprovado em ___/___/___ pelo CONSEP promulga a seguinte:

RESOLUÇÃO
Art. 1º
O objetivo do curso de graduação em Licenciatura em
Pedagogia é formar o (a) profissional de nível superior em Pedagogia para o
exercício da docência na Educação Infantil, nos anos iniciais do Ensino
Fundamental, na área de serviços e apoio escolar, aptos a pesquisar, analisar,
avaliar e atuar de forma consciente e crítica na prática educativa em ambiente
escolar e não-escolar, levando em consideração os contextos sociais, culturais,
históricos, econômicos e geopolíticos da sociedade, bem como os fins e os valores
da educação.
Art. 2º
O perfil do (a) profissional/egresso do Curso de Licenciatura em
Pedagogia do Campus Universitário do Marajó - Breves é o (a) pedagogo (a) com
domínio de conhecimentos científicos, didático-pedagógicos e de organização
referentes aos processos educativos em geral, demonstrando ação crítico-reflexiva
em relação à educação, aos processos de construção da sociedade, da cultura e
dos valores éticos e estéticos inerentes a processos de aprendizagem. Um (a)
profissional presente e atuante em espaços educativos formais e não-formais, capaz
de: demonstrar sólida formação teórica e competência técnica e político-social;
desenvolver e utilizar tecnologias inovadoras voltados para a construção de novos
saberes; compreender a sua realidade histórica e intervir de forma criativa para o
desenvolvimento do seu meio; propor e desenvolver trabalho coletivo e cooperativo;
agir com respeito à liberdade, à ética e à democracia.
Art. 3º O currículo do Curso de Graduação em Pedagogia prevê atividades
curriculares objetivando o desenvolvimento das habilidades e competências,
conforme discriminado no Apêndice I.

registrará a síntese de sua vivência no estágio e suas reflexões sobre o que aprendeu.Comunicar-se com clareza e precisão. Art. § 2º: Nos espaços não escolares poderão ocorrer por meio dos Programas e Projetos das Secretarias de Saúde – Hospital Municipal e 8º Centro Regional.Núcleo de Estudos Básicos: caracteriza-se como fundamentos e aplicação de princípios. III .Formar hábitos e atitudes profissionais.Núcleo de Estudos Integradores: está voltado à participação em projetos de iniciação científica e projetos de extensão orientados pelo corpo docente da universidade. II . na modalidade de Educação de Jovens e Adultos e em Programas de Alfabetização de Adultos. Dedicação. Pastoral da Criança. concepções e critérios oriundos de diferentes áreas do conhecimento.Liderar pequenos e médios grupos. II . tais como: Responsabilidade. 5º Os estágios supervisionados obrigatórios serão realizado durante o percurso acadêmico dos alunos e terão 405 horas. Independência e Espírito Crítico. Pontualidade. Secretaria de Trabalho e Assistência Social. além de documentar sua execução e conclusão. Polícia Militar – 9º Batalhão. § 1º: Em espaços escolares ocorrerão nas escolas de educação infantil e ensino fundamental. § 4º: Ao final de cada estágio realizado os (as) discentes apresentarão o relatório final que representa a culminância do Estágio. III . com pertinência ao campo da Pedagogia. ocorrerão a partir do quinto semestre do curso. ONG’s – Cruz do Sul e União Nacional dos Escoteiros e nas Empresas locais. Determinação. participação em eventos científicos e publicações de trabalhos.pratico do processo formativo.Núcleo de Aprofundamento e Diversificação de Estudos: contempla situações de aprendizagem necessárias ao desenvolvimento de potencialidades e o enriquecimento teórico . direcionados a gestão e a organização do trabalho pedagógico. IV . constituir-se-á de 03 (três) núcleos. além de atividades teórico-práticas capazes de proporcionar vivências integradoras dos conhecimentos apreendidos. da Extensão Rural – EMATER. os não obrigatórios ficarão na responsabilidade de planejamento do (a) docente com a turma.116 Art.Planejar atividades didáticas. I . Iniciativa. . 4º O curso de Graduação em Pedagogia. conforme discriminado no Apêndice II. nas séries iniciais. § 3º: No estágio supervisionado os (as) discentes serão avaliados a partir das seguintes habilidades: I .

