You are on page 1of 2

Arte Antiaga

MESOPOTÂMIA (Inicia aproximadamente no VI milênio a.C.)
A Mesopotâmia é uma região que se desenvolveu no mesmo milênio em que ia sendo formada a
civilização egípcia. Localiza-se no Oriente Médio, delimitado entre os vales dos rios Tigre e Eufrates,
ocupado pelo atual território do Iraque e terras próximas. Os rios desembocam no Golfo Pérsico e a região
toda é rodeada por desertos. Ali como no Egito, o progresso técnico ocorria muito mais rapidamente do que
na Europa. Antes que todos os povos europeus houvessem adotado o uso do metal, haviam os povos
orientais passado pela Era do Cobre e do Bronze e ingressado na Idade do Ferro. Inserida na área
do Crescente Fértil (de Lua crescente, exatamente por ela ter o formato de uma Lua crescente e de ter
um solo fértil), uma região do Oriente Médio excelente para a agricultura, exatamente num local onde a
maior parte das terras vizinhas era muito árida para qualquer cultivo.
A Mesopotâmia é considerada um dos berços da civilização, já que foi na Baixa Mesopotâmia (ao
Sul) onde surgiram as primeiras civilizações por volta do VI milênio a.C. As primeiras cidades foram o
resultado culminante de uma sedentarização da população e de uma revolução agrícola, que se originou
durante a Revolução Neolítica. O homem deixava de ser um coletor que dependia da caça e dos recursos
naturais oferecidos, uma nova forma de domínio do ambiente é uma das causas possíveis da eclosão
urbana na Mesopotâmia. Devido o desenvolvimento da agricultura e do comércio surge o poder do Estado
onde tal governo teria função de coordenar melhor o trabalho da população na construção de grandes obras
de interesses comum. O controle político era exercido por uma elite que obrigatoriamente também era o
chefe religioso (patesi) e responsável pelo templo (zigurate – Templo Branco em Uruk) onde geriam a
economia.
A história da mesopotâmica é marcada por uma sucessão de guerras e conquistas de um povo
sobre o outro. Povos que de modo geral disputavam as melhores terras junto a rica planície dos Rios tigre
e Eufrates, além disso seus exércitos realizaram expedições de roubo fazendo guerras para conquistar as
riquezas dos adversários e submetê-los à escravidão.
Entre os principais povos que estabeleceram na Mesopotâmia destacaram-se: os sumerianos, os
acádios, os amoritas, (antigos babilônios) os assírios, os caldeus (novos babilônios), os hebreus, hititas,
fenícios, arameus, os sumérios, fenícios, os hebreus, os persas, os elamitas, Acádia e outros. A arte
da Mesopotâmia desenvolveu-se ao longo de muitos séculos, perpassando por diferentes civilizações, não
sendo, portanto, muito coesa em suas manifestações.
Escrita : A escrita cuneiforme, grande realização sumeriana, usada pelos sírios, hebreus e persas, surgiu
ligada às necessidades de contabilização dos templos. Era uma escrita ideográfica, na qual o objeto
representado expressava uma idéia. Os sumérios - e, mais tarde os babilônicos e os assírios, que falavam
arcadiano - fizeram uso extensivo da escrita cuneiforme.
Arquitetura: A mais desenvolvida das artes, porém não era tão notável quanto a egípcia. Caracterizou-se
pelo exibicionismo e pelo luxo. Construíram templos e palácios, que eram considerados cópias dos
existentes nos céus. Usava-se de tijolos por ser escassa a pedra na região; O Zigurate, torre piramidial, de
base retangular, composto de vários pisos superpostos, formadas por sucessivos andares, cada um menor
que o anterior era a construção característica das cidades-estados sumerianas. Nas construções,
empregavam argilas, ladrilhos e tijolos. Provavelmente só os sacerdotes tinham acesso à torre, que tanto
podia ser um santuário, como um local de observações astronômicas. Outro exemplo é a Porta Azul de
Ishatar (deusa do amor e da fertilidade) das muralhas construídas por Nabucodonosor (Babilônia).
Escultura e a pintura: Tanto a escultura quanto a pintura (frontal) eram fundamentalmente decorativas. A
escultura era pobre, representada pelo baixo relevo e algumas vezes afrescos. Muitas obras de escultura
mesopotâmica se perderam por terem sido executadas em argila. Estátuas de pedra ou outros materiais
mais resistentes são raros e representam sempre a realeza ou altos dignitários. Destacava-se a estatuária

