Benefícios e contribuições sócio-ambientais da Iogística

reversa: o caso do retorno do garrafão de água mineraI de 20
Iitros

Elisana Cerqueira Bispo (AREA 1) elicerq(hotmail.com
Patricia Guarnieri (UEPG) pgguarnieri(yahoo.com.br

Resumo:
O presente trabalho teve por obietivo avaliar o processo reverso do retorno do garraIão de agua
mineral de 20 litros em uma empresa do ramo alimenticio. destacando os beneIicios e as contribuicões
socio ambientais com a reutilizacão deste material. Para a sua elaboracão desenvolveu-se um estudo
de caso em uma empresa do ramo de alimentos e bebidas. considerada representativa no segmento.
Inicialmente e dado enIoque aos conceitos relacionados a Logistica Reversa. deIinicões. seu papel no
contexto socio ambiental e canais reversos com Ioco no pos-consumo que e o caso estudado. Apos.
apresenta-se os resultados do estudo de caso que apresenta o processo deste bem desde a sua
Iabricacão ate o seu retorno. atraves do acompanhamento passo a passo. Atraves da logistica reversa
que operacionaliza o retorno do garraIão de 20 lts ao ciclo de negocios. e possivel realizar acões que
contribuam para reducão da degradacão ambiental e para o incentivo ao desenvolvimento pessoal dos
envolvidos no processo.
Palavras-chave: Logistica. Logistica Reversa. meio ambiente e sociedade.
1. Introducão
Usualmente logistica e associada ao gerenciamento do Iluxo de materiais do seu ponto de
aquisicão ate o seu ponto de consumo. No entanto. existe tambem um Iluxo logistico reverso.
do ponto de consumo ate o ponto de origem. que precisa ser gerenciado. Este processo reverso
da logistica traz beneIicios tanto para a empresa como para a sociedade ia que e possivel a
partir do gerenciamento da logistica reversa contribuir com o meio ambiente. reduzir custos.
melhorar o atendimento aos clientes. agregar valor a sociedade. entre outras coisas. Uma vez
entendidos os conceitos em relacão ao termo Logistica Reversa. os mesmos devem ser
aplicados de Iorma a melhorar o processo. inIluenciar na reducão de custos das empresas e
agregar positivamente se bem gerenciado.
O crescente volume de bens produzidos ocasionou preocupacão com o meio ambiente e
despertou a consciência ecologica da sociedade. A distribuicão de produtos desenvolveu-se de
Iorma rapida e eIicaz. porem a preocupacão por parte das organizacões. quanto ao
reaproveitamento desses produtos apos seu descarte não acompanhou esse desenvolvimento.
O aumento no uso de embalagens e descartaveis demonstra a despreocupacão com processos
de reciclagem. ia ressaltou Ballou (2001).
Segundo Leite (2003). grande parte dos produtos que são consumidos e depois descartados
podem passar pelo processo de reciclagem. Eles podem ser reaproveitados por meio da
reintegracão ao processo produtivo. Dentro deste contexto e que surge a logistica reversa.
tema de grande importância para as organizacões. seiam elas industriais comerciais. ou de
servicos. De Iorma geral a logistica reversa. que sera deIinida mais adiante. trata do retorno de
produtos consumidos e/ou não utilizados. por meio de canais de distribuicão. Assim como nos
processos produtivos diretos. a logistica reversa Iaz o planeiamento. implementa e controla o
Iluxo inverso ao Iluxo produtivo direto. procurando agregar valor a esses produtos.

reintegrando-os ao processo produtivo e de negocios.
Ha ainda muitas empresas que não dão a logistica reversa a mesma atencão que ao Iluxo de
saida normal de produtos ia que a logistica reversa. diz respeito ao Iluxo de materiais que
voltam a empresa por algum motivo (devolucões de clientes. retorno de embalagens. retorno
de produtos e/ou materiais para atender a legislacão).