. trezentas e noventa horas) horas. 7º A duração do Curso será de 04 (quatro) anos. 8º Para integralização do currículo do curso o aluno deverá ter concluído 3390 (três mil. composta por docentes e discentes.. apresentando a turma para conhecimento e análise antes do início do estágio. III . Art. § 1° A orientação do TCC iniciará no sétimo semestre com a oferta de 60h e no último semestre as demais 60h. contemplando os alunos ingressantes no curso a partir ano de 2010 e atenderá as turmas que funcionam nos Municípios de Breves. deverá ser instituída pelo Conselho da Faculdade. uma Comissão. 10 A presente resolução entra em vigor a partir de. 6º Como disciplina formal do currículo.120 horas de Núcleo de Estudos Integradores.. II . II . Ponta de Pedras e Portel revogando-se todas as disposições em contrário. 405h de Estágio.2280 horas de Núcleo de Aprofundamento e Diversificação de Estudos (60 h de Prática Pedagógica. São Sebastião da Boa Vista..117 § 5º: A Faculdade de Educação. Art.. assim distribuídas: I . 9º Caberá ao Conselho da Faculdade instituir uma comissão interna para acompanhamento permanente e avaliação anualmente do Projeto Pedagógico do Curso. § 2º: As demais orientações para a produção do TCC segue o que estabelece o PPC que está em sintonia com o regulamento do curso de graduação.. Art. Art. o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) terá uma carga horária de 120 horas.As disciplinas Seminário de Pesquisa e Laboratório de Pesquisa por tratarse de atividades curriculares que trabalham com elaboração de projetos serão ministradas por dois professores e para qualificar as atividades as turmas serão subdivididas. Art. Parágrafo Único: O tempo de permanência do aluno no curso não poderá ultrapassar 50% do tempo previsto para a duração do mesmo pela UFPA. I . juntamente com o (a) docente orientador (a) elaborará normas e instrumentos de avaliação dos discentes.. Parágrafo único: Para a reformulação.Para a oferta das disciplinas mencionadas no item I serão criadas subturmas para a lotação de professores.990 horas de Núcleo de Estudos Básicos. 120h para realização de TCC e 1695 das demais disciplinas)..

orientar. com propriedade. enquanto processo coletivo de construção e de seus fundamentos históricos. envolvendo diferentes sujeitos. educacionais e culturais. pesquisar. entre outros: sobre alunos e alunas e a realidade sociocultural em que estes desenvolvem suas experiências não-escolares.  Realizar pesquisas que proporcionem conhecimentos. Habilidades relacionadas:  Compreender de forma ampla e consistente o fenômeno e a prática educativa em seus respectivos âmbitos e especificidades. de forma a contribuir para o seu desenvolvimento nas dimensões. Competência teórica: domínio de conhecimentos científicos para o desenvolvimento do trabalho pedagógico com base na articulação teórico . e sobre organização do trabalho educativo e práticas pedagógicas.  Compreender o processo de construção do conhecimento na educação inserido em contextos social e cultural.prática que possibilite a compreensão de como se dá a aquisição. . sobre propostas curriculares. séries iniciais no Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos. física. coordenar e executar o trabalho pedagógico no âmbito da escola. psicológica. cuidar e educar crianças de zero a cinco anos. dos sistemas de ensino ou em outros contextos organizacionais. em diferentes meios ambiental-ecológicos. propor. sobre processos de ensinar e de aprender. compreendendo os problemas fundamentais do processo ensino-aprendizagem. Competência prática: capacidade de pensar. sejam individuais ou coletivos. social. Habilidades relacionadas:  Desenvolver metodologias e materiais pedagógicos adequados ao desenvolvimento do trabalho educativo para classes de Educação Infantil.DEMONSTRATIVO DAS ATIVIDADES CURRICULARES POR COMPETÊNCIA E HABILIDADES 1. COMPETÊNCIAS/ HABILIDADES Competência teórica ATIVIDADES CURRICULARES Filosofia da Educação Concepções Filosóficas da Educação História Geral da Educação História da Educação Brasileira e da Amazônia Sociologia da Educação Psicologia da Educação Antropologia Educacional Biologia da Educação Teoria do Currículo 2. entre outras. políticos e sociais.  Compreender. intelectual. instrumentos próprios para construção de conhecimentos pedagógicos e científicos. a produção e a socialização do conhecimento.  Utilizar. tendo em vista as características dos alunos e seu meio social.118 APÊNDICES DA RESOLUÇÃO APÊNDICE I .