CARACTERÍTIUCAS ARTÍSTICAS DE ALGUNS POVOS Sumérios (4000 a. Nas cerimônias de penitência. que se apóia em magia sobre leis da semelhança. para guerra. Ela é mímica. aplica-se a todas as coisas:. Nabucodonosor construiu a Torre de Babel e os Jardins Suspensos da Babilônia – duas das 7 maravilhas antigas do mundo).C. em Tepe-Sialk. Arte repleta de esculturas monumentais como demônios e guardiões. dando-se as mãos.): Começou no oriente da mesopotâmia (atual Irã). Dança: A dança é o gesto. e para atingir o estado de transe. finalmente. perto de Teerã. O canto também tinha ligações com a magia. gigantesca e original. Cerâmica e ourivesaria: A produção de objetos de cerâmica alcançou notável desenvolvimento entre os persas. Sofreu influência da arte suméria. Palácios colossais (ambientes para cerimônias diversos). Em Thecheme-Ali. colares e braceletes. Escultura associada a arquitetura. O coro de fies gemia em meio aos salmos usando onomatopéias: "ua". vasos) em madeira. “Rei Nabucodonosor”): Utilizava tijolo vidrado colorido para a decoração de superfícies coloridas arquitetônicas.assíria. Quando os fiéis estavam reunidos. relembrando os sofrimentos de tal ou qual deus ou apiedando-se das desgraças que desabam sobre a cidade. Arte com forte representação da “figura animal”. A pintura mural existia em função da arquitetura. cantavam hinos em louvor dos deuses.): Muitos Palácios e Templos (Zigurate). perto de Kashan. cabelos ao vento. Os relevos do palácio de Assurbanipal são obras de artistas excepcionais. Em cilindros-sinetes (tipo de selo) vêem-se danças no curso dos festins sagrados (tumbas reais de Ur). Suméria. Sofreu influência da arte suméria. Persa (2000 a. com acompanhamento de música. descoberto entre 1933 e 1955. o ato reforçado. Há cantos a favor ou contra um nascimento feliz.há danças para fazer chover. entre os viajantes. principalmente entre os babilônicos. em Tepe-Mussian. cantos para favorecer. muitas vezes acompanhava as cerimônias religiosas e mesmo as cerimônias civis (Marchas – Baixo-relevo assírio da tomada da cidade de Madaktu em Elam). de evocação dos mortos. "ui". região de Susa. Ausência de arquitetura religiosa. executando uma dança. Além disso. osso e metal. Estilo animalesco. Esses cânticos tinham letras que se destinavam a um pedido de socorro específico. assim como utensílios trabalhados em ouro e prata com incrustações de pedras eram muito comuns. cantos de amor. local de passagem de várias tribos nômades. que utilizavam também tijolos esmaltados. Assíria (1000 e 612 a. Seus artistas possuíam uma técnica talvez superior à que lhes era permitido demonstrar. "ua". cacos arcaicos reproduzem filas de mulheres nuas. Formas geométricas e esquemáticas baseadas no cone e no cilindro. Câmaras funerárias (Abóbodas e Arcos).612 a 539 a. na Mesopotâmia a ourivesaria (arte de fazer jóias) era uma das atividades artísticas mais importantes. nos poucos fragmentos que restaram é possível perceber o seu brilho e vivacidade. abstração figurativa e orgânica.C. Utilizava tijolo e pedra nas estradas das cidades e salas. os hinos eram de lamentação: "aí de nós". de amor etc. Danças rituais têm sido representadas em monumentos da Ásia Ocidental. Arte farte de figuras religiosas de alabastro (hierarquia por tamanho dos olhos).C. cantos de caça. de guerra. “Rei Hamurabi”. de caça. exclamavam eles. estava ligada à religião. Música: A música na Mesopotâmia. Babilônia (1º Período – 1894 a. Influenciou a arte assíria e da Babilônia. . Utilizava madeira e tijolo colorido para decoração entre outros. A procissão.): Templos Zigurates monumentais. Representa pela arte nômade ornamentel (armas. Embora as tintas utilizadas fossem extremamente vulneráveis ao tempo. Um dos raros testemunhos da pintura mesopotâmica foi encontrada no Pálacio de Mari. Estatuetas de cobre.C. e com estilos variados dada a diversidade de povos que ocuparam a região. taças.C. de ódio. 2º Período .