O garraIão de 20 litros de agua mineral. comumente utilizado com Iins alimenticios (Ieito de
polietileno) pode ser um grande causador de degradacão do meio ambiente se não aproveitado
corretamente no ciclo reverso de bens. As garraIas que são compradas pelos consumidores
Iinais. apos o consumo do liquido. podem ser reaproveitadas de maneira incorreta ou não
destinadas ao canal reverso de pos-consumo atraves do canal correto podendo ser então
abandonadas na natureza. ocasionando em degradacão ambiental e não exaurindo todas as
possibilidades de reaproveitamento deste material. Algumas cooperativas e empresas do
ramo de reciclagem. por exemplo. geralmente utilizam o policarbonato reciclado como
materia-prima em sua producão. Elas Iabricam produtos de outras especies. como: botões para
roupas. Iachadas de predios. ianelas de seguranca (por exemplo. em trens de suburbio). oculos
de seguranca. carcacas para Ierramentas eletricas. computadores. copiadoras. impressoras.
bandeias. iarros de agua. tigelas. Irascos. escudos de policia anti-choque e etc.
O presente trabalho tem o obietivo de avaliar o processo reverso do retorno do garraIão de agua
mineral de 20 litros em uma empresa do ramo alimenticio. destacando os beneIicios e as contribuicões
socio ambientais com a reutilizacão deste material. Para isso apresenta-se o estudo de caso em
uma industria do ramo de alimentos e bebidas. considerada representativa no segmento.
Segundo Iaria (2002). reciclando uma tonelada de plastico gera-se a economia de 130 quilos
de petroleo; a cada tonelada de vidro reciclado se gasta 70° menos energia; para cada
tonelada de papel reciclado poupa-se 22 arvores. consome-se 71° menos energia e reduz a
poluicão em 74°. Os numeros citados demonstram algumas vantagens obtidas ao optar pela
logistica reversa não so pela reducão de custos. mas tambem pela expressiva economia de uso
dos recursos naturais e pela reducão da poluicão ambiental causada pela emissão de gases
toxicos na atmosIera.
2. Metodologia
A metodologia a ser utilizada neste trabalho e classiIicada. segundo Silva e Menezes (2001).
em uma pesquisa aplicada. pois gera conhecimentos para a aplicacão pratica direcionada a
solucionar os problemas especiIicos. E uma pesquisa qualitativa realizada atraves de uma
observacão sistematica. Portanto. não requer uso de metodos e tecnicas estatisticas. nem a
traducão em numeros.
De acordo com os obietivos sera uma pesquisa exploratoria e descritiva. Exploratoria porque
visa tornar a pesquisa mais explicita ou a construcão de hipoteses. e tambem e descritiva. pois
envolve o uso de uma das tecnicas de coleta de dados: observacão sistematica. O
procedimento tecnico utilizado Ioi o estudo de caso. que visa aproIundar algumas questões de
ordem pratica. permitindo maior conhecimento do tema pesquisado. (SILVA E MENEZES.
2001). A coleta de dados Ioi realizada atraves de visitas a uma empresa do ramo A pesquisa
realizada teve inicio em Janeiro de 2007 sendo Iinalizada em iunho do ano corrente.
3. Logística Reversa
ConIorme CLM (2001. p. 323) 'Logistica reversa e um amplo termo relacionados habilidades
e atividades envolvidas no gerenciamento de reducão. movimentacão e disposicão de residuos
de produtos e embalagens...¨.

Em Leite (2003) encontra-se a seguinte deIinicão de logistica reversa: em uma perspectiva de
logistica de negocios. o termo reIere-se ao papel da logistica no retorno de produtos. reducão
na Ionte. reciclagem. substituicão de materiais.reuso de materiais. disposicão de residuos.
reIorma. reparacão e remanuIatura.
Rogers e Tibben-Lembke (1999. p. 2). adaptando a deIinicão de logistica do Council of
Logistics Management (CLM). deIinem logistica reversa como: 'O processo de planeiamento.
implementacão e controle da eIiciência e custo eIetivo do Iluxo de materias-primas. estoques
em processo. produtos acabados e de inIormacões correspondentes do ponto de consumo ate o
ponto de origem com o proposito de recuperar valor ou realizar um descarte adequado.
agregando valor aoproduto retornado¨.