 Relacionar as linguagens dos meios de comunicação à educação. planejando. Competência político-social: compreensão de que a prática profissional está inserida num contexto social mais amplo. demonstrando domínio das tecnologias de informação e comunicação adequadas ao desenvolvimento de aprendizagens significativas. o que requer a vinculação do projeto educativo ao projeto político-social. Teórico-met da Educação Infantil Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental Atividades Complementares 3. equânime. nos processos didático- pedagógicos.  Trabalhar em espaços escolares e não-escolares. comprometido com a construção de uma sociedade autônoma e includente. em diversos níveis e modalidades do processo educativo. Teórico-met do Ensino de Geografia Fund. Habilidades relacionadas:  Atuar com ética e compromisso com vistas à construção de uma sociedade justa. . executando. COMPETÊNCIAS/ HABILIDADES Competência prática ATIVIDADES CURRICULARES Pesquisa Educacional Estatística Aplicada à Educação Metodologia de Pesquisa em Educação Seminário de Pesquisa Laboratório de Pesquisa TCC I TCC II Prática Pedagógica Estágio Curricular em docência na Educação Infantil Estágio Curricular em docência na Educação de Jovens e Adultos Estágio em Ambientes não escolares Estágio Curricular em docência no Ensino Fundamental Estágio curricular em gestão na escola e coordenação pedagógica Estágio Supervisionado Libras Fund.119  Fortalecer o desenvolvimento e as aprendizagens de crianças do Ensino Fundamental. na promoção da aprendizagem de sujeitos em diferentes fases do desenvolvimento humano. acompanhamento e avaliação do projeto pedagógico. Teórico-met do Ensino de Matemática Fund. contribuindo para elaboração. assim como daqueles que não tiveram oportunidade de escolarização na idade própria. Teórico-met do Ensino de História Fund. Teórico-met do Ensino de Português Fund. acompanhando e avaliando projetos e programas educacionais. Teórico-met do Ensino de Ciências Fund.  Participar da gestão das instituições. igualitária. em ambientes escolares e não-escolares.  Participar da gestão das instituições. coordenação. implementação.

de gêneros. étnico-racial. Trabalho e Educação Sociedade. faixas geracionais. Competência inter-relacional: compreensão do trabalho coletivo e interdisciplinar. Estado e Educação Política Educacional Legislação da Educação Organização do Trabalho Pedagógico Planejamento Educacional Avaliação Educacional Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares Pedagogia em Ambientes Não-Escolares Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia 4. religiosas. COMPETÊNCIAS/ HABILIDADES Competência inter-relacional ATIVIDADES CURRICULARES Alfabetização linguística. respeitando as diferenças de natureza ambiental- ecológica.  Identificar problemas socioculturais e educacionais com postura investigativa e propositiva em face de realidades complexas. classes sociais.  Demonstrar consciência da diversidade. COMPETÊNCIAS/ HABILIDADES Competência político-social ATIVIDADES CURRICULARES Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais Sociedade. afetivas dos educandos nas suas relações individuais e coletivas. políticas e outras. culturais. emocionais. letramento escolar e gêneros discursivos Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Fundamentos da Didática Didática e Formação Docente Corporeidade e Educação Ludicidade e Educação Fundamentos e Metodologia da Educação Inclusiva Tecnologias. entre outras. como eixo norteador do trabalho pedagógico e da redefinição da organização curricular dos profissionais como seres sociais que se entendem a si mesmos e ao seu grupo social na dinâmica afetiva. econômicas. Habilidades relacionadas:  Promover e facilitar relações de cooperação entre a instituição educativa. entre discentes e entre docentes. a família e a comunidade. religiões. escolhas sexuais. com vistas a contribuir para superação de exclusões sociais.120  Reconhecer e respeitar as manifestações e necessidades físicas. Informáticas e Educação . étnicoraciais. cognitivas. necessidades especiais.

