You are on page 1of 1

resumo da tersinha

Manejo Técnico

- Como alguns pacientes estão submetido a um superego rígido, cobrador e
ameaçador, cabe ao analista por meio da interpretação e de sua conduta
real, transformar esse superego mau em um superego bom, em um
superego auxiliar.
-As excessivas demandas, do ego ideal, e o ideal do ego no paciente, o
terapeuta deve estabelecer a capacidade de o paciente reconhecer,
claramente quais seus limites, alcances, direitos, deveres, o possível ,
impossível de ser alcançado e sua intolerância e diferenças que outros tem
em relação a ele.
- Pacientes muitos exigentes, que se cobra muito , obsessivos com fortes
defesas narcisista, o analista deve propiciar ao paciente, que ele construa
espaços próprio que passe por experiências vividas, e possa goza-los com
privacidade, se responsabilizando pelos seus atos e não atribuindo as
mazelas aos outros, assim o terapeuta devera ter paciência com as
angustias do paciente.
- O contra ego, merece uma atenção especial pelo analista, pois ele obriga o
paciente a se manter em uma permanente vigília obsessiva.
-Nos obsessivos, o terapeuta deve com uma boa tática, fazê-los clarearem e
assumirem, com os respectivos afetos, o significado daquilo que dizem de
forma intelectual e fria.
-Os obsessivos tem uma forte tendência a um sistema de pensar ruminante,
cavilatório com uma preferencia pela conjugação OU, que é excludente . o
analista deve propiciar ao paciente que no lugar do OU, ele substitua pelo o
E que é integrativo e includente.
- Na situação analítica, ha um risco de o paciente obsessivo consiga fazer
prevalecer o controle sobre si e sobre o terapeuta, pelo uso de seus
habituais mecanismos de defesas.
-O analista deve ter o cuidado na possibilidade de não se deixar equivocar
pela colaboração irretocável do paciente que costuma ser correto e pontual,
porem existe a possibilidade nesse paciente estar cumprindo tarefa de um
bom paciente do que disposto a fazer mudanças verdadeiras, nesse caso é
necessário o analista observar o destino que as interpretações tomam na
mente do obsessivo . um bom recurso técnico é fazer confronto com o
paciente no que ele diz, sente e faz.
- Além da contratransferência acontecer, o analista deve conhecer bem o
perfil de sua personalidade para evitar a hipótese de que seja portadora de
excessivo aspectos obsessivos e que deixe contaminar o campo analítico.