Nota-se que as diversas deIinicões e citacões de logistica reversa revelam que o conceito
ainda esta em evolucão. em Iace de novas possibilidades de negocios relacionados com o
crescente interesse empresarial e o interesse por pesquisas na area na ultima decada.
Dentre varias deIinicões encontradas. Leite (2003) muito bem deIine o termo como sendo a
area da logistica empresarial que planeia. opera e controla o Iluxo e as inIormacões logisticas
correspondentes. do retorno dos bens de pos-venda e de pos-consumo ao ciclo de negocios ou
ao ciclo produtivo. por meio dos canais de distribuicão reversos. agregando-lhes valor de
diversas naturezas: econômico. ecologico. legal. logistico. de imagem corporativa. entre
outros. Sendo assim. a logistica reversa busca agregar valor econômico. legal e ecologico aos
produtos de pos-venda e de pos-consumo.
Ao contrario da logistica direta. a logistica reversa por enquanto não conta com uma estrutura
suIiciente para Iazer Iluir. de Iorma eIiciente. todos os residuos. embalagens. produtos. entre
outros. gerados pela cadeia de distribuicão direta.Podemos observar esse Iluxo em quase
todos os segmentos do mercado. pois o retorno de mercadorias por diversos motivos e
constante (retrabalho de material acabado. Ialhas que geram pedidos errados. problemas com
materia-prima. embalagens etc.).
Lambert e Stock (1981) destacaram a logistica reversa como: o produto seguindo na
contramão de uma rua de sentido unico pela qual a grande maioria dos embarques de produtos
Ilui em uma direcão. Nesta conceituacão percebe-se a logistica reversa Iazendo o sentido
contrario ao da logistica direta.
A rapidez com que um produto e lancado no mercado. o rapido avanco da tecnologia.
iuntamente com um grande Iluxo de inIormacões; a alta competitividade das empresas e o
crescimento da consciência ecologica quanto as conseqüências provocadas pelos produtos e
seus descartes no meio ambiente. e que estão contribuindo para a adocão de novos
comportamentos por parte das organizacões e da sociedade de um modo geral. sinalizando
assim para uma valorizacão maior dos processos de retorno de produtos e materiais
destacados no meio ambiente. (Leite. 2003)
A crescente preocupacão ecologica dos consumidores. as novas legislacões ambientais. os
novos padrões de competitividade de servicos ao cliente e a preocupacão com a imagem
corporativa tem incentivado cada vez mais a criacão de canais reversos de distribuicão que
solucionem o problema da quantidade de produtos descartados no meio ambiente (Guarnieri.
2006).
Gomes e Ribeiro (2004). aIirmam que a logistica de Iluxos de retorno. ou logistica reversa.
visa a eIiciente execucão da recuperacão de produtos. A logistica reversa tem como
propositos a reducão. a disposicão e o gerenciamento de residuos toxicos e não toxicos. Para
Ballou (2001). embora seia Iacil pensar em logistica como o gerenciamento do Iluxo de
produtos dos pontos de aquisicão ate os clientes. para muitas empresas ha um canal logistico

reverso que deve ser gerenciado tambem. Como ia dito. a vida de um produto. do ponto de
vista logistico. não termina com a sua entrega ao cliente. Os produtos tornam-se obsoletos.
daniIicam-se ou deterioram-se e são levados para seus pontos de origem para conserto ou
descarte.
Para que o processo logistico reverso seia compreendido a sua operacionalizacão e ilustrada
na Iigura 1.
Fonte: Guarnieri (2006. p. 5. adaptado de Roggers & Tibben-Lembke. 1999. p. 5).
Figura 1 - Processo Logistico Reverso.