Séries E DIVERSIFICAÇÃO 34. Estágio supervisionado Sub-total 29. Fund. Informáticas e Educação Sub-total TOTAL 16. História Geral da Educação 3. Sociedade. Sociologia da Educação Fundamentação do 4. Trabalho e Educação 43. Estágio Curricular em Ambientes Não-Escolares 26.DESENHO CURRICULAR DO CURSO NÚCLEO DIMENSÃO ATIVIDADES CURRICULARES 1. Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental 38. Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares 49. Política Educacional 45. Libras 40. Biologia da Educação 7.390 . Psicologia da Educação Trabalho 5. Didática e Formação Docente Fundamental 36. Atividades Complementares TOTAL GERAL 120 3. TCC II 22. Teórico-met do Ensino de Português 30. Legislação da Educação 50. Estatística Aplicada à Educação Organização e Gestão do Trabalho 46. Antropologia Educacional Pedagógico 6. Tecnologias. Teórico-met do Ensino de Ciências Trabalho Docente NÚCLEO DE 32. Concepções Filosóficas da Educação NÚCLEO DE Sub-total ESTUDOS BÁSICOS 9. Fund.121 APÊNDICE II . Laboratório de Pesquisa 20. Corporeidade e Educação 14. Ensino e 12. Fund. Prática 23. Estágio curricular em docência na Educação Infantil 25. Teórico-met do Ensino de História na Educação APROFUNDAMENTO 33. Fund. Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais 42. Teórico-met da Educação Infantil Iniciais do Ensino DE ESTUDOS 35.270 51. Prática Pedagógica Pesquisa. Teórico-met do Ensino de Matemática 31. Metodologia de Pesquisa em Educação 18. Organização do Trabalho Pedagógico Pedagógico 47.Estágio curricular no Ensino Fundamental 27. Teoria do Currículo 10. TCC I 21. História da Educação Brasileira e da Amazônia 8. Alfabetização Linguística. Teórico-met do Ensino de Geografia Infantil. Seminário de Pesquisa 19.Estágio curricular em gestão escolar e coordenação pedagógica 28. Estágio curricular em docência na Educação de Jovens e Pedagógica e Adultos Estágios 24. Fundamentos e Metodologia da Educação Inclusiva 15. Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Currículo. Estado e Educação 44. letramento escolar e gêneros discursivos 37. Ludicidade e Educação 39. Planejamento Educacional 48. Filosofia da Educação 2. Sociedade. Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia Sub-total 41. Pedagogia em Ambientes Não-Escolares Sub-total TOTAL NÚCLEO DE ESTUDOS INTEGRADORES CH 75 75 75 75 60 60 60 60 540 60 60 60 60 60 75 75 450 990 60 60 60 60 60 60 60 60 90 45 90 60 60 825 75 75 75 75 75 75 60 60 60 60 60 60 810 60 60 60 60 60 60 75 60 60 90 645 3. Fundamentos da Didática 11. Pesquisa Educacional 17. Fund. Fund. Avaliação Educacional Avaliação 13.

Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais 42. Fund. Teórico-met. do Ensino de Português 30. Sociologia da Educação 4. LINGUAGEM FAM FAC. Fund. TCC II 22. Ludicidade e Educação 39. Fund. Estágio Curricular em Ambientes não escolares 26. Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental 38. Teórico-met. do Ensino de História 33. Fund.122 APÊNDICE III . Teórico-met. Legislação da Educação 50. Prática Pedagógica 23. CIÊNCIAS FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FAM FECH FECH FECH FECH FECH FECH ATIVIDADES CURRICULARES 1. Teórico-met. Teoria do currículo 10. do Ensino de Matemática 31. Trabalho e Educação 43.CONTABILIDADE ACADÊMICA UNIDADE RESPONSÁVEL PELA OFERTA FECH FECH FECH FECH FECH FAC. Fund. Teórico-met. História da Educação Brasileira e da Amazônia 8. do Ensino de Geografia 34. Sociedade. Planejamento Educacional 48. Corporeidade e Educação 14. Biologia da Educação 7. Laboratório de Pesquisa 20. Estágio curricular em gestão na escola e coordenação pedagógica 28. Organização do Trabalho Pedagógico 47. Alfabetização linguística. Tecnologias Informáticas e Educação 16. LIBRAS 40. Fundamentos da Didática 11. Estágio Supervisionado 29. História Geral da Educação 3. Teórico-met. Pesquisa Educacional 17. Psicologia da Aprendizagem e do desenvolvimento 12. Didática e Formação Docente 36. Avaliação Educacional 13. Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia 41. Estágio Curricular em Docência na Educação de Jovens e Adultos . da Educação Infantil 35.EJA 25. TCC I 21. Concepções Filosóficas da Educação 9. Metodologia de Pesquisa em Educação 18. Antropologia Educacional 6. Atividades Complementares TOTAL DO PERIODO LETIVO 75 75 75 75 60 60 60 60 60 60 CARGA HORÁRIA SEMANAL TEÓRICA PRÁTICA TOTAL 5 5 5 5 4 4 4 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 5 5 5 5 4 4 4 4 4 4 60 4 0 4 60 60 4 2 0 2 4 4 75 3 2 5 75 60 60 60 60 60 60 60 3 4 4 2 4 4 2 0 0 2 0 0 5 4 4 4 4 4 4 4 90 0 6 6 60 - 4 4 45 0 3 3 90 0 6 6 60 0 4 4 60 0 4 75 3 2 5 75 75 75 75 75 60 3 3 3 3 3 2 2 2 2 2 2 2 5 5 5 5 5 4 60 2 2 4 60 2 2 4 60 60 2 2 2 2 4 4 60 4 0 4 60 2 2 4 60 60 60 60 60 75 4 4 4 4 2 5 0 0 0 2 0 4 4 4 4 4 5 60 2 2 4 60 90 120 4 3 0 0 3 8 4 6 8 . Sociedade. Estado. Filosofia da Educação 2. Seminário de Pesquisa 19. Estatística Aplicada à Educação 46. Psicologia da Educação 5. CIÊNCIAS FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FECH FAC. do Ensino de Ciências 32. e Educação 44. Estágio Curricular em Docência no Ensino Fundamental 27. Fund. Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares 49. letramento escolar e gêneros discursivos 37. Política Educacional 45. Estágio Curricular em Docência na Educação Infantil 24. Pedagogia em Ambientes Não-Escolares 51. Fundamentos e metodologia da educação inclusiva 15.