As necessidades da logistica reversa tambem decorrem do crescente numero de leis que
proibem o descarte indiscriminado e incentivam a reciclagem de recipientes de bebidas e
materiais de embalagem. de acordo com Bowersox e Closs apud Guarnieri (2006). que
salientam tambem que o aspecto mais signiIicativo da logistica reversa e a necessidade de um
maximo controle quando existe uma possivel responsabilidade por danos a saude. Nesse
sentido. um programa de retirada do mercado e semelhante a uma estrategia de servico
maximo ao cliente. que deve ser executado independente do custo.
Segundo Leite (2003). uma visão moderna e contemporânea de marketing social. ambiental e
principalmente de responsabilidade etica empresarial. . se adotada por empresas dos diversos
elos da cadeia produtiva de bens em geral e demais envolvidos na geracão de problemas
ecologicos resultara em imagens corporativas cada vez mais comprometidas com questões de
preservacão ambiental e responsabilidade social.
A logistica reversa pode ser ainda dividida em duas areas de atuacão: logistica reversa de pos-
venda e logistica reversa de pos-consumo. A primeira pode ser entendida como a area da
logistica reversa que trata do planeiamento. do controle e da destinacão dos bens sem uso ou
com pouco uso. que retornam a cadeia de distribuicão por diversos motivos: devolucões por
problemas de garantia. avarias no transporte. excesso de estoques. prazo de validade expirado.
entre outros. Ja a logistica reversa de pos-consumo pode ser vista como a area da logistica
reversa que trata dos bens no Iinal de sua vida util. dos bens usados com possibilidade de
reutilizacão (embalagens) e os residuos industriais. (Guarnieri. 2006)
Essas duas grandes areas de atuacão da logistica reversa que tem sido tratadas
independentemente ate o momento pela literatura. e são diIerenciadas pelo estagio ou Iase do
ciclo de vida util do produto retornado. Essa distincão Iaz-se necessaria. embora existam
inumeras interdependências. pois o produto logistico e os canais de distribuicão reversos
pelos quais Iluem. bem como os obietivos estrategicos e as tecnicas operacionais utilizadas

em cada area de atuacão. são. por via de regra. distintos. Um resumo dessa ideia e apresentado
na Iigura 2 e na Iigura 3 e demonstrado o Iluxo da logistica reversa de pos-consumo.




Fonte: Adaptado de Leite (2003. p. 17). Fonte: Leite Consultorias (2003)
Figura 2 Areas de atuacão da logistica reversa Figura 3 Fluxograma de Logistica reversa de
Pos-consumo

Segundo Leite (2003). a logistica reversa de pos-consumo e a area de atuacão da logistica
reversa que equaciona e operacionaliza igualmente o Iluxo Iisico e as inIormacões
correspondentes de bens de pos-consumo descartados pela sociedade em geral que retornam
ao ciclo de negocios ou a ciclo produtivo por meio dos canais de distribuicão reversos
especiIicos. como pode ser observado na Iigura 3. Constituem bem de pos-consumo os
produtos em Iim de vida util ou usados com possibilidade de reutilizacão e os residuos
industriais em geral. Seu obietivo estrategico e a agregar valor a um produto logistico
constituido por bem inserviveis ao proprietario original ou que ainda possuam condicões de
utilizacão. por produtos descartados e por residuos industrias. Esses produtos de pos-consumo
poderão se originar de bens duraveis ou descartaveis e Iluir por canais reversos de reuso.
desmanche. reciclagem ate a destinacão Iinal.
Este canal de distribuicão reversa tem sido utilizado ha bastante tempo por Iabricantes de
bebidas. que precisam retornar suas embalagens. a Iim de reutiliza-las. Siderurgicas ia usam
parte da sucata produzida por seus clientes com insumo de producão. O retorno de latas de
aluminio se torna cada vez mais um negocio rentavel. e as industrias procuram inovar os
metodos de proceder com o retorno destas embalagens.
Como a logistica reversa de pos-venda. a atividade relacionada ao pos-consumo tambem
possui vantagens econômicas para a empresa que a utiliza. Leite (2003) aIirma que o obietivo
econômico de implantacão da logistica reversa de pos-consumo se deve as economias
relacionadas com o aproveitamento das materias-primas secundarias ou provenientes de
reciclagem. bem como da revalorizacão dos bens pela reutilizacão e reprocesso.
DiIerentemente do canal de pos-venda. de iustiIicativa eminentemente econômica. o retorno
de bens usados tambem tem iustiIicativa ligada as questões ambientais e legais. Assim sendo.
esta atividade e mais signiIicativa em sociedades mais preocupadas com este tema. nas quais.
via de regra. a legislacão ambiental e mais rigida.
Os canais de distribuicão reversos de bens pos-consumo constituem-se nas diversas etapas da
comercializacão pelas quais Iluem os residuos industriais e os diIerentes tipos de bens de
utilidade ou seus materiais constituintes. ate sua reintegracão ao processo produtivo. por meio
dos subsistemas de desmanche. reciclagem ou reuso. (LEITE 2003)


4. Apresentacão e análise de resultados: O caso do retorno do garrafão de 20 litros de
água mineral
4.1 Descricão da empresa em estudo e dos processos
A empresa em estudo iniciou as suas atividades no setor em 1967. e a maior industria de
aguas minerais do pais. com 21 Iontes em 15 estados brasileiros. lidera o mercado. garantindo
o abastecimento e gerando mais de 2000 mil empregos diretos. em todas as regiões do Brasil.
Atraves de sua caracteristica inovadora e seu potencial industrial. expande sua atuacão no
segmento de bebidas. lancando continuamente desde 1997. os reIrigerantes. nos sabores cola.
guarana. uva. larania e limão. tambem nas versões light. Em todos esses anos de trabalho a
preocupacão e o compromisso com a qualidade dos produtos. o meio ambiente e acões sociais
Iaz com que a empresa em questão venha conquistando cada vez mais o gosto e a preIerência
dos consumidores.
O bem em estudo. o garraIão de 20 lts. e Iabricado a partir do policarbonato. Este importante
plastico de engenharia e um termoplastico. ou seia. um plastico que amolece ao ser aquecido e
endurece quando resIriado. permitindo que se Iacam curvas ou outros Iormatos. sem nenhuma
emenda. que e o caso do garraIão estudado. Para limpar. bastam agua e sabão neutro. o que
Iacilita o processo tanto de reenvase na Iase em que o garraIão volta a empresa em questão.
como no momento dos cuidados higiênicos necessarios para a transIormacão do material do
garraIão em utensilios na reciclagem.
O policarbonato tem como principais propriedades a excelente resistência ao impacto. otima
transparência (96°). e alta resistência termica entre outras caracteristicas. Caracteristicas
essas que são preponderantes num garraIão de agua mineral. Apos o recebimento da resina
plastica ela e armazenada no almoxariIado de maneira a não degradar o material ate o
momento do uso.
Ate o Iinal do processo de Iabricacão onde o Iim e o produto acabado. ha varias Iases que
devem ser respeitadas. O processo de transIormacão da materia-prima (resina) em garraIão
acontece na maquina sopradora de garraIões. Apos a insercão da resina na maquina. a mesma
passa na extrusora adquirindo assim uma Iorma pre-determinada atraves da alta pressão e te
Seguindo nesta mesma maquina. o material desce pelo canal que leva a materia-prima ao
processo de sopro. Assim. o material e soprado e toma a Iorma Iinal do garraIão de 20 litros.
Depois do sopro. a maquina libera o garraIão com reIugos ao redor de sua Iorma. Esses
reIugos são retirados imediatamente. transIormado em Ilocos mais uma vez. misturado a
Ilocos de polietileno ainda virgens e retornado ao inicio do ciclo produtivo. passo ainda não
muito longe. Então o garraIão segue para a estuIa onde permanece por 01h30min com a
Iinalidade de dar mais resistência ao produto - apos esse passo- acabado. que em seqüência e
armazenado em condicões que não exponham os garraIões vazios a quaisquer tipos de risco
que venha a comprometer sua destinacão.
Alem dos garraIões Iabricados. a empresa recebe os garraIões ia utilizados pelos seus clientes.