Trabalho e Educação Fund. do Ensino de Português Estágio supervisionado Metodologia de Pesquisa em Educação Avaliação Educacional Estágio Curricular em Docência na Educação Infantil Tecnologias. Teórico-met do Ensino de Ciências Fund. Informática e Educação Fund.123 APÊNDICE IV . letramento escolar e gêneros discursivos Política Educacional Legislação da Educação Gestão de Sistemas e Unidades Educacionais Prática Pedagógica Pesquisa Educacional Fund. Teórico-met do Ensino de Matemática Educação do Campo e Desenvolvimento da Amazônia Sociedade. Teórico-met.ATIVIDADES CURRICULARES POR PERÍODO LETIVO PERÍODO LETIVO 1º 1º 1º 1º 1º 2º 2º 2º 2º 2º 2º 2º 3º 3º 3º 3º 3º 3º 3º 4º 4º 4º 4º 4º 4º 5º 5º 5º 5º 5º 5º 5º 6º 6º 6º 6º 6º 6º Sub-total CARGA HORÁRIA 75 75 75 75 60 360 Sub-total 60 60 60 60 60 60 60 420 Sub-total 60 60 60 60 60 60 60 420 Sub-total 60 60 75 75 60 60 390 Sub-total 75 75 60 75 60 60 60 465 Sub-total 90 75 75 75 75 60 450 ATIVIDADES CURRICULARES Filosofia da Educação História Geral da Educação Sociologia da Educação Psicologia da Educação Corporeidade e Educação Antropologia Educacional Concepções Filosóficas da Educação História da Educação Brasileira e da Amazônia Ludicidade e Educação Fundamentos da Didática Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Biologia da Educação Didática e Formação Docente Teoria do Currículo Arte na Educação Infantil e no Ensino Fundamental Alfabetização linguística. Teórico-met do Ensino de Geografia Fund. Estado e Educação Coordenação Pedagógica em Ambientes Escolares Estágio Curricular em Docência no Ensino Fundamental Estágio Curricular em gestão na escola e coordenação pedagógica Organização do Trabalho Pedagógico TCC I 8º 8º 8º 8º 8º 8º Pedagogia em Ambientes Não-Escolares Estágio Curricular em Ambientes Não-Escolares LIBRAS Laboratório de Pesquisa TCC II Atividades Complementares Sub-total Sub-total TOTAL 60 60 60 90 60 60 60 450 90 45 60 60 60 120 435 3. Teórico-met da Educação Infantil Planejamento Educacional Estágio Curricular em Docência na Educação de Jovens e Adultos Fund. Teórico-met do Ensino de História Fundamentos e Metodologia da Educação Inclusiva Seminário de Pesquisa 7º 7º 7º 7º 7º 7º 7º Estatística Aplicada à Educação Sociedade.390 .