Esse e o processo de logistica reversa da empresa. O tratamento dado a esse Iluxo reverso dos
garraIões obedece a seguinte ordem: recebimento dos garraIões retornados atraves de
transporte rodoviario (caminhão); inspecão de todos os garraIões ainda dentro do caminhão;
colocacão do garraIão na linha de processo para seu reuso; e uma segunda inspecão onde os
rotulos antigos são arrancados e os produtos são cheirados um a um. partindo apos para o
proximo passo com o destino de reenvase.
A partir desta ultima Iase. destino do garraIão e o mesmo sendo este retornado ou recem-
Iabricado. Nesta. o produto segue na linha diretamente para a maquina de lavagem para a
lavagem. pre - enxagüe e enxagüe respectivamente. Passando então para maquina envasadora.

o garraIão e ocupado com 2 litros de agua. em seguida tampado e retornado a linha seguinte
para uma terceira inspecão. passagem pelo tuneo de encolhimento que veda o rotulo de
seguranca da tampa e rotulagem da garraIa.
4.2 Distribuicão
Apos. o garraIão reusado (ou não) e enviado diretamente aos caminhos que o levarão de volta
aos clientes. ou. são armazenados sob pallets em local Iresco. areiado e tratado para que não
haia o menor risco de degradacão.
O mesmo cuidado em manter a qualidade da embalagem na hora da armazenagem e tomado
com o transporte para distribuicão Iinal. com o intuito tambem de manter o garraIão em bom
estado de modo que seia reutilizado o maximo de vezes.
4.3 Retorno ao ciclo Produtivo
Apos a distribuicão. os garraIões chegam as distribuidoras e clientes Iinais. Quando Iinda a
sua Iuncão em posse destes consumidores. o garraIão retorna a empresa e passa por todo o
processo explicado anteriormente (item 4.1).
O numero de vezes que o garraIão retorna ao ciclo de negocios com o Iim de reuso varia de
15 a 35 vezes. Esta discrepância dar-se por conta dos cuidados necessarios com o bem. Se
utilizado para sua Iinalidade principal. armazenado em boas condicões e livre de quedas.
rachaduras ou qualquer outra condicão que possa vir a estragar o material. o mesmo esta
condicionado a não voltar ao ciclo produtivo em grande quantidade de vezes.
4.4 Descarte para Cooperativa de Reciclagem
Excedidas as propriedades quimicas do material quando usado para o Iim inicial. este e
distribuido para uma cooperativa com o intuito de transIormacão para este garraIão. so que
desta vez com outros Iins. O mesmo acontece quando o garraIão e quebrado e invalidado por
Ialta de cuidado no uso. por exemplo.
Na cooperativa os destrocos do garraIão são lavados e moidos. Dando seqüência ao seu
destino. esses destrocos passam mais uma vez pela extrusão. pelo sopro e desta vez pela
iniecão com o intuito de conIerir Iorma Iinal a peca apos a iniecão no molde e providenciar
um novo destino a este material de policarbonato transIormando-os em utensilios como: botão
de roupas. Iachadas de predios. armacão de oculos. entre outros.
5. Consideracões finais
Percebe-se atraves do processo reverso do garraIão de 20 lts. que com a colaboracão do
consumidor e possivel Iacilitar. sensivelmente. o processo de reciclagem e reuso diminuindo
as agressões direcionadas ao meio ambiente. A reciclagem do garraIão e importante. não
apenas para diminuir o acumulo de deietos desta natureza. como tambem para poupar a
natureza da extracão inesgotavel de recursos. evitando assim. a degradacão ambiental e o
acumulo de material nos aterros sanitarios enquanto poderia estar sendo reutilizado e por Iim
reciclado.
O processo de reuso e reciclagem dado como tratamento ao processo reverso do garraIão de
agua mineral agrega valor ao meio ambiente e a sociedade atraves de varios Iatores como:
• Economia de energia e materias-primas ia que não e necessario Iabricar as mesmas
quantidades de garraIões. tendo em vista o numero de garraIões que retornam para reuso;
• Menor poluicão do ar. da agua e do solo por diminuir a quantidade de vezes que o processo
industrial e repetido;

• Melhora na limpeza das cidades. pois o consumidor no momento que o consumidor separa
o garraIão e o devolve a empresa exclui-se a possibilidade deste material ser iogado nas vias
publicas;
• Geracão de renda pela comercializacão dos reciclaveis. incentivando o trabalho de
cooperativas que contratam pessoas sem necessidade de grau de instrucão elevado e dão a
essas pessoas uma Ionte de renda e qualiIicacão;
• Diminuicão do desperdicio atraves do ciclo de reuso que se repete de 15 a 35 vezes a
depender do tratamento dado ao material;
Apos se completar o ciclo de reutilizacão de 15 a 35 vezes ou ainda quando quebram. o
garraIão de 20 lts e encaminhado para uma cooperativa de reciclagem. Esta cooperativa e
reconhecida nacionalmente pelo carater inovador e pioneirismo. e apoiada pelo Pangea
Centro de Estudos Socio-ambientais localiza-se em Salvador (BA). e tem no seu trabalho o
obietivo de direcionar o lixo reciclavel gerado apos o Iim de curso do garraIão para seu uso
original. Alem de reduzir os residuos. o proieto cria novos postos de trabalho agregando valor
a sociedade em geral.
O aumento excessivo da quantidade de garraIões deixados ao lixo ampliaria quantidade de
lixo nos lixões. Quando o lixo e depositado em lixões. os problemas principais relacionados
ao material plastico provêm da queima indevida e sem controle. Quando a disposicão e Ieita
em aterros. os plasticos diIicultam sua compactacão e preiudicam a decomposicão dos
materiais biologicamente degradaveis. pois criam camadas impermeaveis que aIetam as trocas
de liquidos e gases gerados no processo de biodegradacão da materia orgânica.
Atraves da logistica reversa que operacionaliza o retorno do garraIão de 20 lts ao ciclo de
negocios. e possivel realizar acões que contribuam para reducão da degradacão ambiental e
para o incentivo ao desenvolvimento pessoal dos envolvidos no processo. O tratamento dado
apos o retorno do garraIão cumpre um papel Iundamental na manutencão do meio ambiente e
no crescimento da sociedade. Atraves deste processo. e possivel discutir. o valor da
consciência ecologica desta empresa que opta por envolver-se em um processo de retorno e
comprometer-se a incentivar o trabalho de uma cooperativa ao enviar os destrocos no Iim de
vida util do garraIão para este lugar. E possivel ver o ser executado. os recursos necessarios e
a seqüência das atividades. sendo possivel avaliar os ganhos tambem para empresa.
Referências
BALLOU. R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento. organizacão e logística
empresarial. Porto Alegre: Bookman. 2001.
CLM (Council oI Logistics Management). Reuse and recycling reverse logistics opoprtunities. Illinois:
Council oI Logistics Management. 2001.
GOMES. C. F. S. & RIBEIRO. P. C. C. Gestão da cadeia de suprimentos integrada à tecnologia da
informacão. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. 2004.
GUARNIERI. P. A Caracterizacão Da Logística Reversa No Ambiente Empresarial Em Suas Áreas De
Atuacão: Pós-Venda E Pós-Consumo Agregando Valor Econômico E Legal . Disponivel em:
http://www.pg.ceIetpr.br /Ebook/ARTIGOS2005. Acesso em 15/04/2007.
IARIA. C. A. P. T. Gestão integrada. Disponivel em http://www.intermanager.com.br. Acesso em 13/05/2007.
LEITE. P. R. Logistica Reversa: Meio ambiente e competitividade. São Paulo: Prentice Hall. 2003.
ROGERS. D. S. & TIBBEN-LEMBKE. R. S. Coing backwards - reverse logistics trends and practices.
University oI Nevada. Reno: Center for Logistics Management. 1999
SILVA. E. L.; MENEZES. E. M. Metodologia da pesquisa e elaboracão de dissertacão. 3. ed. rev. atual.
Florianopolis: Laboratorio de Ensino a Distância da UFSC. 2001.